VIOMUNDO

Diário da Resistência


Caos em Governador Valadares demonstra que plano de emergência era para inglês ver e que Estado brasileiro foi submetido ao interesse das mineradoras
Denúncias

Caos em Governador Valadares demonstra que plano de emergência era para inglês ver e que Estado brasileiro foi submetido ao interesse das mineradoras


13/11/2015 - 12h27

Captura de Tela 2015-11-13 às 11.41.13

por Luiz Carlos Azenha

Uma semana depois do rompimento das barragens da Vale/BHP Billiton/Samarco em Mariana, o que escrevi aqui — depois de ter estado pessoalmente na região — se confirmou: o crime ambiental expôs quanto o Estado brasileiro está entregue à iniciativa privada. Sim, isso é natural no capitalismo, mas o Brasil é recordista no “entreguismo”.

1. O plano de emergência da Samarco, propagandeado pelos relações públicas da empresa e disseminado pela mídia que faz “jornalismo declaratório”– na feliz frase de meu colega Caco Barcellos — era para inglês ver. Dez minutos se passaram entre o rompimento das barragens e a chegada da lama a Bento Rodrigues, mas não havia sistema de alerta para os moradores do vilarejo, nem plano adequado para fazer um rápido resgate, nem qualquer ideia de como conter a lama antes de chegar a grandes centros populacionais, como Governador Valadares, com quase 280 mil habitantes. Recebi mensagem de um leitor segundo o qual o caos na cidade é completo e moradores começam a ir embora por falta de água!

2. A “lama inerte” propagandeada pela Samarco contém altas concentrações de ferro, manganês e alumínio que inviabilizam o tratamento da água para consumo humano e oferecem riscos à saúde. Para não falar no chumbo, arsênio e antimônio — metais pesados que podem estar presentes na lama. No entanto, não se ouviu um alerta sequer — nem da empresa, nem das autoridades municipais, estaduais e federais — para que a população ribeirinha se mantenha distante da lama que cobre as margens do rio do Carmo e, agora, do rio Doce. O governo de Minas fez uma única análise sobre a óbvia turbidez da água. O serviço de água e esgoto de Governador Valadares fez uma análise incompleta por não dispor do equipamento necessário. Ou seja, ou o Estado brasileiro dá cobertura às mineradoras, ou é incompetente/desaparelhado para lidar com elas. Provavelmente os dois.

3. A Samarco prometeu “monitorar as águas” dos rios e as autoridades e jornalistas levaram isso a sério. Como se a raposa tivesse credibilidade para monitorar o galinheiro. É a naturalização de um Estado dependente da iniciativa privada para “defender” o interesse público. Ou de um Estado capturado pelo poder econômico. Escolham. Notem como prefeitos e autoridades em geral pedem ajuda diretamente à Vale ou à Samarco. Praticamente imploram por água potável, por exemplo. Mas onde estão os planos de emergência que deveriam existir em função de barragens que acumulavam 62 milhões de metros cúbicos de lama e água?

4. A Assembleia Legislativa de Minas finalmente aprovou uma comissão para investigar as mineradoras no Estado, o que os tucanos haviam barrado durante o governo Anastasia. Porém, a comissão inclui deputados que receberam R$ 587 mil em doações de mineradoras! É a desmoralização completa e absoluta… Enquanto pagam a políticos por dentro e por fora, as mineradoras deixam uma fração minúscula de seus lucros nas comunidades locais — 0,7% no caso de Mariana, em 2014. O grosso do lucro vai para acionistas estrangeiros, que não têm qualquer relação com Mariana, Minas Gerais e o Brasil e não vão arcar com os custos ambientais presentes ou futuros deixados pela mineração.

entreguista

5. Fernando Henrique Cardoso é o político que vendeu a Vale, patrimônio do povo brasileiro, a preço de banana. Um crime, entre outros motivos por não incluir no preço as reservas minerais que já haviam sido descobertas! Infelizmente, a lógica de submeter o Estado aos interesses privados, que ele aperfeiçoou ao exercer o poder, continuou vigorando, inclusive em empresas supostamente “estatais” como a Petrobras, Cemig, Sabesp, Sanepar e muitas outras… O lucro é sempre privado, os prejuízos são sempre públicos. A população, esta fica ao Deus dará.

Leia também:

Emílio Rodriguez Lopes: Estudantes que querem manter escolas merecem aplausos, não borrachadas do Alckmin

 

 

 

 

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Jair Fonseca

19 de novembro de 2015 às 01h15

Dá-lhe, Beatriz! Desde que acabou o ouro, lá pelo século XIX, as mineradoras continuaram a acabar com Minas Gerais, principalmente na ditadura e nos recentes governos tucanos. Lucros bilionários pra Vale tudo, e suas comparsas brasileiras e estrangeiras; destruição e morte para o povo e a natureza. Pimentel do PT que abra o olho com essa turma!

Responder

Nelson

14 de novembro de 2015 às 11h52

Não há como compatibilizar o interesse público, que requer saúde, educação, saneamento, emprego decente, respeito ao meio ambiente, enfim qualidade de vida real a cada cidadão – direito inalienável de qualquer ser humano -, com o imperativo de extrair lucros cada vez maiores determinado pelo capitalismo neoliberal.

Então, dá-se o que vemos: os lucros vertem portentosos para os cofres das grandes corporações e de seus pequenos punhados de acionistas ao mesmo tempo em que a exclusão social só faz crescer do lado dos trabalhadores e da população em geral. Este é o resultado inevitável da privatização.

Enquanto isso, ainda vemos muita gente educada, com suas graduações, pós-graduações, seus mestrados e doutorados a defenderem ardentemente a privatização.

Responder

Nelson

14 de novembro de 2015 às 11h45

“O lucro é sempre privado, os prejuízos são sempre públicos. A população, esta fica ao Deus dará.”

Este sempre foi e será o objetivo da privatização, amigo.

A privatização foi idealizada pelo capitalistas neoliberais para que se abrissem mais espaços potenciais de lucro e este lucro, sempre crescente, deve ser amealhado pelo grande capital.

Aquela arenga de garantir serviços e produtos de qualidade a preços e tarifas mais baixos era só propaganda para iludir e enganar incautos e inocentes.

Responder

Marcos Souza

13 de novembro de 2015 às 23h39

Ué, não li nada a respeito das doações quer Dilma (2 milhõe) e Pimentel (1,5 milhão) !

Responder

FrancoAtirador

13 de novembro de 2015 às 20h33

.
.
Curiosidade
.
Quando é que os Governos Cessarão de Tratar
.
Empresas como Pessoas e Pessoas como Coisas?
.
.

Responder

Julio Silveira

13 de novembro de 2015 às 20h06

Se no Brasil tivesse 1/10 do sentimento de patriotismo, cidadania e soberania que exibem os yankes na defesa de seus interesses nacionais, esse tipo de crime já teria sido levado as barras da justiça. Mas como apenas 1/10 dos nacionais do país defendem o interesse nacional do Brasil, até a justiça está naquela parte maior que trabalha em defesa dos interesses nacionais estrangeiros, e principalmente yanke de uma forma mais particular. Resta saber o quanto ganham com isso.

Responder

FrancoAtirador

13 de novembro de 2015 às 20h05

.
.
MINERADORA VALE/BHP ESCARNECE DA POPULAÇÃO
.
DISTRIBUINDO ÁGUA MISTURADA COM QUEROSENE
.
Vale manda para Valadares Água com Alto Teor de Querosene
.
Prefeitura de Governador Valadares afirma que o primeiro carregamento
de água entregue pela Vale não serve para o consumo
.
Água não poderá ser distribuída à população por ter alto teor de querosene.
.
(http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/11/13/interna_gerais,707658/primerio-carregamento-de-agua-chega-contaminado-em-valadares.shtml)
.
.

Responder

FrancoAtirador

13 de novembro de 2015 às 18h47

.
.
G21: Genocídio do Millenium21
.
A HISTÓRIA VAI COBRAR MUITO CARO DESSA ELITE MUNDIAL
.
QUE COMANDA ESSE SISTEMA CORRUPTO E ANTI-HUMANO.
.
GENOCIDAS DAS CORPORAÇÕES ECONÔMICO-FINANCEIRAS
.
E GOVERNOS CÚMPLICES DE CRIMES CONTRA A HUMANIDADE.
.
.

Responder

Luís CPPrudente

13 de novembro de 2015 às 17h46

O finado FHC é o responsável principal pelo lucro da Samarco ir totalmente para as terras estrangeiras. A Samarco que é uma empresa da Vale não tem interesse algum em promover o desenvolvimento da região em que ela explora e destroi.

Se a Vale continuasse sendo a CVRD e não fosse privatizada, mas o finado FHC privatizou a CVRD.

Responder

Luiz Fernando

13 de novembro de 2015 às 16h26

Para quem não entendia o que é neoliberalismo ou o “porque do Brasil ter tido uma ditadura”, agora já sabe.

Responder

Francisco

13 de novembro de 2015 às 15h17

Vão acabar descobrindo que a culpa é do filho de Lula…

Responder

FrancoAtirador

13 de novembro de 2015 às 15h10

.
.
LAMA TÓXICA
.
“O Rio Doce acabou.
Parece que jogaram
a tabela periódica inteira”
.
Diretor do SAAE de Baixo Guandu – ES
.
.
“Foi detectada, na Onda de Rejeitos das Barragens
.
Rompidas em Mariana, a Presença de Partículas
.
de Metais Pesados como Chumbo, Alumínio,
.
Ferro, Bário, Cobre, Boro e até mesmo Mercúrio.
.
(https://www.viomundo.com.br/denuncias/responsavel-pela-captacao-de-agua-jogaram-a-tabela-periodica-no-rio-doce.html)
(http://www.folhavitoria.com.br/geral/noticia/2015/11/analise-aponta-presenca-de-arsenio-chumbo-cobre-e-mercurio-em-lama-da-barragem.html)
.
.

Responder

marcio ramos

13 de novembro de 2015 às 14h52

… e vai ficar por isto mesmo, ou no máximo irão cobrar mas não receberão, como no caso das teles que foram multadas e não pagam o que devem. Democracia onde???

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.