VIOMUNDO

Diário da Resistência


Policial antifascista executado em Natal previu há 9 meses: ”Ontem foi Marielle, já foi Doroty e amanhã pode ser eu”; veja vídeo
Do movimento Policiais Antifascismo, o PM foi segurança voluntário da campanha da senadora Fátima Bezerra (PT) ao governo do Rio Grande do Norte
Denúncias

Policial antifascista executado em Natal previu há 9 meses: ”Ontem foi Marielle, já foi Doroty e amanhã pode ser eu”; veja vídeo


22/12/2018 - 17h19

No vídeo acima, a fala do PM Figueiredo, em 15 de março de 2018, no debate sobre Violações dos Direitos Humanos no interior das Corporações Policiais, durante o Fórum Social Mundial, realizado em Salvador (BA)

Segurança da campanha de Fátima é executado com cinco tiros na cabeça em Natal

por Rafael Duarte, Agência Saiba Mais

O soldado da Polícia Militar João Maria Figueiredo foi executado com cinco tiros na cabeça por volta das 17h desta sexta-feira (21), próximo ao motel Ele&Ela, no bairro da Redinha, Zona Norte de Natal.

O assassino levou a arma funcional e o celular do PM.

O corpo dele foi encontrado ainda com capacete numa estrada de terra carroçável na Redinha, Zona Norte de Natal.

Cabo Figueiredo, como era conhecido, participou voluntariamente da equipe de segurança da campanha da governadora eleita Fátima Bezerra e era cotado para integrar a equipe dela a partir de 1º de janeiro.

Até entrar na PM, em 2009, Figueiredo era filiado ao PT. Como a corporação não permite agentes filiados a partidos políticos, ele teve então que se desfilar.

Figueiredo era membro ativo do grupo Policiais Antifascismo, movimento criado por operadores de Segurança Pública que luta pela democracia e pelos Direitos Humanos dentro da estruturas das polícias.

A violência, para Figueiredo, era um problema social ligado à criminalização do povo pobre e preto das periferias brasileiras. Foi convidado várias vezes para dar palestras sobre Segurança, Direitos Humanos e descriminalização das drogas como alternativa para redução da violência urbana.

“ONTEM FOI MARIELLE, JÁ FOI DOROTY E AMANHÃ PODE SER EU”

por Rafael Duarte, da Agência Saiba Mais

Em 15 de março de 2018, um dia depois da execução da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL), Figueiredo participou de um debate sobre Violações dos Direitos Humanos no interior das Corporações Policiais, durante o Fórum Social Mundial, realizado em Salvador (BA).

A participação de Figueiredo durou 14 minutos e foi gravada em vídeo (na íntegra, no topo).

Na ocasião, ele desabafa sobre as dificuldades e os desafios assumidos pelas pessoas que lutam em defesa dos Direitos Humanos no país:

– Vi meus colegas cariocas lamentando, chorando pelo que ocorreu ontem (a execução de Marielle). Infelizmente, tentaram dar uma prova de força. Marielle foi a vítima recente, já foi a Doroty [missionária Dorothy Stang, assassinada em 2005 no Pará], tantas outras. E amanhã pode ser eu. Mas quando eles eliminam uma pessoa, eles fazem nascer várias outras. Agora vão nascer várias outras Marielles porque aquilo ecoa e o poder do exemplo é muito forte.

Figueiredo também comentou as dificuldades de policiais defenderem posições progressistas dentro das instituições:

– Quando você fala em Direitos Humanos no interior das corporações é taxado de “esquerdalha”, “esquerdopata”, dizem que é pra proteger bandido. Hoje é bem difícil você ter posições progressistas dentro das instituições, infelizmente, seja ela civil, militar, federal. Essa história de dizer que só a PM é ruim, não é. O numero de suicídio da PF é maior entre agentes e escrivães muito por conta do assédio moral e outras questões. Na PM aparece mais porque é a polícia que lida mais com o povo.

Figueiredo entrou para a Polícia Militar em 2009, mas começou a ampliar sua visão política bem cedo, através do movimento estudantil e do convívio com lideranças de movimentos sociais e sindicais do Estado.

Se filiou ao Partido dos Trabalhadores na juventude e permaneceu como membro do PT até entrar para a PM, sendo obrigado a se desfiliar em razão do regimento da instituição.

Só uma coisa. no segundo tá correto e não corrigi no primeiro. Ele foi filiado ao PT até entrar pra PM porque a PM não permite agentes filiados. Então ele teve que desfilar. Como está no texto que publicamos hj do discurso dele em março

Ele também cursou Direito, na Uni Nassau, o que ajudou a questionar o próprio trabalho:

– Quando você faz o curso de Direito a semente da discórdia começa a nascer na sua cabeça”, disse no debate em Salvador

Como liderança do movimento dos Policiais Antifascismo no Estado, Figueiredo acreditava que a mudança na mentalidade dos operadores da Segurança Pública dentro das corporações viria da sociedade:

– Comecei no Rio Grande do Norte tentando reunir os policiais que tinham pensamentos progressistas. Começamos com cinco, passamos para 13 e hoje somos 80. Temos um núcleo disposto a discutir segurança pública com cidadania, participação popular e direitos humanos. E agora estamos nos inserindo nos movimentos populares, com outros setores, juventude, LGBT, negros.

Sou persona non grata devido aos meus posicionamentos. Mas vejo a necessidade de que a sociedade se reaproxime. A mudança vem de fora para dentro, através de espaços como esse. Defender direitos humanos nesse contexto é difícil e no Brasil está ficando mais difícil ainda”, afirmou.

Fátima cobrou apuração do crime, que será investigado por uma comissão formada por quatro delegados da Divisão de Homicídios, além do núcleo de inteligência da Polícia Civil. Ainda não se sabe se o assassinato tem relação com a atividade profissional do PM nem com a militância dele ligada à defesa dos Direitos Humanos.

GOVERNADORA ELEITA FÁTIMA BEZERRA COBRA APURAÇÃO DO CRIME

A governadora eleita Fátima Bezerra (PT) cobrou a “devida apuração” para que os responsáveis pela execução de João Maria Figueiredo sejam identificados e punidos nos rigores da lei.

Consternada, ela divulgou uma nota de pesar sobre o assassinato do soldado da PM e um dos líderes do movimento dos Policiais Antifascismo no Estado:

”O assassinato brutal do querido Figueiredo nos deixa consternados, com profundo sentimento de perda, abalados em alma.

Ao mesmo tempo, os exemplos de coragem e de solidariedade que nosso amigo nos deixou nos inspirarão para continuarmos a luta por dias melhores, por uma sociedade mais justa e para todos e todas.

Queria bem a ele como um filho, um irmão.

Que tragédias como a de Figueiredo – infelizmente cada dia mais presentes na vida de nossos trabalhadores e abnegados profissionais da Segurança – tenham a devida apuração e elucidação.

Sua memória não será esquecida, meu amigo. Meus sentimentos aos familiares e amigos e meu abraço fraterno.

Figueiredo, presente!
#SaudadesSempreFigueiredo

Fátima Bezerra
Senadora e governadora eleita do RN

Leia também:

Sumiço de Queiroz escancara conluio da Lava Jato com Bolsonaro

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

27 de dezembro de 2018 às 00h58

Olha só a Novidade:
“Munições dos projéteis encontrados no corpo de Figueiredo
são de calibre .40, de uso exclusivo das polícias…

https://www.saibamais.jor.br/policia-acredita-que-pm-figueiredo-foi-executado-calibre-da-municao-e-de-uso-exclusivo-da-policia/

Responder

Julio Silveira

26 de dezembro de 2018 às 07h11

Deve ter sido morto por um Lulipe desses da vida, ou quem sabe um tipo Lukas ou Otto. Facistas disfarçados de povo que não se importam com justiça, desde que seja um PT a vitima.

Responder

Zé Maria

24 de dezembro de 2018 às 19h02

“O maior patrimônio que carrego comigo é o de exercer a atividade política com honradez e seriedade.
E é isto que levo para o governo do Estado.
Valeu a luta, valeu o sonho, valeu a vitória.
Muito obrigada Rio Grande do Norte.
Um Feliz Natal”

Senadora @fatimabezerra
Governadora Eleita (PT=RN)
https://twitter.com/fatimabezerra/status/1077269696188174336

Responder

Zé Maria

24 de dezembro de 2018 às 18h22

فيليز نافيداد
الله يرحمنا برحمته

Responder

Zé Maria

22 de dezembro de 2018 às 20h35

Simpatizante do PT, AntiFascista e Defensor dos Direitos Humanos na PM.

Algum Outro Motivo para ter sido Executado com 5 Tiros na Cabeça?

Responder

a.ali

22 de dezembro de 2018 às 19h29

os que se salvam da lavagem cerebral não se salvam da ignorância alheia, ainda mais, agora que a cloaca abriu, de vez… e o povo, anestesiado, esperando na maior expectativa, o chicote no lombo: I-N-A-C-R-E-D-I-T-A-V-E-L.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!