VIOMUNDO

Diário da Resistência


Manchetômetro: Folha bajulava FHC quando economia estava pior
Denúncias

Manchetômetro: Folha bajulava FHC quando economia estava pior


07/10/2014 - 18h27

Alta

por João Feres Júnior, do Manchetômetro

No dia 5 de outubro, dia da eleição, a ombudsman da Folha de S. Paulo publicou artigo com um estudo de valências das matérias publicadas na Folha a partir da escolha de Marina para concorrer à presidência na chapa do PSB.

Tudo muito parecido com o que fazemos no MANCHETÔMETRO.

Ninguém tem monopólio sobre a metodologia da análise de valências, que já foi testada no Brasil e no exterior, mas o artigo deixa de fazer referência a uma longa entrevista que dei à jornalista dias antes da publicação do estudo, que versou exatamente sobre esse assunto.

No dia 30 de setembro chegou ao e-mail institucional do MANCHETÔMETRO mensagem de um preposto da ombudsman da Folha de S. Paulo, Vera Guimarães Martins, pedindo uma entrevista com o coordenador do site, esse que vos escreve, para “uma conversa sobre os critérios do estudo, a ser discutido na coluna desta semana”.

Achei o método de comunicação um pouco estranho. No passado já havia trocado mensagens com a então ombudsman do jornal, Suzana Singer, sem que para isso fosse necessário o uso de intermediários.

Pensei com meus botões: por que será que ela não me escreve diretamente? De qualquer forma, aceitei o convite, marcando para terça-feira à tarde uma conversa por telefone.

No começo da entrevista ouvi ao fundo a voz da jornalista falar para uma outra pessoa ao lado uma frase que soou parcialmente ininteligível, mas na qual discerni a palavra “gravação”.

Ato contínuo pedi a ela para que, se estivesse gravando, me enviasse uma cópia da entrevista, o que ela concordou em fazer.

A conversa começou em tom cordial. Ela começou me dizendo que queria saber mais sobre a metodologia do MANCHETÔMETRO.

Eu graciosamente descrevi como funciona nosso trabalho: uma análise de valência, ou sentimento (como dizem alguns autores), feita por meio da codificação manual dos textos, e com 3 níveis hierárquicos de checagem para dirimir dúvidas interpretativas.

Ela me respondeu que era fácil determinar quando um texto era favorável ou contrário a um candidato ou partido.

A conversa continuou, com mais explicações minhas quanto aos critérios de atribuição de valência que utilizamos.

A uma certa altura, interrompi as explicações para perguntar à jornalista se seu objetivo na matéria era usar nosso trabalho para fazer uma autocrítica do jornal ou criticar o MANCHETÔMETRO.

Eu disse a ela que minha impressão, baseada na leitura de sua coluna eventualmente e em troca de mensagens com a titular anterior, era de que o Ombudsman funcionava muito mais como um advogado do jornal frente ao público do que o contrário, que seria sua tarefa autoatribuída.

Ela respondeu que era comum o Ombudsman ser acusado de tomar o partido do jornal, mas que sua intenção era usar o MANCHETÔMETRO como um instrumento de ajuda na avaliação da cobertura da Folha.

Em seguida, passei a mostrar à jornalista que nossos resultados apontam para diferenças nas coberturas dos diferentes meios pesquisados, ainda que todos revelem um viés anti-Dilma e anti-PT. Disse até que o viés da Folha é menor, se comparado aos de Estadão e O Globo. Ela respondeu que tinha dúvida se o “viés era anti-Dilma ou se o viés era anti-governo”.

Eu alegremente redargui que foi exatamente para responder essa dúvida que fizemos a análise comparando os pleitos de 1998 e de 2014.

Ora, naquela eleição o candidato da situação, Fernando Henrique Cardoso, concorria à reeleição. Havia uma terceira força, Ciro Gomes, e o embate principal era entre PT e PSDB, como também por boa parte do atual processo eleitoral.

Os resultados narrados por mim são sintetizados no gráfico abaixo, que se encontra em nossa página http://www.manchetometro.com.br/analises-1998/analises98-jornais/:

Captura de Tela 2014-10-07 às 18.30.56

*****

Como mostram os dados, a cobertura de 1998 na Folha foi amplamente favorável ao candidato da situação, contrariando a tese da Ombudsman da Folha de S. Paulo.

FHC teve uma taxa de contrários sobre neutros de menos de 23%, ou seja, menos de 1:3. Lula, seu principal adversário, teve quase 92%, isto é, praticamente uma notícia negativa para cada neutra.

Proporcionalmente, Lula teve cobertura quatro vezes mais negativa do que seu contendor da situação.

FHC ainda teve uma taxa de 40% de favoráveis sobre neutros, enquanto Lula amargou 17%.

Dilma, esse ano em posição análoga a FHC no pleito de 1998, tem uma taxa de praticamente 50% de contrários sobre neutros, o dobro de FHC, e 1,7 % de favoráveis sobre neutros, quase 23 vezes menor que a do candidato tucano e então presidente do Brasil.

Ao ouvir esses dados, a Ombudsman engasgou. A voz ficou um pouco titubeante.

Mas ela logo se saiu com o argumento de que há outros fatores que devem ser levados em conta, particularmente o “desgaste natural do poder, que sempre tem”. Eu respondi que o PSDB estava em 1998 há 8 anos no poder, e ela objetou que a “Dilma está há doze”.

Eu disse que não era tão diferente, mas ela insistiu que era 50% a mais.

Apontei então para o caráter precário do novo argumento, pois ou o jornal tem uma predisposição contra a situação razoavelmente constante, tese que foi refutada com a análise de 1998, ou há um tempo a partir do qual o desgaste do partido no poder leva a um aumento do nível crítico da cobertura.

Não dá para ser as duas coisas ao mesmo tempo.

Pois se o argumento da ombudsman sugere que acontece algo mágico entre 8 e 12 anos, e o jornal passa do tom laudatório, como fez com FHC em 1998, à crítica acerba, então isso não se verificou com o PT.

Basta tomar o pleito de 2010 como exemplo, pois nessa ocasião o PT acumulava 8 anos na presidência, isto é, como o PSDB em 1998. Não disponibilizamos ainda esse estudo no site do MANCHETÔMETRO, mas reproduzo abaixo gráfico com a cobertura dos candidatos na Folha de S. Paulo em 2010:

Captura de Tela 2014-10-07 às 18.31.04

*****

Como se pode ver, o desequilíbrio contrário a Dilma e ao PT em 2010 é muito similar àquele que verificamos atualmente. A proporção de contrários sobre neutros nas capas da Folha foi de 57% para a candidata do PT e de menos de 40% para Serra, naquele pleito. Em suma, não é o desgaste temporal da situação que explica o comportamento enviesado do jornal.

No seu Manchetômetro do B, publicado na edição impressa de domingo (5/10/14), a ombudsman constata o viés contrário à Dilma e ao PT, campeões de negativas na primeira página, em manchetes e nas reportagens internas, tanto em números absolutos como em comparação a outros candidatos e partidos. Mas no texto que circunda os gráficos ela tenta justificar esse fato.

O argumento principal apresentado por ela é que a Folha de S. Paulo cumpre o papel de contrapoder, ou seja, que o desequilíbrio da cobertura não é viés contra o PT.

Literalmente, ela diz que Dilma é mais “fustigada” porque ocupa o “cargo mais alto do país”. Isso é um pouco surpreendente, pois eu já havia mostrado à jornalista que a análise do pleito de 1998 joga essa tese por água abaixo.

A tal ideia ela adiciona algo que não havia dito a mim na entrevista: que as críticas desproporcionais devem-se a “índices econômicos ruins”, pois, ela lembra o leitor: “a economia é item de primeira necessidade no noticiário”.

Mais uma vez um argumento que não tem suporte na realidade dos fatos.

Voltemos à eleição de 1998. Usando o poder racional da inferência, podemos concluir que, se a tese da economia se verifica, uma vez que a situação de reeleição está presente, então o tratamento favorável dado a FHC deve ser atribuído à melhor situação econômica daquele momento, se comparado ao atual.

Tal inferência, contudo é falsa. Vejamos os números das principais variáveis da economia.

De fato, a inflação no IPCA em 1998, 1,65%, foi menor do que a prevista para o ano corrente, de 6,3%, ainda que essa esteja dentro do teto da meta.

Mas todos as outras variáveis econômicas são desfavoráveis a 1998, em comparação a 2014.

A taxa de desemprego nas regiões metropolitanas era de 18,6% e agora caiu para 10,8%.

O crescimento econômico foi 0% naquele ano, e esse ano a previsão é de 0,9% – baixo, mas ainda assim superior à estagnação completa de 1998.

A taxa de juros básica da economia flutuou intensamente em 1998 chegando a atingir 49,7%, enquanto que em 2014 ela variou de 10% a 11% ao longo do ano.

Eram necessários 6,5 salários mínimos na época para se manter uma família de 4 pessoas, segundo cálculo do DIEESE. Hoje esse índice é de 3,9 salários mínimos.

Em suma, se a tese dos “índices econômicos ruins” vigorasse, FHC teria sido alvo de uma cobertura muito mais negativa em 1998 por parte da Folha, mas não foi.

Não pude, contudo, demonstrar a inadequação desse argumento econômico pois ele não foi usado durante a entrevista.

Na verdade, ao ter suas duas teses principais refutadas, a do contrapoder e do desgaste no poder, a ombudsman começou a ficar um pouco desconfortável.

Percebendo isso, resolvi assumir eu o papel de entrevistador.

Pedi a ela que lembra-se das capas da Folha de S. Paulo dos últimos três dias.

A de 30/07 foi: “Com Dilma em alta, bolsa tem a maior queda em 3 anos”.

A jornalista concordou que era negativa para Dilma.

A do dia anterior, 29/07, era “Dilma não cumpriu 43% das promessas de 2010”.

E a do dia 28/07, abaixo da fotografia de Dilma lia-se “PF investiga ligação entre tesoureiro do PT e doleiro preso”.

Foi aí, frente a brutalidade desses fatos, que arrematei com as seguintes sentenças: “3 manchetes em seguida, um dia após o outro, todas contrárias à campanha de Dilma. Nós estamos no final de uma campanha política. Não é possível que você trabalhe nesse jornal e não tenha noção disso, sendo ombudsman do jornal.”

Ao invés de responder, contudo, a jornalista passou a reclamar que eu estava assumindo um tom acusatório nos meus argumentos, sendo que o objetivo dela era somente se informar sobre as atividades do MANCHETÔMETRO e talvez citar o trabalho em sua coluna, que saiu no dia 5/10, dia da eleição com um trabalho em tudo igual ao que fazemos.

Eu disse que estava respondendo às suas questões, mas ela novamente reclamou de meu tom e disse que achava melhor não publicar qualquer referência ao MANCHETÔMETRO.

O MANCHETÔMETRO nunca foi citado em qualquer dos meios que estuda: Estado de S. Paulo, O Globo, Folha ou Jornal Nacional.

Não esperamos tratamento diferente desses órgãos de imprensa, uma vez que nosso trabalho revela uma intensa politização da cobertura que fazem das eleições, a despeito de sua retórica de neutralidade e profissionalismo jornalístico.

Não me surpreende o fato de o texto da Ombudsman ser mais uma tentativa de advogar pelo jornal, e não pelo leitor ou pelo público, que é a maneira como essa função é propagandeada pela própria Folha.

O que deve ser apontado é a incapacidade da ombudsman, seja na entrevista ou em sua coluna, de responder às questões muito objetivas que lhe foram colocadas: como explicar a tese do contrapoder frente ao viés da cobertura de 1998?

Como adotar a tese do desgaste temporal da situação se a cobertura da própria Folha a refuta?

Como argumentar que é o contexto econômico que explica o viés se em 1998 a economia estava muito pior do que agora?

E por fim, cara ombudman, como o jornal pode publicar 3 manchetes de capa negativas seguidas contra um só candidato e isso não se tornar assunto em suas colunas?

PS do Viomundo: Em assim sendo, o próximo passo da Folha vai ser mandar uma meia dúzia de repórteres investigar o Manchetômetro, na tentativa de desmoralizá-lo. A Folha, lembrem-se, foi o jornal que pediu a cabeça de um jornalista do Meio&Mensagem que pretendia apenar relatar a verdade factual sobre o apoio da famílias Frias à ditadura militar.

Leia também:

Relembre: Folha escancarou ficha falsa de Dilma mas escondeu a do “consultor” que a denunciou

Jovem que não deu a mão a Aécio vai fazer BO por racismo e injúrias





20 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Hell Back

09 de outubro de 2014 às 21h57

E depois dizem que o brasileiro não é criativo. Muitos jornais inovaram e criaram o “Ombudsman Fantasma”.

Responder

Hell Back

09 de outubro de 2014 às 21h48

Os brasileiros sempre inovando. Inventaram o “Ombudsman Fantasma”.

Responder

alex

09 de outubro de 2014 às 18h25

PRA MIM A “OUVIDORA” DO FRIAS FALAR e um avião buzinar é a mesma coisa. A Folha tem essa Senhora só para disfarçar. Ela não manda nada. Nada. Pois ela falar na redação e um teco-teco buzinar lá em cima é a mesma coisa. Tudo combinado. O que a redação da Folha mudou com o ombudsman. Nada. Baita conversa mole gente! Alguém aqui, em sã consciência, acha que essa senhora tem voz com um editorzão da Folha. Deve sofrer na mão dos caras. Devem rir da cara dela. A Folha não mudou. Nunca vai mudar seu posicionamento por causa das críticas da ombudsman. Nisso o Estadão é mais sincero!

Responder

Léo

09 de outubro de 2014 às 15h28

Não sei porque partidos grandes como o PT e até mesmo emissoras de TV, blogs… Não fazem três pesquisas: uma em um reduto especifico (vide SP, reduto do PSDB), regiões onde o PT ganha e mostrar como é possível manipular pesquisas eleitorais.

Não acredite em pesquisa eleitoral. Afinal não é preciso dar seu nome ou qualquer tipo de informação que o identifique.
Em uma situação hipotética: eu como dono de um instituto de pesquisa, mando meus funcionários fazer uma pesquisa, como não existe a identificação dos entrevistados. É possível eles mesmos fazer e responder estas pesquisas.

Responder

FrancoAtirador

08 de outubro de 2014 às 22h59

.
.
VALE-TUDO DA MÍDIA TUCANA CONTRA O PT

Olha só a comparação que o “Muda Mais” fez

das Manchetes da BBC Brasil e do UOL/Folha:

Sobre Ofensores dos Nordestinos:

Na BBC, LULA ‘Critica Internautas’

No UOL, Lula ‘Ataca Internautas’.

(http://imgur.com/Zua1T7V)
i.imgur.com/Zua1T7V.png

(http://mudamais.com)
.
.

Responder

    Alexandre

    09 de outubro de 2014 às 18h38

    O PT deve recorrer a Corte Interamericana URGENTE! PiG e PSDB estão dando um golpe midiático baseado em ilações. Todas as Leis Eleitorais do país e regras eleitorais estão sendo quebradas. Não apresentam provas e fazem campanha para derrubar o PT, trata-se de clara fraude eleitoral ! URGENTE!

Rodrigo Leme

08 de outubro de 2014 às 15h56

O Manchetômetro fiscaliza todos os veículos? Blogs de jornalistas, por exemplo? Tem um ou outro aí que se diz “independente” mas não passa no teste…

Responder

    FrancoAtirador

    08 de outubro de 2014 às 23h09

    .
    .
    O Manchetômetro só analisa Empresas de Comunicação

    que se declaram de Linha Editorial Isenta e Imparcial.

    Blogs Assumidamente Petistas como Tijolaço e Cafezinho

    ou Declaradamente Tucanos como os da Veja e da Globo.
    .
    .

    FrancoAtirador

    08 de outubro de 2014 às 23h15

    .
    .
    Não, Tucanão!

    O Manchetômetro só analisa Empresas de Comunicação

    que se declaram de Linha Editorial Isenta e Imparcial.

    Blogs Assumidamente Petistas como Tijolaço e Cafezinho

    ou Declaradamente Tucanos como os da Veja e da Globo

    ficaram de fora da avaliação, por motivos óbvios.
    .
    .

Urbano

08 de outubro de 2014 às 15h06

Assim como há os demais ministérios, o pig vem a ser o ministério das comunicações da oposição ao Brasil…

Responder

Cristiano Pacheco

08 de outubro de 2014 às 14h57

Só não entendi a parte em que o João Feres Júnior afirma que o PSDB em 1998 estava a 8 anos no poder… Ora, FHC assumiu em 1994, isso dá 4 anos. E Dilma em 2010, completa agora 4 anos. Esta é a comparação a ser feita. Ou então, comparar a cobertura de 2002, quando ali sim o PSDB completou 8 anos… Acho que ele pisou na bola e confundiu as informações. Mas no mais o trabalho é irretoquível e demonstra como a mídia virou a verdadeira oposição no Brasil.

Responder

Julio Silveira

08 de outubro de 2014 às 07h43

Sou um apoiador da Dilma, mas toda vez que vejo esse tipo de critica a folha não tenho como esquecer que ela mesma desautorizou todas as criticas a esse grupo quando ao ganhar as eleições foi lá prestar homenagens, sem nunca ter feito o mesmo como os blogs que sempre a apoiaram até agora a pouco no momento Por causa de seu interesse.

Responder

Francisco

08 de outubro de 2014 às 04h16

Ao Ombudsman da Folha:

1)Dilma está no Poder há quatro anos, não doze…

2) A Folha é “contrapoder” a Alckmin (no Poder há quatro ou a vinte anos?)?

3) Como estão as manchetes sobre Haddad (no Poder há dois míseros anos…)?

4) Quando é que a Folha será “contrapoder” à FIESP (no poder desde 1500)?

5) Que outra mídia (afora as marginais) encarna “contrapoder” ao poder da Folha?

Responder

will

08 de outubro de 2014 às 03h17

Em um primeiro momento é deprimente.
Mas depois uma informação valiosa sobre o adversário a ser derrotado.
Paeece mesmo foi uma armadilhadesses porcos pra você , João.
Nao sei se a melhor forma de combater esses abusos seria ignorar o pig e deixá-los falando com seus leitores fanaticos apenas entre eles.

Nao sei por que diabos as autoridades dão trela para esses, já que subtrair e invetar informações tem sido uma constante há 50 anos.

Responder

Adroaldo Bauer Corrêa

08 de outubro de 2014 às 02h12

Se vive aprendendo. Muito bom o texto e a pesquisa. A entrevista da entrevistadora foi, pra mim, a melhor parte. lembrou Zaratini, girando sobre os calcanhares e invertendo a perseguição de que era alvo pelos restolhos do sni. Se o jornal tem dono, costumo dizer, é nele imposta a voz do dono. A senhora ouvidora não tem autonomia lá, ou não é acatada lá. Aconteceu isso em Zero Hora, aqui, por algum tempo. Esforço hercúleo do colega na coluna do domingo a desdobrar explicações… Nem mais leio o jornal esse há bem dez anos. Nem a Folha. A Globo (Dilma poderia ter dito: “não aponte o dedo pra mim”, pra Patrícia Poeta e calado para ouvir os discursos de Bonner), pois é, a Globo tem de mostrar a DARF, pra considerado só jornalismo o que divulga. Parabéns.

Responder

Fabio Passos

07 de outubro de 2014 às 21h37

O PiG mensurado é ainda pior do que imaginava.

Não há sombra de dúvida que é uma máquina de propaganda da direita.

Responder

Beto

07 de outubro de 2014 às 20h19

A Marina precisa entender que ela nunca vai receber da direita sua confiança como sua consanguinea representante.
Ela tem que saber que a autêntica elite, com tanto barão ladrão em seus comandos, nunca vai querer contar com quem não tem seu DNA, por seu óbvio preconceito.
Ela não pode deixar de entender que só foi incensada pela direita por uma circunstância trágica – ou providencial, dependendo do ponto de vista.
Se ela apoia a direitona agora, vai perder de vez qualquer qualificação, aquele caráter que a distinguiu entre aquelas pessoas que a escolheram como uma alternativa política.
Se fizer isso, vai ficar claro prá uns oitenta por cento da sociedade uma clara cooptação interesseira. Por mais pontos que possa negociar com a direita, não tem sustentação para cobrá-los depois: terá seu apoio popular pulverizado nessas circunstâncias e sequer tem um verdadeiro partido com parlamentares no legislativo. A opinião pública consagrará a idéia de que tudo não passou de uma vendetta.
Será uma eterna mendiga política, tendo que se esconder num inexpressivo partido de direita, que será a sina da sua REDE nesse cenário.
Não servirá de nada nem para aqueles que a utilizaram eleitoralmente.
Triste fim de mais um brasileiro vampirizado pelas pretensões do tucanato.

Responder

Zilda

07 de outubro de 2014 às 20h18

Fui assinante da Folha por quase 10 anos e sempre achei que essa história de Ombudsman é puro marketing. As poucas criticas que fazem ao jornal não são observadas pelo diário. O ombudsman critica no domingo e na segunda-feira o jornal repete a mesma forma de abordar os assuntos: tendenciosa. Engodo puro.

Responder

Chapiro

07 de outubro de 2014 às 19h44

Amigos, adicionei algumas informações ao gráfico para ficar mais claro. Compartilhem à vontade:

<a href="” rel=”nofollow”>

Responder

Ronaldo

07 de outubro de 2014 às 19h17

Em 20 minutos vocês descobrirão o qual nefasto foi o (des)governo do Aécio Neves em MG. Isso explica a fragorosa derrota do PSDB em MG:

http://www.youtube.com/watch?v=r2zAyOeZvyU

http://www.youtube.com/watch?v=Y_R76FD7fVg

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding