VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira


15/08/2012 - 11h25

Política| 14/08/2012 | Copyleft

CPMI do Cachoeira: convocação de Policarpo gera polêmica e decisão é adiada

Apesar da divulgação de fortes indícios do envolvimento do editor da Veja em Brasília, Policarpo Júnior, com o esquema de Cachoeira, convocação do jornalista ainda não tem maioria na CPMI. “Será que jornalista é protegido de depor em qualquer lugar, mesmo com suspeita de crime?”, indagou Dr. Rosinha. A decisão foi adiada por falta de maioria pró-convocação. “O PMDB ainda não apoia”, afirmou a assessoria de um parlamentar.

Vinicius Mansur, na Carta Maior

Brasília – Após a divulgação pela revista Carta Capital, no último final de semana, do estudo encomendado pelo deputado Dr. Rosinha (PT-PR) destrinchando as ligações do editor da revista Veja em Brasília, Policarpo Júnior, e a organização criminosa do bicheiro Carlos Cachoeira, era esperada para esta terça-feira (14) a votação da convocação do jornalista para depoimento na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga o esquema. 

Entretanto, a decisão foi adiada por falta de maioria pró-convocação. “O PMDB ainda não apoia”, afirmou a assessoria de um parlamentar.

Para que um requerimento seja aprovado é necessária a maioria simples do plenário, o que significa o apoio de 17 dos 32 parlamentares com direito a voto em uma sessão completa da CPMI. PT, PCdoB, PSB e PTB já fecharam apoio à questão, entretanto somam 11 votos.

Apesar de não ser levada a votação, a convocação de Policarpo Júnior foi alvo de acalorado debate assim que o momento de deliberação da sessão da CPMI foi concluído. O líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (PT-SP), relembrou que o jornalista utilizou o esquema de Cachoeira para obter imagens internas do hotel Naoum, para tentar levantar ligações do deputado Jovair Arantes (PTB-GO) e para se infiltrar em reuniões, ultrapassando a relação jornalista-fonte.

“Tenho fé que essa CPI vai convocá-lo e que ele possa explicar qual a relação que ele tem com o crime organizado. Tivemos coragem de convocar senadores, governadores, inclusive, agora, deputados. Espero que nós não tenhamos medo de convocar um pseudo-jornalista”, disse, para em seguida defender também que outros jornalistas citados pela Polícia Federal também sejam convocados.

Dr. Rosinha destacou que a quantidade de elementos já levantados sobre Policarpo Júnior na investigação o colocam como testemunha fundamental para a CPMI, o que nada tem a ver com cercear a liberdade de imprensa. “Será que jornalista é protegido de depor em qualquer lugar, mesmo com suspeita de crime?”, indagou. O deputado ainda adiantou que novos fatos sobre o jornalista surgirão em breve e que espera aprovar sua convocação o mais rápido possível.

O senador Fernando Collor (PTB-AL) disse-se frustrado com a não votação do requerimento “do bandido Policarpo Júnior e seus asseclas” e pediu a convocação do presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, Alexandre Camanho de Assis, ao revelar o que seria um fato novo: Assis seria braço direito do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e teria intermediado um encontro entre os procuradores responsáveis pela Operação Monte Carlo e jornalistas da revista Veja.

“Os inquéritos na íntegra das duas operações, Vegas e Monte Carlo, que corriam em segredo de justiça, foram entregues numa sexta-feira, 2 de março, por volta de meio dia (…). A reunião demorou cerca de duas horas em meia, realizada no antigo hotel Meliá, no restaurante”, detalhou o senador que informou já ter solicitado, com base na Lei de Acesso à Informação, a agenda do dia 2 de março de 2012 dos procuradores do Ministério Público de Goiás, Leia Batista de Oliveira e Daniel Resende Salgado.

Collor ainda disse que revelará “fatos horripilantes” quando Policarpo estiver depondo na CPMI. 

Para defender a revista Veja se levantaram os deputados Miro Teixeira (PDT-RJ) e Domingos Sávio (PSDB-MG). Teixeira disse não se preocupar quando o discurso de “coação à imprensa” vem do “esgoto da República”, mas sim quando ele vem do líder do PT. “Me alarmei com as palavras do deputado Jilmar Tatto (…). É assim que começam os estados policiais (…) Vejam o que está acontecendo com o jornal Clarín na Argentina”, dramatizou.

Domingos Sávio disse que acompanhava a posição de Teixeira e que não defendia “revista A ou B, mas a liberdade de imprensa”.

 Em resposta a Teixeira, o deputado Emiliano José (PT-SP), afirmou que sua visão catastrofista impede a verdadeira discussão – sobre a possibilidade de um jornalista ser considerado um cidadão acima da lei – e ofusca fatos como o depoimento já dado por Policarpo Júnior a uma CPI – a da Loterj, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, em 2005, em defesa de Cachoeira – e as investigações levadas a cabo na Inglaterra contra veículos de comunicação do magnata Rupert Murdoch. “Vão dizer que o estado inglês é policial?”, questionou.

Leia também:

Demóstenes a Cachoeira: “Show de bola, show de bola, aí vai ser show mesmo”

Livrando o policial Aredes e espionando o deputado Jovair

A foto que deu o que falar

CPI toma decisões importantes no dia 14

Collor acusa Gurgel de chantagear Demóstenes

CPI já convocou jornalista. E ele abastecia a mídia

Mulher de Cachoeira ameaçou usar dossiê contra juiz

O dia em que o “empresário de jogos” cassou o mandato de deputado bandido

Carta Maior: A quadrilha, a revista e as escolas chinesas

Venício Lima: Por que não?





24 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Collor: Sobre uma antiga parceria « Viomundo – O que você não vê na mídia

05 de setembro de 2012 às 23h11

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Gilberto Maringoni: Quem paga as campanhas milionárias? « Viomundo – O que você não vê na mídia

31 de agosto de 2012 às 11h57

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Paulo Ghiraldelli Jr.: A antessala do arrocho salarial « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de agosto de 2012 às 23h25

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Thiago Bottino: Relativizar exigência de prova põe justiça em risco « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de agosto de 2012 às 23h24

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Peluso pede 6 anos de prisão para João Paulo Cunha « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de agosto de 2012 às 16h45

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Saul Leblon: O sarau entre Clinton, Blair e FHC « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de agosto de 2012 às 13h30

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Leandro Fortes: Justiça em branco e preto « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de agosto de 2012 às 13h12

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Pagot: “Complô de Cachoeira e da Delta me derrubou do Dnit” « Viomundo – O que você não vê na mídia

28 de agosto de 2012 às 14h03

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Altamiro Borges: Somos irmãos siameses, diz Paulo Preto « Viomundo – O que você não vê na mídia

27 de agosto de 2012 às 00h12

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Fernando Ferro: Será que existem deputados ou senadores ameaçados por dossiês do Cachoeira? « Viomundo – O que você não vê na mídia

25 de agosto de 2012 às 12h08

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Leandro Fortes: Os protetores do antijornalismo « Viomundo – O que você não vê na mídia

19 de agosto de 2012 às 08h38

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Mino Carta: Que diriam Brizola e Ulisses de como ficaram seus partidos? « Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de agosto de 2012 às 10h40

[…] Vinicius Mansur: Faltam 6 votos para levar Veja à CPI do Cachoeira […]

Responder

Lauro Renato

15 de agosto de 2012 às 17h49

Rodrigo Leme,

fazer uma coletiva de imprensa para quem, cara-pálida? Imprensa proteje imprensa, é uma corja organizada, vide o silêncio constrangedor da mesma sobre a convocação do Policarpo.

Se combate bandido aplicando-se a Lei, e a Lei é para TODOS, sejam eles PTistas, PSDBistas, autoridades ou jornalistas.

Responder

Urbano

15 de agosto de 2012 às 17h02

Sequer precisa muito esforço de pensamento, a fim de se saber do porque de tanta indiferença a tal necessidade.

Responder

Luiz Rogerio

15 de agosto de 2012 às 13h39

Todos devem ter o rabo preso com o Policarpo… Estão todos se borrando nas cuecas…

Responder

Rodrigo Leme

15 de agosto de 2012 às 13h16

O senador Collor (senador por cargo, não por caráter) tem tanta coisa “horripilante” pra falar sobre Policarpo e Veja? Que faça uma coletiva de imprensa então, oras, não precisa esperar nada.

Collor está usando a oporunidade que a impunidade vigente no país lhe deu de perseguir quem teve a coragem de botar seus esquemas pra todo mundo ver. E – pasme – com o PTismo e suas ferramentas apludindo de pé.

Responder

joão

15 de agosto de 2012 às 13h15

vamos enviar mensagem para o site do PMDB prostestando contra desizão de não convocar o civita e o policarpo

Responder

Jorge

15 de agosto de 2012 às 13h09

Um jornalista manda um reconhecido contraventor grampear um deputado federal, nada inventado, tudo bem gravado, e o senhor miro teixeira tem medo do estado policialesco solicitar explicações ao jornalista?? Mas, não é pra isso que também serve O Estado, em suas diferentes instâncias e instituições, para pedir explicações àqueles que cometem ilegalidades, como o são grampos sem autorização judicial?? Apenas numa analogia, como reagiria o senhor miro teixeira se tomasse conhecimento que um jornalista da Carta Capital, solicitou a reconhecido traficante um grampo dele, jornalista?? Falaria o deputado em ‘estado policial’?

Responder

joão

15 de agosto de 2012 às 13h08

vamos encher o site do pmdb de protesto

Responder

alício

15 de agosto de 2012 às 13h01

Esse miro teixeira deve ter “O rabo preso”. Precisa ser investigado pela Polícia Federal. Olho nele!!

Responder

Mardones Ferreira

15 de agosto de 2012 às 11h51

Alguns brasileiros só comparam o Brasil à Europa quando lhes é conveniente.

O Miro deve ser um desses honoráveis brasileiros.

Muito bem colocado pelo deputado Emiliano José (PT-BA). A inglaterra é um estado policial?

Sim, o Emiliano é baiano e não paulista.

Responder

    Luís

    15 de agosto de 2012 às 12h57

    O ACM Neto também é baiano e não paulista.

    roberto

    15 de agosto de 2012 às 13h33

    É esse que fica andando de “velotrol” pelos corredores do Senado?

    Luís

    15 de agosto de 2012 às 13h57

    Eu achei que era tonca.


Deixe uma resposta para Paulo Ghiraldelli Jr.: A antessala do arrocho salarial « Viomundo – O que você não vê na mídia

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding