VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Altamiro Borges: Diário golpista não acertou as contas com o passado


26/01/2014 - 22h24

Folha: da “ditabranda” às Diretas-Já

Por Altamiro Borges, em seu blog

A Folha até hoje não fez qualquer autocrítica do seu apoio ao golpe militar de 1964, da sua aliança com o setor linha dura dos generais ou da cedência de suas peruas para os órgãos de tortura. Na fase mais recente, ela também nunca se penitenciou da ficha policial falsa de Dilma Rousseff ou de outros factoides plantados para servir aos interesses da direita. Mas ela adora se jactar dos seus feitos jornalísticos. Na edição desta sábado (25), o diário golpista da famiglia Frias se apresentou como o “Jornal das Diretas”, relembrando o seu papel na cobertura dos comícios em defesa da emenda do deputado Dante de Oliveira que restabelecia as eleições diretas para presidente da República.

De fato, como lembra a matéria de Ana Estela, a Folha teve importante participação neste episódio. Enquanto a TV Globo omitia as mobilizações no país e outros veículos adotavam postura recuada, o jornal deu históricas capas para os comícios – em especial para o de 25 de janeiro de 1984, na Praça da Sé, que reuniu 300 mil pessoas. O texto lembra que “o evento cristalizou a imagem da Folha como o ‘jornal das Diretas’. O envolvimento do jornal com as eleições para presidente, porém, começara em março de 1983, dias depois de o deputado federal Dante de Oliveira (PMDB-MT) apresentar ao Congresso sua proposta de emenda constitucional”. Em corajoso editorial, a Folha defendeu a volta das eleições diretas.

Além de sentir que a ditadura estava moribunda, outro fator pode ter levado o jornal a mudar de lado. “A Folha colhia dividendos externos – não por acaso no final de 1985 conquistou a maior circulação do país”, registra, de raspão, Ana Estela. Vários estudiosos do período já afirmaram que a mudança de postura do jornal – de entusiasta do golpe militar e dos generais carrascos à líder na cobertura das “diretas-já” – ocorreu também por razões mercadológicas. Com seu senso de oportunidade, para não dizer de oportunismo, o direitista Octavio Frias de Oliveira, dono da Folha, percebeu que aquele era o momento para desbandar os concorrentes, em especial o Estadão, e tornar-se líder em circulação no país.

No livro “Do golpe ao Planalto”, o jornalista Ricardo Kotscho insinua – também de raspão – que “seu Frias” soube aproveitar o momento de turbulência política no país para dar uma guinada no jornal. Ele lembra como se deu o acalorado debate sobre a campanha na redação da Folha. “Redigi uma proposta para o jornal: por que a Folha de S.Paulo não empunhava de vez a bandeira das eleições diretas, como fazia a imprensa, antigamente, quando se apaixonava por uma causa? ‘Seu’ Frias convocou imediatamente a cúpula da Folha à sala dele, leu o texto para os editores e mandou tocar pau na máquina… Na edição seguinte já se abria espaço para a campanha das Diretas”.

Seja qual for o motivo – político ou mercadológico – não dá para negar a contribuição da Folha neste rico momento histórico. Isto, porém, não alivia a barra do jornal e nem deve gerar falsas ilusões. A mesma Folha que se empenhou nas “diretas-já” foi uma das responsáveis pela criação do clima político para o golpe militar de 1964. Na fase mais sombria da ditadura, o jornal também ficou conhecido por sua “tiragem” – que não tinha relação com os exemplares vendidos, mas sim com o número de “tiras” – de policiais – nas suas redações. Neste sentido, vale sempre reler o livro “Cães de guarda”, de Beatriz Kushnir, que descreve em detalhes como a Folha apoiou a ditadura, suas torturas e assassinatos.

Até hoje, o jornal da famiglia Frias não se penitenciou deste grave crime histórico. Mesmo a Globo já fez autocrítica do seu apoio ao golpe e ao regime militar num editorial matreiro. No caso da Folha, ela ainda insiste em rotular a sanguinária ditadura de “ditabranda”, num desrespeito aos que morreram na luta pela democracia e aos que se empenharam, sem oportunismos, na campanha das “diretas-já”.

Leia também:

Beatriz Kushnir: Quem eram os “cães de guarda”

Beatriz Kushnir e Alípio Freire: A Folha e a ditadura

Rose Nogueira: A ficha verdadeira da Folha

Ivan Seixas: Otavião tinha medo de ser fuzilado

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mário SF Alves

28 de janeiro de 2014 às 22h34

Recorro a uma imagem que em realidade pode ser cnsiderada um esboço de estudo visando demonstrar a base fundamental do capitalismo subdesenvolvimentista brasileiro. A partir dela creio que fique um pouco mais fácil entender o papel, a ideologia e a razão de tamanha arrogância e prepotência da mídia corporativa, assim como a reação e dimensão do conflito resultante da opção por um modelo de desenvolvimento que divirja do modelo tradicional secularmente adotado pela elite dominante.

Responder

Mário SF Alves

28 de janeiro de 2014 às 19h22

Pirâmide do subdesenvolvimento_html_a182408a.jpg

Responder

francisco pereira neto

27 de janeiro de 2014 às 14h22

O que me atormenta, são esses trinta anos da campanha das diretas e a devolução do poder para a sociedade civil, e ainda hoje nós vivemos se debatendo para colocar um Pão de Açúcar sobre esse passado sinistro.
Nós ainda vivemos hoje, “graças” a essa gente, um momento tão sinistro quanto aquele, e que teima perpetuar-se.
Bastou o governo central sair das mãos dos pseudos esquerdistas (FHC e a sua gangue)e se desviar um centímetro à esquerda, e voltar a tudo o que era. E por vezes até pior, sob o manto falso da “nossa” democracia.
Hoje os poderes que deveriam dar sustentação às nossas liberdades, apenas permitem aos poderosos de sempre. Continuamos aprisionados – os mais esclarecidos – e enganados o resto da população.
Uma minoria ainda continua com as rédeas do poder nas mãos. Os políticos amestrados, poder judiciário, forças armadas – que resiste em fazer auto penitencia – e o poder econômico.
A história nos ensina que nunca houve grandes transformações numa sociedade só com discursos e boas intenções.

Responder

Jaime Iglesias Serral

27 de janeiro de 2014 às 13h56

Parece-me que os sucessores do ‘seu Frias’ são ainda piores do que o pai. Aquele, vendo a ditadura ruir, correu a mudar o discurso de suas publicações diárias, passando de direitistas a pró-democracia. Os herdeiros deste são ainda mais raivosos, ultra-direitistas e ressentidos. Dar o braço a torcer por demais ofenderia o ego inflado da famiglia. Eles continuarão apoiando os candidatos do PSDB/DEM ou qualquer outra sigla que se alinhe ao pensamento de FHC de derrubar a presidenta Dilma. O grupo Folha é golpista e assim deveremos encará-lo, não nutrindo falsas esperanças de um ‘mea culpa’ que nunca virá.

Responder

Luís Carlos

27 de janeiro de 2014 às 08h40

Folha não o fará, e se o fizer, será por cinismo e não por culpa ou consciência de ter feito algo errado. Pelo contrário, fará novamente se tiver oportunidade.

Responder

Mardones

27 de janeiro de 2014 às 08h37

Bravo!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!