VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Bernardo Kucinski: E quem foi mesmo que financiou a repressão?


21/05/2012 - 17h22

Política| 21/05/2012 | Copyleft

Kucinski: ‘Jorrou dinheiro empresarial à repressão política’

O depoimento de Claudio Guerra, em “Memórias de uma guerra suja”, detalha o envolvimento de empresários com a ditadura. Esse é o aspecto que mais impressionou ao escritor e jornalista Bernardo Kucinski. Sua irmã, Ana Rosa Kucinski, e o cunhado, Wilson Silva, foram sequestrados em 1974 e integram a lista dos desaparecidos. Bernardo atesta: “Está tudo lá: empresas como Gasbras, White Martins, Itapemirim, grupo Folha e o banco Sudameris; o dinheiro dos empresários jorrava para custear as operações clandestinas e premiar bandidos com bonificações generosas”.

Saul Leblon, na Carta Maior

São Paulo – O livro ‘Memórias de uma guerra suja’, depoimento do ex-delegado do DOPS, Claudio Guerra, a Marcelo Netto e Rogério Medeiros, foi recebido inicialmente com certa incredulidade até por setores progressistas. Há revelações ali que causam uma rejeição visceral de auto-defesa. Repugna imaginar que em troca de créditos e facilidades junto à ditadura, uma usina de açúcar do Rio de Janeiro tenha cedido seu forno para incinerar cadáveres de presos políticos mortos nas mãos do aparato repressivo.

O acordo que teria sido feito no final de 1973, se comprovado, pode se tornar o símbolo mais abjeto de uma faceta sempre omitida nas investigações sobre a ditadura: a colaboração funcional, direta, não apenas cumplicidade ideológica e política, mas operacional, entre corporações privadas, empresários e a repressão política. Um caso conhecido é o da ‘Folha da Tarde’, jornal da família Frias, que cedeu viaturas ao aparato repressivo para camuflar operações policiais.

Todavia, o depoimento de Guerra mostra que nem o caso da usina dantesca, nem o repasse de viaturas da Folha foram exceção. Esse é o aspecto do relato que mais impressionou ao escritor e jornalista Bernardo Kucinski, que acaba de ler o livro. Sua irmã, Ana Rosa Kucinski, e o cunhado, Wilson Silva, foram sequestrados em 1974 e desde então integram a lista dos desaparecidos políticos brasileiros.

Bernardo atesta:’ Esta tudo lá: empresas importantes como a Gasbras, a White Martins, a Itapemirim, o grupo Folha e o banco Sudameris, que era o banco da repressão; o dinheiro dos empresários jorrava para custear as operações clandestinas e premiar os bandidos com bonificações generosas’.

No livro, Claudio Guerra afirma que Ana Rosa e Wilson Campos — a exemplo do que teria ocorrido com mais outros oito ou nove presos políticos — tiveram seus corpos incinerados no imenso forno da Usina Cambahyba, localizada no município fluminense de Campos.

A incredulidade inicial começa a cair por terra. Familiares de desaparecidos políticos tem feito algumas checagens de dados e descrições contidas no livro. Batem com informações e pistas anteriores. Consta ainda que o próprio governo teve acesso antecipado aos relatos e teria conferido algumas versões, confirmando-as. Tampouco o livro seria propriamente uma novidade para militantes dos direitos humanos que trabalham junto ao governo. 

O depoimento de Guerra, de acordo com alguns desses militantes, teria sido negociado há mais de dois anos, com a participação direta de ativistas no Espírito Santo.

A escolha dos jornalistas que assinam o trabalho – um progressista e Marcelo Netto, ex-Globo simpático ao golpe de 64 – teria sido deliberada para afastar suspeitas de manipulação. Um pedido de proteção para Claudio Guerra já teria sido encaminhado ao governo. Sem dúvida, o teor de suas revelações, e a lista de envolvimentos importantes, recomenda que o ex-delegado seja ouvido o mais rapidamente possível pela Comissão da Verdade.

Bernardo Kucinski, autor de um romance, ‘K’, – na segunda edição – que narra a angustiante procura de um pai pela filha engolida no sumidouro do aparato de repressão, respondeu a quatro perguntas de Carta Maior sobre as “Memórias de uma Guerra Suja”:



Carta Maior – Depois de ler a obra na íntegra, qual é a sua avaliação sobre a veracidade dos relatos?



Kucinski – As confissões são congruentes e não contradizem informações isoladas que já possuíamos. Considero o relato basicamente veraz, embora claramente incompleto e talvez prejudicado pelos mecanismos da rememoração, já que se trata da confissão de uma pessoa diretamente envolvida nas atrocidades que relata.

CM – Por que um depoimento com tal gravidade continua a receber uma cobertura tão rala da mídia? Por exemplo, não mereceu capa em nenhuma revista semanal ‘investigativa’. 



Kucinski – Pelo mesmo motivo de não termos até hoje um Museu da Escravatura , não termos um memorial nacional aos mortos e desaparecidos da ditadura militar, e ainda ensinarmos nas escolas que os bandeirantes foram heróis; uma questão de hegemonia de uma elite de formação escravocrata.

CM – Do conjunto dos relatos contidos no livro, quais lhe chamaram mais a atenção?

Kucinski – O episódio específico que mais me chamou a atenção foi a participação direta do mesmo grupo de extermínio no golpe organizado pela CIA para derrubar o governo do MPLA em Angola, com viagem secreta em avião da FAB.

CM – O que mais ele revela de novo sobre a natureza da estrutura repressiva montada no país, depois de 64?



Kucinski – Fica claro que as Forças Armadas montaram grupos de captura e extermínio reunindo matadores de aluguel, chefes de esquadrões da morte, banqueiros do jogo do bicho, contrabandistas e narcotraficantes. Chamaram esses bandidos e seus métodos para dentro de si. Esses criminosos, muitos já condenados pela justiça, dirigidos e controlados por oficiais das Forças Armadas, a partir de uma estratégia traçada em nível de Estado Maior, executavam operações de liquidação e desaparecimento dos presos políticos, o que talvez explique o barbarismo das ações. Também me chamou a atenção a participação ampla de empresários no financiamento dessa repressão, empresas importantes como a Gasbras, a White Martins, a Itapemirim, o grupo Folha – que emprestou suas peruas de entrega para seqüestro de ativistas políticos -, e o banco Sudameris, que era o banco da repressão; dinheiro dos empresários jorrava para custear as operações clandestinas e premiar os bandidos com bonificações generosas. Está tudo lá no livro.

Não perca:

Ivan Seixas, sobre a Folha da Tarde: O jornal que matava nas manchetes

Ivan Seixas: Otavião tinha medo de ser fuzilado

Rose Nogueira: A ficha (verdadeira) da Folha

Maria Victoria Benevides: O esqueleto no armário

Beatriz Kushnir: Quem eram os cães de guarda

Beatriz Kushnir: Como a mídia colaborou com a ditadura

 

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



38 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Leonardo Boff: Todo o Brasil foi vítima da ditadura militar « Viomundo – O que você não vê na mídia

30 de maio de 2012 às 23h40

[…] Bernardo Kucinski: Quem financiou a repressão? […]

Responder

Comissão rejeita reparação ao dedo-duro Anselmo « Viomundo – O que você não vê na mídia

22 de maio de 2012 às 23h31

[…] Bernardo Kucinski: Quem foi que financiou a repressão? […]

Responder

Fabio Passos

22 de maio de 2012 às 22h30

É isso.
Não basta investigar, julgar e punir as bestas-fera que praticaram a tortura.
Também os mandantes e os financiadores destes crimes contra a humanidade não podem permanecer impunes.

Responder

assalariado.

22 de maio de 2012 às 18h45

Caros internautas. Vamos aos fatos históricos na história da burguesia capitalista, que o Estado burgues nunca foi além de uma democracia. Sim, democracia só para a classe burguesa, se manifestar. Aliás, é esta mesma burguesia internacional, hoje reunida dentro do G7. São eles os nossos colonizadores e exploradores, em aliança com as elites nativas colonizadas.

Explico: Para quem já leu Karl Marx e Adam Smith entre outros, sabe muito bem que a luta de classes, é o combustível que movimenta a história da humanidade pelo poder o tempo todo. Esta é a questão de fundo. Ou seja, é a luta de classes que nada mais é do que, os explorados querendo se libertar dos escravagistas do capital. Os donos dos meios de produção como não são bobos, nem nada, logo trataram de se armar para poder, invadir, guerrear, dominar, explorar, colonizar, via legalidade Estado de Direito burguês, para que na hora da luta institucional acirrada entre exploradores e explorados, seus braços armados viessem em sua salvação, vide 1964.

Ou seja, viessem em socorro das elites empresariais, via ‘legalidade’, via fardas, para manter a ordem capitalista. Sim, eles são/ estão invisíveis dentro do Estado, tudo de forma bem planejada, sem que a sociedade/ nação percebesse a verdadeira história, e o que está por detrás do tal Estado burguês e seus braços armados.

Saudações Socialistas.

Responder

    Mário SF Alves

    23 de maio de 2012 às 18h16

    Prezado assalariado,
    Tá claro que o espaço disponível para a argumentação é pouco. Mas, ainda assim você esqueceu de mencionar uma das principais armas da classe dominante. A ideologia da classe dominante. Vide imprensalona/ editorialão do Globo e a #vejaorestotodosjásabemos nos dias que seguem.
    Outra coisa. Posso estar enganado, mas, 64, a barra era outra. A questão de fundo era frear a qualquer custo/abortar as reformas de base que eram condição sine qua non para o desnvolvimenteo socio-econômico do Brasil.
    A Casa-Grande não poderia ficar impassiva. Mesmo porque o Grande Irmão o exigia. Afinal, os interesses mais imediatos estavam correndo risco. De um a Lei de Remessa de Lucros, de outro, a risco do País superar – ainda que parcialmente – a contigência de ser quintal e valiosíssima reserva de valor. Isso, sem falar dos interesses locais estratégicos, considerados chave na hegemonia do atraso brasileiro.

zezinho

22 de maio de 2012 às 17h14 Responder

marcio

22 de maio de 2012 às 14h27

Se o financiamento (e, por quê nao, encorajamento e incentivo) da ditadura militar por parte de empresários (de todos os portes, por sinal) era de tal forma institucionalizada, entao provavelmente cabe uma comparacao com o financiamento e funcionamento dos grupos urbanos de execucao de menores de rua (os chamados “grupos de extermínio” – quem nao lembra do “esquadrao da morte”, por ex. – um entre tantos outros sem denominacao…), uma vez que frequentemente comerciantes e empresários locais pagavam a para “dar sumico” nas criancas de rua, das quais se tinha (e se tem) tanto medo e terror.

Responder

Romanelli

22 de maio de 2012 às 06h57

Pois é, qual verdade queremos ?

Será que só aquela que fala dos corpos de desaparecidos da esquerda e os métodos inumanos usados para assassiná-los ? ..não, eu, como CIDADÃO, a bem de conhecermos melhor a história, de aprendermos com ela, de ensinarmos a nossos jovens que existem FERAS em todas as correntes, desculpe, eu quero mais ..quero por exemplo:

-saber quem COMANDAVA a direita, e a esquerda

-saber de onde vinha o DINHEIRO da esquerda, e os da direita, se de empresários e não só do Estado como querem que pareça

-Eu quero saber o MODELO , amparo e base DEMOCRÁTICA que guiava as diretrizes, ações e projetos da esquerda

-quero saber que autorizou o RIO CENTRO, e quem ajudou nas ações do Mariguela por exemplo

-quero saber o nome dos mortos de AMBOS os lados ..seus métodos de julgamento e EXECUÇÃO ..quero saber dos idealistas, mas tb dos inocentes que pensaram estarem cumprindo com o seu DEVER

-gostaria de saber HOJE se os que praticaram aquelas ações pensam o mesmo, se aprenderam, se não pensam hoje em falar aos nossos jovens que HÁ SIM de outros meios

OLHA, desculpe, mas a verdade é UMA SÓ, os que estão no poder estão querendo manipular novamente ..aquela verdade que escolhe dum lado e a quem priorizar já começa MENTINDO

Responder

    Nádia

    22 de maio de 2012 às 10h55

    Romanelli, seus argumentos são fraquíssimos, desde que mundo é mundo esquerda NUNCA TEVE CHANCE PARA estar no PODER, pois a DIREITA NUNCA DEIXOU, basta voltar ao tempo e você tem a respostas, NÃO EXISTE ESSA de quem ajudou a esquerda, e SIM a DIREITA SEMPRE CALANDO quem quer que fosse para que a CLASSE DOMINANTE SEMPRE ESTEJA NO PODER. Na Espanha por exemplo, quando começou a onda de poetas esquerdistas, NA HORA apareceu um tal de FRANCO com ajuda de MONSENHOR ESCRIVÁ para CALAR os poetas ou até mesmo MATAR como no exemplo de Frederico Lorca. Essa desculpinha esfarrapada da DIREITA de querer CONDENAR os que lutaram CONTRA ESSE PODER que só trouxe MISÉRIA AO MUNDO, que tira a chance do ser humano evoluir, é arcaica, velha, dinossáurica, NÃO ADIANTA meu velho, PERDEU, os jovens hoje estão MUITO MAIS ESPERTO, não caem mais nessa lábia que você expõe.CHEGA. O mundo está saindo de um ciclo e entrando em um novo, esse pensamento MESQUINHO e EGOÍSTA, não pertencerá para a nova era. JÁ FOI!

    Romanelli

    22 de maio de 2012 às 11h24

    quem apoiava as correntes que se lançaram em atentados CONTRA CIVIS minha cara ?

    quem eles mataram ? como e onde ?

    Quem os pagava e os armava, qual era a ORIGEM, a quem eles obedeciam, e o que eles pretendiam ?

    Quais os seus métodos, eles eram limpos ? ..vc conhece guerra limpa, na base do por favor e da licença ?

    O POVO foi consultado e concordava com o que eles SE PEDIAM ?

    minha linda, desculpe, mas é tudo farinha ..e a versão esta com o ganhador ..eu quero é MAIS

    detalhe, minhas indagações servem tanto para os esquerdopatas assim como para com as “direitopatas” tb ..estes que a mim são todos DOENTES “por seus deveres”, psicopatas isso sim

    Bertold

    22 de maio de 2012 às 11h37

    Oh “romeu”, sua tentativa de passar-se de neutro é fraca. Estude mais história, filosofia, humanismo e se possível faça um cursinho básico de lógica para melhorar ser raciocínio. Só para ajudar, esquerda historicamente surge fora do Estado, do absolutismo monarquico e das corporações empresariais, como resposta social contra as injustiças.

    Romanelli

    22 de maio de 2012 às 11h59

    seu BERTOLDO

    desculpe se lhe pareci neutro ..não sou não (tanto é que estou aqui protestando), SOU PELA VERDADE, contra a manipulação barata das massas ..contra se ser feito de besta e de tentar fazer os outros de ..meu lado tem nome, chama-se DEMOCRACIA, cidadania plena, ética, transparência

    agora, só procuro não fazer ao outro o que não gostaria que fizessem a mim, percebe ? ..e sim, sou por se respeitar princípios, ACORDOS e regras (e que isso não signifique conformismo ou se deixar de se lutar por mudanças e pelo que se acredita) ..sou por se condenar desvios, mesmo quando estes tenham partido de nossos fileiras

    AFINAL, o que os que hoje se pedem, temem ? ..não entendo ..mas suspeito

    EU NÃO lhes tiro o direito, só que dou ao outro do mesmo, o direito de se reconhecer do ERRO nas escolhas e métodos, e/ou o da defesa por exemplo

    abrá

    Luis Fernando

    22 de maio de 2012 às 17h27

    Romanelli a verdade da direita estava estampada nos jornais, rádios e tvs todos os dias ! Chamavam de terroristas jovens que simplesmente estavam reagindo a um estado assassino e arbitrário ! Condenações os “esquerdistas” já tiveram na época, agora é preciso punir quem usava o estado e o capital para ceifar milhares de vidas !

Yarus

22 de maio de 2012 às 05h31

“A repórter loira, o suposto negro estuprador e uma sequência nojenta

O vídeo que segue do Brasil Urgente, da Band, da Bahia, é um exemplo de jornalismo pra lá de esgoto. Uma repórter loirinha, com rabinho de cavalo à la Feiticeria, coloca um jovem negro, com hematoma aparente de uma agressão recente, numa situação absolutamente constrangedora. Julga-o antes da Justiça, humilha-o por conta de sua ignorância em relação aos seus direitos e ao procedimento a se realizar num exame de corpo delito e acha isso tudo muito engraçado.
Assista ao vídeo e veja se este blogueiro está exagerando.
Trata-se de uma caso que exige uma ação urgente por parte da sociedade civil.
É preciso que se mova uma ação contra a concessionária pública que dá voz a uma repórter irresponsável como essa. Isso mesmo, irresponsável. Estou à disposição da Justiça para me defender em relação ao termo utilizado. A propósito, a concessionária é a Band.
É preciso que entidades de Direitos Humanos e da questão negra também se posicionem.
Também é urgente que entidades como o Sindicato dos Jornalistas da Bahia a Fenaj reajam a essa barbaridade.
Assistam ao vídeo, vocês vão entender minha indignação.
A dica do vídeo me foi dado pelo Fabrício Ramos pelo Facebook.

Atualizando (00:30 da terça-feira): O nome da repórter é Mirella Cunha, como já registrado em muitos comentários. O apresentador do programa para o qual ela trabalha é Uziel Bueno. Mas, em última medida, a Band é a responsável final por essa bárbarie jornalística.
Quanto ao fato de eu ter registrado o loirismo da repórter e a negritude do acusado, pareceu-me importante lembrar que somos um país com enormes desigualdades sociais e raciais. E que o fato de esse garoto ser preto e pobre é o que permite tal atendando aos seus direitos mais elementares. Dúvido que um loiro rico seria tratado dessa mesma forma pela “corajosa” jornalista…”Vídeo:
http://www.revistaforum.com.br/blog/2012/05/21/a-reporter-loira-o-suposto-negro-estuprador-e-uma-sequencia-nojenta/comment-page-4/#comment-40725

Responder

Cláudio

22 de maio de 2012 às 00h39

Na Carta Maior :

“CACHOEIRA NA CPI:CRIME COMUM E DIREITA POLÍTICA

A lista de sordidez e atrocidades incluída no livro ‘Memórias de uma guerra suja’, do ex-delegado do DOPS, Claudio Guerra, converge para um denominador comum normalmente pouco pesquisado e menos ainda divulgado pela mídia conservadora: a absoluta ausência de escrúpulos da direita nativa em recorrer à expertise do crime comum para perseguir, atacar e, se possível, eliminar fisicamente, sem pistas, a militância de esquerda que resistiu à ditadura militar. Ao permanecer resguardada da opinião pública essa simbiose entre bandidos e direita política criou raízes e se reciclou no ambiente democrático. A truculência assumiu novas formas para persistir no mesmo objetivo de eliminar o adversário e suas idéias. A principal revista semanal brasileira, cuja especialidade editorial é articular campanhas difamatórias contra movimentos sociais, partidos e lideranças populares, ademais de ter sido o auto-falante da tentativa de transformar o obscuro episódio denominado de ‘mensalão’ em clamor pelo impeachment do Presidente Lula, agora se sabe, arrendou uma quadrilha criminosa para ‘apurar’ pautas de seu interesse. A oportunidade para exorcizar essas práticas na vida política nacional está nas mãos dos integrantes da CPI do Cachoeira e daqueles da recém-criada Comissão da Verdade.

(LEIA MAIS AQUI [http://www.cartamaior.com.br/templates/index.cfm?alterarHomeAtual=1&home=S])

(Carta Maior; 3ª feira/22/05/2012)”

“Se você não for cuidadoso, os jornais farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” – Malcolm X (1925-1965).

“Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma.” – Joseph Pulitzer (1847-1911).

Ley de Medios, já ! ! ! Comissão da Verdade, já ! ! !

Responder

    Mário SF Alves

    22 de maio de 2012 às 12h27

    “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma.” – Joseph Pulitzer (1847-1911).
    Cláudio,
    Tenho lido seus comentários. E, tenha certeza, lhe sou grato por eles. E a propósito, entendo como imprescindível a referência que você faz ao Joseph Pulitzer. Imprescindível. Inclusive em relação ao momento histórico que vivemos. Imprescindível, inclusive, em relação à consolidação da Democracia Brasileira e do Estado de Direito de que o País tanto necessita.
    E mais, surpreendente ainda é essa antevisão do Autor. É, no mínimo, fenomenal que um ser humano pudesse elaborar tal prognóstico assim tão realístico e tão antecipadamente (século XIX/início do século XX). Surpreendentemente atual. E a dizer que ainda tem gente que não entende a necessidade de regulamentação da Constituição Federal no que tange ao exercício da atividade de imprensa. Tudo isso chega a lembrar Rui Barbosa; outro que em 1914 e pelo poder do pensamento, nos leva a concluir que certas circunstâncias, certas inumanidades, e certas miopias ideológicas, se perpetuam através do tempo:
    “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.”
    Senado Federal. Rio de Janeiro, DF Obras Completas de Rui Barbosa.
    V. 41, t. 3, 1914. p. 86
    Descritores: Triunfo das nulidades; Injustiça, Crescimento; Honestidade
    Observações: Trecho do discurso “Requerimento de Informações sobre o Caso do Satélite – II”. Não há original no Arquivo da FCRB.
    E a sabermos que é dele mesmo, Rui Barbosa, o “A força do direito deve superar o direito da força.”
    E é por essas e por outras que costumo dizer: À força das armas, a força/união das ideias.
    Democracia, sempre!
    Mário.

Leni

21 de maio de 2012 às 23h23

Inverdades e impunidade até quando?
“Pelo mesmo motivo de não termos até hoje um Museu da Escravatura , não termos um memorial nacional aos mortos e desaparecidos da ditadura militar, e ainda ensinarmos nas escolas que os bandeirantes foram heróis; uma questão de hegemonia de uma elite de formação escravocrata.”
Elite de formação e mentalidade escravocrata.
Na África do Sul há o Museu do apartheid e todos que visitam, na saída compreendem o horror do regime, as atrocidades cometidas.Museu resgata a memória, e educa para reflexão e mudança de mentalidade. http://youtu.be/yI7QQo19IG8
http://www.jblog.com.br/africadosul.php?itemid=20944

Responder

    Romanelli

    22 de maio de 2012 às 07h06

    bandeirantes não foram heróis ..então será que teriam sido carrascos ?

    desculpe cumpadi, em que mundo vc vive ?

    Vc acha que antes tinha carro, locomotiva, navio, estradas. mapas, GPS, telefone e picadas por exemplo ..acha que tinha placas de rua pra se seguir? ..acha que tinha luz, medicamento e comida a vontade ?

    EVIDENTE que aqueles senhores contribuíram muito com a história da humanidade e para o que somos hoje, inclusive EU e VOCÊ

    deixando a poesia de lado, não fossem eles hoje ainda teríamos aqui gente com arco e flecha e brandindo seus tacapes ..matando seus deformados e enfiando a mão em formigueiro pra provar que pé macho

    francamente ..claro que a evolução não é perfeita nem feita em linha reta ..tiveram as doenças, e os índios que NÃO tem nada de socialistas, TAMBÉM cortavam a cabeça e esfolavam vivos os que queriam tomar-lhes o que lhe pertenciam ..aliás, consta que os TUPI GUARANI já tinham exterminado os botocudos (povos sambaquizeiros) muito antes dos portugueses aparecer ..e tudo na base do óleo fervente

    mas olha, julgar pela história com olhos de hoje, como pode? ..bem, eu não que não é por aí o caminho não ..acho mais, acho que vc corre o risco de cometer enormes injustiças e de desdizer ações que 99% dos hoje vivos seriam INCAPAZES de fazer

    abrá

    Romanelli

    22 de maio de 2012 às 07h51

    só pra complementar, um raciocínio

    Você sabia que um dos dizeres dos primeiros colonos mandados pela coroa era “TERRA pra quem dela sabe usar” ou, “Terra pra quem dela precisa”

    pois é ..dizeres que séculos depois os socialistas tentam usar em suas teses pra reforma agrária, não é mesmo ?

    abrá

    ah essa coisa chamada história ..que MALDITA falta faz quando não a conhecemos direto (daí a importância de uma comissão da verdade ter que ser escrita com V maiúsculo mesmo)

    Nádia

    22 de maio de 2012 às 11h05

    Romanelli, você é o tipo mais asqueroso que existe na face da Terra, que graças à evolução não somente na matéria, mas também no espectro, há ainda muita pessoas assim com esse raciocínio mesquinho e egoísta e petulante, mas, está cada vez mais em extinção até sumir de vez, olhe dentro de você, vê bem a sua vida, olha o buraco enorme que está cada vez maior dentro do seu ser. Não somos só no mundo, para que o universo evolua, cresça, também temos que crescer e ajudar os outros também a crescer. Isso é ser social, é amar e o amor é universal e não somente a nossa família. Notamos que evoluímos conforme cresce o AMOR dentro de nosso coração, amar a todos, amar os insetos, animais, as pessoas, o planeta, o universo, isso é amar DEUS.

    Romanelli

    22 de maio de 2012 às 11h27

    tirando as suas ofensas e pitís ..estou aguardando seus argumentos e quem sabe pelo paradeiro do BISPO SARDINHA

    minha cara, não estrila, verdade mesmo é que os índios queriam tudo isso pra si ..só isso ..igualzinho a nóis, compreende ?

Mancini

21 de maio de 2012 às 23h22

Ih! errei! Tá danado, sorry!
Azenha, nós temos que cuidar do presente, do passado próximo, do passado não tão próximo assim e do futuro. Com uma imprensa destas… Haja pauta para os blogs… http://refazenda2010.blogspot.com . Muito obrigado!

Responder

Marat

21 de maio de 2012 às 22h02

As escolhas que aqui são feitas, para os “heróis”, os “bonzinhos”, os “civilizadores” etc, são sempre provenientes da oligarquia aliada aos empresários. Enquanto não conhecermos e divulgarmos o outro lado, seremos um paiseco de quinto mundo, que adora assistir a enlatados estadunidenses, ver a sombria rede globo e ler a fétida veja.

Responder

    Romanelli

    22 de maio de 2012 às 07h12

    MARAT

    sou sincero, eu não conheço a história contada pelo lado dos perdedores ..dos militares

    Do que lembro faz 30 anos que eles saíram do poder, sem respaldo popular, num tempo em que a Igreja dizia que 2 mil eram e foram suas vítimas

    HOJE, passado tanto tempo, a oposição tem dos mesmos (FHC e LULA por exemplo), o país continua DECRÉPITO em direitos e cidadania (uma vergonha pra falar um mínimo), e a turma dos indenizados, depois da ANISTIA, saltou de 2 para 20 mil

    verdade, penso que nem vc, quero saber da VERDADE, mas a AMPLA, geral e IRRESTRITA ..e saber pra aprender, não pra me vingar

    essa de sermos iconoclastas com nossos inimigos ..e BABA OVO com os nosso cumpanheiros ..essa, sinceramente, não me agrada não

    abolicionista

    31 de maio de 2012 às 11h53

    Não existem dois lados em guerra. Sua equação é um sofisma, inclusive legalmente. Se há dois lados na questão, são eles: Estado militar x Civis. O resto é conversa para boi dormir… e como dorme, a boiada desse país!

AlvaroTadeu

21 de maio de 2012 às 22h00

Azenha, seu “captcha” está sinistro. Há outros, fáceis de ler e quase impossíveis de serem compreendidos por programas especialistas. Dê uma olhada no blog do Nassif, o sistema dele é bem melhor. Não consigo ler seu “captcha” nem com óculos. O pessoal técnico encarregado do blog poderia dar uma caprichada.Obrigado.

Responder

AlvaroTadeu

21 de maio de 2012 às 21h55

Acho que Bernardo está enganado quando cita a GASBRAS. Até onde sei, o presidente da Liquigás teria participado das torturas, além de financiá-las. Acho que ele trocou o nome das empresas. A confirmar.

Responder

Gustavo Pamplona

21 de maio de 2012 às 21h38

É galera…o jornalismo brasileiro não existe mais… morreu…

A Record hoje está tão interessada no lançamento de um ônibus que vai percorrer o Brasil contando a história dos atletas olímpicos brasileiros do que noticiar o “jornalismo verdade” da CPMI.

O detalhe é que a Record também é conhecida como Recópia… bom… copiaram a idéia do ônibus do JN (lembram-se?) Será que o próximo passo agora é copiar o avião do JN depois?

Pelo menos eu tenho que reconhecer que o ônibus do JR é infinitamente superior ao do JN. Carcaça moderna… dois andares, bem diferente do modelo de carcaça usado pelo ônibus do JN tempos atrás que já era velha mas o JN foi com aquele modelo mesmo.

Bom… este comentarista aqui se interessa por vários assuntos e um deles são carcaças de ônibus… Marcopolo (a do ônibus da Record), Busscar, Caio, etc.

E sabe que o Brasil tem uma indústria tão conceituada de carcaças (uma das melhores do mundo) que são até invejadas mundo afora já que elas são exportadas para vários países, especialmente os do Oriente Médio.

—-
Desde Jun/2007 encarcaçando ônibus no “Vi o Mundo”! ;-)

Responder

    Romanelli

    22 de maio de 2012 às 07h17

    bom, pelo menos pra servir de exemplo ela não tem o BBB ..tem a FAZENDA ..não tem padre Marcelo, tem o BISPO ..

    ahhh meu jesus cristinho, me tira o tubo ..vou pra outra emissora, quem sabe a BAND ou a do SILVIO (puts)

    AZENHA, realmente, este tal de “capcha” tá difícil de ler ..não fosse ele eu até postava mais (re re re re)

Cláudio

21 de maio de 2012 às 21h13

“Se você não for cuidadoso, os jornais farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” – Malcolm X (1925-1965).

“Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma.” – Joseph Pulitzer (1847-1911).

Ley de Medios, já ! ! ! Comissão da Verdade, já ! ! !

Responder

alício

21 de maio de 2012 às 19h37

Que folha é essa meu irmão! Só não ganha da grobo e da óia em lesa pátria.Grobo, fôia, veja, estadão deem graças a Deus por estarem no Brasil do psdb/dem/pps/ cachoeira,miro teixeira, demóstenes, zé cardoso, temer, álvaro dias, onyx lorenzoni, gilmar, gurgel e tantos outros. Se fosse na Argentina estariam cumprindo prisão perpétua

Responder

Julio Cesar Montenegro

21 de maio de 2012 às 18h51

acho de uma lógica irrefutavel que as armas da casa grande tenham sido compradas e os soldados empregados pagos com ajuda dos senhores e as bençãos dos pastores da mesma fortaleza ha 500 anos erguida para expropriar a terra dos índios e o trabalho dos negros
com as velhas forças desgastadas diluidas comemoram lamentam virar academica mente museus

Responder

    Romanelli

    22 de maio de 2012 às 07h25

    vc escreveu tudo isso de cabeça foi ? e as 18:51 ? só pode ter sido culpa da saideira de 2a feira ..eu acho

    abrá

    abolicionista

    31 de maio de 2012 às 11h50

    Curioso a maneira como você se engaja em defender os militares, Romanelli. Faz a gente ficar pensando…

CNunes

21 de maio de 2012 às 17h48

Seguindo nesta linha de quem financiou, que tal a comissão de verdade solicitar documentação da participação de outros países ( EUA e outros governos militares da AL) no treinamento, fornecimento de armas e equipamentos e de recursos?

Responder

    Romanelli

    22 de maio de 2012 às 07h31

    inclusive CUBA que à época já se preocupava em matar GAY, tido como inimigo da Revolução tb ..ou mesmo a URSS que tinha um modelo maravilhoso pra nós seguirmos não é mesmo ..e quem sabe a china? ..SERÁ QUE TEVE O DEDO DA china AQUI ?

    ps – péra péra,antes que me diga eu digo ..eu acho SIM que devemos procurar o NOSSO caminho ..e que o socialismo possui muitos instrumentos que devem sim ser incorporados na vida da gente (assistência aos necessitados e os sem renda – favor aqui não confundir com os RACISTAS cotistas, tá ?) ..mas isso, só se na base da DEMOCRACIA e consenso, na do bofetão, ou do eu quero pq quero, não !!!

    “.”Você não pode mudar o passado, mas pode, a partir de agora, fazer um novo futuro..” (chico xavier)

Emiliano José propõe acareação entre Guerra e Ustra « Viomundo – O que você não vê na mídia

21 de maio de 2012 às 17h31

[…] Bernardo Kucinski e os financiadores da repressão […]

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.