VIOMUNDO

Professores de Minas publicam contracheques para provar que estado é PSDB*

02 de agosto de 2011 às 20h48

* PIOR SALÁRIO DO BRASIL

por Luiz Carlos Azenha

Depois de uma campanha midiática em que o governador Antonio Anastasia sugeriu que os professores em greve estavam mentindo sobre os salários pagos a eles pelo governo de Minas Gerais, os profissionais de Educação do estado decidiram publicar os contracheques e encaminhar um kit-salário para os jornais e outros meios de comunicação do estado.

Conversei com Beatriz Silva Cerqueira, a Bia, do Sindicato Único dos Trabalhadores de Educação em Minas Gerais, o SINDUTE. E, pelo que ela contou, existe um tremendo esqueleto no armário do atual senador e provável candidato ao Planalto, Aécio Neves, esqueleto agora administrado por Anastasia: o choque de gestão.

Mas, antes do esqueleto, a greve: a paralisação atinge, por decisão da Justiça, apenas 50% dos 380 mil trabalhadores em educação de Minas, em todas as regiões do estado.  Ela foi deflagrada, como a greve de Santa Catarina (onde os professores acreditam ter obtido uma importante vitória política), para garantir a implementação do Piso Salarial do Magistério, que é federal e foi considerado constitucional pelo Supremo Tribunal Federal em abril deste ano (valor atual de R$ 1.187,00).

Hoje, em Minas, o professor que tem ensino médio ganha R$ 369,00 mensais de salário inicial; o professor com licenciatura plena, R$ 550,00.

Segundo Bia Cerqueira, este ano o governo Anastasia, a partir de uma lei estadual, decidiu aglutinar todas as parcelas que compõem o contracheque dos servidores em um subsídio, que os professores rejeitam considerar como piso salarial, mas sim o total da remuneração.

A adoção do subsídio, segundo Bia, provoca — entre outras coisas — o nivelamento da categoria entre os professores que tem 20 anos de carreira e os que estão começando agora. Uma situação parecida aconteceu em Santa Catarina.

A greve é por um piso salarial de R$ 1.597,00 para os professores de nível médio com jornada de 24 horas.

Bia Cerqueira diz que a política salarial de Minas Gerais em relação aos professores é de “controle” da remuneração, o que seria um dos princípios do “choque de gestão”, que começou a ser implantado pelo ex-governador Aécio Neves. “Você pode demorar 8 anos para começar a receber por uma pós-graduação que tenha feito, você pode demorar de 20 a 25 anos para receber por um mestrado”, ela exemplifica.

“O governo controla a remuneração [dos servidores] para que possa investir em outras áreas que dão retorno melhor para ele”, disse ela, provavelmente se referindo a retorno eleitoral.

Bia inicialmente não entendeu a minha piada: o choque de gestão, disse eu, teria sido de 220 volts, bem na veia do professorado!

Aliás, ela acredita que o tal choque fracassou redondamente. Três exemplos:

* Faltam 1,5 milhão de vagas no ensino básico em Minas Gerais;

* A média de escolaridade do mineiro é de 7,2 anos;

* No vale do Jequitinhonha, a média de escolaridade é de apenas 6,2 anos.

Além disso, o programa que é orgulho do atual governador, Antonio Anastasia, o Professor da Família, para dar apoio a alunos do ensino médio, é bastante precário.

* Por enquanto, atinge 9 dos 853 municípios de Minas Gerais, ou apenas 22 das 4 mil (eu disse quatro mil) escolas;

* Os professores contratados para implementar o programa, que visa dar aulas de reforço para alunos do ensino médio, têm formação de ensino médio, o que contraria a Lei de Diretrizes Básicas da Educação Nacional, que exige licenciatura plena.

“Os projetos não correspondem à realidade do estado de Minas Gerais”, diz ela.

Duas grandes dificuldades enfrentadas neste momento pelos grevistas: boicote ativo ou desprezo da mídia local e a postura do Poder Judiciário de Minas Gerais que, segundo a Bia, nunca decide em favor dos educadores.

Para ouvir a entrevista, clique abaixo:

Bia.wma

Para acompanhar notícias da greve, vá ao site do SINDUTE.

Ou ao blog da Bia Cerqueira, aqui.

Acompanhe também no Blog do Euler, que tem vários vídeos (sugestão do comentarista Antonio).

PS do Viomundo: Diante da denúncia dos professores em greve de que são muitas vezes desconhecidos pela mídia mineira, pedimos a nossos leitores que nos ajudem a disseminar este post e outras informações sobre a greve no twitter e nas mídias sociais. Agradecemos.

Para ler sobre a ilha de fantasia de Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro, clique aqui

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
211 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Márcio Gaspar

24/03/2015 - 01h14

Os professores estaduais de São Paulo não estão longe do que acontece em Minas. Passei no concurso para professor em SP, mas pedi exoneração, pois um salário de fome não dá, preferi tentar outros concursos. Tenho pena dos professores que dão aulas com esse salário. Tenho pena dos alunos que serão aqueles atingidos pela falta de motivação do professor. Serão pouquíssimos alunos da rede pública que irão ingressar numa universidade pública por falta de um corpo docente motivado. Apesar dos incentivos com cotas, ainda existe resistência dentro da universidade por parte de alunos e professores que não concordam com as cotas. Olhe este vídeo gravado na usp/fea e tirem as suas conclusões: https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=855614521161603&id=165205036869225&refsrc=http%3A%2F%2Ft.co%2FXP9ti5oiHI&_rdr

Responder

Kika Castro: As três razões para meu voto | Portal Fórum

24/10/2014 - 11h37

[…] de ter deixado um “Estado quebrado” para Anastasia, com educação sucateada (e salários abaixo do piso nacional, como se vê nesta carta de professores), investimentos em saúde e educação questionados na […]

Responder

As três razões para meu voto | blog da kikacastro

24/10/2014 - 08h02

[…] deixado um “Estado quebrado” para Anastasia, com educação sucateada (e salários abaixo do piso nacional, como se vê nesta carta de professores), investimentos em saúde e educação questionados na […]

Responder

45 razões para usar a razão não votando em Aécio Neves e no PSDB | MaquinArte

22/10/2014 - 05h11

[…] Pagava um dos piores salários no país para professores do país enquanto […]

Responder

Edison

21/10/2014 - 08h27

1. A sigla PSDB quer dizer Partido da Social Democracia Brasileira. Só que de social democrata o partido não possui absolutamente nada.
2. O PSDB é o partido da desigualdade social e a concentração de renda nas mãos das elites.
3. O PSDB é o partido do grande empresariado e dos arrochos salariais.
4. O PSDB é o partido das filas de desempregados.
5. Para quem acredita que a corrupção somente passou a existir nos últimos doze anos no Brasil, vai aí uma informação bombástica: O governo FHC foi marcado por casos de corrupção não menos escandalosos.
6. O PSDB é o partido dos apagões e do racionamento de energia.
7. O PSDB é o partido do sucateamento das universidades públicas.
8. O PSDB é o partido do encolhimento dos direitos trabalhistas.
9. O PSDB é o partido da repressão aos movimentos sociais.
10. O governo tucano focou no empresariado, manteve as políticas sociais num nível modesto e não conseguiu reduzir de forma significativa as elevadas taxas de desemprego e extrema pobreza no país.

Responder

Beatriz Cerqueira: Aécio mente sobre Educação; “Peçam aos professores de Minas que mostrem o contracheque” | MANHAS & MANHÃS

18/10/2014 - 19h52

[…] Recentemente um post antigo do Viomundo, de 2011, voltou a causar debate entre os internautas por conta da campanha eleitoral. É uma denúncia do SindUte feita durante uma campanha salarial. […]

Responder

Beatriz Cerqueira: "Aécio mente quando diz que Minas paga o piso salarial para os professores e que temos a melhor Educação do país" « Viomundo - O que você não vê na mídia

18/10/2014 - 14h15

[…] Recentemente um post antigo do Viomundo, de 2011, voltou a causar debate entre os internautas por conta da campanha eleitoral. É uma denúncia do SindUte feita durante uma campanha salarial. […]

Responder

jose

13/10/2014 - 12h35

Alguém reparou que nas linhas 7 e 8 tem desconto por greve? E que o contracheque é de 2011? Mostra um deste anos e sem desconto de greve…

Responder

    Marcio Nunes

    15/10/2014 - 16h37

    - Os fins justificam os meios
    – É possivel contar um monte de mentiras dizendo só a verdade.
    – Uma mentira, repetida um milhão de vezes se torna verdade

Silvano

12/10/2014 - 20h35

Cá pra nós, quere honestidade de tucano e querer demais. Quando foi que está corja olhou pela trabalhador? Isto prova que a máquina de fazer idiotos do pig continua trabalhando. Aqui em Recife a VIÚVA NEGRA determina que o eleitor vote em aercimdopo.vai de rastro satanas. Leva a viúva e está corja pata bem longe.

Responder

Xoque de jestão do Aecio é uma fraude | Conversa Afiada

12/10/2014 - 11h38

[…] piso era mais baixo que o permitido pela lei do piso salarial de professores e, portanto, ilegal.: http://www.viomundo.com.br/denuncias/professores-de-minas-publicam-contracheques-para-provar-que-est…-  Diminuiu o salário-base dos médicos em Minas para apenas R$ 1.050,00 – o segundo mais […]

Responder

Henrique D'Agostini

08/10/2014 - 18h49

PIMENTEL E O SALÁRIO DOS PROFESSORES
Quem votou no Pimentel por causa da postura do PSDB para com os professores, vai passar muita raiva!!! Em entrevista concedida esta semana, o Governador eleito Fernando Pimentel (PT) diz que não vai dar nenhum aumento aos professores mineiros além daquele já programado pelo atual Governador Anastasia. Disse que não pode prometer prazo para um aumento maior e que os aumentos deverão respeitar a capacidade do Orçamento do Estado de Minas Gerais. Se for isso mesmo, qual a diferença para a prática do Governo atual??? Nenhuma!!!

https://www.youtube.com/watch?v=Uqw2GJYumMw

Responder

    Vicente

    09/10/2014 - 09h07

    O cara nem assumiu o governo ainda. Calma. Dê tempo ao tempo. O orçamento de 2015 já foi votado, poucas mudanças são possíveis no primeiro ano. Mas espere. As coisas vão mudar, como aliás estão mudando há 12 anos no Brasil. E para muito melhor.

laucidio rosa da silva

24/08/2014 - 15h25

UAI! O AECIOPORTO NÃODISSE QUE A EDUCAÇÃO DE MINAS E A MELHOR DO BRASIL?

Responder

Jovelino Cabrera Andrade

31/07/2014 - 23h15

Fica uma dica para os professores de Minas Gerais e todos que apoiam essa profissão de importância central: por que não exigir uma valorização remuneratória semelhante à que o governo de MG está praticando com a (igualmente importante) PMMG?

Veja no link seguinte, a tabela salarial a que me refiro:

http://www.ascobom.org.br/?p=33883

Ou seja: recursos existem, caros professores!

