VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Hope, o repeteco da propaganda sexista e a burrice publicitária

01 de outubro de 2011 às 16h11

por Conceição Oliveira do Blog Maria Frô, twitter: @maria_fro

Fiquei praticamente fora da rede uma semana, volto e encontro tudo igual: os mesmos comerciais chinfrins, as mesmas desculpas esfarrapadas para justificar comercial chinfrim e as mesmas reações diante de comercial chinfrim, por exemplo aqui, aqui e abaixo:


Print do twitter oficial de José Serra.

Eu confesso aos leitores e leitoras que eu não tenho mais paciência de escrever sobre o mesmo assunto. Mas, felizmente, há feministas que têm e escrevem para esclarecer o óbvio ululante.

Neste e no próximo post, reproduzirei dois textos que fazem bem o trabalho de explicar didaticamente que a propaganda da Hope é sexista, meu bem.

O primeiro é de autoria de Marjorie Rodrigues. Para além de desvelar o sexismo surrado dos comerciais de langerie, Marjorie fala do lugar de quem já trabalhou com marketing e conclui o que nós mulheres feministas (e até muitas que não são feministas estamos carecas de saber), além de sexista a propaganda é ruim, criatividade zero dos publicitários que fizeram a campanha com a modelo Gisele Bündchen. Vale leitura na íntegra.

Alguns tostões sobre a propaganda da Hope

Por: Marjorie Rodrigues, em seu blog

29/09/2011

Depois de trabalhar com assessoria de imprensa/Relações públicas, eu não consigo mais olhar da mesma forma para essas querelas envolvendo empresas. Antes, o que mais me impressionava em um comercial sexista era o sexismo. Eu olhava para a propaganda como linguagem, como discurso somente. Hoje, penso também nas questões de mercado, na construção da imagem da empresa. Porque se tem uma coisa que eu aprendi nesses meses trabalhando como marketeira filha da puta é que o capital imagético das empresas é coisa séria.

Então fico abestada de ver como uma empresa pode ser burra a ponto de arriscar sua imagem com um comercial tão babaca, tão bobo e tão pouco criativo. Não é possível que as pessoas sejam burras a ponto de não perceber que o comercial é ruim. Porque, né. Talvez isso seja o mais impressionante: o quanto o comercial é ruim. Se o pretexto era fazer humor, não teve graça. A piada é velha, a Gisele interpreta mal, o texto é fraco.

Fico imaginando em que mundo esses publicitários vivem. Para achar que esse comercial aí é bacana. Vai ver eles são é espertos. Porque estão ganhando grana com o trabalho mais nas-coxas do mundo. E têm a lábia de convencer os clientes de que a ideia é boa, “vai por mim”. Mas aí fico imaginando também quem está do lado do cliente. Quem aprova. Essa gente não tem formação em comunicação? Não tem referência nenhuma? Como é que uma empresa investe milhões (porque o cachê da Gisele não é bolinho, sabemos) num comercial sem exigir da agência que ele seja, no mínimo, criativo? Porque, né, se eu tivesse pagando uma nota preta por uma propaganda, ia querer algo mais do que “mulher no volante, perigo constante” e “ai, a sensualidade da brasileira”. Tô pagando, porra.

Como é que ninguém dentre todas as pessoas envolvidas na concepção, aprovação e produção desse comercial tenha sequer desconfiado de que apelar para as idéias da mulher que usa o corpo em troca de alguma coisa e da brasileira naturalmente sensual pudesse causar algum desconfortinho? Como é que ninguém sequer desconfiou de que algum mulher poderia não gostar de ser aconselhada a ficar pelada para se safar de alguma cagada? Então fica a pergunta, mesmo. Em que mundo essas pessoas vivem. Que não estão em contato com discurso nenhum. Parecem fora da realidade. Afinal, mesmo que nós, os que abrem a boca para criticar qualquer coisa na cultura de massa, não passássemos de uns chatos “politicamente corretos” que só sabem ficar de mimi, se a sua função é ser publicitário, você tem que calcular a possível reação do grupo chato politicamente correto. Você não quer que os chatos politicamente corretos (ou qualquer grupo, for that matter) comece a xingar muito sua empresa no twitter. Porque isso é uma crise de imagem que precisará ser gerenciada.

Para continuar a leitura do texto da Marjorie vá até o seu blog: Alguns tostões sobre a propaganda da Hope

Leia também:

Ana Arantes: O Sexismo Benevolente

O combate ao preconceito contra as brasileiras em Portugal

Hildegard Angel e a alpinista social

A ‘do lar’ e a vedete (sobre mulheres na política)

O que precisa de uma ampla faxina é a linguagem sexista da mídia velha

Patrícia Castro Mattos: Valores machistas ainda predominam nas relações

Juiz machista é exonerado por assédio sexual

“Só os ignorantes me chamam presidente”, diz a presidenta

E os chargistas não têm nada mais a fazer do que piadas sexistas?

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

74 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mulher, aliste-se!

09/07/2012 - 07h02

[…] ser portador de uma masculinidade-padrão que o torna passivo e desprovido de agência e que como já aprendemos com o mercado publicitário não consegue pensar direito à vista de um corpinho bonito vestido em lingerie sexy, deita na cama […]

Responder

Artur

08/10/2011 - 10h22

Ridícula essa posição de blogueiros chapa-branca que sempre arranjam um modo de puxar o saco do governo até mesmo em um episódio patético como essa preocupação da ministra com uma propaganda de lingerie.

Responder

victor hugo

03/10/2011 - 19h34

O fato é que a propaganda fez o maior sucesso, era propaganda de roupa feminina, para mulheres, o público alvo era o feminino, quem tinha que achar graça de fazer o marido de bobo usando charminho eram as mulheres e os homens nem prestam atenção na propaganda, só na gisele seminua, e mesmo assim, a maioria acha ela magricela e sem graça… A propaganda vem a calhar pra combinar com a da sky onde a gisele faz papel de amélia e o maridão preguiçoso só quer saber do controle remoto e da tv. Afinal, a propaganda é sexista denegrindo a imagem da mulher, ou denegrindo a imagem do homem?!?! Taxar o homem de preguiçoso que só quer ver tv ou babão que não pode ver uma mulher pelada que aceita qualquer coisa não me parece machista, muito pelo contrário… Acho que vocês estão completamente, por fora.

Responder

rafael

03/10/2011 - 17h15

Mas e apropaganda da Tigre? Onde o pai de familia é mostrado como um pateta mandado pela mulher? Realmente, essa é sim uma questão menor.

Responder

    Gerson Carneiro

    03/10/2011 - 18h43

    Propaganda onde aparece o homem sendo mandado pela mulher esposa eu nem ligo. Dessa realidade eu não tenho como fugir. Agora, no dia em que aparecer uma propaganda em que o homem é mandado pela mulher sogra, aí vai ter pau. Não me responsabilizarei pela minha reação.

    E tá avisada viu, sinhá mariafrô.

    Apesar de que essa propaganda da Tigre passou raspando na trave pois o coitadinho do marido diz que vai construir o escritório e a mulher esposa diz que não, que "alí vai ser o quarto da mamãe".

    CC.Brega.mim

    04/10/2011 - 19h37

    é horrorosa.
    a mulher que deveria vender canos
    é autoritária burra e antivida
    essa propaganda também fala mal das mulheres.

Samyra

03/10/2011 - 13h54

Também sou publicitária de formação e prática. Também achei uma idiotice sem tamanho uma empresa comprometer sua imagem e seu capital subjetivo com uma coisa ridícula e fraca dessas. Quanto ao machismo e a coisificação da mulher nem vou falar nada, porque acho desnecessário chover no molhado.

Mas dentro da roda vida da grana, do mundo absurdinho da publicidade e da consequente obtusidade mental necessária para engolir (e fazer) certos tipos de apelos puclicitários, esse comercial da Hope tá redondinho.
Será que dá pra exigir mais dentro de um contexto desses?
Eu, de minha parte, acho que exigir um pouco mais e a única coisa a fazer, dado o contexto.

Responder

Roberto Locatelli

03/10/2011 - 11h59

Hoje no Brasil a maioria das mulheres trabalha fora, e 30% delas são chefes de família.

Portanto, essa propaganda foi feita por gente que encalhou na primeira metade do século 20, e por lá ficou.

Responder

    beattrice

    04/10/2011 - 11h16

    Eleitores do Serra e do OPUS DEI?

Alexandre Felix

03/10/2011 - 11h23

Há quem diga que estamos exagerando nas críticas, que somos moralistas. Não somos moralistas, acredito eu. Só queremos respeito. Os publicitários brasileiros sempre dizem que são os mais criativos do mundo. E aí, cadê criatividade para evitar essas cagadas? Criar polêmica chula qualquer imbecil feito o Rafael Bastos cria! Agora, fazer um bom VT, valorizando o produto e o consumidor, sem tratá-lo feito um idiota…falando a verdade…é pra poucos…no mundo!

Responder

Mauricio

03/10/2011 - 04h07

Pô e quando o ex goleiro Leão fez umas propagandas de cuequinha ninguém falou nada….

Responder

aurica_sp

02/10/2011 - 22h58

Esse Defunto não perde uma oportunidade para aparecer. Deus me livre.

Responder

Marcelo de Matos

02/10/2011 - 22h48

Será que as secretarias do governo Dilma conseguirão deter a avalanche do politicamente incorreto? Quando alguém que promove proezas nessa área é afastado sempre surge um substituto. O caso mais rumoroso é o do afastamento do Rafinha, do CQC. Ele abusou do direito de falar besteira. Nem vou comentar a sua última, que foi a gota d’água. Pierre Lucena, comentando o caso no Acerto de Contas, diz que Rafinha é mais influente que o próprio Marcelo Tas. “Segundo pesquisa do New York Times, seu perfil seria o mais influente do mundo, à frente inclusive de Barack Obama. Rafinha tem mais de 3 milhões de seguidores”.

Responder

Marcelo de Matos

02/10/2011 - 22h04

Agora estou curioso: o comercial da Space Fox também é sexista? O filho pede que o pai pare antes da escola, porque tem vergonha de chegar com ele. Aí o pai pergunta: Você já surfou (não); já tocou guitarra (não); já pegou mulher (não). Então quem tinha de ter vergonha de alguém aqui seria eu. E daí?

Responder

Observador

02/10/2011 - 20h04

acho que esse povo não está precisando de Hope , tá precisando mesmo é de Hola.

Responder

Roberto Locatelli

02/10/2011 - 18h30

Acho que esses publicitários pobres de espírito precisam fazer um estágio com os publicitários que fizeram este comercial sobre o uso de cinto de segurança:
[youtube u-P17ysYsQM http://www.youtube.com/watch?v=u-P17ysYsQM youtube]

Responder

Roberto Locatelli

02/10/2011 - 18h13

Realmente, a Marjorie tem razão. Além de machista, a agência foi burra. Aliás, machismo e burrice andam sempre juntos.

– Sabendo que 60% das mulheres brasileiras trabalham e ganham seu próprio salário;

– Sabendo que muitas mulheres (e homens) iriam ficar irritados com o convite à prostituição;

– Sabendo que o nome de uma empresa é o que ela tem de mais precioso,

Sabendo de tudo isso, eles lançam o raio da propaganda. Será que não tinha ninguém na agência com mais de dois neurônios para avisar:
– Olha, pessoal, esse script vai dar problema, hein?
Acho que não…

Responder

Roberto Locatelli

02/10/2011 - 17h47

Esse comercial mostra que prostituta não é só aquela que fica na esquina esperando cliente. A Hope quer vender lingerie para as outras prostitutas, aquelas de um cliente só, bem rico.

Responder

Louise Rosemblatt

02/10/2011 - 14h57

Se criarem um anúncio que associa negros a macacos, à bestialidade, à ingenuidade e depois a justiça pedir para que o retirem do ar, será uma questão de "censura"? Por que é "censura" impedir que divulguem a imagem da mulher como uma anta que só sabe consumir (com o dinheiro do marido), que é incapaz de realizar tarefas simples que não a coloquem no papel de objeto, como dirigir um carro etc? Aí é "censura"? Só porque é isso que a maioria dos brasileiros acha de fato que nós mulheres somos?

Sei que essa de gritar, a todo momento, "censura", "censura" é, em parte, trauma da ditatura e, por outro lado, estratégia daqueles que sabem que podem dominar o mundo no grito e que suas vítimas estão impossibilitadas de falar. É como a Folha ou Estadão dizendo que o governo quer censurá-los. Virou já uma espécie de mantra. Vc quer defender a barbárie e não ser punido? É simples, grite que querem te censurar e de vilão vc vira herói numa questão de segundos.

Responder

Louise Rosemblatt

02/10/2011 - 14h35

Triste ser mulher. Quando o assunto é a forma violenta como a publicidade nos humilha, além de programas humorísticos e etc, então é bobagem, é a "patrulha do politicamente correto" e blablabla. Sabe, eu como "branca" (para os padrões brasileiros), não me sinto no direito de dizer aos negros quando eles devem ou não se sentir discriminados, nem aos nordestinos, nem aos judeus etc. Mas os homens, mesmo de esquerda, acham super natural dizer quando uma mulher pode se sentir ofendida com uma piadinha ou anúncio que a trata como burra, objeto, marionete, consumista histérica etc. É tudo frescurinha, é tudo "politicamente correto", e vamos seguir com nossa violência simbólica, com nosso preconceito, com nossas fábricas de estereótipos. Tá tudo bem, tá tudo ótimo, o mundo é lindo e quem reclama tá de TPM.

Responder

    mariafro

    02/10/2011 - 22h33

    Querida Louise Rosemblatt é isso, sem tirar nem pôr, eu só queria que pelo menos entre os companheiros da esquerda tivéssemos a tal da empatia. Porque homens podem ser empáticos na luta, mas jamais podem falar por nós, assim como brancos pelos negros, heteros pelos homossexuais etc.
    Grande abraço.

    dukrai

    03/10/2011 - 15h22

    taí, quase sex(agenário), aprendi a lavar louça, mais umas duas encadernações e eu resolvo o meu problema.

Chico Bicudo

02/10/2011 - 12h47

Caro Azenha, postei também em meu Blog algumas reflexões sobre o tema: "O machismo do comercial da HOPE e o falso argumento da censura". Eis o link: http://bit.ly/qiVmok. Forte abraço e bom domingo!

Responder

    Chico Bicudo

    02/10/2011 - 23h45

    Frô, comida de bola desfeita! Obrigado mais uma vez! Beijos.

Marcelo de Matos

02/10/2011 - 12h41

Pelo andar da carruagem, nossas secretarias de governo “com status de ministério” terão muito trabalho pela frente. Ontem, Valesca Popozuda, no reality a Fazenda, da TV Record, disparou: “Prefiro ter um filho viado do que um filho marginal”. Não faço parte do comitê da moralidade, mas, essa frase não me parece politicamente correta. Alguém me ajuda aí? Raquel Pacheco também resolveu dar uns sopros no baixo – "Gay é ideal. Ele tem a lealdade masculina com a sensibilidade de uma mulher". Mais uma vez – Me ajuda aí! O homem é mais leal que a mulher?

Responder

Marcelo de Matos

02/10/2011 - 11h54

Infelizmente, o Brasil é um país complicado. Ou seria moralisticamente mal resolvido? A própria Hope já amargou prejuízo quando Daniella Cicarelli protagonizou cenas tórridas com um namorado em praia espanhola. Será que o escândalo é parte integrante das campanhas dessa empresa? Ou nós é que somos moralistas incorrigíveis? Não seria muito mais proveitoso se, ao invés de nos preocuparmos com essas bagatelas, voltássemos os olhos para os problemas reais do país, que são imensos? Já dizia Policarpo Quaresma, personagem do grande Lima Barreto – Por que não vamos arar a terra e produzir riquezas, ao invés de ficarmos brigando por causa de políticos que mal conhecemos? Que importa o que a Cicarelli fez com o namorado lá na Espanha? E que importa um comercial da Caixa com ator branco ou mulato? E mais uma exibição do charme da Gisele? Aliás, eu nem presto atenção no que ela fala nos comerciais (pensei que fossem mudos). Pior é que o PT (ai de mim!) resolveu embarcar nessa onda moralista. O pior ainda está por vir, podem crer.

Responder

    mariafro

    02/10/2011 - 22h37

    Representação de um grande escritor (reconhecidamente o maior da literatura brasileira) que era pardo como branco, num país onde o racismo e o próprio Estado (com suas forças policiais tratam jovens negros como suspeitos), onde faltam modelos positivos de negritude para as crianças brancas e negras nas escolas é = a 'questão menor'

    Uma propaganda que trata as mulheres como motoristas ruins, gastadoras, irresponsáveis e exploradoras que usam da sedução do seu corpo pra enganar os trouxas, num país onde as mulheres não apenas são a maioria da força produtiva como são alvo de violência simbólica e física é igual a 'questão menor'.
    Pera, o que é mesmo questão maior?

    Gerson Carneiro

    02/10/2011 - 23h57

    Pois já que recomendas arar a terra, preste atenção nessa:

    Se os frutos produzidos pela terra
    Ainda não são
    Tão doces e polpudos quanto as peras
    Da tua ilusão
    Amarra o teu arado a uma estrela
    E os tempos darão
    Safras e safras de sonhos
    Quilos e quilos de amor
    Noutros planetas risonhos
    Outras espécies de dor

    Se os campos cultivados neste mundo
    São duros demais
    E os solos assolados pela guerra
    Não produzem a paz
    Amarra o teu arado a uma estrela
    E aí tu serás
    O lavrador louco dos astros
    O camponês solto nos céus
    E quanto mais longe da terra
    Tanto mais longe de Deus

    "Amarra o Teu Arado a uma Estrela" – de um negro da Bahia chamado Gilberto Gil.

    Pois é, não é possível arar a terra e produzir frutos doces e polpudos utilizando preconceitos e sexismos como instrumentos agricolas. Somente quando nos libertarmos da corrente do preconceito e sexismo poderemos amarrar nosso arado a uma estrela, e cultivaremos um mundo melhor.

    dukrai

    03/10/2011 - 15h14

    eu ia comentar sério, depois pensei em comentar zoando, aí cheguei a conclusão de não comentar. sério, véi, não precisa e se vc achar que tô zoando, fazer o que.

Rafinha Bastos e as piadas nada engraçadas « LIBERDADE AQUI!

02/10/2011 - 11h08

[…] Hope, o repeteco da propaganda sexista e a burrice publicitária […]

Responder

Caracol

02/10/2011 - 07h32

Desculpem não entrar nessa discussão. É muito complicada. Tem teorias sócio culturais, de propaganda, de marquetingue, tem citações filosóficas, regulamentação publicitária, conselho de ética, clichês pacas, tem até Brecht e José Serra… Desculpem, não dá.
Só sei de uma coisa: se minha mulher vier com um artifício desses pra cima de mim… pode perder as "hopes". Vai levar porrada.

Responder

@robsonfr

02/10/2011 - 02h35

Logo o sr. José Serra, que não entende nada de censura, veio dar pitaco!
[youtube upZUiZr9qa8 http://www.youtube.com/watch?v=upZUiZr9qa8 youtube]

Ah, em tempo: entre ser "chato e politicamente correto" e "imbecil e sexista", fico com a primeira opção. Sempre que uma "peça publicitária" dessas usa e abusa da imagem feminina, fico pensando se os autores da peça tem mãe, irmã, esposa ou mesmo amigas. Pelo visto, acho que não.

Abraços

Responder

Jairo_Beraldo

01/10/2011 - 23h24

Acho que as mulheres que tem que se valorizar, não cobrar que as valorizemos……

Responder

    Roberto Locatelli

    02/10/2011 - 18h04

    Ah, então nós, homens, temos que ser canalhas e as mulheres que se virem…

    Jairo_Beraldo

    02/10/2011 - 20h54

    Não, caro intelectual…só disse que elas pouco se valorizam, que estão mais dispostas a criar problemas a outras mulheres, que cuidar de si. E também sabemos que Dilma teve pelo menos 75% de voto masculino. Isso foi canalhice?

Criatividade mesmo faz a gente ver o quão ridículos são os estereótipos | Maria Frô

01/10/2011 - 23h23

[…] Hope, o repeteco da propaganda sexista e a burrice publicitária […]

Responder

claudio

01/10/2011 - 20h46

Cara, eu me identifico com a esquerda, me considero de esquerda, mas tem hora, que o pessoal dessa ideologia enche o saco!!!! Eu concordo com o Serra, tenha paciência, esse negócio de politicamente correto ta enchendo o saco há muito tempo!! Pelo amor de Deus pessoas, vamos parar e relaxar, sejam um pouquinho mais bem humorados!!! A vida já é tão chata!!

Responder

    josé Roberto

    02/10/2011 - 12h51

    Isso mesmo Cláudio
    E quer saber?
    Mamãe, que esquentava a barriga no fogão e esfriava no tanque de lavar roupa era menos estressada e melhor resolvida do que algumas feministas atuais.
    Com certeza daria risada dessa propaganda, pois tinha senso de humor.
    Você disse tudo, a vida tá ficando cada vez mais chata com essa patrulha toda de feministas, politicamente corretos e cia.
    Abraço

    Natália

    02/10/2011 - 17h39

    José Roberto, fiquei curiosa para saber como a vida era mais interessante antes do grupo da patrulha.

    E não entendi bem seu comentário, se uma mulher feminista que cozinha e lava roupa (desculpa, nem toda feminista tem empregada doméstica ou diarista) tiver achado essa propaganda ofensiva, isso é porque ela não tem senso de humor, porque ela é estressada ou porque ela é feminista? Se ela não se vê como feminista, mas achou a propaganda ofensiva mesmo assim, isso a torna automaticamente feminista, ou é porque ela não tem senso de humor ou é mal resolvida? E se ela for feminista, mas não cozinha nem lava roupa, e achou a propaganda ofensiva? Isso quer dizer que, sem dúvida, ela é mal resolvida ou não tem senso de humor? Mulheres não-feministas (suponho que sua mãe não era feminista, não ficou claro no seu comentário) que cozinham e lavam roupa são mais bem-humoradas e bem resolvidas do que mulheres feministas que não o fazem? O fato da mulher fazer atividades domésticas ou não influencia na opinião dela em relação a propaganda? Não sei, fiquei confusa.

    dukrai

    03/10/2011 - 15h04

    sei não, tô tonto e nem bebi kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    CC.Brega.mim

    02/10/2011 - 21h31

    ah se eu enxergasse as insatisfações de mamãe..

    Roberto Locatelli

    02/10/2011 - 17h45

    Ah, sei que você se considera de esquerda… Conta outra, que essa não colou.

    mariafro

    02/10/2011 - 22h39

    Roberto Locatelli obrigada pela paciência, vc já deve ter percebido que a minha anda curta com tanta ogrice. abraços

    Roberto Locatelli

    03/10/2011 - 00h45

    Abraços procê tumém, Frô!

    Ze Augusto

    02/10/2011 - 22h51

    Se esse aí tinha alguma simpatia pela esquerda, já era. hehe

    Gerson Carneiro

    03/10/2011 - 06h23

    "…sejam um pouquinho mais bem humorados!!! A vida já é tão chata!!"

    Para espantar a chatice da vida você sugere o "humor" do Rafael Bastos.

    Debochar dos deficientes físicos, dos negros, das mulheres (incluindo as grávidas), dos nordestinos, dos pobres… em suma, vamos nos divertir debochamdo dos "inferiores" para espantar a chatice da vida.

    A chatice na vida das mulheres que não se aproximam do padrão de beleza da Gisele e não têm condições de comprar lingerir da Hope multiplica a cada vez que propaganda similar é exibida.

    Esse recurso de, na falta de argumento, recorrer à censura para justificar o combate a qualquer tentativa de justiça em favor das vítimas do delírio dos que se sentem intocáveis sim é uma chatice, e "enche o saco". O mundo capitalista já é tão injusto!!

    Alexandre Felix

    03/10/2011 - 11h15

    "…eu me identifico com a esquerda, me considero de esquerda…Eu concordo com o Serra". Pô, cara…seremos obrigados a rir de você! Ha ha ha ha ha ha ha ha ha ha ha ha…FAZMERIR…

Jorge

01/10/2011 - 19h59

A propaganda pode até ser um emaranhado de clichês mas aplicar censura é Inadmissível.

Responder

Bárbara Castro: Propaganda da HOPE Devolve a emancipada Gisele ao lar que sua avó habitou um dia | Maria Frô

01/10/2011 - 19h33

[…] também: Secretaria de Políticas para as Mulheres faz representação junto ao Conar contra HOPE, Hope, o repeteco da propaganda sexista e a burrice publicitária e Ana Arantes: O Sexismo […]

Responder

mariafro

01/10/2011 - 19h14

Pedro, rodrigomudesto cuidado com as falsas simetrias. A representação da SPM está longe de exercer canetada e censura, mesmo porque num regime democrático existem leis. O que a Secretaria de Políticas para as Mulheres fez foi exercer um direito, pautado na Constituição, no Código Brasileiro de Auto-regulamentação Publicitária, e no Regimento Interno do Conselho de Ética (RICE) http://mariafro.com.br/wordpress/2011/10/01/secre

Responder

    Glecio_Tavares

    01/10/2011 - 23h59

    Alem disso, Conceição, houve reclamações e a secretaria foi acionada. Um governo deve se posicionar sempre. Agora fico pensando:Será que os caras não percebem que não vão atingir seu publico alvo chamando-as de irresponsaveis e dependentes? Me lembra o Chico Lang fazendo seu merchand e no final chamando os telespectadores de Zé Manés. Será que alguém vai comprar algo anunciado por alguém que o chama de Zé Mané?

    Roberto Locatelli

    02/10/2011 - 18h03

    Olha, Glecio, na verdade a Hope chamou suas clientes de prostitutas.

    Glecio_Tavares

    02/10/2011 - 22h54

    Pois é Locatelli, se uma mulher comprar lingerie dessa marca, estará assinando embaixo.
    Irresponsável, não sabe dirigir, precisa de padrinho e se vende!!!

    PS. Queria deixar bem claro que nada tenho contra quem faz isso, porém não quero ver isso na TV como se fosse uma coisa boa, pois minha filha vai fazer 13 anos e já sabe o que é certo e o que é errado. Mas e as filhas dos meus semelhantes?

    rodrigomudesto

    02/10/2011 - 00h46

    Desculpe. Mas todos os regimes possuem leis. Governos nunca infligem leis quando fazem censura. Carl Schmidt que o diga. Não é uma questão legal. É uma questão dos limites de uma mandato, uma questão de legitimidade. Fosse consequência de uma ação da sociedade civil, de movimentos sociais ou mesmo de um único cidadão mulher ou homem, teria todo meu apoio. Mas foi resultado de uma ação governamental, obtida com aporte de poder político, que com ela desqualificou a capacidade de julgamento de seus próprios eleitores. Tentando impor um conceito de mulher no singular, talvez mais repressor que o do próprio comercial medíocre, porque chancelado pelo poder.

    mariafro

    02/10/2011 - 22h28

    Rodrigomudesto então pode assinar o seu apoio, porque a Secretaria se posicionou a partir da pressão de grupos de mulheres, não foi uma única não. Abs.

Secretaria de Políticas pra as Mulheres faz representação junto ao Conar contra HOPE | Maria Frô

01/10/2011 - 19h06

[…] também: Hope, o repeteco da propaganda sexista e a burrice publicitária e Hope, o repeteco da propaganda sexista e a burrice […]

Responder

Pedro

01/10/2011 - 18h16

A propaganda pode até ser fraca de conteúdo, mas censura é tipico de regimes totalitarios.

Responder

    claudio

    01/10/2011 - 20h51

    Pedro, eu fico puto com essa babaquice de ficar censurando, desse politicamente correto, as pessoas estão levando humor a sério, pode isso? Eu acho uma aberração, estamos nos transformando em um país chato pra kct!!!

    Alexandre Felix

    03/10/2011 - 11h25

    Eu prefiro um país "chato" a ser conivente com o desrespeito às mulheres…

rodrigomudesto

01/10/2011 - 17h46

Reclamar no twitter, ok. Expressar a idiotice que o comercial é, ok. Pressionar para que os publicitários façam seu trabalho direito, tudo muito valido. Sou de opinião que a publicidade se tornou um custo inútil em muitos produtos, que ao comprar o produto pagamos por estrategias de marketing que nada tem a ver com nosso consumo. Mas censura é errado. Querer mudar o mundo com canetadas é errado. Nunca deu em boa coisa. Ou precisa citar Becht de novo.

Responder

Gerson Carneiro

01/10/2011 - 17h06

Mãinha sempre comprou calcinha e sutiã na feira da sulanca e Painho fez 13 filhos nela.

Sedução não tem nada a ver com lingerie da Hope.

Responder

    Gerson Carneiro

    01/10/2011 - 23h01

    Retificação: na época de mãinha não era nemcalcinha, era cauçola.

Eduardo Marques

01/10/2011 - 17h00

O comercial da Hope não é nada uma vez que o Brasil exporta sua imagem através de mulatas rebolando a bunda no carnaval carioca…. No mínimo é injusto meter pau em um comercial e achar que toda a sexualidade restante do país é ok e bem aceita.

Responder

    claudio

    01/10/2011 - 20h52

    Putz Eduardo, falou tudo!!! É isso aí, concordo com você totalmente!

    Roberto Locatelli

    02/10/2011 - 18h06

    Ou seja, uma canalhice serve de desculpa para outra canalhice.

    Alexandre Felix

    03/10/2011 - 11h29

    "mulatas rebolando a bunda " – Rapaz, se elas conseguirem rebolar outra parte do corpo, tua frase merece um prêmio! Genial!

Gerson Carneiro

01/10/2011 - 16h40

Ah, faltou lembrar: há pouco tínhamos aqui um post que falava de protesto em Portugal contra preconceito às mulheres brasileiras. Pois temos aqui uma contradição.

No Brasil a Hope enaltece o que em Portugal brasileiras combatem.

Responder

Ana Arantes: O Sexismo Benevolente | Viomundo - O que você não vê na mídia

01/10/2011 - 16h38

[…] prometido neste post: Hope, o repeteco da propaganda sexista e a burrice publicitária, reproduzo mais um texto que ‘desenha’ o quanto a propaganda da Hope é sexista. O […]

Responder

Gerson Carneiro

01/10/2011 - 16h33

Deixado de fora da propaganda do PSDB o José Serra tenta se enfiar na propaganda da Hope.

José Serra é aquele que recomendou garotas conseguir votos seduzindo seus namorados. Pois é, ninguém mais alinhado com a propaganda da Hope. Só falta vestir uma lingerie.

Responder

    dukrai

    01/10/2011 - 17h23

    Eu não ia comentar, mas ai pensei, pensei, e resolvi fazer o que eu havia pensado inicialmente, ou seja, não comentar…

    copiado do Homero Pavan Filho, no Nassif http://www.advivo.com.br/usuario/homero-pavan-fil

    Gerson Carneiro

    01/10/2011 - 19h36

    Agora o ócrinho me deixou curioso. Comenta vai.

    Comenta! Comenta! Comenta! Comenta! Comenta…

    dukrai

    03/10/2011 - 14h58

    eu não sei, peraí, é alguma coisa assim, como vou dizer, sei lá, acho que esqueci kkkkkkkkk

    tiago tobias

    01/10/2011 - 18h12

    Imagina, um vampiro de lingerie. Que visão do inferno.

    Roberto Locatelli

    02/10/2011 - 18h08

    Ele também recomendou ao seu vice, o boneco Chuck, que tivesse amante, mas que fosse uma coisa discreta.

Deixe uma resposta