VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Frente Esquerda Unida lança campanha por ‘comissão da verdade’ sobre bancos falidos


10/06/2012 - 12h11

do Publico.es, traduzido e encaminhado via e-mail por Rogério Mattos Costa, de Madrid

Por terra, mar e ar, o governo direitista do PP tem afirmado que não vai permitir que no Congresso se faça “agora” uma investigação sobre crise financeira, sob nenhuma circunstância. Assim, qualquer tentativa atual para forçar o governo atual a investigar parece condenada a esvaziar-se. No entanto, a pressão política não vai desaparecer tão facilmente.

A Esquerda Unida, através de seu dirigente Cayo Lara afirmou ontem que vai defender na próxima terça no Congresso um movimento para pedir uma comissão de inquérito, enquanto o PSOE continua a insistir na sua própria comissão para investigar apenas o caso mais recente com o banco Bankia para evitar que as responsabilidades de Zapatero, seu ex-primeiro ministro também seja investigado.

Mas já abriu-se outra frente, já anunciou na semana passada Cayo Lara, coordenador da Frente da qual participa o antigo PCE, partido comunista espanhol. É o pólo social. A mobilização da sociedade civil também deve empurrar para o estabelecimento desta comissão da verdade sobre as instituições financeiras.

Com este objetivo a federação de partidos lançou esta manhã em conferência de imprensa, sua campanha publicitária a ser distribuída em todas as cidades da Espanha, para estimular os movimentos políticos e sociais para realizarem em conjunto esta pesquisa.

O principal cartaz diz “Queremos saber a verdade sobre a crise bancária”

Em suma, o partido quer começar a explorar “tudo” sobre o desastre dos bancos , sem restrições ou limites, sem confiná-la ao Bankia, como quer o PSOE.

Este fim de semana, a federação se reuniu com  a UGT ( Central Sindical de Esquerda)  Ecologistas em Ação, ATTAC, Gestha (o sindicato dos técnicos de Finanças), CGT e OSU- e todos eles concordaram em trabalhar em direção a esse objetivo comum.

Para permitir mais agilidade, haverá “respeito mútuo” entre todas as organizações, cada uma realizando em princípio, cada pesquisa e cada ato político em separado, o que não significa que não desenvolverão ações conjuntas.

Por exemplo, o grupo já está trabalhando em um manifesto comum . Nos próximos dias haverá outra reunião para avançar, e em que Lara deverá ser a adição de outros movimentos.

A federação de partidos de esquerda irá implantar os seus quadros em todo o país para dizer às pessoas que têm de se mobilizar se quiserem saber o que aconteceu, se tornem mais  “conscientes” do problema.

O objetivo é que ” pressão social “cresça lentamente para forçar o PP para constituir a comissão de investigação no Congresso.

“Nós não vamos parar até que vemos no Parlamento, esta comissão da verdade “, disse ele.

A “farsa” coberta por dinheiro público

“Uma chave importante é saber a profundidade do “buraco financeiro” das instituições financeiras.Ninguém se atreve a dimensionar isso. Poderia chegar não só aos 100 bilhões de euros, mas aos 300 bilhões. Essa lacuna na informação, este “embuste”, está desconsiderando o que já foi coberto antes com fundos públicos. O Bankia foi socorrido agora, mas da mesma forma como antigamente aconteceu com a Caja Castilla e La Mancha, com o Unnim, com a CajaSur, com a Mediterrâneo Poupança… O “desastre” é “tão grande” você tem que saber, “toda a verdade ” e depurar “todas as responsabilidades. E aí “cabeças vão rolar”, como Lara sempre afirmou.

O coordenador da IU considerou que é preciso primeiro “esgotar” todos os canais políticos e parlamentares para investigar a crise financeira, porque é “o caminho lógico em um país democrático”, como fizeram os Estados Unidos com o Lehman Brothers. Então vamos ver.

Fontes da IU esclareceram que o que a intenção final da investigação é registrar uma queixa-crime “com nomes” dos suspeitos, no Supremo Tribunal. Uma fórmula mais flexível traria a queixa apenas para o Ministério Público.

Impossível não perguntar a Cayo Lara na entrevista de segunda-feira sobre as declarações do primeiro ministro Mariano Rajoy no sábado, em Sitges (Barcelona). ” Nós não estamos na borda de um precipício “, disse ele, tentando incutir otimismo. Palavras de “encorajamento” que um dia mais tarde, em entrevista à Efe, foram praticamente desmentidas pelo porta-voz do PP no Ministério das Relações Exteriores, José Maria Beneyto. O salvamento da Espanha, disse ele, é uma possibilidade que “não pode ser excluída” .

“Eu não sei se existe uma síndrome no palácio de Moncloa que se move como um legado”, disse Lara sarcasticamente. Por exemplo, no seu tempo, Jose Luis Rodriguez Zapatero disse, era “muito otimista”, que via a “luz no fim do túnel”, passando “toda a legislatura a negar a crise”, atitude que Rajoy criticou constantemente.

“Agora Rajoy “tomou de Zapatero a síndrome da negação. Mas os fatos são teimosos e não se pode dizer bobagens às pessoas”, denunciou, “especialmente quando a Espanha está de fato, sob uma intervenção do governo europeu sediado em Bruxelas.Transparência é o que dá credibilidade e opacidade, desconfiança”, advertiu Lara.

Leia também:

Mike Whitney: Uma campanha clandestina contra os direitos sociais





4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

abolicionista

11 de junho de 2012 às 01h02

Os bancos representam a hegemonia do capital financeiro. Essa vai ser a luta de classes da década. A população contra os bancos.

Responder

Fabio Passos

10 de junho de 2012 às 13h04

Se a sociedade não reagir a verdade será enterrada pelo status quo e a mídia-corporativa.
Vivemos na ditadura do capital.
E já passou da hora de derrubar o regime…

Responder

    Roberto Locatelli

    10 de junho de 2012 às 18h09

    É isso aí. Ou a sociedade enfrenta os bancos ou os bancos farão o mundo mergulhar numa recessão.

Marcelo de Matos

10 de junho de 2012 às 12h23

Bancos falidos na Espanha? E o caso dos nacionais Votorantim, Panamericano e Cruzeiro do Sul não merece uma investigação?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding