VIOMUNDO

Diário da Resistência


Desigualdades sociais em saúde: Abismo entre as regiões Norte-Nordeste e Sul-Sudeste se aprofundou na pandemia, revela novo índice
Desigualdade escancarada na maior cidade brasileira: fronteira entre a favela Paraisópolis e o bairro do Morumbi, em São Paulo. Foto: Tuca Vieira
Saúde

Desigualdades sociais em saúde: Abismo entre as regiões Norte-Nordeste e Sul-Sudeste se aprofundou na pandemia, revela novo índice


05/07/2022 - 10h43

Novo índice aponta que desigualdades sociais em saúde se aprofundaram na pandemia

Por Adalton dos Anjos, Cidacs/Fiocruz Bahia

Durante a pandemia de Covid-19 não faltaram relatos e reportagens que mostravam como determinados grupos populacionais vivenciaram este período com mais dificuldades do que outros.

O desemprego, a fome, bem como as dificuldades de acesso a máscaras, álcool gel e até água atingiram fortemente comunidades vulnerabilizadas.

Diante deste contexto, pesquisadores do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia) construíram um índice que mede os efeitos das desigualdades sociais em saúde na pandemia no Brasil e descobriram que o abismo entre as regiões Norte-Nordeste e Sul-Sudeste se aprofundou neste período.

O Índice de Desigualdades Sociais para a Covid-19 (IDS-Covid-19) foi lançado em 30 de junho.

Os dados oferecidos pelo índice alertam que a situação de desigualdade social em saúde no Brasil preexistia à Covid-19.

Antes da pandemia, 98% dos municípios da Região Norte estavam nos agrupamentos 4 e 5, os dois piores grupos classificados pelo IDS-Covid-19.

Na Região Sudeste eram 35% dos municípios e, no Sul, apenas 7%. “As desigualdades entre as regiões se aprofundaram, considerando que há uma melhoria dessas desigualdades em alguns municípios, embora não seja grande, enquanto outros permaneceram em situação crítica”, destaca a epidemiologista Maria Yury Ichihara, coordenadora do projeto que desenvolveu o IDS-Covid-19.

O IDS-Covid-19 foi calculado com base em dados socioeconômicos, sociodemográficos e de acesso aos serviços de saúde. Os pesquisadores exploraram bases de dados do Censo Demográfico do IBGE de 2010, bem como do Cadastro Nacional dos Equipamentos de Saúde (CNES) para capturar números de leitos de UTI e respiradores, e do Índice Brasileiro de Privação (IBP), que leva em consideração a renda, educação e condições de domicílio.

Foram definidas também variáveis que mais se relacionavam com as desigualdades sociais em saúde na Covid-19 como o percentual de população residente em domicílios com densidade domiciliar maior que 2, percentual de idosos em situação de pobreza, além do percentual de pretos, pardos e indígenas.

“A pandemia atingiu as pessoas negras de forma distinta por conta das desigualdades raciais. Era preciso que a gente desse evidência a isso. E o índice tem como função dar uma forma de mensuração das desigualdades”, afirma a epidemiologista Emanuelle Góes, pesquisadora associada ao Cidacs e que fez parte da equipe de construção do IDS-Covid-19, explicando como se inseriu o racismo estrutural como categoria de análise no índice.

Região Norte concentrou maior proporção de municípios nas piores situações de desigualdades

Após a primeira onda da pandemia de Covid-19, somente 3% dos municípios da Região Norte conseguiram reduzir as condições de desigualdades em saúde, segundo dados do IDS-Covid-19. Em uma comparação com municípios da Região Sul, por exemplo, 8% deles apresentaram redução das desigualdades.

Os dados do índice também mostram que nos quatro momentos medidos mais de 90% dos municípios da Região Norte ficaram na pior classificação quanto ao nível de desigualdades sociais em saúde. Na Região Nordeste, em fevereiro de 2020, quase todos os municípios, 99%, estavam nos dois piores grupos com relação à situação de desigualdades sociais em saúde.

No entanto, ao longo da pandemia, a região apresentou uma redução nessa condição com 95% em julho de 2020, 93% em março de 2021 e 92% em janeiro de 2022.

Municípios do Centro-Oeste apresentam diferentes níveis de desigualdade

Uma das características dos municípios da Região Centro-Oeste é a distribuição deles em diferentes níveis de desigualdade, segundo os cálculos do IDS-Covid-19. No entanto, ainda há um maior volume de locais classificados nos dois piores grupos com relação à situação de desigualdades sociais em saúde.

Em uma escala de 1 a 5, com 1 para menos desigual e 5 para mais desigual, a Região tinha 134 municípios no grupo 3, 270 municípios no grupo 4 e 51 no grupo 5 antes do início da pandemia.

Dos municípios que estavam nos grupos 4 e 5, 76% deles mantiveram a situação de desigualdade social em saúde na comparação entre fevereiro de 2020 e janeiro de 2022. O destaque vai para as capitais do Centro-Oeste, além de Brasília, que mantiveram suas respectivas situações de menor nível de desigualdade desde o início da pandemia até o último momento analisado, em janeiro de 2022.

Sudeste concentra níveis intermediários

De acordo com dados do IDS-Covid-19, a distribuição de municípios quanto à classificação pela situação de desigualdade social em saúde esteve mais concentrada entre os níveis intermediários no Sudeste. Em Minas Gerais, no início da pandemia, 50% dos municípios foram classificados nos dois últimos grupos, com pior situação de desigualdade, e 33% em uma posição intermediária.

Por outro lado, em São Paulo 41% dos municípios estavam nos agrupamentos com menor nível de desigualdade e 11,3% nas duas piores posições.

No Rio de Janeiro, dos 92 municípios que compõem o estado, 39 iniciaram a pandemia nas piores situações relativas às desigualdades, segundo o índice, e 28 deles mantiveram o lugar ao longo dos períodos analisados pelos pesquisadores.

Sul tem melhora na situação desigualdades sociais em saúde

No Sul, o IDS-Covid-19 mostra uma ligeira redução das desigualdades. A Região não teve nenhum dos 1.188 municípios classificados (3 deles não foram incluídos na pesquisa) no pior agrupamento antes da pandemia (fevereiro de 2020).

Além disso, do último momento analisado (janeiro de 2022) para o período antes da pandemia, 196 municípios reduziram as desigualdades, de acordo com o índice.

Por outro lado, entre os 84 municípios que estiveram classificados na lista dos mais desiguais da Região Sul no início da pandemia, 65 permanecem nessa condição.

Leia também:

Carlos Ocké: Sanitaristas e sociedade civil juntos pelas reformas estruturais na saúde

Paulo Capel: Ou abrimos agora os olhos para as questões da carreira, administração das regiões, OSS e planos de saúde ou o SUS será engolido

Mário Scheffer: CNI quer acabar com o SUS e implantar o SSS no Brasil





3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

06 de julho de 2022 às 18h13

“Mapa da fome:
10 milhões de pessoas tornaram-se pobres em dois anos de Bolsonaro.
Estudo do FGV Social revela que o equivalente à população de Portugal
decaiu socialmente entre 2019 e 2021″ #ForaBolsonaroVagabundo
#LulaEoPTmeuBrasilDeVolta” #LulaNoPrimeiroTurno

https://twitter.com/LuizianneLinsPT/status/1542895048664223744

Responder

    Zé Maria

    06 de julho de 2022 às 18h14

    https://pt.org.br/dez-milhoes-de-pessoas-tornaram-se-pobres-em-dois-anos-de-bolsonaro/

Zé Maria

05 de julho de 2022 às 15h20

“O Congresso precisa votar urgentemente, antes do recesso,
um projeto que reverta a decisão do STJ que autorizou os
planos de saúde a não cobrir exames, procedimentos e
tratamentos médicos que estejam fora da lista da ANS,
o chamado rol taxativo.
Pacientes correm risco de morte.”

Senador Paulo Paim (PT=RS)
https://twitter.com/PauloPaim/status/1543557274278453249

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura