VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Mello: A ameaça sinistra à poupança


23/04/2012 - 09h21

sábado, 21 de abril de 2012

Pra defender lucro de seu principal anunciante, Jornal Nacional ameaça o país com mexida na poupança

do blog do Mello

Enquanto o país inteiro se alegra com a redução nas taxas de juros, o Jornal Nacional toma as dores dos únicos que lamentam essa queda, bancos e seus acionistas, especialmente o Bradesco, principal anunciante do telejornal da Globo.

Na reportagem que abriu a edição de ontem, o JN buscou aterrorizar a população com uma ameaça sinistra. Segundo a reportagem, a queda dos juros vai levar o governo a mexer na caderneta de poupança, o que seria, na opinião editorializada da reportagem, a única forma de manter atrativos os rendimentos da renda fixa.

Para isso procurou opinião de dois especialistas favoráveis à tese, um economista da FGV e o indefectível ex-ministro Maílson da Nóbrega.

Para dar um ar de isenção, a reportagem coloca um depoimento da presidenta Dilma espremido entre os dois especialistas. Mas, repare as palavras de Dilma, que deveriam derrubar a tese da matéria de uma vez por todas:

Dilma: “O Brasil tem de buscar um patamar de juros similar ao praticado internacionalmente. Tecnicamente, fica muito difícil o Brasil diante do que ocorre no mundo justificar spreads tão elevados. Eu acredito que isso será um processo de amadurecimento do país, que vai nos encaminhar progressivamente para nós termos juros mais condizentes com a nossa realidade”, declarou a presidente.

Em seguida a Dilma, entra Maílson, um eterno devedor das Organizações Globo, pois só foi efetivado ministro no governo do presidente Sarney, porque Roberto Marinho aprovou, como Maílson mesmo reconhece:

Maílson: – A Globo tinha um escritório, em Brasília, no Setor Comercial Sul. Fui lá e fiquei mais de 2 horas com o doutor Roberto Marinho. Ele me perguntou sobre tudo, parecia que eu estava sendo sabatinado. Terminada a conversa, falou: “Gostei muito, estou impressionado”. De volta ao Ministério, entro no gabinete e aparece a secretária: “Parabéns, o senhor é o ministro da Fazenda”. Perguntei: “Como assim?” E ela: “Deu no plantão da Globo” [o Plantão do Jornal Nacional].

Voltando ao JN de ontem. Depois da sonora de Dilma, a matéria segue defendendo sua tese da inevitável mexida na poupança, para fechar com o ex-ministro de Roberto Marinho:

O ex-ministro da fazenda Maílson da Nóbrega diz que é necessário, mas muito difícil mexer na regra da poupança.

“É uma questão delicadíssima do ponto de vista político. A caderneta de poupança é a forma mais popular de economizar dinheiro no Brasil. Tem mais de 50 anos, sem problema, sem calote. É fácil de entender. Então, mudar a caderneta de poupança tem que ser de forma muito bem feita, muito bem preparado, bem esclarecido”, avalia.

Repararam? A matéria fala pelo ministro, como destaquei em negrito.

No entanto, hoje, reportagem da Folha mostra a real intenção do governo, já expressa nas palavras da presidenta, mas boicotada na matéria do JN.

Diz a Folha:

O governo Dilma vai pressionar mais uma vez os bancos privados. A expectativa é que eles reduzam as taxas de administração de seus fundos de investimentos para torná-los mais lucrativos, permanecendo mais rentáveis que a poupança.

Ou seja: o governo não cogita mexer na caderneta de poupança. Quer que os bancos diminuam suas taxas e tenham “juros mais condizentes com a nossa realidade”, como disse a presidenta.

Esquece a Globo que hoje quem define a política econômica é o governo da presidenta Dilma e não Roberto Marinho.

Leia também:





42 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Sr. Indignado

23 de abril de 2012 às 22h58

Por favor. Alguém foi conferir mesmo se houve essa tal falada queda de juros? Alguém fez uma operação?
Eu fui ao banco não consegui reduzir os juros.

Responder

Zhungarian Alatau

23 de abril de 2012 às 22h31

Os neoliberais descobriram uma fábrica de dinheiro nas tais taxas de juros. Melhor ganhar dinheiro aplicado em algum fundo do que aplicá-lo no setor produtivo. Hoje taí a Europa quebrada, os EUA chafurdando… E os neoliberais, fazendo a tal "cara de paisagem", como se não fosse com eles. O buraco é mais embaixo, e quem vai salvar o mundo é o Estado, não são os bancos, com certeza.

Responder

Gilson Rocha

23 de abril de 2012 às 22h10

Pois é, o engraçado é que as pessoas
aqui muito bem informadas como sempre,
não lembram que lá em 2009 o próprio Lula
admitia mexer no cálculo dos rendimentos da
poupança.
Justamente pela queda da taxa básica dos juros.
A decisão seria para proteger a poupança de especuladores,
já que seria o melhor investimento em detrimento de outros.
Isso seria mais que natural.
Então para a maioria que não entende patavinas de nada, no
caso de realmente o governo mexer na poupança, é uma medida
natural e de interesse dos pequenos poupadores.
Parem de falar bobagem, a cegueira petista é tão grande que até
medidas corretas para o bem da economia já ficam com essa história
de Teoria da Conspiração.
Ridículo…

Responder

Julio_De_Bem

23 de abril de 2012 às 19h14

Muito boa jogada da Dilma contra os bancos em prol do povo, principalmente em exigir as taxas internacionais. Espero que ela tenha a mesma coragem contra as montadoras de carros, exigindo os padrões internacionais de acessórios de segurança e que parem roubar tanto dinheiro em nome do "custo brasil".

Responder

pperez

23 de abril de 2012 às 18h12

O PIG quer comparar Dilma a Zelia Cardoso de Mello: a musa de Collor que meteu a mão na poupança de quase todo mundo!
O PIG destrambelhou de vez!

Responder

nora jeane

23 de abril de 2012 às 17h30

A Presidenta Dima enfrenta os bancos, o Pig, os agiotas oficiais e em vez da gente aplaudir, vamos ficar defendo o interesse dos poderosos. So brasileiro Global- piguento faz isso! Me poupem! que eu to comemorando e parem de dá eco as imbecilidades dos que se dissem entendedores de economia……. menos bem menos, que ninguém é tão besta
como a globo gostaria!

Responder

Julio Silveira

23 de abril de 2012 às 16h12

Pelo que leio no mundo o Brasil é o unico país onde perdedores viram herois. Pessoas que foram testadas na administração publica, que tiveram resultados desastrosos, se tornam herois construidos midiaticamente, consultores por força de favores inquestionaveis que prestaram aos donos das organizações mafio midiaticas corporativas. São mantidos em evidência e visibilidade artificiais por conta dessa gratidão, da mesma forma que as organizações clandestinas criminosas emprestam aos seus colaboradores. Azar do Brasil e da maioria dos cidadãos vitimas desses grupos articulados para se darem bem as nossas custas.

Responder

Leider_Lincoln

23 de abril de 2012 às 15h13

Penso que quem sabe mesmo das coisas é o EUNAOSABIA…

Responder

    EUNAOSABIA

    23 de abril de 2012 às 16h11

    Eu sabia que você sabia disso.

    Obrigado.

jaime

23 de abril de 2012 às 14h26

Em outras palavras, o Maílson agora está preocupado com a renda dos pequenos poupadores? Poupe-me, primeiro, de sua hipocrisia. E olha aqui, vamos ser francos, o rendimento da poupança, assim como o dos fundos, da frente, do lado e do perfil, é uma merreca. O único rendimento de verdade é o dos bancos e o dos GRANDES investidores. Para mim, o povinho, tanto faz como tanto fez.

Responder

Rodrigo Falcon

23 de abril de 2012 às 13h21

Triste é ficar ouvindo de terceiros próximos esses factóides mais que putrefatos das mesmas emissoras que diariamente deformam o direito à concessão pública. Os mesmos terceiros (parentes, amigos, professores) que vestem roupa de vanguarda mas no fundo respiram o ar pesado da repressão. Triste viver na cidade de São Paulo…

Responder

Mariac

23 de abril de 2012 às 12h19

Ultimamente eu ando esperando mais tempo para formar conceitos. Nada de pressa.

Responder

Marat

23 de abril de 2012 às 12h14

De economia meu entendimento é quase zero, porém sei identificar quando um economista ou um palpiteiro em economia é malandro. Desses ai, no PIG há uma infinidade. Explico: Essa turma sempre meteu o pau nos governos ditos de esquerda, com um discurso contra os juros altos. Agora que um governo dito de esquerda resolveu baixar os juros, os mesmos "economistas" pigueanos estão contra… Quer dizer que algo é bom ou ruim dependendo do PIG? Eles que peguem o que lhes é devido pelo Cachoeira, e vão para seus países de coração, e nos deixem trilhar nosso caminho por aqui!!!

Responder

Daci

23 de abril de 2012 às 11h43

Essa rede Golpe é uma vergonha quando resolvo assisti é só decepção
A marcha contra a corrupção eles falaram na maior cara dura que era contra o mensalão, vi o SBT, record e ninguém falou em mensalão só a rede Golpe, eles são nojentos mesmo.

Responder

Edu

23 de abril de 2012 às 11h27

Ora, desde fins do governo Lula já havia uma discussão sobre como fazer a Selic poder cair mais, já que ela tem um piso. O piso encontra-se num rendimento pouco superior à poupança, umas vez que a poupança não paga imposto de renda. Senão mexerem na poupança, o governo a tendência é que o governo encontre dificuldade em se financiar. Mexer nas taxas de administração, só abriria um pouco mais de espaço antes de realmente ter que mexer na poupança. Lembro que no governo Lula havia uma proposta de taxar as cadernetas com montante acima de 50 mil reais.

Responder

    Fabio_Passos

    23 de abril de 2012 às 18h59

    Exato. O caminho é diferenciar e preservar bons rendimentos para o pequeno poupador. O Estado não tem demanter os mesmos rendimentos para grandes investidores e especuladores.

FrancoAtirador

23 de abril de 2012 às 11h27

.
.
E CADÊ O CADE PARA ACABAR COM ESSES CARTÉIS?

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE )
é um órgão judicante, com jurisdição em todo o território nacional,
criado pela Lei 4.137/62 e transformado em
AUTARQUIA vinculada ao MINISTÉRIO DA JUSTIÇA
pela Lei 8.884 de 11 de junho de 1994.

As atribuições do Cade estão previstas também na Lei nº 8.884/94.

Ele tem a finalidade de orientar, fiscalizar, prevenir
e apurar abusos de poder econômico,
exercendo papel tutelador da prevenção
e da repressão a tais abusos.

A que corresponde o papel preventivo do Cade?
O papel preventivo corresponde basicamente à análise dos atos de concentração, ou seja, à análise das operações de fusões, incorporações e associações de qualquer espécie entre agentes econômicos.
Este papel está previsto nos artigos 54 e seguintes da Lei 8.884/94.
Caso o negócio seja prejudicial à concorrência, o Cade tem o poder de impor restrições à operação como condição para a sua aprovação, como determinar a alienação total ou parcial dos ativos envolvidos (máquinas, fábricas, marcas, etc), alteração nos contratos ou obrigações de fazer ou de não fazer.

A que corresponde o papel repressivo do Cade?
O papel repressivo corresponde à análise das condutas anticoncorrenciais.
Essas condutas anticoncorrenciais estão previstas nos artigos 20 e seguintes da Lei nº 8.884/94, no Regimento Interno do Cade e na Resolução 20 do Cade, de forma mais detalhada e didática.
Nesses caso, o Cade tem o papel de reprimir práticas infrativas à ordem econômica, tais como:
CARTÉIS, VENDAS CASADAS, PREÇOS PREDATÓRIOS, ACORDOS DE EXCLUSIVIDADE, dentre outras.

http://www.cade.gov.br/Default.aspx

Responder

    Gilson Rocha

    23 de abril de 2012 às 22h12

    Esse CADE é uma piada.
    Como a maioria das agências
    reguladoras do país.

valdo andrade

23 de abril de 2012 às 11h26

Caso a poupança se torne mais atraente que os títulos do governo, é só o governo utilizar o dinheiro da poupança para rolar a divida pública.

Responder

    Willian

    23 de abril de 2012 às 13h09

    O dinheiro da poupança vai para crédito habitacional, por lei.

Apolônio

23 de abril de 2012 às 11h26

Vai chegar a um ponto que o governo vai ter que mexer na poupança. Espero que ele saiba fazer o trabalho, e, o faça bem feito, para que a população entenda. Se não o fizer, teremos de novo, o Roberto Freire na televisão.

Responder

    maria olimpia

    23 de abril de 2012 às 17h55

    Apolônio,
    Acredito que deverá ser na linha explicitada pelo RicardãoCarioca(comentário acima). Acima de R$50 mil.Poupadores milionários, sem pagar IR é uma vergonha e injusto.

    Werner_Piana

    23 de abril de 2012 às 21h47

    Poupança de 50 mil é milionario??? Aff… cinquentaMILIARIO, vá lá, pois para ser MILIONARIO, supoē-se algo acima do 01 MILHÃO… Ajuda nóis aí, amiga!

    Fabio_Passos

    23 de abril de 2012 às 19h02

    Qualquer que seja a mudança as oligarquias midiáticas e os partidos de oposição decrépita da direita vão bombardear tentando fazer dividendos políticos.
    Estas organizações não tem compromisso algum com o Brasil. O compromisso deles é com a propininha da banca que vem na forma de anúncios para a mídia e financiamento de campanha para os políticos.

Fabio_Passos

23 de abril de 2012 às 11h10

Impedir a transição de uma economia que serve ao rentismo parasita para uma economia com foco na produção é o objetivo das oligarquias financeiras e midiáticas.

Para continuar mamando nas tetas do Estado os especuladores vão tentar de tudo: mentiras, sabotagem e muito terrorismo midiático.
A mídia-corrupta -rede globo / quadrilha veja / estadão / fsp – está aí para atrapalhar os interesses nacionais em troca de dinheiro sujo dos bancos.

Já passou da hora de acabar com a mamata destes especuladores vagabundos.

Responder

Edemar Motta

23 de abril de 2012 às 11h07

Em 1992 apliquei algum dinheiro em um fundo de ações administrado por um banco o qual,mais tarde, foi adquirido por um estrangeiro. A expertise, ou esperteza, do administrador chegou a custar 4% ao ano, e tenho hoje cerca de 65% do que eu teria se tivesse depositado o mesmo valor em caderneta de poupança.

Sempre que a bolsa cai, meu fundo (que já mudou de nome por interesse do banco inúmeras vezes) cai mais;sempre que sobe, sobe menos.

Responder

CLP

23 de abril de 2012 às 10h39

Nossa, não posso acreditar no que meus olhos veem, Dilma enfrentando um interesse poderoso, deve ser miragem!Feita a provocação, espero que ela acabe com , esta sim, "jabuticaba" , só existente no Brasil, de bancos cobrarem de juros mais que agiotas!

Responder

Willian

23 de abril de 2012 às 10h35

Um desafio à equipe de Viomundo. Encontrar um economista de confiança de vocês e perguntar o seguinte:

1)Caso os bancos zerassem as taxas de adminsitração, qual seria o piso da SELIC para que a poupança não se tornasse mais atrativa que a aplicação em títulos do governo?
2)Para que a SELIC caísse abaixo deste piso, qual a alternativa para o governo que não mudanças nas regras da poupança?
3)Se houvesse uma migração em massa de aplicadores em títulos do governo para a poupança, o que aconteceria com economia?

Nenhum de nós aqui é especialista em economia, e uma explanação neste sentido seria boa para o debate.

Responder

Willian

23 de abril de 2012 às 10h29

A poupança remunera, por lei, o poupador com 6% mais TR ao ano. Para que a SELIC caia abaixo de 7,5% mais ou menos a remuneração da poupança terá que ser revista. Caso haja uma saída que não esta, eu (e os técnicos do governo) gostaria de saber.

Responder

Maria Thereza

23 de abril de 2012 às 10h15

Por mim, depois dessa atitude da Dilma em relação aos bancos, ela podia passar os próximos 6 meses deitada numa rede, sem fazer nada. Isso vai ser uma (r)evolução na maneira dos bancos operarem aqui, beneficiando a população.

Responder

luiz pinheiro

23 de abril de 2012 às 10h00

A decisão da presidenta Dilma de promover essa forte redução dos juros cobrados pelos bancos, à medida que for se consolidando, vai tornar bem mais fácil alterar a fórmula do rendimento da caderneta. A população vai perceber que estamos entrando em outra, e muito melhor, realidade financeira. Não é possível manter a caderneta com juros de 6% mais TR, essa é uma das distorções do sistema que falta corrigir – se quisermos ter os juros nos padrões internacionais, como propõe a presidenta.

Responder

    LuisCPPrudente

    23 de abril de 2012 às 11h01

    Seria tão mais simples os bancos diminuirem a sua taxa de administração das aplicações, diminuindo assim os lucros exorbitantes que os bancos têm. Os poupadores, incluindo eu, nunca tiveram rendimentos astronômicos como os bancos. Agora, para manter os lucros dos bancos, você e todo o PIG querem alterar a poupança e manter os lucros exorbitantes dos bancos!!!!

