VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

Pepe Escobar: Na Líbia, a verdadeira guerra começa agora


07/09/2011 - 23h12

Líbia: A verdadeira guerra começa agora

6/9/2011, Pepe Escobar, Asia Times Online

Chega de falar da derrubada do Grande Gaddafi. Agora, chegamos aos finalmentes: será Afeganistão 2.0, Iraque 2.0, ou uma mistura dos dois.

Os ‘rebeldes da OTAN’ sempre garantiram que não querem ocupação estrangeira. Mas a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) – sem a qual não haveria vitória dos ‘rebeldes’ – não pode governar a Líbia sem coturnos em solo. Assim sendo, examinam-se hoje vários cenários virtuais no quartel-general da OTAN em Mons, Bélgica – a OTAN protegida sob o estofamento de veludo da ONU.

Segundo planos já vazados, mais cedo ou mais tarde podem aparecer por lá soldados das monarquias do Golfo Persa e aliados amigáveis, como a Jordânia e, especialmente, como a Turquia, que é membro da OTAN e interessada em embolsar vastos contratos comerciais. Dificilmente alguma nação africana fará parte do grupo – dado que a Líbia foi “relocalizada” e, agora, é parte das Arábias.

O Conselho Nacional de Transição aceitará – ou será forçado a aceitar – se, ou quando, a Líbia entrar em espiral de total caos. Mesmo assim não será produto fácil de vender internamente – com as furiosamente disparatadas facções dos ‘rebeldes da OTAN’ já empenhados freneticamente em consolidar seus respectivos feudos e prontas para saltarem, umas nos pescoços das outras.

Não se vê nem sinal, até aqui, de que o Conselho Nacional de Transição tenha qualquer ideia sobre o que fazer para administrar a complexa paisagem política dentro da Líbia, além das repetidas genuflexões ante o altar das nações membros da OTAN.

Guns e nada de roses

Na Líbia, praticamente toda a população está hoje armada até os dentes. A economia está paralisada. E já está em campo a mais feroz briga de gatos-do-mato pelo controle dos bilhões de dólares dos líbios congelados.

A tribo Obeidi está furiosa com o Conselho Nacional de Transição, porque não há nem sinal de investigação para saber quem matou o comandante militar do exército ‘rebelde’ Abdul Fattah Younis dia 29 de julho. Já ameaçaram fazer justiça pelas próprias mãos.

Os principais suspeitos do assassinato são os homens da Brigada Abu Ubaidah bin Jarrah – uma milícia islâmica fundamentalista linha duríssima que rejeitou a intervenção da OTAN, recusou-se a combater sob comando do Conselho Nacional de Transição e declarou “infiéis” o Conselho e a OTAN.

Há também a pergunta que tantos tentam afogar em petróleo: quando o ramo da al-Qaeda na Líbia, a nuvem de guerrilha islâmica conhecida como Grupo Islâmico de Combate na Líbia [ing. Lybia Islamic Fighting Group (LIFG)], organizará seu próprio golpe para derrubar o Conselho Nacional de Transição?

Por toda Trípoli veem-se os ecos gráficos do inferno das milícias armadas que se viu no Iraque. O general Abdelhakim Belhaj, que trabalhou para a CIA-EUA e foi prisioneiro da “guerra ao terror” –, original do círculo de Derna, o marco zero do fundamentalismo islâmico na Líbia – é o líder do novíssimo Conselho Militar de Trípoli.

Já houve acusações, feitas por outras milícias, de que Belhaj não combateu na ‘libertação’ de Trípoli e, portanto, tem de deixar o posto – verdade ou mentira, é o que o Conselho anda dizendo. Isso significa que, mais dia menos dia, a nuvem indefinida conhecida como LIFG-al-Qaeda estará empenhada num dos lados da guerra de guerrilhas que virá – contra o Conselho Nacional de Transição, contra outras milícias ou contra todos.

Em Trípoli, rebeldes de Zintan, nas montanhas do oeste do país, controlam o aeroporto. O banco central, o porto de Trípoli e o gabinete do primeiro-ministro são controlados por rebeldes de Misrata. Berberes da cidade de montanha de Yafran controlam a praça central de Trípoli, coberta com dísticos de “Revolucionários de Yafran”, escritos com spray. Todos demarcam claramente os respectivos territórios, como aviso.

Como o Conselho Nacional de Transição, como unidade política, já está se comportando como pato manco; como as milícias não sumirão no ar – não é preciso muita imaginação pra prever que a Líbia será um novo Líbano. No Líbano, a guerra começou quando toda a cidade dividiu-se, cada subúrbio de um grupo: ou sunitas, ou xiitas, ou cristãos maronitas, ou nasseristas ou druzos.

Além do mais, a libanização da Líbia também inclui a mortal tentação muçulmana – que se espalha como vírus por toda a Primavera Árabe.

Pelo menos 600 salafistas que combateram na resistência sunita iraquiana contra os EUA foram libertados pelos ‘rebeldes’ e deixaram a prisão de Abu Salim. É fácil prever que tirarão o máximo proveito possível das muitas Kalashnikovs e dos lança-granadas Sam-7, soviéticos, de ombro, para combate antiaéreo, aproveitando-os para reequipar sua milícia islâmica ultra linha-dura – sem se afastar de sua própria agenda e de sua própria guerra de guerrilhas.

Bem-vindos à nossa ‘democracia’ racista

A União Africana (US) não reconhecerá o Conselho Nacional de Transição. Está acusando os ‘rebeldes’ da OTAN de matar indiscriminadamente negros africanos, metidos todos num mesmo saco, identificados como “mercenários”.

Segundo Jean Ping, da União Africana, “o Conselho Nacional de Transição parece confundir pessoas de pele negra e mercenários (…) [Dão a impressão de que, para eles] todos os negros são mercenários. Um 1/3 da população líbia é negra. Para o Conselho Nacional de Transição, são todos mercenários.”

O pequeno porto de Sayad, 25 km a oeste de Trípoli, foi convertido em campo de refugiados para africanos negros apavorados com a nova “Líbia livre”. A organização Médicos sem Fronteira descobriu o campo dia 27 de agosto. Os refugiados dizem que, desde fevereiro, começaram a ser expulsos pelos donos das empresas e lojas onde trabalhavam, sempre acusados de serem mercenários – e, desde então, têm sido sistematicamente perseguidos.

Segundo a mitologia ‘rebelde’, o regime de Muammar Gaddafi seria protegido essencialmente por murtazaka (“mercenários”). A verdade é que Gaddafi empregou apenas um contingente de combatentes africanos negros – do Chad e do Sudão e tuaregues do Niger e do Mali. A maioria dos africanos negros subsaharianos que vivem na Líbia são trabalhadores migrantes, com empregos legais.

Para ver em que direção está andando essa coisa toda, é preciso olhar para o deserto. O imenso deserto líbio não foi conquistado pela OTAN. O Conselho Nacional de Transição praticamente não tem acesso a nenhuma gota d’água líbia e não chega a parte considerável do petróleo.

Gaddafi tem a chance de “trabalhar o deserto”, de negociar com várias tribos, de comprar e firmar a solidariedades delas e de organizar uma guerra de guerrilha de longo prazo.

A Argélia está envolvida em luta terrível contra a Al-Qaeda-no-Maghreb. Os 1.000 km da longa, porosa fronteira entre Argélia e Líbia continua aberta. Gaddafi pode facilmente plantar seus guerrilheiros no deserto do sul, com paraíso seguro na Argélia – ou até no Niger. Essa possibilidade já pôs o Conselho Nacional de Transição em estado de terror pânico.

A operação ‘humanitária’ da OTAN já despejou no mínimo 30 mil bombas sobre a Líbia, nos últimos poucos meses. Pode-se dizer com segurança que muitos milhares de líbios foram mortos nos bombardeios. O bombardeio não pára nunca: mais um pouco, os únicos alvos da OTAN serão os mesmos – civis e não civis – que, em teoria, há alguns dias, a OTAN estaria ‘protegendo’.

Um Grande Gaddafi derrotado pode vir a revelar-se muito mais perigoso que um Grande Gaddafi no poder. A verdadeira guerra está começando agora. Será infinitamente mais dramática – e será trágica. Porque agora será uma guerra norte-africana darwiniana, guerra de todos contra todos, na qual só o mais forte sobreviverá.

Leia também:

Nouriel Roubini: Danou-se, então, o capitalismo?

Naomi Klein: Preparem os canhões de água e as balas de borracha

Doutor Doom guarda dinheiro no colchão

Slavoj Zizek: Batedores de carteira, uni-vos!

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Elvanio leite

24 de setembro de 2011 às 15h06

muito irada a coluna
adoro ler boas colunas
e descobri vc agora.

Responder

Bernardo Kucinski e a tradução da Vila Vudu | Viomundo - O que você não vê na mídia

11 de setembro de 2011 às 19h16

[…] frequentemente reproduzidos em blogs, por cobrirem uma ampla gama de assuntos internacionais: do Pepe Escobar, no Asia Times Online, ao Tom Dispatch, do blogueiro americano Tom Engelhardt; do Michael Moore ao […]

Responder

pall kunkanen

11 de setembro de 2011 às 17h11

pelo jeito começou as brigas entres os grupos…. http://br.noticias.yahoo.com/sinal-verde-cnt-ofen

Responder

Eduardo Raio X

08 de setembro de 2011 às 20h21

Agora temos o porque da precaução do governo brasileiro em não reconhecer de imediato o governo da Líbia seja ele qual for neste momento confuso e bagunçado, tudo é nebuloso, transição de quem e para quem? As potências envolvidas na ação "humanitária" tem o pretexto de ajudar para tirar partido do espólio do petróleo.
Quem tem os pés no chão sabe muito bem que rebelde nenhum vai entregar suas armas, essas mesmas que pós Kadafi ou Gadafi pra correr vai virar contra os malandraços da OTAN. Aqui no Brasil teve comentarista da seita PIG que espinafrou o governo brasileiro por não dar seu reconhecimento a vitória dos rebeldes e seus falsos "heróis" do norte. Aquele boneco de mola de dar corda do SBT José Nêumanne que o diga tentou colocar o governo do Brasil dúbio no assunto, entretanto podemos constatar que ele é que é o vacilão da última hora noite! Vá dormir camarada!

Responder

Bonifa

08 de setembro de 2011 às 18h36

Aparentemente, a situação continua a se deteriorar entre a Turquia e Israel. Erdogan acusa Israel de deslealdade nos tratados de defesa, depois de expulsar todos os diplomatas israelenses. A Turquia anuncia que não permitirá que Israel lance mão sozinho dos recursos de gás natural recentemente descobertos no Mediterrâneo oriental, como o Estado judeu dá a entender que fará. Reforça o patrulhamento marítimo na região e afirma que doravante a marinha de guerra turca escoltará os navios que levem ajuda humanitária para a faixa de Gaza. Tudo isto pode dar em nada, mas que a Turquia falou grosso, falou. http://www.lemonde.fr/proche-orient/article/2011/

Responder

Bonifa

08 de setembro de 2011 às 13h08

Esta vai ser a maior dor de cabeça que os Europeus já arranjaram em toda a sua existência. Será a coroação bélica do desastre econômico europeu. E as ditadurais árabes pró-ocidentais que vierem a mandar tropas para a região, estarão importando a permanente ameaça de desestabilização de seus próprios governos. E se a Turquia mandar tropas, perderá todo o respeito internacional que angariou até agora. A guerra de conquista foi rápida, mas agora virão as consequências. Tudo é apenas questão de tempo, pouco tempo.

Responder

dukrai

08 de setembro de 2011 às 11h48

pra quem acompanha Dom Pepe, esta pedra já estava cantada há muito tempo e se confirmado o novo papel de Gadafi, vai levar dez anos pros gringos botarem a mão nele, quando não mais será preciso a sua figura agregadora do "terrorista mais procurado do planeta".
só estou estranhando a ausência dos trollxas em assunto tão polêmico, devem estar todos na passeata anti-corrupção rs

Responder

SILOÉ-RJ

08 de setembro de 2011 às 05h10

Só na Libia não, no mundo, a próxima Palestina.

Responder

Marat

07 de setembro de 2011 às 23h54

Já que o mais importante não foi feito, investimento maciço em armanentos antiaéreos, os neo-rebeldes, ou a resistência, deverá emboscar os ratos amestrados da Organizaçao Terrorista do Atlântico Norte… agora, se nem para isso eles prestam, esperemos a instauração de uma nova ditadura, apoiada pela "comunidade internacional", e as próximas invasões e bombardeios, diante de estupefatos e inermes China e Rússia. Logo logo deveremos todos prestar juramento e amar os Füheres Obama, Sarkozi e Cameron!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.