VIOMUNDO

Diário da Resistência


Gleisi chama Bolsonaro de “frouxo” por dar entrevistas mas não ir a quatro debates; Haddad quer confronto até em enfermaria
Reproduçào de vídeo
Política

Gleisi chama Bolsonaro de “frouxo” por dar entrevistas mas não ir a quatro debates; Haddad quer confronto até em enfermaria


10/10/2018 - 16h35

De acordo com a equipe médica que acompanha o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, o candidato não participará de nenhum dos debates do 2º turno que estavam programados para a próxima semana, como os do Estadão/Gazeta, SBT/Folha e RedeTV/IstoÉ. Do Terra, noticiando que Bolsonaro não vai ao debate da TV Bandeirantes, previsto para esta sexta-feira

Deputado Bolsonaro é frouxo, poltrão. Ontem ficou meia hora dando entrevista para a Bandeirantes. Semana passada deu entrevista macia na Record na hora do debate da Globo. Se ñ tem coragem pra ir a um debate, como vai ter coragem pra enfrentar a bandidagem e o crime organizado? Gleisi Hoffmann, presidenta do PT, no twitter

‘Eu vou até a enfermaria em que ele estiver’, diz Haddad sobre debate com Bolsonaro

Candidato do PT a presidente afirmou em entrevista para jornalistas da imprensa internacional que os ‘brasileiros precisam saber a verdade sobre as coisas’.

Por Marina Pinhoni, G1 — São Paulo

Em entrevista coletiva para jornalistas da imprensa internacional nesta quarta-feira (10) o candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, convocou o adversário Jair Bolsonaro (PSL) a comparecer aos debates televisivos. Bolsonaro afirmou que não irá ao primeiro debate do segundo turno por questão de saúde.

“Eu vou na enfermaria em que ele estiver para debater o país. Os brasileiros precisam saber a verdade sobre as coisas. Vamos tratar isso de forma adulta e não fazendo criancice na internet contando com a boa fé das pessoas que são crédulas. Muita gente acredita no que recebe no WhatsApp, mas lá você não tem o contraditório. No debate você tem”, disse Haddad.

Ao falar sobre notícias falsas quem têm sido distribuídas durante a campanha, o petista afirmou que a Justiça brasileira não consegue conter os danos de imagem que elas produzem.

“A justiça cassa, vão lá e produzem outros (…) Eu entendo que no segundo turno o peso das fake news é menor, se tiver debate. Não há como se acovardar no debate. Ele vai ter que enfrentar. As atitudes covardes de redes sociais são impossíveis no debate face a face. Temos que passar a limpo muita coisa”, disse.

‘Erros’ do PT

Questionado sobre por que o PT não admitia “erros” no governo, Haddad disse que sempre foi pessoalmente “crítico aos equívocos cometidos” em entrevistas e artigos que escreveu.

“A questão das desonerações (tributárias) foram, na minha opinião, um ponto. Inclusive reconhecido pela própria Dilma [Rousseff] de condução da política econômica no final do seu primeiro mandato. Eu tenho sido muito franco na análise que fiz dos nossos governos”, afirmou.

Para Haddad, o maior erro do PT foi não ter feito uma reforma política.

“Na minha opinião o maior erro foi não ter feito a reforma política. Isso abriu brechas em todo o sistema político para que pessoas se comportassem de maneira equivocada. Tínhamos que ter enfrentado o debate sobre financiamento empresarial de campanha. Precisou o STF declarar inconstitucional. Eu penso que isso deve ser reconhecido. Erramos nesse aspecto. Tínhamos que ter enfrentado isso na primeira hora, em 2003”, disse.

Venezuela

Perguntado sobre se acha que a Venezuela é uma democracia ou ditadura, Haddad defendeu a diplomacia para lidar com o país vizinho.

“O papel do Brasil é de líder do continente. Nós devemos ajudar os países que estão com problemas a encontrar um caminho de fortalecimento da soberania nacional e popular. Temos mecanismos para isso. Não precisamos tomar partido. Não precisamos de base militar. Não precisamos declarar guerra a vizinho nenhum. Isso é uma tradição da diplomacia brasileira”, disse.

Haddad citou medidas adotadas pelos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Lula.

“Temos que retomar a boa diplomacia brasileira. A que não se envolve em conflitos internos. Respeita a autodeterminação dos povos, mas exerce a liderança”, completou.

Ele afirmou ainda que pergunta deveria ser feita a Bolsonaro.

“Essa pergunta você deveria dirigir a quem defendeu a ditadura no Brasil, a tortura e a cultura do estupro, o meu adversário. Meu adversário até hoje defende torturadores abertamente”, afirmou Haddad.

Leia também:

Haddad condena escalada de violência, depois do ataque da suástica no Sul

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!