VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias Rádio

Rose Nogueira: A ficha (verdadeira) da Folha


26/10/2010 - 19h24

Folha descreveu repórter presa: “Terrorista”

do Viomundo antigo

Publicado em 2009, revisado para acréscimos em setembro de 2016

A jornalista Rose Nogueira doou sua ficha funcional da Folha da Tarde à Comissão da Verdade que investigou ações da ditadura militar. A FT era um vespertino, já extinto, que a família Frias emprestou à ditadura para fazer propaganda do regime e divulgar falsas notícias de “confrontos” com adversários do golpe.

Era uma forma de encobrir, junto à opinião pública, os desaparecimentos ou fuzilamentos de “terroristas”.

A família Frias apoiou o golpe, tirou proveito econômico dele e emprestou a FT à ditadura. Segundo militantes de esquerda da época, também cedeu camionetes de distribuição de jornais para campanas da polícia política, além de participar da caixinha que financiou a repressão.

No depoimento abaixo, Rose descreve uma ação particularmente cruel: como o jornal da família Frias a demitiu por “abandono” de emprego — notem que está escrito à caneta na ficha — apesar de saber que ela estava presa e sob tortura psicológica logo depois do nascimento do filho.

A jornalista supõe que seria uma forma de acobertar o sumiço se ela por acaso desaparecesse nos porões do regime — o que aconteceu com cerca de 200 pessoas. Rose ficou sob a guarda de um dos maiores carrascos do regime, o delegado Sérgio Paranhos Fleury, do Departamento de Ordem Política e Social, o DOPS.

Fizemos a transcrição do trecho inicial da fala, com lacunas por causa da qualidade do áudio. Recomendamos, portanto, que se ouça a íntegra:

Essa aqui é a minha ficha funcional da Folha de S. Paulo. Eu era repórter em 1969, entrei no dia primeiro de agosto de 68, fui presa no 4 de novembro. Eu era funcionária da Folha da Tarde.

O meu filho nasceu em 30 de setembro, portanto ele tinha 34 dias quando eu fui presa. Estava de licença maternidade, que até a ditadura respeitava, era de 9o dias na época.

A Folha da Tarde noticiou minha prisão por terrorismo. Estava lá todos os dias escrevendo sobre teatro, cinema, era repórter de cultura e variedade. Mas, para poder fazer essa gracinha aqui, de me dar abandono de emprego, que eu só fui saber 20 anos depois, a Folha fez o seguinte: falseou a data do nascimento do meu filho. Meu filho nasceu em 30 de setembro de 1969, no Hospital 9 de Julho, na rua Peixoto Gomide.

Eu fiquei internada 24 dias porque tive grande movimento de bexiga no parto. Eu trabalhei até um dia antes dele nascer. E aqui a Folha escreve que meu filho nasceu em 9 de agosto. Meu filho nasceu em 30 de setembro. Para que [o falseamento]? Para me dar o abandono de emprego no começo de dezembro.

Eu fui presa pelo DOPS, pelo delegado Fleury. Havia passado mais ou menos um mês da minha prisão quando eu comecei a ser mais apertada, porque eles queriam saber do frei Beto. Foi quando apanhei, era uma sala escura, com luz forte. O tal “abandono” da Folha coincidiu com esses dias do começo de dezembro.

Eu comecei a passar mal. Eu tinha leite, sangrava, não existia absorvente, imaginem vocês que tiveram filhos, um mês depois do nascimento você ficar sem absorvente…

Nesse período, um dia eu estava com uma febre muito alta. Mandaram os médicos para me olhar. Eu lembro que o sobrenome dele era Padilha e ele mandou dar uma injeção para cortar o leite. A data desses episódios coincide com a data do “abandono” de emprego [que consta na ficha] da Folha.

Quando eu fui buscar a ficha da Folha para tentar me aposentar, eu passei mais de um mês deprimida. Eu me lembro que falei para minha mãe e nós ficamos muito tristes. Isso confirma que o que o [delegado] Fleury estava falando era uma ameaça real. Ou seja, eu era uma candidata a desaparecimento porque eu não tinha saúde, não conseguia falar, devia pesar uns 40 quilos, era muito magra.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



39 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Lista da Prefeitura de São Paulo de logradouros a serem rebatizados não inclui Roberto Marinho e Octávio Frias de Oliveira - Viomundo - O que você não vê na mídia

14 de agosto de 2015 às 22h53

[…] Rose Nogueira foi demitida da Empresa Folha da Manhã por abandono de emprego quando, segunda ela, seu empregador sabia que ela estava na cadeia! Nos estertores do regime, Frias pai se juntou à linha dura do general Silvio Frota, que era […]

Responder

Altamiro Borges: Diário golpista não acertou as contas com o passado - Viomundo - O que você não vê na mídia

26 de janeiro de 2014 às 22h29

[…] Rose Nogueira: A ficha verdadeira da Folha […]

Responder

Num país sem corruptores, "o dinheiro do mensalão caiu do céu?" - Viomundo - O que você não vê na mídia

18 de dezembro de 2013 às 04h38

[…] [Para saber mais sobre a Folha e a ditadura, clique aqui. Ou aqui. E também aqui]. […]

Responder

Professora desaparecida na ditadura: USP fez como a Folha com jornalista | Jornal A Verdade

12 de junho de 2013 às 21h19

[…] Rose Nogueira: A ficha (verdadeira) da Folha […]

Responder

Professora desaparecida na ditadura: USP faz como a Folha - Viomundo - O que você não vê na mídia

12 de junho de 2013 às 17h59

[…] A USP age como a Folha  fez com a jornalista Rose Nogueira, na época da ditadura. Ouça (AQUI)  o depoimento de Rose no dia em que entregou a sua ficha funcional à comissão que havia sido […]

Responder

Ivan Seixas: Ministro da Educação não leu o Folha Explica - Viomundo - O que você não vê na mídia

29 de abril de 2013 às 10h04

[…] Rose Nogueira: A ficha (verdadeira) da Folha […]

Responder

Eduardo Guimarães: Na Folha, Mercadante afronta vítimas da ditadura | Blog do Mauro Alves da Silva

28 de abril de 2013 às 08h30

[…] Rose Nogueira: A ficha (verdadeira) da Folha […]

Responder

Paulo Nogueira: Pede para sair, Mercadante! - Viomundo - O que você não vê na mídia

28 de abril de 2013 às 07h45

[…] Rose Nogueira: A ficha (verdadeira) da Folha […]

Responder

Eduardo Guimarães: Mercadante lambe botas da Folha e afronta vítimas da ditadura - Viomundo - O que você não vê na mídia

26 de abril de 2013 às 14h15

[…] Rose Nogueira: A ficha (verdadeira) da Folha […]

Responder

O leitor que me fez mudar de ideia » O Recôncavo

01 de abril de 2013 às 17h42

[…] O Lino Bocchini poderia ser convidado para fazer a Coleção Folha: Como Rose Nogueira ‘abandonou’ o emprego durante a ditadura. […]

Responder

O leitor que me fez mudar de ideia « Viomundo – O que você não vê na mídia

01 de abril de 2013 às 13h53

[…] O Lino Bocchini poderia ser convidado para fazer a Coleção Folha: Como Rose Nogueira ‘abandonou’ o emprego durante a ditadura. […]

Responder

Bernardo Kucinski: E quem foi mesmo que financiou a repressão? « Viomundo – O que você não vê na mídia

21 de maio de 2012 às 17h29

[…] Rose Nogueira: A ficha (verdadeira) da Folha […]

Responder

claudio

05 de abril de 2012 às 14h35

Tem que por esse Frias no poste, no sábado de aleluia, e descer o cacete nesse Judas!

Responder

FrancoAtirador

04 de abril de 2012 às 16h44

.
.
PODER JUDICIÁRIO DE SÃO PAULO:

A PIMENTA ARDEU NO PRÓPRIO OLHO.
.
.
O presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (São Paulo e Mato Grosso do Sul), Desembargador Federal Newton de Lucca, elogiou o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Ivan Sartori, pela iniciativa de processar o jornal Folha de S.Paulo (empresa Folha da Manhã S/A).

O presidente do TJ tem incentivado outros desembargadores a processar o jornal.

De Lucca disse que "todos nós almejamos e preconizamos uma imprensa livre", mas "há de ser solenemente repudiado" o "jornalismo trapeiro".
Segundo ele, a mídia é "a caixa preta da democracia que precisa ser aberta e examinada".

De Lucca afirmou que o povo "se encontra à mercê de alguns bandoleiros de plantão, alojados sorrateiramente nos meandros de certos poderes midiáticos no Brasil e organizados por retórica hegemônica, de caráter indisfarçavelmente nazifascista".

Em seguida, cumprimentou o presidente do TJ-SP, Sartori, "por sua corajosa e determinada posição" no sentido de processar a Folha de S.Paulo.

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/juiz-elo

Responder

Horridus Bendegó

04 de abril de 2012 às 12h58

Não dura mais 10 anos.

Será uma deplorável lembrança do passado.

Responder

Marcio H Silva

04 de abril de 2012 às 00h59

São uns nojeeeeeeentos!

Responder

pperez

03 de abril de 2012 às 22h49

Trairas da tarde, seria o nome mas adequado para este Pasquim (com todo respeito ao original)

Responder

FrancoAtirador

03 de abril de 2012 às 22h20

.
.
"EU SABIA QUE ESTAVA COM UM CHEIRO DE SUOR, DE SANGUE, DE LEITE AZEDO.
ELE [DELEGADO FLEURY] RIA, ZOMBAVA DO CHEIRO HORRÍVEL
E MEXIA EM SEU SEXO POR CIMA DA CALÇA COM OLHAR DE LOUCO."

(Depoimento de Rose Nogueira, jornalista que foi demitida pela Folha de S.Paulo, por abandono de emprego, enquanto estava presa e sendo torturada pela Ditadura Militar, semanas depois de dar à luz ao seu filho Cacá)

O que dizer de um jornal que colabora com crimes bárbaros como este cometido pela Ditadura Militar contra a jornalista Rose Nogueira, funcionária da própria Folha de S. Paulo, que, não bastando silenciar sobre o repugnante crime, ainda a demite por abandono de emprego?

Seria o caso de afirmar que a Folha de S. Paulo é co-autora ou, no mínimo, cúmplice deste hediondo crime de tortura física e moral praticado contra uma trabalhadora pertencente ao quadro jornalístico da própria empresa Folha Manhã S/A?

A História é uma ampulheta gigante que conta o tempo em séculos.

Chegará o dia (e está próximo) em que empresas jornalísticas desse tipo sofrerão as consequências legais e judiciais pelos crimes por elas praticados.
.
.

Responder

Paulo

03 de março de 2011 às 19h39

A Farsa de São Paulo

Responder

Remindo Sauim

06 de fevereiro de 2011 às 16h06

Folha, 90 anos contra os brasileiros

Responder

Juiz de Fora

06 de fevereiro de 2011 às 10h25

A casa caiu!! Lei das Mídias urgente!

Responder

“Um dia, lá no mundão, uma das donzelas da torre será presidente” | PT SV

31 de dezembro de 2010 às 13h26

[…] Foi deste período, também, a patética demissão de Rose Nogueira do jornal Folha da Tarde. Ela foi demitida por abandono de emprego quanto até as árvores da Barão de Limeira sabiam que a jornalista do Grupo Folha estava na cadeia. Aqui ela tratou do assunto. […]

Responder

“Um dia, lá no mundão, uma das donzelas da torre será presidente” | Viomundo - O que você não vê na mídia

30 de dezembro de 2010 às 23h00

[…] Foi deste período, também, a patética demissão de Rose Nogueira do jornal Folha da Tarde. Ela foi demitida por abandono de emprego quanto até as árvores da Barão de Limeira sabiam que a jornalista do Grupo Folha estava na cadeia. Aqui ela tratou do assunto. […]

Responder

Mauro Silva

23 de dezembro de 2010 às 13h09

Quem financiou o terrorismo de estado que se instaurou apartir da quartelada de 64 é pior que traficante de crack e deve ser expropriado.
Eles, elas ou os espólios. Enfim: TODOS.

Responder

Kid Prado

08 de dezembro de 2010 às 09h57

Não folheio a Veja e não vejo a Folha!

Responder

V

21 de novembro de 2010 às 02h04

Bornhausen – Colaborador
FHC – de socialista de botequim para fuga
Serra – traidor
Brizola – Resistência
Lula – Resistência
Dilma – Resistência
Zé Dirceu – Resistência
Franklin Martins – Resistência
Maluf – Colaborador

Responder

    Carlos Eduardo Lopes

    03 de outubro de 2016 às 19h00

    COM CERTEZA !!!

V

21 de novembro de 2010 às 02h01

A FSP foi colaboradora da ditadura de direita.

Responder

Armando do Prado

19 de novembro de 2010 às 15h28

Frias não esquecemos a participação e apoio de v. ao regime de torturadores que se instalou em 64.

Responder

ojornalista

19 de novembro de 2010 às 13h10

MInha sugestão é que o jornal forneça um saco de vômito, junto com cada exemplar!

Responder

    V

    21 de novembro de 2010 às 02h00

    Boa… um saco de vômito para cada página.

    PAP

    04 de abril de 2012 às 20h25

    mas os saquinhos nao estão proibidos? Poderia ser feitos do proprio jornal folha de s.paulo rssss

Jairo_Beraldo

19 de novembro de 2010 às 08h09

É intrigante, como o Grupo da famiglia Frias consegue ser tão hipócrita. Dá gosto de fel até na bile.

Responder

    Peroba

    03 de abril de 2012 às 22h14

    Gostei do sarcasmo! “Famiglia Frias” foi ótimo.

Marta M. Santos

18 de novembro de 2010 às 12h25

Cabe à nós não permitir que tudo que se passou na campanha eleitorar e que sujou de forma irrevesível a imprensa brasileira, caia no esquecimento…

Responder

carlos antonio lopes

03 de novembro de 2010 às 00h40

Acho que desta vez a imprensa brasileira conseguiu se sujar bastante.Não acho que uma pá de cal nos trará a amnésia que o Pig (cf.PHA) tanto sonha. Desta feita o envolvimento foi muito nítido e quem tem juízo não esquece.

Responder

Julio Silveira

27 de outubro de 2010 às 13h43

Pena que isto fique limitado ao periodo eleitoral, depois vem pá de cal por cima.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!