VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Gerson Carneiro: A solidariedade seletiva da presidenta Dilma


28/10/2013 - 10h38

A ação da PM na 1ª manifestação em São Paulo, no mês de junho

por Gerson Carneiro, especial para o o Viomundo

Em junho, por ocorrência da primeira manifestação do Movimento Passe Livre por redução na tarifa de ônibus urbano, quando a Polícia Militar do Estado de São Paulo barbarizou e chocou o país com agressão aos manifestantes (a ponto de retirar pessoas de dentro de bar, que nada tinham com a manifestação, para espancar), a Presidenta Dilma Rousseff foi à TV e fez  pronunciamento sobre os protestos.
Naquele momento não havia presença dos Blacks Blocs. Em nenhum momento, Dilma condenou a violência policial. A presidenta sequer mencionou a violência policial, sendo que ali foi a violência da PM que fez alavancar as manifestações.

Ela fez o contrário. De forma transversa, tentou previamente atribuir culpa aos manifestantes para justificar a atuação desproporcional da PM, sem nominá-la diretamente, com a manjada desculpa da necessária coibição à violência por partes dos manifestantes.

Nitidamente, Dilma se omitiu em apontar culpados quando a ação violenta partiu do Estado. Fiz questão de assistir ao pronunciamento e foi essa observação que à época fiz.

Se não teve coragem de criticar a PM que havia acabado de cometer a barbárie na avenida Paulista, que ela permanecesse neutra em relação ao coronel que apanhou.

Preferiu ratificar a afirmação do guru da esquerda, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos, de que é detentora de “grande insensibilidade social”.

Leia também:





80 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Dilma (ouviu Gerson?) se solidariza com vítima da PM paulista - Viomundo - O que você não vê na mídia

29 de outubro de 2013 às 13h13

[…] Gerson Carneiro: A solidariedade seletiva da presidenta Dilma […]

Responder

Eunice

29 de outubro de 2013 às 12h39

Só um louco apóia eternamente uma idéia, já que o dono da idéia vai mudar de idéia.

Então, vejamos isto: há coisas estranhas nos protestos e todos sabemos. Uma foto de um grande jornal, de primeira página, traz um PM sem farda apanhando, e nem levanta o braço para se defender. Quem bate está de pernas cruzadas, e nem teme cair.
Os fotógrafos todos sem medo em volta da dupla, mais parecem aguardar algo combinado. ???????????

Responder

Walter

29 de outubro de 2013 às 07h43

Bom demais… Acordo pela manhã e vejo que o mesmo governo “trabalhista” que nega uma database para os servidores públicos está propondo uma database para o aumento do diesel e da gasolina.Os “mercados” aplaudiram entusiasticamente e as ações subiram. E aí petrouxas? É esse o governo de “esquerda” que vamos reeleger?

Responder

    Aline C. Pavia

    29 de outubro de 2013 às 10h29

    Vote no Dudu, ou no Aécio. São MUUUUUITO melhores.

Marcelo Teixeira

29 de outubro de 2013 às 06h14

Com esse discurso de que “é eleitor de Dilma”ou “tenho que patrulhar”, etc… esse autor do texto já pode ser Colunista de O Globo, Junto com Lobão e Jabor. Se treinar um pouco mais pode até alçar voos mais altos. Magnoli e Reinaldo conseguira espaço na Folha.
Será que a escolha por um dos lados da violência , que me parece já foi feita por Gerson, é adequada ou inteligente?
Quem como Eu viveu na Ditadura ou pelo menos acompanha os relatos , ( somente os relatos sérios) sobre Ditadura e que se propõe a escrever sobre violência deveria , minimamente, observar que responder violência com Violência produz mais perdedores e geralmente no lado fraco da População.
Ficam as perguntas: A quem interessa a Violência? Quem ganha e quem perde com Violência?
Sugiro que leia:
No próprio Viomundo- Francisco Carlos Teixeira desiste da GloboNews: Mídia repete 64 ao denunciar baderna e vandalismo
No Brasilianas.org- Noam Chomsky sobre as técnicas de manipulação da mídia
No Carta MAior – A serviço de um certo Brasil

Responder

    Fátima Oliveira

    29 de outubro de 2013 às 09h44

    Caro Marcelo, pois eu fiquei muito feliz de o Gerson Carneiro ter abandonado a carneirice de dizer sempre AMÉM a tudo do governo, inclusive erros e omissõs.
    O Governo Dilma é um governo muito meu, que SEMPRE VOTEI LULA e VOTEI DILMA e fiz campanha para elegê-los, o que não que dizer que devo usar vendas. Precisamos preservar a nossa independência política. O que vai bem no governo eu elogio, mas o que é contrabando eu grito!
    É um direito de toda pessoa séria e que não abriu mão da luta popular e democrática. Só quer elogios? Pois entao e faça por onde recebê-los.
    Muito bem Gerson!!!!!

    Gerson Carneiro

    29 de outubro de 2013 às 09h47

    Marcelo Teixeira,

    Sugiro ler o texto novamente, desprendido de paixões.

    Estou aqui para sanar dúvidas. Lugar de aprender é aqui mesmo no VIOMUNDO.

    Seja muito bem vindo.

roberto almeida

29 de outubro de 2013 às 04h37

Este site adota a tática do agente infiltrado: diz que vota na Dilma e mete porrada nela. Ela dizer que apoia as manifestações não basta; tem que se solidarizar com os black bloc arruaceiros. Solidarizar-se com uma autoridade pública agredida covardemente merece críticas raivosas. Dilma dizer na cara do Alckmin que Lula pagar o FMI foi correto para o Brasil poder fazer os investimentos necessários não merece nenhum comentário. Assim é excesso de tendenciosidade. É melhor ler o Reinaldo Azevedo. Pelo menos sabemos o lado em que ele está.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    29 de outubro de 2013 às 09h31

    O site nunca disse que vota na Dilma. Se você prefere o Reinaldo Azevedo, não tenho nada contra. abs

lucascosta

29 de outubro de 2013 às 00h45

A propósito de solidariedade, onde está mesmo o rapaz que foi preso por ter agredido o coronel? Que tipo de solidariedade ele está recebendo? Como está a assistência jurídica a ele?

Agressor de coronel em manifestação de SP foi preso em flagrante (http://bit.ly/1eVTHUM)

É preciso que os que apreciam a conduta de quem agrediu o coronel da polícia militar lembrem que o ato abstratamente imputado aos black-blocs teve consequências concretas, por ora, para pelo menos um dos envolvidos no caso, o qual “(…)foi preso em flagrante por tentativa da homicídio e associação criminosa.”

Caso o ministério público ofereça denúncia por tentativa de homicídio e o juiz da vara do júri para a qual for distribuído o processo a receba, o rapaz preso em flagrante irá a júri popular – penso eu que com grandes chances de condenação, pois as imagens das agressões são extremamente sensibilizadoras de eventuais jurados.

É possível, no entanto, que a família do rapaz contrate um advogado muito bom – naturalmente muito caro – e o jovem não vá ao júri. O efeito colateral, no entanto, terá sido, talvez, devastador. Existem famílias que quase vendem os olhos da cara para pagar honorários advocatícios na tentativa de livrar o filho da prisão. Advogados consomem poupanças, carros, às vezes até casas… O que um pai e uma mãe não fariam para livrar o filho da cadeia, afinal de contas? Alguém aqui já terá visto um presídio ao vivo, tendo ido fazer uma visita ao mesmo? Não é, definitivamente, um lugar turístico, daqueles a que se queira voltar nas próximas férias. A propósito, não há registro de solidariedade em relação ao rapaz preso. Aplaudem o ato e esquecem miseravelmente o sujeito ativo do ato aplaudido…

Até onde sei, no momento em que escrevo estas linhas medíocres, o rapaz que foi preso em flagrante encontra-se em algum presídio. Certamente seus pais estão em casa, sem poder dormir – quem dormiria com um filho num presídio?

Há consequências concretas para ações que nós, do conforto dos nossos lares, de onde escrevemos, estamos esquecendo. Vejo, aqui e ali, com relativa frequência, pessoas aprovando a postura de agressão ao coronel da PM. Alguns mais afobados acham que a coisa deve virar regra, a partir de agora. Não tenho notícias, no entanto, de que nenhuma caravana esteja indo prestar auxílio ao rapaz preso. Não tenho informações sobre quaisquer “correntes”, “rifas”, ou coisas que as valham para socorrer a família deste jovem no pagamento de honorários advocatícios.

Espero que, caso a família do rapaz não disponha de recursos financeiros, a defensoria pública atue a contento. Registro que há muitos defensores públicos competentíssimos. Por último, em se concretizando a atuação de um “advogado dos pobres”, pago pelo Estado, não posso deixar de me sentir tocado pela ironia da situação: um militante anarquista sendo defendido pelo Estado… Até que o Estado não terá sido tão ruim assim, afinal de contas, caso um defensor público atue. O Estado – sempre tão achincalhado, ainda mais agora – terá sido muito melhor do que tantos que aplaudem, aplaudem e não movem uma palha concreta para socorrer o “herói” do ato aplaudido, que padece no presídio, com um processo no horizonte para responder!

PS. Um certo jornalista preso com uma garrafa de vinagre foi muito melhor servido no quesito solidariedade…

Responder

    ronaldo silva

    29 de outubro de 2013 às 20h36

    …fique tranquilo, a corregedoria dos black-blocks já se manifestou e informou que afastou das ruas os envolvidos, executarão somente trabalhos internos até o fim das apurações, quando será decidida a pena, que poderá chegar até na expulsão.

Linu

28 de outubro de 2013 às 23h22

Qual o limite dessa mulher, até quando ela vai envergonhar quem votou nela.

Entreguista, solidariedade a PM.

Até onde vai!

Responder

lidia virni

28 de outubro de 2013 às 23h21

Anti-petistas e anti-dilmistas demais neste blog. E sabemos que por trás desses comentários está a oposição, de tucanos a marina-eduardistas. Cansei.

Responder

    sandra

    29 de outubro de 2013 às 07h10

    ah. é? e vc acha que é fácil pra quem fez uma campanha pra eleger a dilma, achando que estava elegendo alguem com sensibilidade as questões sociais e tá vendo uma margareth thatcher, no governo? louca pra satisfazer o neoliberalismo? agora vai voltar a política tucana de aumentar a gasolina e os juros.Dilma, Thatcer, Merckel, aff, são mais homens que muitos homens no governo, no pior sentido. já, já vai cortar o leite das criancinhas. não sei da onde ela acha que vem os votos dela, mas 30%, garantidos são da esquerda e do PT militante. já imaginou se esse pessoal chegar a conclusão que é melhor trabalhar (de graça) só pra eleger uma bancada fiel ao PT (legislativo) e esquecer o executivo?

Adilson

28 de outubro de 2013 às 22h16

Caro Gérson, tudo bem?

