VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Israel aprendeu alguma lição com a Operação Chumbo Fundido, de 2008?

18 de novembro de 2012 às 11h22

Israel não aprendeu lição alguma com a Operação Chumbo Fundido, em 2008. Está fixado no conceito de que a morte do braço armado do Hamas e de seus líderes políticos pode acabar com a organização. O Hamas é um movimento de massa e uma organização com instituições, disciplina e leis. Ao contrário do Fatah, o Hamas não depende de uma figura carismática. Até os opositores do Hamas estão convencidos de que Israel não é apenas o ocupante, mas o agressor. Então, quando o ataque terminar, o Hamas estará provavelmente mais forte. O artigo é de Amira Hass.

por Amira Hass,  Haaretz

Diferentemente da Operação Chumbo Fundido, na qual o exército de Israel bombardeou lugares populosos, como postos policiais próximos a escolas desde o primeiro dia de ataque, desta vez parece claro que o IDF tenta impedir perdas pesadas entre os palestinos. Essa conclusão não pode consolar as famílias cujos membros foram mortos ou feridos até agora. Nem alivia o medo do que ainda pode acontecer.

Até a tarde de quinta-feira (15), ao menos quatro civis palestinos haviam sido mortos em ataques aéreos – um menino de 11 anos e uma menina de 3, uma jovem grávida e um senhor de 60 anos. Dezenas de civis foram feridos.

Embora Israel renuncie à responsabilidade pelas mortes palestinas na Operação Chumbo Fundido, prefere agora reduzir o número dos espetáculos sangrentos. Esses espetáculos, que não eram mostrados na televisão israelense em 2008-2009, foram vistos em todo o mundo e levantaram protestos sem precedentes.

Em contraste com a lição de relações públicas que Israel aprendeu depois da Operação Chumbo Fundido, o país não aprendeu lição alguma, desta vez. Está fixado no conceito de que a morte do braço armado do Hamas e de seus líderes políticos pode acabar com a organização.

O Hamas é um movimento de massa e uma organização com instituições, disciplina interna e leis. Ao contrário do Fatah, o Hamas não depende de uma figura carismática ou de personalidade de um líder forte. Sua política e seus debates são marcados pela continuidade, mesmo que dirigentes mais velhos sejam mortos por um míssil ou uma bomba israelense.

Os líderes de Israel poderiam ter aprendido essa lição há muito tempo, se quisessem. Eles também poderiam concluir que ataques militares contra toda a população palestina a une em torno de seus líderes e silencia a crítica.

A população de Gaza tem muitas razões para reclamar do Hamas, o qual merece a sua reputação de ser um poder opressor. Mas até os opositores do Hamas estão convencidos de que Israel não é apenas o ocupante, mas o agressor. Então, quando o ataque terminar, o Hamas estará provavelmente mais forte.

O Hamas está fazendo tudo o que pode para provar que é melhor que o Fatah como partido da situação e para acabar com a ocupação (um termo que às vezes se refere ao país inteiro e, às vezes, aos territórios ocupados em 1967).

Para alcançar esse objetivo, o Hamas não se preocupa em transformar Gaza num pseudo-estado, aprofundando assim as diferenças políticas e sociais com a Cisjordânia. Para o Hamas, os laços com o mundo muçulmano e árabe são mais importantes do que uma passagem segura para Ramallah.

Tradução: Katarina Peixoto

Leia também:

Noam Chomsky e colegas denunciam cobertura da mídia sobre Gaza

Julie Lévesque: A guerra contra o antissemitismo global na era da islamofobia

Pacifista: Israel cometeu um erro que custará muitas vidas de “inocentes de ambos os lados”

Mairead Maguire: A degeneração do Nobel da Paz

Pepe Escobar: Como o Mal se tornou o Bem e agora voltou a ser o Mal

Cuba, sem o bloqueio informativo da mídia

Kenneth Waltz: O homem que defende a bomba nuclear do Irã

Robert Fisk: A Arábia Saudita como fonte da democracia

Gilson Caroni Filho: A linha do tempo da barbárie

Jair de Souza: O artigo de Desmond Tutu

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

6 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Noam Chomsky: Como é tentar sobreviver na maior prisão a céu aberto do mundo « Viomundo – O que você não vê na mídia

24/11/2012 - 23h33

[…] Israel aprendeu alguma lição com a Operação Chumbo Fundido, de 2008? […]

Responder

Eduardo Galeano: “Quem deu a Israel o direito de negar todos os direitos?” « Viomundo – O que você não vê na mídia

23/11/2012 - 22h52

[…] Israel aprendeu alguma lição com a Operação Chumbo Fundido, de 2008? […]

Responder

Mauro Santayana: Israel e a nova guerra mundial « Viomundo – O que você não vê na mídia

19/11/2012 - 00h47

[…] Israel aprendeu alguma lição com a Operação Chumbo Fundido, de 2008? […]

Responder

Rômulo Gondim – Noam Chomsky e colegas denunciam cobertura da mídia sobre Gaza

18/11/2012 - 19h14

[…] Israel aprendeu alguma lição com a Operação Chumbo Fundido, de 2008? Conselho Mundial da Paz condena agressão de Israel a Gaza […]

Responder

Amira Hass: Medo e ódio em Gaza enquanto a ofensiva continua « Viomundo – O que você não vê na mídia

18/11/2012 - 15h27

[…] Israel aprendeu alguma lição com a Operação Chumbo Fundido, de 2008? […]

Responder

Noam Chomsky e colegas denunciam cobertura da mídia sobre Gaza « Viomundo – O que você não vê na mídia

18/11/2012 - 11h35

[…] Israel aprendeu alguma lição com a Operação Chumbo Fundido, de 2008? Conselho Mundial da Paz condena agressão de Israel a Gaza […]

Responder

Deixe uma resposta