VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

O desabafo do professor com a crise da Educação em MG


22/04/2014 - 19h00

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Carta aberta aos companheiros Professores de Minas Gerais

por Hudson Luiz Vilas Boas*, no Dissolvendo no Ar, via Facebook

Como professor de Sociologia da rede estadual de Minas Gerais, não posso me calar diante dos métodos pouco pedagógicos e nada democráticos como a Educação tem sido tratada em meu estado nos últimos doze anos e cujos nefastos reflexos todos nós, educadores e educandos, temos sentido na pele.

Em 26 de março último, por unanimidade os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) declararam inconstitucional a Lei Complementar (LC) 100, que efetivou, em 2007, cerca de 98 mil servidores do estado de Minas Gerais. A corte analisou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), proposta pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que questionou a forma de ingresso na administração pública. A PGR pediu a derrubada da legislação que igualou os antigos designados, contratados com vínculos precários e lotados, em sua maioria, na área da educação, aos efetivos. No entendimento do Supremo, devem deixar o cargo, a partir da publicação do acórdão, todos aqueles que não prestaram concurso público para a função que ocupam.

Não obstante o STF só tenha julgado a LC-100 há poucas semanas, a decisão era prevista e aguardada por grande parte dos profissionais em educação, atingidos diretamente ou não pela decisão, e o Sind-UTE (Sindicato Únicos dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) já havia apontado para tanto, sem jamais deixar de se solidarizar com os profissionais que em 2007 receberam esse verdadeiro “presente de grego” que desde o início claramente feria a Constituição Federal.

Ademais, a postura do Sind-UTE sempre foi a de entender que os “efetivados” – termo que traz em si uma conotação pejorativa e que passou a ser empregada pelo próprio governo mineiro – jamais poderiam ser culpabilizados por um arrobo de ataque a Constituição, antes, a total responsabilidade deveria, e ainda há tempo para isto, recair sobre quem de fato agiu de maneira inconstitucional, demagógica, imoral e patrimonialista, ou seja, o governo de Minas Gerais na figura do seu então governador, o senhor Aécio Neves.

Mas a lambança não acaba por aí. Enquanto perdurou a inconstitucional LC-100 muitos professores aprovados em concurso, tal como rege a Constituição de 1988, tiveram cerceado o direito à nomeação, pois inúmeras vagas encontravam-se preenchidas de maneira ilegítima.

Segundos dados da própria Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais, hoje mais de 1/3 dos professores da rede estão na condição de beneficiados pela LC-100, todavia até o presente momento o governo tem se esquivado de responder as duvidas desses professores e a secretária Ana Lúcia Gazzola sequer procurou dar uma resposta – ou mea culpa – aos milhares de profissionais atingidos “não” pela decisão do STF, mas “sim” pela irresponsabilidade do governo mineiro que insistiu numa tentativa torpe de burlar a Carta Magna.

Pode-se afirmar, sem medo de engano, que nos últimos doze anos a educação em Minas Gerais tem sido tratada de forma irresponsável e portanto nada condizente com a importância que representa para a construção de uma sociedade mais justa e livre ou para a autonomia do indivíduo. A derrubada da LC-100 é, desafortunadamente, somente mais um capítulo do modo Aécio de tratar a Educação.

Para citar apenas mais alguns capítulos, podemos rememorar a divisão das turmas de Ensino Médio em áreas de Humanas, Exatas e Biológicas.Um projeto polêmico, esdrúxulo e criticado por estudantes, professores e pais, que fadado ao fracasso não vingou por mais de quatro anos. Ou então quando em 2010 quando o governo do estadual já com o ano letivo em andamento, promoveu ao Ensino Fundamental II, sem qualquer planejamento, estudantes que no ano anterior haviam sido retidos nas séries iniciais. Ou ainda, o Reinventando o Ensino Médio, projeto embutido de vários pontos positivos, que, no entanto, está em fase de implantação sem o mínimo de estrutura, não trazendo as ferramentas necessárias para cativar os estudantes e que denota uma incrível falta de planejamento pedagógico.

Poderia citar diversos outros exemplos como o congelamento do plano de carreira, a transformação do salário dos profissionais da Educação em subsídio, a retirada de benefícios conquistados ao longo das décadas tais como quinquênio, pagamento em espécie de férias prêmio ou a da gratificação do pó de giz.

Por fim, os professores mineiros estão angustiados, perplexos e decepcionados com os rumos que a Educação em Minas tem tomado.

Finalizo com as palavras do mestre Paulo Freire:

“Seria uma atitude muito ingênua esperar que as classes dominantes desenvolvessem uma forma de educação que permitissem às classes dominadas perceberem as injustiças sociais de forma crítica”

 *Hudson Luiz Vilas Boas, cidadão, educador, professor de Sociologia das redes estaduais de Minas Gerais e São Paulo, professor de Cultura e Cidadania e coordenador do Pré-Vestibular Comunitário Educafro.

Leia também:

Sinais trocado na Saúde: o discurso é um, a prática é outra

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mardones

25 de abril de 2014 às 09h58

O povo vai conversar com o Aécio nas urnas. k k k k k.

Responder

Adilson

25 de abril de 2014 às 03h11

Enquanto isso na esfera federal:
O PIG e DEMOTUCANOS irão pedir uma CPI da Universidade portuguesa de Coimbra, explico: é que a Universidade de Coimbra vai usar a nota do ENEM para que alunos brasileiros possam estudar em Portugal, sendo a primeira universidade estrangeira a usar o ENEM como critério de avaliação no seu vestibular. A oposição vai pedir uma CPI ja que não tiveram a capacidade de democratizar o acesso à universidade, ou seja, foram péssimos “jestores” não lhes restam tentar melar mais um grande sucesso do governo Dilma. É um absurdo, assim não dá…o que esses portugueses de Coimbra querem com os despreparados estudantes brasileiros e o decadente Brasil?

Responder

    Márcia

    12 de maio de 2014 às 23h28

    A palavra correta é “gestor”.

odair

24 de abril de 2014 às 12h29

No Pr a mesma merda: GREVE neles!!!!!!!!!!!
E ainda a imprensa noticia que não temos pauta específica. Impressionante!!!!!
Vamos a luta, companheirada

Responder

João Grandão

23 de abril de 2014 às 17h11

Em Goiás, o governador Marconi Perillo, do PSDB, procede da mesma forma: cassou o plano de cargos e salários ao retirar as gratificações de titularidade. O reajuste do Piso salarial que deveria ser em janeiro, começa a ser pago todo ano só em maio e sem a reposição dos meses anteriores. Há uma falácia de bônus para os professores que não faltam (não pode nem adoecer, pois, atestados médicos não são aceitos) pago no final do ano. As reivindicações das greves nunca são atendidas, apesar da concordância verbal do governador e do retorno da categoria às salas de aula. E o dinheiro do contribuinte é gasto com propagandas fantasiosas que mostram um estado sem problemas na saúde, na segurança pública e na educação. É o modo de governar do PSDB.

Responder

Ronaldo

23 de abril de 2014 às 16h51

Seria muito importante vocês denunciarem a prisão do jornalista mineiro Marco Aurélio Carone, dono do Novojornal que foi tirado da internet, preso pela polícia do Aécio Neves em Minas Gerais porque noticiava o que a imprensa mineira covarde e vendida não denunciava: as roubalheiras do PSDB de Aécio Neves em Minas Gerais. Este é um assunto muito importante porque mostra como faz com seus inimigos este projeto de ditador que quer ser presidente da elite brasileira. Vocês tem que divulgar porque vocês também correm o risco de serem presos se caso por uma infelicidade este ditador corrupto venha a ser presidente do Brasil.

Responder

Heitor

23 de abril de 2014 às 09h59

Basta não votar no Aécio, Hudson. Não faça como servidores da Justiça de São Paulo, que entram em greve e nas eleições votam no Serra ou Alckmin. Isso ouvi no balcão do fórum. Questionei o porque da greve e o sujeito me respondeu dizendo que Serra não era culpado. Daí eu parei a conversa, olhei o processo e fui embora. Não precisa falar mais nada.

Responder

Leandro Ramos Benfatti

23 de abril de 2014 às 01h43

Esse é o desgoverno do PSDB de Aécio & Alckmin! Essa situação da Educação mineira está igualzinho em São Paulo, só não sei se em Minas tbm tem Progressão Continuada, que pra mim é só mais uma Ignorãncia Continuada!!!Chega de PSDB!!!SP e MG vão mudar!!!FORA TUCANALHAS, CORRUPTOS!!!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!