Responder

Geralda

22/12/2012 - 13h58

Estamos esperando com toda esperança e otimismo o Mensalão da Privataria Tucana e o Mensalão de Furnas. Acabaram com a educação pública e liquidaram com os funcionários. Ninguém aguenta mais o efeito tucanalhas…

Responder

Geralda

25/05/2012 - 14h31

A tucanalha, o coronelismo que impera em Minas acertou um tiro no pé do coronel maior o governo de Minas colocando a culpa no Governo federal; dizendo que Minas não tem recursos para com as obrigações:saúde, educação e etc… Engraçado já fomos primeiro em arrecadação, choque de gestão zero, desenvolvidos igual a China e de repente ficamos com uma dívida impagável?
São mesmos ordinários,famigerados acabaram com Minas. De quem é a culpa?
-Tucanalha…

Responder

Geralda

13/03/2012 - 22h50

Federalização já, toda escola Federal é de boa qualidade; federalizando tira das mãos dos ladrões,só assim a classe de baixa renda terá uma escola básica de sucesso.

Responder

Geralda

26/02/2012 - 22h43

Em Minas se houver um levantamento nos contracheques dos funcionários da educação,vão se deparar que pode contar nos dedos quem não tem empréstimo para sobreviver. A onde está a CNTE? Que nada faz para que o piso seja pago aos trabalhadores da educação básica? E a nossa Presidenta que tanto ênfase teve em sua campanha que a educação básica seria uma prioridade,temos tantos exemplos que EDUCAÇÃO é prioridade no ser humano. É pena o país está adormecido neste setor…

Responder

Geralda

25/11/2011 - 19h50

Foi através de um ato sórdido repugnante que o governo de Minas Gerais,acaba de enterrar a educação. A ditadura impera no ESTADO. Os famigerados parlamentares que nos aguarde nas eleições.

Responder

Geralda

02/11/2011 - 00h26

Estamos no fundo do poço meu querido Azenha, como pode um governo agir de forma tão drástica e desumana conosco educadores,será que estamos num deserto que ninguem nos ouve e as coisas acontecendo em um Estado onde a imprensa divulga que está tudo maravilhoso, a arrecadação uma das maiores do país e o educador com salário de fome e 4 meses sem pagamento. Onde está este indivíduo que governa M.G? Não tem o mínimo de respeito para com o ser humano.É vergonhosa a atitude deste indivíduo a escola pública não tem mais aonde pedir socorro juntamente com os seus profissionais.Nos dê alguma luz ,o momento é de desespero.Obrigada pelo desabafo.

Responder

Geralda

17/10/2011 - 02h04

Hoje o que se comemora no dia do professor? Descaso, abandono,frustação, tristeza, angústia, miséria, desvalorização;como se costrói uma casa sem a base? Azenha graças a você podemos desabafar as nossas angústias aqui. Estamos muito gratos pela sua competencia de jornalista, nos apoiô e através do
Vi o mundo podemos desabafar e denunciar cada vez mais.

Responder

Geralda

11/10/2011 - 01h30

Quando que os nossos governantes vão priorizar a educação? A nossa angústia é muito grande, a vida é tão efêmera, vamos pagar um preço muito alto por esse descaso, se toda a imprensa fosse como você Azenha nós não estaríamos a onde estamos. Jornalista como você são poucos, mais uma vez parabéns te admiro muitíssimo.

Responder

Geralda

06/10/2011 - 00h16

Parabéns a vocês da TV Record principalmente Luis Carlos Asenha, deu o shou de jornalista sempre fui sua fã agora mais ainda .Não teve medo da represália da ditadura mineira ao fazer a entrevista com nossa Coordenadora do SINDUTE. Parabéns sua fã número um.

Responder

gilberto ALves

03/10/2011 - 11h44

Desculpe minha ignorãncia.
Mas,o subsídio foi aplicado apenas aos servidores da educação?

Responder

STF determina: Hora de pagar o piso aos professores | Viomundo - O que você não vê na mídia

24/08/2011 - 17h26

[…] Professores provam que Minas é PSDB* […]

Responder

Ex-mulher do goleiro Bruno: “Por 300 contos, eu fico em casa” | Viomundo - O que você não vê na mídia

19/08/2011 - 12h43

[…] Beatriz Cerqueira: A penúria nas escolas de Minas Gerais […]

Responder

Maioria dos estados e municípios não paga o piso dos professores | Viomundo - O que você não vê na mídia

17/08/2011 - 20h48

[…] Os contracheques dos professores de Minas Gerais   […]

Responder

Débora Vaz: As escolas de photoshop do Ceará | Viomundo - O que você não vê na mídia

15/08/2011 - 13h18

[…] Professores de Minas Gerais provam que o governo Anastasia é PSDB*   […]

Responder

Bruno Fernandes: Os professores em greve e a Copa de 2014 | Viomundo - O que você não vê na mídia

13/08/2011 - 02h03

[…] Os contracheques dos professores mineiros   […]

Responder

Professora

11/08/2011 - 21h48

Esse é o estado governado por quem mente, quem banaliza a educação e retira direitos! Onde é mesmo que você quer chegar, Anastasia? Por mim você já está é reprovado! Aliás vou sugerir estágio probatório para os políticos. Você será um que não passará do primeiro ano. Acorda, rapaz!

Responder

Professores federais: Sem diálogo, governo Dilma cassa direitos | Viomundo - O que você não vê na mídia

11/08/2011 - 15h15

[…] Veja aqui o contracheque dos professores de Minas Gerais […]

Responder

@GersonCarneiro: Vereador Burro diz que professor só pensa em salário | Viomundo - O que você não vê na mídia

11/08/2011 - 12h07

[…] Veja os contracheques dos professores mineiros   […]

Responder

Estudantes, no Chile: “Pública, de qualidade e gratuita” | Viomundo - O que você não vê na mídia

10/08/2011 - 09h27

[…] Os professores de Minas Gerais querem o piso   […]

Responder

Prof.ªGracieusa

08/08/2011 - 18h41

Resposta ao SENHOR RODRIGO LEMES: Estudou Econômia em que faculdade? Porque se APONTAR A LUPA PRA FALTAS GREVE não mudará o PISO DE R$ 369, 89 e greve é exatamente para o Governo entender esse detalhe. Isso que o Senhor tenta chamar de Piso na verdade é o Teto. E burro a gente não é. O Sr é da equipe do Governo? Porque está repetindo a mesma imbecilidade deles. Vencimento básico = a piso = a salário mínimo. Está claro ou quer que eu desenhe? E não adianta nem o Sr e nem o Governo acharem ruim, porque é LEI 11.738/08 – LEI FEDERAL E ESTÁ NA CONSTITUÇÃO DO BRASIL. Portanto mais cedo ou mais tarde iremos receber e com os valores retroativos, pois a JUSTIÇA TARDA MAIS NÃO FALTA, É CEGA MAIS NÃO BURRA. E nosso caso , que pensamos e somos criticos já adianto ao Sr e aos MINISTROS DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL que a justiça que tarda, já FALHOU.
Essa página não tem recurso para desenho então sugiro ao Senhor que assista esse vídeo , com o julgamento da Lei pelo STF, ele é bem didático e conclusivo. Aproveita, compra um milho de pipoca, um refrigerante e convide o Governador e a Secretaria para assistirem a sessão em sua casa. Porque LEI É PARA CUMPRIR ! O Video é sobre a seção do STF e versa sobre a cessão do PISO. http://www.youtube.com/watch?v=hYAqLvtZ7TY&fe

Responder

PROFªGracieusa Brito

08/08/2011 - 11h21

Se algum governo se importasse com greve de fome não cortaria salário de pais de família. Seria mais produtivo um ACAMPAMENTO e de preferência se fosse NACIONAL em Brasília.E todos os advogados de todas as sedes estaduais do sindicato estivesse junto, no tribunal acompamhando as ações, pois de que adianta uma bancada de advogados inoperântes. Eles estão acabando com o piso. – "Proposta na Câmara dos Deputados reajusta piso salarial dos professores

Agência Câmara

Publicação: 27/07/2011 16:34 Atualização: 27/07/2011 17:05
A Câmara analisa o Projeto de Lei 698/11, que fixa em R$ 2.180,00 o valor do piso salarial dos profissionais do magistério público da educação básica. O piso atual é de R$ 1.187,97 e vale para os profissionais que cumprem jornada de trabalho máxima de 40 horas semanais. Segundo o projeto, de autoria do deputado Romero Rodrigues (PSDB-PB), o reajuste será aplicado de forma escalonada: 1/3 no primeiro ano, 2/3 no segundo ano e o valor integral a partir do terceiro ano. A Lei 11.738/08 estabelece que o valor do piso deve ser reajustado anualmente, de acordo com o crescimento do valor mínimo por aluno referente aos anos iniciais do ensino fundamental urbano.

Para o deputado, o reajuste do piso vai garantir o direito dos professores a uma remuneração justa. “A valorização do profissional do ensino é a primeira providência para evitar a perda de sua dignidade e identidade profissional”, afirma."EM. No jornal de ontem, citou que todos os advogados estão lá pra agilizar as ações, devido ao fato de 2 membros estarem afastados. O QUE O SINDICATO PRETENDE FAZER? Vai deixar acabar com o PISO antes de nem mesmo a gente ter recebido? Nem ouviram os professores, pois essa é uma manobra indecente para descaracterizar a LEI DO PISO , se desde 1988 eles nâo pagaram nem um centavo e a Lei nem foi cumprida, COMO QUEREM AUMENTAR? E O PSDB*. O MAIS TRISTE É SENTIR QUE O BRASIL INTEIRO ESTÁ CONCORDANDO COM ISSO !
PSDB = Pior Salário Do Brasil.

Responder

PROFªGracieusa Brito

07/08/2011 - 20h05

FEDERALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO JÁ.
O Governo Federal já tem a LDB e o PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA, já desenvolveu o sistema de avaliação da educação e também de valorização dos profissionais. Já paga e bem o piso de quase 4 mil reais aos professores federais. Também já arrecarda quase a totalidade dos impostos que compoem o PIB.
Em contrapartida haverá enorme economia pois não haverá tantas secretarias, tantas propagandas de desgovernos que a cada eleição desmantelam todo o sistema educacional para dar empregos aos financiadores das campanhas eleitoreiras. E nem tantos "subsídios castigos " aos funcionários que julgam ser culpados por que eles não conseguiram emplacar nas urnas, e culpam os mesmos pelas derrotas eleitorais.
A idéia dos companheiros João Paulo, Luciano História e Rômulo é excelente, e tem que ser ampliada e divulgada.
Blog do Euler

Responder

PROFª SIM, DROG Ñ !

07/08/2011 - 20h03

FEDERALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO JÁ.
O Governo Federal já tem a LDB e o PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA, já desenvolveu o sistema de avaliação da educação e também de valorização dos profissionais. Já paga e bem o piso de quase 4 mil reais aos professores federais. Também já arrecarda quase a totalidade dos impostos que compoem o PIB.
Em contrapartida haverá enorme economia pois não haverá tantas secretarias, tantas propagandas de desgovernos que a cada eleição desmantelam todo o sistema educacional para dar empregos aos financiadores das campanhas eleitoreiras. E nem tantos "subsídios castigos " aos funcionários que julgam ser culpados por que eles não conseguiram emplacar nas urnas, e culpam os mesmos pelas derrotas eleitorais.
A idéia dos companheiros João Paulo, Luciano História e Rômulo é excelente, e tem que ser ampliada e divulgada.
blog do Euler.

