Leandro Fortes: Hugo Chávez, meu ditador preferido

Tempo de leitura: < 1 min

por Leandro Fortes, em CartaCapital

Interessante essa sanguinária ditadura comunista do coronel Hugo Chávez, que tanto desarranjo provoca na sensível barriga da direita latino-americana.

Ao todo, 80% dos eleitores venezuelanos compareceram às urnas, na última eleição presidencial. Detalhe: o voto, na Venezuela, não é obrigatório.

Estranha ditadura esta em que o terrível ditador é escolhido em eleições livres, monitoradas por diversos organismos internacionais, sem falar em todos os urubus da imprensa latino-americana que em Caracas pousaram para agourar a revolução bolivariana.

Para uma elite acostumada a comprar xampu em Miami para dar banho nos cães, Capriles chegou mesmo a ser um sonho de revanche.

Explica-se: a família de Henrique Capriles, assim como as de Fernando Collor e ACM Neto, por exemplo, é dona de uma cadeia de comunicação.

Nas redes privadas, o candidato da direita ocupou 88% do tempo disponível para propagada eleitoral, além de ter o apoio monolítico da mídia local.

A Chávez, sobraram os 12% restantes. Num quadro desses, não é de se admirar a sensação generalizada entre os ricos e remediados de que Capriles seria a nova revolução.

Chávez venceu por 1,5 milhão de votos.

Leia também:

Max Arveláiz: Conheçam a Venezuela

Roberto Amaral: Chávez e a derrota dos barões da imprensa brasileira

Leandro Fortes: Acabou o Lexotan na SIP

Breno Altman: Golpistas do passado são os golpistas do futuro

Vargas Llosa e a máquina de propaganda contra Chávez

Emir Sader: O mundo parece de cabeça para baixo

Renata Mielli: O assédio eleitoral telefônico na Venezuela

Reeleito, Chávez agradece mensagens de Lula e Dilma

Chávez sobrevive à mídia e é reeleito com 54% dos votos

 

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Jair de Souza

Em 29/06/2007, escrevi para Aporrea.org, da Venezuela, o artigo “Solo los ciegos no ven la dictadura” (Só os cegos não veem a ditadura). Creio que, passados mais de 5 anos, as razões que ali citei para caracterizar como ditadura o governo de Hugo Chávez só aumentaram, especialmente agora depois do último pleito presidencial. Reproduzo abaixo o artigo (em espanhol) para quem quiser conferir:

Solo los ciegos no ven la dictadura

Por: Jair de Souza | Viernes, 29/06/2007 10:22 PM | Versión para imprimir

Hay cosas que todavía no logro entender. Si los grandes medios de comunicación privados de Venezuela, así como sus congéneres de otras partes del mundo, viven diciendo que en Venezuela hay una dictadura, ¿por qué hay gente que tercamente sigue creyendo que la cosa no es así? La verdad es que hay muchísimas pruebas que demuestran el carácter dictatorial del gobierno de Hugo Chávez. Vamos a repasar nada más que las más importantes de ellas para ver si logramos hacer que los recalcitrantes finalmente despierten de su sueño profundo y pasen a ver la realidad tal cual es.

1) La llegada de Hugo Chávez al poder se dio de una manera que no puede recibir otro calificativo que dictatorial: fue elegido por la inmensa mayoría del pueblo venezolano, pero en especial con los votos de los ciudadanos de pocos recursos económicos, los cuales, dando muestra de su falta de tolerancia, lo eligieron tan solo porque él se había comprometido a gobernar en beneficio de esta mayoría de gente humilde. O sea, constatamos ahí un acto típicamente dictatorial: la mayoría imponiendo su voluntad por sobre las minorías, aunque las últimas estén compuestas de gente mucho más bien preparada y letrada y, por eso mismo, en mejores condiciones para determinar quién debería gobernar el país.

2) Tan pronto llegó al poder, Chávez convocó una constituyente para elaborar una nueva Carta Magna para el país. Y, para dejar todavía más patente su carácter autoritario, propuso que los miembros de esta constituyente fueran elegidos libremente por todo el pueblo. Sin duda esa fue una medida de corte netamente dictatorial, ya que le daba al pueblo un derecho que debería ser ejercido nada más que por aquellos que realmente tienen condiciones de ejercerlos: o sea, la gente que dispone de un nivel de vida lo suficientemente alto para permitirle ver con claridad las cosas que pueden o no formar parte de una constitución. Pero, no contento con tal arbitrariedad, Chávez decidió reforzar su autoritarismo con la exigiencia de que la constitución elaborada por la asamblea constituyente fuera sometida a la aprobación popular antes de empezar a vigorar.

3) Otra muestra del carácter dictatorial de Hugo Chávez y de que tenía planes de atornillarse en el sillón presidencial para siempre fue la sugerencia que hizo (la cual fue incorporada a la Constitución) de que todos los integrantes de cargos públicos elegidos por el pueblo (incluso el propio presidente) pudieran ser sometidos a un voto revocatorio a mitad de su mandato para saber si podrían seguir ejerciéndolo o no. Esta es una cabal demostración de que hay una dictadura en Venezuela, ya que es el único país del mundo que tiene tal dispositivo en su constitución. Aprovechándose de esta arbitrariedad que él mismo propugnó, Chávez pudo ser dictatorialmente referendado en agosto de 2004 con cerca de 60% de los votos sufragados. Claro que solo pudo alcanzar tal porcentaje por medio del fraude. Un fraude tan descarado que los únicos que no lo vieron fueron las organizaciones totalmente controladas por el régimen chavista como la OEA, el Centro Carter, la representación de la Unión Europea, los representantes de todos los poderes electorales de los demás países de América, así como todos los demás observadores internacionales que acompañaron de cerca el proceso.

4) Chávez demuestra no tener ningún respeto por la libertad de expresión. Tanto es así que se rehusa a cerrar o censurar a los medios de comunicación que le hacen oposición (cerca de 80% de los medios de comunicación de Venezuela están en manos privadas y pasan las 24 horas del día despotricando al gobierno). Ni siquiera cuando le hacen mención a la progenitora, Chávez toma medidas en contra de esos medios. Debemos reconocer que esta actitud es claramente dictatorial. Y la tiranía de Chávez es tan grande que, para livrarse de uno de los canales televisivos que se caracterizaba por actuar en su contra como un verdadero partido político, esperó a que venciera su concesión del espectro radioeléctrico público para entonces rehusarse a renovarla, en lugar de haberlo cerrado mucho antes y de modo directo, como lo hubiera hecho cualquier gobernante que fuera de veras democrático.

5) No hay como negarlo, en los últimos nueve años, Venezuela solo vivió 48 horas de verdadera democracia. Fue cuando, con el apoyo militante de los medios de comunicación privados, el empresario Pedro Carmona Estanga lideró un golpe de estado democrático que derrocó a Hugo Chávez e implantó una democracia plena, con la abolición de la Constitución, del Poder Judiciario, del parlamento, de la Defensoría del Pueblo, de los mandatos de los gobernadores elegidos, etc. Claro, como tendría que ser en una verdadera democracia, en esas 48 horas fueron muertas varias personas ligadas al dictador, y otras tantas fueron arrestadas, el canal de televisión estatal (VTV) fue debidamente sacado del aire y las televisoras y radios comunitarias severamente reprimidas. Todas esas medidas sirven para resaltar los propósitos claramente democráticos que inspiraban a las fuerzas de oposición al gobierno de Hugo Chávez. Lamentablemente, poco tiempo después, el pueblo ingrato salió a las calles y reimplantó la dictadura, la Constitución, los poderes públicos, etc.

6) Actualmente, hay manifestaciones públicas protagonizadas por algunos grupos de estudiantes oposicionistas de las universidades privadas y, en lugar de hacer uso de la violencia en contra de los jóvenes opositores, de modo similar a como lo han hecho recientemente las democracias verdaderas de Chile, de Francia, de Colombia, etc., el gobierno dictatorial de Chávez prefiere ver a sus policías recibiendo escupitajos, ofensas verbales y unas cuantas pedradas. ¿Puede alguien concebir una dictadura más represiva que esta?

Tan solo por los pocos ejemplos que pudimos exponer en las líneas de arriba, me resulta incomprensible que el carácter dictatorial de este gobierno aún no esté suficientemente claro para todos. Compañeros es hora de despertar. ¡Abajo la dictadura!

flavio jose

Quem é eleito com o voto livre e popular não pode ser chamado de ditador nem por brincadeira: Estupido

Marat

O Chávez só tem essa visibilidade (e raiva) no Brasil, porque nosso país ainda é colônia estadunidense. Fosse o Brasil um país sério e independente, trataria de mostrar a enorme horda de mendigos que vivem em Nova Iorque, e mostraria também como a tenebrosa e arcaíssima ditadura saudita somente sobrevive devido aos dólares manchados de sangue, da terra do Tio Sam!

Vlad

Não tivesse feito mais nada, Chavez deixaria um legado inestimável ao povo venezuelano. Politizou uma geração.
O que vier depois dele jamais será pior do que havia antes.

paulo Sergio

A sociedade precisa amadurecer idéias que concretizem o fim desta imprensa de papel e torna-la uma bolinha e arremessa-la no lixo da história . Precisamos ser corajosos , ˜não nos intimidarmos com esses sofismas que pregam liberdade de expressnao . Essa liberdade , de fato , ocorre na internet , nnao nesta imprensa golpista e uníssona que mistura diversão com coisa séria , que mente e ladra aos quatro ventos até que as pessoas se convençam de suas verdades intimidatórias . Devemos dizer com muita clareza que isto nnao é imprensa , isto nnao é jornalismo e se queremos de fato , liberdade de expressão , que se instaure neste país , a condição básica de todo argumento , que é o contraditório . Isto , neste momento , nnao ocorre nos jornais ,impressos e de tv e muito menos no tribunal superior do Brasil . E não devemos aceita-los , por conta desta falciosa democracia nas mãos de poucos .

Fabio Passos

A Venezuela é muito mais democrática que o Brasil.

Aqui ainda assistimos uma estarrecedora fraude eleitoreira – julgamento do mensalão – realizada em um evidente conluio conduzido por aqueles que não tem votos: PiG e stf.

Aqui no Brasil, os golpistas vagabundos, não aprenderam ainda a respeitar a vontade do povo.

abolicionista

É preciso criar uma frente latino-americana de combate aos barões da mídia. Uma frente ampla que enfrente a ditadura da informação. Acho que o primeiro passo nesse sentido seria unir blogs sujos de nossos vizinhos de continente. Apesar da barreira da língua, isso serviria para unir-nos um pouco mais em nossa luta comum pela democratização dos meios-de-comunicação.

sebastiao

Vamos ganhar em Santo Andre,Diadema,São Paulo,Campinas,etc…

wendel

“Concordo em partes que a Venezuela não é uma ditadura,…”
“Chávez não é o pior homem e presidente do mundo,…”
“Não se corrige um erro, criando outro…”
“Não sou de direita, e muito menos de esquerda. Mas o que realmente o “Presidente da Venezuela espera? Uma revolução socialista?”
“Como disse antes, não me considero de esquerda, tampouco de direita.”
Lendo o artigo do Leandro, e lendo o comentário do Pensador, fico deveras confuso em comentar um comentário, cujas frase cito acima. Mas vamos lá.
Prezado Pensador;
Acaso você é Anarquista? Capitalista? Globalista? Idealista, humanist, populista, comunista, socialista, sionista, americanista, lulista, petista, fernandista, cerrista, psdbista, enfim, que bicho pensante é você?
Você diz: “não sou de esquerda nem de direita”, e fico pensando(?) na polarização do poder no mundo.
Somos um animal político, e optamos entre uma ideologia ou outra, mas no seu caso, parece que você ainda não se encontra em cima do muro, ou seja em nenhum dos casos!
Sabemos que tanto a esquerda e a direita, são financiadas pelo capitalismo, salvo algumas exceções, e seus comentários são partidarizados o suficiente para dizer sem sombra de dúvidas, que você nada mais é que um cabeça feita, talvez pela literatura que lê, ou os círculos que frequenta!
Mainard, Merval, Kamel, e vários outros do Instituto Millenium, lhe fazem boa companhia!

    GUILHERME

    vc metralha bobagem e falat de argumento. Posicione-se, não existe, “não sou de nenhum lado” “a esquerda vai ser financiado pelo capital, pois é na dialética que as mudanças acontecem” o mundo é dialético, a mudança nasce no interior , nunca será externa e sem um “lado”.

    Pensador

    Que tal o lado “aquilo que é certo e bom para todos nesse momento histórico”? Mesmo que isso se revista de uma mescla de políticas e posicionamentos das mais variadas ideologias…

    Diga-me Guilherme, “a sua doutrina ideológica” é um Dogma que a semelhança dos monastérios da Idade das Trevas devem ser seguidas piamente, sob um voto de fé insensato?

    Já vi os mais variados fanatismos surgirem desse “posicionamento de um lado”. Os intelectuais criaram dogmas em sua eterna discurssão luta de classes. Ela deixou de ser vista como um fim, em sim, que é a melhoria da coletividade. Para ela mesma se tornar o próprio fim. Discutir sobre quem está certo ou errado, se tornou mais portante do que fazer o que é certo.

augusto2

Iriam defender seu solo mas DOS RUSSOS, pensador, que invadiriam em seguida…
O QUE significa que tomariam o japao e ficariam ao fim da guerra com uma parte dele…(Nao esqueça que quem venceu a guerra na Europa nao foi o us army nem os britanicos: foi o exercito vermelho. O resto é propaganda americana simplesmente.)
Foi isso que moveu truman e o pentagono em hiroshima. E o poder nuclear solitario, a seguir é logico.
E o imperador se renderia de qualquer forma, assim q houvesse condiçoes de realidade se impor ao povo.

augusto2

valdeci, outro dia ainda li que o pres. Truman mandou a bomba sobre hiroshima no dia 6/8, pela principal razao que a Uniao Sovietica, aliada dos Usa e inimiga do japão, havia planejado e decidido invadir o japao pelo norte (pelas Kurilas) na data em que havia condiçoes: 8/8/45…
Vendo o que aconteceria, eles se anteciparam dessa forma. E as desculpas inventaram depois.
Jamais o confessaram mas isso ja é historia.

Fabio SP

Menos de 24 horas depois de ter pedido votos em Campinas e São Paulo para os novatos Márcio Pochmann e Fernando Haddad, Lula desqualificou o ‘novo’ na cidade de Diadema. Ali, o prefeito petista Mário Reali está com a reeleição ameaçada pelo rival Lauro Michels, um vereador do PV sem experiência executiva.

“Em 1989, o nosso país teve uma eleição presidencial”, lembrou Lula. “E se estabeleceu neste país a idéia de que havia um candidato novo. E o povo votou no tal do novo para dirigir o país. O novo era o Collor e vocês sabem o que aconteceu. Agora, estamos vendo em Diadema a mesma fantasia e o mesmo discurso.”

Lula pediu ao eleitorado de Diadema que não troque “o certo pelo duvidoso”. Disse que “é importante que o povo não entre em uma aventura.” A pretexto de desqualificar Lauro Michels, usou um argumento que, em São Paulo, soaria como crítica a Fernando Haddad: “Temos que votar em quem tem história.”

Para ele, não convém ao eleitor de Diadema confiar a prefeitura a “alguém que nunca administrou nem a cozinha de casa.” A pregação de Lula faz lembrar uma passagem da disputa presidencial de 1994. Num debate televisivo, Orestes Quércia fustigou-o: “Lula nunca dirigiu nem um carrinho de pipoca.” E Lula: “É verdade que eu nunca dirigi um carrinho de pipoca, mas também nunca roubei a pipoca.”

Considerando-se o retrato que o STF pinta do primeiro reinado de Lula, o vereador Lauro Michels pode, se quiser, injetar o mensalão na disputa de Diadema. Diria algo assim aos eleitores: ‘É verdade que eu nunca administrei a cozinha de casa, mas também nunca roubei as panelas’.

– Moral: quando um político começa a falar por experiência é porque ainda não adquiriu experiência suficiente para fechar a boca.

    Mariac

    Você não disse qual o partido do Realli e qual sua proposta.

    FrancoAtirador

    .
    .
    O time do Fabio SP foi rebaixado pra segunda divisão:

    O PSDB teve menos de 10% dos votos em Diadema.

    Maridite (PSDB) ficou em terceiro lugar, com 9,48%.
    .
    .

augusto2

é verdade, pensador, o que hugo chavez deseja é incompativel com um mundo capitalista globalizado.
Áliás é por isso mesmo que ele o quer.Ler o artigo de Bresser pereira sobre a venezuela. Bresser nao é de esquerda, nunca foi. Mas agora a idade e a experiencia o fizeram mais livre.

Thelma Oliveira

Uma análise do embaixador da Venezuela no Brasil. Muito boa.

http://www.conversaafiada.com.br/pig/2012/10/21/na-venezuela-expressao-e-mais-livre-que-no-brasil/

Willian

Não sei se Leandro Fortes gostaria de um Hugo Chavez de direita.

Roberto Locatelli

E tem mais um aspecto “terrível” na ditadura Venezuelana: o “referendo revocatório”. É assim: depois de cumprido metade do mandato do governante, a oposição ao governo pode convocar um plebiscito para a população dizer se aprova ou não o governo. Se ganhar o NÃO, o mandato do presidente (ou do governador) é imediatamente revogado pela justiça e convocam-se novas eleições.

Será que Obama teria coragem de propor isso? Será que os governantes da Europa topariam esse desafio? Será?

    Pensador

    Roberto Locatelli,

    Em caso do mandato ser “revogado” pelo referendo, o vice substituiria ou seriam convocadas novas eleições?

    No Brasil, entendo que para implantar tal “remédio constitucioal”, seria necessário rever o ciclo orçamentário, afinal temos três instrumentos orçamentários:

    PPA – Plano Plurianual – Duração 4 anos
    LDO – Lei de Diretrizes Orçamentárias – Duração 1,5 ano
    LOA – Loa Orçamentária Anual – Duração 1 ano

    Interrompê-los, muito provavelmente comprometeria obras em execução, ou até mesmo o planejamento estratégico gerando alguma instabilidade, penso eu.

    Mas, realmente é bacana este “referendo revocatório”. Ainda mais em nosso país, aonde o candidato tem um “prazo de validade”, que acaba quando se encerra as eleições.

    No entanto, fico em dúvida, em países subdesenvolvidos interromper mandatos no meio do período não poderia gerar certa instabilidade que pudesse comprometer o bem estar coletivo? E também, partindo de uma outra hipótese, a de que países subdesenvolvidos, expostos muitas vezes, lamentavelmente, a uma péssima educação e baixo grau de escolaridade e senso crítico, não deixaria o povo a mercê das impressões dos meios de comunicação, ao invés de puderem por si mesmos, com suas próprias impressões, usando de seu próprio senso-crítico, puderem estar tomando a referida decisão?

Pensador

Concordo em partes que a Venezuela não é uma ditadura, mas metaforicamente falando uma nação aonde um presidente usa de políticas clientelistas e usa da miséria e dor da população para se manter no poder, não deixa de ser um pseudo-democracia.

Chávez não é o pior homem e presidente do mundo, mas é um populista que vê o regime cubano como o “ideal a ser alcançado”. Não sou de direita, e muito menos de esquerda. Mas o que realmente o Presidente da Venezuela espera? Uma revolução socialista?

E os fortes problemas de infra-estrutra, educação e segurança que a Venzuela passa? Não acredito que uma política nacionalista ou clientelista/assistencialista resolva tais problemas. O Brasil é um exemplo, quem não se lembra da Ditadura Militar que se recusava a privatizar estatais que só davam prejuízo e a criar agências reguladoras para implantar a Administração Gerencial, superando a ultrapassada Burocrática, com todas as suas disfunções?

As pessoas aí ficam polarizando “esquerda-direita” e se esquecem que são forças conflitantes que acabam por atuar conjuntamente para o prol da democracia. O que importa é o bem comum. Não foi FHC que estabilizou a forte inflação e o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva que deu continuidade a presidência do Brasil trazendo ótimos resultados para todos?

Se a direita é terrível, como o Leandro Fortes bem definiu, a esquerda não fica atrás, ao se embasar em um modelo de desenvolvimento que é incompatível com um mundo globalizado capitalista. Se os problemas sociais fossem resolvidos só distribuindo “alimentos e dinheiro” para o povo, bacana. Mas não é… poxa, qualquer um é capaz de ver que isso em um contexto de economia capitalista, não faz o mínimo sentido. Quer mudar algo, busque investir em educação, em indústrias e segurança… dê a vara de pescar ao povo, e não o peixe. Se você dá apenas o peixe, torna o povo dependente de você, e não livre.

Eu percebi que essa reportagem é da carta-capital; pior do que ler a Veja, é ler a Carta-capital. Quando era assinante em 2010, lembro de ter lido uma reportagem aonde se defendia veemente o Irã de criar uma bomba atômica. A argumentação era mais ou menos essa: “Se os EUA podem, por que ninguém mais pode?:” Deu vontade de responder… “Não se corrige um erro, criando outro… ninguém mais pode, por que quanto mais países tiverem bombas nucleares, mais chances haverá de uma guerra nuclear”.

Como disse antes, não me considero de esquerda, tampouco de direita. Mas a verdade seja dita, uma nação com um mínimo de IDH razoável não se constroi como Fidel tentou construir. Por pior que seja admitir isto, às vezes os países precisam de um “FHC” para dar a mínima base para outro governo seguir adiante, no caso do Brasil foi o equilibrio daquela inflação absurda. No entanto, foi o Lula que governou de forma a tornar o Brasil que é hoje. É válido dizer, a esquerda precisa da direita, e a direita precisa da esquerda.

    Luiz Rogerio

    Pensador,

    O Plano Real é do Itamar, o FHC deu continuidade, assim como o Lula, do jeito que você coloca, se coloca como de direita sim.

    Valdeci Elias

    A Historia ,diz o contrario ,sobre o perigo da guerra. O Irã não ter arma nuclear, e certesa de conflitos sem fim no Oriente Médio.
    Os EUA, não esperou muito ,quando fez sua bomba atômica. Lançou logo duas no Japão. Oque salvou a URSS , foi ela ter sua bomba atomica.

    Pensador

    Os EUA lançaram a bomba atômica apos Hiroito negar-se duas vezes a se render. Até onde eu sei, o Japão acreditava que poderia fazer os EUA recuar, sem se forçar a um tratado de rendição incondicional, por que os americanos lamentavam as “baixas”. Só em Iwo Jimma foram 10.000, fora os feridos. Logo depois da Hiroshima e Nagasaki, o imperador se rendeu. Ele for forçado a negar seu caráter”divino”. Por mais que se digam que os EUA foram criminosos de guerra e que facilitou o ataque a Pearl Harbor… foram os japoneses que atacaram Pearl Harbor e eram os japoneses que estavam dispostos a defender seu solo sagrado até o último homem. Hiroshima não era uma cidade civil como costumam dizer, havia tropas se reagrupando lá… por isso foi escolhida.

    sebastião

    “Mas a verdade seja dita, uma nação com um mínimo de IDH razoável não se constroi como Fidel tentou construir”
    Pensador: Qual é mesmo o IDH de Cuba?

    Mariac

    Em Cuba não há dor de dentes. No Brasil as pessoas com dor de dentes ficam falando de esquerda e direita.

    Luís Carlos

    Algumas considerações:
    As bombas jogadas pelos EUA contra o Japão foram crime de guerra, inequivocamente. Trata-se de arma de extermínio, de genocídio, e todos sabemos que a população das cidades covardemente atacadas pelos EUA, não tiveram a menor chance. Pearl Harbor era uma base militar, não Hirochima e Nagazaki, com crianças e trabalhadores/as com suas famílias. Qualquer defesa do assassinato dessas pessoas é desprezível!
    Cuba tem os melhores indicadores sociais ( especialmente de educação e saúde) da América, ao lado do Canadá. O desconhecimento sobre os indicadores sócias cubanos mostra o quão nefasta é a grande mídia ideológica que opera no Brasil e América como um todo. Apesar de todo embargo encabeçado pelos EUA, o povo cubano sustenta sua nação com altivez e orgulho e sabe que o inimigo está “ao lado” travestido de libertador, mesmo porque a ditadura de Fulgêncio Batista que fazia de Cuba quintal dos EUA está gravada nos livros de história em Cuba.
    Quanto a dizer que o Brasil precisava de FHC e tudo o que representou o governo tucano, com sua cantilena neoliberal, aumentando juros de forma inédita para ganho exclusivo dos especuladores, aumentando o desemprego para prejuízo exclusivo dos trabalhadores e da nação, vendendo empresas públicas estratégicas para o desenvolvimento nacional como a Vale do Rio Doce ( sem falar que outras empresas ficaram no ponto para serem vendidas como a Petrobrás, Banco do Brasil, etc, e não foram porque Lula venceu as eleições e evitou o desastre) ensino universtário absolutamente sucateado,
    Brasil sem protagonismo algum no cenário internacional, risco Brasil nas alturas (lembra?) a constante ladainha da necessidade de privatizar a previdência, etc, etc, etc, realmente é demais. Se alguém é incapaz de avaliar o que foi o governo de 8 anos de FHC na comparação com os 8 anos de governo de Lula e os poucos mais de 1 ano e 9 meses de Dilma, de fato, é de direita ou tem graves problemas de memória.
    Por fim, o argumento de ” ensinar a pescar e não dar o peixe…” me faz pensar muito no Bolsa Família. Tão atacada pelos adversários do governo Lula, diziam a mesma coisa, como se essa política pública fosse mera ” esmola” ou política “populista” do governo em busca de votos. O Bolsa Família permitiu a libertação de milhões de pessoas do jugo massacrante do coronelismo político. Ao receberem o Bolsa Família essas famílias se libertaram dos “coronéis ” que os adulavam com comida e outros quetais em vésperas de eleições. Vários desses tiranos foram derrotados e depostos de seus mandatos durantes as últimas eleições após o sucesso do Bolsa Família. Basta verificar a derrota que forças absolutamente dominantes nas últimas décadas na política nacional sofreram nos últimos anos. O Bolsa permitiu essa libertação não para ficarem na inanição e esperar comida sentados para o resto da vida. Quando um pai ou mãe sente o gosto e a possibilidade de se libertar e sua família consigo dessa crueldade, irão querer mais, pois a humilhação da fome e da esmola só sabe o que é quem já sentiu, da mesma forma que o sabor delicioso da liberdade.
    Por isso querem mais do Lulismo, do Petismo e abominam o tucanismo de Serra ( será derrotado em SP nesse domingo pela população) FHC e da grande mídia.

    Abel

    Uma pequena correção: os japoneses não foram vítimas. Foram agressores. Pelo mal que fizeram aos povos da Ásia em sua expansão militarista desde fins do século XIX, duas bombas atômicas na cabeça saiu barato. Pergunte aos chineses.
    Crimes de guerra do Japão Imperial

    Pensador

    O problema é exatamente esse… para algumas pessoas só existe o preto no branco… não é tomada a individualidade humana e construção social em todas as suas facetas e contradições, é apenas de um lado: “ou é bom, ou é mal”; ou seguimos a posição ideológica de esquerda, ou a posição ideológica de direita.

    Luiz Carlos, Petrobras e Banco do Brasil são Sociedade de Economia Mista, não são empresas Públicas. Pelo menos 50% do capital delas é privado. O PSDB, de fato, fez essa transição de privatições de uma maneira que não saiu tão bem quanto o esperado.

    As Estatais só davam prejuízos, nossa indústria estava defasada e a inflação corroia o Tesouro Nacional. Nesse cenário, tivemos a gestão do PSDB, se por um lado será lembrado como uma gestão desastrosa, pois ninguém via os resultados mediatos; por outro, foi ela que equilibrou e regularizou nossa economia.

    :)

    Tô de Olho na oPósição

    Pensador:
    Que maneira ingênua de pensar: “Não se corrige um erro, criando outro… ninguém mais pode, por que quanto mais países tiverem bombas nucleares, mais chances haverá de uma guerra nuclear”. Ao contrário, quanto mais paízes tiverem bombas nucleares, maior o equilíbrio e menos change disso acontecer. É o que se chama poder de dissuação.

Deixe seu comentário

Leia também