VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Telia Negrão, Carmen Hein e Beatriz Galli participarão da Cedaw, em Genebra


06/02/2012 - 15h28

Sociedade civil estará presente com informe-sombra

Na terceira semana de fevereiro o governo brasileiro comparece à 51ª Sessão do Comitê das Nações Unidas que avalia o grau de cumprimento da Convenção Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação  contra a Mulher – Cedaw, que é considerado o mais importante documento sobre direitos da mulher em âmbito internacional. A cada quatro anos o país deve prestar contas, e ao final recebe recomendações a serem cumpridas no período. Por ser signatário do Protocolo Facultativo, o Brasil é também avaliado pela sociedade civil, através de organizações não governamentais que elaboram um relatório-sombra ou alternativo, no qual estão expostos os argumentos que ajudam o Comitê da Cedaw a elaborar seus comentários e avaliações.

Este Comitê condenou o Brasil, em 2011, por considerar que a omissão de atenção à saúde que  levou à morte Alyne Pimentel, uma gestante negra no Rio de Janeiro. O Brasil não vem conseguindo reduzir a mortalidade materna, que é um dos Objetivos do Milênio, sendo criticado pelos organismos internacionais.

O Brasil prestará contas pela terceira vez, sendo a primeira em 2003, a segunda em 2007 e agora em 2012. Um grupo impulsor do movimento de mulheres, composto entre outras organizações, pela Rede Feminista de Saúde Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, o Comitê Latino Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher- Cladem/Brasil e IPAS, coordenou a elaboração de um informe-sombra.

Entre as relatoras brasileiras da sociedade civil encontram-se a jornalista e cientista política Telia Negrão, a advogada Carmen Hein de Campos, ambas de Porto Alegre, que estarão presentes na Sessão em Genebra e terão direito à palavra no dia 13 de fevereiro, além da advogada carioca Beatriz Galli. Elas contaram com aportes encaminhados por mais dez redes e organizações, entre as quais a Plataforma Dhesca Brasil, o Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Mulher e Gênero da UFRGS, as ONGs Gestos (PE), Ecos (SP), Themis, Coletivo Feminino Plural (RS), REGES – Rede de Educação Sexualidade e Gênero, Jovens Feministas, Comissão de Cidadania e Reprodução e Ação Educativa (SP).

Embora o texto da Convenção seja composto por mais de vinte artigos que abordam diversos temas, o informe sombra apresentado pelo movimento de mulheres enfocará cinco, de áreas consideradas críticas: violência, poder e decisão, educação, saúde, direitos sexuais e direitos reprodutivos. O documento reconhece a existência de iniciativas e avanços na elaboração de leis e políticas, mas considera que o ritmo da sua implementação é lento, faltando recursos orçamentários e compromissos com a garantia de mudanças profundas na vida das mulheres.

Leia também:

Cresce número de entidades contra MP 557

Nascituro: Ninguém assume a sua paternidade nem maternidade na MP 557

Abrasco e Cebes também se posicionam contra a MP 557

CUT repudia a MP 557

Sônia Correa: Em nome do “maternalismo”, toda invasão de privacidade é permitida

Maria José Rosado: O que é isso, Presidenta?

Fátima Oliveira: Sem cuidar do aborto inseguro, combater morte materna é miragem

Beatriz Galli: A MP 557 é um absurdo; em vez de proteger gestantes, viola direitos humanos

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Alberto

06 de fevereiro de 2012 às 20h38

Muita garra mulheres e agora com respaldo da nova ministra das mulheres, Eleonora Menecucci. Podem contar que venceram a peleja

Responder

ma.rosa

06 de fevereiro de 2012 às 16h34

Muito bom é lá que a TFP, a Opus dei brasileira e o ministrinho da saúde, etc, etc., serao denunciados! Força mulheres, "A Luta"! "Companhera Dilma", vc tem que se ligar!!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.