VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Cfemea entrega ao ministro Padilha o kit anti-MP557


25/01/2012 - 15h12

Elaborado por Gilda Cabral, do Cfemea



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

MP 557: quando o nosso corpo é moeda de troca eleitoral

13 de maio de 2012 às 19h38

[…] presidenta sem o termo nascituro, a medida vigilantista continua tramitando no Congresso Nacional sob os cuidados do Ministério da Saúde, provavelmente por causa de interesses […]

Responder

Nascituro: Ninguém assume a sua paternidade nem maternidade na MP 557 | Viomundo - O que você não vê na mídia

28 de janeiro de 2012 às 19h46

[…] materna; tudo o que ela cria ou normatiza já existe no Ministério da Saúde”, observa o kit anti-MP 557, elaborado por Gilda Cabral, do Cfemea, e entregue ao ministro, na reunião dessa …. “Ela é totalmente […]

Responder

Alice Matos

26 de janeiro de 2012 às 18h32

Brasília, 25 de janeiro de 2012 – Debate sobre Medida Provisória nº 557 é incluída na pauta da 229ª R.O

Padilha não levou…
Debate sobre Medida Provisória nº 557 é incluída na pauta da 229ª R.O

….Devido ao número de manifestações e demandas de esclarecimentos referentes à medida provisória, o Pleno do Conselho decidiu por adiar a tomada de posição do CNS em relação ao assunto para ouvir as posições de vários movimentos. Um grupo de trabalho será sistematizado para que sugestões e demandas dos conselheiros sejam reunidas e apresentadas na próxima Reunião Ordinária do Colegiado em fevereiro. Além disso, o Pleno encaminhou que será articulado um pedido de audiência com a presidenta Dilma Rousseff para discutir o tema.
http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/201

Responder

    Alberto

    26 de janeiro de 2012 às 19h23

    Alice, a matéria do Conselho é fria, não dá a dimensão do bafão que foi a reunião. O bafão está sendo abafado pela grande imprensa, ou ela nãos e deu conta, mas há uma matéria muito boa que mostra mesmo o aperto que o CNS deu no Padilha:

    Cadastro de gestantes gera saia-justa para ministro da Saúde
    JOHANNA NUBLAT
    DE BRASÍLIA O ministro Alexandre Padilha (Saúde) foi bombardeado nesta quarta-feira com críticas à medida provisória que instituiu o cadastro de gestantes no país.
    http://noticias.bol.uol.com.br/brasil/2012/01/25/

Leo

26 de janeiro de 2012 às 14h25

Cadastro nacional e ajuda de custo geram expectativa entre gestantes
Kelly Campos da Silva, de 36 anos, está em sua quinta gravidez. Dos quatro filhos nascidos vivos, dois foram prematuros. Em um dos casos, ela sequer conseguiu fazer o pré-natal.

Kelly passou seis meses tentando “convencer” os atendentes do posto de saúde próximo à sua casa de que estava grávida e precisava de acompanhamento. Os exames de urina utilizados no local para identificar a gravidez davam sempre negativo, “sem explicação”, ela conta.

Só no dia em que pediu a uma enfermeira para tentar ouvir o coração do bebê com o estetoscópio é que ela conseguiu marcar uma consulta de pré-natal.

“Só assim ela acreditou em mim e marcou. Mas não deu tempo. O bebê nasceu antes”, conta.
Para Kelly, se as informações fossem integradas entre os postos de saúde, os médicos poderiam saber de seu histórico e ter evitado um novo parto prematuro. A primeira filha havia nascido de sete meses.

Kelly, que perdeu um bebê em 2010, aprovou a criação do Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera para Prevenção da Mortalidade Materna, anunciado no final do ano passado pelo Ministério da Saúde. Na opinião da operadora de caixa, informações centralizadas sobre seu histórico de saúde teriam poupado sofrimento.

“Tudo teria sido mais fácil para mim se esse cadastro já existisse”, lamenta.

O sistema não é exclusividade do Brasil. Na Índia, por exemplo, as 27 milhões de gestantes anuais também são cadastradas em um registro nacional. Os recém-nascidos também são registrados no sistema. A Grã-Bretanha também tem um sistema semelhante ao do Brasil.

Fonte :http://delas.ig.com.br/saudedamulher/cadastro-nacional-e-ajuda-de-custo-geram-expectativa-entre-gesta/n1597584656604.html

Gostaria de saber pq. o Vi o Mundo pinça posições contrárias e faz estardalhaço, mas em nenhum momento procura pessoas como a Kelly, que será beneficiada, pra saber oq acha (ou quem sabe convencer a abortar o 'fardo' que traz consigo, afinal mulher que é mulher, feminista neoliberal eugenista repudia essa coisa machista de ser 'mãe', em especial com esse pessoal de baixa renda, que vai ver até acredita em Deus)

Responder

    Eny

    06 de fevereiro de 2012 às 22h38

    Leo, isso aí já deveria ser direito de todas as gestantes – o bom atendimento, sem descaso da equipe médica. Quantas gestantes não MORREM todos os dias nesse Brasilzão afora esperando atendimento em uma fila de hospital? Quantas não têm seus bebês ASSASSINADOS por conta de médicos que se recusam a fazer uma cesariana em caso de gravidez de risco? Isso aí ninguém vê, e não é um MP reacionária que irá fazer mágica ao mau atendimento dos sistemas públicos de saúde – e nem devolver a vida de muitas mulheres e fetos.

Joana Amaral

26 de janeiro de 2012 às 11h10

Foi o maior bafão ontem na reunião do Conselho Nacional de Saúde. Padilha no mato sem cachorro. No duro! Teve de pedir arrego, penico, e tudo. O que não daria pra ver a empáfia de Vossa Excelência, reduzida a nada!

Cadastro de gestantes gera saia-justa para ministro da Saúde
JOHANNA NUBLAT
DE BRASÍLIA
O ministro Alexandre Padilha (Saúde) foi bombardeado nesta quarta-feira com críticas à medida provisória que instituiu o cadastro de gestantes no país.

Governo institui cadastro para prevenir mortalidade materna

O assunto dominou a pauta da reunião do Conselho Nacional de Saúde –órgão que fiscaliza e monitora as políticas de saúde– na tarde de hoje e levou o ministério a negociar com os conselheiros a criação de um grupo de trabalho para sugerir ajustes na proposta. As críticas foram feitas por pelo menos dez conselheiros (de 40 presentes) e até por uma integrante da SPM (Secretaria de Políticas para as Mulheres), que acompanhou a reunião. http://noticias.bol.uol.com.br/brasil/2012/01/25/
Leia mais:

Responder

marcio_cr

25 de janeiro de 2012 às 23h59

Engraçado. Meu comentário não foi aprovado.

Só pq eu informei que o Brasil é signatário da carta dos direitos humanos da OEA, que diz que o direito a vida é garantido a partir da concepção e não do nascimento, a não ser em casos devidamente justificados, como risco a mãe ou estupro . O que veda o nosso pais de aprovar qualquer lei que legalize o aborto alem dos casos que já são legais.

Responder

    Joana Amaral

    26 de janeiro de 2012 às 11h07

    Ah, coitado ele ainda não se deu conta….

    Zato-one

    28 de janeiro de 2012 às 03h13

    Então explica porque existem estados signatários da OEA que permitem o aborto? Acho que essa informaçãosobre concepção e nascimento não procede.

Fabio_Passos

25 de janeiro de 2012 às 22h04

Não é possível que o min da saúde espere que a sociedade civil organizada vá aceitar um MP redigida por fundamentalistas-religiosos que, ao contrário das mentiras do min da saúde, sequer foi colacada em debate.

Custo a crer que diante de tantas contestações o min padilha ainda não retirou esta MP 557.
O que estará esperando? Um sinal divino?

Responder

    marcio_cr

    26 de janeiro de 2012 às 15h15

    Esse é o defeito dos ditos "progressistas" . Não existe discussão de ideias, quando se é apresentado algo contra o "progresso" a ideia é simplesmente combatida.

    Que nem o caso dessa MP, não existe nenhuma indicação que a sociedade civil não a queira. Na verdade muito pelo contrario, as indicações é que a sociedade civil na questão de aborto é extremamente "reacionária", não cabendo então essa revolta que vcs apresentam.

    Joana Amaral

    26 de janeiro de 2012 às 18h19

    Márcio parece que leu e não entendeu nada! Lamentável, meu caro. Se estiver mesmo interessado em opinar com conhecimento de causa, leia todos os textos indicados, recentemente publicados aqui. Lendo, vai entender perfeitamente e não vai ficar fazendo papel de boboca

Dani

25 de janeiro de 2012 às 21h39

Uma síntese muita boa da luta contra a MP do Nascituro. Aprendi muito com a leitura

Responder

pedro cavalcante

25 de janeiro de 2012 às 17h21

é hoje que Iriny Lopes sai da SPM?

Responder

Kadu

25 de janeiro de 2012 às 15h49

229ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde – Dias 25 e 26/01 das 09 às 18h no Plenário do CNS.
Acompanhe em tempo real: Transmissão em Tempo Real III http://portal.saude.gov.br/portal/saude/area.cfm?…

Responder

Irene Sardinha

25 de janeiro de 2012 às 15h46

A competência e a persistência das feministas na luta política é admirável. Parabéns mulherada de ouro!!!!!!

Responder

Alberto

25 de janeiro de 2012 às 15h27

Será que alguém vai dizer que "o Governo não vai… não vai ser permitido a nenhum órgão do Governo fazer propaganda de direitos reprodutivos".

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!