Embora tenha achado a atitude da presidente, não dá pra negar que ela fez sim uma escolha ao se pronunciar, já que o Coronel não é a única vítima de violência desses protestos.

E os pequenos comerciantes que choram suas lojas e bancas de jornais depredadas?

E aquele motorista de ônibus em estado de choque que foi obrigado a descer quando eles atearam fogo em plena Rio Branco e disse que por um milagre não ficou preso ali na cadeira?

E o passageiro desse mesmo ônibus que foi ferido na cabeça ao tentar sair as pressas do veículo em chamas?

E o pm que quase foi assassinado no Rio em junho de tanto chute e porrada que ganhou na cabeça?(ah,ali era um reles soldado e não um coronel)

E os professores do RJ que sofreram ensanduichados na guerra deles com a polícia.

E a menina Juliane, estudante da escola pública, baleada na manifestação na Favela de Manguinhos, por onde não se viu black blocs, a turma dos mascarados, nem mídia ninja? Aliás, que no dia seguinte, não recebeu a ilustre visita de um agente da lei do Estado, como aconteceu com o jovem de mesma idade baleado de raspão na semana anterior.

É claro que há um recorte aí, Dilma é a presidente do Brasil, sabe muito bem o peso de cada dedo em cada vírgula daquele teclado .

Temos como cidadãos que exigir da presidente que se pronuncie também contra a violência exercida contra a classe trabalhadora e a favela no caldo das manifestações burguesas que estão rolando por aí

Responder

    Adilson

    29 de outubro de 2013 às 09h43

    Corrigindo: Embora tenha achado correta a atitude…

Gerson Carneiro

28 de outubro de 2013 às 22h03

Parece que vou ficar só na vontade de ler a opinião do Eduardo Guimarães sobre esse post. Quero tanto quanto uma grávida deseja uma jaca.

Responder

    Gerson Carneiro

    28 de outubro de 2013 às 22h04

    Eduardo Guimarães do Blog da Cidadania.

Rafael oliveira

28 de outubro de 2013 às 21h24

Pfff… Azenha brinca de black block? Rs…. Quanta ingenuidade nesse texto, quanta ingenuidade.

Responder

José X.

28 de outubro de 2013 às 20h15

Pra esse pessoal indignado com Libra, Dilma, etc: não precisam se preocupar, 2014 está próximo. Tenho certeza que o povo em geral seguirá a vanguarda iluminada da extrema-esquerda e vai vai votar maciçamente contra a reeleição da Dilma. Agora, quem é que vocês vão colocar lá no Planalto pelo voto eu não sei…aliás, é pelo voto que vocês querem derrubar a Dilma, certo ?

Responder

    Gerson Carneiro

    28 de outubro de 2013 às 21h26

    Só de pirraça vou continuar votando na Dilma.
    Abs.

    Luiz Carlos Azenha

    28 de outubro de 2013 às 21h34

    Bem que eu desconfiava. Sob aquele chapéu do Gerson tem um tucaninho. Micro, mas em crescimento…

    Gerson Carneiro

    28 de outubro de 2013 às 21h41

    Concordo com o leitor Rafael Oliveira:

    “Azenha brinca de black bloc”.

    Luís Carlos

    28 de outubro de 2013 às 22h49

    Dilma é minha candidata em 2014, não tenho dúvida disso, mas não preciso, nem devo concordar com tudo que faz e fala.
    Apoio o Mais Médicos (muito, pois é absolutamente necessário e corajoso) apoio a posição de Dilma sobre Libra, sobre a redução dos valores da energia elétrica, sobre a espionagem dos EUA. Concordo com ela quanto a instalação da Comissão da Verdade (fez o que poucos ou niguém teria coragem de fazer). Mas não concordo com a Presidenta quanto a manifestação sobre a violência contra o coronel da PM. Houve violência sim. Mas entendo que foi não foi feliz na manifestação e creio que a observação de Gérson procede.
    Criticar não significa estar contra, necessariamente. Nesse caso, gostaria que minha candidata tivesse tido outra postura.

    Luiz (o outro)

    29 de outubro de 2013 às 10h40

    Comentário muito sensato!

J Souza

28 de outubro de 2013 às 20h08

E, para “refutar” a “insensibilidade social” da presidenta, o resultado do REVALIDA, que é aplicado pelo INEP, órgão do MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO…

Eis o desempenho dos médicos formados no exterior que querem vir (ou estão vindo!?) trabalhar no Brasil…

“Apenas 9,7% dos inscritos no Revalida são aprovados na primeira etapa”

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/10/1363350-apenas-97-dos-inscritos-no-revalida-sao-aprovados-na-primeira-etapa.shtml

“Do total de 1.595 médicos formados no exterior que fizeram o Revalida neste ano, apenas 155 (9,7%) seguirão para a segunda etapa da prova. Esse é o menor percentual já registrado nessa fase do exame.”

Será que a presidenta vai tuitar esse resultado?
Será que vai ter cerimônia no Planalto para divulgar os números do Revalida?

E, antes que os torcedores do governo deturpem o resultado, reforço que não são os Conselhos de Medicina que elaboram, nem que aplicam o Revalida. Quem elabora e aplica é o próprio GOVERNO!

Essa é a medicina de “qualidade”, “humana”, que o governo está trazendo para os pobres!

