VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Código Florestal: Bom, para quem desmatou


22/11/2011 - 23h42

Código Florestal: texto é bom, para quem desmatou

do site da WWF

Documento será votado nesta quarta (23/11) na Comissão de Meio Ambiente do Senado, apenas 48 horas depois de ter sido apresentado. Avanços são insuficientes para transformá-lo em uma peça que proteja as florestas e promova o uso racional dos recursos naturais

O substitutivo que propõe mudanças ao Código Florestal, lido na Comissão de Meio Ambiente (CMA) pelo relator da matéria, senador Jorge Viana, apresenta mudanças positivas, mas não altera pontos essenciais como a anistia a crimes ambientais, permitindo a não recuperação de áreas de preservação permanente e de reserva legal ilegalmente desmatadas. A CMA, principal comissão para a análise de questões ambientais, tem um prazo extremamente reduzido – apenas 48 horas – para avaliar a matéria, propor emendas e votar o texto.

O cronograma, apressado e insuficiente para as discussões que um tema de tamanha importância demanda, atende apenas aos interesses dos ruralistas, que pretendem que o texto passe com o mínimo de alterações possíveis, seja apreciado pela Câmara e sancionado pela presidente Dilma Rousseff ainda este ano.

No texto, poucos serão os casos em que as APPs ou reservas legais desmatadas terão que ser recuperadas. Por exemplo, as matas ciliares que foram ilegalmente suprimidas até 2008 serão restauradas em uma faixa de apenas 15 metros, enquanto aqueles que não desmataram terão que manter pelo menos 30 metros. Trata-se não apenas de um prêmio à ilegalidade, como uma grave ameaça à qualidade de nossos rios.

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a própria Agência Nacional de Águas (ANA) foram veementes ao expressar que não faz sentido exigir uma recuperação menor do que 30 metros. Para rios maiores, o texto estabelece APPs com pelo menos a metade da largura do curso de água, com no mínimo 30 metros e no máximo 100 metros. Hoje, a legislação prevê APPs de até 500 metros. A desobrigação de recomposição (anistia) em APPs que os programas de regularização ambiental poderão definir, condenará principalmente as bacias hidrográficas altamente comprometidas e desprovidas de cobertura vegetal em mais de 80% de sua extensão, predominantes na região Centro-Sul do Brasil.

Adicionalmente, o substitutivo que será votado na Comissão de Meio Ambiente não prevê a recuperação de nascentes, deixando vulneráveis áreas indispensáveis para a manutenção de recursos hídricos. Trata-se de um dos mais graves pontos do texto lido pelo senador Jorge Viana, que manteve a redação base da emenda 164 da Câmara, dando a entender que as nascentes não devem ser recuperadas.

Outro problema do substitutivo é a isenção de recuperação de reserva legal em propriedades de até quatro módulos fiscais, área que, em algumas regiões do país, pode ser superior a 400 hectares, o equivalente a mais de 400 campos de futebol. A demanda para que essa regra fosse aplicada apenas aos agricultores familiares foi ignorada. Pela norma apresentada, mesmo que um proprietário tenha vários imóveis menores de quatro módulos, poderá se beneficiar da medida, não precisando recuperar a reserva legal em nenhum deles.

Um dispositivo que foi mantido é o que dispensa a recuperação de reserva legal por simples declaração do proprietário, sem necessidade de um meio objetivo de comprovação. Basta o produtor declarar que o desmatamento é antigo, anterior à legislação que passou a exigir ou aumentar a reserva legal, para que não tenha que recuperar a área.

Diante dessa situação, é possível concluir que o texto em discussão no Senado, que também prevê a soma das APPs no cálculo da área de reserva legal e a eventual recomposição de até 50% das RLs com espécies exóticas, praticamente vai eliminar as possibilidades recuperação de reservas legais irregularmente desmatadas. Isso atende integralmente às demandas da bancada ruralista, que sempre defendeu a extinção da reserva legal, alegando se tratar de impedimento ao uso de 100% da propriedade em atividades agropecuárias.

Entre os pontos positivos do substitutivo, cabe destacar: a) consideração das veredas como áreas protegidas, algo que está na lei atual, mas tinha sido retirado das versões anteriores do projeto; b) definição de um prazo máximo durante o qual os proprietários não poderão ser multados pelos desmatamentos ocorridos até 2008 – antes estava indefinido; c) introdução de procedimentos simplificados para autorização de desmatamento, cadastramento rural, licenciamento e registro de RL por agricultores familiares, que também terão mais facilidade para fazer aproveitamento econômico das áreas protegidas de seu imóvel.

As correções voltadas para resgatar a obrigatoriedade de recomposição de APPs precisam ser feitas na Comissão de Meio Ambiente, uma vez que as possibilidades de alterações ocorrerem durante o trâmite no plenário são mínimas. Se os ajustes, sugeridos ao relator por meio de emendas, não forem incorporados, restará somente a pressão sobre a presidente Dilma Rousseff, para que cumpra o compromisso assumido durante as eleições de 2010 e vete os dispositivos que anistiem desmatamentos ilegais ou reduzam áreas protegidas.

Leia também:

José Arbex: No Brasil, maquiagem da pobreza é com “verniz humanista”

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Urbano

24 de novembro de 2011 às 15h20

Estás com medo de te empanzinar?

Responder

@sergiobio

24 de novembro de 2011 às 00h45

O que ruralistas (e quase todos) ainda não entenderam é que a supressão de mata ciliar, a não preservação de nascentes e outras "flexibilizações" significam o esgotamento dos recursos hídricos. Isso quer dizer que teremos safras limitadas pela sazonalidade, em breve. A água se tornará insuficente e cara. Muitos de nossos rios perenes passarão a ser intermitentes e os intermitentes deixarão de existir. O que todos precisam entender é que o atual Código Florestal não protege apenas o direito a um meio ambiente saudável (o que da perspectiva utilitarista soa de uma forma equivocadamente idiota), mas protege, antes, safras lucrativas o ano inteiro, a longo prazo, para eles mesmos, o produtores rurais. E não é só a WWF que está dizendo isso. É a ANA, o IBAMA, Universidades e todos os pesquisadores interessados no assunto, incluindo este que vos escreve (sou analista ambiental do Instituto Mineiro de Gestão das Águas – Igam).

Responder

Lucas Pereira

23 de novembro de 2011 às 21h50

a WWF não conhece a vida dos produtores brasileiros e não se preocupa com o desenvolvilmento da agricultura e pecuária do Brasil, quem já teve a oportunidade de conversar com algum agricultor sabe que muitos estavam desesperados se o antigo código florestal continuasse a vigorar.
O deputado Aldo Rebelo fez um grande trabalho, em pró dos brasileiros e não desses ONGs que se preocupam tanto em salvar o planeta mas nem que pra isso muitas pessoas tenham que se sacrificar para isso, e essas pessoas que devem se sacrificar são, claro, dos paises pobres.

Responder

    Santiago

    24 de novembro de 2011 às 00h36

    Eu conheço a vida de muitos produtores brasileiros e sei que eles são uns grandes FDPs! Representam o grande atraso deste país. Desmatam e matam!

    silvio

    24 de novembro de 2011 às 11h24

    Isso deve ser visão pessoal sua, teve ter algum problema pessoal com alguem que é calhou de ser produtor. A verdade é que os gringos querem conter o avanço brasileiro no campo! Sabem da nossa capacidade e vocação! Mas os brasi-bobos das cidades, tão distantes da natureza, com uma visão prosaica da natureza- a existência da civilização se deve à superação do homem sobre a natureza, não o contrário_ acham que a produção de alimentos é bolinho. Mas na Europa e EUA é altamente subsidiada ou seja, não tem produtor quebrando, vendo sua vida ir embora por conta das chuvas ou das secas. Seja mais responsável e fale do que vc realmente conhece.

juá brabo

23 de novembro de 2011 às 17h07

Resumindo a conversa: o deputado (hoje ministro) Aldo Rebelo tanto reconhece a m* que fez neste código florestal que já tentou despedir-se antecipadamente da vida politica ao pleitear a vaga aberta para ministro/conselheiro no Tribunal de Contas da União. Perdeu a vaga também e o mesmo acontecerá com seu mandato no próximo pleito. Ele sabe disso. O povo não é bobo.

Responder

    Clemente

    24 de novembro de 2011 às 12h10

    …Aldo Rebelo, o primeiro comuno-ruralista do mundo. Um verdadeiro escárnio à figura de Marx, cujas obras, se leu, não entendeu.
    Própria viva que a classe política está desplugada da sociedade, da atualidade, da racionalidade, da consciência planetária, respondendo somente aos interesses de uma casta que aproveita a inércia do povo em defenestrá-los do poder e enviá-los para a lata de lixo da história.

Fernando

23 de novembro de 2011 às 14h07

WWF? Aff…

Basta entrevistar um agricultor familiar.

Responder

    Marcelo

    24 de novembro de 2011 às 10h39

    A WWF está preocupada com o vazamento de petróleo da CHEVRON?Hein?

Julio Silveira

23 de novembro de 2011 às 12h40

O que não tem remedio irremediavel está. O negocio é bola pra frente e articular para que as coisas saiam mais a contento, senão no futuro azar da humanidade.

Responder

gilberto

23 de novembro de 2011 às 00h01

Que bom. No brz tem mato demais.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.