VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Guilherme Scalzilli: Os carrascos da Comissão da Verdade


03/03/2012 - 21h07

Os carrascos da Comissão da Verdade

O máximo que os indicados pelo governo podem fazer é deixar uma digna herança memorialística às gerações vindouras.

por Guilherme Scalzilli (31/01/2012)

no Amálgama

Confirmando as piores expectativas, a Comissão da Verdade nasce fadada ao desapreço geral. A inadmissível abrangência histórica, a estrutura mínima e o protocolo anódino tendem a transformá-la num plenário de discursos humanistas, catarses pessoais, proselitismo ideológico e acusações infrutíferas. Mesmo a eventual descoberta de restos mortais e minúcias incógnitas ficará sujeita às veleidades obstrucionistas dos depoentes. A imprensa corporativa, ansiosa por ocultar seu apoio ao golpismo de 1964, manipulará os debates sempre que possível, desqualificando iniciativas que julgar hostis a convenientes fantasias de imparcialidade. E os papelórios resultantes das audiências serão logo sepultados sob o esquecimento conciliador que elas deveriam combater.

Todos os que sonhávamos com a punição dos assassinos e torturadores do regime militar guardamos justos motivos de revolta. Mas ao menos tenhamos a sensatez de identificar os verdadeiros responsáveis pela fatalidade.

A ideia da Comissão definhou aos poucos, desde o seu lançamento, no Programa Nacional de Direitos Humanos, em 2009. O governo Lula, através de Nelson Jobim, apaziguou o oficialato e permitiu que as Forças Armadas participassem dos debates sobre a ditadura em posição similar à das entidades civis. A gestão Dilma Rousseff cometeu o equívoco de não romper com essa estratégia, que levou a uma desnecessária atitude conciliadora nas decisivas articulações do evento.

Mas o golpe definitivo na Comissão da Verdade foi desferido pelo Supremo Tribunal Federal, em abril do ano passado. O aval à nefasta Lei de Anistia garantiu a impunidade dos criminosos e de seus comandantes, não permitindo que investigações futuras tenham conseqüências na esfera penal. Aniquilou, assim, as finalidades jurídicas esperáveis de um projeto governamental que se propõe a analisar crimes contra a humanidade – a controversa responsabilização cível pode levar décadas para reivindicar um improvável endosso do próprio STF.

Ao contrário do ocorrido em outros países sul-americanos e do que estabelecem tratados internacionais, portanto, as audiências brasileiras ficarão limitadas a um painel histórico da violência política no país, reproduzindo boa parte do material já disponível na extensa bibliografia sobre o período abarcado.

Agora pouco importa se este era realmente o objetivo central da Comissão (tese que consola os governistas e os aproxima da oposição temerosa) ou se estabelece um desfecho acintoso para trinta anos de arbítrio, como defendem algumas entidades coordenadas por vítimas da ditadura e seus familiares ainda vivos. O máximo que os indicados pelo governo podem fazer é deixar uma digna herança memorialística às gerações vindouras. Caso a boa vontade dos nobres pesquisadores não atrapalhe, pode-se até torcer pela convocação de certos barões midiáticos, só para vê-los fugir vomitando bravatas reacionárias do melhor udenismo esquerdofóbico. Mais do que isso, lamento informar, não acontecerá.

A militância progressista, apesar das iniciativas solitárias contra a “ditabranda” e congêneres, desperdiçou a chance de criar um movimento nacional pela suspensão da Lei de Anistia, que pressionasse o STF antes dele fechar as poucas vias processuais disponíveis.

Também prevalece, há décadas, uma conivência generalizada com a tortura e as execuções diariamente praticadas por agentes públicos nos vergonhosos sistemas prisionais do país inteiro. Pois ficou tarde para exigir que a administração federal mergulhe numa guerra inútil contra o Judiciário, o Legislativo e a mídia em nome de ideais que a própria sociedade não fez questão de impor quando ainda era possível.

Leia também:

Gilberto Maringoni já sabe quem ganhará em SP

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

João Carlos

05 de março de 2012 às 15h00

Para melhor entender como as coisas eram na época da ditadura militar imposta pelos golpistas de 64, sugiro a leitura do livro "Segredo de Estado", sobre o sequestro e assassinato por tortura do saudoso deputado Rubens Paiva.

Responder

eustaquio resmungao

04 de março de 2012 às 15h49

Não tem pra onde correr. Iremos pra onde? PSDB?

Responder

FrancoAtirador

04 de março de 2012 às 15h40

.
.
Os militares da reserva das Forças Armadas

estão contra esta Comissão da Verdade.

Já estou começando a simpatizar com ela…
.
.

Responder

pperez

04 de março de 2012 às 14h31

Com o advento dos 8 anos de governo de negociação do Lula e agora com o de gestão de resultados da ex-guerrilheira Dilma, era de se supor que este assunto fosse ponto na pauta das ações de governo.
Contudo, o evidente é que´o governo não sabe como ou não quer mesmo mexer em algumas casas de marimbondo!
Mais do que falta de compromisso do governo em honrar o voto de milhões de eleitores é a absoluta falta de coragem de exercer sua autoridade!

Responder

Elias

04 de março de 2012 às 13h46

A esperança é a última que morre. Pois bem. A esperança morreu no dia 29 de abril de 2010, quando o Supremo Tribunal Federal, por 7 votos a 2 rejeitou mudar a Lei da Anistia. Agora, a Comissão da Verdade, numa tentativa sobre-humana, empenha-se em trazer à baila os criminosos da ditadura militar e depara-se com o ranço da direita raivosa que se orgulha de um passado sujo. A Argentina levou seus transgressores aos tribunais e às prisões. Seria vergonhoso mantê-los sem nenhuma punição. Assim como a Alemanha se envergonha do nazismo. E Até hoje sabe punir pretensos neonazistas. Aqui não temos a mesma sorte, tão pouco a mesma vergonha.

Responder

E S Fernandes

03 de março de 2012 às 22h36

Já estou farto do PT.
Muito tempo de governo para quase nada!
Chega!
Tudo tem limite.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.