Responder

    J Souza

    28 de outubro de 2013 às 20h25

    Agora, se numa prova como o Revalida, que pede o básico do básico, elaborada pelo GOVERNO, que tem interesse em aprovar o maior número possível de médicos formados no exterior, 90% foram reprovados, imaginem se esse pessoal fizesse uma prova no nível que os médicos formados no Brasil fazem para entrar numa Residência Médica (especialização Lato Sensu cujo ingresso exige concurso público, conforme leis federais)…

    Bem… Vamos aguardar e ver o que o ministério da Saúde vai dizer sobre a “qualidade” desses médicos formados no exterior avaliados pelo Revalida do governo!

    Nelio faria

    28 de outubro de 2013 às 23h59

    Você está confundindo bife de caçarolinha com rifle de caçar rolinha. Os médicos que vão atuar no programa Mais Médicos não são submetidos ao Revalida. Esse exame é aplicado somente aos médicos estrangeiros que pretendem exercer a profissão no Brasil, e uma vez aprovados, podem atuar como qualquer médico formado no Brasil. Os do programa Mais Médicos somente podem atuar no citado programa.. Não podem atuar, por exemplo, em consultórios privados.Se os médicos não passaram, o problema é deles, e não, do governo, que não tem que justificar nada.

    vitor

    28 de outubro de 2013 às 21h18

    Seria muito proveitoso se esse mesmo exame, o revalida, fosse aplicado para os recém-formados que querem exercer a medicina. A qualidade do médico é relevante para a sociedade, venha ele de cuba, do japão ou de saturno. Se os médicos encaram o teste como uma prova irrefutável de qualidade ou descrédito profissional, é uma contradição enorme não aplicá-lo a toda e qualquer pessoa que se apresente para exercer a medicina. E antes que se diga, NÃO, apenas, o diploma de medicina NÃO oferece presunção de excelência profissional

    J Souza

    28 de outubro de 2013 às 21h36

    Concordo com você!
    É isto que todos os bons médicos querem!
    Pelo menos outros profissionais concordam com os bons médicos!
    Mas, isto não interessa ao governo, que quer mão-de-obra barata, não importa com que formação…

    Luís Carlos

    28 de outubro de 2013 às 23h00

    Quem aplica a prova do REVALIDA é o governo?? Não seriam professores de medicina nas universidades?
    Esses professores de medicina são ligados ao governo?? Ou são ligados a entidades médicas? As coordenações de cursos de medicina são indicadas ou ligadas ao governo? Ou esses médicos que assumem coordenações de cursos de medicina tem algum tipo de ligação/relação com entidades médicas?
    Que influência tem as entidades médicas sobre as residências médicas? Nenhuma??

    J Souza

    29 de outubro de 2013 às 09h44

    Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras – REVALIDA

    http://revalida.inep.gov.br/revalida/inscricao/

    O QUE É O REVALIDA?

    O Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras – REVALIDA, é implementado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) em parceria com a Secretaria de Educação Superior (SESu/MEC), com o Ministério da Saúde (MS) e o Ministério de Relações Exteriores (MRE), desde 2010. Trata-se de um exame que, elaborado por especialistas renomados, permite tanto às Instituições de Educação Superior quanto aos médicos cujo diploma de Medicina foi expedido no exterior obter maior agilidade, confiabilidade e eficácia nos processos de validação de diplomas médicos no país.

    O REVALIDA consiste da realização de provas de conhecimento médico em duas Etapas:

    1ª. Etapa: Prova Escrita (com questões objetivas e discursivas) – afere conhecimentos teóricos;

    2ª Etapa: Prova de Habilidades Clínicas – afere conhecimentos quanto à prática de atendimento médico.

    Os participantes aprovados no REVALIDA poderão solicitar às Instituições de Educação Superior públicas brasileiras que aderiram ao Exame a validação do seu diploma obtido no exterior, uma vez que apresentem as mesmas documentações solicitadas na legislação brasileira, incluindo o certificado de aprovação no CELPE-BRAS.

    Para maior conhecimento do REVALIDA, acesse as provas de 2011 e 2012. (http://portal.inep.gov.br/provas_e_gabaritos)

    15/07/2013

    Luís Carlos

    29 de outubro de 2013 às 13h35

    J Souza

    Repito a pergunta: quem aplica a prova é o governo? Mais claramente: essa prova da etapa de conhecimento clínico (segunda etapa que citas na resposta) quem aplica é o governo?

Urbano

28 de outubro de 2013 às 19h38

Em termos de corrida de Fórmula 1 e principalmente em pistas molhadas e escorregadias, só conheci um gênio para dirigir rápido e seguro: Airton Senna. Em condições hipoteticamente semelhantes de tempos e pistas, mas dirigindo o nosso Brasil aí conheci o outro gênio, o Eterno Presidente Lula. E como ele ouvia a todos, deve ter prestado mais atenção nos conselhos do Che; daí não ter perdido a ternura, mesmo que tenha se feito necessário usar o rigor sobre o cumprimento da ordem. E infelizmente o que está em grande carência no momento atual venha a ser ou o não cumprimento ou o não recebimento exatamente da ordem.

Responder

Mateus

28 de outubro de 2013 às 19h06

A violência que esse PM sofreu é uma pulguinha diante da violência que toda a corporação pratica diante da população. E mais, quem garante que esse PM não incitou a própria violência contra ele em outro momento. Afinal, ele é um comandante. E os soldados não saem dando porrada em todo mundo sem o aval do comandante. Boa observação do Gerson.

Responder

M Cruz

28 de outubro de 2013 às 18h38

Que patrulhamento é esse??!!!
Como se a presidenta precisasse exteriorizar, com seu histórico, que repudia veementemente também a violência quando vinda do estado.

Responder

    Gerson Carneiro

    28 de outubro de 2013 às 19h04

    Sou eleitor da Dilma. Patrulhar é meu dever.

    Leo V

    28 de outubro de 2013 às 19h10

    Ah sim claro. Por que será então que ela precisou exteriozar quando o agredido é um Coronel?

    Isso não é patrulhamento.

    Não seja ingênuo, cada twitada da presidenta não é em vão. É muito bem pensada. É sim fato político ela se manifestar num caso e não nos outros.

    Para mim essa solidariedade seletiva fez esclarecer de vez que governo é esse. Governo que estará sempre do lado dos generais, e não do povo, mesmo que sejam os generais comandados pelo partido da oposição.

    Bonifa

    28 de outubro de 2013 às 19h37

    Os generais não estão necessariamente do lado oposto do povo. E o assunto aqui parece tratar de coronéis, não generais. Enfim, patrulhar é bom, mas descobrir incoerências depende de quanto se valorize cada patamar de incoerência. Talvez haja senhoras que não votarão mais na Dilma porque ela usou um vestido incoerente em alguma solenidade.

    José X.

    28 de outubro de 2013 às 20h10

    2014 tá perto, não se preocupe, com certeza vocês conseguem derrubar no vot esse governo iníquo que está ao lado dos generais contra o povo.

    Luís Carlos

    28 de outubro de 2013 às 23h04

    José X.
    A guerrilheira que apanhou na prisão por dois anos durante a ditadura civil militar está do lado dos generais contra o povo? Quem bate não se lembra, mas quem apanha nunca esquece.

Jayme Vasconcellos Soares

28 de outubro de 2013 às 18h32

O povo brasileiro execra Dilma e seus seguidoras!!! Ela traiu a todos nós! Dilma nunca mais! O Brasil não a quer mais, então esqueça as eleições de 2014!!!

Responder

Davi Sensu

28 de outubro de 2013 às 17h59

Comparar um pronunciamento oficial com um twitter é forçado. Na epoca todos eles criticaram a violência policial via imprensa – a Dilma não tinha voltado ao twitter ainda – de maneira envergonhada, é verdade, e com receio de criticar o governador, com o qual tinham acabado de se reaproximar pos eleição de Haddad. Principalmente o Haddad, que era um dos alvos dos protestos, se manifestou enfaticamente contra a ação da PM. Covardia é covardia… A propria Maria do Rosario foi criticada porque se pronunciou contra a policia em um caso de assaltante baleado.
Gerson, a foto com o PM com as mãos pro alto tomando uma placada na cabeça não te incomodou? Sofisma por sofisma, você torceu pela morte do PM?

Responder

    Gerson Carneiro

    28 de outubro de 2013 às 19h00

    1. Pronunciamento de Presidente da República é válido independentemente do veículo que utiliza para fazê-lo. Aliás, não só de Presidente da República. De todos nós.

    2. A Maria do Rosario não se pronunciou contra a polícia no caso do assaltante baleado. Ela colocou a Polícia Federal para ir atrás do blogueiro que havia feito uma piada, uma chacota (e avisou no blogue que tratava-se de humor), envolvendo a pessoa dela.

    3. No texto não entro no mérito sobre a violência praticada por quem quer que seja. Faço apenas uma crítica ao comportamento da Presidenta Dilma que sim, escolheu qual vítima prestar solidariedade.

    4. Ainda não expus, ainda, meu posicionamento sobre agressores (seja PM, seja manifestantes) nestas manifestações.

    5. Portanto, se há paralogismo, não está no meu texto.

    Walter

    28 de outubro de 2013 às 20h13

    O PT que está no poder é autoritário, stalinista, perseguidor e extremamente “pragmático”.

    Davi Sensu

    30 de outubro de 2013 às 10h29

    Ah Gerson, você comparou um twitter que se escreve em menos de 1 min com um pronunciamento oficial em rede nacional… Por favor, você entendeu e ta de birra… Pronto, no twitter agora ela se solidarizou com um rapaz que morreu, qual foi a sua contribuição com essa crítica, aumentar a hipocrisia e a demagogia da presidencia de republica?

    Liz Almeida

    28 de outubro de 2013 às 20h52

    Concordo que talvez fosse melhor ela não ter escrito isso; ou poderia ter escrito, mas ter twittado também condenando a violência policial.

    Acho, porém, complicado comparar a situação de hoje com a de junho.

    Mas, enfim… não acho que a presidenta tenha ‘insensibilidade social’. Ela se equivocou em twittar sobre um lado só, mas não acredito que a Dilma não condene totalmente os excessos da PM. Afinal, ela sabe o que ser torturada por militares.

tiago carneiro

28 de outubro de 2013 às 17h19

FHC de saias é muito solidária para com os donos do poder =)

Responder

    Luís Carlos

    28 de outubro de 2013 às 23h12

    Você também Tiago ao insistir de forma machista a não reconhecer uma mulher em seus atributos reduzindo-a em tudo a comparação a um homem. Machistas sempre acham que o universo masculino é tudo relegando atributos e a subjetividade feminina a uma cópia do mundo masculino. Sua ojeriza a mulher Dilma não passa despercebida em suas comparações machistas.

Silas

28 de outubro de 2013 às 17h10

Eu sei que a violência não é boa de nenhum dos lados, violência gera violência. E já passou da hora de dar um basta, tanto na violência da policia quanto desse bando que se esconde atrás de mascaras.

Responder

Julio Silveira

28 de outubro de 2013 às 16h53

Minha primeira grande decepção com a Dilma foi sua visita a Folha de São Paulo quase como primeiro ato de seu governo, depois veio as diversas sinalizações de que pretendia mudar sem nada mudar.
O governo Petista sem se dar conta faz hoje o que os faraós construtores fizeram. Constroem suas pirâmides com o Bolsa família, o eletricidade para todos, o minha casa minha vida, e acreditam que por isso serão imortais. Esquecem que hoje a pirâmides não passam de uma lembrança de um passado grandioso, que o tempo é inexorável e que se não criarem raízes culturais para perpetuarem sua historia poderão ser lembrados como aqueles faraós que não souberam deixar as heranças desse passado grandioso a seu povo, que sequer entende como aqueles monumentos foram erigidos.

Responder

Elias

28 de outubro de 2013 às 16h52

Qualquer pessoa medianamente politizada sabe que a PM é o fundo do tacho da Ditadura Militar. Temos de desmantelá-la? Não sei, prefiro ler o Datafolha/Ibope/Vox Populi. 95% dos paulistanos, segundo o Datafolha, são contra Black Blocs. Tudo bem. Agora, pergunto, quando o Datafolha ou outro instituto fará pesquisa para saber quantos por cento dos paulistanos são contra a PM? E se for realizada tal pesquisa e o resultado for desfavorável à PM, que outra força de segurança deve substituí-la? Estamos no meio do caminho de uma estrada tortuosa, qualquer deslize podemos sofrer um acidente quando não um desastre que nos leva a perder tudo o que conquistamos nos últimos 27 anos. Por isso não me espanto com os dizeres da presidenta. Dilma postou no Twitter o que talvez os mesmos 95% dos paulistanos também postariam: “Presto minha solidariedade ao coronel da PM Reynaldo Simões Rossi, agredido covardemente ontem por um grupo de black blocs em SP. Agredir e depredar não fazem parte da liberdade de manifestação. Pelo contrário. São barbáries antidemocráticas. A violência cassa o direito de quem quer se manifestar livremente”. Eduardo Guimarães, em seu blog, mostra duas fotos, uma com o coronel sendo agredido e outra com um PM agredindo, “A conclusão óbvia a que se deve chegar, portanto, é a de que os dois lados estão errados”, afirma Eduardo. Porém, digo eu, a ordem constituída, a autoridade (no sentido democrático, óbvio) deve ser preservada a qualquer custo. E diante de tudo o que vem acontecendo de junho para cá, errar ou acertar é tão fácil quanto difícil. Quem julga Dilma por tal declaração não está livre também de ser tachado como certo ou errado.

Responder

vinicius souza

28 de outubro de 2013 às 16h39

nao foi a primeira manifestação do MPL em SP. As manifestações começaram, se nao me falha a memoria, dia 04/06/2013. a que ele se refere foi do dia 13/06. A PM vinha barbarizando desde antes, mas nao tinha atingido seriamente ninguem da Grande Mídia, como tem acontecido novamente pelo menos desde 7/09. mas na ultima sexta, quando o coronel foi agreido, os grandes alvos da PM, com dezenas de detenções arbitrárias e ilegais, foram a fanfarra que apoia o MPL e os estudantes menores que a acompanhavam.

Responder

IGOR TKACZENKO

28 de outubro de 2013 às 16h37

Este comentário o fiz no post do Francisco Carlos Teixeira, mas acho que cabe aqui também. Fiz alguns adendos.

O problema da imaginação exacerbada é não conseguir mais visualizar a realidade, o amor incondicional também faz isso. Já os projetos de poder visualizam a realidade, mas buscam distorcê-la.

As ações fascistas das polícias estão em consonância com o viés fascista que se encontra no jurídico. Leis criminalizantes, porém arbitrárias e autoritárias sendo emergencialmente criadas e executadas pela polícia despreparada, estamos falando do Brasil atual!

Aviltamento cívico claro e evidente. Pessoas (professores e populares) foram jogadas em presídios e tiveram até mesmo as cabeças raspadas! Prisões por “aparência”, “roupas e indumentárias suspeitas” acusações completamente infundadas e injustas, corrupção completa dos valores de verdade e justiça, antiéticas e desmoralizantes, além, é claro, das agressões e espancamentos policiais. Um absurdo que a mídia escondeu e que o ministério da justiça de maneira cômoda não viu/vê.

Portanto, dizer que os “varonis” da extrema direita iriam dar o golpe fascista no Brasil em manifestações apartidárias, mas sem levar em conta o fascismo já instaurado, é uma falácia, sofisma purinho…

Não há espaço para golpe nesse sentido aqui no Brasil, estamos vivendo apenas uma nova fase do amadurecimento de nossa democracia: a participação popular nas ruas. Ninguém quer acabar com as instituições, querem é que elas funcionem melhor, e mais rápido, pois já se vai mais de uma década de governo PT.

Esse discurso de violência que leva ao fascismo é uma retórica específica para a campanha eleitoral, nenhuma correspondência com a realidade do mundo. No Chile, no México, Argentina e em outros países europeus, também na primavera árabe, enfim, em nenhum desses lugares o fascismo se instarou através de golpe “apoiado por grupos externos (internacionais)”; devaneio. Ocorre é a apropriação da não violência em discursos conservadores que agradam ao eleitorado da classe média mais clássica brasileira. É a campanha, daí as generalizações e os sofismas.

O que vemos é um engessamento político devido à marcação de território e manutenção de poder em detrimento aos ideais da verdadeira esquerda progressista. O PT quer manter o poder para evitar a volta da “velha direita apoiada pelo PIG” e todo o discurso do quanto seria “voltar atrás” na política brasileira caso ocorra essa volta. Porém, está distanciando-se das bases esquerdistas e, no momento, parece estar muito incomodado com as manifestações – que persistirão – das ruas. Incomodado apenas devido ao pleito eleitoral. Quem quer manifestações em plena campanha? Ora, abram os corações, é isso! Tudo é a campanha e a manutenção do poder, são as eleições, é o voto na urna que importa!

O fascismo está instaurado, a grande mídia nada fala, e o governo atual também se emudece. Um acordo tácito, mas que revela uma certa “gratidão velada” dos que estão no poder em como a mídia ajuda no sufocar dessas manifestações. Óbvio que o governo tira proveito disso, por isso a presidenta “chorou” pelo coronel. Mas os Amarildos, os professores, as crianças, e a criminalização em curso de movimentos sociais parecem não merecer lágrimas. Bem como são esquecidas, também, as demandas de reforma política, reforma agrária, reforma do judiciário, dos códigos civil e penal, a baixíssima qualidade de ensino público, da saúde pública, dos transportes … muita gente vai para as manifestações “zoar”, mas têm muitos que vão sentindo o que querem mesmo mudar. Às ruas, sempre!

Responder

Paulo Figueira

28 de outubro de 2013 às 16h35

A presidente se pronunciou de forma institucional e o fez corretamente.
Qualquer pessoa com o mínimo de sensatez e apreço pela democracia, não pode concordar com cenas como aquelas do espancamento do coronel, da mesma forma que não podemos compactuar com a truculência e o despreparo da polícia.
Dilma é presidente da república e manifestou-se institucionalmente diante de uma violência covarde contra uma autoridade policial.

Responder

Marcio H Silva

28 de outubro de 2013 às 15h56

Concordo com o Gerson. Fique calada vendo as injustiças acontecer, ou reclame de todas as injustiças que aconteceram nestas manifestações.

Responder

Joao Carlos

28 de outubro de 2013 às 15h53

Os Black Blocs vão as ruas para depredar e provocar a reação policial, isso é democrático? É legal? Eu sou proletário, de origem humilde, estudei a vida inteira em escola pública inclusive em um Universidade Federal, participei de muitas passeatas ao lado de professores em greve, de sem terras, ou seja sempre participei da vida de lutas e reivindicações e nunca agredi ou fui agredido por policiais…qual é o objetivo e foco desses vandalos? O que fariam no poder? O que conquistei na minha vida foi trabalhando e estudando (lógico acordando muito cedo e andando de busão e a pé) hoje tenho casa, carro e uma família, não conquistei nada apedrejando santos e bancos, mas tenho lado e me considero representado com Dilma no poder!!!!!

Responder

Eduardo B

28 de outubro de 2013 às 15h39

Cria cuervos que te van bicar los ojos.
A PM, bem ou mal está cingida à lei e pode pela lei ser reformada e pela cultura da academia de polícia ser reformada.
Já os BB são um rascunho de terroristas, a lá Baader-Meinhoff, porque na real são uns mauricinhos que resolveram apadrinhar os movimentos sociais com sua doutrina de autodefesa de almanaque.
Falam pelo povo sem saber nada deles e sem ser um deles.
O povo, só olha os loucos fazendo bagunça, mas não endossa nada.
Então quando o núcleo duro dessa molecada daqui a alguns anos resolver mandar um RPG no quartel da brigada ou na prefeitura ou explodir a assembléia legislativa, sonhando que são Gui Fawlkes, com certeza seus apologetas já estarão bem longe fingindo que não é com eles, que eles não tem nada com isso.

Responder

Matheus

28 de outubro de 2013 às 15h35

Se alguém puder indicar onde o Boaventura disse que Dilma é de “grande insensibilidade social”, eu gostaria de ler/ouvir.

Responder

Daniel Faria

28 de outubro de 2013 às 15h13

Dia 25/10: manifestantes lincham um policial. Dilma, Maria do Rosário e Alckmin prestam solidariedade.

Dia 27/10: policia mata um jovem em São Paulo. Silêncio.

Responder

Lucas

28 de outubro de 2013 às 15h05

estamos aguardando a solidariedade da Dilma para com a família de Douglas (já que se solidarizar com ele já não dá mais, pois a polícia do coronel amigo da Dilma matou ele).
A esquerda autoritária vai falar para essa gente que tem que se manifestar pacificamente?:
http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/10/28/nao-teve-reacao-do-meu-irmao-diz-menino-que-viu-pm-matar-adolescente-em-sp.htm

Responder

Sylvia Tigre de Hollanda Cavalcanti

28 de outubro de 2013 às 15h02

Que o português saudoso de Salazar meta-se com os de lá.A presidenta é nos-
sa,governa bem melhor que os ‘cavaco silva’ deles e será sim reeleita!

Responder

Ely Verissimo

28 de outubro de 2013 às 14h12

Dilma e Maria do Rosário perderam uma grande oportunidade de ficar caladas. Gerson tá coberto de razão.

Responder

    José de Almeida Bispo

    28 de outubro de 2013 às 16h18

    Tucanamente coberto de razão!
    (“Há muita forma de se contar uma mentira; mesmo somente se dizendo a verdade!” Grande propaganda da Folha de São Paulo. Que entende do assunto)

    Carlos M.

    28 de outubro de 2013 às 21h25

    Gerson tucano!?!? Acho que vc. lê esse site há pouco tempo…

zé eduardo

28 de outubro de 2013 às 14h00

Tudo que a Dilma fala vira manchete.
Ser protagonista dá nisso, né.

Responder

Fabio Passos

28 de outubro de 2013 às 13h15

Sem dúvida.
Por que Dilma não prestou solidariedade aos populares covardemente agredidos pelas PMs nas manifestações de Junho?

As PMs – polícias de extermínio – continuam assassinando pretos e pobres nas favelas e periferias das cidades brasileiras… sob aplausos do PiG e da “elite” branca.

Responder

Alemao

28 de outubro de 2013 às 13h10

É o hipócrita falando da hipócrita…

Responder

    Gerson Carneiro

    28 de outubro de 2013 às 17h07

    Dei outro nó na tua mente (havia dado um, com uma piada, lembra?).

    Tu não imaginava ler crítica minha a comportamento da Presidenta Dilma.

    Tem certeza que você escolheu o termo adequado para me adjetivar?

    Em todo caso, seja lá o que tu quis dizer, cabe a velha máxima: “na falta de argumento, ataca-se o argumentador”.

    Alemao

    29 de outubro de 2013 às 10h47

    Não lembro.

    Quando das manifestações de junho vc foi um dos que gritou contra o quebra-quebra e acusou a neo-direita da violência. Agora que são assumidamente de esquerda vc quer defendê-los? Acho que não errei no adjetivo…

    https://www.viomundo.com.br/voce-escreve/maria-fro-depredar-a-sede-de-qualquer-partido-e-ato-fascista.html

    “Passagem de ônibus em Campinas-SP: R$ 3,30.
    Prefeito Jonas Donizete, fantoche do Geraldo Alckmin.

    Não há protestos, não há quebra-quebra.

    Protestos em São Paulo perdeu a razão de ser. Virou sem-vergonhice. Politicagem descarada e irresponsável.”

    https://www.viomundo.com.br/denuncias/no-centro-de-sao-paulo-manifestante-dizia-foda-se-o-brasil-nacionalismo-e-coisa-de-imbecil.html
    “Descobriram a identidade do fortão. É o personal sabotagem do Çerra.”

    Gerson Carneiro

    29 de outubro de 2013 às 14h09

    Alemão,

    Você lê e interpreta mal.

    Está evidente que você não identificou o alvo e a razão da minha crítica neste presente post.

    Não sou eu que vou te ensinar leitura e interpretação de texto.

    Olha só, depois você desce o pau no ENEM.

    De fato o tema tratado no post é deveras complexo para alguém que não consegue entender sequer uma piada.

    “assumidamente de esquerda”?! Do que você está falando???

    Abs.

    Alemao

    29 de outubro de 2013 às 16h15

    Claramente vc é incapaz de enxergar a diferença entre defender uma instituição, a Polícia, que é encarregada da manutenção da ordem, e de um reles grupo covarde que não mostra o rosto. Se um grupo de policiais atuou de forma irregular nas manifestações de Junho, esse grupo deve ser punido, e não a polícia. É o mesmo que pregar o fim do Senado e da Câmara porque há um bando de ladrões lá dentro, ao invés de votar com mais esclarecimento. Há outros meios para se garantir um melhor preparo dos policiais. Vc deveria fazer o mesmo, deveria repudiar o completo desrespeito ao órgão do Estado que garante a sua segurança. A presidente neste caso fez certo, pois ela fala em nome da Instituição, a Polícia.

    Quando o Padilha assumir o Estado de SP e acontecer algum tipo de desvio de comportamento de policiais, já o vejo culpando o PSDB….

Roberto Locatelli

28 de outubro de 2013 às 13h06

Concordo em parte com os argumentos.

Apenas um senão: os black-blocs-tucanonymous-ninjas-eixos-quebrados estavam presentes DESDE O COMEÇO, e destilando ódio contra o PT.

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=658435694188288&l=fd84205872

Responder

    José de Almeida Bispo

    28 de outubro de 2013 às 16h22

    Depois de quatro meses de baderna, onde todos tiveram o oportunidade de aprender a separar as coisas, não dá mais pra tolerar a “ingenuidade” dos defensores da desordem como luta justa, Locatelli. Logo, começo a entrar na mesma orientação maniqueísta deles: se é black bloc, é bandido! No mínimo, odientos oposicionistas que não respeitam o Estado de direito democrático, obviamente. Concordo contigo.

José X.

28 de outubro de 2013 às 12h57

Minha visão é que é um problema institucional: se criticar polícia estadual vai aparentar estar interferindo nos governos estaduais. Vai ser a “ditadura petista” se instalando no Brasil…

Neste caso específico eu concordo com ela. Não porque tenho pena da polícia, que é capaz de se defender (e atacar) muito bem, mas porque é preciso acabar com a violência impune dos black blocks fascistas, para que não haja risco da violência se generalizar. Imaginem que para combater os black blocks apareçam os red blocks, blue blocks, etc. Acho que aqui se aplica aquele chavão, tem que acabar com o ovo da serpente enquanto ainda é possível. Depois que chocar, aí não tem mais volta.

Responder

    Denise

    28 de outubro de 2013 às 16h37

    Mandou bem José X!

    elizabeth pretel

    28 de outubro de 2013 às 17h38

    É exatamente isso José X.

cid elias

28 de outubro de 2013 às 12h34

É meeesmo, Gérson? Que coisa, hein!?

Responder

    Gerson Carneiro

    29 de outubro de 2013 às 11h20

    É, Terta.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding