VIOMUNDO

Diário da Resistência


Bancada da pizza da CPI do HSBC: Depois de livrar cunhada do tucano Tasso Jereissati, terá moral para investigar outras contas suspeitas na Suíça?
Denúncias Falatório

Bancada da pizza da CPI do HSBC: Depois de livrar cunhada do tucano Tasso Jereissati, terá moral para investigar outras contas suspeitas na Suíça?


29/07/2015 - 05h04

senadores da cpi do hsbc

A bancada da pizza do HSBC: Ricardo Ferraço (PMDB/ES), Otto Alencar (PSD/BA), Paulo Bauer (PSDB/SC), Blairo Maggi (PR/MT), Ciro Nogueira (PP-PI), Davi Alcolumbre (DEM /AP) e Sérgio Petecão (PSD/AC)

por Conceição Lemes

No Brasil, Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) contra os poderosos de direita, invariavelmente apoiados pela grande mídia, não emplaca.  Quando se torna realidade, morre por conluio entre parlamentares e os setores envolvidos, manobras ilícitas e lícitas, inclusive covardia.

Cercada de muita expectativa, a CPI  do HSBC teria a oportunidade de investigar e mostrar que muitos dos que hoje esbravejam “abaixo a corrupção” esconderam fraudulentamente bilhões no HSBC Private Bank, em Genebra, Suíça. Segundo dados divulgados no início de fevereiro deste ano, 8.867 correntistas do Brasil, titulares de 6.606 contas secretas no HSBC suíço, tinham aí depositados cerca de US$ 7 bilhões, de 9 de novembro de 2006 a 31 de março de 2007.

Porém, reunião fatídica da CPI do HSBC, realizada reunião de 16 de julho, demonstrou que ela provavelmente seguirá a regra, morrendo de inanição ou de indigestão por farta distribuição pizza.

A evidência: o abafa bem organizado pelos senadores nessa reunião, que, queiram ou não, macularam indelevelmente os trabalhos do grupo.

A CPI do HSBC, como devem se lembrar, havia aprovado em sessão anterior, no final de junho, a quebra do sigilo de, entre outros:

Jacks Rabinovich, empresário e ex-diretor do Grupo Vicunha. Ele aparece vinculado a nove contas no HSBC da Suíça (a maioria em conjunto com a família Steinbruch), que somam US$ 228 milhões.

* Jacob Barata, conhecido como o “Rei do Ônibus” no Rio de Janeiro, e os filhos Jacob Barata Filho, David Ferreira Barata e Rosane Ferreira Barata.   Segundo registros do HSBC de Genebra, entre 2006 e 2007, Jacob mantinha US$ 17,6 milhões em conta conjunta com sua mulher, Glória, e os três filhos do casal.

* Paula Queiroz Frota, uma das executivas do Grupo Edson Queiroz, de sua família e do qual faz parte o maior conglomerado de comunicação do Ceará. Integra-o: TV Verdes Mares (afiliada da Globo), Rádio Verdes Mares, TV Diário, FM 93, Rádio Recife, Diário do Nordeste e portal Verdes Mares.  Paula, a irmã Lenise, o irmão Edson (morto em 2008) e a mãe Yolanda, também membros do conselho de administração do grupo empresarial, tinham, em 2007, US$ 83,9 milhões na conta 5490 CE aberta em 1989 no HSBC de Genebra.

Na véspera dessa reunião, os trabalhos da CPI do HSBC haviam ganho força devido a uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).  Em 15 de julho, o ministro Celso de Mello negou o mandado de segurança impetrado por Jacks Rabinovich que reivindicava a não quebra do seu sigilo bancário.

Só que, em vez de aproveitarem-se dessa sentença altamente positiva para quem deseja investigar a lavagem de dinheiro e evasão de divisas, via contas secretas no HSBC suíço, os senadores a ignoraram e levantaram adiante o abafa, conforme o combinado.

Acompanhe-o:

1) Dos onze titulares, apenas dois não estavam presentes à reunião de 16 de julho, devido a agendas externas, portanto não participaram da manobra: Fátima Bezerra (PT/RN)  e Acir Gurgacz (PDT-RO).

2) Consequentemente,  nove compareceram. Nunca a CPI do HSBC teve quórum tão alto.

3) De 24 de março de 2015, quando foi instalada no Senado, a 16 de julho, a CPI do HSBC realizou onze reuniões. No entanto, entre 5 de maio e o final de junho, nenhuma. Foram 49 dias sem uma única sessão.

4) Três senadores protocolaram então requerimento extra-pauta, para que fossem reconsideradas as aprovações de quebra de sigilo dos seis correntistas citados acima. Objetivo óbvio:  livrar a cara dos seis.

Ciro Nogueira (PP-PI) agiu em socorro do empresário Jacks Rabinovich.

Davi Alcolumbre (DEM /AP) intercedeu por quatro: Jacob Barata e os filhos David, Jacob e Rosane.

Paulo Bauer (PSDB/SC) tirou da fogueira Paula Queiroz Frota, simplesmente a cunhada de  outro senador também tucano. Paula é irmã de Renata Queiroz Jereissati, esposa do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Ambas são filhas de Yolanda Vidal Queiroz, que também tinha conta no HSBC de Genebra.

O resultado, todos já conhecem: 7 a 1, a favor da manutenção do sigilo bancário desses seis correntistas.

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) foi o único que votou pela quebra do sigilo de cinco dos seis correntistas mencionados. Ele se absteve na votação referente a Paula Queiroz Frota, cunhada do colega Tasso Jereissatti.

Além de Ciro Nogueira, Davi Alcolumbre  e Paulo Bauer, votaram a favor da manutenção do sigilo, contrariando a decisão do STF, mais quatro senadores:

* Ricardo Ferraço (PMDB/ES), por sinal relator da CPI do HSBC

* Otto Alencar (PSD/BA)

* Blairo Maggi (PR/MT)

* Sérgio Petecão (PSD/AC)

Para que os eleitores não  se esqueçam, repetimos os nomes dos sete integrantes da bancada da pizza da CPI do HSBC: Ciro Nogueira, Davi Alcolumbre, Paulo Bauer, Ricardo Ferraço, Otto Alencar, Blairo Maggi e Sérgio Petecão.

— E o senador Paulo Rocha (PT-PA)?

Devido à condição de presidente de CPI, ele não votou.

Segundo matéria do jornalista Fernando Rodrigues,  no UOL, “a operação abafa foi comandada pelo petista Paulo Rocha”.

Ao Viomundo, Paulo Rocha, via sua assessoria de imprensa, nega.

Em texto que nos foi encaminhado, a assessoria do senador do Pará ainda explica:

O presidente da CPI, senador Paulo Rocha (PT-PA), foi questionado sobre qual seria sua interpretação quanto à revogação das quebras de sigilos já aprovadas há uma semana. O senador observou que, desde o início dos trabalhos, garantiu que iria dirigir os trabalhos sem transformar a CPI num palco, sem espetáculo, assegurando amplo direito de defesa e evitando que direitos individuais fossem colocados em xeque.

“Assim me comportei na reunião de hoje. No entanto, acho que dada às dificuldades das informações que a CPI têm, e que mexem com direitos individuais e coletivos, é claro que a CPI tem momentos de firmeza e momentos de dúvida, justamente por causa das fragilidades dos documentos que são enviados para cá”, afirmou.

Em tempo, quatro questões:

Com essa bancada da pizza tão “generosa” com os suspeitos de contas fraudulentas no HSBC, você ainda acredita que essa CPI vá investigar e revelar outros brasileiros que usaram o banco suíço para lavagem de dinheiro e evasão de divisas? Sinceramente, esta repórter acredita que não.

Depois desse abafa organizado, a CPI do HSBC ainda teria condições morais de levar o seu trabalho adiante?

Mas será que ela vai se dispor de agora em diante a fazer um trabalho realmente sério, sem aliviar para  financiadores de campanha, amigos e parentes de senadores e donos da mídia,  por exemplo?

Como ficará a situação dos seis correntistas já beneficiados pela bancada da pizza? Suas contas no HSBC de Genebra ficarão realmente livres de qualquer investigação?

Aguardemos os próximos passos.

[A produção de conteúdo exclusivo do Viomundo só é possível graças à contribuição de nossos assinantes. Torne-se um deles!]

Leia também:

Jornalista faz representação na OAB-SP contra advogado que acusou Dilma de “traficante e trambiqueira” 

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Eduardo

03 de agosto de 2015 às 08h45

Se a PF prender e apertar a turma da CPI do HSBC vai sair merda para todo lado.

Responder

lando carlos

01 de agosto de 2015 às 20h49

São todos farsantes mas esse Ricardo Ferraço, e o novo serra dos tempos modernos,e a fabula do escorpiaõ.

Responder

Joanisbel Amorim - Livreiro

30 de julho de 2015 às 13h47

Olá Conceição! eu também admiro seu trabalho, independente, honesto, destemido, mas vc precisa resolver o seguinte problema: tentei fazer uma assinatura ( estou sem papel higiênico) do Jornal: O (Es)Glo(to)bo, me responderam que, não aceitam mais assinaturas, já que não sabem até quando o jornal funcionará, não sou sócio do PagSeguro, mas, quero fazer uma assinatura do jornal – Viomundo- por meio de-débito em minha corrente- usando alguns dos tostões, que entram diariamente em minha conta do Banco do Brasil, com a venda honesta de livros usados, isso é possível?

Responder

Adias

30 de julho de 2015 às 09h59

Estoi achando que a nossa intocável PF, parece que só sabe levantar o tigre mas não lhe interessa atirar,.Será de que lado ela está?

Responder

Messias Franca de Macedo

29 de julho de 2015 às 20h36

… Enquanto isso, os tesoureiros do PSDB, do PP, do PMDB do PSB “do jatinho sem dono porque tem dono (sic)”…

‘A opinião publicada’ pelo PIGolpista e fasciterrorista nem sabe que esses Partidos “impolutos” têm tesoureiros!

Mesmo porque para a Direitona “é melhor mesmo nem pensar em mexer com tesoureiros, tirante os do PT”!

O *Marcio Fortes das campanhas do PSDB na famigerada era [mega]corrupta FHC da ‘Privataria Tucana’ que o diga na Lista do HSBC do SUIÇALÃO!…

*A palavra Marcio grafada sem acento agudo sobre a letra ‘a’!

Coisa de DEMoTucano “cheiroso”!

E inimputável!…

*Swissleaks: ex-tesoureiro de Serra, Marcio Fortes aparece na lista do HSBC da Suíça

26/03 às 10h00 – Atualizada em 26/03 às 15h41

Jornal do Brasil
olíticos de cinco partidos aparecem na lista dos 8.667 brasileiros que tinham contas sigilosas no HSBC da Suíça entre 2006 e 2007. De acordo com levantamento de O Globo e Uol, o Estado do Rio de Janeiro tem quatro representantes: o primeiro vice-presidente do PSDB-RJ e ex-tesoureiro de José Serra e FHC, Márcio Fortes, o ex-prefeito de Niterói Jorge Roberto Silveira (PDT-RJ), seu secretário de Obras à época, José Roberto Mocarzel.
(…)

FONTE: http://www.jb.com.br/pais/noticias/2015/03/26/swissleaks-ex-tesoureiro-de-serra-marcio-fortes-aparece-na-lista/

Responder

Paulo C.H.Souza

29 de julho de 2015 às 19h50

Será o que!.!! Cadê o pessoal do helicoptero que foram presos´com pasta de cocaina. Quem foi punido, o piloto? e o dono do helicoptero

Responder

Joanisbel Amorim

29 de julho de 2015 às 17h58

Nenhuma novidade, aos que tem acompanham com atenção essa antiga história, é só ver os nomes; as tentativas de derrubar governos, nesse caso, o da Dilma, essas sonegações bilionárias ao Estado Brasileiro, muitos sabem do que se trata, mas, reconheçamos que a fórmula aplicada no passado não funcionou, somente com a consolidação do processo, e, depois a lei, num ambiente sem infiltração.

Responder

O Mar da Silva

29 de julho de 2015 às 15h21

A Polícia Federal, a justiça federal vão esperar o relatório final dessa CPIzza para fazer alguma coisa? Ou mais uma vez vamos comprovar que para os ricos as leis não se aplicam?

A mídia golpista nem trata dessa CPI porque não tem ninguém do PT envolvido. É uma pena que sejamos vítimas de tamanha seletividade criminosa.

Nenhum movimento de protesto pelo país.

Sintomático.

Responder

Urbano

29 de julho de 2015 às 14h10

Ainda nos anos noventa, durante o oba-oba tungano, quando vi as letrinhas eu disse: haja suborno… Nem precisa completar o bc, né?

Responder

italo

29 de julho de 2015 às 13h34

A Imprensa familiar não informa sobre CPI que não envolva petistas, interesses comuns de detentores de concessão de rádio e tv e partidos amigos e alinhados à 50 anos. Na mesma medida que o investigador se torna culpado por investigar, os investigados vão adquirindo a pureza da virgindade em corrupção. É, é uma esculhambação.

Responder

Ozzy Gasosa

29 de julho de 2015 às 10h34

Mais um Odarelo do PT que irá ao ostracismo.

Responder

Alexandre Tambelli

29 de julho de 2015 às 09h29

Esse Republicanismo do PT vai fazer um strike do Brasil?

Responder

    Dirck

    29 de julho de 2015 às 11h54

    Não sei se você notou, mas só o PT não participou da maracutaia.

adelson lima

29 de julho de 2015 às 08h33

Investigacoes de fruade nao sao competencia do MP e Policia Federal?

Responder

maria do carmo

29 de julho de 2015 às 08h14

Grande Conceicao Lemes, corajosa, profissionalissima, lucida, investigativa, detalhista, patriota, honesta sem interesses excusos, se conta nos dedas das maos, jornalistas como Conceicao Lemes, faz o verdadeiro jornalismo, porque a maioria fala o que o patrao quer, ate apresentadores nao politizados sao porta vozes do patrao, Conceicao Lemes ficara na historia do jornalismo! O que voce escreve da para assinar embaixo! Parabens pelo jornalismo serio!

Responder

FrancoAtirador

29 de julho de 2015 às 06h38

.
.
“De onde menos se espera,
daí mesmo é que não sai nada”
.
Apporelly*, o Barão de Itararé
.
*Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly
(https://pt.wikipedia.org/wiki/Bar%C3%A3o_de_Itarar%C3%A9)
.
.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.