VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Marcos Coimbra: José Serra semeou a beligerância que marca este dezembro


18/12/2011 - 16h46

por Marcos Coimbra, no Correio Braziliense

O que estará acontecendo com o velho “espírito cordial brasileiro”? Onde andará nossa proverbial capacidade de encontrar o entendimento, mesmo em meio às diferenças de opinião?

Está certo que o tal “espírito”, nas palavras de Sérgio Buarque de Holanda — que trouxe o conceito de “homem cordial” para o centro da discussão sobre a cultura brasileira —, não é algo, necessariamente, positivo.

Ele não usava a expressão, apenas, como sinônimo de afável, amável, sincero. Em sua obra mais importante, Raízes do Brasil, “cordial” tinha o sentido etimológico e descrevia uma cultura regida “pelo coração” ao invés da razão, em que a subjetividade impede a predominância dos valores objetivos, e em que a ética privada — da amizade e da compreensão — submete a ética pública.

A consequência disso era clara para ele: “No Brasil, somente excepcionalmente tivemos um sistema administrativo e um corpo de funcionários puramente dedicados a interesses objetivos (…). Ao contrário, é possível acompanhar, ao longo de nossa história, o predomínio constante das vontades particulares, que encontram seu ambiente próprio em círculos fechados e pouco acessíveis a uma ordenação impessoal”.

Em que pesem esses efeitos danosos, foi pela presença da “cordialidade” que construímos uma cultura política menos marcada pela radicalização e pelo ódio que a de nossos vizinhos. Na América do Sul, a regra é a existência de clivagens, ideológicas e partidárias, muito mais profundas e duradouras do que as que temos por aqui.

Da redemocratização para cá, todos os momentos políticos mais importantes foram marcados por grandes convergências: a eleição de Tancredo, a institucionalização democrática com Sarney, a eleição direta para presidente, o impeachment de Collor, o plano Real, a vitória de Lula. Sempre houve oposição (até porque a cordialidade não requer a concórdia), mas não intransigente e, às vezes, pouco mais que simbólica.

Dentre muitos, um exemplo: Fernando Henrique abraçando Lula no parlatório do Palácio do Planalto, depois de lhe passar a faixa presidencial, os dois emocionados, sob os olhos do país.

Este é o primeiro Natal a que chegamos com um ambiente político tão carregado. A data ajuda a deixar isso visível — pois costuma ser um momento de desanuviamento de espíritos —, mas, na verdade, quase todo 2011 foi assim (salvo os primeiros meses, quando o governo Dilma viveu uma fase rósea).

As três frentes da oposição brasileira terminam o ano em pé de guerra. No plano institucional, os partidos e os políticos oposicionistas exacerbam o discurso. Até lideranças tradicionalmente avessas a extremismos fazem coro, ameaçadas de perder a legitimidade.

Na imprensa de oposição — que assumiu, explicitamente, a missão de “ocupar a posição oposicionista deste país, já que a oposição (partidária) está profundamente fragilizada”, conforme disse, ano passado, a presidente da Associação Nacional dos Jornais —, o tom só piorou ao longo de 2011.

Nos últimos meses, práticas “jornalísticas” antes inaceitáveis (invasão de domicílio e espionagem, por exemplo), entraram para o arsenal da reportagem de alguns veículos. Destinaram espaço nada modesto a estimular protestos de “indignados” (com resultados inexpressivos). Quase diariamente, exigem contundência dos políticos da oposição.

Na oposição social, espontânea e desorganizada — e que se manifesta particularmente na internet e nas redes sociais —, são cada vez mais frequentes as manifestações de uma agressividade incomum em nossos costumes políticos. Em parte, ela ecoa o que consome dos valentões dessa imprensa, em parte, apenas expressa seus pontos de vista com truculência.

Uma das razões que explicam esse triplo recrudescimento é a campanha que Serra fez em 2010. Ele semeou a beligerância que marca este dezembro.

A vitória de Dilma é outra causa. Perder para Lula era aceitável, ter de se contentar com apenas lhe ser oposição, uma coisa até normal. Mas estar condenado a ocupar um posto secundário frente a ela, quase uma afronta.

A popularidade do governo é a terceira. Sua aprovação popular é inconcebível por quem se acha tão melhor.

O governismo (qualquer governismo) não é, por princípio, radical. A não ser quando se sente acuado. E talvez não estejamos muito longe desse ponto, pelo andar da carruagem.

Por enquanto, a radicalização é um fenômeno localizado, que não atinge a vasta maioria do país.

Ela ocorre, quase que exclusivamente, no âmbito do sistema político e na pequena parcela da sociedade que acompanha seu dia a dia. Ainda bem.

No Brasil das pessoas comuns, o Natal está chegando como sempre, favorecendo os sentimentos de cooperação e amizade. Aumentando algo que não deveríamos deixar que desaparecesse: a cordialidade.

Leia também:

Serra e a “privadaria”: Eu não sou lixo, não! Eu sou do bemmmm!





96 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Andréa

02 de janeiro de 2012 às 01h20

Marcos Coimbra,
Quem? Presidente do que mesmo?
Cara, você sutilmente usa o Jornal para fazer propaganda politica….A tempos queima o Serra e beneficia Aécio….Certamente você é o truculento da vez…Tomara que o Correio deixe o espaço para pessoas que contribuem para a Nação. Você seja que lado estiver ….é perigoso! Deixem nós que abominamos a Corrupção…nos manifestarmos!!!!

Responder

beattrice

28 de dezembro de 2011 às 12h43

De um lado certo é que o Zé Bolinha semeou a beligerância,
mas de outro a coisa é bocadinho mais complexa.
O PRIVATARIA TUCANA acirrou os animos, principalmente nas redes de modo claro,
reunindo os que se opoem à privataria e os que a defendem, com interesses varios.
Mas de modo geral,
já vai tarde a cordialidade do brasileiro,
em nome desta suposta cordialidade, o brasileiro aceitou durante todo o processo da privataria,
as explicações levianas e mentirosas do des-governo FCH e seu porta-voz, o PiG.
Essa cordialidade ao longo da história e suas "soluções de consenso"
sempre impediram a politização e a defesa dos interesses nacionais.
O debate civilizado, mas contundente e forte, ainda é o melhor esteio da democracia.
Não essa "cordialidade", fruto da imposição do ideário dos fortes sobre os fracos.

Responder

José Antônio

19 de dezembro de 2011 às 16h40

Felizmente as ruas não mais refletem o pensamento dos grupos midiáticos e/ou políticos dominantes ou dominados, de situação ou de oposição. como bem disse o ex-presidente LULA, o povo não ouve mais, os anacrônicos "formadores de opinião. O povo agora tem a sua própria opinião, portanto é capaz de escrever a sua história, dando pouca bola para o que diz a imprensa falada, escrita ou televisada. Este espaço aqui é uma prova disso. Essa é a verdadeira democracia. Prisão para SERRA, FHC e todo o grupo de privatas.

Responder

Sagarana

19 de dezembro de 2011 às 14h28

Eu tô que nem o Stedile, quero ver o circo pegar fogo.

Responder

zezinho

19 de dezembro de 2011 às 13h18

Engracado, quando o Lula era oposicao e demonizava a situacao podia. Com ele na situacao continuou a demonizar a oposicao. Se o Serra fala mal e muitas vezes com razao da situacao, entao ele nao é uma pessoa cordial

Responder

Rafael

19 de dezembro de 2011 às 12h49

Aqui no RS a Zero Hora jornal da RBS afiliada da globo tá dando uma força para o serra. No sábado coloca uma crítica do serra dizendo que o governo Dilma ainda nem começou, fala mal do governo. Pior é que nem sequer falam sobre o livro Privataria do Caribe, é como se não existisse o livro, nem citam ligação do serra com a privatização mostrada pelo livro. impressionante o nível de manipulação da RBS aqui no RS. Acredito que só ganha do RS e SC em questão de manipulação SP. O engraçado é que a edição do jornal comenta que o governo Dilma perde energia para os casos de corrupção energia que poderia aplicar para melhorar o Brasil. Pode isso o jornal coloca o serra como crítico do governo não fala nada sobre o livro , nao diz que o serra está ligado com as privatizações e desvios de bilhões de reais e ainda diz que o governo Dilma perde tempo com os casos de corrupção. Só a RBS chega a esse nível de manipulação.

Responder

jose carlos de souza

19 de dezembro de 2011 às 12h26

Deixem a Igreja católica fora desses comentários, isso quase custou uma eleição. Quem não é católico fica com sua religião e larga a Igreja Católica em paz.

Responder

ZePovinho

19 de dezembro de 2011 às 12h20

Parece que FHC vai em cana mesmo……………………..
http://www.brasil247.com.br/pt/247/economia/30743

Como Fernando Henrica
O Caso Paribas ou fraude à francesa do Príncipe dos Ociólogos

18 de Dezembro de 2011 às 08:30

"…MYLTON SEVERIANO – Fim da ditadura.

E transição para o regime civil. José Sarney pega o país em frangalhos, devendo até a alma, sem dinheiro para financiar as contas públicas, muito menos honrar compromissos, a famigerada dívida com o FMI. Havia até o "decrete-se a moratória". Era o papo nosso, da esquerda, dos estudantes, "não vamos pagar, já levaram tudo". E o Sarney, o que faz? Bota a mão na manivela e nossos títulos da dívida externa valiam, no mercado internacional, no máximo 20% do valor de face, era negociado na bolsa de Nova York. No paralelo valiam 1%. O que significa? Não passa pela bolsa. Comprei, quero me livrar, então 1% do valor de face, título de um país "à beira de uma convulsão social, ninguém sabe o que vai acontecer com aquele país, um conjunto de raças da pior espécie": essa, a visão primeiro-mundista, o que representávamos para os banqueiros. Escória. E aqui estávamos, discutindo a reconstrução do país. Vamos dialogar, botar os partidos para funcionar, eleições, e o Sarney tendo que dar uma solução. Fecha a manivela e toca a jogar título no mercado de Nova York. Cada título que valia 10%, 15%, mandava dinheiro aqui para dentro. Seis anos depois, o mercado financeiro internacional detectou que no Brasil haveria desordem, até guerra civil, e eles não iam receber o que tinham colocado aqui com a compra dos papéis podres, queriam receber mesmo os 15%. E fazem uma regrinha de três e colocam para o Banco Central: “Você vai instituir uma norma, os títulos da dívida externa brasileira adquiridos no mercado financeiro internacional, no nacional poderão ser convertidos junto ao Banco Central pelo valor de face desde que esse dinheiro seja investido em empresas brasileiras." Bacana, não? Se funcionasse como ficou estabelecido, nosso país seria uma potência, não? Ainda que uma norma perfeita, acho um critério não normal, não é? Não é moralmente ético eu comprar um título por 15% e ter um lucro de 100%, em tão pouco tempo. Mas enquanto regra de mercado financeiro tenho de admitir que sou devedor. Se vendi a 15%, na bolsa, assumi o risco de, no futuro, o lucro ser maior para o credor. Tenho que pagar. Foi assim que foi feito? Não. Será que o grupo Votorantim recebeu algum dinheiro convertido? Alguma outra empresa nacional do porte recebeu? Não. O que o sistema montou? Uma grande operação em determinado período para sangrar as reservas do país, e ainda tinha as cartas de intenção, que diziam "se você não me pagar posso explorar o subsolo de 50 mil quilômetros da Amazônia".

WAGNER NABUCO – Era a fiança?

Sim. Então me deparo com um banco, o Paribas, hoje BNP-Paribas que se uniu ao National de Paris. Com três diretores, em São Paulo, e dois outros, mais um contador que foi assassinado e um laranja que se chamava Alberto. O banco adquire esses títulos, no valor de 20 milhões de dólares, não é? E converte no Banco Central e aplica em empresas brasileiras, empresas-laranja. Comprou no paralelo a 1%, eram 200 mil dólares, e converteu a 20 milhões de dólares aqui no Brasil e colocou nessa empresa-laranja…

MYLTON SEVERIANO – Empresa de quê?

De participações. Chamava-se Alberto Participações, com capital social de 10 mil reais. Já tem coisa errada. Como uma empresa com capital de 10 mil reais pode receber um investimento estrangeiro da ordem de 20 milhões? Cadê o patrimônio da empresa? Como é que o Banco Central aprova? Mando pegar o processo. Ela investiu, vamos ver aonde o dinheiro vai. Converteu os 20 milhões e ao longo de doze meses o dinheiro é sacado mensalmente na boca do caixa em uma conta e convertido no dólar paralelo e enviado para a matriz em Paris. Eu digo "Banco Central, me dá o processo do Paribas". Aí não consigo, quem consegue é o procurador que trabalhava comigo, Luiz Francisco. Consegue e remete pra mim em São Paulo. Vejo que no Banco Central houve uma briga interna pela conversão. Os técnicos se indignaram, e indeferiram. Ai houve uma gestão forte para que houvesse a conversão. De quem? Do ministro da fazenda. Que era quem?

MYLTON SEVERIANO – Fernando.

MARCOS ZIBORDI – Henrique.

MYLTON SEVERIANO – Cardoso"……

Responder

monge scéptico

19 de dezembro de 2011 às 11h39

ACABOU! a cordialidade. Em nome desta, não seremos coniventes com ladrões e criminosos,
que se locupletavam sem pensar no desemprego, desespero fome e exploração do
povo brasileiro, pelas mesmas empresas, a quem entregavam o patrimônio assaltado ao po-
-vo. Não! Não seremos cordiais, pois assim sendo, nos nivelaríamos ao nível de larápios dos
cínicos e canalhas. LIXO é LIXO são lixo sim, todos os partícipes da bacanal entreguista por
trinta moedas e traição. As falcatruas, foram feitas com tal confiança e, sarcasmo diante da povo
e da justiça, que deixaram um rasto de documentos que poderam ser seguidos. Certeza da
impunidade?

Responder

maria do carmo

19 de dezembro de 2011 às 11h30

Parabens, Maisa
Feliz e sensivel analise psicologica, conseguiu chegar ao amago do Serra. Serra e um egolatra arrivista, que
nao aceita a propria origem. Sou crista, mas nao tenho piedade de quem usa um mandato eletivo para enrriquecimento ilicito.Serra injuriou e caluniou dilma, usou Deus e a Igreja atravez de bispos venais catolicos e evangelicos para chegar ao poder, felizmente nao conseguiu, caso contrario ja teria leiloado o brasil, merece
sim punicao e ressarcimento do dinheiro publico.

Responder

maria do carmo

19 de dezembro de 2011 às 10h48

Parabens , Maisa Voce conseguiu chegar ao amago do Serra, com sensivel analise psicologica de comportamento.
Serra realmente nao passa de um sociopata arrivista e nao aceita a propria origem.
Sou generosa, mas nao tenho piedade de quem usa um mandato eletivo para enrriquecimento proprio.
Serra injuriou, caluniou Dilma usou DEUS e a Igreja atraves de bispos venais catolicos e evangelicos,
para chegar ao poder, felizmente nao conseguiu .Nao podemos esquecer da reuniao secreta do FHC, em
Foz de Iguacu com estrangeiros, merece sim punicao com ressarcimento do dinheiro publico.

Responder

Sagarana

19 de dezembro de 2011 às 09h24

Eu tô igual ao Stedile, quero ver o circo pegar fogo.

Responder

augusto

19 de dezembro de 2011 às 08h53

Um embaixador nosso na argentina, disse ha pouco tempo, que os platinos sempre se movem em sua Historia por rupturas. E nós, o brasil, por aquilo que ele chama de 'sinteses'. É uma tese. Tese interesssante, que agora o coimbra repagina quando diz que que, pos-ditadura as mudanças aqui " sempre foram via grandes convergências."
Pois a visionária.passionaria Cristina está fazendo lá mais uma ruptura e literal (vai rasgar o papel jornal em mãos do oligopólio portenho).
Vai daí que isso me leva a perguntar-me se a Dilma nao esta apenas seguindo nossa 'natureza'… e construindo bem lentamente uma convergencia. E convergencia é algo de que em geral nao tem retorno.
Um pouco disso dá pra ver que ela ja conseguiu. Pois ela é bem cartesiana: nao duvido que vai conseguir em outras frentes tambem.

Responder

    joao

    19 de dezembro de 2011 às 09h12

    É por isso que os torturadores (da propria Dilma) e assassinos da Ditadura estão livres lépidos e fagueiros saltitando por aí dando entrevistas á midia lesa pátria, debochando dos cidadãos que tem vergonha na cara, enquanto os parentes das vitimas kamais saberão em que buraco enterraram seus entes queridos, e isso em tudo, nos roubam dia e noite e o brasileiro bonzinho diz, com a ajuda luxuosa dos sócios do roub, a impren$a, que é preciso moderação que não se pode nunca partir p violencia, que nao se pode fazer justiça com as proprias mãos, e o gado segue ruminando…por mim tá faltando um paredão para váriossss traidores do povo brasileiro e o paredão tinha que ser bemmmm longo.

    augusto

    19 de dezembro de 2011 às 13h44

    mas essa foi a opçao de ação pólitica dela, nao minha. Voce por ex., faria umas rupturas, né? Na1ª, ou na segunda delas, te faltaria apoio de baixo e de cima, obvio.(e governo algum subsiste sem apoio).
    Ai tu ficarias la fim da escada, pendurado na brocha.
    Qdo tu senta naquela cadeira, tu avalia, pesa as coisas e age. Quando tu nao senta tu dedilha o teclado.

Marcio

19 de dezembro de 2011 às 08h26

Curioso nenhum destes políticos escanteados pelo povo procurar novos desafios nas organizações privadas. Alí, poderiam comprovar sua "alta capacidade" para administrar. Sim, pois na administração pública, quando não dá certo a culpa é dos servidores, dos demais políticos da oposição e avai por aí afora. Desconfio que preferem continuar na vida pública apenas para obte aquilo que os criminosos comuns não possuem. IMUNIDADE PELO FORO PRIVILEGIADO.

Responder

EUNAOSABIA

19 de dezembro de 2011 às 08h00

Podem espernear, 44 milhões e fim de papo véio.

Responder

    Leider_Lincoln

    19 de dezembro de 2011 às 09h32

    Estrá falando em termos de dólares que "o mais preparado" e sua turma roubaram? As provas dizem que foi muito mais, não seja modesto!

    joni

    19 de dezembro de 2011 às 09h49

    Antes da Privataria. Agora, conheço gente que se sente traída e humilhada, e com cara de bobo, porque acreditou …

    El Cid

    19 de dezembro de 2011 às 10h04

    uma pergunta: ele levou?

    pra você descontrair, comediante de buteco !! com os cumprimentos do Sr. Cloaca:
    http://vimeo.com/33883016

Eduardo Raio X

19 de dezembro de 2011 às 06h16

José Serra, Hitler manda para você muitas lembranças!

Responder

Paulo P.

19 de dezembro de 2011 às 04h50

A Privataria Tucana – O Filme
http://vimeo.com/33883016

Responder

FrancoAtirador

19 de dezembro de 2011 às 02h21

.
.
Sensacional!

Privataria Tucana Chega ao Cinema!

http://aguinaldo-contramare.blogspot.com/2011/12/

Responder

maria_do_carmo

19 de dezembro de 2011 às 01h03

eunaosabia voce e sempre nota distonante,eram 44milhoes todos que nao sabiam das privatarias do serra .

Responder

Paulo

19 de dezembro de 2011 às 00h38

Azenha, que tal uma retrospectiva 2011 dos melhores piores momentos da direitalha Serrista-vejista-folhista-udenista-kassabista-azevedista demo-tucana?

Responder

FrancoAtirador

19 de dezembro de 2011 às 00h10

.
.
EDIL SERRA: TRISTE FIM
.
.
Serra para vereador em 2012

Por Altamiro Borges, no Blog do Miro

Será ironia? O jornalista Ilimar Franco publicou nesta semana na sua coluna no jornal O Globo:

*****
“Diante da rejeição do ex-governador José Serra nas eleições para a prefeitura de São Paulo, conforme o Datafolha, alguns de seus aliados avaliam que ele deveria considerar concorrer a vereador na capital paulista. Citam como exemplo decisão do ex-prefeito do Rio Cesar Maia. E os casos do ex-senador Arthur Virgílio e do ex-deputado Fernando Gabeira, que estão avaliando recomeçarem como vereadores em Manaus e no Rio”.
*****

Provocação ou possibilidade?

É certo que a comparação com o demo Cesar Maia, o tucano-valentão Arthur Virgilio e o verde-travestido Fernando Gabeira deve incomodar o todo-poderoso Serra. Junto com outros direitistas famosos, como Tasso Jereissati (CE), Marco Maciel (PE) e Heráclito Fortes (PI), eles foram varridos pela onda lulista nas eleições do ano passado e hoje estão no ostracismo.

Já o ex-presidenciável tucano não sai dos jornalões e é cotado para uma nova – a terceira – disputa sucessória. Também é cortejado pelo maroto Aécio Neves para disputar a prefeitura da capital paulista. Diz ainda gozar de certo poder no ninho tucano, mantém estranhos laços com ricos empresários e possui prestígio entre os barões da mídia. Candidato a vereador? Só pode ser provocação!

Sonho presidencial mais distante

Mas não é! Como a própria imprensa constatou nos bastidores do congresso da Juventude do PSDB, neste final de semana, José Serra está cada vez mais isolado no partido. O senador mineiro já seduziu até os “tucaninhos” para o seu projeto presidencial. Na cúpula do partido, o ex-governador virou figura decorativa e é rejeitado por seus pares. Não tem qualquer posto de comando real.

A cada dia, o seu sonho de disputar novamente a Presidência da República fica mais distante. Poucos tucanos ainda acreditam nas suas chances! Na maioria dos estados, Serra já virou carta fora do baralho. As direções estaduais da legenda evitam convidá-lo para qualquer solenidade. Até FHC, o chefão dos tucanos, já andou dizendo que agora é a vez do senador mineiro.

Isolamento em São Paulo

Já em São Paulo, Serra sofre a vingança maligna de Geraldo Alckmin. Traído na disputa da prefeitura da capital em 2008, quando Serra rifou o PSDB e apoiou o ex-demo Gilberto Kassab, o governador dá o troco. Não sobrou nem casinha de cachorro no Palácio dos Bandeirantes. Para piorar, seu fiel aliado, Kassab, abandonou o DEM e criou o PSD, complicando a dobradinha demotucana.

Nas últimas semanas, outras três péssimas notícias para Serra. A pesquisa Datafolha confirmou que a sua rejeição é recorde entre os paulistanos – 35%. Os outros quatro pré-candidatos do PSDB (Bruno Covas, José Aníbal, Andrea Matarazzo e Ricardo Trípoli), mesmo frágeis, agora dizem que não se curvam diante de Serra. O espaço encurtou para ele na briga pela prefeitura da capital.

Corrupção e a bomba do Amaury

Dias antes, seu ex-subchefe da Casa Civil no governo paulista e um dos coordenadores de finanças da sua campanha presidencial, João Faustino, suplente do senador demo Agripino Maia, foi preso, acusado de comandar uma quadrilha que fraudou a inspeção veicular no Rio Grande do Norte. A mídia, sempre tão seletiva, abafou o escândalo, mas ele ainda vai dar muita dor de cabeça.

Por último, a pior das bombas. Tão aguardado, saiu o livro “A privataria tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro, com inúmeras e documentadas provas de corrupção contra José Serra – sua filha, seu cunhado, seu primo, seu tesoureiro e outros amiguinhos. A obra desnorteou o ex-todo-poderoso. Ele só conseguiu balbuciar que o livro é “um lixo”, como que confessando as suas sujeiras.

Como se observa, a coisa está feia para Serra. Talvez só sobre mesmo uma vaguinha de vereador, como especulou Ilimar Franco.

http://altamiroborges.blogspot.com/2011/12/serra-

Responder

    El Gordo

    19 de dezembro de 2011 às 00h47

    Se fosse Voto Distrital como os tucanos sonham de maneira pornográfica, Serra poderia ser eleito vereador do Distrito da Barão de Limeira.

    FrancoAtirador

    19 de dezembro de 2011 às 01h42

    .
    .
    DO SUBSOLO VIESTE, AO SUBSOLO RETORNARÁS

    <img src="http://florispt.zip.net/images/charge_pesquisa.jpg"&gt;

frederico morbach

18 de dezembro de 2011 às 23h43

O cerra da bolinha … realmente se mostra raivoso….mas deixan do este estafermo prá lá,
quero comentarr sobre a Superrrlotação em SP capital neste NAtal n as ruas…é mesmo o cidadão que agora va i frequentar a cidade onde mora, Junto com a classe-média…
E,Penso que esta certo assim, e contrastes culturais são lugares para Cordialidade.

Responder

Luiz Fortaleza

18 de dezembro de 2011 às 23h12

Espero que o SERRAGATE não seja abafado pela imprensa da blogsfera. Que não haja um ACORDÃO entre PSDB e PT para esquecer a CPI.

Responder

luiz pinheiro

18 de dezembro de 2011 às 23h10

Ou seja, $erra é o próprio anti-Lula.

Responder

Ricardo Augusto

18 de dezembro de 2011 às 23h01

Veja isso pessoal :
O Caso Paribas ou fraude à francesa do Príncipe dos Ociólogos
http://www.brasil247.com.br/pt/247/economia/30743

A CPI da privataria precisa ser instalada para o FHC e Arminio Fraga explicaram esse caso PARIDAS !

Vamos fortalecer o pedido de assinatura para instalação da CPI da Privataria pessoal !!!

Responder

    Mário SF Alves

    19 de dezembro de 2011 às 14h32

    Ô! Ricardo, esso "Como Fernando Henrica" é muito bom! E se compuser com o (Se)erra, como é que ficaria? Enquanto o Fernando Henrica, o (Se)erra se evapora? Se dana? Se desconstrói? Se vira do avesso? Cospe fogo?

Jicxjo

18 de dezembro de 2011 às 22h43

Com o apoio do maldito trombone midiático, que todo santo dia destila veneno sobre o país.

Responder

Vera Billie Jean

18 de dezembro de 2011 às 21h19

acontece que o Brasil acordou.
Acorda SP!!!!!!!

Responder

Leonardo Câmara

18 de dezembro de 2011 às 21h01

Penso que Serra é fruto desse meio aonde ele foi criado. Como ele tem um monte. Esse acordo cordial do qual o Coimbra fala supõe que a senzala não ousaria nunca querer ter direitos que a casa grande considera serem privilégios exclusivos seus.

É fato que Serra se prestou a ser veículo desse tipo de sentimento fascista mais torpe que está pondo as garrinhas de fora agora. Mas ele não inventou este sentimento, ele já estava nessas pessoas, como já mostravam as palavras de outros reacionário antes dele, como o Corvo.

Penso que já chegou a hora de virar essa página, Serra agora não é mais tema da seção política, mas policial. Temos que pressionar para que sus quadrilha seja levada aos tribunais. O tempo da política passou, agora é tempo de justiça.

Responder

    Mário SF Alves

    19 de dezembro de 2011 às 14h25

    É… Leonardo pode ser que você esteja certo. De minha parte, no entanto, devo continuar ainda por um tempo a criticar essa iniquidade ora denominada de privataria tucana. É que os caras são realmente a mãe da COMPETÊNCIA.

Horridus Bendegó

18 de dezembro de 2011 às 20h48

Só acredito na viabilidade brasileira com a guerra, a ruptura do paradigma da cordialidade pelo aconchavo.

Nosso povo brasilerio é o que menos derramou sangue na formação histórica de sua indentidade confrontado com outros povos do mundo desenvolvido.

Só uma guera civil nos imprimirá a marca da boa qualidade como povo.

O sangue é a tinta que imprime na História esse selo de qualidade.

hasta Siempre!

Responder

    El Gordo

    19 de dezembro de 2011 às 00h55

    Guerra civil não une ninguém, só separa ainda mais. E nisso, com um país do nosso tamanho, população e distribuição, não nos manteríamos unidos sem uma ditadura ou uma limpeza étnica. É isso o que está propondo, meu caro?

Morvan

18 de dezembro de 2011 às 20h44

Boa noite.Boa noite.

Azenha e demais pessoas do Blog:

Jornais da Argentina condenam lei de governo sobre papel-jornal

'… Os jornais argentinos Clarín e La Nación criticaram neste fim de semana um projeto que declara de "interesse público" a produção, comercialização e distribuição de papel-jornal a Argentina, cuja única fábrica tem a participação do Estado mas é controlada pelas duas publicações, em conflito com a presidente Cristina Kirchner.
… A iniciativa, que foi aprovada na quinta-feira pela Câmara com 134 votos a favor, 92 contra e 13 abstenções, segue para o Senado para votação prevista na quinta-feira de 22 de dezembro…'.
Interessante demais, neste novo episódio Kirchner versus PIG argentino, é a intromissão da SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa, em espanhol) e da ANJ, bem conhecida dos brasileiros.

'… Afirmando se solidarizar com os jornais argentinos, a nota da ANJ afirma que "é inadmissível a disposição das autoridades argentinas, já demonstrada em outras oportunidades, de coagir e interferir na atividade jornalística. Essa permanente postura de confronto com os jornais é fruto do autoritarismo e da dificuldade de convivência com a crítica, essencial nas sociedades democráticas"… '.
O problema dos reaças da ANJ é que a Argentina não é o Brasil. Eles vão levar um VTNR, pode ficar sabendo, já que eles gostam tanto de siglas.
Eles estão se imiscuindo em algo que não cabe a eles e vão levar o troco, pode ficar sabendo.
O PIG daqui pode ser igualzinho ao de lá, mas o Governo é outro.

Elo de Acesso – IG, Último Segundo: http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/jornais-da-argentina-condenam-lei-de-governo-sobre-papeljornal/n1597415528796.html

:-)

Morvan, Usuário Linux #433640.

Responder

Talita

18 de dezembro de 2011 às 20h38

Azenha e Conceição
Por favor, publiquem os nomes dos deputados que assinaram pela constituição da CPI da Privataria.E a lista dos que não assinaram.
Isso vai ser um divisor de águas.
Não vai ter perdão para o deputado que não assinar ou fizer corpo mole.
Precisamos obter essa informação preciosa para podermos orientar nossos votos em próximas eleições.

Responder

Gerson Carneiro

18 de dezembro de 2011 às 20h35

<img src=http://2.bp.blogspot.com/_qy_t640iNvU/THxb3L5vw9I/AAAAAAAAG3k/EF_RaB2KPAU/s1600/serra+-+nazista.jpg>

Responder

    El Cid

    19 de dezembro de 2011 às 09h48

    e ele passa álcool nas mãos para cumprimentar as pessoas… que higiênico, não!
    http://www.blogdodecio.com.br/2010/07/26/serra-li

    Gerson Carneiro

    19 de dezembro de 2011 às 16h15

    Ele tá sempre com o dedo naquele lugar.
    <img src=http://palavrastodaspalavras.files.wordpress.com/2010/07/serrra-dedo-no-nariz.jpg>

    Gerson Carneiro

    19 de dezembro de 2011 às 16h16

    <img src=http://1.bp.blogspot.com/_VI09UZEkRY4/Sw_v4VaSw8I/AAAAAAAAGm4/EvU8Omm_qBI/s320/serra+nariz.jpg>

    SILOÉ-RJ

    19 de dezembro de 2011 às 23h22

    E com vocês!!!!
    O REI DAS MELECAS!!!!

Outro Antonio

18 de dezembro de 2011 às 20h19

A estupidez de Serra é a gota d' água.

Responder

    SILOÉ-RJ

    18 de dezembro de 2011 às 23h32

    Qual gota d'agua??? aquela do movimento???

Outro Antonio

18 de dezembro de 2011 às 20h10

Marcos Coimbra não seja besta rapaz. Nós o povo, da "oposição social" estamos cansados de ver pilantras como Serra, Maluf, FHC e tantos outros que governam estados e municípíos roubarem o povo, que está na penúria, pois não tem Educação decente, não tem Plano de Segurança Pública nem polícia para proteger, pelo contrário, além de assistir o tráfico de drogas aumentar, gerando violência extrema no meio social, que nos mata e a nossos filhos, estes drogados ou usados pelo tráfico. Estamos cansados de ver um Supremo Tribunal Federal trabalhando a nossas custas para a elite. Esse Supremo usa a lei contra os pobres, contra a democracia e a favor dos bandidos de colarinho branco que fazem corrupção e lavam dinheiro, além de trabalhar até para estupradures da elite. Esse Supremo legisla pelo congresso e não deixa haver contagem de votos nas eleições. Esse Supremo joga a lei da ficha limpa no lixo, botando bandido para legislar no País. Então caro Coimbra, não seja besta e não disvirtue as coisas. Não foi uma eleição nem um único pilantra que nos deixou tão raivosos, mas a pouca vergonha da elite brasileira e a ajuda de seus funcionários testas de ferro para que as coisas não mudem neste País.

Responder

Claudio

18 de dezembro de 2011 às 20h07

A nossa sorte é que o grandioso LULA, conseguiu semear cordialidade entre as pessoas de bem do nosso imenso país, e Dilma de certa forma, mesmo com as porradas da mídia, vem conseguindo manter esta cordialidade e nosso Natal de 2011 esta salvo.
Penso que depois do dia 20/12, com a instauração da CPI da Privataria, teremos uma nova ordem!

Responder

Zé Brasil

18 de dezembro de 2011 às 20h00

Este artigo excelente espelha, de certo modo, o episódio onde o Çerra e a tucanagem, de plumas baixas, pois tomaram uma piaba arrumada de uma novata, a Dilma Roussef, discursa na tv após a divulgação da eleição de 2010 e distila o seu ódio em silêncio, contudo sua expressão facial, uma verdadeira carranca, grita a sua frustação de derrotado, de mau perdedor, incapaz de aceitar a premissa do processo democrático de ganhar ou perder.
O encosto tucano estava tão pesado, as influências negativas batendo pelas paredes, que eu, por precaução naquele momento, coloquei um galho de arruda (êpa! é só a planta mesmo) atrás da orelha e joguei duas mãozadas de sal grosso por sobre meus ombros direito e esquerdo. Sabe-se lá?

Responder

Mariano Castro

18 de dezembro de 2011 às 19h48

Marcus
bacana seu artigo. Lembrei-me da seguinte citação em Frigotto “Se você realmente lê o Manifesto Comunista de 1848 ficará surpreso com o fato de que o mundo, hoje, é muito mais parecido do que aquele que Marx predisse em 1848. A idéia do poder capitalista dominando o mundo inteiro, como também uma sociedade burguesa destruindo todos os velhos valores tradicionais, parece ser muito mais válida hoje do que quando Marx morreu” (Hobsbswn apud FRIGOTTO,1998: 2).
Fiquemos atentos. Marx não morreu!!!

Responder

Jenis de Andrade

18 de dezembro de 2011 às 19h35

Livro de cordéis de professor abala políticos de Taubaté: http://www.youtube.com/watch?v=_n0exW9_Lh0&fe

Responder

SILOÉ-RJ

18 de dezembro de 2011 às 19h34

Cordialidade é o que não falta ao povo brasileiro, cordialidade até demais pro meu gosto, que o máximo que faz é se indignar diante de fatos tão estarrecedores, a esperar por essa justiça tão venal e corrupta, quanto. Queria ver se fosse em outro país!!!

Responder

    joao

    19 de dezembro de 2011 às 09h22

    Eu como o Horrigus quero ver o povão tocar o terror pra cima do legislativo executivo judiciario e impren$a, todos esse phoderes tem que ter medo do povo pra andarem na linha!!

EUNAOSABIA

18 de dezembro de 2011 às 19h31

O que eu mais admiro neste homem é a sua total isenção.

Responder

    Galeano

    18 de dezembro de 2011 às 20h30

    "O que eu mais admiro neste homem é a sua total isenção"… E? E daí?

    Devemos, então, admirar a "a isenção" de Olavo de Carvalho e sobretudo a de Reinaldo Azevedo, você frequenta lá, o blog do RA, não?

    Gerson Carneiro

    18 de dezembro de 2011 às 23h14

    Como disse o El Cid, o EUNAOSABIA é um comediante de buteco.

    Garçon, traga mais uma cerveja Colônia e um ovo cozido. Por favor. Ponha na conta do EUNAOSABIA.

    edv

    18 de dezembro de 2011 às 23h32

    Ele não é repórter, que precisa ser isento para dar notícias (mas não é, quando obdece o patrão).
    Ele é empresário, com o chapéu de analista, dando sua opinião.
    Tendeu?!

cronopio

18 de dezembro de 2011 às 19h07

Do blog do nassif:
Ao fim da tarde da última quinta-feira (15/12), recebi e-mail de uma fonte que, por sua vez, recebeu de alguém que trabalha na redação da Folha cópia da “crítica interna” diária que os ombudsmans do jornal fazem circular há anos entre seus jornalistas. É uma bomba.

Magalhães, como no texto da atual ombudsman, Suzana Singer, que vazou na quinta-feira, acusou o jornal de partidarismo contra o PT. Aliás, a maioria dos ombudsmans fez essa crítica, ainda que com menos intensidade.
Contrariado com a crítica de Magalhães, o jornal optou por não mais publicar a crítica diária na internet afirmando que seus inimigos políticos – um jornal que atua como partido político, é claro que tem inimigos políticos – estariam usando as críticas do ombudsman para atacar. Contrariado, o jornalista pediu demissão do cargo.
Lamentavelmente, soube que a Folha descobriu quem foi, em sua redação, que, no melhor estilo Wikileaks, vazou ontem a crítica interna arrasadora da atual ombudsman. Não é preciso pensar muito para concluir o que acontecerá com esse profissional.
—–

Responder

    SILOÉ-RJ

    18 de dezembro de 2011 às 20h17

    Bem fez ela ao perceber que a canoa está afundando.

Maisa

18 de dezembro de 2011 às 18h54

O Serra, pelo que ele mesmo construiu e demonstra, é uma pessoa extremamente triste e enfrenta vários complexos e síndromes. É pessoa deletéria e que não encontra medidas e limites. Em verdade, nutro por ele um grande sentimento de dó e piedade. Pessoas assim, são muito amarguradas e sequer conseguem dormir, ato dos mais prosaicos do ser humano. Tem um coração cheio de rancores e frustrações e transfere para os outros a responsabilidade pela sua total incapacidade de aceitar que o mundo não gira, não orbita em torno do seu umbigo. Triste e melancólica figura. Incapaz de esboçar um sorriso e de enxergar nos outros a falibilidade inerente a qualquer ser humano. Covarde ao tentar se esconder sob a sol do meio dia. Incapaz de auto criticar-se, sendo filho de pai chamado orgulho, e mãe chamada vaidade. Tornou-se figura tosca. Seu semblante causa repugnância e nojo. Suas palavras causam mau estar e discordância. Pessoa desagregadora que, ao que tudo indica, é incapaz de reunir seus familiares para uma simples refeição, sem transmitir-lhes sensação de ódio, inveja e rancor. Foi nisso que transformou o filho de um feirante.

Responder

    Mário SF Alves

    18 de dezembro de 2011 às 20h16

    E é claro, tudo isso numa perspectiva humana, demasiadamente humana para ele, que é o principal personagem do A Privataria Tucana.
    Maisa, a propósito, sinto entrar com essa ênfase tão discordante. Mas, são, de fato, resquícios de toda aquela covardia, comportamento antidemocrático e deslealdade civil semeados por ele durante as últimas eleições presidenciais.

    Mário SF Alves

    18 de dezembro de 2011 às 20h24

    Em tempo: é nisso que dá transplantar modelos. E, deixando um pouquinho de lado o" A Privataria", é nisso que dá copiar o Tea Party, e internamente aliar-se com o que há de mais excludente e retrógrado em termos de concepção pollítica, tudo de modo a não demonstrar um mínimo de respeito às especificidades e contemporaneidade do Brasil.

    João Bosco Rocha

    18 de dezembro de 2011 às 20h27

    Pôxa, Maisa, você pegou pesado com o coitado do Serra. Só por que ele se parece com um vampiro…Além do mais, não é que ele não consegue dormir, é que ele passa as madrugadas em permanente alerta, e se ele se esconde do sol do meio-dia, é que os raios solares lhe causam profundos transtornos. Agora, quando chega a meia-noite, aí sim, é a hora dele. Nesse momento, vai para a internet e dana a tuitar, feito um louco. Quando consegue um malfeito, abre a a janela e solta um grito alucinante, que atravessa a madrugada. Seus vizinhos já estão acostumados.

    Morvan

    18 de dezembro de 2011 às 20h33

    Boa noite.
    Arrasou, Maisa.

    Nem o biógrafo do coiso, com garantia de não ser devorado, faria um retrato tão fiel do Gargamel brasileiro.
    Análise perfeita.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    Gerson Carneiro

    18 de dezembro de 2011 às 21h08

    <img src=http://www.materiaincognita.com.br/wp-content/uploads/2011/12/Jose-Serra-e-A-Privataria-Tucana.jpg>

    Morvan

    19 de dezembro de 2011 às 09h45

    Bom dia.

    Boa, Gerson.
    Retrato de um ciclotímico?

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    Gerson Carneiro

    19 de dezembro de 2011 às 16h09

    Boa tarde.

    Estimado Morvan,

    Poderia, gentilmente como sempre é, explicar o que é "ciclotímico"?
    Essa eu num achei no meu glossário de nordestinês.

    :-)

    Gerson Carneiro, Usuário de algum troço que eu num sei o que é.

    Morvan

    19 de dezembro de 2011 às 23h39

    Boa noite.

    Ciclotimia é a característica que tem alguém de apresentar alternância de humor ou de comportamento, ora deprimido, ora excitado.
    Timos – do grego (modo, comportamento); o prefixo Ciclo não requer, claro, maiores explicações; muito comumente conhecido, o fenômeno, como Maníaco-Depressivo.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    priscila presotto

    19 de dezembro de 2011 às 13h29

    kkkkk!

    EUNAOSABIA

    18 de dezembro de 2011 às 21h19

    44 milhões não pensam como você….

    edv

    18 de dezembro de 2011 às 23h38

    Destes 44 milhões, cerca de um terço não pensa como o Serra (lembra da Marina e da campanha de esgoto?)
    Outro terço não tinha opção melhor à direita.
    O último terço tem boa parte que não tem muito tempo pra pensar ("contando o vil metal"…) e outra boa parte que tem interesses contaminados com os dele.
    Aí sobra um resto de piguinhos amestrados que pensam como vc.

    Marcelo

    19 de dezembro de 2011 às 10h53

    Bem,o Eike Batista,banqueiros e empreiteiros estão "contando o vil metal" graças ao governo
    da "estadista" Dilma.Aliás,o PT e Bolsonaro votaram contra a proposta da Erundina na
    Comissão da Verdade.E o PHA preocupado contra quem mata cachorros,no Domingo
    Espetacular!Claro,aqui a maioria é funcionário publico barnabé que escreve recebendo
    alguns trocados do "guvernio".Acho que vou abrir um blog chapa-branca.

    El Gordo

    19 de dezembro de 2011 às 00h50

    44 milhões de pessoas… Dessas, eu tiro a metade como "tucanas", "serristas" ou alhures.

    O resto foram pessoas que não gostam do PT por motivos municipais ou pessoais, pessoas que leem apenas a Veja (como o presidente do PSDB de São Paulo, Capital), católicos fervorosos do Bispo de Guarulhos, verdes, hipsters, descolados, indies e demais revoltadinhos da Estrela que assistem ao babaca do Daniel Fraga.

    Se houvesse toda essa massa anti-Dilma no Brasil, por quê ela tem 88% de aprovação de governo no primeiro ano de mandato?

    Lu_Witovisk

    19 de dezembro de 2011 às 11h13

    E ainda tem o crescimento do LULA!!! em SP!!! No cerne do tucanato!! ehehhehhe na próxima, ja era…

    Fabio SP

    19 de dezembro de 2011 às 12h37

    Por acaso eles não são brasileiros como eu, você e os outros?!?! Ou vais queres cassar a cidadania deles?

    luiz pinheiro

    19 de dezembro de 2011 às 13h01

    Não, vamos apenas continuar derrotando-os democraticamente no voto. Quando o oligopólio de desinformação da mídia golpista começar a ruir, quando surgirem no Brasil jornais isentos comprometidos com o Jornalismo, aí voces, Fábio SP, vão ter dificuldade para eleger um deputadinho que seja.

    Fernando

    19 de dezembro de 2011 às 02h57

    56 milhões pessam…

    Péricles

    19 de dezembro de 2011 às 09h11

    Verdade. O ódio tem muitos adeptos. É só olhar para os lados.

    ana

    19 de dezembro de 2011 às 09h36

    444 milhões não pensam e não sabem

    ana

    19 de dezembro de 2011 às 09h37

    44

    Rafael

    19 de dezembro de 2011 às 12h41

    Sim então analise as pesquisas e verá que hoje o serra não tem nem 15 milhões daqueles votos. Único que eu sei que votaria nele é vc.

    Operante Livre

    21 de dezembro de 2011 às 18h10

    Bem dito: não pensam.

    Lu_Witovisk

    19 de dezembro de 2011 às 09h44

    Isso aí Maísa. Parabens!

    Infelizmente, essa figura foi mesmo um divisor de águas. A eleição de 2010 e este terceiro turno maldito que a midia impõe transformaram e muito as relações entre os brasileiros que falam sobre politica.
    Os que não falam também são atingidos pelos discursos odiosos, pelo JN carregado… pelo menos lá em Curitiba percebi um aumento muito grande na agressividade do povo. Se antes os curitibanos ainda mantinham certa polidez, foi-se… Acabou-se o respeito pelo outro, no transito, com os idosos, com pobre então nem se fala…. São notícias tristes que vem de lá, com frequencia cada vez maior, e os algozes são pessoas comuns. Algo mudou sim, é localizado, mas existe e tá lá corroendo.

José Vitor

18 de dezembro de 2011 às 18h45

Serra só conseguiu criar esse clima de guerra por contar com o apoio da "grande imprensa".

Não adianta, enquanto não houver uma "ley de medios" vamos viver em permanente clima de guerra civil, "grande imprensa" x governos do PT.

A Dilma vai empurrando esse assunto com a barriga :) esperando que tudo se resolva por si só, mas ao contrário, o que vemos é a exacerbação da ação da "grande imprensa".

A Dilma é otimista demais. É só ela dar um passo em falso (p. ex., economia patinar) que ela vai ser jogada aos lobos, a tal "grande imprensa" vai montar uma campanha de impeachment contra ela (assim como tentou recentemente montar as "marchas contra a corrupção"), e aí a coisa vai ficar feia mesmo. Enfim, espero que a Dilma esteja certa em seu otimismo, pelo bem de todos nós.

Responder

ZePovinho

18 de dezembro de 2011 às 18h24

Aproveitando o ensejo,vídeo didático ensinando como identificar comunistas:
http://www.vermelho.org.br/tvvermelho/noticia.php

[youtube Gk5vRjuh7ro http://www.youtube.com/watch?v=Gk5vRjuh7ro youtube]

Consultoria:PCdoB

Responder

Morvan

18 de dezembro de 2011 às 18h22

Boa tarde.

Como já ficou patente, José Serra, o bispinho de Guarulhos e a Opus Dei abriram a Caixa de Pandora da baixaria e do fundamentalismo religioso, maculando, como eu disse em outros Posts – de modo; espero estar equivocado – permanente, as eleições no Brasil, até então sem qualquer vício ou viés teocrático.
A baixaria perpetrada por estes execráveis e servis homúnculos abriu uma enorme frente no campo teopolítico [hic!], arrasando conquistas do povo brasileiro e coagindo, delimitando, enquadrando o [então] futuro Governo, como estamos a presenciar, com lamúria.
O "Kit Anti-homofobia" foi massacrado pelos fundamentalistas. A questão dos "Direitos Reprodutivos" retroagiu ferozmente. E la Nave Va. Há vários exemplos.

Porém, como tudo na vida, a abertura da Caixa de Pandora pode, a longo prazo, ser ruim para o Homus Reaccionarius Brasiliensis, pois podemos estar soterrando, selando o destino do Homus Cordatus.
Homem cordato (prefiro este cognato, pois ele reflete bem o espírito do termo, com alguma pejora), que tanto mal faz ao país, ao preferir, sempre, o acochambro ao embate, a aceitação tácita à discussão dos porquês, pode estar sendo substituído paulatinamente pelo 'Hominis Conscius" e o pontapé inicial desta mudança pode ter sido advinda destes reacionários supracitados.
Para o bem do país, que esta mudança de fato aconteça. Talvez já tivéssemos implantado a verdadeira "Comissão da Verdade", a qual sofre com o terrível vezo brasileiro de procurar "jeitinhos", justamente por causa da proeminência do Homus Cordatus.

:-)

Morvan, Usuário Linux #433640

Responder

mucio

18 de dezembro de 2011 às 18h06

Cordialidade pra quem te trata com respeito, consideração, solidariedae, não precisa ser amoroso , mas o minimo que se deve ter com o próximo é respeito, e com os criminosos da Privataria Tucana, sinto muito mas não dá pra ser ' cordial' em nada com esses mafiosos, ladrões ordinários, roubaram bilhões que teriam feito diferença na qualidade de vida de milhões de brasileiros, quantos sonhos esses bandidos mataram nos roubando criminosamente como fizeram, cadeia neles , ho ho ho .

Responder

Vagabundo

18 de dezembro de 2011 às 18h02

É mesmo. Natal todos mostram como são hipócritas.

Responder

    Morvan

    18 de dezembro de 2011 às 20h51

    Boa noite.

    Ótimo, colega Vagab. Desculpe a intimidade. Ah, ah, ah.

    Mas eu sempre digo que "O Natal é a Maior Festa da Hipocridade(sic!)". As pessoas falam cristandade; mas eu sou ateu…
    Ah, ah, ah…

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

nelson freitas

18 de dezembro de 2011 às 17h39

Serra é ódio puro, encarnou isso, juntamente com o apoio de setores ultra conservadores como a Rede Globo, Bandeirantes, a Folha de SP, o estadão, a Veja, a TFP, o Bispo de Guarulhos, a elite branca paulistana, o pessoal de Higienópolis, o Silas Malafaia, o Valdomiro e o Papa, semeou ódio aos nordestinos, aos homossexuais, aos negros, aos pobres, aos gordos, à mulher, enfim, todo tipo de intolerância. Temos que destruir essa gente, senão eles assumem o poder e destroem o Brasil. PÁTRIA LIVRE VENCEREMOS!!!

Responder

    zezinho

    19 de dezembro de 2011 às 13h20

    Quem semeia o ódio é o Lula, que adora jogar a culpa "naszelite" no "Sumpaulo", o nós contra eles

Urbano

18 de dezembro de 2011 às 17h35

Talvez até dê para ser cordial em alguns momentos com um beira-mar, um marcola, com o nem… agora, com os quadrilheiros que entregaram o Brasil e querem entregar mais, como a claque dos tunganos na pessoa da madama montemarrom, que falou abertamente que os ianques deveriam tomar conta do Brasil-Central? Aí só tendo sangue de barata.

Responder

Galeano

18 de dezembro de 2011 às 17h28

Sei não, mas, acho que o Serra aprendeu com Reinaldo Azevedo.

Responder

    Marcelo Barros

    18 de dezembro de 2011 às 18h46

    E com o urubu-rei-vampiro mestre, Augusto Nunes…


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding