VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Comitê Paulista Memória Verdade e Justiça quer Gilson Dipp fora da Comissão da Verdade


15/05/2012 - 19h45

NOTA DO COMITÊ PAULISTA MEMÓRIA VERDADE E JUSTIÇA

Sobre a composição da Comissão Nacional da Verdade
e declarações preocupantes de alguns de seus membros

O Comitê Paulista Memória Verdade e Justiça (CPMVJ), diante dos últimos fatos relacionados à constituição e ao início do funcionamento da Comissão Nacional da Verdade, vem a público externar o seguinte:

1. O CPMVJ reitera seu apoio à Comissão, espera que seus trabalhos comecem imediatamente após a posse dos seus membros, e coloca-se à sua disposição para contribuir com as investigações das violações praticadas pelos agentes da Ditadura Militar (1964-1985).

2. O CPMVJ considera que o sr. Gilson Dipp, ministro do Superior Tribunal de Justiça, não reúne as condições necessárias para integrar a Comissão, por haver atuado como perito do Estado brasileiro na Corte Interamericana de Direitos Humanos, tendo atuado contra os familiares dos guerrilheiros do Araguaia cujos corpos encontram-se desaparecidos até a presente data. A presença de Gilson Dipp, portanto, compromete a isenção da Comissão, nos termos do artigo 2º,  §1 inciso II do projeto de lei que a criou: “Não poderão participar da Comissão Nacional da Verdade aqueles que (…) não tenham condições de atuar com imparcialidade no exercício das competências da Comissão”. Desse modo, exortamos a Exma. Sra. Presidenta da República, Dilma Rousseff, a revogar a nomeação do sr. Gilson Dipp.

3. O CPMVJ estranha e repele declarações de alguns membros da recém-nomeada Comissão Nacional da Verdade que contrariam o elementar sentido de sua criação. Tratando-se de uma Comissão que tem por objetivo a verdade, espanta que a própria verdade de sua criação seja obscurecida por alguns de seus membros. A Comissão instala-se para esclarecer violações de direitos humanos e crimes contra a Humanidade de responsabilidade do Estado brasileiro. Nisto não há “outro lado”.  Tentativas de desvio desta clara e única finalidade devem ser imediatamente denunciadas como um golpe contra a consciência democrática do país. Não deveria ser necessário dizer que somente se pode buscar a verdade que está oculta: quem são os responsáveis e quais são todos os fatos e circunstâncias relativos às barbáries praticadas pelo Estado contra opositores políticos no período da Ditadura Militar. É isto que a sociedade não sabe. No plano ético, a consciência democrática do país não aceitará mais que a apuração de crimes contra a Humanidade, que marcam indelevelmente a história de um país e jogam sombras sobre as futuras gerações, seja obscurecida por mistificações que somente atendem os que têm medo do que o passado vai revelar e do que o futuro lhes reservará quando a verdade ganhar a luz do dia.

4. O CPMVJ também repudia firmemente as inoportunas e intempestivas declarações de membros da Comissão Nacional da Verdade de que é “impossível” a revisão da Lei de Anistia. Convém lembrar que a persecução criminal aos responsáveis por crimes contra a Humanidade — assassinatos, torturas, violações, desaparecimentos — é hoje obrigação assumida pelo Estado brasileiro perante a ordem jurídica internacional e que, neste momento, decorrido o prazo fixado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos, o Brasil somente pode ser reputado Estado fora da lei. A criação da Comissão representa, apenas e tão somente, o acatamento pelo Estado brasileiro do primeiro ponto daquela decisão. É inaceitável, assim, que precisamente membros da Comissão desinformem a sociedade e se ponham a serviço de interesses que não são os da democracia.

São Paulo, 15 de maio de 2012

Comitê Paulista Memória Verdade e Justiça

PS do Viomundo: O Comitê Paulista Memória Verdade e Justiça é formado por ex-presos políticos, parentes de mortos e desaparecidos e ativistas de direitos humanos. Entre os integrantes,  os jornalistas  Rose Nogueira, Denise Fon, Pedro Pomar e Antonio Carlos Fon, o procurador Marcio Sotelo Felippe e o advogado Aton Fon Filho.

Leia também:

Comissão da Verdade e os agentes do Estado

Folha quer investigar quem queimou aqueles carros que ela emprestou à OBAN

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



40 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Carlos Lungarzo – Comissão Nacional: excesso de verdade faz mal à saúde » QTMD? Quem Tem Medo da Democracia?

08 de junho de 2012 às 18h38

[…] Entre a bagagem de outros cavalos de Tróia estão os que afirmam a impossibilidade de revisar a Lei de Anistia. A CPMVJ deixa transparecer que o governo instalou esta Comissão apenas porque estava sendo julgado como réu pelo direito internacional. (Vide) […]

Responder

COMISSÃO NACIONAL: EXCESSO DE VERDADE FAZ MAL À SAÚDE | Revista ConsciênciaNet: acesse a sua.

06 de junho de 2012 às 17h29

[…] Entre a bagagem de outros cavalos de Tróia estão os que afirmam a impossibilidade de revisar a Lei de Anistia. A CPMVJ deixa transparecer que o governo instalou esta Comissão apenas porque estava sendo julgado como réu pelo direito internacional. (Vide) […]

Responder

Mario Silva Lima

16 de maio de 2012 às 18h05

Respondendo a Mario SF Alves:com a volta do “Regazzoni”,o Gil Rocha retomou sua identidade secreta:”lulipe”.

Responder

    Mário SF Alves

    16 de maio de 2012 às 23h02

    É… deve ser mesmo. No mínimo, é mais um… do mesmo. Todos com expertise na arte da embromação via raciocínio circular.

A instalação da Comissão da Verdade « Viomundo – O que você não vê na mídia

16 de maio de 2012 às 13h58

[…] Comitê paulista quer Gilson Dipp fora da Comissão da Verdade […]

Responder

Cassius Clay Regazzoni

16 de maio de 2012 às 13h40

Continua ruminando Reinaldete…

Responder

    Mário SF Alves

    16 de maio de 2012 às 15h25

    E aí, Cassius, gostei de ver o desmonte que você provocou na argumentação do artísta que queria falsear a realidade equiparando em termos de poder de decisão funcionário com assessor. E por falar nisso, onde foi parar o Gil Rocha? Foi só você chegar e … bum… mágica, o cara sumiu.

    Cassius Clay Regazzoni

    16 de maio de 2012 às 17h30

    Que nada Mário, esse povo ganha uma graninha para trollar nos blogs progressistas, daqui há pouco essa figura peculiar volta.

    Abraço.

Cassius Clay Regazzoni

16 de maio de 2012 às 13h38

Minha nossa senhora, como tem gente burra neste mundo.

O texto explica claramente que não existem dois lados, apenas um, e tem jumentos ruminando sobre parcialidade para o lado das vítimas do Estado Terrorista Brasileiro.

Hei jumentos, não há dois lados, apenas o lado dos perseguidos pela ditadura militar.

Responder

Mário SF Alves

16 de maio de 2012 às 13h34

Antes de tudo, o que se deve ter em mente e como princípio é o significado de Estado. Dessa forma, no caso presente, o que está em questão é a identidade e a responsabilidade daquele dito Estado submisso ao tacão da ditadura. René Dreifuss registrou as circunstâncias do golpe de 1964 e o chamou de “1964: A Conquista do Estado”. Um Estado conquistado, portanto. A deixar-me levar por aí, um Estado sequestrado, eu diria. Mas, ainda que conquistado, conquistado de quem e em quais (reais) circunstâncias? E que conceito é esse de Estado em que esse mesmo Estado revela-se assim tão à mercê de conquistadores? E, mais, será que de fato teria existido naquele momento um Estado Brasileiro? Ou, ao contrário, tal Estado, verdadeiramente, somente agora estaria em vias de ser construído?
Na premissa de que tais questões possam ser esclarecidas, resta-nos saber qual o grau de responsabilidade daqueles que jogaram por terra a ordem institucional democrática, que rasgaram a Constituição – o Contrato Social – e que em seu lugar implantaram aquela outra coisa absolutista denominada Estado de Fato.
Seja como for, é inegável que antes do golpe de 64 havia sim, ainda que não um verdadeiro Estado, um Contrato Social de natureza ou de índole democrática. E dito isso, uma coisa parece clara, tal Contrato jamais teria existido se fosse para atender inteiramente aos interesses das classes abastadas. Mesmo porque se assim o fosse, jamais teríamos tido um Estado ou um País, mas, sim, sua antinonímia, um terreno de bárbaros. E que apenas subsistiria sob o rigoroso regime da Casa-Grande em oposição à Senzala. Toda ela, óbvio, guardada pelos seus respectivos agentes capitães do mato.

Responder

Killimanjaro

16 de maio de 2012 às 11h18

Acidente na condenada linha vermelha do metro

Usando o espaço para outro assunto, lembrando as postagens sobre o perigo do metro em sp. Acaba de acontecer um acidente com muitas vítimas na linha vermelha do metro, entre a estação penha e carrão.

São muitas vítimas, estão sendo atendidas em lonas, vermelha para ferimento grave, amarela para ferimento leve, não sei se há vítimas fatais. Haviam crianças idosos e mulheres grávidas.

Responder

Walter

16 de maio de 2012 às 11h02

Ora, não foi a Dilma que nomeou a Comissão ??? Infelizmente falta um pouco de Cristina Kirchner na Dilma. Haviam nomes muito melhores para escolher. Ela colocou tucanos e direitões enrustidos na Comissão. Aliás, haja saco com o Lula e a Dilma quando eles resolvem ser “light”. Enquanto isso a oposição e principalmente o PIG entram de sola há uma decada nos dois. Muitas vezes o Lula e a Dilma parece que gostam de apanhar…

Responder

abolicionista

16 de maio de 2012 às 10h03

O que dá tristeza é ouvir é a expressão “dois lados”. Dois lados? Sim, de um lado, todos os civis, do outro, estado militar.

Responder

Fabio SP

16 de maio de 2012 às 08h51

“A Comissão instala-se para esclarecer violações de direitos humanos e crimes contra a Humanidade de responsabilidade do Estado brasileiro. Nisto não há “outro lado”.”

O projeto de lei não diz categoricamente que se deve esclarecer crimes de responsabilidade do Estado brasileiro. Fala somente em crimes contra a Humanidade. Assim, sequestro e cativeiro, explosão de bombas, tem que ser investigado, sim!

Responder

    Leo V

    16 de maio de 2012 às 10h09

    Esses que vc quer investigar já foram investigados. E a punição foi tortura e morte.

    Esse discurso de investigar a ‘esquerda’ só serve pra jogar fumaça.

Mardones Ferreira

16 de maio de 2012 às 08h42

É preciso explicar para algumas pessoas que estão se manifestando aqui a intenção de criação de uma comissão de verdade e justiça. Não custa lembrar que não há invenção por parte do governo brasileiro, pois há outras 40 comissões da verdade mundo a fora. E o sentido delas é um só: investigar os crimes contra os direitos humanos cometidos por agentes do estado.

Se ainda restar alguma dúvida de quem deve compor uma comissão com esse intuito é preciso antes estudar sobre comissões de verdade. Logo, a manifestação do Ivan Seixas, louvando a criação da comissão brasileira deve ser seguida por todos aqueles que têm o mínimo de espírito democrático e torce a cada dia para o fortalecimento da nossa democracia. Assim, é digno de elogio a publicação pelo Vi o Mundo do artigo do sr Seixas. Bem como é ainda mais elogioso o caráter democrático deste blog quando expõe a insatisfação justificada – para quem leu o texto e conhece a utilidade de uma comissão de verdade – do grupo paulista.

Parabéns Azenha e a equipe do Vi o Mundo pelo papel informativo e pela abrangência e importância dos temas aqui apresentados. Ainda que tenhamos de lidar com muitos que desconhecem os temas apresentados e correm para tentar aborrecer alguns comentaristas. Com ou sem eles, teremos uma apuração dos crimes contra humanidade praticados por agentes do estado durante as ditaduras e ponto.

Responder

Cláudio

16 de maio de 2012 às 03h13

“crimes contra a Humanidade… marcam indelevelmente a história de um país e jogam sombras sobre as futuras gerações”

Responder

lulipe

15 de maio de 2012 às 23h49

“Não poderão participar da Comissão Nacional da Verdade aqueles que (…) não tenham condições de atuar com imparcialidade no exercício das competências da Comissão”…

Será que vão pedir a saída da ex-advogada e amiga da presidente, Rosa Maria Cardoso da Cunha???

Responder

Elza

15 de maio de 2012 às 23h35

Engraçado, a velocidade das notícias, o julgamento às vzs nos confunde pela sua contradição tão imediatista.

No dia 10/05/2012, aqui neste blog e nos demais “ditos sujos”, tds elogiavam a escolha dos integrantes da Comissão da Verdade pela presidente Dilma.
No testo postado aqui sobre o título, se eu ñ me engano era mais ou menos assim: Ivan Seixas elogia escolha da presidente Dilma dos integrantes da Comissão da Verdade. Depois….. “por Luiz Carlos Azenha”……O ex-preso político Ivan Seixas elogiou as escolhas da presidente Dilma para compor a Comissão da Verdade, dizendo que a apuração dos crimes da ditadura militar também vai depender da sociedade…..
Hj sai este outro txt….. “O Comitê Paulista Memória Verdade e Justiça (CPMVJ),criticando a presença de alguns integrantes…..”, eu até entendo que o contraditório faz parte do ser humano e de um estado democrático, mas os mesmos comentaristas que foram favoráveis dia 10 pp, agora condenam, ora o sr Ivan Seixas, segundo o txto do dia 10 tbm foi preso político, a presidenta idem, vamos com calma gente. Eu sei que as pessoas e os familiares que sofreram com o desaparecimento de seus ente queridos cada um reagirá de acordo com a sua dor sentida e acredito nunca esquecida, mas tem que se avaliar a lei que foi criada a Comissão da verdade seus objetivos e suas finalidades. Mas isso é bom…. jamais o pensamento único, só para reflexão!

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    15 de maio de 2012 às 23h43

    Nossa, eu achei que seria elogiado por não seguir uma pauta única…

    Marisa

    16 de maio de 2012 às 00h23

    Azenha qdo acabei de ler o post da Elza, ia justamente dizer: legal Azenha q bom q o Viomundo não se deixa pautar, aí… Aqui é um fórum livre, Elza, discute-se vários ângulos de uma situação, não existe pensamento único. Simples assim.

    Romanelli

    16 de maio de 2012 às 07h32

    PAUTA UNICA ?! ..eu elogio vc AZENHA por não tentar nos dizer só PARTE DA VERDADE

    e é isso que vim aqui fazer, PROTESTAR e denunciar o que me afeta, a manipulação por parte de quem se esta no poder

    Sei que enquanto alguns querem a verdade pra se justificarem ..outros a querem pra se repararem ou conformarem ..eu mesmo a queria pra SABER dos FATOS, pra me informar e formar melhor juízo, e não só pra viver como gado correndo atrás de gritos de guerra, de boatos e /ou iludido por interesses normalmente escondidos

    desculpe, mas verdade pra mim é assim, a factual e neutra, DOA a quem DOER (não era assim que os malacas falaram? ..pois é, e já começaram mentindo ..dá pra acreditar ? ..ponto pros milicos)

    ah sim, e eles não estão sozinhos, THC tb disse que NÃO quer saber dos eventuais crimes cometidos pelos que combateram a ditadura (como se todos ali quisessem o bem e tivessem amparo das urnas ..ou que só tivessem combatido com lisura, ética e rosas) ..vai ver ele tá com medo da água lhe bater na BUNDA, não?

    ps – em tempo, pra quem não lembra, O MALUCO do JANIO (bebado inveterado), anti comunista de carteirinha, foi eleito com diferença de 2 milhões de votos ..sabendo da “qualidade de seu vice” ele blefou com a renuncia e perdeu ..mas nem por isso o vice “comunista” foi sábio, este que teve modesta diferença de 300 mil votos contra radicais de direita (UDN)..dali, pra segurar a peteca já tinha TUCANO no galho, pois foi Tancredo Neves quem tentou apagar o fogo criando o casuísmo do parlamentarismo e dando ao vice papel secundário isso em 1961) ..fogo político que cresceu, e que de CRISE em CRISE deu no que deu

    verdade ..experimente-s, vc vai se sentir melhor se encará-la de frente

    ps – socialismo é uma opção, mas não o que vem pela MARRA, mentira ou pela bala

    Geysa Guimarães

    16 de maio de 2012 às 11h59

    Anticomunista de carteirinha, Jânio?
    Ué, condecorou Che Guevara e nunca escondeu sua aversão aos EUA.

Luc

15 de maio de 2012 às 23h28

O assessor (de Kassab) que autoriza ou não os grandes e médios projetos imobiliários em São Paulo tem patrimônio recente de 50 milhões, tem 118 imóveis, e ninguém desconfiava?

Com Bob Fernandes:

http://www.youtube.com/watch?v=w2a7bmGlHLc

Responder

    Fabio SP

    16 de maio de 2012 às 10h09

    Em tempo de verdades, o “assessor” em questão foi assessor também de Marta Suplicy e Erundina, uma vez que é funcionário da Prefeitura há 30 anos…

    Cassius Clay Regazzoni

    16 de maio de 2012 às 13h35

    Prezado Fabio SP,

    Esclareça sua afirmação para que sua informação não seja dúbia e leviana.

    Assessor é cargo de confiança.

    Funcionário é cargo o qual se toma posse por concurso.

    O tal sujeito pode ser funcionário da prefeitura há 30 anos e jamais ter sido assessor de Marta ou Erundina.

    Aliás, a maior probabilidade é que seus poderes aumentaram, dando possibilidade para as negociatas, quando foi nomeado como assessor.

    E aí, ele foi assessor de Marta e Erundina, assim como é de Kassab ou era apenas funcionário da prefeitura quando elas eram prefeitas?

    Se a resposta for a segunda opção, e sinal de que você é um vagabundo mentiroso.

    Cassius Clay Regazzoni

    16 de maio de 2012 às 13h50

    Não precisa responder Fabio SP,

    Já descobri que ele foi nomeado assessor na “jestão” do José Serra.

    Você é realmente um troll dissimulado.

    Geysa Guimarães

    16 de maio de 2012 às 19h54

    Fábio SP:

    Mas os imóveis, segundo ouvi, foram adquiridos nos últimos 7 (sete) anos.
    Portanto, nada a ver com Marta e Erundina.
    E tudo a ver com quem? Quem? Pode responder?

Luis Campinas

15 de maio de 2012 às 22h44

Concordo com o texto. Eu diria que é inaceitável duas posições postas:

” dois lados ” – As comissões da Verdade existem para apurar ações criminosas de agentes do Estado brasileiro praticadas portanto por um Estado Ditatorial. Até porque o ” outro lado ” além de estar amparado legalmente visto que é direito e dever do cidadão se rebelar da forma que for contra a quebra institucional via golpe, é um cidadão e portanto se crime cometeu responde normalmente a justiça e pronto!

Membros da CV que se posicionam contra uma revisão da lei da anistia são meros legalistas da provincia, sequer do mundo, até porque … e demonstram desprezo para com a a justiça e por ironia a verdade!

Responder

FrancoAtirador

15 de maio de 2012 às 22h37

.
.
PLACAR DA CNV:

TRÊS A TRÊS

E UMA ABSTENÇÃO.
.
.

Responder

Fabio Passos

15 de maio de 2012 às 22h14

Preocupante mesmo a presença deste gilson dipp.
Pelo histórico de ter atuado contra os familiares de guerrilheiros desaparecidos… parece mais indicado para uma “comissão” de esconder e enterrar a verdade.

Responder

Alberto

15 de maio de 2012 às 21h42

Se o arrazoado apresentado expressa a verdade, Gilson Dipp tem de sair

Responder

mineiro

15 de maio de 2012 às 21h23

quem disse que nao tem gente infiltrada nessa comissao para tentar jogar ela para debaixo do tapete. so doido acreditaria que isso nao vai acontecer. o que estao tentando agora fazer com o caso cachoeira, e o que estao tentando contra a comisso da verdade. tudo em nome da elite golpista branca e seus paus mandados. vao tentar barrar tudo o que vier contra eles, isso nao a menor duvida.

Responder

Willian

15 de maio de 2012 às 21h11

A presença da advogada de Dilma não compromete a isenção da Comissão. Por que mesmo?

Responder

    Alberto

    15 de maio de 2012 às 21h43

    Não compromete. A advogada de Duilma sempre esteve em defesa dos perseguidos pela Ditadura Militar, não apenas de Dilma. Não um ato sequer da vida dela contra os perseguidos da Ditadura, ao contrário de Gilson Dipp

    lulipe

    15 de maio de 2012 às 23h51

    Quer dizer que a suspeita de parcialidade só vale para o outro lado, não é Alberto???

    Francisco

    16 de maio de 2012 às 08h48

    Ué, o Estado Brasileiro já condenou o “outro lado”; Passou 21 anos fazendo isso.
    Matou centenas.
    A Comissão da Verdade é para esclarecer em qual circunstâncias essas condenações e deram.
    Será que é tão dificil compreender isso ?? Ou a turma lambe-cuturno se faz de abobada na tentativa de confundir os incautos?

    Assim sendo, apenas os atos dos milicos ditadores é que serão esclarecidos.
    Deveriam serem julgados também, mas parece q isso não ocorrerá.

Maria Dirce

15 de maio de 2012 às 21h04

Concordo totalmente!!se nada fez antes porque faria agora?

Responder

José Eduardo

15 de maio de 2012 às 20h30

Essa ideia bizarra de se investigar o chamado “outro lado” equivaleria à tentativa de julgamento no Tribunal de Nuremberg dos oficiais do exército alemão que tentaram matar Hitler. Um completo absurdo! Eis mais uma nefasta contribuição à história das civilizações da mais infame e estúpida elite que o mundo já conheceu, a elite do Brasil (e seu cães fardados, claro!)!

Responder

João Bravo

15 de maio de 2012 às 20h21

recordo-me de um causo que aconteceu aqui no sul,na epoca da ditadura,um homem inconformado com a situação saiu gritando pela rua:
-Governo de merda,pais de merda,bosta de governo bosta de pais.
Dois soldados que passavam deram-lhe voz de prisão:
-Tege preso!
Mas porque pergunta o homem.
-Porque o senhor ta chamando o governo de merda.
Mas eu tô falando é do governo da Argentina!
Mentira-retrucou o soldado,porque o unico governo de merda que nois conhece é o do Brasil

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!