    Deixa a poupança de lado, deixa!

EUNAOSABIA

23 de abril de 2012 às 09h56

Deixo a seguinte pergunta… e se o governo mexer mesmo na poupança? vocês vão dizer o que?

Eu já sei… vocês não vão dizer é nada mesmo…. vão fazer "face landscape "

Vai ter que mexer na poupança sim, dado que o governo usa os títulos públicos para rolar sua dívida, daí que é uma questão daquilo que os economistas chamam de "custo oportunidade", existe um trade of embutido, uma taxa de poupança neste patamar pode inviabilizar a rolagem da dívida via emissão de títulos do governo, é simples.

Um comentário sem o menor embasamento com a realidade econômica ou conhecimento técnico algum.

Responder

    RicardãoCarioca

    23 de abril de 2012 às 10h48

    Simples. Lendo os projetos atuais sobre o assunto, resumidamente:

    A) Seriam afetadas somente novas contas poupanças criadas depois da alteração;
    B) Teria uma linha de corte, por exemplo, abaixo de R$50.000,00 a regra não mudaria;
    C) Períodos longos de internação do dinheiro na poupança (três, cinco anos, etc), dariam aos seus donos, independente de patar, a mesma rentabilidade atual.

    Tem mais sugestões lá, basta procurar nos projetos do legislativo e executivo a respeito.

    O que o governo quer?

    1) Proteger a poupança de ataques especulativos. Perfil: Altas somas de dinheiro aplicadas em curtos períodos de tempo;
    2) Atender aos brasileiros que utilizam a poupança. Perfil, pessoas de todas as classes, nos moldes da pirâmide social de riquezas, que utilizam a poupança para guarda de reserva principalmente.

    Em minha opinião, com um pacote bem feito e bem explicado, em nada será afetada a população e vedada será a especulação dos financistas, pragas modernas, que só querem ganhar dinheiro com dinheiro.

    Julio Silveira

    23 de abril de 2012 às 16h21

    Robo, se o extraterrestres invadirem a terra no fim de 2012, voce vai fazer o que?
    Cara, esse especulometetro baseado em bolas de cristal dava certo algum tempo atrás quando havia por parte dos representantes da politica economica do governo e dos reporteres do PIG uma coordenação entre atos, fatos e informações. Hoje isso não ocorre, e tudo que a midia tem dito que iria acontecer ocorre justamente o contrário. A Miriam PIG, tua idola, não ganha mais nenhuma, por nisso está migrando para a ecologia, com passeios pela geografia, quando se dana a falar do mundo exterior, dos governos em crises causadas por neoliberaism, muito previsiveis para criticas de fracassos.

    Zhungarian Alatau

    23 de abril de 2012 às 17h51

    Eu não sabia que vc entendia também de economia, ô eunaosabia. Eu me lembro que toda vez que tinha prova, vc dizia: "Ah, eu não sabia!"

    Acabou levando pau. Aliás, parece que vc gostou.

Remindo Sauim

23 de abril de 2012 às 09h48

Com a queda dos juros praticados pelo governo, é lógico que a poupança vá render menos. Esta modalidade de aplicação era uma defesa da inflação. Mas a renda fixa também vai cair. Está na hora do nosso dinheiro ir para nossa saúde, nossa educação e nossa habitação em vez de ficar engordando o sistema financeiro. O negócio é gastar para melhorarmos nosso presente e nosso futuro.

Responder

    Willian

    23 de abril de 2012 às 10h38

    Remindo, por lei, a poupança rende 6% mais TR. Se a TR for ZERO, pelo menos 6% ao ano a poupança rende. Além do mais, poupança está isento do imposto de renda, coisa que a aplicação em títulos não está. A poupança cria um piso para queda da SELIC, é uma de nossas jabuticabas.

Marat

23 de abril de 2012 às 09h29

Não podemos esperar nada de bom de nossa direita, do Maílson e do PIG! Pau neles!!!!!!!!

Responder

    Fabio_Passos

    23 de abril de 2012 às 19h05

    A rede globo não tem vergonha na cara em sempre trazer este menino de recados da banca: maílson da nóbrega.

    Marat

    23 de abril de 2012 às 22h36

    Fábio, o Maílson é um moleque de recados na terceira idade, o que é pior!!!!!!!!!!!!!

    Fabio_Passos

    23 de abril de 2012 às 23h34

    A idade não trouxe vergonha na cara.
    Nem pro maílson e muito menos prá globo.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding