VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Dirceu sobre o julgamento do mensalão: “Fux disse que ia me absolver”
Denúncias

Dirceu sobre o julgamento do mensalão: “Fux disse que ia me absolver”


10/04/2013 - 11h27

FERNANDO RODRIGUES

EM SÃO PAULO

MÔNICA BERGAMO

COLUNISTA DA FOLHA

O ex-deputado federal e ex-ministro José Dirceu de Oliveira e Silva, 67 anos, contou ontem sua versão a respeito de uma promessa que teria recebido de absolvição no processo do mensalão.

Em entrevista ao Poder e Política, programa da Folha e do UOL, Dirceu disse ter sido “assediado moralmente” durante seis meses por Luiz Fux, que era ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e desejava ir para o STF (Supremo Tribunal Federal).

A reunião entre ambos ocorreu num escritório de advocacia de conhecidos comuns. Ao relatar esse encontro, Dirceu faz uma acusação grave. O ex-ministro afirma não ter perguntado “nada” [mas Fux] “tomou a iniciativa de dizer que ia me absolver”.

Num outro trecho da entrevista, segundo Dirceu, “ele [Fux], de livre e espontânea vontade, se comprometeu com terceiros, por ter conhecimento do processo, por ter convicção”.

O ex-ministro afirma ainda que Fux “já deveria ter se declarado impedido de participar desse julgamento [do mensalão]”.

No início de 2011, Fux foi nomeado pela presidente Dilma Rousseff para o STF. Durante o julgamento do mensalão, votou pela condenação de Dirceu -que acabou sentenciado a de dez anos e dez meses de reclusão mais multa.

Em entrevista à Folha em dezembro do ano passado, Fux admitiu ter se encontrado com Dirceu, mas negou ter dado qualquer garantia de absolvição. “Se isso o que você está dizendo [que é inocente] tem procedência, você vai um dia se erguer”, teria sido a frase que o então candidato ao STF ofereceu ao petista.

Agora, Dirceu contesta em público essa versão de Fux. Foi a sua primeira entrevista formal depois de ter sido condenado. O ex-ministro da Casa Civil de 2003 a 2005, durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva, acha “tragicômico” que Fux declare ter tomado conhecimento mais a fundo do processo do mensalão apenas ao assumir no STF: “É que soa ridículo, no mínimo (…) É um comportamento quase que inacreditável”.

O fato de Fux ter prometido absolver Dirceu ajudou na nomeação para o STF? A presidente Dilma levou isso em consideração? Dirceu: “Não acredito que tenha pesado, não acredito que tenha pesado. Eu não participei da discussão da nomeação dele porque sempre fiz questão de não participar”.

A seguir, trechos da entrevista:

Folha/UOL – Como foi o encontro do sr. com o ministro, que depois foi muito rigoroso no julgamento, Luiz Fux [do STF]?

José Dirceu – Com relação à minha reunião com o então ministro do STJ Luiz Fux, que eu não conhecia, eu fui assediado moralmente por ele durante mais de seis meses para recebê-lo.

Como foi esse assédio?

Através de terceiros, que eu não vou nominar. Eu não queria [recebê-lo].

Quem são esses terceiros? São advogados? Lobistas?

São advogados, não são lobistas. Eu o recebi, e, sem eu perguntar nada, ele não apenas disse que conhecia o processo… Porque ele dizer para sociedade brasileira que não sabia que eu era réu do processo do mensalão é tragicômico. Soa…

Ele mentiu?

Não. É que soa ridículo, no mínimo, né?

Mas por quê? Ele sabia?

Como o ministro do STJ não sabe que eu sou réu no processo?

Mas, então, o sr. está dizendo que ele mentiu [depois ao dizer que não conhecia bem o processo]?

Não. Eu não estou dizendo que ele mentiu. Eu estou dizendo que soa ridículo. É só isso que eu vou dizer. E ele tomou a iniciativa de dizer que ia me absolver. Eu…

Ele disse para o sr.: “Eu vou te absolver”?

…Disse textualmente…

E qual foi a frase?

Que ia me absolver.

Foi assim: “Eu vou absolver o sr.”?

Eu disse assim: eu não quero que o sr. me absolva. Eu quero que o sr. vote nos autos, porque eu sou inocente. Não é porque não tem prova não. Eu fiz contraprova, porque eu sou inocente.

Mas como que ele falava? “Eu o conheço e vou absolvê-lo”?

Não vou entrar em detalhes porque não é o caso. Eu quero dizer o seguinte: para retratar, para fazer uma síntese, uma fotografia do encontro, é isso.

Onde foi o encontro?

Num escritório de advocacia.

Existia uma história de que ele falava: “Eu mato no peito”. E ele disse que falou para o José Eduardo Cardozo [ministro da Justiça], mas em outras circunstâncias. Essa frase foi dita?

Para mim, não.

Esse encontro foi num escritório de advocacia, agendado por terceiras pessoas?

Sim.

Que eram amigos comuns?

Não eram amigos comuns. Podem ter sido amigos dele. Tinham referências de terceiros, que eram pessoas sérias, responsáveis, de boa fé. Como até hoje eu acredito que estavam de boa fé.

E o sr. acreditava que ele ia inocentá-lo? Isso pesou na nomeação dele [de Luiz Fux para o STF]? A presidente Dilma levou isso em consideração?

Não acredito que tenha pesado, não acredito que tenha pesado.

Na hora de discutir a nomeação dele…

Eu não participei. Eu não participei da discussão da nomeação dele porque sempre fiz questão de não participar. Porque, evidente, eu como réu do Supremo tinha que tomar todos os cuidados para evitar que minha situação se agravasse, como o resultado final mostrou.

Como é que o sr. se sentiu quando ficou claro que o ministro Luiz Fux iria votar pela sua condenação?

Depois dos 50 anos que eu tenho de experiência política, infelizmente eu já não consigo me surpreender…

Mas o sr. sentiu alguma coisa?

A única coisa que eu senti é a única coisa que me tira o sono. Nem a condenação de dez anos e dez meses me tira o sono porque eu tenho certeza que eu vou revertê-la.

O que foi?

O comportamento do ministro Luiz Fux. Porque é um comportamento que… Ele, de livre e espontânea vontade se comprometeu com terceiros, por ter conhecimento do processo, por ter convicção, certo? Essa que era a questão, que ele tinha convicção e conhecimento do processo. Acho que isso aí diz tudo. É um comportamento quase que inacreditável.

O sr. acha que cabe alguma medida no caso, sobre esse episódio?

Eu acho que ele já deveria ter se declarado impedido de participar desse julgamento, não é?

A sua defesa vai apresentar recursos. O sr. está com alguma esperança de ter sucesso?

Vai apresentar os recursos. Embargos declaratórios e infringentes. Depois do transitado em julgado, nós vamos para a revisão criminal. E vou bater à porta da Comissão Internacional de Direitos Humanos para ir ao Tribunal Penal Internacional de San José.

Não é que eu fui condenado sem provas, como disse o ministro do Supremo, que os réus queriam que as provas aparecessem, como se não fosse o óbvio, que cabe à acusação apresentar as provas e comprovar o crime. Não houve crime, eu sou inocente. Me considero um condenado político. Foi um julgamento de exceção, foi um julgamento político. A cada dia eu me convenço mais disso porque os fatos comprovam isso.

Mas era um tribunal cuja maioria foi nomeada pelo ex-presidente Lula e pela presidente Dilma…

Uma coisa não tem nada a ver com a outra. O que caracterizou esse julgamento como político é evidência pública. Um julgamento que foi deliberadamente marcado junto com as eleições. Eu fui julgado e condenado na véspera do primeiro turno e na véspera do segundo. E não tiveram o pudor de antecipar o meu julgamento para um ministro participar porque ia, pela expulsória, se aposentar e não ia participar do meu julgamento. A transmissão de um julgamento como esse pela televisão, a exposição de um julgamento como esse na televisão é algo inacreditável. Porque, se há uma disputa política durante sete anos que existiu o mensalão, que havia o dinheiro público, que foram comprados parlamentares, o mínimo que, na medida em que se devia adotar, é que o julgamento obedecesse a norma de todos os julgamentos. Nenhum julgamento teve a exposição que esse julgamento teve.

O sr. acha que os ministros ficaram com medo da TV?

Desde o oferecimento da denúncia, é evidente que houve pressão externa sobre o Supremo para que esse julgamento tivesse caráter. Porque, segundo os autos e as provas, e o julgamento do julgamento vai ser feito. Eu, pelo menos, enquanto eu suspirar, eu vou lutar para provar a minha inocência. Porque eu sempre tive que provar a minha inocência. Porque eu nunca tive a presunção da inocência.

Veja bem: Eu fui processado pela Câmara porque o Supremo mudou a jurisprudência para eu ser processado. Todo mundo já esqueceu isso. Por 7 a 4. Eu não era deputado, eu estava licenciado. Eu não tinha imunidade. Como é que eu ia quebrar o decoro parlamentar? Por 7 a 4, mudou. A Comissão de Ética da Câmara… Toda vez que um partido retirava a representação, ela arquivava. No meu caso, o PTB retirou a representação contra mim. Foi retirada. Ninguém se lembra disso também. [A Comissão de Ética] continuou a investigação. Eu fui cassado sem provas pela Comissão e pelo Congresso. A denúncia era inepta no meu caso. Ela foi aceita. Eu fui julgado e fui condenado.

O procurador-geral da República disse que as provas eram tênues. E o Supremo, para me condenar, deixou de lado a exigência do ato de ofício contrariamente a todos os antecedentes do Supremo e usou, indevidamente, a teoria do domínio do fato. Então, como é que o meu julgamento não é político? Eu não consigo entender porque eu fui condenado. Por que eu era ministro? Por que eu era chefe da Casa Civil? Por que eu era líder do PT? Mas aonde estão as provas?

Mas o Supremo considerou provas materiais os pagamentos feitos pela Visanet.

Primeiro, não é dinheiro público. A Visanet é uma empresa privada.

Mas o Supremo não o considerou [o dinheiro] como público?

Mas o Supremo cometeu um erro jurídico gravíssimo que nós vamos levar isso à revisão criminal. Primeiro, o dinheiro não é público. É privado. Alguém que deve para a Visanet está inscrito na dívida ativa da União? Isso é ridículo. Segundo: Há provas, e elas são apresentadas agora já nos recursos e na revisão criminal, que todos os serviços foram prestados, há provas, à campanha do Ourocard. Primeiro que, é preciso ficar claro, os recursos da Visanet vêm de 0,1% de cada movimento de cartão. Cria-se um fundo de incentivo à Visanet. Esse fundo é privado. O fundo deposita na conta da agência de publicidade no Banco do Brasil ou não banco em que a agencia estiver. No caso, a DNA tinha no Banco do Brasil. Não é dinheiro do Banco do Brasil para a Visanet, para a DNA. É dinheiro do proprietário de cartão Visanet que o usa para um fundo privado de incentivo que pagou a DNA e, [em] todas as campanhas, está comprovada que ela foi feita e os valores. Foi feito uma auditoria pela Visanet, há auditorias do Banco do Brasil e está se fazendo, agora, uma auditoria independente. Vai ser apresentado o campeonato de vôlei de praia, o campeonato de tênis, a campanha com relação ao Círio de Nazaré, a réveillon do Rio [de Janeiro] de 2013, se eu não me engano, os shows, as campanhas culturais, o Círio de Nazaré. Tudo isso vai ser apresentado.

O sr. acha que, nessa fase do processo, o Supremo vai estar propenso a rever essa interpretação que eles tiveram sobre ser ou não ser dinheiro público?

A perícia pode ser contestada. A perícia da Polícia Federal é infundada, certo? Os peritos nunca disseram que havia pagamentos, veja bem, do Banco do Brasil para a DNA. Nunca disseram isso. Basta ler os autos. Outra coisa que os peritos jamais disseram: Os peritos nunca disseram que havia dinheiro público. Nunca disseram isso. Há peritagem e há peritagem. Vamos ver a perícia, agora, como vai ficar na discussão jurídica.

Mas o sr. é uma pessoa experiente. O sr. tem expectativa que, nessa fase, o sr. possa vir a ser inocentado no processo?

A expectativa que eu tenho é que se faça justiça. A formação de quadrilha foi 6 a 4. Eu tenho direito a um embargo infringente e vou apresentar. Não é possível que se caracterize como formação de quadrilha os fatos que estão descritos na ação penal. Por isso que quatro ministros discordaram veementemente. Há duas teses para serem rediscutidas porque é um direito que nós temos. Nos embargos declaratórios, eu vou procurar mostrar que a pena que eu recebi na corrupção ativa… Porque é isso que está em discussão, e não o mérito, porque eu não tive quatro votos para o embargo infringente. Ela [a acusação de corrupção ativa] é completamente fora da jurisprudência do próprio Código Penal e de Processo Penal. Essa é a discussão que se faz agora. Mas, na revisão criminal, se há um erro jurídico grave, que há dinheiro público e que esse dinheiro foi desviado, não houve desvio de dinheiro público. Os recursos que eram para o PT tiveram origem em empréstimos que as empresas do Marcos Valério fizeram em um banco e esses empréstimos foram repassados para a tesouraria do PT. Essa é a origem do dinheiro, não é a Visanet e nem houve desvio de dinheiro na Câmara. O contrato foi cumprido, o serviço foi prestado. O Tribunal de Contas declarou lícito e, também, a Comissão de Sindicância Interna da Câmara. O controle interno da Câmara nomeado pelo Severino Cavalcante. Aliás, não há nomeação legal no Diário Oficial. [O controle interno da Câmara] é que disse que o contrato não cumpriu os seus objetivos, que houve desvio de recursos. Toma como desvio de recursos o volume, o bônus de volume, que é uma prática legal de mercado. Inclusive, foi legalizada no Congresso Nacional depois. Isso não pode ser confundido com desvio de recursos para campanha eleitoral, para qualquer outro fim.

O que é o caixa dois?

Pode ser dinheiro de origem legal que não é declarado que está indo para o partido.

Por que precisava do Marcos Valério para fazer isso? Se fosse uma simples operação de caixa dois, não seria uma empresa pegando dinheiro e dando para o Delúbio [Soares], que era o tesoureiro? Onde é que surge essa figura tão peculiar que é o Marcos Valério e tão íntima, aí, do principal partido político do país?

Essa pergunta eu não posso te responder porque eu nunca tive nenhuma relação com o Marcos Valério. Ele nunca falou comigo. Ele nunca telefonou para mim. Eu nunca telefonei para ele. Eu nunca me encontrei com ele pessoalmente. Ele foi à Casa Civil acompanhando dois bancos. Na primeira vez, eu nem sabia quem era ele, que ele existia. Porque, no primeiro mês de governo, que foram me convidar. Porque o presidente não podia. Eu fui. Eu fui… Está no jornais do dia. [Eu fui] à uma fábrica do grupo que detém o controle do BMG em Goiás. E, na segunda vez, ele acompanhava o diretor, o presidente do Banco Espírito Santo aqui no Brasil, Ricardo Espírito Santo.

Mas o sr. não procurou entender como que surgiu o Marcos Valério nisso? Se era um simples caixa dois, como é que surgiu o Marcos Valério?

Pelo que consta, o Marcos Valério surgiu a partir de Minas Gerias do PSDB, em 1998, que ele fez essa mesma operação de empréstimos bancários.

E por que o PT incorporou esse tipo de [prática]?

Não cabe a mim responder isso. Porque, como consta dos autos e é público e notório, eu estava na Casa Civil, não estava na direção do PT. Não respondia pelas finanças do PT, nem pelas decisões executivas do PT do diretório do PT. Porque, senão, eu sou parte. Por isso mesmo que não podia estar nessa denúncia. Como outros foram retirados e inocentados, como o Luiz Gushiken, o Sílvio Pereira, a rigor, eu teria que ser inocentado.

Mas o sr. reconhece que, formalmente, o sr. não estava nessa funções mas o sr. tinha uma grande ascendência sobre todas essas pessoas?

Não. São coisas completamente diferentes. Eu tinha ascendência, e tenho… Tinha mais, tenho, [ascendência] política sobre o PT porque eu sou um dos líderes do PT. Eu faço parte da história do PT. Eu construí o PT. Eu sou amigos das pessoas. Tenho relações com as pessoas e elas me ouvem, mas eu não exercia cargo e função e não participei dessas decisões, da tomada dessas decisões. Aliás, todos dizem isso. Ninguém diz o contrário. Ninguém. Não há uma testemunha de que eu participei. Não há uma testemunha que diga que houve compra de votos. Não há uma no processo. Não há uma testemunha que me envolva. E eu fiz contraprova das acusações que me foram feitas. Porque o Roberto Jefferson faz uma acusação de que foi para comprar deputados. Mas os R$ 4 milhões que o PTB e ele receberam não foram para comprar deputados, foram para campanha eleitoral. Ah, a coisa é ridícula. Como é que se aceitou isso na sociedade brasileira? Ele é surpreendido e envolvido numa denúncia que tem um inquérito hoje. Não há nenhum petista nem como testemunha sobre os Correios. Não há um petista envolvido naquele ato de corrupção dos correios. Ele, partir daí, faz uma denúncia de que existe um mensalão e que eu sou o responsável sem nenhuma prova. E acaba como acabou: numa condenação no Supremo Tribunal Federal.

Se o Marcos Valério não tem nada, não sabe nada, se o Lula também não tem envolvimento nenhum nesse assunto, por que o Marcos Valério é tratado com algumas deferências. Por exemplo, ele é recebido pelo Paulo Okamotto, que é presidente do Instituto Lula e que é, talvez, o assessor mais próximo do ex-presidente. Por que o Paulo Okamotto recebe o Marcos Valério?

Boa pergunta para ser dirigida ao Paulo Okamotto. Eu nunca recebi o Marcos Valério. E nunca tive nenhum contato com ele. Nem antes nem depois. Até hoje eu não tenho.

Mas por quê… O sr. conversa sempre com o Lula, não conversa?

O Lula não tem nenhuma preocupação em relação a essa questão, nenhuma. E não deve ter.

Mas por que Paulo Okamotto, que é um interlocutor privilegiado dele [de Lula] recebe…

A não ser que se queira, agora, dar um golpe que não conseguiram dar antes. Quer dizer, conseguir transformar o Lula em réu na Justiça brasileira. A não ser que se vá fazer esse tipo de provocação ao PT e ao país, à nação brasileira.

Mas as pessoas têm que fingir que não estão vendo que o Marcos Valério vai lá falar com o Paulo Okamotto?

O Paulo Okamotto tem que responder por isso. Os que conversam com o Marcos Valério, sejam os advogados, que têm toda razão para conversar…

Os advogados são outra questão. O Paulo Okamotto é um interlocutor do ex-presidente.

Faça essa pergunta ao Paulo Okamotto.

Mas o sr. nunca teve curiosidade de perguntar ao ex-presidente Lula por que isso acontece?

Não. A curiosidade eu não tenho nenhuma. Porque eu conheço os fatos e sei que o Lula não tem absolutamente nada a ver com isso. Absolutamente.

A acusação que o Marcos Valério fez, o Ministério Público e a Polícia Federal vão investigar. Não há por que fazê-lo, porque o Supremo Tribunal, mais de uma vez rejeitou o pedido de incluir o presidente Lula no processo. Não há fatos novos nas declarações do Marcos Valério. Basta ir à CPI e à Polícia Federal, e ao inquérito, para ver que o Marcos Valério já havia declarado. Esses fatos já eram conhecidos. Ele já declarou. Na verdade, eu não vejo por que o Ministério Público pediu essas investigações. Isso era para ser arquivado, mas já que pediu, vamos ver agora as consequências.

Por que o sr. acha que voltou essa onda exatamente agora. Porque o sr. mesmo disse que não há provas materiais construídas contra o sr., contra vários do processo, como não havia contra o ex-presidente Lula. Não obstante alguns ficaram de fora e outros ficaram dentro, condenados como o sr. O presidente Lula, na época, ficou de fora. Agora, vai ser investigado. Por que voltou isso?

Boa pergunta.

Qual é a sua intuição?

Razões políticas para tentar desgastar a imagem do presidente Lula. Manter a agenda do mensalão. Manter o PT e essa agenda do mensalão no noticiário. Essa é a razão. A razão é política, não tem outra razão. Porque do ponto de vista jurídico, do conteúdo da denúncia, da delação premiada do Marcos Valério, não há o que investigar nela. Porque tudo isso foi investigado. Aliás, há outras ações na Justiça, porque muitos foram condenados, é importante que se diga para a sociedade saber, por caixa dois.

Se faz um escândalo quando, por um lado, é correto, porque tem que ser condenado o caixa dois. Mas, por outro lado, se você não cometeu um crime, você tem que se defender. Os réus estavam se defendendo porque não cometeram o crime de corrupção e formação de quadrilha. Estavam dizendo que cometeram o crime de caixa dois. Condenável, que a Justiça tem que apurar e cada um tem que responder pelo crime, mas que não é a mesma coisa, certo? A verdade é que essa era uma questão de caixa dois.

Leia também:

Nem parece que o Fux foi indicado por governo petista



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


41 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Janio de Freitas: O que a Xuxa tem a ver com Fux? - Viomundo - O que você não vê na mídia

21 de abril de 2013 às 16h29

[…] Dirceu sobre o julgamento do mensalão: “Fux disse que ia me absolver” […]

Responder

Lincoln Secco: A caça a José Dirceu - Viomundo - O que você não vê na mídia

17 de abril de 2013 às 12h05

[…] Dirceu sobre o julgamento do mensalão: “Fux disse que ia me absolver” […]

Responder

Felipe Leonel

11 de abril de 2013 às 10h21

Não entendo quase nada de politica,AINDA, mas com pouca experiencia de vida que tenho, apenas 19 anos, já percebi que nesses meios sempre existe joguinhos e maracutaias. Pra mim, o Dirceu está querendo desmoralizar o julgamento do mensalão. Quem sabe ele pode conseguir um outro julgamento se este “fato” alcançar grandes proporções. Talvez há mais “cartas na manga”. E pra mim ele não é qualquer um, é o cara que organizou todo o esquema do mensalão. Muito inteligente e astuto. E que se não fosse o escandalo, hoje seria nosso Presidente.

Responder

Lafaiete de Souza Spínola

11 de abril de 2013 às 09h46

De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto. (Senado Federal, RJ. Obras Completas, Rui Barbosa. v. 41, t. 3, 1914, p. 86)

Vejam a data dessa frase. Nossos males vêm de muito!
Vamos discutir como mudar tudo isso?

Como início, publiquei 02 tópicos: UM PROJETO PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL e UM PAÍS UNITÁRIO

De nada adianta trocar 6 por meia dúzia. As mudanças têm que ser profundas!

Responder

Lafaiete de Souza Spínola

11 de abril de 2013 às 09h43

SÓ VEJO COISAS LAMENTÁVEIS E VERGONHOSAS. SÓ ME RESTA COMENTAR SOBRE A ÚNICA SAÍDA QUE TEMOS:

UM PROJETO PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL

Desde meados de 2012 venho publicando este tópico, com pequenas revisões. Não tenho a pretensão de estabelecer métodos de ensino. Procuro alertar sobre a necessidade de um aumento substancial no investimento.

Na Finlândia, um dos primeiros passos foi a valorização dos professores. Hoje, para ser professor da rede básica é exigido curso superior e mestrado. Ser professor passou a ser a carreira mais cobiçada, valorizada. Há uma preparação especial e só os melhores alunos conseguem chegar lá. A quantidade de matérias é ampla, permitindo o desenvolvimento crítico dos estudantes. Da escola, não sai, apenas, um técnico, mas uma pessoa com preparo para ter suas opções na vida.

Antes de 1970, a Finlândia era um país madeireiro. Hoje, as pessoas falam duas línguas estrangeiras e o país é conhecido pela Nokia, uma das maiores fábricas de celulares do mundo, produto que importamos e em troca exportamos, entre outros produtos primários, o café. Em nosso país querem suprimir matérias como Geografia e História, talvez, como consequência da supressão de professores. Educação que para essa gente é gasto e não investimento!

No Brasil, o que precisamos?

São inaceitáveis as seguintes afirmações:

1. É uma sobrecarga o grande número de matérias obrigatórias no currículo escolar.

2. O Brasil vai quebrar, caso haja um grande aumento do investimento público na educação.

Na INFOERA; com o avanço exponencial dos componentes integrados, em consequência da miniaturização, já alcançando o nível atômico, ao lado do vasto uso da nanotecnologia, do vertiginoso desenvolvimento do software e das comunicações; passa a ser mais importante, cada vez mais, o ser humano pensante, com um amplo conhecimento geral que permita o seu desenvolvimento, quando estiver fora da tradicional cadeira escolar. O trabalho rotineiro será, então, executado pelas máquinas e robôs, como está acontecendo, até no Brasil. O mundo da WEB tende a ser incomensurável.

Precisamos preparar nossas crianças para esse mundo que se avizinha a uma velocidade alucinante, com mais e mais competição, em qualquer tipo de sociedade que se apresente. No futuro que se avizinha as pessoas passarão a ter suas atividades em casa ou viajando. Quem não estiver preparado, sofrerá as consequências do ócio.

A verdade mostra que a nossa educação é, faz décadas, pífia! O Brasil necessita de uma escola pública, em tempo integral, de qualidade que permita fornecer o básico às nossas crianças, para que elas se encaixem nesse mundo que se descortina.

Observem que poucas foram as escolas a obter um nível de avaliação razoável no IDEB. Quase todas, inclusive, as orientadas para o atendimento de áreas específicas, de muito difícil acesso, praticamente impossível, à maioria dos nossos jovens.

Outra observação é que os piores índices, em geral, foram verificados nas regiões onde predominam altos níveis de violência. Quanto maior índice de violência, tanto menor o IDEB!

Guardo cerca de 1000 testes aplicados, nos últimos 10 anos (redação de pelo menos 15 linhas, matemática e conhecimentos gerais), em jovens entre 18 a 25 anos, todos com secundário completo, muitos já frequentando faculdades particulares. É uma calamidade!

O caminho para resolver os problemas estruturais e amenizar as injustiças sociais do Brasil está, basicamente, atrelado à EDUCAÇÃO. Precisamos, com urgência, investir, pelo menos 15% do PIB no orçamento da educação. Deve ser disponibilizada escola com tempo integral às nossas crianças, oferecendo, com qualidade: o café da manhã, o almoço, a janta, esporte e transporte, nas cidades e no campo. Como é uma medida prioritária, inicialmente, faz-se necessária uma mobilização nacional. Podemos, por certo tempo, solicitar o engajamento laico das Igrejas, associações, sindicatos e das nossas Forças Armadas (guerra contra o analfabetismo e o atraso) para essa grande empreitada inicial.

Outros investimentos de grande porte, concomitantemente, devem ser realizados, ajudando, inclusive, a movimentar a economia de todo país: a construção civil seria acionada para a construção de escolas de alta qualidade, com quadras esportivas, espaços culturais, áreas de refeição e cozinhas bem equipadas etc. Tudo isso exigindo qualidade, porém sem luxo. Durante o período de mobilização, concomitantemente, o governo deve investir na preparação de professores para atender à grande demanda.

Como esse projeto é de prioridade nacional, os recursos deverão vir, entre outros: de uma nova redistribuição da nossa arrecadação; de uma renegociação da dívida pública, com a inclusão do bolsa família etc. Em vez dessas exonerações de impostos, toda essa verba, já poderia estar sendo direcionada para esse projeto.

Para a construção inicial dos centros educacionais e formação de professores, sugiro que se invista cerca de 40% das nossas reservas. Esses grandes centros escolares poderiam ser construídos 03 em cada estado, imediatamente, como protótipos, sendo 01 na capital, 01 no interior e 01 no campo, escolhendo as áreas mais carentes.

Não temos tempo para ficar aguardando a época do pré-sal.

Observações e consequências previsíveis:

1. O tráfico perderá sua grande fonte de recrutamento, pois todas as crianças estarão, obrigatoriamente, em tempo integral, das 07 às 19 horas, na escola. A segurança pública ficará agradecida. Serão desnecessários tantos investimentos em presídios e no efetivo policial. É uma fonte de recursos que migrará para a educação. Mais educação, como proposta, significa menos delinquência, menos tráfico de drogas, menos usuários, mais saúde.

2. Para aqueles adolescentes que já participam de contravenções graves, podem ser planejadas escolas albergues, dando mais ênfase ao esporte e à cultura.

3. A saúde pública será, também, uma grande beneficiária, pois teremos crianças bem alimentadas, sinônimo de saúde para elas e seus pais. Toda escola deverá ter um posto de saúde. Os pais despreocupados terão mais tempo para seus afazeres, menos despesas com alimentação, uma saúde melhor, necessitando de menos atendimento médico. Haverá menos gasto público com acidentes e com viciados em entorpecentes. É mais dinheiro que poderá migrar para a educação.

4. O setor financeiro deve entender que isso levará o país, em médio prazo, a outro nível de bem estar. Será bom para todas as atividades que desejam uma nação economicamente forte. Os bancos irão ter menos gastos com a segurança, pois, esses assaltos a caixas eletrônicos tenderão a desaparecer. Com a educação em constante avanço, poderão aperfeiçoar a automação do setor.

5. Considero que esse projeto, para ter êxito, necessitará de uma coordenação centralizada, inclusive para evitar os privilégios nas diversas de regiões do Brasil. A educação deve ter o mesmo nível em todo país. A educação básica deve ser federalizada.

6. Os recursos, atualmente, aplicados pelos estados e municípios, deverão ser alocados nesse projeto. Tudo passa para o controle da União. Para diminuir custos, poderá haver padronização em determinadas atividades. A edição de livros em escala, por exemplo, será necessária.

7. Deverá ser criada uma fiscalização rigorosa, prevista em lei, controlada pela sociedade; com a participação de: pais, professores e sindicatos, com poderes e recursos para denunciar erros, desvios de verba e de rumo etc.

8. Recursos adicionais: os pais pagarão 5% do salário / entradas pela mensalidade de cada filho matriculado. Isso é muito menos do que arcam, hoje, nas escolas particulares que, na sua maioria, não adotam o tempo integral. Muitas, inclusive, com qualidade duvidosa. Todas as famílias serão beneficiadas nas despesas de casa, pois: o café, o almoço, a janta e o transporte serão gratuitos.

9. O pequeno agricultor terá prioridade no fornecimento dos produtos alimentícios dessas escolas. Surgirá, então, um mercado pujante, nesse vasto Brasil, aumentando nosso mercado interno. Tornando-se, também, numa importante política para manter o homem no campo. A formação de pequenas cooperativas agrícolas deve ser incentivada para permitir a aquisição de maquinário destinado ao cultivo da terra, armazenagem da colheita e entrega dos produtos nas escolas. Surgirá, então, um promissor mercado para os fabricantes de máquinas.

10. A EMBRAPA deverá receber recursos adicionais para dar todo apoio a essa gente do campo, aproveitando para ensinar como praticar uma agricultura sustentável e como cuidar das matas ciliares. As escolas estabelecidas no campo devem ter no currículo aulas teóricas e práticas de como recuperar as áreas degradadas. O governo, por intermédio da Embrapa, fornecerá mudas e orientação de como proceder. As escolas localizadas dentro do perímetro urbano adotariam a sistemática de, uma ou duas vezes por mês, participar, em conjunto com suas irmãs do campo, de mutirões para recuperar áreas degradadas. Isso proporcionaria uma maior integração da cidade com o campo. As crianças da cidade não ficariam tão alienadas, quanto à vida do interior.

11. O Brasil passará a ser um país admirado e respeitado. Deixará de ser o país só das “comodities”, esse anglicismo usado para substituir “produtos primários”. Mesmo no campo da agricultura, teremos uma maior diversidade e qualidade. A cada dia, temos menos variedades de frutas e verduras, pois ao grande produtor não interessa essa variedade. Como está, muitas espécies desaparecerão!

12. Com o advento dessa geração bem educada, passaremos a ter produtos manufaturados, desenvolvidos e produzidos, aqui, com alta tecnologia. Nossa indústria crescerá, em função do mercado interno e da exportação de produtos com melhor qualidade.

13. O futuro da energia não poderá ficar dependente da contínua destruição de grande parte da nossa AMAZÔNIA. Precisamos desenvolver tecnologias. Pequenas usinas de energia solar, eólicas e hidroelétricas devem proliferar para atender às novas exigências dessas escolas e dos pequenos agricultores. A sobra dessa energia será integrada à rede nacional, evitando os apagões. Alguns projetos de grande porte poderão, talvez, ser adiados. Com mais educação e cultura teremos melhores condições de analisar nossas prioridades e tecnologias aplicáveis. Será o fim das aventuras! Tudo será planejado!

14. A energia nuclear, ainda, é cara e perigosa. Devemos pesquisá-la. Não podemos importar tudo a preço de ouro. Temos que investir na pesquisa e desenvolvimento de outras fontes. Com esse projeto de educação haverá proliferação de centros de pesquisa.

15. Outras fontes de energia, como a eólica, a solar e a biomassa poderão aumentar a nossa independência. Sem um projeto de educação, como o proposto, não iremos alcançar os avanços dos países mais desenvolvidos.

16. Não é com a devastação da Amazônia que vamos abastecer o mundo com carne. Precisamos desenvolver tecnologia para multiplicar as cabeças de boi por metro quadrado. Um povo educado e culto saberá combinar o desenvolvimento com a preservação ambiental. Ocuparemos a Amazônia, sem devastá-la.

17. Com a devastação de nossas florestas e matas ciliares, seremos as principais vítimas. Os psicopatas, sempre olham o presente; não se importam com o futuro! Estudos bem elaborados confirmam que no meio da sociedade há cerca de 3% a 5%dessa praga. Num país com uma população de 190 milhões, temos, assim, pelo menos, 5.7 milhões praticando todo tipo de ato daninho à sociedade; inclusive contra a educação. Quanto mais permissivo o ambiente, mais esses traficantes e corruptos abastecem a lavagem de dinheiro. Com um povo educado essa gente não desaparece, porém o grau de atividade será bem menor. Eles estarão, com certeza, na linha de frente, em oposição a um plano como este!

18. Para alcançarmos tudo isso, vamos necessitar, possivelmente, de uma nova forma de fazer política: mandato único em todos os níveis, partidos sem caciques, país unitário seria o ideal, lei única, câmara única e, consequentemente, deputados estaduais e vereadores só para a fiscalização. Os incomodados dirão: Que blasfêmia! Quem não dá a devida atenção à educação, deseja o status quo. Surgirão com uma infinita quantidade de argumentos contra, lançados pelos psicopatas e por muitos que não se dão conta que estão adotando os argumentos dessa gente. Muitos irão dizer que só precisamos melhorar a gestão, num faz de conta que não estão vendo os milhões de crianças perambulando pelas ruas ou trabalhando para ajudar no sustento familiar. Não querendo, ainda, tomar conhecimento dos milhares que estão sendo recrutados pelo tráfico. Muitos ou estão dominados pela propaganda ou simplesmente têm receio de contrariar banqueiros, construtoras, empreiteiras e grandes empresas com potencial de participar do execrável financiamento privado para as eleições.

19. A nossa federação tem sido o berço esplêndido dos caciques, dos modernos coronéis, alojamento de mafiosos, fonte das guerras fiscais e muitas outras mazelas. Dentro desse quadro federativo a educação, praticamente, não terá guarida. Assim, surgirão promessas vãs, enganosas, como prometer as famosas cotas, tirando o cobertor de pobres injustiçados para cobrir outros tão pobres. Tudo isso numa manobra, sem propor um projeto que transforme profundamente a nossa educação. Falam em educação sem investimentos pesados. Sabem mobilizar para a copa do mundo e para outros projetos onde o dinheiro jorra pelo ralo, descontroladamente. Lutam desesperadamente pelos royalties do petróleo. Planejam implantar o Trem Bala num país que não possui uma rede ferroviária para escoar sua produção. Para a educação sobra o engodo.

20. Tudo, portanto, por uma educação de nível, para que possamos, pacificamente, revolucionar esse nosso Brasil. As áreas de tecnologia passariam a ter disponibilidade de pessoal com preparo.

21. As nossas Forças Armadas, assim, repensariam seus projetos de importação, voltando sua atenção para o desenvolvimento tecnológico próprio. Não temos ameaças de vizinhos. Importar tecnologia militar de ponta é dar continuidade à nossa dependência. Um alto índice de educação será a base da nossa segurança. Daqui, sairão nossos pesquisadores, jovens que dedicarão seu tempo ao estudo, sem os desvios e vícios dessa sociedade doentia. Jovens que terão orgulho do pedaço de torrão onde nasceram e daqueles que pensaram neles. Só, assim, seremos um país forte, respeitado e admirado. Isso é utopia? Para quem não pensa em tal futuro, sim.

22. Proponho que esse tipo de escola acolha as crianças a partir dos 04 anos de idade com o objetivo de termos um bom nivelamento. Poucos são os pais, dentro dessa vida estressante, que têm condições de educar seus filhos durante os 04 aos 07 anos. Há uma tendência de deixarem essas crianças na frente da televisão, mesmo quando sob o cuidado de algum adulto. Dentro da classe média isso acontece, também. Pense que alternativa sobra para as camadas menos favorecidas que, muitas vezes, necessitam usar os precários meios de transporte, já antes do sol nascer. Há estudos que comprovam ser essa faixa etária a mais importante como base para o aprendizado futuro. Observemos que os pais ficariam menos estressados e teriam mais tempo para serem produtivos e desfrutarem do tempo livre para o estudo, a leitura e o lazer.

23. As atuais escolas de pequeno porte serão reformadas e usadas como creches.

24. Para os serviços gerais dessas novas escolas; como limpeza, cozinha e outros; serão contratadas pessoas que estavam usufruindo do Bolsa Família.

25. Lendo um artigo sobre a escola na China, chamou-me à atenção o fato de 02 crianças; filhas de brasileiros, que lá estão estudando; externarem o desejo de retornar à escola brasileira, alegando que a prof, no Brasil, passava uma folha para o dever de casa e que na escola chinesa ela recebia quatro folhas, com a obrigação de entregar o trabalho de casa totalmente feito. Para as crianças chinesas, aquele procedimento era normal. Elas não cresceram sentadas ou deitadas no sofá, só vendo desenhos animados e novelas. Já morei num condomínio, com 108 apartamentos, onde havia uma quadra de futsal que, praticamente, não era usada. Nos fins de semana, quando encontrava um menino solitário no playground e perguntava onde estavam os coleguinhas que não desciam para brincar um pouco; a resposta não era que estavam estudando e sim que a meninada gostava mesmo era do videogame, estavam jogando, por isso não desciam. É por isso que o entrevistador obteve aquela resposta na China. Estamos criando uma geração de futuros obesos!

26. Há um programa internacional de avaliação de estudantes (PISA), no qual, em teste recente, entre 65 participantes, o Brasil obteve o desagradável 54° lugar. A China, representada por Xangai, foi a primeira colocada. Existe um projeto para expandir o sistema adotado em Xangai, com cerca de 15 milhões de habitantes, para todo país. É, apenas, um exemplo, mas precisamos saber o que acontece no mundo para facilitar imitar o lado bom e evitarmos o negativo.

27. Imaginem o salto quantitativo e qualitativo que teríamos nos esportes. Em todas futuras olimpíadas estaríamos nas primeiras colocações. Em Londres, obtivemos desempenho inferior a países infinitamente menores em dimensões territoriais e populacionais.

28. Estão disponíveis na internet uma grande gama de informações, muito bem fundamentadas e algumas foram comprovadas com os vazamentos de informações sigilosas pelo Wikileaks, de que nosso desenvolvimento tecnológico sofre sabotagens de todo tipo, daqueles que não desejam ver o nosso país no cenário internacional como um grande produtor de produtos com alto índice tecnológico. Vejam, só, como exemplo, os revezes e sabotagens praticados ao PROJETO ESPACIAL BRASILEIRO, tendo seu ápice na explosão da base de Alcântara, quando tudo foi destruído e as vidas de 21 cientistas fora ceifadas, em 22 de agosto de 2003.
Até nossos satélites para uso nas telecomunicações, na vigilância ao desmatamento, no monitoramento do clima estão sendo lançados no exterior, apesar de Alcântara ser um local privilegiado para essa atividade. Os interesses mesquinhos entrelaçam-se. A sabotagem indireta é um ataque silencioso e muito perverso que o Brasil e o seu Programa Espacial vêm sofrendo, sem tréguas, já faz mais de 20 anos. Tudo isso acontece porque recebem a cooperação dos mesmos que lutam contra a educação no Brasil.

Responder

Ana Cruzzeli

11 de abril de 2013 às 07h48

Esse é o Dirceu velho de guerra.
Quando acham que o cabra tá morto, ele ressurgi mais forte
Foi muito divertido ver alguns ministros do supremo ao serem interpelados sobre essa matéria saírem pela tangente. O constrangimento era tão obvio que não deu para não notar. O Fux desmoraliza o Supremo, mas uma Fux sozinho não seria capaz de tamanha desmoralização, ali há outros da mesma magnitude.

O Genuino também esteve impagável no caso do repórter mirim. Foi lá mostrar a cara no programa do Kenned e disse tudo o que deveria dizer. O CQC é tão burrinho que a unica coisa que conseguiu foi lembrar a todos que não se bate em cachorro morto. Se continuar batendo no Genuino é necessário é porque a mordedura do cabra ainda é muito forte. Ainda de quebra vão responder processo na vara da infancia para largar de ser besta-covarde.
Quem usa criança para fazer trabalho sujo não merece respeito e o povo de um modo geral não aceita esse tipo de covardia com os absolutamente incapazes. Devemos proteger os vulneráveis e não o contrário.
Genuino no episodio foi NOTA 10.

Responder

Laura

11 de abril de 2013 às 07h10

Estranha essa entrevista do Dirceu. O que quer com isso? Que o FUX seja impedido? Como? E dá um flanco para a oposição questionar Dilma. Também atrapalhar a nova nomeação. Jogo perisgoso. Ainda estou tentando entender.
Agora, tudo indica que esse FUX é um oportunista de quinta. Com aquela pastinha no cabelo…. a imagem combina com o tipo.

Responder

H. Back™

11 de abril de 2013 às 01h13

A conclusão que cheguei é que não existe ninguém – principalmente político – que seja incorruptível. Toda consciência tem seu preço. Mas não devemos esquecer os corruptores, estes são tão ou mais culpados que aqueles.

Responder

    Lafaiete de Souza Spínola

    11 de abril de 2013 às 11h04

    Essa conclusão é incorreta, colocando os 95% da população dentro do mesmo saco dos psicopatas.

    Os psicopatas, sempre olham o presente; não se importam com o futuro! Estudos bem elaborados confirmam que no meio da sociedade há cerca de 3% a 5%dessa praga. Num país com uma população de 190 milhões, temos, assim, pelo menos, 5.7 milhões praticando todo tipo de ato daninho à sociedade; inclusive contra a educação. Quanto mais permissivo o ambiente, mais esses traficantes e corruptos abastecem a lavagem de dinheiro. Com um povo educado essa gente não desaparece, porém o grau de atividade será bem menor. Eles estarão, com certeza, na linha de frente, em oposição a um plano como este!

H. Back™

11 de abril de 2013 às 00h55

Resumindo tudo. A oposição quer levar o “cetro” de qualquer maneira, nem que para isso precise incendiar o país, levando o povo a não acreditar mais nas instituições. Isso é preocupante.

Responder

lulipe

11 de abril de 2013 às 00h46

O Zé Dirceu sabe que mais dias menos dias estará cumprindo sua pena em algum presídio de SP, então nada como uma última tentativa – já que os embargos infringentes serão de pouca valia, talvez não sejam nem aceitos – para tumultuar a finalização do processo e tentar desmoralizar alguns dos ministros do STF.É o que se chama no “juridiquês” de direito de espernear….

Responder

Fabio Passos

10 de abril de 2013 às 22h25

A farsa do mentirao e a principal plataforma politica da oposicao PiG-psdb.
Desde o golpe que tentaram em 2005 e 06 eles insistem. Creio que a casa-grande ja desistiu de provocar impacto eleitoral e aposta em golpe no stf.
A “elite” branca e rica conta com a fraqueza etica e intelectual de tipos como joaquim barbosa, gilmar dantas e luiz fux para atacar a democracia.

Responder

lulipe

10 de abril de 2013 às 22h15

O lula também disse que não sabia de nada….

Responder

Jose

10 de abril de 2013 às 22h13

O STF virou um campo de chacota, de piadas… É bom para percebermos que a magistratura é feita por humanos, foram-se os tempos em que juiz de comarca era o Senhor com S maiúsculo…

Por que não aproveitar essas revelações que trazem os magistrados à esfera terrestre e atualizar a lei orgânica da magistratura? Por que magistrados têm direito a férias e recessos ao ano totalizando 70 dias de ócio enquanto os demais mortais trabalham 11 meses por ano? Por que os magistrados, quando pegos em atos ilegais, são aposentados compulsoriamente? deveriam ser punidos ao quadrado, pois são muito bem pagos por nós para aplicarem a lei e não debandarem para lados escusos da legalidade. além de expulsos, deveriam devolver o dinheiro do contribuinte. Lula, logo que assumiu, declarou a necessidade de se abrir a caixa preta do judiciário, mas depois até aceitou a humilhação de ser chamado às falas pelo então presidente do STF, gilmar mendes.

O judiciário brasileiro parou mentalmente no tempo… e os senadores não se pronunciam acerca dessas bandalheiras? Por quê? É dever dos senadores se pronunciarem a respeito desses eventos no judiciário, sobretudo, no STF, pois são eles que endossam a indicação do presidente da república… Onde estão Cristovam Buarque, Pedro Simon: os estandartes da ética?

Responder

Vlad

10 de abril de 2013 às 21h53

“Mas como podemos acreditar em um condenado pela justiça a mais de dez anos de prisão?”

Ops….

Ih…errei de frase…achei que era post sobre o Marcos Valério. :P

Pera ae….

…..

…..

Ah sim…achei!!

“Esse Fux (afff..parece nome de fluido de isqueiro) não possui a mímima credibilidade, pois foi desonesto e descumpriu suas promessas de campanha. A companheira Dilma deveria desindicá-lo”

Beleza agora?

Responder

Luís CPPrudente

10 de abril de 2013 às 20h32

O Fux age como um “experto” e com todas as suas “expertezas” ele ainda vai quebrar a cara e dançar feio.

Responder

José BSB

10 de abril de 2013 às 20h27

Foi esse ministro que flexibilizou o princípio da presunção de inocência e inverteu o ônus da prova. Fosse na provinha da OAB, seria sumariamente reprovado e deveria pensar em rasgar o diploma.
Mensalão tucano vai prescrever sob o beneplácito dos que exigiram a condenação do PT.
Podem anotar.

Responder

Messias Franca de Macedo

10 de abril de 2013 às 20h24

… Em suma, os que os [nefastos] milicos forjaram em primeiro de abril de 1964, um conluio de energúmenos togados &$ neoPIGuentos reproduzem agora: mudou-se, apenas, a roupagem e a desfaçatez cínica dos atuais golpistas!…

… É, simplesmente, de causar asco! Haja *Plasil®!…

*Plasil® é um anti-**emético;
Indicações: distúrbios da motilidade gastrintestinal. Náuseas e vômitos de origem central e periférica (cirurgias, doenças metabólicas e infecciosas, secundárias a medicamentos).
**algo dotado da capacidade de produzir vômitos.

… República da [eterna] OPOSIÇÃO AO BRASIL… EMÉTICA (sic), GOLPISTA INVETERADA, Traidora, despudorada, fascista, aloprada, alienada, histriônica, impunemente terrorista, MENTEcapta, néscia, capachos de meia-tigela, antinacionalista, corrupta… ‘O cheiro dos cavalos ao do povo!’ (“elite estúpida que despreza as próprias ignorâncias”, lembrando o enunciado lapidar do eminente escritor uruguaio Eduardo Galeano)

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Paulo

10 de abril de 2013 às 19h28

Se o critério meritocrático da escolha de Fux foi esse, como alega o Zé Dirceu, ele se complica ainda mais e, pior, complica a vida de Dilma, pois sem querer (coisa de gente desesperada?) assume, ao vivo e em cores, um domínio do fato no nível de comando hierárquico que caracterizam outras transgressões à lei.

Já sobre o assédio, acho que ele também foi infeliz, pois a relação de poder no contexto do encontro era de Dirceu sobre Fux e não o contrário. Seria o primeiro caso no mundo de um assediador conseguir uma façanha destas.

No mais, se de fato ocorreu o que ele alega, cabe perguntar ao mesmo: Se o Fux demonstrasse que tinha uma opinião condenatória sobre os réus do mensalão, o mesmo teria sido escolhido para o STF?

Na cabeça de Fux pode ser que ele próprio tenha feito esta pergunta e como a resposta negativa lhe seria óbvia, optou por emular outra opinião. Um típico caso de assédio moral, de Dirceu sobre Fux!

Responder

mineiro

10 de abril de 2013 às 18h37

a verdade seja dita , o brasil para para passar perto de uma democracia esta muito longe. o que vigora é ditadura disfarçada de democracia. os poderosos manda e desmanda. manda no congresso , nesse poste de presidenta, no judiciario , alias esse ultimo é corrupto por natureza. enfim , no brasil todo mundo borra nas calças dos poderosos, isso inclui nos eleitores manipulados. na hora da verdade mesmo , todo mundo foge da raia fora alguns blogueiros de coragem , o resto esconde debaixo da saia da mamae.

Responder

mineiro

10 de abril de 2013 às 18h31

nao tem como do judiciario dos quintos infernos nao podemos esperar nada. o que deveria acontecer é esse pt maldito ,sem vergonha e traidor, levantar a voz pelo menos para defender gente do seu partido e o ex.pres.lula. mas nem isso , esse desgraçado de partido faz. partido morto, se a direita tomar o poder de volta a culpa é do pt e dessa pres.traidora. temos que botar na conta dos dois e de mais ninguem. todos os dois esta de joelho tremendo de medo da direita maldita. e esta entregando tudo nas maos de partidos facistas dentro do congresso e essa partido maldito e essa pres. nao faz absolutamente nada.

Responder

J Souza

10 de abril de 2013 às 18h01

Ou seja, o Dirceu confessou que caiu no golpe do Fux.

“CP – Decreto Lei nº 2.848 de 07 de Dezembro de 1940

Art. 171 – Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento:

Pena – reclusão, de um a cinco anos, e multa, de quinhentos mil réis a dez contos de réis.”

Responder

Simas Sampaio

10 de abril de 2013 às 17h16

É verdade. O querido companheiro José Dirceu nem chegou a tocar no assunto, mas Fux foi chegando e disse: “meu voto é seu, Dirceu!”

Responder

raymond

10 de abril de 2013 às 16h00

Fux deve explicação a sociedade brasileira. Dirceu, relatou apenas o que o próprio Fux tinha falado antes, pra própria Folha. E não tem como negar o encontro pois o próprio Fux que convidou Dirceu na presença de advogados.

Responder

    Willian

    10 de abril de 2013 às 17h28

    Quem também deve explicação à nação brasileira é Dilma Roussef. Ela precisa explicar se escolheu Fux por sua qualidades ou por seus defeitos, apontados na entrevista de José Dirceu.

João Vargas

10 de abril de 2013 às 15h53

Vamos aos fatos: 1- Fux fala ao Dirceu que vai absolvê-lo. 2- Fux é nomeado ministro do STF.3- Fux condena Dirceu. Conclusão: Dirceu foi o marido traído. Sinceramente, não sei o que cheira pior: A manobra mal sucedida do Dirceu ou a traição do Fux. É como o estelionato, não haveria o crime sem a ganância da vítima.

Responder

Rodrigo Leme

10 de abril de 2013 às 15h18

Zé Dirceu chamando alguém de mentiroso. Em algum lugar, um anjo perde suas asas.

Responder

    Ronaldo Silva

    10 de abril de 2013 às 17h29

    Na falta de argumentos é melhor fazer piada, pig.

Hélio Pereira

10 de abril de 2013 às 15h08

Isto é grave,mas
Dirceu foi muito “inocente”,um “macaco velho” na Politica,não poderia se deixar levar pelo “lero lero” do Fux.
Dirceu deveria ter gravado a conversa,como fêz o “amigão” do José Roberto Arruda em Brasilia,gravação que resultou na queda do escolhido de Serra para Vice Presidente em 2010.
Eu não duvido que Fux tenha realmente prometido absolver José Dirceu e também não duvido que um “negociante” deste tipo,tenha recebido alguma proposta mais interessante e tenha optado por ela.

Responder

Vlad

10 de abril de 2013 às 15h04

Mas então o Daniel, digo, José Dirceu, mesmo destituído e cassado, ainda fazia tráfico de influência na indicação ao STF?
E fala isso assim, como se fosse nada??

Responder

Urbano

10 de abril de 2013 às 13h20

Dirceu, você é altamente escolado, principalmente pela vida, então olhe direitinho para esse semblante e me diga sinceramente: transfere confiança, principalmente para um assunto melindroso desse? De chofre, eu não acreditaria nem pra ir pro Céu. Eu teria que medir e pesar muito e muitas vezes… E mais, referência de terceiros é altamente irrelevante. Até entre pai e mãe e entre os filhos se tem preferências.

Responder

Paulo Ribeiro

10 de abril de 2013 às 13h00

Depois desta entrevista, Fux precisa ser imediatamente afastado do STF. O Brasil não pode viver com tamanha instabilidade e autoritarismo.

Responder

    Alemao

    10 de abril de 2013 às 13h14

    A Dilma tb deve explicações então.

    Marcio Careiro

    10 de abril de 2013 às 18h13

    E a Dilma que indicou o Fux também, né?

lulipe

10 de abril de 2013 às 12h44

Eu também acredito em papai-noel e em saci-pererê!!!

Responder

    Hélio Pereira

    10 de abril de 2013 às 17h18

    Acredida na “Foia”,na “OIA”,no “Estadinho”,no Serra,no FHC,no Ney Santos etc,et,etc…

Romanelli

10 de abril de 2013 às 12h05

IMPERDÍVEL a entrevista de Dirceu dada a ROLHA DE SP

Lá ele fala com TODAS AS LETRAS que o PT errou ..atenção turminha da banda “esquerda-kids”, JOSÉ Dirceu fala que o PT errou, entenderam ? ..entre outras, que Paulo OKAMOTO deve explicações por seus encontros com Marcos Valério.

José Dirceu fala tb do EXCESSO e da fúria justiceira que a turminha do PT “somatizou” e amplificou, que capitalizou com suas eternas e incabíveis versões que negavam da crise, dos FATOS, das evidências, dos delitos e/ou crimes cometidos ..da obviedade que estava à vista, de que haviam corruptos, homens dispostos a se vender, logo, de que tinha que ter havido (como houve) corruptores dispostos a comprar-lhes a consciência tb

..fala que exageraram na caneta, na pena e enquadramento ..tudo bem, isso tb eu penso .. mas ele não se atreve a negar que quem erra, numa sociedade de direitos e DEVERES, de alguma forma tem que reparar

..mais IMPORTANTE tb é ouvirmos o que ele não disse ..ele não disse que HÁ diversos personagens notadamente corruptos e fisiológicos que PEGARAM o dinheiro e que NÃO esclareceram o destino (Jeferson, Valdemar etc) ..ou dum João Paulo que se justificou apresentando ao Supremo NOTAS FISCAIS FRIAS, e/ou um Genuíno que botava preço nos acordos que, queiramos ou não, ajudaram a trair promessas e compromissos feitos junto ao povo, ou mesmo dum Delúbio que não convence nem a mãe dele de que ele teria capacidade e autonomia pra agir da forma como foi flagrado fazendo,

Penso que José Dirceu só relativiza na entrevista quando diz que por ser dinheiro PRIVADO (a grana da Visanet) seus danos seriam menores pra sociedade/democracia ou para o modelo ..discordo, tudo é a mesma farinha, ou ERVA maldita saída da Casa da Moeda

Agora, pra fazer justiça a este líder ÍMPAR, dos poucos que sabem do que esta falando, eu lembro sim e não esqueci, como disse o ministro, me lembro perfeitamente que José Dirceu foi caçADo enquanto era ministro ..que foi caÇado, despejado por artifícios horrorosos e GOLPISTAS de seu mandato ..não esqueço de que ele não era ministro, e que o código de ética da Câmara só falava em “julgar” deputado em exercício ..não esqueço que o PTB retirou a queixa e mesmo assim o processo prosseguiu ..lembro que Bob Jeferson foi cassado por NÃO ter havido o mensalão nem provas, enquanto Dirceu foi caÇAdo pelo oposto da alegação.

Enfim, pra mim ainda fica claro que a NAÇÃO perdeu um importante líder ..mas que ele e seus comandados ERRARAM, e que por seus gestos e atitudes insistentemente NÃO assumidas, fizeram um grande mal ao país ao nos deixar passar uma importante oportunidade para nos reinventarmos nas práticas políticas seculares que ainda vigoram e prometem perdurar.

Responder

    Valdeci Elias

    10 de abril de 2013 às 15h29

    Esse momento perdido, se resume a chance de um candidato neoliberal de centro direita, derotar um candidato trabalhista de esquerda. Dirceu está certo, no fundo não passa de politica.
    Nesses ultimos 11 anos, quem vem errando é o PSDB. Que se colocou numa posição, em que só ganhar se o Brasil se der mal.

    Valdeci Elias

    10 de abril de 2013 às 15h30

    derrotar

    augusto2

    11 de abril de 2013 às 09h28

    isso, “que o pt errou” romanElli qualquer um de nós ja sabia.E dizia. So voce que nao, preferia prestar atençao nos pontos do PIG. So que, uma vez vindo forte o ataque de lá, o PT se defendia das lanças de ataque mais fortes. Porque razao ia dar enfase ao ERRO quando sabiamos que de lá viria de qlr modo uma bomba nuclear contra? Agora a situ é muito outra, uma grande parte dos objetivos o PIG ja conseguiu.
    Os grandes buracos do julgamento do seculo apareceram, os personalismos idem, e JD tem outras armas que usa. Julgamento politico, tb nao evita desdobramentos politicos.JD entende tudo de politica brasileira,ou vc acha que não?
    Ja que voce é tao perspicaz, mostra me aqui: qual é na tua opinião a estratégia de jd? e me esclareça em paralelo, especificamente isto: ‘qual era o erro’??

renato

10 de abril de 2013 às 11h36

o advogado do Bruno, também falou que ele ia ser absolvido.
Então conversa-se com o Juiz antes da sentença.
Há cidadãos que nunca chegaram sequer perto de um Juiz.
Quando uma pendenga chega a um Juiz, não é questão de sorte,
ou amizade, é questão de Justiça. Deveria ser assim.
Depois dá prosseguimento a outros braços da lei, se não ficou
feliz com a pena.Agora se o balaio de gato é o mesmo, sinto muito.
Como uma pessoa de esquerda, não posso perder tempo com quem esta
dentro do balaio. São grandes que se acertem.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!