VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Carlos Zarattini: Mais metrô, menos embromação


17/05/2012 - 17h40

por Carlos Zarattini, na Folha de S. Paulo

Os deputados Pedro Tobias e Cauê Macris tentaram usar este espaço, em 16/4 (Por que o PT torce contra o metrô de SP?; está abaixo), para defender a atuação do governo do Estado no transporte metropolitano, em particular metrô e CPTM. Para isso, atacaram as gestões do PT na cidade de São Paulo e no governo federal.

É lamentável que não tenham respondido com propostas ao verdadeiro “apagão no transporte” que se verifica nos últimos anos na cidade e na região metropolitana.

Não defenderam o governo Kassab (talvez porque o PSDB se sinta incomodado ao seu lado) e não se pronunciaram sobre as inúmeras questões jurídicas que hoje envolvem essas empresas. Não é pouca coisa. Desde o escândalo da Alstom, falcatruas não param de acontecer.

Para citar: o buraco do metrô em Pinheiros (com sete mortos), causado pelas necessidades de contenção de custos; a licitação da linha 5, em que o presidente do metrô foi afastado pela Justiça e as empresas indiciadas sob a acusação de conluio; as ações de empreiteiras reivindicando mais pagamentos pelas obras da linha 4; e a nomeação de um presidente com condenação na Justiça.

Tudo tem levado essas empresas para as páginas policiais.

E não é só. A falta de planejamento é notória. Em 2011, dos R$ 4,5 bilhões previstos para investimentos na expansão do metrô, o governo Alckmin executou só R$ 1,2 bilhão, deixando de aplicar 73% dos recursos estipulados no Orçamento.

A CPTM teve tratamento igual. Houve corte de investimentos na compra de trens, de R$ 684 milhões em 2010 para R$ 260 milhões em 2011 (corte de 56%), mesmo com recursos avalizados pelo governo federal.

Resultado: congestionamentos, acidentes, paralisações e até mortes.

Não há falta de recursos federais. Nos governos Lula e Dilma, São Paulo obteve autorização e a União afiançou R$ 21,2 bilhões em empréstimos subsidiados, no período de 2007 a 2012, para investimentos em transporte e mobilidade, sendo R$ 14 bilhões somente para modernização e expansão do Metrô e CPTM.

Estão previstos R$ 400 milhões do orçamento da União para a linha 18-bronze do metrô, a fundo perdido. O trecho sul do Rodoanel, grande vitrine de publicidade do ex-governador Serra, recebeu R$ 1,2 bilhão do governo Lula. Agora, o governo Alckmin recebe R$ 1,7 bilhão de repasse do governo Dilma para a construção do trecho norte. O Expresso Tiradentes teve mais de R$ 90 milhões liberados.

À imprensa, o secretário Jurandir Fernandes acusa as prefeituras, em particular a de São Paulo, de não fazer corredores de ônibus para aliviar o metrô e a CPTM. Tem razão.

Aliás, poderia ter explicado também porque não construiu corredores metropolitanos, de sua responsabilidade. Ele reconhece também que não foi prevista a ampliação do sistema elétrico para atender o aumento do número de passageiros. Só falta lembrar que os responsáveis foram os governos tucanos.

Agora, Alckmin promete 200 km de metrô até 2018, apesar de, em 17 anos, os governos do PSDB terem construído só 25 km. Mais um anúncio eleitoral e apetitoso para as empreiteiras. Afinal, novas linhas de metrô sempre foram o sonho do paulistano que sofre com congestionamentos e más condições nos ônibus.

O transporte público tem que ser mais barato e rápido, um sistema integrado operacional e tarifariamente. Para isso, deve ser prioridade tanto do Estado quanto da prefeitura.

Infelizmente, não é o que faz o PSDB. No lugar do debate transparente dos problemas enfrentados pelos paulistas, os tucanos partem para a desqualificação da discussão. Sinal da sua incapacidade de lidar com os desafios da cidade e do Estado.

Carlos Zarattini, 51, é deputado federal (PT-SP). Foi secretário municipal de Transportes (gestão Marta)

O artigo a que se refere Carlos Zarattini, no início do seu artigo, é este, também publicado na Folha de S. Paulo:

Pedro Tobias e Cauê Macris: Por que o PT torce contra o metrô de SP?

Em 2011, o metrô cresceu 5,4 km e ganhou quatro estações; investimentos só acontecem nesse ritmo em dois lugares do mundo: São Paulo e China

Somente sob a lógica da chicana eleitoral é possível enquadrar o conjunto de absurdos escritos por Carlos Zarattini (“Apagão no transporte de São Paulo”, em 10 de abril) sobre o sistema metroferroviário de São Paulo, o melhor e mais confiável do país.

O deputado federal petista critica quem investe e trabalha todos os dias por um transporte cada vez melhor para os paulistas. E o faz, em nome do seu partido, com a hipocrisia de quem cobra, mas não assume responsabilidades.

Em 2000, na campanha à prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy prometeu que investiria no Metrô paulista. Mas não entregou nem sequer um centavo durante seu mandato. Detalhe: o secretário municipal dos Transportes de Marta era justamente Zarattini, afastado do cargo após sofrer acusações de um empresário de ônibus simpatizante de seu próprio partido.

No governo federal, o descaso da turma de Zarattini tem sido ainda maior com a população de São Paulo, pois nem o metrô nem a CPTM contaram com recursos da União em suas obras nos últimos nove anos e meio de administração do PT.

Recentemente, a máquina de propaganda do PT percorreu diversas capitais do país anunciando investimentos em metrô. Ao todo, foram prometidos R$ 5 bilhões para Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Fortaleza e Salvador. A região metropolitana de São Paulo, quase um quinto do PIB brasileiro, ficou de fora. Você, morador de São Paulo, não foi contemplado.

Zarattini também se diz preocupado com o ritmo de construção do metrô de São Paulo. Mas qual ritmo Zarattini sugere que nós, paulistas, adotemos? A velocidade de construção do metrô de Salvador, que, sob os cuidados dos governos federal e estadual do PT, enterrou R$ 1 bilhão nos últimos 12 anos sem ter transportado um único passageiro?

Ou a velocidade do trem-bala do governo federal que, mesmo sem construir um único centímetro de trilho entre Rio e São Paulo, já jogou no lixo assustadores R$ 600 milhões em projetos contratados na Itália, que nunca serão usados por terem um traçado inadequado?

Com esses recursos, aliás, seria possível comprar 25 trens para o metrô de São Paulo, que transportariam 1 milhão de passageiros ao dia.

Prioridade do governador Geraldo Alckmin e de seus antecessores, o metrô e os trens de São Paulo passam por um ambicioso e bem-sucedido plano de expansão e de integração. De 1995 até 2012, cerca de 4 milhões de passageiros -Porto Alegre e Salvador somadas- deixaram de usar meios de transporte poluentes, como carros, ônibus e lotações, para se locomoverem por trilhos.

Só em 2011, a rede de metrô cresceu 5,4 km e ganhou quatro novas estações. Atualmente temos quatro linhas em obras simultâneas. Serão 100 km de extensão até o fim de 2014, com acréscimo de 30 km, além de mais de 40 km já contratados para entrega em 2015 e 2016.

Investimentos em transporte sobre trilhos só acontecem nesse ritmo e volume em dois lugares do mundo: em São Paulo e na China.

Desde 2007, já foram entregues 33 trens para o metrô e 68 trens para a CPTM. O metrô ganhou a linha 4-amarela, uma das mais modernas do mundo. Na CPTM, houve redução de tempo de espera em todas as linhas. Na linha 10-turquesa, por exemplo, o intervalo médio entre trens no horário de pico foi de oito para cinto minutos no trecho entre Rio Grande da Serra e o Brás. A linha 12-safira passou de oito para seis minutos nos últimos cinco anos.

O transporte de São Paulo precisa, sim, de investimentos gigantescos. Até hoje, eles foram feitos pelo governo do Estado, com ajuda da Prefeitura. Três em cada quatro passageiros do transporte sobre trilhos em todo o país são de São Paulo. Avançamos muito, mesmo com a torcida contra feita pelo PT.

PEDRO TOBIAS, 65, é deputado estadual e presidente do PSDB-SP
CAUÊ MACRIS, 29, é vice-líder do PSDB na Assembleia Legislativa

Leia também:

Narciso Fernandes: “É mentira que estamos participando da investigação do acidente do Metrô”

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Simão Pedro: Será que os tucanos vão pagar para ver outra tragédia? « Viomundo – O que você não vê na mídia

24 de maio de 2012 às 16h43

[…] Carlos Zarattini: Mais metrô, menos embromação […]

Responder

Alexandre

18 de maio de 2012 às 13h47

O que o Zarattini esta falando? Oras,abriu mão da disputa nas prévias de SP por pressão do lula, depois da Marta ele tinha os melhores projetos e conhecimento da cidade.. Depois que recuou não tem mais crédito. o PT não fez oposição ao kassab durante esses anos, flertou com ele para aliança com Haddad. E se fala de alguma ajuda da prefeitura, foi com Marta Suplicy, a única que pensava a cidade. Em época de eleição é fácil falar, mas não fez oposição.

Responder

abolicionista

18 de maio de 2012 às 11h32

Eu não frequento mais esses jornais e revistas, para não financiar o crime organizado.

Responder

ana db

18 de maio de 2012 às 09h24

A impunidade dos potentes e poderosos é a sauva a ser eliminada.
O PiG aposta na pizzaria para que os potentes e poderosos permaneçam impunes delinquindo.
O prejudicado somos nós que pagamos os impostos regiamente surrupiados pela corja da casagrande com a conivencia do Poder Judiciário que não passa de um poder faz de conta, cyja unica serventia é ser para a casagrande seu principal capitão do mato. Continuemos assim a direita retorna e voltaremos a condição de colonia. No Brasil so tem frouxos?

Responder

Gustavo Pamplona

17 de maio de 2012 às 20h02

[CPI do Cachoeira dá indícios de que pode acabar em pizza]

CPI dá sinais de que está esvaziada
“Principais envolvidos nas investigações não irão depor”

http://noticias.r7.com/brasil/noticias/cpi-da-sinais-de-que-esta-esvaziada-20120517.html

Hmmmm… que aroma delicioso que está exalando de Brasília!

HAHAHAHHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHA!!! :=D :=D :=D :=D

—-
Desde Jun/2007 dando índicios de CPI’s acabadas em pizza no “Vi o Mundo”! ;-)
Desde Jun/2007 se deliciando com aromas brasilienses no “Vi o Mundo”! ;-)

Responder

Serrote

17 de maio de 2012 às 19h47

Sou paulista e paulistana, nasci aqui e sempre vivi aqui. Enquanto tivermos por aqui essa imprensa que blinda completamente os maiores corruptos do planeta inteiro, acho bobagem e desperdício o Governo Federal colocar dinheiro em São Paulo. O PT, PC do B e outros partidos progressistas nem deveriam concorrer à eleição para Prefeito da cidade pois, quando ganham, como Marta e Luiza Erundina, passam a maior parte do tempo acertando as trapalhadas financeiras das gestões anteriores e no tempo que resta não conseguem fazer o suficiente, o que não espanta quem conhece os problemas da cidade. Além disso estão sempre sob fogo cerrado da imprensa, por mais que façam a população fica contra. É jogar dinheiro fora, que pode ser melhor aplicado em outros lugares. Infelizmente, não vejo outra saída a não ser me mudar para outro Estado, que é o que estou fazendo, assim como muitos outros.

Responder

    Saulo

    18 de maio de 2012 às 09h58

    Cara Serrote, concordo contigo e também, caso a súcia tucana permaneça com o bico no osso na cidade depois das eleições, me mudo com minha empresa e vou pagar imposto em outro estado/cidade. Afinal, são que nem adolescentes malcriados: só cortando a mesada que param de aprontar.

João Bravo

17 de maio de 2012 às 19h45

Azenha,se tem uma coisa que me faz sentir orgulho de seu site,sim digo site porque você paga domínio estas coisinhas,sei que alguns alegam que é um blog.
Por completa falta de capacidade,fico apenas aqui,falando besteiras,mas o que fazer,é o máximo que posso dar de contribuição.
Falando nisto,lembrei de um causo aqui no sul,que um candidato a prefeito,sem alternativa,teve que aceitar fazer sua campanha em um campo de nudismo.
Mesmo com alguma relutância,la se foi ele ea primeira dama,totalmente nús e extremamente constrangidos.
Logo em seguida vem o almoço, a esta altura o candidato a prefeito e sua mulher já estavam a vontade.
´Servido então o almoço,a base de frutos do mar,todos comem até se saciar,E serve-se a sobremesa.
O candidato a preito então,já completamente ambientado pede a palavra e vai dizendo:
-Meus amigos,não posso negar que cheguei a pensar em desistir de seus votos,achei que não conseguiríamos,nem minha mulher,nem eu ficar nús na frente de alguém.Mas agora que estou aqui,sinto que minha vida não será mais a mesma,estou falando de coração,neste momento sinto um frio que me percorre dos pés a espinha.
Nisto a mulher do candidato fala-lhe no ouvido:
-Benhê,desencosta da mesa que tu tá com o saco dentro da taça de sorvete.

Responder

eunice

17 de maio de 2012 às 19h23

E a Folha jamais, jamais, jamais diz que um sujeito é peessedebista, e nem coloca a sigla PSDB após o nome.Como costuma fazer com o PT.

E depois a Cantanhede choraminga.

Responder

eunice

17 de maio de 2012 às 19h19

Que cousa! A folha deu um espacinho pra decência!!!!!!

Será que é para acompanhar os banqueiros? KKKKKKK

Responder

José Eduardo

17 de maio de 2012 às 18h10

Vai ver a dinheirama do Gov. Federal foi parar na Privataria Tucana!

Responder

    MARCOS

    17 de maio de 2012 às 22h48

    Não, servou para transformção Preciado, Verônica Serra e Burghois em empresários de “sucesso”.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!