VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


O que a Globo vai descobrir se o jatinho do JN pousar em Montezuma
Denúncias

O que a Globo vai descobrir se o jatinho do JN pousar em Montezuma


20/08/2014 - 00h19

Por Ricardo Amaral, no Conversa Afiada

Dos 16 minutos cronometrados [da entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo], Dilma falou 10 minutos e meio; [o apresentador William] Bonner, 4 e meio, e Patrícia [Poeta, a apresentadora] quase 1 minuto. Dá 65% para ela e 35% para eles. Dilma pronunciou 1.383 palavras, contra 980 da dupla (766 só do Bonner), o que dá 60% x 40%. Isso é escore de debate, não de entrevista. A dupla encaixou 26 acusações ao governo e ao PT; algumas, com ponto de exclamação. Nos quatro blocos temáticos (corrupção, mensalão, saúde e economia) Bonner lançou no ar 13 pontos de interrogação, e Patrícia, dois. A presidenta foi interrompida 19 vezes. Tomou dedo na cara de Bonner e de Patrícia, que reclamou de uma resposta com um soquinho na mesa. Isso não é comportamento de jornalista. Na entrevista com Aécio Neves – que muitos acharam “dura”, embora tenha sido apenas previsível – a dupla fez quatro interrupções e cinco reiterações de perguntas.

Cópia de bici

Antes de pousar, avisem o menino

por Luiz Carlos Azenha, de Montezuma, Minas Gerais

Estamos, outra vez, em temporada eleitoral. Temporada de entrevistas no Jornal Nacional, de debates, daquele jatinho que cruza os céus do Brasil em busca de discutir os problemas nacionais. Em geral, são os problemas federais. Como os leitores, ouvintes e telespectadores do quarteto midiático — Folha, Estadão, Abril, Organizações Globo — talvez já tenham notado, não existem problemas de fundo em São Paulo, nem em Minas Gerais — por coincidência, sob governos tucanos.

Talvez a produção do JN decida pousar em Montezuma, no extremo norte do estado de Minas, fronteira com a Bahia. Há quem estranhe que a emissora mais poderosa do Hemisfério Sul não tenha feito isso ainda, diante das denúncias de que um dos candidatos ao Planalto teria beneficiado a própria família com dinheiro público.

O Jornal Nacional está preocupadíssimo com a corrupção, como se viu na entrevista de William Bonner com a presidente Dilma Rousseff.

Assim sendo, é mais que justo que despache o jatinho até Montezuma.

A simpática cidade, de cerca de 8 mil habitantes, tinha uma pista de terra mandada construir pelo ex-governador mineiro Newton Cardoso. No final de 2007, quando Aécio Neves era governador de Minas Gerais, o aeródromo foi incluído no ProAero, o Programa Aeroportuário de Minas Gerais.

Segundo o Diário Oficial de Minas Gerais, o objetivo do programa tocado pela Secretaria de Estado e Obras Públicas (SETOP) era que Minas tivesse, em 2011, “69 aeroportos funcionando 24 horas por dia”.

Antecipando-se à Globo, apesar de seus parcos recursos, o Viomundo constatou que, no que se refere a Montezuma, o programa fracassou.

Não se você considerar justificável construir aeroportos para manter a saúde pública.

Hoje Montezuma, cidade de 8 mil habitantes, dispõe de uma pista asfaltada de cerca de 1.300 metros. É mais ou menos o mesmo tamanho da pista de Guarujá, no litoral paulista, cidade de 300 mil habitantes onde aconteceu o trágico acidente envolvendo o candidato Eduardo Campos.

Cópia de casinha

Porém, o aeródromo de Montezuma está abandonado.

A revista CartaCapital tentou explicar a insanidade:

Em março de 2008, o Departamento de Estradas de Rodagem mineiro adiantou-se e escolheu uma empreiteira para pavimentar a pista de terra de Montezuma. Contratou a Pavisan, por 268.460,65 reais. Segundo um ex-executivo da empresa, que lá trabalhava à época, a obra foi um mau negócio. O valor seria irrisório e não cobriria os custos. Ele não vê razão econômica para o estado investir no local, pois perto de Montezuma há cidades maiores que poderiam ter sido contempladas com um aeroporto. Qual seria a justificativa? A proximidade com as terras da família de Aécio? Facilitar o contato aéreo entre pai e filho? E se o negócio era ruim, por que a empreiteira topou? A Pavisan fechou vários contratos com o governo mineiro durante a administração de Aécio. O dono da construtora, Jamil Habib Cury, ocupou cargo público na gestão do tucano. Foi diretor do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais. Estava no posto quando a Pavisan foi escolhida para a pavimentação em Montezuma. Consta ainda na lista de doadores das duas campanhas vitoriosas de Aécio ao comando do estado, em 2002 e 2006. Na última, doou 51 mil reais.

Cópia de detalhe placa

A placa acima é de uma Unidade Básica de Saúde que está sendo reformada, bem diante do aeroporto abandonado de Montezuma.

Quer dizer que o governo de Aécio Neves torrou, em dinheiro de 2011, reajustado pela inflação de William Bonner, duas unidades básicas de saúde da Patrícia Poeta para asfaltar um aeroporto-fantasma?

Teria sido pelo fato de que a família do candidato tucano ao Planalto é proprietária, no município, de quase mil hectares de terras, na Perfil Agropecuária e Florestal?

Captura de Tela 2014-08-19 às 23.51.08

Acima, reproduzimos trecho da declaração de renda do candidato.

Quando as obras foram feitas em Montezuma, com Aécio governador de Minas, o pai dele era o dono das terras, obtidas através de usucapião.

O pai de Aécio foi deputado estadual entre 1955 e 1963 e deputado federal entre 1963 e 1987. Ou seja, estava em posição de poder ou tinha o filho em posição de poder quando tocava demandas judiciais para ficar com a propriedade.

Era dono das terras e tinha o filho em posição de poder quando a reforma do aeroporto aconteceu, mais ou menos a 30 quilômetros de sua propriedade.

Mera coincidência?

O então governador e hoje candidato sabia que, potencialmente, ao promover a reforma poderia valorizar sua futura propriedade?

Em nossa passagem por Montezuma, entrevistamos duas pessoas que viram o agora senador desembarcando no aeroporto reformado. Aécio pousou lá. Em outra ocasião, foi o cantor Amado Batista, na véspera de fazer um show numa cidade do sul da Bahia.

Uma moradora da cidade disse que o aeroporto foi um dos principais investimentos estaduais já feitos em Montezuma. Segundo ela, antes da obra os montesumenses eram obrigados a caminhar em rodovias da região, correndo risco de atropelamento.

Agora, dispõem de um aeroporto para se exercitar. As caminhadas acontecem de manhã, bem cedinho, ou no final da tarde.

cópia de andando com cachorro

É isso mesmo: a obra do ProAero foi convertida em uma imensa pista para que a população local mantenha a forma física.

Perguntei a um dos usuários sobre o risco de um avião pousar inadvertidamente. Ele respondeu mais ou menos com as seguintes palavras: “Dá para ouvir o barulho. Qualquer coisa a gente se joga no mato”.

O aeroporto nunca foi homologado pela ANAC, a Agência Nacional de Aviação Civil.

Ainda assim, segundo os montesumenses que ouvimos, em tempos “de política” pousam ali aviões trazendo candidatos.

Este ano, quem sabe, será a vez do jatinho do Jornal Nacional.

PS1 do Viomundo: Já imaginaram se o Lula tivesse mandado reformar um aeroporto perto das terras — inexistentes — do filho dele, que para metade dos brasileiros é dono da Friboi (falso!) e tem como sede de fazenda a Escola Superior de Agicultura (ESALQ) de Piracicaba (falso!)? Quantas equipes a Globo despacharia para cobrir o escândalo?

PS2 do Viomundo: Na semana que vem, publicaremos a reportagem completa sobre nossa visita à cidade, bem como um mini-doc sobre o Choque de Gestão em Montezuma. A produção de conteúdo exclusivo do Viomundo, inclusive esta reportagem, foi bancada pela contribuição generosa de nossos assinantes. Fiquem com um álbum de fotos do aeroporto-fantasma, clicando sobre a foto abaixo:

Leia também:

Uma explicação para a postura imperial de William Bonner diante de candidatos

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



49 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Marat

22 de agosto de 2014 às 21h48

O brazil da Globo (e do PIG) é o brazil das mônicas lewinskis, que adoram fazer tudo o que o Tio Sam ordena. É o brasil que pousa de teco-teco em aeroportos superfaturados (desde que superfaturados pela direita), que bebe água do volume morto do sistema Cantareira, e arrota água Perrier (ou San Pellegrino), é o brazil dos especuladores brancos de olhos azuis, é o brazil que odeia preto e pobre, que odeia dividir cruzeiros e aviões com pobres etc.
globo e você, esse é o brazil com Z…

Responder

pimenta

22 de agosto de 2014 às 20h29

Aécio votou contra os trabalhadores
Do site Vermelho:

No programa de rádio e TV desta quinta-feira (21) o candidato tucano reprisou parte do que foi exibido na terça-feira (19) em que afirma que “o Brasil é muito melhor do que era”, mas que “hoje, está pior do que estava”.

Na sua campanha pessimista, sem proposta e muito menos perspectivas, Aécio dedicou um espaço para dizer que foi deputado Constituinte. Exibiu imagens de um discurso dele durante as “Diretas, Já!” e destacou o parentesco com o presidente Tancredo Neves, seu avô. Mas Aécio não disse que votou contra os trabalhadores na Assembleia Constituinte.

Deputado eleito pelo PMDB com 236 mil votos, Aécio foi avaliado com nota 5,5 pelo Diap, no livro “Quem foi Quem na Constituinte”, que fez uma avaliação dos parlamentares, variando de 0 a 10, de acordo com o posicionamento nas votações, contra ou a favor, aos interesses nacionais e dos trabalhadores.

O tucano votou contra a estabilidade no emprego, a jornada de 40 horas e contra o monopólio estatal do petróleo. Por outro lado, votou a favor do mandato de 5 anos para o então presidente José Sarney, o que atrasava a luta pelas Diretas.

Choque de gestão tucano em Minas

Aécio também falou sobre seu governo em Minas Gerais ressaltando que foi o governo que “cortou” o número de secretarias, gastou menos, mas investiu “no social”.

O que o tucano não disse é que gastou milhões na construção de um aeroporto em terras da família, na cidade de Claudio, e depois utilizou a pista de pouso no município para fins particulares de forma ilegal, já que a pista não tem homologação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Não falou das denúncias de gatos de pelo menos R$ 5 milhões para reformas em um aeroporto inexistente no município mineiro de Itabira. E que ofereceu um quarto do salário pago pelo programa federal Mais Médicos aos profissionais do estado, entre outras medidas de “choque de gestão”, como gosta de afirmar.

Responder

    Marat

    22 de agosto de 2014 às 21h51

    Prezado Pimetna, playboys inúteis e inconsequentes veem pobres e trabalhadores como meros serviçais. Pena que muitos pobres de SP não percebam isso, até por conta da veja e da globo!

    Marat

    22 de agosto de 2014 às 21h51

    Desculpe… teclado sem fio… Pimenta!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Aliás, pimenta no da direita!!!!!!!!!!!!!!!

pimenta

22 de agosto de 2014 às 19h45

Aécio Neves desviou R$ 30 milhões de Ministério, durante seu governo em Minas

Do site jornali9
TCU e Polícia Federal comprovam que entidade do governo de Minas, Idene, junto com Oscip (IMDC) desviaram através de notas frias R$30 milhões
O esquema de fraudes com recursos públicos que derrubou cinco integrantes da cúpula do Ministério do Trabalho em 2013 desviou pelo menos R$ 10,6 milhões, em um único convênio no valor de 17,5 milhões firmado com a Oscip IMDC por intermédio do Idene (Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas), um órgão do governo de Minas.
Relatório da Operação Esopo, da Polícia Federal em 2013, obtido pela reportagem, mostra que, em 2008 e 2009, o Idene assinou com o Ministério do Trabalho dois convênios que totalizam R$ 38,1 milhões para execução do ProJovem em cidades do Norte e no Vale do Jequitinhonha, regiões mais pobres do estado. O Idene contratou, com dispensa de licitação, o IMDC, organização que está no centro da rede montada para desviar recursos, denunciada na Operação Esopo.
Desvios do Governo de Aécio Neves entre 2007 e 2011
No caso dos convênios no interior de Minas na época administrado por Aécio Neves (PSDB), após nova investigação, **o Tribunal de Contas da União (TCU) quer a devolução de R$ 30,8 milhões. O valor é mais alto porque, na avaliação da Corte de Contas, o órgão público e a Oscip não apresentaram documentação para comprovar a aplicação dos recursos.
Diretor do Idene à época dos contratos, Walter Antonio Adão foi preso na Operação Esopo em 2013. Ele assumiu o órgão em 2007, no segundo mandato do governador Aécio Neves, e ficou no cargo até 2011. Os R$ 17,5 milhões esquadrinhados pela PF constam do contrato 03/2010, assinado entre o órgão mineiro e a Oscip. A fatia desviada foi paga a quatro empresas de fachada e a contas do próprio IMDC.
Mesma sistemática de fraude foi aplicada para desviar recursos do ministério do Trabalho por meio de convênios com prefeituras, segundo a PF.
Em Minas, a empresa que mais recebeu recursos no contrato da Idene foi a PR Transportes (PRT), em um total de R$ 4,1 milhões, registrada à época em nome de dois motoristas, que não possui ônibus ou vans e está habilitada para o transporte de carga, não de pessoas. Do total repassado à empresa, R$ 3,2 milhões foram pagos em cheques, que foram endossados e sacados na boca do caixa, de acordo com o relatório. Um nome foi registrado pela agência bancária como responsável pelo saque: Fernando Mendes dos Santos. Trata-se de um sócio de Deivson Oliveira Vidal, o dono do IMDC, em uma empresa de consultoria chamada Conquistar.
“Os cheques emitidos para pagamento dos serviços foram endossados por quem de direito da PRT para que Fernando realizasse os saques. Assim, o dinheiro retorna para as mãos de Deivson sem ao menos passar pelas contas da PRT”, escreveu a PF no relatório.
Foi Fernando, também, quem sacou parte dos R$ 2,1 milhões repassados à empresa Sol Nascente Ltda. a título de “fornecimento de insumos”. A empresa estava registrada em nome de dois laranjas, segundo a PF, e foi aberta menos de seis meses antes da assinatura de contrato com o IMDC.
Mesmo sem ter funcionários e registrada em nome de uma balconista de farmácia, a Gráfica Indianara Ltda. recebeu R$ 1,8 milhões para produzir apostilas. Segundo o Idene, deveriam custar no máximo R$ 7,02, cada, mas foram pagos R$$ 35,69, cada. Quatro cheques de R$ 470,5 mil pagos pela Oscip à empresa foram endossados e sacados em dinheiro. Por Fernando Mendes dos Santos.
O mesmo que ainda sacou cheques que totalizam R$ 637,6 mil pagos à AOM Indústria e Comércio por 26,4 mil camisetas e 13 mil mochilas do ProJovem. No endereço da empresa, funciona uma empresa de moda que diz não ter qualquer relação com a AOM, de acordo com a PF.
A transferência direta de recursos para outras contas do próprio IMDC também era uma das formas de desvio. Parte desses valores eram repassados à Conquistar para prestação de serviços de consultoria. Pelo menos R$ 633,2 mil do ProJovem desapareceram dessa forma.
“Se Deivson é o presidente do IMDC e maior acionista da Conquistar, podemos concluir que ele recebe dinheiro para prestar ‘consultoria’ para ele mesmo”, escreveram os investigadores.
Em função dos indícios de fraude na execução do ProJovem, o TCU cobra, desde fevereiro deste ano, de Deivson Vidal e do ex-diretor do Idene, Walter Adão, a devolução de R$ 30,8 milhões aos cofres públicos.
Por meio de nota, o governo de Minas informou que colabora com as investigações e que, em 2011, a gestão de contratos do IMDC foi investigado pela Controladoria-Geral do Estado (CGE).
O IMDC chegou a ser incluído no cadastro de fornecedores impedidos de licitar com o estado em 2012, mas a medida foi suspensa por decisão liminar da Justiça, segundo o governo. Advogados de dirigentes do IMDC não foram localizados.
Neste ano, o IMDC está no cadastro de fornecedores do Estado, incluído pela SEPLAG.

Responder

Jacó do B

22 de agosto de 2014 às 11h47

Em 2016 tem Olimpíadas. Serve de pista de atletismo.

Responder

silvinho

21 de agosto de 2014 às 21h10

Nossa essa boi boa. Será que o jatinho do Jornal Nacional vai pousar, também, no aeroporto do Aécio, em Claúdio.

Responder

Urbano

21 de agosto de 2014 às 19h42

De um lado, pista de pouso clandestina, de outro, ao que parece, jatinho sem dono. Como se não bastasse, nos deparamos numa terceira trincheira com a vareta de socar pólvora em espingarda, a bombardear gregos e troianos dentro do PSB. Isso só pra medir o perigo de tragédia, que o Brasil correu e corre ainda.

Responder

Helenita

21 de agosto de 2014 às 18h25

Caro navegante, creio ter lido que o usucapião de que se serviu o titio do aecinho foi tomado em terras devolutas do Estado de Minas; lembro-me de ter repugnado com a notícia, pois em imóveis públicos não existe usucapião, isso é ditame legal, que o bom e velho tribunal de justiça de Minas não podia ignorar…
De todo modo, as oligarquias sempre se valeram da força bruta e da influência dentro dos poderes judiciários para obterem as terras que bem quisessem, assim como foi na Bahia, em Minas, aqui em Goiás, Tocantins, Maranhão, Pará (!), Acre etc, etc. Tudo bem regado com sangue, que era para servir de exemplo para algum cabra recalcitrante…
E viva as castas iluminadas, perfumadas, traquejadas, bafejadas pela sorte… Jorge Amado bem descrevia essa raça…

Responder

FrancoAtirador

21 de agosto de 2014 às 16h28

.
.
BATEU O DESESPERO NO PSDB

Tucanos exigem presença de Marina

na Bancada do Jornal Nacional

da Rede Globo de Televisão…

Pra ser trucidada pelos Simpson.

Será?
.
.

Responder

Luiz Roberto

21 de agosto de 2014 às 15h53

Todos cospe para todos os lados transformando mentiras em verdades,mas não tem capacidade para governar um país tão belo como o “BRASIL”, para isso precisa gostar do mesmo….

Responder

C.Paoliello

21 de agosto de 2014 às 12h21

http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/

A partir de hoje, não compro mais produtos da Multilaser.

Responder

Marat

20 de agosto de 2014 às 22h49

Eu não duvido que os caras de pau digam algo assim: “Nosso jatinho bem que tentou pousar em Montezuma, mas o aeroporto estava com os portões fechados. O responsável pelo cadeado estava dormindo e nós não quisemos interromper, poiso sono é sagrado”.

Responder

Marat

20 de agosto de 2014 às 21h07

De todo modo as chaves estarão com algum tio do Aécio…

Responder

Sérgio

20 de agosto de 2014 às 16h07

“Ainda assim, segundo os montesumenses que ouvimos, em tempos “de política” pousam ali aviões trazendo candidatos.”
Existe mais caroço nesse angu do que sonha a nossa vã culinária. Teria sido Montezuma palco de histórias ainda mais escabrosas?

Responder

Jorsom

20 de agosto de 2014 às 15h19

Não devemos esquecer que é uma obra superfaturada.

http://tijolaco.com.br/blog/?p=19306

Responder

FrancoAtirador

20 de agosto de 2014 às 14h56

.
.
O DINHEIRO SONEGADO PELA GLOBO

DARIA PARA FAZER BEM MAIS

DO QUE 2 UNIDADES DE SAÚDE.

(http://imgur.com/3hntFVU)

(https://www.viomundo.com.br/denuncias/miguel-do-rosario-sonegacao-da-globo-ja-esta-na-policia-federal.html)
.
.

Responder

Mardones

20 de agosto de 2014 às 14h46

Atenção!!!

Esse conteúdo você não verá no PIG.

Sujinhos, a gente se vê por aqui!

Responder

Maria Izabel L Silva

20 de agosto de 2014 às 14h25

Depois de tomar um Dramim, baixei a entrevista de Aécio no JN. Eu sou uma pessoa de boa vontade, não poderia criticar o candidato sem ouvi-lo, pelo menos na Globo, onde ele nada de braçadas. Ignorei a pergunta sobre o aecioporto por que aquilo ali não tem jeito. É merda pra todo lado. Me concentrei nas outras questões. Tentei extrair alguma coisa que fizesse sentido, alguma critica que fosse pertinente, que valesse a pena refletir. Nada. Não sai nada. O discurso de Aécio é uma gororoba sem sentido algum. Agora entendo por que os paulistas não o suportam…
Ah sim, o aecioporto de Montezuma. Excelente matéria. Vou compartilhar. Uma perola de “chok de jestão”.

Responder

    Lucia

    21 de agosto de 2014 às 14h14

    Concluí que tomar Dramin não embota a mente.

jonios

20 de agosto de 2014 às 13h28

Creio que a construção dessas pistas obedece a um planejamento estratégico bem definido. Suas localizações, em pequenas cidades do interior mineiro, permitiriam certas operações aéreas que requeressem certo grau de discreção. A chave do aeroporto de Cláudio ficava com quem? E esse “quem” já foi flagrado em ações efetivas para libertar certos “empresários”. Daí…

Responder

    Virgilio

    20 de agosto de 2014 às 17h19

    Tenho a mesma hipótese. Para além do benefício a familiares, esta rede de pistas asfaltadas em pequenas cidades sem movimento ou demanda que justifique cumpre algum objetivo não muito claro de permitir pousos que fujam ao controle dos órgãos governamentais. Vide os jatinhos particulares que pousam, embora a pista nem esteja oficializada pela ANAC. Em síntese, alguma atividade econômica lucrativa deve se beneficiar de tais pistas. Caso contrário, como justificar os investimentos por um político que é tão duro contra os gastos públicos?

    Mário SF Alves

    20 de agosto de 2014 às 23h01

    “Caso contrário, como justificar os investimentos por um político que é tão duro contra os gastos públicos?”

    ____________________________
    Em sendo assim, a prevalecerem as suspeitas, seria lícito acrescentar:

    Num tal cenário, quem destes precisaria de política com “P” maiúsculo? Quem destes precisaria de Estado, de bancos estatais ou de Petrobras?

    Em sendo assim, bastaria a realização daquele velho sonho de um novo e definitivo choque de neoliberalismo radical, quiçá regado a anarco-capitalismo-financeiro, e já seria mais do que suficiente. Tudo estaria em muito bom tamanho. Menos o Brasil, que encolheria às extremas.

Joca

20 de agosto de 2014 às 12h48

Alguém mais entendido que eu de internet ou o próprio Viomundo tem que mandar essa matéria para a Globo, também para Bonner e Poeta, só para saberem que ninguém é bobo.

Responder

Urbano

20 de agosto de 2014 às 12h26

O telejornalismo da groubostonoma, quando se trata de qualquer coisa sobre política, não se estriba em nada que seja real, útil e com a devida decência da informação; apenas opera, como qualquer fuxiqueira desprezível, falsidade e maleficência. Uma corja a serviço da desinformação em seu próprio proveito.

Responder

Fernando

20 de agosto de 2014 às 11h25

Não me interesso por corrupção nem desvio de dinheiro público. É mais do mesmo.

O que importa é o que a pessoa fez ou deixou de fazer. O governo Aécio foi um desastre em Minas, isso que precisa ser explorado, coisas do dia-a-dia do povo.

Pista de pouso fantasma no meio do nada não rende, tem muita coisa pior pra falar do Aécio.

Responder

Lukas

20 de agosto de 2014 às 09h37

Só é notícia se aparece no JN? Se o caso do aeroporto é a única denúncia contra Aécio que vocês vão usar, ele vai ser eleito. O cara tá por aí há 30 e ficam neste de mimimi de aeroporto…

Responder

    Luís CPPrudente

    20 de agosto de 2014 às 15h25

    Esse Lukas deve ser um sujeito muito sério, muito ético, muito honesto…tão honesto quanto o Aecioporto Never, tão quanto Nosferatu Cerra, e do mesmo naipe do Geraldo Alckimin. O Lukas é o nosso farol da honestidade e da verdade. É ao Lukas que o Bonner vem se orientar para editar o sério e verídico jornal principal da famiglia Marinho.

    Ozzy Gasosa

    22 de agosto de 2014 às 13h51

    Esse LukH é o fiote do FHH.
    Ele sempre foi seletivo e cego, quando os maus feitos são daturminha do papaizinho e seus comparsas…

    Marcelo Figueiredo

    20 de agosto de 2014 às 15h47

    Bom, tem o desvio de 4 bi da saúde para a Copasa, tem o mensalão do Azeredo de 98 que ele levou 110 mil, tem a Lista de Furnas, tem o superfaturamento da reforma do Mineirão, tem o gasto de 1,2 bi para um controverso centro administrativo quando o dinheiro poderia ser usado na Saúde e Educação, tem o seu candidato a governador Pimenta da Veiga que recebeu 300 mil do Marcos Valério e muito mais. E o caso do Aécioporto, além do superfaturamento, abuso de poder etc tem ligação com o pouso do Helicoca, que a justiça acaba de devolver para os Perrellas.

    El Cid

    20 de agosto de 2014 às 15h48

    …assim disse Inácio “lukas” de Loyola:

    “Acredito que o branco (verdade) que eu vejo é negro (mentira), se a hierarquia da igreja (Globo) assim o tiver determinado.”

    Marile

    20 de agosto de 2014 às 16h42

    Concordo, o caso dos aeroportos é muito pouco, então envio duas dicas de pesquisa para vc: https://www.viomundo.com.br/voce-escreve/promotora-estuda-nova-acao-contra-aecio-por-fraude-contabil.html

    atente que no link acima são “BILHOES”, fazendo os milhões dos aeroportos uns trocados.

    outra dica de choque de gestão: https://www.viomundo.com.br/denuncias/mineiros-denunciam-imposto-de-42-nas-contas-de-luz-da-cemig.html

    depois complete a frase e tente me convecer: Eu vo no Aécio porque…….

    Gerson Carneiro

    20 de agosto de 2014 às 16h48

    “mimimi de aeroporto”

    A corrupção tucana é desavergonhadamente, e logo, diminuída à insignificância. O que não deixa de ser uma forma de… corrupção.

    FrancoAtirador

    21 de agosto de 2014 às 16h21

    .
    .
    CORRUPÇÃO DE TUCANOS

    Pro Serra é TRO-LO-LÓ

    Pro Aécio é MI-MI-MI.
    .
    .

Gerson Carneiro

20 de agosto de 2014 às 09h25

E em 2010, o Bonner chegou a pedir desculpas ao Serra quando o entrevistou na bancada do Jornal Nacional.

O que mudou? Qual o motivo da brabeza do Bonner?

Justamente isso. Não tem o Serra e nem o Alckmin na disputa. O Bonner então não se sente obrigado a vestir máscara.

Havendo o Serra ou o Alckmin na disputa o Bonner não hesitaria em se manter no degrau mínimo de polidez. Em especial se estivesse frente a frente com um dos dois. Isso evidencia a preferência do Bonner.

Ou seja, como não há nem o Serra nem o Alckmin na disputa, Bonner desce das tamancas e abandona o fingimento.

Responder

    Iran

    20 de agosto de 2014 às 09h47

    Concordo com você em tudo, menos na afirmação de que com Serra, ele, o Bonner, usava máscara. Ali ele não precisava. Usou máscara com a Dilma, fingindo que a estava entrevistando, quando só queria mesmo era agredi-la, fazendo papel de capitão-do-mato da imprensa marrom da qual ele faz parte.

    Gerson Carneiro

    20 de agosto de 2014 às 16h43

    Entrevistando o Serra o William Bonner usou máscara de isenção e polidez. Entrevistando a Dilma William Bonner assumiu a parcialidade e a grosseria que a ele são peculiares.

Pedro Henrique

20 de agosto de 2014 às 08h40

Atenção

Azenha,

No último quadro das fotos após mostrar as relacionadas a matéria
aparecem uma infinidade fotos sobre outros tema.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    20 de agosto de 2014 às 09h41

    Já arrumamos. abs e obrigado pela dica.

Julio Silveira

20 de agosto de 2014 às 08h15

A Globo sonegadora gosta de tratamento diferenciado para ela e seus proprietários, enquanto desrespeitam a presidente em ativa do Brasil em nome de uma libertinagem de imprensa que chamam liberdade. Nem sequer respeitam seus verdadeiros patrões, os cidadãos, donos dos direitos sobre concessões publicas que elegeram a Dilma para lhes representar. A Globo não representa o povo mas apenas a parte correspondente a seus donos e, por interesse, seus empregados. Que isso fique bem claro aos cidadãos.

Responder

Brancaleone

20 de agosto de 2014 às 07h55

Concordo.
Aécio tem muito que explicar.
Vaos exigir que ele conte tudo, desde que o PT TAMBEM explique o que está acontecendo com as obras do PAC que estão paradas mas continuam a gastar dinheiro…

Responder

    Carlos Henrique

    20 de agosto de 2014 às 17h03

    Quais obras do PAC? Quem é o responsável pela Licitação, Gestão e Fiscalização? O PAC beneficia Estados e Municípios, mas em 90% dos projetos, a UNIÃO apenas destina a verba, pois todo o resto é da competencia do Estado, do Município ou de ambos…vide o Viaduto que caiu em BH…era do PAC, mas tudo feito pela Prefeitura de BH….

Romanelli

20 de agosto de 2014 às 07h51

então ..sei lá ..sei que 30 km é distancia pra caramba quando falamos de lugares que, vez em sempre, sequer estradas boas dispõe ..e outros aeroportos vizinhos, existem por lá ?

POR OUTRO LADO me chama atenção o fato das terras dos Neves terem sido obtidas na base do USUCAPIÃO – 1,1 MIL hectares ..e antes, elas seriam de quem ? quem as abandonou ?

Por acaso o então deputado, pai do Aócio, trabalhou, lavrou as glebas ou só as cercou e registrou ?

Sinceramente, que isso sirva de alerta e atenção ..CHEGA !!!! ..esse negócio de INVASÃO, tomada a força, na marra, vale tanto pros ditos movimentos sociais, como para BARÃO.

O país precisa parar com essa história de USUCAPIÃO, ainda mais quando dispõe duma Constituição que tenta clarificar o uso e a PROPRIEDADE ..já passou da hora dessa figura jurídica ter data pra ACABAR ..ainda mais hoje que já temos (ou deveríamos ter a toque de caixa) uma planta fundiária minimamente satisfatória e confiável, tanto no campo, como nas cidades.

Hoje, mais do que nunca, se a terra (imóvel) não tem dono, se esta abandonada, deve ser da UNIÃO ..UNIÃO que dela deveria se desfazer através da VENDA ou de leilão.

ou isso, ou o BRASIL continuará a ser uma terra de tomador e de LADRÃO (o que convenhamos, apesar das CONDIÇÕES sociais que as cercam – o que em tese relativiza o dano causado -, tal classificação, de lote ROUBADO, SEQUER pode ser negado pras milhares de favelas e seus moradores que as fizeram, correto ? ..pois é tudo coisa tomada, invadida, na força e no berro, queiramos ou não ..e junto com elas, uma PENCA de problemas e de deterioração que perseguem GERAÇÕES)

Sinceramente ..BRASIL, um país de tolos, feito pra poucos ..será que ainda da tempo ?

Responder

Caracol

20 de agosto de 2014 às 04h16

Obrigado pelo trabalho, Azenha. Esse sim, é dinheiro bem empregado. Nada melhor, nos dias de hoje, do que ser informado por jornalista profissional, ajuda a manter a sanidade mental até outubro (sob ameaça segundo o Sakamoto), compensando excrescências como as do Jornal Nacional.

Responder

Carlos

20 de agosto de 2014 às 02h49

Azenha, ainda tem a revista Forbes, que fizeram uma montagem infame, publicando uma fortuna(falsa) de Lula no valor de 2 bilhões de dólares. Até hoje tal infâmia ainda se encontra na REDE.

Responder

FrancoAtirador

20 de agosto de 2014 às 02h06

.
.
“Quando as obras foram feitas em Montezuma,
com Aécio governador de Minas,
o pai dele era o dono das terras,
obtidas através de usucapião”

“A reforma do aeroporto aconteceu,
mais ou menos a 30 quilômetros
de sua propriedade”

“O aeroporto nunca foi homologado pela ANAC,
a Agência Nacional de Aviação Civil”

“Quer dizer que o governo de Aécio Neves
torrou, em dinheiro de 2011,
reajustado pela inflação de William Bonner,
duas unidades básicas de saúde da Patrícia Poeta
para asfaltar um aeroporto-fantasma?”

“Teria sido pelo fato de que a família
do candidato tucano ao Planalto
é proprietária, no município,
de quase mil hectares de terras,
na Perfil Agropecuária e Florestal?”
.
.
E aí? O Bonner e a Pat Simpson

vão responder ou se jogar no mato?
.
.

Responder

Francisco

20 de agosto de 2014 às 01h05

A explicação para a “atitude imperial” de Bonner?

A classe política deixa…

PS. TODOS têm a esperança secreta de ser o novo “abençoado” pelo Coronel Marinho, então ficam caladinhos como trabalhadores rurais do sertão, sem querer “irritar o dôtô coroné”. Aécio já já vai se tornar uma pessoa “revoltada” contra o monopólio das mídias. Mas ai, já será tarde, o abençoado(a) será outro…

Responder

ana s.

20 de agosto de 2014 às 00h52

E essas fotos do Recife?

Responder

ana s.

20 de agosto de 2014 às 00h50

E o Viomundo produzindo material de primeira mão, como Azenha sempre preconiza para que os blogs sujos não vão a reboque do que é produzido pela turma limpinha, a direita de aluguel de que fala Roberto Amaral do PSB. Parabéns.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.