VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Marcelo Zelic: “Estamos enxugando gelo”


30/08/2012 - 23h49

A advogada Valdênia Paulino Lanfranch é um dos membros do Conselho Estadual de Direitos Humanos da Paraíba  presos arbitrariamente

Prezados Conceição Lemes e Luiz Carlos Azenha

Vivemos um momento de muita preocupação no campo dos direitos humanos no Brasil.

Na Paraíba, membros  do Conselho Estadual de Direitos Humanos da Paraíba (CEDH-PB) foram presos ilegal e arbitrariamente enquanto faziam fiscalização institucional de vistoria na penintenciária PB1.

Entre eles, Valdênia Paulino Lanfranchi, advogada e ouvidora de Polícia da Paraíba. Durante muitos anos, ela atou em Sapopemba, bairro na Zona Leste de São Paul,   contra a  violência policial e o extermínio de pobres na região. Ameaçada de morte aqui, ela foi para lá, levando junto a sua contribuição e empenho.

Gostaria de ressaltar que uma das atribuições legais dos conselheiros do CEDH é justamente ter acesso a qualquer unidade ou instalação pública estadual para acompanhamento de diligências ou realização de vistorias, exames e inspeção. Essas visitas de monitoramento ao sistema prisional são um direito dos presos e de seus familiares e um dever do CEDH.

POr tudo isso, nós, do Tortura Nunca Mais -SP, nos solidarizamos com eles e pedimos ao Viomundo a divulgação da nota de repúdio (está abaixo) das entidades de direitos humanos da Paraíba contra essas prisões.

Infelizmente, o descontrole de setores das forças policiais não são exclusividade da Paraíba. Está ocorrendo em vários estados. Em Goiás, por exemplo, o que acontece é só a corrupção do Carlinhos Cachoeira? Um relatório produzido pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Goiás mostra que o que acontece é muito mais.

E em São Paulo o que se passa?

Causa-nos indignação o assassinato de Diego Luiz Bandeira, advogado da Comissão de Direitos Humanos da OAB de Caraguatatuba (SP), morto com 14 tiros na última semana, quando  chegava em casa. Diego denunciava irregularidades no presídio local, como o espancamento de presos e a superlotação de celas, e ainda  investigava o enriquecimento ilícito de policiais civis e militares da região. Chegou a montar um dossiê com essas informações.

Resultado: na área de direitos humanos no Brasil,  estamos enxugando gelo.

Atenciosamente,

Marcelo Zelic

Vice-presidente do Grupo Tortura Nunca Mais-SP,  membro da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo e coordenador do Projeto Armazém Memória.
      

Nota de repúdio de da Comissão de Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba

O Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos e a Comissão de Direitos Humanos e o Centro de Referência de Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba repudiam o tratamento ilegal, constrangedor e abusivo praticado pela administração penitenciária do PB1, e por policiais militares, dispensado aos membros do Conselho Estadual de Direitos Humanos-CEDH-PB, durante uma fiscalização institucional, no dia 28 de agosto, para averiguar denúncias de familiares de presos sobre irregularidades cometidas naquela unidade prisional.

Faziam parte da delegação padre Francisco Bosco (presidente do CEDH-PB), Guiany Campos Coutinho (membro da Pastoral Carcerária), Socorro Praxedes (advogada da Fundação Margarida Maria Alves), a professora Maria de Nazaré T. Zenaide (Coordenadora do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da UFPB), Valdênia Paulino Lanfranchi (advogada e Ouvidora de Polícia da Paraíba), Lidia Nóbrega (Defensora Pública da União).

A equipe esperou cerca de 1 hora e meia para ter acesso aos pavilhões, ocorrendo esta após autorização concedida através de telefonema por parte do Cel. Arnaldo Sobrinho. Os conselheiros deixaram seus telefones celulares nos seus veículos ou em bolsas na sala da secretaria do PB1 e só adentraram no presídio com uma máquina fotográfica para registrar a situação prisional, o que é de praxe, pois o órgão elabora relatório de monitoramento.

Durante a fiscalização, os conselheiros fotografaram as condições deprimentes, desumanas e contrárias à lei de execução penal das celas coletivas do PB1. Neste ínterim, membros da PM e da Administração Penitenciária do PB1, que antes haviam se negado a acompanhar os conselheiros ao segundo pavilhão, deram voz de prisão aos membros do CEDH-PB conduzindo-os para uma sala da penitenciária e mantendo-os detidos. Nesse período, chegou à unidade prisional reforço policial para transferir os conselheiros detidos para a Delegacia. Os conselheiros comunicaram a ilegalidade que estava sendo cometida, ao Procurador Federal do Cidadão, Dr. Duciran Farena, ao Chefe de Gabinete do governador, Waldir Porfírio da Silva e à Defensoria Pública da União.

Os conselheiros detidos não puderam identificar os agentes penitenciários e os policiais militares envolvidos porque estes não portavam os distintivos de identificação. Logo após a detenção chegou ao estabelecimento prisional, representando a Secretaria da Administração Penitenciária, o Cel Arnaldo Sobrinho que reuniu na sala da direção o chefe de disciplina e os conselheiros detidos. Foi também nesse momento que se apresentou no estabelecimento o Diretor do PB1, Major Sérgio que, mesmo estando de férias, era quem dava as ordens, através do sistema rádio de comunicação, o qual determinou a prisão dos conselheiros, com o argumento de que não podíamos registrar as condições dos apenados.

Somente após a chegada dos representantes do Ministério Público Estadual, Dr. Marinho Mendes e da Ordem dos Advogados do Brasil, Laura Berquó é que os membros do CEDH foram liberados, sob a contestação do diretor do presídio e de membros da PMPB.

Diante da gravidade dos fatos relacionados acima, o Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos e a Comissão de Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba de público reivindicam ao Governador do Estado, Ricardo Vieira Coutinho, o imediato afastamento do Diretor do PB1 e dos demais funcionários estaduais envolvidos no episódio e a abertura de procedimentos administrativos para a apuração dos fatos neste documento denunciados e a punição dos culpados.

João Pessoa, UFPB, 29 de agosto de 2012

 Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos, Comissão de Direitos Humanos e Centro de Referência dos Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba

Leia também:

A ação do MPF por sequestros na guerrilha do Araguaia

John Pilger: A perseguição a Assange é um insulto ao jornalismo

Eliana Calmon recua e arquiva ação contra juízes do Pinheirinho; advogados, perplexos, vão recorrer

Marcelo Zelic: Em São Paulo, polícia está usando armas não letais contra movimentos sociais

Assange: EUA precisam parar de perseguir aqueles que revelam os seus crimes secretos

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Urbano

01 de setembro de 2012 às 12h19

Mas uma parte da justiça, por motivos quase transparentes, teve o seu radar afetado e desorientou-se de vez. Diante disso, o que se ver mais é soltar-se bandidos, principalmente tarados, fraudadores e assassinos de anciã (ricos ou mantidos por eles, claro) e se prender cidadãos.

Responder

Urbano

01 de setembro de 2012 às 12h05

Mas a justiça, por motivos quase transparentes, teve o seu radar afetado e desorientou-se de vez. Diante disso, o que se ver mais é soltar-se bandidos, principalmente tarados, fraudadores e assassinos de anciã (ricos ou mantidos por eles, claro) e se prendem cidadãos.

Responder

Regina Braga

01 de setembro de 2012 às 11h30

Nossa!!!Não estamos enxugando gelo,mas dando murro em ponta de faca.O pior é que a faca, fere.E os direitos humanos estão ferindo, muito o país.Não vejo, nenhuma postura mais efetiva da Secretaria de Recursos Humanos do Governo Federal,aliás, é muito tímida a sua atuação.È importantissímo, que os fatos sejam divulgados e que a indignação seja manifestada por entidades e pessoas.Se não houver uma mobilização para os Direitos Humanos,não vamos precisar de nenhum outro direito.

Responder

Marcos

01 de setembro de 2012 às 06h41

Em primeiro lugar só tem direitos humanos para marginais, as vitimas são os culpados. Deixa para lá. O q vocês não percebem é uma militarização do sistema prisional em quase todo país, é secretários, diretores e etc., é por isso que utamos pela POLICIA PENAL, q seria uma forma de expurgar os milicos do sistema penal.

Responder

Christiano Almeida

31 de agosto de 2012 às 23h00

Sou paraibano. O que escreverei à frente não é em defesa mas, simplesmente, de constatação e de lamento. Quando os jornais do centro/”sul” nos ‘lembram’, é com notícias tristes, deprimentes, que apequenam. Muitas vezes nos revoltamos por isso. Sentimento válido, pois além do esquecimento nacional para outras preocupações, só nos resta a ‘manchete’ quando ‘produzimos’ desgraça. Mas, eis que, UNS “PALADINOS DA JUSTIÇA” praticam tais atos. Deteem pessoas com atribuições legais. Ou seja, a função dos conselheiros do CEDH é justamente ter acesso a qualquer unidade ou instalação pública estadual para acompanhamento de diligências ou realização de vistorias, exames e inspeção. Essas visitas de monitoramento ao sistema prisional são um direito dos presos e de seus familiares e um dever do CEDH. DETER cidadãos que estavam cumprindo seu dever institucional por pessoas que teem a tarefa de defender o cidadão acima de tudo, seja ela aquele que está encarcerado ou aquele que o visita. DIANTE de um fato tenebroso desta natureza só me resta uma atitude: Dá a mão à palmatória! Batam com força, pois atitudes deste naipe não só nos diminuem, mas certamente, justificam o que publicam acerca da violência!

Responder

Narr

31 de agosto de 2012 às 19h53

É o pais do inverso. Daqui a pouco, médico vai ser preso por ter salvado a vida do paciente, cachorro vai ser sacrificado porque não mordeu o dono. Lembram o tempo em que mandavam jornalista pro pau-de-arara porque tinha publicado a mentira de que havia tortura no Brasil?

Responder

Julio Silveira

31 de agosto de 2012 às 18h25

Não podemos deixar de informar o nome do governador da Paraiba e seu partido. Ricardo Coutinho, PSB, como vemos um dos aliados do governo e do partido do governo de primeira hora. Ainda que não possamos afirmar que essas ações, que partem de pessoas hierarquicamente vinculadas ao seu governo, tem seu consentimento. Não podemos ignorar que seu suborninados, neste caso, são pessoas completamente alheias e portanto insensiveis ao que prega os socialistas. Ou será mais uma daquelas espertezas politicas, dessas enganações, feitas sem nenhum senso de preocupação e respeito com a coerência, tão em voga nesses momentos, e para esses momentos, de militantes, tão pouco preocupados com o cumprimento do principio ético de seus discursos.

Responder

Porco Rosso

31 de agosto de 2012 às 14h47

Direitos humanos nunca foram moda aqui no Brasil.

Responder

Geysa Guimarães

31 de agosto de 2012 às 12h14

Estou nada menos que ESTUPEFACTA!
E com as esperanças de um Brasil melhor diminuídas.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.