Responder

Maria

06/08/2011 - 07h07

Como dizia minha avó: “…para os amigos tudo, para os inimigos a lei ” Ou como disse Miguel Cervantes na Obra Dom Quixote de la Mancha “… como dizia minha avó: neste mundo só existe duas classes de pessoas, os que têm e os que não têm”. Assim é o sistema seletivo para docentes nesse país hoje. Defendo um sistema único de acesso de qualquer professor com o título de Doutor sem o crivo abusivo e subjetivo do atual modelo de concurso. Para terminar gostaria também de salientar, que mesmo sendo aprovado num desses concursos, a exigência de documentos é tamanha e desproporcional que a impressão que se tem é que o diploma do professore é diferente do diploma de outros profissionais.(Não bastaria uma carteira como a carteira do CREA – Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia). Eu pergunto: Para que a necessidade de autenticar em cartório todos os documentos solicitados quando da aprovação de um candidato a uma dessas vagas? Não basta comparar a cópia com o original no momento de assumir o cargo? É necessário rever a forma como são regulamentados estes concursos, pois da forma como estão penalizam aqueles que não têm “padrinhos” nas universidades e nas bancas examinadoras e isso certamente não ajudará o Brasil a superar seus grandes desafios rumo a um desenvolvimento mais justo, humano e solidário.

Responder

Maria

06/08/2011 - 07h05

Hoje depois de vivenciar vários acontecimentos na área da Educação no Brasil, temos muito que sugerir em especial quanto ás exigências que considero abusivas para o ingresso de um professor na carreira do magistério superior nas universidades públicas federais.Considero todo este processo abusivo, desumano e tendencioso. Tendencioso, pois na hora da prova oral a banca examinadora pode desclassificar o candidato usando critérios subjetivos que não podem ser questionados. Você fica na mão de três professores que se for com sua cara e amigo dele com certeza você será o candidato aprovado. Daí abre-se uma brecha para a corrupção, prática tão arraigada na cultura brasileira.Uma banca que já conhece fulano, que é amigo de um grupo de pesquisadores etc, pode desclassificar um candidato em detrimento de um amigo e assim vai, o jeitinho brasileiro de fazer as coisas. Tudo por QI – Quem Indica.

Responder

mineira consciente

05/08/2011 - 00h46

Azenha, desde a eleição passada descobrir o seu blog, tenho certeza que ele contribuiu muito no esclarecimento à população para um voto consciente. Agora que você é a nossa mídia sei que a nossa luta será vista por todo o Brasil e quiça o mundo. Muito obrigada!

Responder

Rogerio Correia: Entre o contracheque e o “choque de gestão” | Viomundo - O que você não vê na mídia

05/08/2011 - 00h45

[…] Veja o contracheque dos professores de Minas […]

Responder

mineira consciente

05/08/2011 - 00h41

ENQUANTO ISTO……………………………………….As analistas contratadas pela Secretaria de Educação (leia-se órgão central) , a cada viagem que fazem para ir as SREs, (escolas, imporem o que não sabem sobre o fazer pedagógico -a maioria delas) RECEBIAM (o ano passado- este ano ainda não descobri) R$1.100,00 – ISTO MESMO – HUM MIL CEM REAIS CADA VEZ QUE VEM DA CAPITAL PARA O INTERIOR – É MOLE? _Façam as contas de quanto elas ganham mais do que as pessoas que realmente trabalham na educação._AZENHA, POR FAVOR DIVULGUE ESTA NOTA.

Responder

Rosangela Santos

04/08/2011 - 23h25

Caro colega,o que mais me impreciona é que para os efetivados ficou muito cômodo não aderirem a greve pois tiveram um ganho permanente,sem concurso,sem critérios para se tornarem efetivos,contrariando artigo da constituição que é o que achávamos que seria a lei máxima que rege o nosso país. Deixem os trabalharem porque não é sempre que um milagre bate a nossa porta.O concurso está aí e com ele desapareceram todas as possíveis vagas.Tenho anos de trabalho no estado,não fui contemplada por esse trenzinho da alegria.Trabalhei até setembro,adoeci,o médico não quiz me dar licença e continuo como designada.Indignada mas firme na greve.Não posso pensar somente em mim enquanto profissional mas nas pessoas que lutam a anos e hoje tem que passar por essa humilhação de verem seus direitos sendo retirados de forma desonesta.

Responder

    Professora

    05/08/2011 - 14h04

    LEI 100VERGONHA!
    Reitero aqui o meu pedido ao Azenha para que investigue a tal lei 100 e o que anda acontecendo com as ações diretas de inconstitucionalidade. Peço também que escreva sobre a constituição e a clareza dela quando afirma ser o concurso a única porta de entrada para o serviço público. Sendo assim, cabe denunciar que o governo mineiro desrespeita a constituição quando efetiva sem concurso. Pior ainda é o fato de muitos dos efetivados nem terem licenciatura. Tem engenheiro ensinando matemática, farmacêutico ensinando química, etc etc E tem gente se vangloriando de não ser professor e ter sido efetivado em dois cargos. Li outro dia, no blog da Beatriz e depois no blog do Euler, um comentário de alguém que dizia ter dois cargos sem ser professora e que isso não importava, pois para os alunos tanto faz história ou português, já que para eles tudo é inglês… E essa pessoa ria disso tudo! É preciso denunciar!!!! E a mídia mineira jamais vai fazer isso, então resta a mídia nacional através de pessoas sérias como o Azenha.

    LILIAN

    09/08/2011 - 14h01

    É a nossa situação é a pior mesmo!!!Imagine que fiz concurso, passei, precisei de uma remoção para outra cidade, mas as vagas não aparecem. Os efetivados ABSURDAMENTE estão nelas. ISSO POOOOODE? O GOVERNO NÃO ESTÁ NEM AI PRÁ NÓS,UMA VERGONHA.

@sergiobio

04/08/2011 - 23h23

Então já vou dar um toque. Tem mais servidor estadual revoltado e vem mais greve por aí. A batata do Anastasia tá assando…

Responder

Ana

04/08/2011 - 16h46

Gostaria que as pessoas atentassem para mais um fato que se apresenta no contracheque do colega, o mesmo aconteceu comigo e com todos os colegas que estão de greve: foram lançadas faltas greves nosso contracheque. Foi descontado em torno de R$ 600,00 do nosso salário por estarmos de greve. A greve é um direito constituicional. Ou nossa greve foi julgada ilegal por algum juíz e eu perdi isso? Esse governo de Minas é pura vergonha nacional. Faz o que quer, quando quer, do jeito que quer e ninguem faz nada pra impedir. Vergonha!

Responder

@igorprietobh: Afinal, quantos eram os professores em Minas Gerais? | Viomundo - O que você não vê na mídia

04/08/2011 - 15h54

[…] Para ver o contracheque dos professores de Minas e o esqueleto no armário do senador Aécio Neves, …   […]

Responder

ana araujo

04/08/2011 - 13h39

Que vergonha seu Anestesia vencida! Pensa que o povo brasileiro é idiota? E agora, contra provas não há argumentos. Cadê a rede globo com seu jatinho pra lá e pra cá, porque não mostra a realidade, mídia incoerente, indecente, mentirosa!

Responder

Professores de Minas publicam contracheques para contestar propaganda enganosa do Estado | SITRAEMG - Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário Federal no Estado de Minas Gerais

04/08/2011 - 13h15

[…] Notícia publicada no site “Viomundo”, do jornalista Luiz Carlos Azenha (onde também há um arquivo da áudio com entrevista da dirigente sindical Beatriz Cerqueira), mostra, por meio da publicação dos contracheques dos professores de Minas Gerais, que o Estado estaria fazendo “propaganda enganosa” ao veicular na mídia campanhas afirmando que cumpre a implementação do Piso Salarial do Magistério, que é federal e foi considerado constitucional pelo Supremo Tribunal Federal em abril deste ano (valor atual de R$ 1.187,00) e que o Sindicato da categoria estaria mentindo para a população. […]

Responder

Professores de Minas ganham o pior salário do Brasil | A Tal Mineira – Blog da Sulamita

04/08/2011 - 13h05

[…] eu é que sou implicante… Sem maiores comentários, transcrevo denúncia publicada o Vi o Mundo, por Luiz Carlos Azenha – provada e comprovada. Como a mídia lá da terrinha anda sob […]

Responder

Breno Cunha

04/08/2011 - 12h56

É lastimável o que ocorre com o profissional de educação em alguns Estados, pois em regiões mais distantes e com um PIB modesto se valoriza mais este profissional, a exemplo do Maranhão, Tocantis e Acre.
Veja o Estado mais rico da Federação, trata o professor como idiota com este falso aumento anunciado aos 4 ventos, no estilo "pai de santo", pois só incorporou gratificações que a classe já recebia…

Responder

Professor indignado

04/08/2011 - 10h51

Gostaria de pedir ajuda Federal, uma intervenção em Minas, pois o governo daqui efetiva sem concurso público, não paga aos professores o que a lei federal obriga e para piorar usa a SUJA IMPRENSA MINEIRA para confundir a todos.

Responder

Professor indignado

04/08/2011 - 10h37

Gostaria de pedir ajuda Federal, uma intervenção em Minas, pois o governo daqui efetiva sem concurso público, não paga aos professores o que a lei federal obriga e para piorar usa a SUJA IMPRENSA MINEIRA para confundir a todos.

Socorro! Minas que já foi a terra da LIBERDADE pede ajuda.

Responder

    professora indignada

    06/08/2011 - 23h50

    E você acha que o governo federal ajuda o professor? Todos os governos são corruptos, aumentam seus salários e não teem interesse que os cidadãos brasileiros sejam instruidos pois assim sempre terão eleitores ignorantes.

Professor indignado

04/08/2011 - 10h32

Sr Rodrigo Leme , sou professor . Vi seu comentário e gostaria de esclarecer o seguinte: o vencimento básico de um profissional é o valor mínimo que se pode receber, então em Minas se paga vários tipos de salários aos professores que variam entre R$ 369,00 a R$550,00.(esse é o piso em Minas) A lupa que o senhor diz mostra então o piso. E os valores seguintes não representam o salário, mas sim gratificações e benefícios conseguidos em uma carreira de vários anos. O que o governo mineiro não faz é pagar o valor mínimo que o governo federal decretou.

Responder

Professor Indignado

04/08/2011 - 10h22

Azenha, parabéns por mostrar para a população brasileira o desgoverno de Minas.
Mas, tome um pouco de cuidado, nós professores e todos os que ousam falar a verdade contra o desgoverno de "Antônio Bolinho de Asia", são duramente perseguidos.
Viva os professores!
Em Minas não se respira liberdade, não se cumpre a Constituição e muito menos as decisões do STF, quando é para beneficiar o povo.
Socorro! A imprensa mineira não é imparcial, não diz a realidade, não fala a verdade, mente o tempo todo contra os professores.

Responder

    ferrugis

    04/08/2011 - 13h26

    Agora me diz. reclamam de receber 300 e poucos reais, por que faltaram tanto ao ponto de ter um desconto salarial de 500 e poucos reais??? analisem melhor esse contracheque,
    e outra. qual é a carga horaria da pessoa desse contracheque.
    ja que querem mostrar se é valido ou não esse valor pago mostrem tudo.. não só o que é benefico para voces.

    por causa dessa manifestação de ontem eu cheguei atrasado em uma prova que poderia me custar meio ano de atraso…

    Professor Indignado

    04/08/2011 - 15h25

    O valor corresponde há 24 horas semanais.

    Maria

    04/08/2011 - 15h53

    Meu camarada, o desconto salarial é devido a um direito constitucional que é a GREVE. Você deveria primeiro aprender a interpretar textos, Leis e fazer contas básicas para depois vir postar asneiras aqui. Outro detalhe, a carga horária é referente a 24 horas semanais, mas para o seu governo nenhum professor trabalha apenas 24 horas, temos o tempo destinado aos planejamentos, reuniões, correções de provas e atividades, etc., se somarmos ultrapassa 50 horas semanais. Garanto-lhe que, nenhuma outra profissão seja tão exaustiva e ao mesmo tempo tão importante quanto a de professor, não querendo desmerecer as outras profissões. Quanto aos valores expressos no CONTRACHEQUE estão todos lá sem omissão de nenhum, basta olhar e analisar! Outra coisa, enquanto existirem pessoas como você "ferrugis", a sociedade continuará do jeito que está, dominada pelos "RICOS" e OPRESSORES. Quanto a sua prova, você deveria compreender melhor o que é ser cidadão. Você deveria ter orgulho do motivo pelo qual se atrasou na realização de sua prova. O movimento que lhe causou o "atraso" era de EDUCADORES, PAIS, ALUNOS e PESSOAS DA SOCIEDADE lutando pela EDUCAÇÃO PÚBLICA DE QUALIDADE PARA TODOS! Afinal, se já ias fazer PROVA é porque alguém está "cobrando-lhe" conhecimento, aprendizagem, penso que esta tarefa de "cobrança" venha do seu professor, porque ninguém aprende ou executa alguma atividade sem antes passar pelos ensinamentos de UM BOM PROFESSOR!

Marcus D'Lazzari

04/08/2011 - 00h46

Poxa pessoal, faz seus protestos mesmo, lute pelos seu direitos com toda a garra, mas por favor, 18:00 horas é sacanagem. Hoje eu fiquei nada menos que 2 horas em um ônibus lotado, doido pra ir para casa depois de um dia super cansativo de trabalho, ganhando um salário tão baixo quanto os dos professores, mas mesmo assim não posso reclamar porque eu não trabalho para o estado. Nós trabalhadores assalariados não temos culpa disso, e não adianta transferir esse fardo para as outras classes. Peço maior respeito com o resto da população, que amanha de manhã está trabalhando duro, e não de greve como os professores.

Responder

    Taiguara

    04/08/2011 - 07h54

    Marcus; eu também fui prejudicado no meu retorno após um dia estafante de trabalho. Mas apoio INTEGRALMENTE a greve dos professores. Não vejo outro meio deles exporem sua condição de servidores/indigentes. Claro que reconheço seu desconforto com a situação mas, não dá para pedir que os servidores restrinjam suas manifestações aos sábados, domingos e feriados e de 2 à 5 da madrugada. E a luta deve continuar. Pelo menos enquanto o governo for exercido por alguém que, aparentemente, "faz uso de substâncias não naturais ao ser humano". Né mesmo, Zeláia?

    Maria

    04/08/2011 - 21h36

    Marcus, vá reclamar com o governador AnastAZIA, a falta de respeito para com os cidadãos, com a população menos favorecida é dele e não dos EDUCADORES, PAIS, ALUNOS E PESSOAS DA SOCIEDADE que estão LUTANDO pelos seus direitos. Se o governador PAGAR o PISO acabará a GREVE!

Maria

03/08/2011 - 22h24

Luiz Carlos Azenha, parabéns pelo espaço aberto! Gostaria de afirmar e frisar aqui que, independente do partido que o governo mineiro represente, diante do caos em que se encontra a educação mineira, estaríamos reivindicando nossos direitos do mesmo jeito! Nós Professores Mineiros, não estamos preocupados com as siglas dos partidos mas sim em lutar por nossos direitos seja o governo do partido X, Y ou Z. A nossa luta é por melhorias na Educação Pública, é por Melhores Condições de Trabalho, por Reconhecimento e Valorização, por Respeito e Dignidade e governo nenhum que estiver FORA DA LEI, será poupado! Queremos o que é nosso por direito, o PISO SALARIAL! Ah! Pode ser o do MEC!

Responder

    Taiguara

    04/08/2011 - 08h13

    Pois é Maria. Comungo com suas felicitações e agradecimentos ao Azenha. A lamentar a falta de solidariedade dos demais "blogs sujos' em relação ao tema. Recentemente foi criado em Minas o Blog Minas Sem Censura, ainda incipiente, capitaneado pelo Dep. Rogério Corrêa que, no rastilho do estado de exceção que aqui impera se recente de todo tipo de sabotagem, o que limita sua abrangência. Talvez o Azenha, possa se utilizar da sua influencia para aglutinar maior apoio na divulgação, não só dessa causa, mas para disseminar pelo Brasil afora as agruras por que passa o povo mineiro, hoje vivendo sob a égide de uma implacável ditadura branca. O povo brasileiro deve enxergar na possibilidade do Playboy conquistar o Alvorada uma questão de – me desculpem a força de expressão – Segurança de Nacional. O PERIGO MORA EM MINAS. E, pior:….dirige bêbado

Nikolas Spagnol

03/08/2011 - 22h16

Azenha, recomendo este texto que fiz no começo da greve que explica o GOLPE que os professeores estão levando do Governo de Minas – http://ahcidade.com/2011/06/prioridade-zero/

Responder

Dafne B.

03/08/2011 - 22h01

E não é só isso, o professor é PROIBIDO de comer da merenda escolar. Na escola em que minha tia é diretora, a orientação que vem do governo é de vigiar os professores para não comerem da merenda. Na escola que uma outra tia minha trabalha de professora é a mesma coisa. E a higiene nas escolas é algo quase inexistente.
É UM ABSURDO!

Responder

    ERALDO

    05/08/2011 - 09h55

    UM PEQUENO DETALHE : A VERBA DA MERENDA ESCOLAR É 100% DO GOVERNO FEDERAL. MINAS PODERIA PELO MENOS ARCAR COM A MERENDA DOS EDUCADORES, QUE TAMBÉM TÊM FOME. EM MINAS, DE LIBERDADE PRINCIPALMENTE

Domingos

03/08/2011 - 21h28

Tem que fazer greve e nas eleições fazer campanha para os melhores candidatos para a Educação, não adianta cruzar os braços na hora de votar. Tem que usar a práxis marxista para mudar a situação da educação

Responder

Conservador316

03/08/2011 - 21h04

Reconheço aqui que errei.
Peço desculpas pelo meu comentário. Realmente, os professores trabalham além das 24 horas semanais, pois precisam planejar as aulas, corrigir provas,etc.
Peço perdão.
Mas ainda acho que essa greve não aconteceria se o governo fosse do PT.

Responder

    xicobarreto

    04/08/2011 - 10h53

    O kct, voce acha que os professores do RS e de outros estados governado pelo PT são burros, que isso é coisa de petista para desestabilizar governos.
    Voce é um imbecil, literalmente, voce levou choque, choque de gestão, aki os professores votaram em peso no DEM e PSDB e PMDB ( SC ), está dando o que era previsivel, oras, em SP os prof´s fazem gtreve e todo mundo esconde, assim como em Minas, não sejais vestal, seja correto e honesto contigo mesmo, de crédito a quem mereça e critique a quem deva ser criticado, suas preferencias políticas são exclusivamente suas, isto é importante, aceito criticas, mas não despeito de militante politico que ora perdeu uma eleição, não suporto criticas a politicos, eles estão nos seus mandatos guarnecidos por uma vontade popular, se não é do meu agrado, farei o meu dever no dia da votação.
    Aos demais desculpe-me o desabafo, tem cetrtos post que são intragáveis pelo seu preconceito e ranho impregnado

    Hebert Beavis

    04/08/2011 - 21h57

    Erro seu, PT está na prefeitura desde 1993 em BH e aconteceram inúmeras greves inclusive nos meu último ano no colégio municipal Marconi (1994). Mas nem se compara o salário da Prefeitura com o Estado. Desde criança eu escuto que o Estado paga salário miserável, todos os governadores de Minas até então foram medíocres!

Maria

03/08/2011 - 20h53

Bravo Luiz, abrir este espaço para discutirmos a EDUCAÇÃO deste país e de Minas em especial. Sou mãe de aluno, meu filho estuda no 3º ano do Ensino Médio, em escola de rede estadual de ensino, lá a greve iniciou há pouco mais de um mês. Estamos preocupados porque agora no segundo semestre já estão marcados as Olimpíadas de Matemática, o Enem e os Vestibulares. Como será se a Greve, mais do que justa, dos professores se prolongar? Estou chocada com o salário pago aos professores! É realmente um absurdo! É difícil imaginar que chefes de famílias consigam sobreviver dignamente ganhando o exposto no CONTRACHEQUE publicado aqui no blog. Os Professores fazem tanto pela Educaçao de nossos filhos e recebem uma quantia irrisória no final do mês, pra não dizer outra coisa! Nós, pais e mães de alunos, apoiamos totalmente a greve, porém pedimos ao governador mineiro que negocie rapidamente com os professores, para que possam voltar as aulas. Pague o Piso Salarial, que todos os professores da escola em que meu filho estuda, disseram que retornarão. Caso a greve se prolongue por mais dias, a situação tenderá a se agravar. Queremos que o nosso direito à Educação Pública de Qualidade seja respeitado e garantido! Força Professores!

Responder

SEBASTIAN FACA

03/08/2011 - 19h53

Caro azenha;
Essa história dos professores de Minas é verdadeira, como pode o PSDB faz o discurso que fazem de compromisso com um Brasil moderno e de primeiro mundo e tratarem a educação dos estados que governam da forma que tratam. os professores que educam nossos filhos são nossos parceiros na ardua missão de forma-los para a vida, acho que merecem de nossa parte toda solidariedade, o comportamento desses governantes tucanos quando no trato dos nossos professores por reivindicação salarial e politicas educacionais são de verdadeiros tiranos, não cabe mais no brasil atual gente como essas, o nosso repudio veemente a esses esterminadores do futuro de milhares de brasileirinhos humildes que precisam de uma educação de qualidade pra ser alguem na vida, Educadores do meu Brasil diante da grandeza e da ardua missão que abraçaram merecem toda diguinidade. para grandeza do Brasil.

Responder

Luis

03/08/2011 - 19h14

Olha, muito conveniente haver uma lupa bem em cima da coluna onde fica registrado pequenos mas importantes detalhes como a carga horária do trabalhador em questão.

Responder

    Rafael Toledo

    04/08/2011 - 10h50

    SÃO VINTE E QUATRO HORAS SEMANAIS,SENDO DUAS HORAS PARA REUNIÕES, 18 AULAS E NESTE CASO, MAIS UMA AULA EXPRESSA PELO VENCIMENTO BÁSICO PROPORCIONAL (LINHA 4), QUE VALEM NO MÊS 37,67. A parcela complementar remuneratótia do magistério (PCRM) é a última forma que o Governo de Minas inventou para frear o valor do piso salarial de nosso Plano de Carreiras em valores aviltantes e abaixo do salário mínimo, estabelecendo um ABONO, QUE VARIA DE SERVIDOR PARA SERVIDOR, DE FORMA QUE A REMUNERAÇÃO CHEGUE A UM LIMITE MÁXIMO (UM TETO).

