VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Dirceu, Genoíno e Delúbio são condenados por formação de quadrilha


22/10/2012 - 20h31

de CartaCapital

Em um julgamento apertado, os ministros do Supremo Tribunal Federal decidiram nesta segunda-feira 22 pela condenação da maioria dos réus no item dois da ação penal do “mensalão”. Com isso, o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, José Genoíno, Delúbio Soares e Marcos Valério foram considerados culpados por 6 ministros e inocentes por 4.

Os demais réus Cristiano Paz, Ramon Hollerbach, Rogerio Tollentino, Simone Vasconcelos, Katia Rabello e José Roberto Salgado acabaram condenados pelo mesmo placar. Por unanimidade, Geiza Dias e Ayana Tenório foram consideradas inocentes. Já Vinícius Samarane recebeu cinco votos pela condenação e cinco pela absolvição.

A ministra Rosa Weber foi a primeira a votar na sessão, seguindo a divergência aberta pelo revisor Ricardo Lewandowski ante a análise do relator Joaquim Barbosa. A magistrada entendeu não haver formação de quadrilha devido à inexistência de associação para realizar crimes indeterminados sem objetivo final. “Associação para empreender uma única operação concreta e pontual extinguindo-se neste mesmo ato, embora com características similares [à formação de quadrilha], não constitui associação ilícita”, disse ao citar um caso do Supremo argentino.

Para a ministra, uma quadrilha pressupõe uma entidade autônoma, estável e com vínculos que transcendem a vontade dos integrantes, com um centro autônomo de imputações fáticas das ações prosseguidas. “Os chamados núcleos político, financeiro e publicitário jamais formaram uma sociedade par delinquir, sobreviver e usufruir dos crimes. Havia um objetivo de conseguir apoio ao governo e todos os fatos típicos em torno sempre tiveram como objetivo garantir isso.” Por isso, haveria coautoria de crimes praticados de forma continuada, já julgados pelo Supremo em outros itens.

O entendimento levou Barbosa a sustentar que a posição poderia restringir o enquadramento desta conduta à apenas crimes de sangue, como sequestro e roubo, excluindo os de colarinho branco. Uma afirmação à qual a ministra Cármen Lúcia também manifestou preocupação, mas, ao adiantar seu voto, disse não se aplicar a esse caso.

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral acompanhou a divergência do revisor, defendendo a não existência de quadrilha neste item. “Seria necessário fazer uma associação estável e permanente para crimes em geral. Não me parece que tenha havido a comprovação de que houve a constituição de uma associação com fins a durar indeterminadamente com tais finalidades.”

Há, segundo ela, indivíduos que chegaram a cargos de poder de maneira legítima e empresa com atividades legitimas, que em seus postos de trabalho violaram a lei. Motivo pelo qual respondem por outras acusações. “Não chegaram ao poder para cometer os crimes. Os crimes não foram praticados porque uma associação foi criada para este fim.”

Em seguida, Luiz Fux sustentou estar provado que os três núcleos do esquema uniram-se para criar um projeto “delinquencial” para tornar refém a Câmara dos Deputados, o que colocou em risco a paz pública. “A quadrilha atuou por quase três anos, uma duração incomum para uma coautoria. A prática de um projeto delinquencial precisa de um tempo para alcançar seu objetivo e a união de três núcleos foi fundamental para isso ocorresse.”

O ministro entendeu estar configurada a conduta por haver o conhecimento dos acusados sobre crimes contra a administração pública e o sistema financeiro julgados anteriormente, além de se caracterizar a associação de ao menos quatro pessoas para prática de crimes indeterminados, não sendo necessário que estes fossem o único objetivo da ação. “O acervo probatório induz inequivocamente que os réus se associaram para prática de vários crimes. Era um grupo voltado à prática de um ilícito impar do país.”

De forma resumida, Dias Toffoli pediu para que seu voto escrito fosse anexado aos autos e declarou que apenas seguira o voto do revisor. Em seguida, Gilmar Mendes considerou a existência da quadrilha. “A necessidade de cada um [dos réus] encontrou no outro a sua necessidade de satisfação, o que levou a uma longa associação interrompida apenas com a denúncia de Roberto Jefferson.”

Leia também:

Ramatis Jacino: O sonho do ministro Joaquim Barbosa pode virar pesadelo

Comparato: Pretos, pobres, prostitutas e petistas

Dalmo Dallari critica vazamento de votos e diz que mídia cobre STF “como se fosse um comício”

Rubens Casara: “Risco da tentação populista é produzir decisões casuísticas”

Gurgel pede arquivamento de denúncia contra deputado que recebeu de Cachoeira

Luiz Flávio Gomes: “Um mesmo ministro do Supremo investigar e julgar é do tempo da Inquisição”

Paulo Moreira Leite: Denunciar golpe imaginário é recurso “quando se pretende promover ruptura”

Marcos Coimbra: STF invade atribuições dos demais Poderes

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


52 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mário SF Alves

23 de outubro de 2012 às 13h39

O mal do demônio é acreditar que pode MESMO ter o domínio integral sobre a alma das pessoas. E é aí tá a m*#@*. O PiG local e seus asseclas, de igual modo, acreditam mesmo que sejam capazes de nos manipular tanto e a tal ponto que já seríamos nada mais que uma gosma amorfa, qualquer. Acreditam mesmo que não seremos capazes de reagir. Ledo engano. Os islandeses estão provando magnificamente o contrário; os espanhóis, os portugueses e os gregos, de certa forma também.
.
Não passarão!
.
Tudo pela CONSTITUIÇÃO! Tudo pelO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO!

Responder

Mário SF Alves

23 de outubro de 2012 às 12h24

Essa análise tá ao ponto. Devia ser considerada ferramenta nacional de *ensaboar troll.
*Ensaboar no sentido de tirar as cracas ideológicas; aqueleas que se formaram num passado ainda não muito distantes.

Responder

Luiz Fortaleza

23 de outubro de 2012 às 09h49

Qdo o Ministério Público, à época, queria enquadrar 40 réus para associar a lenda do “Ali babá e os 40 ladrões”, era para dar matéria-prima política para a imprensa privada empresarial especular, sensacionalizar. Tiveram que reduzir pra 37 réus. Agora, da mesma maneira, incluíram 13 réus como formação de quadrilha para associar à sigla partidária do PT. Coincidência? Não. Proposital. Por mais que eu tenha minhas críticas duras ao PT e ache que houve erro estratégico político de sua cúpula, não posso ignorar essas questões. O objetivo era macular o PARTIDO e não alguns de seus membros. Numa analogia, minha família toda não pode ser imputada de criminosa, caso um de seus membros tenha cometido crime ou ilícito. Caso contrário, poderíamos condenar a Igreja Romana Católica pelas atrocidades que ela cometeu na Idade Média com a “Santa” Inquisição, perseguindo, assassinando, prendendo ou queimando mulheres na fogueira, além de comercializar falsos pedacinhos da cruz de Cristo ou pedaços do santo sudário para arrecadar dinheiro. Portanto, tendo uma mídia como a nossa que sempre foi antipática ao PT, desde seu nascedouro,em que parte dela ignorou o movimento das “Diretas já” ou apoiou a ditadura, como a Rede Globo, ou que usou diretores como Boni, para auxiliar Collor, ao forjar provas contra Lula no último debate da GLOBO, sendo papéis em branco numa pasta, confessado tal fato em seu livro, então temos que ponderar e contemporizar os fatos. Por isso, eu não vou me deixar manipular emocionalmente a partir de um falso moralismo político pregado por aqueles q não têm moral para tal. O tempo é o senhor da verdade e vou aguardar esta verdade vir à tona com o tempo. Os precipitados, os céticos ou pessimistas, os radicalizadores puritanos de esquerda, que me perdoem, mas não vou entrar nesse jogo midiático da espetacularização de um julgamento suspeito, com juízes suspeitos na sua imparcialidade por estarem ligados indiretamente ao PSDB-DEM, usando termos pesados, ao comparar Dirceu à quadrilha criminosa dos morros cariocas ou favelas paulistas. Dirceu, por mais antipático, arrogante politicamente que seja, tem história de luta pela redemocratização deste país. Não é qualquer um. Ele fez história no Brasil. Não enriqueceu, assim como nenhum membro hoje condenado do PT. Se fatos nus e crus são peças da verdade, então que esta verdade seja considerada nas opiniões.

Responder

    Mário SF Alves

    23 de outubro de 2012 às 11h42

    Bravo!

Roberto

23 de outubro de 2012 às 07h03

O Marco Aurelio Mello chegou a fazer uma piadinha com o número 13, e pra chegar a esse número condenou a Geiza que TODO MUNDO absolveu, só pra completar o 13 !
É um absurdo completo … As consequências disso são imprevisíveis.
Por ora, não há Supremo nem Globo que faça o Serra se eleger prefeito de SP.
Mas, para 2014, não se sabe …

O Golpe paraguaio lançou um modelo a ser seguido.
Eles que mexam com o Lula…

O povo vai para as ruas e eu estarei com eles. Se for o caso, invadiremos o Supremo!

Não brinquem com o presidente que tirou mais de 40 milhões de pessoas da pobreza absoluta.
Não brinquem com o povo. O Brasil é PT o povo é PT !

Não vamos aceitar o golpe paraguaio que a mídia golpista a direita e o STF estão colocando em curso no Brasil !

Não vamos deixar que eles criminalizem a política para tirarem o poder de escolha do povo , para tomarem o poder para si.
Nao vamos aceitar que o STF, a MídiaGolpista e a direita , os mesmos de sempre, sejam o poder acima do poder político do povo e acima de todos os outros.
Responder

Responder

    Mário SF Alves

    23 de outubro de 2012 às 11h44

    Igualmente, Bravo!

anac

23 de outubro de 2012 às 06h58

Condenados que escaparam das penas pela prescrição: o ex-dono do Banco Econômico e ex-ministro da Indústria e Comércio Angelo Calmon de Sá; o ex-senador Luiz Estevão; o empresário Artur Falk, ex-dono do Papa-Tudo; o ex-presidente do Banco Central Chico Lopes e dirigentes do Banco Marka e FonteCindam, além da quadrilha do fiscal da Receita Federal Rodrigo Silveirinha;Sentenciado a 28 anos e 10 meses de prisão por fraudes de US$ 16 bilhões e prejuízo de US$ 9 bilhões aos cofres públicos, o ex-dono do Banco Nacional Marcos de Magalhães Pinto ficou três dias na carceragem da Polícia Federal no Rio pelosn crimes- fraude de balanço, formação de quadrilha, gestão fraudulenta e forjar informações ao Banco Central – já prescreveram e as penas foram extintas.
Um homem ficou preso, no paraná, mais de dois anos por furtar doze pés de alface e cinco cabeças de repolho. Outro, dezesseis vassouras. Outro, uma dúzia de telhas Eternit, e outro, acredite, um pacote de cigarro;Uma empregada doméstica NEGRA, ficou 06 MESES PRESA por furtar UM POTE DE MARGARINA!Daniel Dantas desviou BILHÕES DE REAIS da economia brasileira;ofereceu UM MILHÃO DE REAIS DE SUBORNO a um DELEGADO DA PF e…FOI SOLTO PELO MINISTRO GILMAR MENDES!

Responder

    anac

    23 de outubro de 2012 às 07h01

    Dá para acreditar na “justiça”” do Poder Judiciário brasileiro?
    Contra fatos não há argumentos.

    Mário SF Alves

    23 de outubro de 2012 às 11h46

    Bravo!, Ana. Bravíssimo! Não passarão!

Alexandre Mendes

23 de outubro de 2012 às 03h12

O seu comentário está aguardando moderação.

Que falta fazem ao STF um Paulo Brossard, um Maurício Corrêa, um Fábio Comparato…

A grande falha do presidente Lula e do PT foi na nomeação de elite para o STF.

É preciso urgente reforma do judiciário, que vem se achando no falso direito de LEGISLAR, desde a absurda decisão de retirar os deputados que mudaram de partido. Nenhum dispositivo na Lei Eleitoral impedia a mudança de partido e obrigava a entrega do mandato.

O “stf” (em minúsculas) legislou naquele episódio e vem legislando desde então, GOLPE em coro com a mídia PiG corrupta e entreguista.

Temos que reagir a esse absurdo perpetrado por esses juízes que agora acusam partidos políticos de mazelas forjadas na mídia delirante.

Quer dizer que participar de um partido político é formar quadrilha? Então terão que condenar mais de 5 milhões de brasileiros afiliados a todos os partidos políticos…

O ABSURDO dessas declarações não tem cabimento.

Estamos num país do delírio?

Estamos num país do desrespeito à vontade de milhões de cidadãos que votaram no PT e na sua política de governo que vem acabando com a miséria e o desemprego?

Milhões de reais gastos com esses senhores “argumentado” em milhares de páginas por 3 meses, para depois mudarem o voto de um dia pro outro?

Que país é esse?

Que tribunal é esse?

Responder

    Mário SF Alves

    23 de outubro de 2012 às 11h50

    Não foi falha, não, prezado Alexandre. É que quando não têm mais como dissimular, apelam pra isso que estamos vendo. Apelam pra o estado deles, o estado que tem o monopólio da violência pura, o horrível e aterrorizante estado de fato.

sandro

23 de outubro de 2012 às 02h33

Duvido que alguem vá trocar o voto do Hadadd pelo Serra por causa disso.
A população não gosta de ser pega de surpresa( Abílio Diniz e as camisetas), e esse julgamento esteve em disputa de audiência coma “av.Brasil.

Responder

Messias Franca de Macedo

23 de outubro de 2012 às 00h26

PAUTA PARA O STF! ALÔ, ALÔ, JOAQUIM BARBOSA, ‘O INCLEMENTE’! [RISOS]

ACM Neto e família construíram fortuna se aproveitando da máquina pública
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=rmKDR-LftG4#!

EM TEMPO: “supremo ministro do supremoTF”, Luiz Fux, “a ação penal acima é pra rico ou pra pobre?!…”

Que país é esse, sô?! República de ‘Nois’ Bananas, responde, “na lata”, o matuto ‘bananiense’!

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo – empanturrado de pipoca e água de coco, elevando a audiência da TV (In)Justiça!…

Responder

Messias Franca de Macedo

23 de outubro de 2012 às 00h19

… [Dias atrás] Até o Paulo Salim Maluf sacaneou com os tucanoDEMoníacos: “A compra de votos para a re-eleição de FHC foi comprovada!…”
CACHOEIRA – perdão, ato falho -, FONTE: grande ‘MÉRDIA’ nativa!

Que país é esse, sô?! República de ‘Nois’ Bananas, responde, “na lata”, o matuto ‘bananiense’!

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo – empanturrado de pipoca e água de coco, elevando a audiência da TV (In)Justiça!…

Responder

FrancoAtirador

22 de outubro de 2012 às 23h51

.
.
HOUVE 4 VOTOS PELA ABSOLVIÇÃO!

CABERÁ AGRAVO REGIMENTAL,

PORTANTO NOVO JULGAMENTO!
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    23 de outubro de 2012 às 00h19

    .
    .
    Correção:

    CABE EMBARGOS INFRINGENTES CONTRA A DECISÃO DO STF

    Defesa de Dirceu recorrerá

    “A defesa julga adequado entrar com embargos infringentes em favor do ex-ministro José Dirceu. Ao contrário da maioria (dos ministros), entendo que ficou demonstrado na ação penal a inexistência da prática, pelo ex-ministro José Dirceu, do crime de quadrilha. Vamos agora aguardar a publicação do acórdão para propor os embargos infringentes em favor do meu cliente”, disse.

    O regimento interno do Supremo, no artigo 333, diz que cabem embargos infringentes nos casos em que haja quatro votos favoráveis à tese vencida – no caso, a absolvição de Dirceu.

    Fonte: TERRA

    FrancoAtirador

    23 de outubro de 2012 às 00h55

    .
    .
    STF
    REGIMENTO INTERNO

    Art. 333 – Cabem embargos infringentes à decisão não unânime do Plenário ou da Turma:
    I – que julgar procedente a ação penal; (!!!)

    II – que julgar improcedente a revisão criminal;
    III – que julgar a ação rescisória;
    IV – que julgar a representação de inconstitucionalidade;
    V – que, em recurso criminal ordinário, for desfavorável ao acusado.

    Parágrafo único. O cabimento dos embargos, em decisão do Plenário, depende da existência, no mínimo, de quatro votos divergentes (!!!), salvo nos casos de julgamento criminal em sessão secreta.

    http://www.dji.com.br/normas_inferiores/regimento_interno_e_sumula_stf/ristf__0330a0336.htm

    Mário SF Alves

    23 de outubro de 2012 às 11h52

    Novo julgamento?!! Você quis dizer “novo envergonhamento”; “novo linchamento”, não?

    Mário SF Alves

    23 de outubro de 2012 às 12h16

    Desculpa aí, Franco. Foi mal. Reconheço que não era o momento pra ironias.

FrancoAtirador

22 de outubro de 2012 às 23h35

.
.
Sentença política e “paz política”: o julgamento que não terminará

Da nossa parte – esquerda em geral e do PT – não podemos esquecer que é preciso não só discutir os efeitos políticos do julgamento, mas também as condições institucionais e políticas que abriram espaços para os nossos erros. Isso significa privilegiar duas lutas de fundo, sem as quais tudo pode acontecer de novo: financiamento público das campanhas e verticalidade das alianças, para formar partidos fortes.

O artigo é de Tarso Genro, na Carta Maior

A conservação das diferenças de “status” social e político – no regime do capital – é, também, uma das funções mais importantes do Estado Democrático de Direito. Este Estado tanto deve absorver conquistas como manter as diferenças dentro de certos limites, que são da natureza do regime do capital.

As diferenças a serem preservadas, porém, não se esgotam nas diferenças de classe, que naturalmente existem no capitalismo. São, também, as diferenças no tratamento que o Poder Judiciário necessariamente dá às distintas correntes ideológicas e de opinião. Foi esta a carga cultural que se apresentou na mídia de maneira uniforme sobre o Supremo. No caso, travestida de “luta contra a corrupção” e que, certamente, teve um impacto brutal na cabeça de cada Juiz do Supremo.

Perceba-se que, num ponto, ocorreu um empate estratégico: nem a mídia conseguiu mobilizar apoios de massas, para a condenação que ela já tinha feito, nem o PT conseguiu – sequer pretendeu – mobilizar bases sociais para pressionar legítima e legalmente o STF, por um “julgamento justo”. O que, por si só, indica que sabíamos que as nossas bases desconfiavam que algumas contas deveriam ser ajustadas.

No caso concreto do mensalão, como em tantos outros, não se trata de uma divisão linear ou de alinhamento automático a partir de classes sociais, nas distintas posições políticas sobre o julgamento, trata-se de um juízo dividido sobre a vida presente: as políticas do governo Lula, a “ralé” melhorando a vida dos pobres, os sindicalistas e intelectuais de esquerda “mandando” milhões de pessoas para fora da miséria; os negros pobres e os pobres do campo chegando nas Universidades, nas escolas técnicas federais, a Presidenta enfrentando a “sanha dos bancos”. Ou seja, uma pequena cobertura “real”, que o cheque com poucos fundos da democracia “formal” jamais ofereceu para a maioria do povo brasileiro.

No caso do “mensalão”, os foros de legitimação do julgamento foram amplos e não foram feitos somente pela mídia: a extrema esquerda corporativa se uniu, de maneira siamesa, ao “conglomerado” demo-tucano. Não somente apresentando candidatos “contra os políticos”, mas também fiéis escudeiros do moralismo udenista, promovido pela grande mídia. Perfilaram o lado dos “puros” contra os “políticos impuros”: o neoliberalismo, como utopia da direita, abraçou-se ao economicismo adjetivado de impropérios esquerdistas, para atacar um projeto político que vem resgatando da miséria milhões de brasileiros.

Os delitos que os réus cometeram – ou não cometeram – foram secundarizados neste processo do “mensalão”. Mas, o “lado” que os réus estiveram no processo político recente este, sim, foi muito importante e precisava ser vulnerabilizado. Tratava-se – como foi repetido exaustivamente em horário nobre – de “um esquema do PT para se eternizar no poder”.

As provas dos crimes se tornaram, assim, secundárias e o processo judicial poderá legar – num desserviço político à democracia – ao invés de condenados por crimes provados, “mártires” do ataque aos princípios “garantistas”. Alguns foram condenados, não pelos crimes provados, mas por suposições enquadradas (de fato) como “crimes políticos” para comprar reformas”.

O Estado Democrático de Direito não foi organizado para ser perfeitamente “justo”, mas o foi para ser adequado a um período histórico democrático do desenvolvimento capitalista, com desigualdades. E, muito menos, foi produzido para “revogar” o controle do capital sobre a vida pública e privada. Nem tiveram esta pretensão os seus constituintes. O que o Estado de Direito reflete, em geral, é o encravamento de conquistas do mundo do trabalho, do iluminismo democrático e das lutas libertárias da inteligência socialista mundial, no cerne do Estado.

Esta sua virtude é, todavia, uma finalidade secundária da sua organização jurídica, embora ela seja real e importante. A sua finalidade principal é manter, com um mínimo de coesão social, as desigualdades num nível em que as demandas de igualdade real não ameacem o desenvolvimento do capitalismo.

Da nossa parte – da esquerda em geral e do PT – não podemos esquecer que é preciso não só discutir os efeitos políticos do julgamento, mas também as condições institucionais e políticas, que abriram espaços para os nossos erros. Isso significa privilegiar duas lutas de fundo, sem as quais tudo poderá acontecer de novo: financiamento público das campanhas, para reduzir a influência das empresas no comportamento dos políticos e verticalidade das alianças, para formar partidos fortes, que possam se libertar das alianças sem princípios no Estado. Estas reformas sim ajudarão a melhorar todo o espectro político do país e, especialmente, ajudarão a viabilizar uma atuação mais autêntica da esquerda no palco da democracia e no cenário da Revolução Democrática.

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=21118

Responder

Messias Franca de Macedo

22 de outubro de 2012 às 23h05

… Além do próprio “supremoTF”, quem irá acabar de DESMORALIZAR esta pífia corte será uma Corte Internacional!…

Amanhã
Guilherme Arantes

[http://letras.mus.br/guilherme-arantes/46300/]

Amanhã!
Será um lindo dia
Da mais louca alegria
Que se possa imaginar
Amanhã!
Redobrada a força
Pra cima que não cessa
Há de vingar
Amanhã!
Mais nenhum mistério
Acima do ilusório
O astro rei vai brilhar
Amanhã!
A luminosidade
Alheia a qualquer vontade
Há de imperar!
Há de imperar!

Amanhã!
Está toda a esperança
Por menor que pareça
Existe e é pra vicejar
Amanhã!
Apesar de hoje
Será a estrada que surge
Pra se trilhar
Amanhã!
Mesmo que uns não queiram
Será de outros que esperam
Ver o dia raiar
Amanhã!
Ódios aplacados
Temores abrandados
Será pleno!
Será pleno!

BRASIL NAÇÃO – em homenagem ao verdadeiro, honesto e sapiente povo trabalhador brasileiro, vergonha no suor da cara, em cada fio do bigode, se bigode houver, em cada passo acelerado, tatuagem amassada no barro da luta…
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

22 de outubro de 2012 às 22h40

… Ah!, “supremo do supremoTF”, ministro Luiz Fux, em se tratando de Brasil, a natureza ímpar do *mensalão é a cronologia: o julgamento [midiático] da ação penal 470, eminentemente política – e já julgada na pertinente instância política -, transcorrer no bojo de um período eleitoral, ficando para a fase mais aguda, leia-se ‘dosimetria’, o privilégio da semana do sufrágio!…

… Ímpar é uma Corte “suprema” condenar-se à própria sorte!…

Messias Franca de Macedo – empanturrado até “a goela” de ‘requeijão diet’ (sic), pão integral e suco de graviola, elevando a audiência da TV (In)Justiça!
Feira de Santana, Bahia
República de ‘Nois’ Bananas

Responder

Svibra

22 de outubro de 2012 às 22h23

Está tudo gravado, com cenas de excelente qualidade. Cada manifestação desses Ministros, cada contorcida nas bases do Direito, cada ironia, cada insulto – tudo gravado. A história cedo (espero) ou tarde irá retomar este julgamento, como retomará também todo o tratamento cerimonioso concedido as que realmente cometeram crimes lesa-pátria. Retomará também ainda que tardiamente o julgamento do “mal necessário” proferido por quem tem o dever de, pelo menos em público, dizer o contrário.

Haverão manifestação após o segundo turno, ou não temos culhões.

Responder

    francisco.latorre

    22 de outubro de 2012 às 23h10

    isso.

    isso exatamente.

    ..

    Jair Fonseca

    22 de outubro de 2012 às 23h16

    A propaganda eleitoral (e anti-eleitoral) do Marco Aurélio Mello foi tão escancarada, que até ele deve ter se tocado. Isso não é postura de jurista, mas de militante político. Aliás, defensor da ditadura, como se sabe, e preocupado com a eleição para prefeito de São Paulo: “No caso, houve a formação de uma quadrilha das mais complexas, envolvendo, na situação concreta, o núcleo dito político, o núcleo financeiro e o núcleo operacional, mostrando-se os integrantes em número de 13. É sintomático o número de integrantes da suposta quadrilha. Treze é também o número do Partido dos Trabalhadores (PT).”

    Messias Franca de Macedo

    22 de outubro de 2012 às 23h51

    … Este tipo de entendimento destes “tipos de supremos”, reforça em mim a convicção de que… AS RUAS, BECOS, AVENIDAS E O ESCAMBAU ESPERAM – E CLAMAM – POR VOZES! OU NÃO?!…

    EM TEMPO: nem de longe, eu troco os 11 jogadores do *ÍBIS Sport Clube por esses e essas 11 supremos(as) mesmo reforçados pelos suplentes(!)…

    *O Íbis Sport Club é um clube de futebol da cidade de Paulista, no estado de Pernambuco. O time ficou famoso depois que ganhou o epíteto de “pior time do mundo”, afinal de contas “nada pode ser pior”. O mascote do time é o íbis, animal da mitologia egípcia.
    No final dos anos 1970 e início dos anos 1980, o Íbis ganhou fama mundial por sua péssima qualidade nos gramados. Graças a nove derrotas consecutivas e depois uma sequência de 23 jogos sem vitórias, conquistou fama nacional. Foram três anos e onze meses sem comemorar uma única vitória, recorde registrado no Livro Guinness dos Recordes. A fama de pior time de mundo veio com uma brincadeira de jornalistas da época, mas pegou.
    (…)
    http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%8Dbis_Sport_Club

    UM CERTO CONTO!

    O íbis
    Um jovem íbis endiabrado, após ter aprendido a correr e a voar, não parava quieto. Estava continuamente procurando alimento e comia tudo o que encontrava.
    Porém, certa manhã, o jovem íbis ficou no ninho. Estava com febre e com uma terrível dor de estômago.
    Sua mãe, assustada, correu para vê-lo, olhou para ele, tocou-o com o bico e com as patas para ver se estava quente e disse:
    – Já sei. Você comeu alguma coisa que não devia, porque você é guloso demais, e foi isso o que fez mal a você.
    Em seguida a essas palavras a mãe íbis voou para o poço e encheu o papo de água. Voltando para o ninho, com seu longo bico aplicou-lhe um clister…

    República de ‘Nois’ Bananas
    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

    Mário SF Alves

    23 de outubro de 2012 às 12h06

    Beleza de conto; quase uma fábula. Serve pra qualquer estado febril. Mesmo para aqueles que se desatinam a espernear: mensalão! mensalão! mensalão! Mesmo para aqueles que em estado de completo delírio e em nome do “tudo contra o PT” e respectiva possibilidade de superação definitiva do secular, vergonhoso, injusto e desumano subdesenvolvimento rasgam a nossa CONSTITUIÇÃO. Clister de brasilidade neles.

    sandro

    23 de outubro de 2012 às 02h25

    Calma.
    Vamos invadir o castelo primeiro.
    Mensalão é tática do desespero, tanto que a oposição encolheu.
    Tenho certeza que nada esta encerrado, quietude também é arma.

    francisco.latorre

    23 de outubro de 2012 às 18h55

    pois.

    ..

    Mário SF Alves

    23 de outubro de 2012 às 20h16

    Bis no pois.

Messias Franca de Macedo

22 de outubro de 2012 às 21h57

[O texto revisado! Perdão!]

‘O FATO É (D)O DOMÍNIO!’ ENTENDA

“… Era um grupo voltado à prática de um ilícito *ímpar do país.” “supremo” ministro Luiz Fux

*[… ímpar!(?)…]

… Há mais ou menos 06 (seis) meses, a ‘RouboNews’ vem apresentando chamadas nas inserções comerciais dos seus programas: “Preparem-se para acompanhar, em breve, ‘o julgamento do século’ (sic – adendo nosso), o julgamento do mensalão (o mensalão do PT, revisor)!” Ora, ora “seu dotô”, para não retrocedermos muito no tempo, ‘o golpe começou a ser televisionado’ “por essas bandas do tempo!”…
… Portanto, os juízes e as juízas do “supremoTF” se permitiram “votar com a espada do PIG no pescoço”, a opinião pública já doutrinada a esperar o momento auspicioso para tripudiar da carnificina alheia!…
… Em sendo assim, “a nação não poderia ser frustrada em suas expectativas de verem os corruptos serem, afinal, dizimados da face do Brasil!” E, aí, tornasse ‘plausível’ e ‘crível’ o [absoluto!] ineditismo: em não havendo prova nos autos, desengavetemos dos subterrâneos Kafkanianos o tal ‘domínio do fato’!…

IMPORTANTE: “os supremos” esqueceram em combinar com o povo! O povo que tem vergonha no suor da cara não vai “deixar barato” este acinte, mesmo porque ninguém é bobo a ponto de ficar esperando a aplicação do tal ‘domínio do fato’ nos julgamentos dos outros mensalões! Uma ova!…

EM TEMPO: talvez os advogados dos réus e o próprio PT se animem!

http://www.juristas.com.br/informacao/revista-juristas/mensalao-lavagem-de-dinheiro-e-organizacoes-criminosas/1360/

http://www.juristas.com.br/informacao/artigos/mensalao-julgamento-do-stf-pode-nao-valer/1339/

http://www.conjur.com.br/2012-out-21/obra-raimundo-pereira-traz-outra-versao-mensalao

“Era um grupo voltado à prática de um ilícito impar do país.” “supremo” ministro Luiz Fux

Uma reflexão superficial acerca desta afirmação já é o suficiente para entendermos a singularidade da AÇÃO PENAL 470: senhores e senhoras “supremos(as)” do “supremoTF”, realmente, o processo midiático a soldo das oligarquias ‘nacioná’ ‘foi um mal necessário’, de modo análogo à ditadura, considerada ‘ditabranda’ pelos Frias e pelo “colega supremo” das Vossas Excelências, ministro Marco Aurélio ‘Mello’!… [A ação penal 470] ‘Foi um mal necessário’, primeiro e único, ímpar, conforme a afirmação reveladora ‘do algoz de araque’, ministro Luiz Fux… “Supremas Vossas Excelências”, convidem ‘os jornalistas colegas dos patrões’, ‘os patrões barões da MÉRDIA nativa’, Daniel Dantas, Gregório Preciado, “advogado” Marconi ‘Periggo’… Senhores e senhoras “supremos(as)” reúnam-se numa pizzaria de Brasília (idem sic), degustem o vinho barril de carvalho mais saboroso… Arrotem, arrotem,… Sem cerimônias, “sem se preocupar com os fatos!]!… E retornem às suas práticas prosaicas e estritamente fundamentadas nas provas dos autos!…
… Porque a vida – assim como a verdade – não passa de uma quimera!…

A AVÔ DO MATUTO, DÉCADA DE 1970: “… Meu ‘fi’ ‘nada mais mió’ do que o dia que ‘assucede’ o outro!”

Que país é esse, sô?! República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

    Messias Franca de Macedo

    22 de outubro de 2012 às 22h51

    erratas desprezíveis:

    “a nação não poderia ser frustrada em suas expectativas de ver os corruptos serem, afinal, dizimados da face do Brasil!”;

    … Sem cerimônias, “sem se preocupar com os fatos!”…

    A AVÓ DO MATUTO, DÉCADA DE 1970…

    AS RUAS, BECOS E AVENIDAS ESPERAM – E CLAMAM -, ANSIOSAS, POR VOZES! OU NÃO?!…

    Hasta la Victoria Siempre!

    AVANTE VERDADEIRO POVO BRASILEIRO!

    Saudações democráticas, progressistas, nacionalistas, civilizatórias e anti-golpistas,

    República de ‘Nois’ Bananas
    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

Maria Dirce

22 de outubro de 2012 às 21h57

O STF tem muita pressa de dar a sentença condenatória antes de Domingo, pra ver se Serra ganha eleição com a condenação dos réus.O PIG entra em catarse coletiva de alegria.Eles ficam hoje de plantão até domingo pra ver se revertem as pesquisas eleitorais principalmente em SP!!!Lembram do veta Dilma????? agora vamos dizer-Indulta Dilma!!!! até eles julgarem tb, as privatizações, o mensalão dos tucanos em Minas, a liberdade de Dantas etc…….Justiça partidária não!!! O povo ta de olho!!!!!

Responder

Luiz Fortaleza

22 de outubro de 2012 às 21h55

Ministros do STF: Celso de Melo, indicado por Sarney, Ayres Brito, indicado por FHC, Marco Aurélio de Mello, primo terceiro de Collor, Gilmar Mendes, akele q deu habeas corpus a dois banqueiros criminosos, Daniel Dantas e Cacciola que fugiu pra Itália e foi preso depois, além de dar habeas corpus pra um médico estuprador, como inventou também, junto com Demóstenes (seu amigo, empregador de sua enteada no senado), que Abin estava grampeando o STF, negado pela PF. Foram esses os mais incisivos com os políticos do PT. Quebraram a ortodoxia, apelaram para o domínio de fato, sem necessitar de provas concretas, mas de depoimentos suspeitos ditos e desditos, e assim foram heterodoxos. Qualquer um agora pode ser condenado pelo achismo, pelo dedutivismo, pelo subjetivismo, pela simples lógica de uma probabilidade dedutiva construída, como construto científico, por um juiz menor. Isso chama-se Tribunal de Exceção em que tais formas de condenação nunca foram aplicadas a julgamentos anteriores. Ou seja, na dúvida ou na falta de prova consistente ou material, condena-se assim mesmo o réu. Mudaram-se os procedimentos. O risco é qualquer juiz de 1ª instância se utilizar dos mesmos métodos. Agora apelar para um tribunal internacional que não esteja envolvido politica ou emocionalmente com isso e ver a sua posição. Tribunal Interamericano de Direitos Humanos ou de Haia. Até a concepção de “formação de quadrilha” foi reformulada para a condenação dos réus. Joaquim Barbosa, como investigador, não poderia jamais participar como juiz, quebrando assim a regra de tribunais internacionais mais avançados, correndo o risco de receber um pito, pq o Brasil é signatário deles. Então, no futuro, qdo as emoções se livrarem do jogo da manipulação político-midiática, da espetacularização do julgamento, não de políticos de um partido, mas de todo um partido, quem sabe, saberemos melhor a realidade verdadeira de toda essa história ou estória. Que se dissipem as nuvens cinzentas que encobrem tudo isso. O que vi hoje foi a criminalização de um PARTIDO. Eis o que penso.

Responder

Gerson Carneiro

22 de outubro de 2012 às 21h41

Na vida hoje
É tudo pose
Todo mundo se imagina estampado em outdoor

É tudo pose, é tudo pose, é tudo pose
Preocupados com olhares ao redor

Pra entrar no carro
Pra sair na rua
Tudo, tudo vira pose, é bem pior que na TV

Pra tirar um sarro
Cada um na sua
Inventando pose até pra morrer

É tudo pose, é tudo pose, é tudo pose
A vida, vida sempre foi assim

É tudo pose, é tudo pose, é tudo pose
Sai dessa podre ou vê se sai de mim

Pose pra quê?
Pose pra quem?
Com essa pose você não vai ser ninguém

Seja você
Sai do normal
No fim de tudo a vida vira um carnaval

É tudo pose, é tudo pose, é tudo pose
A vida sempre, sempre foi assim

É tudo pose, é tudo pose, é tudo pose
Sai dessa podre ou vê se sai de mim

É tudo pose – Lobão

Responder

    Messias Franca de Macedo

    23 de outubro de 2012 às 00h07

    O melhor lugar do mundo é aqui,
    E agora
    Aqui onde indefinido
    Agora que é quase quando
    Quando ser leve ou pesado
    Deixa de fazer sentido
    Aqui de onde o olho mira
    Agora que ouvido escuta
    O tempo que a voz não fala
    Mas que o coração tributa
    O melhor lugar do mundo é aqui,
    E agora bis
    Aqui onde a cor é clara
    Agora que é tudo escuro
    Viver em Guadalajara
    Dentro de um figo maduro
    Aqui longe em nova deli
    Agora sete, oito ou nove
    Sentir é questão de pele
    Amor é tudo que move
    O melhor lugar do mundo é aqui,
    E agora
    Aqui perto passa um rio
    Agora eu vi um lagarto
    Morrer deve ser tão frio
    Quanto na hora do parto
    Aqui fora de perigo
    Agora dentro de instantes
    Depois de tudo que eu digo
    Muito embora muito antes
    O melhor lugar do mundo é aqui,

    Aqui e Agora
    Gilberto Gil
    letra e música: http://letras.mus.br/gilberto-gil/46186/

    (…)
    Eu vi lagartos(as)
    [“no rio do Júri do STF”],
    a morte parece ser tão fria
    como na hora do parto…

    EM TEMPO: … Ímpar é uma Corte “suprema” DESMORALIZAR-SE à própria sorte!…

    Messias Franca de Macedo – empanturrado até “a goela” de ‘requeijão diet’ (sic), pão integral e suco de graviola, elevando a audiência da TV (In)Justiça!
    Feira de Santana, Bahia
    República de ‘Nois’ Bananas

francisco.latorre

22 de outubro de 2012 às 21h39

os da servidão. voluntária.

comemoram.

a condenação. dos heróis.

..

homens livres. heróis.

incomodam. perturbam.

a bovina paz. dos conformistas.

..

serão perseguidos. punidos. castigados.

pelos ressentidos. os sem coragem sem alma.

..

glória. aos heróis.

..

Responder

Regina

22 de outubro de 2012 às 21h30

Quanta hipocrisia! Onde é que viram quadrilha?

Responder

louro

22 de outubro de 2012 às 21h14

Genoíno, Dirceu e Delúbio tem serviços prestados à democracia Brasil, tem história e a luta continuará até os três seres inocentados.

Responder

    Vlad

    22 de outubro de 2012 às 22h03

    Genoíno sim. Mas isso não o torna inimputável. Depois de velho virou espertalhão.
    Os outros tem serviços prestados a diversas coisas, menos ao Brasil. Aliás, um deles tem duplo serviço prestado.

    Bonifa

    23 de outubro de 2012 às 00h47

    Depois de velho virou espertalhão, amigo? Você conhece Genoino? Não seja leviano, nem ligeiro como certos ministros.

    abolicionista

    23 de outubro de 2012 às 00h49

    Quem você pensa que é para chamar Genoíno de espertalhão? Analfabetismo político é uma coisa, falta de respeito é outra… Lamentável. Esse cidadão advoga oportunamente pela moralidade, mas não consegue disfarçar seus impulsos agressivos, reproduzindo uma argumentação mal-educada à la Soninha. Senhores, apresento-lhes um membro do PSOL.

    Mário SF Alves

    23 de outubro de 2012 às 12h14

    Ei, Vlad! Intuição fuxiana, cara? Ou, o famoso “a considerar a história… tinha de ser assim, não? Cuidado, heim! O melhor juíz por si mesmo julga.

    Vlad

    23 de outubro de 2012 às 20h24

    Tá bom, Magdalenas.
    Troca espertalhão por criminoso condenado.

louro

22 de outubro de 2012 às 21h06

Um STF, que se deixa ser pautado pelo PIG, que se deixa prescionar pela mídia e o mais grave, rasga a Constituição, condenando sem provas, para benificiar um dos lado da disputa política que está em curso no país, mostra o quando está falido o judiciário do brasil….reforma já…

Responder

spin

22 de outubro de 2012 às 21h04

O quarteto pig-stf-mpf-oposição fazendo das tripas coração para que esse tribunal de exceção influencia o resultado eleitoral onde a disputa eleitoral está acirrada, como em Salvador, querem pq querem trazer de volta a cla ACM..,,

Responder

pedro - bahia

22 de outubro de 2012 às 21h00

O oportunismo do julgamento. Encerra-se o julgamento a tempo de tentar recuperar o Serra. O Aires Brito colocou a bola no pênalti para que Serra possa chutar. Só que existe a grande possibilidade de chutar para fora. Deus há de querer.

Responder

Bruce Guimarães

22 de outubro de 2012 às 20h52

Os Brasileiros, na sua maioria, agradece…O Brasil está mesmo mudando!!!

Responder

FrancoAtirador

22 de outubro de 2012 às 20h39

.
.
A Revolução não será televisionada…

O Golpe, sim!
.
.

Responder

    Fabio SP

    22 de outubro de 2012 às 20h53

    O golpe virá agora, com a Dilma idultando os quadrilheiros…

    NãoDesistoNunca

    22 de outubro de 2012 às 21h10

    Excelente ideia, troll… Desde já, movimento nacional e internacional: “Indulta, Dilma!”

    FrancoAtirador

    22 de outubro de 2012 às 21h32

    .
    .
    Equívoco seu, Fabio SP.

    O indulto aconteceria se os condenados fossem do PSDB

    e o Presidente fosse o Fernando Henrique ou o Serra.

    Leia também:

    FHC E A COMPRA DE VOTOS PARA A REELEIÇÃO.

    Novas gravações envolvem ministro do PSDB na compra de votos

    Preço do voto: R$ 200 mil
    segundo os próprios vendedores de voto
    deputados João Maia e Ronivon Santiago

    Brasil Online 14/05/97 20h13
    De São Paulo

    O esquema de compra de votos de deputados federais a favor da emenda da reeleição começa a enredar o governo. Novas gravações obtidas pela Folha envolvem o ministro das Comunicações, Sérgio Motta. Revelam ainda como o deputado João Maia (PFL-AC) vendeu seu voto. Nas gravações, Maia diz que recebeu R$ 200 mil para votar a favor da emenda que pode permitir a reeleição do presidente Fernando Henrique Cardoso.

    Deputado João Maia, ex-PFL
    O deputado revela ainda que a barganha pelo voto previa receber R$ 200 mil do governo federal e outros R$ 200 mil do governo do Estado do Acre. O dinheiro usado na operação, segundo Maia, foi providenciado pelo governador do Amazonas, Amazonino Mendes (PFL), e pelo ministro Sérgio Motta (PSDB).

    Na terça, a Folha havia revelado um esquema de compra de votos de deputados na época da votação da emenda constitucional da reeleição, em janeiro passado. Participaram do negócio, pelo menos, cinco deputados federais do Acre e dois governadores -tudo isso segundo os deputados João Maia e Ronivon Santiago (PFL), este último o que protagonizou as revelações de terça.

    A história contada por João Maia confirma o conteúdo das fitas com conversas gravadas de Ronivon Santiago sobre a venda de votos a favor da reeleição.

    Os diálogos foram gravados sem que os deputados soubessem. Algumas das conversas gravadas com João Maia são posteriores às de Ronivon Santiago.

    Em outras gravações com Santiago também consta a acusação contra o ministro Sérgio Motta.

    Os dois deputados, João Maia e Ronivon Santiago, foram expulsos pelo PFL nesta quarta.

    Maia, relata assim a origem do dinheiro que aceitou em troca de seu voto: “Aquele dinheiro era o dinheiro do Amazonino. Que o Amazonino mandou trazer, por ordem do… do… menino aqui, do Serjão”. E mais: “Pelo que eu sei bem é o seguinte: eram os (R$) 200 (mil) do Serjão, via Amazonino, que era a cota federal, aí do acordo… Ele falou, pra todo mundo, aí, meio mundo, aí”.

    João Maia conta em outro trecho: “Esse dinheiro do Amazonino era o dinheiro que já estava aí. Você entendeu? Que o Serjão já tinha acertado. Mas, como ele soube, quer dizer, acabou pegando o dinheiro do Amazonino para pagar o cheque dele. Quer dizer, no fundo, a gente dançou em 200 paus aí nessa brincadeira”.

    Esse cheque a que João Maia se refere é um pagamento que ele receberia pelo voto a favor da reeleição. O cheque -não fica claro o valor, se R$ 100 mil ou R$ 200 mil- foi entregue por Eládio Cameli, irmão do governador do Acre, Orleir Cameli.

    O cheque nunca foi usado. Nos dias que antecederam a votação do primeiro turno da emenda da reeleição na Câmara dos Deputados, em 28 de janeiro, deputados acertaram a devolução dos cheques em troca de dinheiro vivo.

    De acordo com as gravações, a votação da emenda da reeleição foi precedida por uma grande operação de aliciamento de deputados por parte dos governistas no Congresso.

    Segundo João Maia, a ponta do esquema era o deputado Pauderney Avelino, na época da votação um membro do PPB-AM -hoje está no PFL. “Esse dinheiro é do Amazonino. Promessa do Pauderney aqui. No nosso corredor aqui, falou em 200 paus. Via Serjão” revela o deputado João Maia na fita gravada a que a Folha teve acesso.

    Depois desse contato inicial, havia uma segunda etapa.

    No caso de João Maia, segundo ele próprio, essa fase incluiu uma conversa com o então presidente da Câmara dos Deputados, Luís Eduardo Magalhães (PFL-BA).

    Ouça
    Trechos da fita onde se ouve a voz que seria de Ronivan falando da compra do voto
    (http://www1.folha.uol.com.br/fsp/exclusivo/)

    E leia ainda:

    Sérgio Motta (PSDB) intermediou pagamento de voto pró-reeleição, diz deputado (Folha de S.Paulo)
    Trechos da gravação envolvem o governo na compra de deputados (Folha de S.Paulo)
    ‘Não recebi nada’, afirma Zila (Folha de S.Paulo)
    Perfil de Ronivon Santiago (Folha de S.Paulo)
    Perfil de João Maia (Folha de S.Paulo)
    Perfil de Osmir Lima (Folha de S.Paulo)
    Perfil de Chicão Brígido (Folha de S.Paulo)
    Perfil de Zila Bezerra (Folha de S.Paulo)
    Perfil de Amazonino Mendes (Folha de S.Paulo)
    Perfil de Orleir Cameli (Folha de S.Paulo)
    Deputado nega suborno, mas diz que na Câmara ninguém é ‘anjo’ (Folha de S.Paulo)
    FHC desconhece barganha, diz porta-voz; Paulo Renato não vê risco para emenda (Folha de S.Paulo)
    Câmara abre sindicância para apurar compra de votos revelada por fitas (Folha de S.Paulo)
    Anulação da votação da emenda depende do número de envolvidos (Folha de S.Paulo)
    Deputado diz que vendeu seu voto a favor da reeleição por R$ 200 mil (Folha de S.Paulo)
    Apoio no plenário subiu antes do voto (Folha de S.Paulo)
    Governador do Acre e Amazonas negociaram pagamento a políticos (Folha de S.Paulo)
    Deputado admite sondagem, mas nega ter trocado voto por dinheiro (Folha de S.Paulo)
    Ministro se diz surpreso (Folha de S.Paulo)
    Amazonino está em viagem pela Ucrânia (Folha de S.Paulo)
    Cameli ameaça processar deputado (Folha de S.Paulo)
    Deputado incorporou apelido de “Ronivon” ao nome em 1986 (Folha de S.Paulo)
    .
    .


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.