    Rafael Toledo

    04/08/2011 - 10h51

    (Continuando…)NO CASO ACIMA POR VOLTA DE DOIS SALÁRIOS MÍNIMOS. SE A PROFESSORA TRABALHA COM ENSINO RELIGIOSO, TEM DEZENOVE TURMAS, CERCA DE 720 A 760. SUPONHA QUE ELA TRABALHE TESTOS REFLEXIVOS PARA SEUS ALUNOS (UM POR SEMANA), COM TRÊS QUESTÕES CADA UM: AO FINAL DO MÊS SERÃO CERCA DE 3500 TRABALHOS POR MÊS, 10500 QUESTÕES. ALÉM DISSO, A PROFESSORA DEVERÁ REGISTRAR SUAS AVALIAÇÕES NOS DIÁRIOS, LANÇAR CONTEÚDOS DAS AULAS TRABALHADAS, PESQUISAR NOVAS INFORMAÇÕES, ELABORAR SUAS ATIVIDADES, LER COM ANTECEDÊNCIA SEU MATERIAL DIDÁTICO, EXERCITAR A MEMÓRIA. A DIFERENÇA ENTRE O NÚMERO DAS AULAS E REUNIÕES SÃO PARA FAZER ESSAS ATIVIDADES. se o senhor considerar a remuneração suficiente, tiver ensino médio, e considerar que 24 horas são suficientes para desenvolver todas as atividades, candidate-se a uma designação (contrato temporário) aqui em Minas. Verá que vivemos no "Estado das Maravilhas".

Junior d dias

03/08/2011 - 18h51

Ola a todos!
Vivemos um momento tenso, preocupante, mas ao mesmo tempo acredito que temos muitos fatores a nosso favor, como ja foi mencionado neste blog e em muitos outros de colegas professores, alguns jornalistas que nao se privam as chantagens governamentais.
Muito complicado a informação erronea que o governador vem soltando na midia.
Ele se fala em piso do mec, mas nao esclarece que o piso do mec e composto conforme em decisao pelo STF, de vencimento basico acrescido das vantagens adquiridads no decorrer da carreira.
Olhem os contrachques postados em diversos blogs e verifica se o piso que tanto o governo fala supera a casa dos mil, nao chega nem a mil, para nivel medio vc vai encontrar, R$ 369,00, enquanto ele fala que paga R$ 1.122,00, nível superior vai encontrar R$ 550,53 e assim vai, nunca chega ao sonhado e conquistado, porem ainda nao incorporado em nossos salarios como deferia ter feito o sr desgovernador.
Piso e lei, cumpre-a, estara resolvido tosos os problemas com o seu desgoverno, sociedade, pais e alunos que sao tao prejudicados.
A postura de reunir com mais de 550 diretores e falar que vai melhorar o subsidio nao nos interessa Gazolla, queremos o piso.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial. Fugiram da escola e interpretam a lei do jeito que acham conveniente para eles.
Vamos para a lição de hoje, repete comigo:
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.
Piso e vencimento basico e nao teto salarial.

Na duvida repita quantas vezes se fizer necessario.

Responder

Conservador316

03/08/2011 - 17h33

Esse salário é referente a uma jornada de 24 horas.

Ou seja, o salário normal é para uma jornada de 40 horas semanais, =Como qualquer outro trabalhador.

Não adianta trabalhar 24 horas semanais e querer receber por uma jornada de 40, ou 44 horas semanais.

Se o governo de minas fosse do PT essa greve não aconteceria. Esse sindicato esta usando os trabalhadores pra estabilizar o governo de minas!!

Eu quero é que o PSDB se dane. Não faz oposição ao PT então que aguente agora.

PSDB=Esquerda light, "intelectual"
PT=Esquerda raivosa.
PSTU/PCO/PSOL= Esquerda fundamentalista,Radical.

Responder

    Rafael

    03/08/2011 - 18h02

    Eu moro no Brasil e aqui psdb nunbca foi de esquerda, pelo contrário é um tea party brasileiro. Recomendo que você estude um pouco de histório do psdb e principalmente dos integrantes. Agora nos eua, europa quem sabe o psdb seja um esquerda light.

    Rafael

    03/08/2011 - 18h11

    E mais eu tenho vergonho de me dizer brasileiro com professores pagos com 550 reais, isso é humilhante. Não há desculpa, independente de questão política. Essa sempre foi a marca do psdb, salários vergonhosos, estado humilhado de joelhos diante dos ricos poderosos principalmente os amigos. Você vai dizer que o psdb que entregou a Vale por um milésimo do que valia, esse fato num país com judiciário honesto é cadeia na hora para o fhc por no mínimo 10 anos, entregou a empresas de telecomunicação e criou um monstro chamado Daniel Dantas, acabou com o monopólio do petróleo, tentou sucatear a Petrobras com clara intenção de vendê-la, as distribuidoras de energia privatizadas hoje estão literalmente explodindo a Light é um bom exemplo disso. Fez um governo que faliu o Brasil três vezes e esculachado. Isso não é questão de ideologia, o psdb não pode se classificr nem como direita, é um partido de picaretagem, de canalhices, de total desrespeito ao bem público.

    Eliseu Lucas

    03/08/2011 - 18h36

    A lei estabelece o piso para uma jornada de ATÉ 40 horas. Comparar a jornada de "qualquer outro trabalhador" demonstra grande desconhecimento de causa, pois "qualquer outro trabalhador", em geral, não tem obrigação de corrigir centenas de provas em casa à noite ou em feriados e fins-de-semana etc, sem contar as preparações de aulas, planos etc. Somando tudo, num cargo de 24 horas, trabalhamos mais de 40! Essa é a pura realidade e sem desfazer de "qualquer outro trabalhador", aprofissão de professor merece mais consideração.
    Eliseu Lucas
    prof.História

    Marcio H Silva

    03/08/2011 - 18h54

    Graças a quem escrevemos e lemos nos blogs sujos?
    Graças a quem aprendemos a formar opinião?
    Mas tem uns sujeitos que colaram muito e não aprenderam nada. a culpa com certeza não é dos professores. A não ser que tenha tido Seera como tal.

    Gabriel

    03/08/2011 - 20h01

    As 24 horas semanais é referente apenas as aulas em sala de aula, não fala das reuniões, replanejamentos, ou ainda do tempo em que se trabalha fora do horário de aula, sim professor faz outra coisa além de dar aula. Normalemente só se fala da carga horária de aula apenas como forma de mostrar como os professores trabalham "pouco". Dar uma aula é ficar atento, muitas vezes em pé e falando no mínimo 50 minutos, para o professor não existe pausa para café e nem ida ao banheiro quando ele está em aula, imagine se oito horas diárias realmente fossem realizadas em sala de aula? não sobraria professor vivo.

    Edineuza

    03/08/2011 - 20h21

    Meu caro conservador,
    Das duas uma! Ou você tá de brincadeira ou nunca sequer passou pelas proximidades de uma escola, por isso não sabe que a tarefa de ser docente excede em muito as horas que fica no pó de giz.

    Wilma

    03/08/2011 - 20h30

    E você sabe o que é? Um COITADO! Que nunca deve ter ido à escola, porque não sabe interpretar Leis e muito menos fazer contas. Você deveria primeiro informar-se melhor sobre a realidade da educação mineira e do trabalho realizado pelos profissionais de educação, para depois vir postar asneiras! Deveria aprender o significado de Sindicato, Política, Movimento de Luta e muitas outras coisas que devem ser difíceis para uma pessoa de tamanha "ignorância" compreender… Não nos interessa de que partido o governo seja, não ligamos para siglas, o que importa é a filosofia e as ações dos políticos que nos representam. Que façam parte de que partido for, a nossa obrigação enquanto cidadãos é fiscalizar, cobrar, lutar e mudar… Os políticos são eleitos pelo povo, para servirem ao povo. É isso! Professores vocês merecem todas as homenagens e aplausos… Ninguém consegue aprender e exercer uma profissão sem antes passar pelas mãos de um PROFESSOR.

Rafael

03/08/2011 - 17h17

Choque de gestão é custo mínimo com salários para o estado então repassar para publicidade na globo, para subsídios de megaempresas, tudo para beneficiar a elite, a minoria. Não há razão ou ideologia nessa conversa dos tucanos de choque de gestão, eles simplesmente representam os ricos, os poderosos que não querem funcionários públicos bem pagos porque seus filhos vão para escola privada, não querem médicos bem remunerados porque eles sempre irão em hospital privado. Psdb é simplesmente o outro lado desse conflito entre os que tem muito e querem cada vez mais contra os pobres que não têm muita opurtunidades, não têm educação de qualidade. Pior nesse conflito é justamente os pobres votarem nos seus opressores. Temos que ter discernimento e minimizar qualquer chance desses políticos que não vão mudar a situação dos oprimidos, esquecidos.

Responder

LUIZ ANTONIO BARBOSA

03/08/2011 - 16h41

Navegantes, vamos encher a blogosfera com a entrevista de BIA, pois aqui em Minas a imprensa e vendida, para se ter uma ideia digitem no seu navegador aécio censura, aí veram o que passam os que atravessaram na frente desse folgadinho maricas que como disse o Kajuru, cheira mal – digitem também aécio cheira mal.

Responder

Jairo_Beraldo

03/08/2011 - 15h55

Aqui em Goiás, o atual ocupante do Palacio das Esmeraldas, faz melhor. Diz ele através do traíra secretário da educação( Iris o elegeu e como paga foi deitar nos braços do tinhoso) : "o governo federal TEM que fazer o complemento do piso pois a lei é FEDERAL, e de responsabilidade da UNIÃO!" Ele, M. Perigo, como o Zé, é um jenio…e dizem que será o vice do Aecio para presidente(Goiás agradece para ele sair logo do poder, pois se depender do TSE em julgar seus crimes eleitorais, ficará lá para sempre)!!!

Responder

paulo chacon

03/08/2011 - 15h51

Em São Paulo o governo "picolé de chuchu"alckimin(minúsculo mesmo) mente e o PIG notcía, que o reajuste dos professores é de 42,2%. MENTIRA!!! O reajuste é de 27% (8.8% em 2011, 5.2% em 2012, 7% em 2013 e 6% em 2014) EM QUATRO ANOS. O mentiroso do AlckimiN está somando duas gratificações que os professores já recebem, portanto, não é reajuste.
O psdb(pior salário do brasil) tem como objetivo a destruição dos serviços públicos(educação, saúde, transporte, segurança ), para num futuro próximo PRIVATIZAR TUDO.

Responder

JORGE - CARATINGA

03/08/2011 - 15h16

Caros colegas, caros leitores e apreciadores deste blog que é a expressão midiática máxima do exercício da verdadeira cidadania. Infelizmente ainda continuo desempregado. Perdi meus dois cargos de professor para um efetivado na Lei 100 que nem licenciatura possui. Cursei duas faculdades, tenho uma pós-graduação, ralei muito, gastei o que tinha e o que não tinha para me dedicar a educação. Desde 2008 venho aguardando o concurso público e me preparando para isso. E o que o Governo faz, cria a Lei 100, efetiva sem concurso quase 100.000 funcionários da educação e agora lança um concurso quase que com vagas inexistentes. Isto é um abuso para com a população. Um abuso para com a Constituição Federal. Um abuso para com aqueles que se prepararam, que se dedicaram, que lutaram para conseguir uma coisa melhor na vida através da via correta, através da lei constitucionalizada. E o pior de tudo é ter de ouvir demagogias defendendo educação de qualidade. Os pais dos alunos deveriam saber que professores formados, capacitados, estão sendo na maioria das vezes substituídos por profissionais que não possuem habilitação para tal. Isso é educação de qualidade? Devemos lutar pelo piso salarial, devemos lutar por condições dignas de trabalho, devemos lutar pelo fim da Lei 100. Onde estão os advogados, os juízes, as pessoas de bem deste Estado e deste país? Ninguém vê o que Aécio e Anastasia estão fazendo em Minas Gerais? Vamos colocar a boca no mundo. Fazer com que o Brasil inteiro saiba quem são estes dois cidadãos de verdade. Eu estou desempregado. E vejam que dupla injustiça. No início do ano assinei um contrato que deveria vigorar até 31/12/2011. Caso eu desistisse deste contrato como pena eu deveria ficar suspenso, ou impedido de assinar outro contrato por um período de 60 dias. Mas o Estado pode desfazer tal contrato a hora que melhor lhe aprouver. Isso é uma vergonha. É digno de causar até revolta em qualquer pessoa de bem. E não digo isso só por mim. Digo por milhares de pessoas que estão passando por esta mesmo situação em todo o Estado. Por favor, se alguém souber e puder fazer algo por nós e por nossos filhos, eu agradeço imensamente. Se alguém souber de alguma lei, de algum mecanismo que possa nos amparar, poste neste blog. E que Deus abençoe a todos nós.
Azenha, obrigado pela oportunidade. Se for oportuno, faça uma reportagem esclarecedora para a população não só de Minas mas de todo o Brasil sobre esta situação vergonhosa da efetivação sem concurso público realizada aqui em Minas Gerais no Governo Aécio/Anastasia.

Responder

    tiago tobias

    03/08/2011 - 17h01

    Jorge, tem uma música da banda inglesa de rock progressivo Pink Floyd chamada Hey You, que no último verso, Roger Waters canta: JUNTOS NÓS SOMOS / DIVIDIDOS, CAÍREMOS.

    Faço disso uma máxima na minha vida. Sou professor temporário aqui no Paraná e o senhor Haddad que me desculpe, mas a coisa (não dá pra chamar de educação) tá horrorosa no Brasil. Mas não desistamos não. Minha luta se une a sua luta, minha indignação dá as mãos à sua indignação.

    Precisamos fazer, em cada cidade brasileira, uma Tunísia, um Egito, em cada praça, uma praça Tahrir, uma Porta do Sol…

    Me comovi lendo seu comentário e saiba irmão, que mesmo não lhe conhecendo pessoalmente, o que nos une, o que une os professores desse Brasil é a indignação. Resignar-se é a morte!

    JORGE - CARATINGA

    04/08/2011 - 08h29

    Tiago, obrigado pela mensagem. Este sim é o espírito daqueles que são verdadeiramente professores de alma e de coração. Valeu mesmo!

    Professora

    04/08/2011 - 18h49

    Colega, Jorge. Entre na justiça contra esta arbitrariedade. Em outro comentário te mandei uma decisão sobre a inconstitucionalidade da lei 100, lembra? Além disso, seu contrato pode ser quebrado pelo empregador? Você leu direitinho? Procure um advogado, se não puder pagar, vá até a justiça gratuita, aí em Caratinga tem?
    Já te disse uma vez e repito: Neste aspecto(lei 100) não adianta esperar nada do sindute, pois há muita pressão dos efetivados, e etc etc… entende? Ainda assim, no seu lugar eu procuraria o sindicato e pediria para o jurídico deles fazer algo. Enfim, ataque por todos os lados, o que aconteceu com você é uma injustiça absurda. Se quem tomou seu lugar não tem licenciatura, mais um motivo para você lutar juridicamente. Não sei se meu texto ficou claro, se não ficou, desculpe, mas essa tal lei 100 vergonha me tira do sério. Não cumprir a constituição que diz claramente que o concurso é a porta de entrada para o serviço público, é CRIME! Será que nã existe um juiz, desembargador, sei lá, neste país que prime pela justiça? Cadê o resultado das Adins contra esta maldita lei?
    Azenha, por favor, pesquise este assunto, denuncie, cobre do judiciário!
    Um abraço, Jorge. Não desanime!

    JORGE - CARATINGA

    05/08/2011 - 17h13

    Caro colega, procurei nesta semana um advogado e apresentei para ele aquele texto que você publicou, ele está averiguando junto a justiça e vendo o que pode ser feito. O grande problema é que nestas circustancias, esta briga poderá durar anos. Porque o Estado sempre pode recorrer de sentenças contrárias a ele. Mas de qualquer forma, não me desamino. Estou seguindo em frente. Vamos ver se a imprensa começar a cobrar esplicações e precionar tanto o governo quanto o judiciário, se acontece alguma coisa. Temos de precionar. Caso contrário tudo continuará da mesma forma.
    Mas muito obrigodo pelo toque e pelo incentivo.

    Professora

    05/08/2011 - 22h19

    Jorge, que bom saber da sua atitude. Não importa quanto tempo leve, a gente tem que tentar. Imagine se todos os prejudicados entrarem na justiça? Deve haver pelo menos um desembargador, um juiz que veja a verdade e que seja justo. No mínimo, vamos incomodar! Eu já soube que há várias denúncias contra o edital do concurso sem as vagas dos efetivados. Como eu já disse, não esperemos pelo sindicato, apesar de sempre cobrar dele, vamos divulgar a possibilidade de muitos entrarem na justiça e fazer pressão. Apesar de ser efetiva, também já entrei em contato com advogado. Não vou ficar quieta só porque minha situação é garantida. Quero justiça e igualdade de direitos e oportunidades para todos!
    Um abraço e vá em frente!

    JORGE - CARATINGA

    06/08/2011 - 16h23

    Cara colega, é muito bom saber que também você está buscando fazer justiça neste Estado. Nós só conseguiremos alguma coisa boa quando pessoas de bem começarem a se mover para que o bem de fato aconteça. Muitos são os interesses particulares. Muitos são aqueles que só pensam em si. Mas a partir do momento que passamos a pensar no grupo, a coisa muda de figura. Espero que o Azenha consiga movimentar a imprensa no sentido de cobrar explicações do governo quanto as injustiças praticadas neste Estado. Todos sabemos que a Lei 100 foi um golpe. O governo efetivou todas aquelas pessoas porque o dinheiro recolhido para a aposentadoria delas tinha sido "roubado". Ou seja, o dinheiro foi recolhido, mas não foi investido nem no IPSENG nem no INSS. Vamos cobrar mesmo, e fazer com que a justiça seja feita. Temos que pensar bem. Com a Lei 100 somos roubados duas vezes. Na primeira vez somos roubados no que diz respeito à livre concorrência para se conquistar uma vaga via concurso público Legal. Na segunda vez somos roubados, porque o Governo mineiro aposenta ilegalmente pessoas graças ao recolhimento feito a partir de nossa contribuição social. Veja a gravidade deste fato. Se o dinheiro recolhido sumiu, ele agora está saindo de nossa contribuição atual. Ou seja, ele está desnudando um santo para cobrir outro. Consequência. Quando chegar nossa vez de aposentar, também não terá dinheiro. E aí, ele irá fazer o que? Efetivar mais pessoas? Decretar a falência da previdência social? Ou simplesmente obrigar que trabalhemos até a morte sem direito a aposentadoria? E por isto e por outras questões que digo. Quem tem juízo, quem pensa um pouquinho, deve buscar a mobilização e fazer com que esta Lei encontre logo seu fim. E não só isso, obrigar ao Estado a se responsabilizar por todas suas falhas investigando e fazendo com que os culpados por este rombo na previdência social sejam punidos e reponham o dinheiro desviado.
    Minas precisa saber disso. Ou melhor, o Brasil e o Mundo precisam saber deste fato.
    Vamos nos unir e começar uma grande corrente. Pois sós somos fracos, mas unidos somos muitos e consequentemente fortes. Azenha nos ajude nesta empreitada. Vamos passar Minas a limpo.

    Professora

    06/08/2011 - 23h19

    Você tem razão, colega. Uma das coisas que precisamos desxobrir é a quantas anda a ou as ações de inconstitucionalidade contra a lei 100. No blog da Beatriz ela escreveu que iria divulgar os números, mas até agora nada! Se for verdade que estas ações existem desde 2008 ou 2009, já deu tempo de haver uma resposta. Sem contar aquele parecer que publiquei, onde um desembargador deixa claro que é inconstitucional o artigo 5 da referia lei. Enfim, terei reunião em breve com advogado, você também deve perfuntar ao seu como fazemos para descobrir os rumos destas ações. E mais uma vez, Azenha, por favor, ajude a divulgar mais esta vergonha do governo de Minas, ferindo a constituição sem que nada aconteça.
    Abraço

    Yara Lucia

    10/08/2011 - 15h33

    Senhor Rodrigo,
    Todo movimento social é, por natureza POLÍTICO.
    E temos que considerar e principalmente LEMBRAR, que a política mineira está apodrecida pela elite econômica histórica desse estado. E essa podridão, é CLARO que espirra no funcionalismo público, uma vez que aqui a política econômica prioriza apenas eleições, o que é deplorável, você não acha?

    JORGE - CARATINGA

    11/08/2011 - 20h40

    Não sei entendi bem, e se a interação seria comigo mesmo, mas de modo geral pertencemos a uma sociedade e tudo que esta sociedade faz de alguma forma tem consequencias em nossas vidas. Se no ambito político, os indivíduos agem com sem levar em consideração os direitos sagrados garantidos pela Constiutição, podemos ter certeza de que estes mesmos direitos estão sendo desrreispeitdos em nosso dia a dia. Nós enquanto cidadãos infelizmente só nos preocupamos com a política no período das eleições, sendo esta explicação do porque dos políticos só se voltarem à população neste período. Se nos detivéssemos às questões políticas durante todo o tempo, consequentemente os políticos se preocupariam com a população também o tempo todo.
    A participação política é uma máxima que deveria ser mais valorizada em nossas vidas. Esta é a saída para que possamos evitar problemas como estes que estamos vivenciando em nosso Estado, onde um Governo se recusa a dialogar com uma categoria tão importante para a construção da sociedade,. quanto é a classe dos professores.

JNascimento/ PR

03/08/2011 - 15h13

Isso reflete o pensamento dos grupos políticos.
Fazem centenas de reuniões,somente para definir que nenhum de seus benesses será afetado.

Responder

Rogério Floripa

03/08/2011 - 15h08

Quem com tucano anda, sempre será bicado.

Documentário – Entreatos.- Lula: 30 Dias do Poder – Documento dos primeiros 30 dias
de Lula como presidente http://fwd4.me/089h

Responder

jcm

03/08/2011 - 14h47

Sou paulista, moro em são paulo; acho que todo castigo pra povo que vota em tucano, é pouco. Quem sabe, se de tanto sofrer nas mãos desses canalhas, a gente não aprende a votar, um dia!

Responder

MÁRIO

03/08/2011 - 14h11

Olha pessoal, sou professor no Espirito Santo, na prefeitura de Vila Velha, um municipio da grande Vitória, quando li essa matéria, não acreditei nos numeros, vocês devem estar fazendo terrorismo. Pois sempre soube que Aécio Neves é um playboy idiota completo, mas pagar "isso" a professores e ainda dizer que é salário, esse homem tem que ser preso por colocar em risco a integridade moral e humilhar despudoradamente esses trabalhadores. Esse homem tem que ser banido da politica brasileira, seres como ele é que fazem do Brasil uma terra, por vezes, triste. TODO APOIO A MINAS

Responder

    Jujubaluba

    03/08/2011 - 14h36

    Aecio Neves?

    Elizete

    03/08/2011 - 20h59

    Dissemine, por favor, essa notícia em seu estado e em todo Brasil, pois a intenção deles é levar Aécio para o Planalto e se isso acontecer, adeus educação pública no Brasil. Ele implantará o subsídio em todo o país e teremos todos que mudar de profissão. Temos que começar nossa campanha contra Aécio na Presidência, já. Não podemos deixar para a véspera das eleções senão será tarde demais.

    Geralda

    15/06/2012 - 23h53

    Tucanalha chega, quem vota em tucano só sai bicado.O senador de Minas não tem a mínima dignidade para ser um presidente da República. Deus que nos livre e nos guarde…

Silvio - Geografia

03/08/2011 - 13h48

Caríssimo Luiz Carlos Azenha,
PARABÉNS por sua valorosa contribuição para os educadores de Minas Gerais e do Brasil.
Realmente o governo Anastazia já demonstrou sua falta de compromisso com a educação dos mineiros, mentindo, omitindo, suprimindo, pressionando e mesmo caluniando. Chegamos num ponto em que "sua piscina está cheia de ratos, suas idéias não correspondem aos fatos" quando da postagem dos conra-cheques dos servidores comprova que ele NÃO PAGA O PISO NACIONAL. As provas são contundentes, obvias. Em tempo, visitem um comunicado feito pelo governo do estado em 2008 que está no link https://www.educacao.mg.gov.br/imprensa/noticias/
Prestem bem atenção no conteúdo do texto (o governo mineiro já sabia que os servidores tinham os direitos pleiteados sobre a aplicação da LEI NACIONAL DO PISO). Atentem também para a data 27/09/2008. Porém em outubro, todos os servidores da educação são apunhalados com a famigerada ADI 4167 (que sugeria a inconstitucinalidade da LEI DO PISO NACIONAL DOS PROFESSORES mas que foi RECUSADO PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, TORNANDO-A CONSTITUCIONAL DE FORMA IRRECORRÍVEL segundo o relator Ministro Joaquim Barbosa. Agradeço novamente o espaço democrático e que se divulgue ao máximo esse texto. Um grande abraço à todos.

Responder

Wilma

03/08/2011 - 13h21

Luiz Carlos Azenha, parabéns pela competência no exercício de sua profissão. É uma pena que a maioria da imprensa no Brasil e em Minas é "comprada" pelos políticos. Ainda bem que temos ao nosso lado, jornalistas excepcionais como você. Infelizmente, o governo mineiro veicula, nos diversos meios de comunicação, uma FALSA REALIDADE DA EDUCAÇÃO E DA SITUAÇÃO DOS EDUCADORES em MINAS GERAIS. Mas a prova de que o governo está MENTINDO está estampado aqui neste blog por meio do CONTRACHEQUE, este ele não tem como negar! Onde está a Presidenta Dilma, o MEC, o STF, os Deputados Federal e Estadual, o Judiciário? Estão esperando mais o que para exigir, do governador Mineiro, que cumpra as Leis e PAGUE O PISO SALARIAL AOS EDUCADORES? A final cabe aos órgãos competentes cobrar e fazer com que o governador cumpra as Leis. Ou será que todos eles estão CONTRA A EDUCAÇÃO PÚBLICA DE QUALIDADE PARA TODOS! Ah e também CONTRA OS EDUCADORES! Espero que não! Que saibam exercer bem o papel e a função que ocupam. Aguardo o PAGAMENTO DO PISO porque os maiores prejudicados nesta história toda, são os alunos, pais, educadores e toda sociedade "pobre" que acredita na educação e na escola pública de qualidade. A rede "Bobo" de televisão, deveria noticiar a GREVE DOS PROFESSORES MINEIROS, pois daria muito mais IBOPE do que algumas de suas programações, como por exemplo: ZORRA Total!

Responder

    betinho2

    03/08/2011 - 13h56

    Wilma
    Realmente, esse governo de Minas, tanto o atual como o anterior são um desastre, só foram competentes para amordaçar a imprensa.
    Porém quero fazer um questionamento, já que perguntas: "Onde está a Presidenta Dilma, o MEC, o STF, os Deputados Federal e Estadual, o Judiciário? " Já que o teto é lei e não está sendo cumprido, não seria o caso de uma ação coletiva, por parte dos professores ou do Sindicato, exigindo o cumprimento e o pagamento? Inclusive com pedido de liminar imediata e ainda pedindo o pagamento retroativo?
    Sim, porque uma coisa é fazer uma greve, justa por sinal, mas que em sí não tem poder além da pressão.
    Até porque nesse caso não é uma reinvindicação de reposição tão somente, mas um direito adquirido por força de lei. Portanto, mesmo sem descartar a greve, deveria ser na justiça prioritariamente a ação.
    Finalizo endossando tuas palavras quando a competência e profissionalismo do Azenha e equipe.
    Um abraço e sucesso na luta justa.

    Rafael Toledo

    03/08/2011 - 14h38

    SUASN SUGESTÕES JÁ FORAM ENCAMINHADAS TANTO PELA BASE DA CATEGORIA, QUANTO PELA DIREÇÃO SINDICAL. O PROBLEMA SÃO AS "INSTITUIÇÕES" MINEIRAS E AS BRASILEIRAS… SE NÃO ENGROSSAR, PROFESSOR (E POBRE) NÃO TEM VOZ…

    Jairo_Beraldo

    03/08/2011 - 15h58

    Cuidado que tucano tem um jeitinho peculiar de tratar destes assuntos – anacéfalos munidos de gás de pimenta e cassetete!

    Edineuza

    03/08/2011 - 20h33

    Minha cara Wilma,
    Você pergunta por alguns que nunca estiveram a serviços do povo, Por exemplo: quem são os parlamentares na sua grande maioria? a serviço dos que tem dinheiro contra os trabalhadores, O Judiciário? Estes cada vez mais a serviço dos que mandam, vejam como agiu o ministério público do RN durante a greve dos professores, até ameaça de prisão aos dirigentes do sindicatos e grevistas teve por eles. Essa é a realidade do Brasil.

ademar

03/08/2011 - 13h16

Luis Carlo, os professores e os pais merecem este governo ceio de ética e moral, afinal foram a grande maioria deles que votaram nele.

Responder

Marcia Costa

03/08/2011 - 12h37

Até quando veremos esses profissionais mendigando por remunerações justas no Brasil? Valorizar o professor é valorizar a educação. Nada contra os craques de futebol, mas é um contrasenso pagar salários astronômicos a esses e deixar professores à mingua. Quando era menina, minha professora era meu ídolo: queria ser igual a ela – culta e inteligente. Hoje, ídolos são garotos e homens com gostos e comportamentos que beiram ao mau gosto cultural e que sequer sabem cantar o hino do país no qual nasceram. Se o Brasil quiser crescer, tem que começar agora a mostrar quem é relevante para o país: professores, médicos, enfermeiras, engenehiros, técnicos.

Responder

Luciano Prado

03/08/2011 - 12h21

A velha imprensa não vai conseguir manipular os fatos nem encobrir a verdadeira face de Aécio – gestor.

Os tempos são outros. Os mineiros, assim como os paulistas, precisam acordar para o mundo.

Responder

FARPA

03/08/2011 - 12h11

Bem, mas os mineiros devem estar muito contentes com a situação do Estado, afinal não se dá todos esse anos de governo ao PSDB através de Azevedo, Aécio(2x) e agora Anastasia , se não com total concordância do que está sendo feito. Ou os mineiros não sabem votar?

Responder

    Rafael Patto

    03/08/2011 - 16h38

    Na verdade, não considero que o povo mineiro aprove a administração do PSDB. Lembremos que Eduardo Azeredo (O PAI DO MENSALÃO!!!!!) não se reelegeu, tendo sido derrotado pelo seu opositor, Itamar Franco. O que ocorre em Minas, a meu ver, é um endeusamento da figura de Aécio NEVER, assim como se dava na Bahia com ACM. O massacre ideológico promovido pelo hediondo aparelhamento de comunicação que existe em torno da figura de Aécio NEVER em Minas consegue obter da população e, conseguintemente, do eleitorado uma aprovação muito mais passional do que racional e crítica. A imprensa mineira é muito frágil, e Aécio NEVER soube se aproveitar disso. Em Minas, só se noticia nos principais órgãos da imprensa local aquilo que ele quer. Portanto, o que existe é a construção falaciosa de um mito: um político jovial, simpático e visionário. Aécio NEVER é idolatrado e essa idolatria não passa pelo PSDB, qualquer que fosse seu partido, ele teria esse poder. Por isso precisamos de espaços como este blog para denunciarmos quem é esse crápula. Aécio NEVER!!!!!!!!

Taiguara

03/08/2011 - 11h37

Aqui em Minas a população já faz por merecer um tratamento psiquiátrico coletivo. Há mais de oito anos convivemos dituturnamente com o, tão midiático quanto, precursor da maldição do pônei; O CHOQUE DE GESTÃO.O PERIGO MORA EM MINAS E, pior:…..dirige bêbado

Responder

    Jairo_Beraldo

    03/08/2011 - 16h00

    E o pó, Taiguara? Pó pará, pô!

Rafael Patto

03/08/2011 - 11h28

Sou ex-servidor público do Executivo estadual de Minas Gerais, e, durante os quase cinco anos em que ali estive (me exonerei voluntariamente), pude ver perfeitamente o que é esse choque de gestão tucano. Dentro do órgão em que trabalhei e de outros que compõem o Sistema de Meio Ambiente em Minas, como IEF, FEAM e IGAM, se aninharam figuras que se aproveitavam dos cargos que ocupavam e do poder de polícia desses órgãos para montar uma máfia que, a troco de propinas e outras vantagens, deixava de cumprir suas obrigações funcionais e institucionais. Basta fazer uma viagem, saindo de BH rumo ao norte do estado, para constatar como a cobertura nativa do cerrado mineiro está sendo substituída por oceanos de eucaliptos. O choque de gestão é uma farsa. A Sec. de Meio Ambiente de Minas é um cabide de empregos. Existem diretorias que são criadas para abrigar apenas o Diretor, que, em geral, é um apadrinhado polítco, que nunca prestou um concurso público na vida, e que é nomeado para ocupar cargo de provimento em comissão. Choque de Gestão: todo dia um choque. Gestão, ninguém vê. Aécio NEVER!!!!!!!!!!

Responder

Antonio

03/08/2011 - 11h17

É interessante que já está mais do que provado que os desgovernos do PSDB são movidos a corrupção. A alma do PSDB é a corrupção. Porque o Ministério Público não ataca esses governos nas feridas que causam, com o desvio do dinheiro público. E não é diferente em São Paulo ou em Minas Gerais ou no Paraná. É só ter olhar atento que se acha por onde o dinheiro está sendo desviado. O que sobra é o Estado, o povo e o funcionalimo público em frangalhos.

Responder

Edna Nogueira

03/08/2011 - 11h07

É por isso que leio o blog diariamente, pois vejo que ainda possuimos um jornalismo sério informando a sociedade a verdade por tras das máscaras do PIG. Parabéns, Azenha pela coragem e determinação de sempre.

Esses governantes tucanos só governam à base do desrespeito ao ser humano, seja em qualquer categoria, sobretudo acredito que a categoria dos professores deveríam ser mais valorizados, pois a educação é a base de TUDO.

Responder

Givaldo

03/08/2011 - 10h55

Onde é que está a organização desta classe tão sofrida?
Por que Não fazem uma grande mobilização pra divulgar esta vergonha?
Fazem tantos manifetos,a fovor da maconha,aborto,etc,etc,façam um movimento a favor da classe de educadores deste estado.

Responder

    Rafael Toledo

    03/08/2011 - 12h09

    Talvez você não seja mineiro e não more em BH. Hoje, às 14 horas cerca de 10 mil trabalhadores em educação, entidades estudantis, deputados, sindicalistas e uma série de entes representativos estarão em Assembléia, na ALMG. Para demonstrar a dimensão deste processo, são mais de 100 caravanas que vêm de todo o Estado, muitas vezes de cidades que estão a mais de 700 km da Capital e geralmente fazem passeata até a praça sete, coração da cidade, no entroncamento da Av.Amazonas com a Av. Afonso Pena e por lá ficam durante 1,5 a 2 horas. Já ouviu alguma notícia sobre esse fato. A PM fez uma manifestação e terá seu piso salarial aumentado de R$2041,00 em cerca de 97% em três anos (sem greve, apenas protesto, que contou com o apoio dos professores). O piso do Professor (para o mesmo nível): R$369,89. Precisa alguma outra informação? É esse modelo de indi(gestão) que você vislumbra para o país?

    elisangela

    03/08/2011 - 15h08

    Tirem ftos e FILMEM essa mobilizacao para disponibilizar nos blogs, youtube etc, tem que REGISTRAR principalmente se os numeros forem esses mesmos de 10 mil e se forem vitimas da policia do estado, coloquem VARIOS de vcs filmando de todoa os angulos para que se algum for atacado que inumeros outros possam FILMAR TUDO. A imagem diz mais que palavras, FILMEM FILMEM!!!!

    Rafael Toledo

    04/08/2011 - 11h05

    Elizângela,
    Se você quiser e divulgar fotos e filmes, basta ir ao sítio do Sind-UTEMG, sugerido acima, o blog da Beatriz Cerqueira tem um post: http://www.youtube.com/watch?v=SGYUsgLK-28
    No blo do Euler: http://blogdoeulerconrado.blogspot.com/2011/07/po
    Nestes dois blogs, você pode encontrar inúmeras outras situações calamitosas, inclusive a manifestação de aluna, Joana D'Arc de Ipatinga: http://www.youtube.com/watch?v=CVOAW6T8A5o.
    Obrigado pela manifestação.

Ludmila Guimarães

03/08/2011 - 10h49

Sou filha de professora da rede estadual e mais que muita gente, sei como é sobreviver com uma miséria de salário como este. O governador Anastasia bem que poderia liberar o "tutu" para os professores…..

Responder

Luis

03/08/2011 - 10h47

É preciso explicar melhor: o contracheque que demonstra o pagamento de 550 reais é de professor pós-graduado! O de graduados é o interno, da matéria: 369 pilas. Ou seja, especialistas, mestres e doutores de meu Brasil: não se arrisquem a fazer concurso em Minas.

Responder

GilTeixeira

03/08/2011 - 10h08

Então quer dizer que a base é abaixo do salário mínimo? Quando o infeliz do professor se aposentar o que vale é esse número, os penduricalhos que maquiam porcamente os vencimentos não entram pro que se aposentou, ou seja, os tucanos estão fazendo retornar a prática da época que eramos nômades por conta da caça: ficou velho? fica pra trás pra alimentar as feras!
Essa turma é uma corja!

Responder

FrancoAtirador

03/08/2011 - 10h06

.
Professora de escola paulista, chamada de "macaca" por diretora, ainda sofre discriminação.
Pessoas expostas a assédio moral sofrem de tristeza e pânico e até adoecem.

Por Suzana Vier, na Rede Brasil Atual

São Paulo – O convite para entrar na sala da direção não poderia ter sido mais hostil. “Entra, macaca”, ouviu a professora Neusa Marcondes de sua diretora. O fato ocorreu no dia 16 de março de 2009, precisamente às 20h. Foi pouco o tempo de exposição e preconceito racial, mas o impacto emocional perdura. “Eu parei, fiquei pasma. Foram segundos em que eu saí desse corpo físico”, lembra.
Militante do movimento negro e responsável por preparar aulas e materiais didáticos que tratam de preconceito e igualdade, Neusa tem como filosofia não discutir, apenas buscar seus direitos. “Eu ajo sempre assim, politicamente. Não entro em debate com a pessoa sem justa causa. Eu vou agir de acordo com o que é legal”, explica.
O caso foi julgado em julho deste ano e a diretora da escola municipal em que Neusa atua foi condenada a prestar serviços comunitários. A coordenadoria educacional da capital paulista também definiu sanções à diretora.
O problema, agora, é lidar, no dia a dia, com as recordações e a tristeza que o episódio acarreta. Ela não dorme bem e diz que sempre acorda assustada, às vezes lembrando do fatídico "entra, macaca", e do que sentiu naquele momento. "Aquela frase volta à mente, porque nada ofende mais a pessoa negra que a palavra 'macaco'.”
De acordo com a psicóloga Lídia Gallindo, especialista em assédio moral em instituições de ensino, é comum que pessoas expostas a esse tipo de situação desenvolvam um quadro psicológico de tristeza e pânico. “Elas ficam tristes, chorosas, deprimidas e com pânico”, descreve. “É um misto de decepção, tristeza e impotência.” Os sintomas têm origem psíquica, mas se estendem para organismo e, não raro, as vítimas de assédio moral adoecem.
No ambiente educacional, é mais comum ocorrer assédio de aluno com aluno – o bullying.
No entanto, quando o assédio parte de um docente, a violência ganha maior amplitude. “Quando um professor em sala de aula agride um aluno, ofende, apelida e faz esse aluno passar por constrangimento, qualitativamente é muito mais doloso”, avalia Lídia.
Em se tratando de uma diretora de escola, da qual se “espera que tenha formação capaz de ajudar na formação de outras pessoas, é lamentável”, diz.

Para Neusa, mais de dois anos depois do assédio, ainda é incompreensível a naturalidade com que a diretora analisou seu próprio ato. “O que que tem falar que é macaca?”, ela conta ter ouvido da diretora. “Ela pode achar que não tem nada demais. Mas, para mim, mexeu com a minha humanidade, com o meu psicológico”, expressa.

A tristeza comum entre vítimas de assédio moral precisa ser acompanhada por especialistas, diz Lídia. “Assédio moral é uma violência. O tratamento vai buscar fortalecer a vítima, os familiares”, analisa.

Por último, os casos de assédio merecem ação judicial para se obter indenização e pedido de desculpa. “Em geral, o que mais conta é o reconhecimento do sofrimento”, testemunha.

Para além do tratamento da vítima de assédio moral, Lídia propõe uma nova abordagem sobre o problema. “É preciso levantar a bandeira dos espectadores”, alerta. Os casos de violência têm sempre três grandes personagens: a vítima, o agressor e os espectadores que podem ser vistos também como cúmplices. “O que acontece com os espectadores que não fazem nada, não reagem ao ver o outro apanhar?”, indaga.

Na opinião da especialista, é hora de fortalecer esse terceiro personagem das histórias de violência. “Mostrando a eles que é fantasia pensar 'não quero me meter nesse grupo, porque eu posso ser o próximo. Então vou me tornar inclusive amigo dos agressores'”, aborda.

A omissão pode acontecer por medo, hábito ou por achar que não deve fazer nada porque o problema é com outra pessoa. “É preciso mostrar que problema com um é problema de todos”, insiste. “Quando uma diretora chama a professora de macaca e ninguém contesta, todos estão concordando com aquilo.”

“Se isso hoje ainda acontece é por falta de conscientização e de um trabalho mais intenso de todos nós, pais, imprensa, legisladores, educadores na formação ética das pessoas. É preciso saber que somos todos iguais”, resume Lídia.

Íntegra em:

http://www.redebrasilatual.com.br/temas/trabalho/

Responder

    Antonio

    03/08/2011 - 11h13

    Tem que colocar o nome dessa infeliz direitora para todo mundo saber quem é.

    FrancoAtirador

    03/08/2011 - 19h55

    .
    .
    Não é um caso isolado.

    Assim fosse.
    .
    .

    FrancoAtirador

    04/08/2011 - 22h34

    .
    .
    Não é um caso isolado.

    Assim fosse.
    .
    .

luizleroy

03/08/2011 - 10h03

Eu estou acompanhando pouco a greve.
O que acho estranho é a campanha do governo sobre os "professores da família" (???).

Sou formado em Engenharia e curso Licenciatura, por puro gosto e por muito com a área da Educação Matemática. E posso falar sem sombra de dúvidas: as pessoas estão muito desmotivadas para ser um professor. Muitos colegas são doidos para mudar de área, ir para uma área administrativa ou para a produção… É um desafio muito complexo e importante para nosso país!

Responder

Wilma

03/08/2011 - 09h51

Parabéns Luiz Carlos Azenha,
Por realizar o seu trabalho com jornalismo sério, informando a sociedade da verdade. As emissoras de TV deveriam espelhar-se em você. Deveriam revelar sempre a verdade dos fatos. E agora Anastasia, depois dos EDUCADORES publicarem o CONTRACHEQUE que revela toda a verdade sobre o salário pago pelo estado em Minas Gerais, você ainda vai continuar MENTINDO com relação ao PISO SALARIAL? A sociedade já sabe quem está falando a VERDADE, que são os EDUCADORES e quem são os MENTIROSOS, que é o governo. Os pais e os alunos esperam uma decisão logo, porque precisam da escola para concluir os estudos e iniciar um curso superior. PAGUE LOGO O PISO E ACABE COM ESTA NOVELA. LEI É PARA SER CUMPRIDA E POR TODOS, IGUALMENTE!

Responder

Palmas

03/08/2011 - 09h45

Que o professorado Mineiro não desista da luta. Pressão os governantes com mobilização intensa foi o que ocorreu aqui em Santa Catarina. Se a categoria não conseguiu a pauta que desejava ao menos fez o Democrata Colombo cumprir o mínmo: a Lei.Ao SINDUTE minha sugestão é engajar os novos na luta porque o professorado de mais tempo gosta mesmo é de sofrer e trabalhar em greve. E o pior: aqui na bela Santa Catarina ainda chamavam de grevistas os próprios colegas.Não sou da categoria, sou bancário e nossa greve vem aí pois s lucros semestrais divulgados nesta semana pelos bancos foram "pequeninhos"demais. Temos que lutar.

Responder

Flávio Martins

03/08/2011 - 09h26

Parabéns Azenha!
Desde já agradecemos o espaço para expormos verdadeiramente os fatos. O PIG não é brincadeira! Os demais Estados da federação precisam pôr as barbas de molho. O Aécio está costurando sua candidatura à presidência da república e esse modelo imposto aqui em Minas, não pode e nem serve para o país.

Sugiro que faça uma matéria especial sobre a lei da mordaça implantada nos meios de comunicação aqui de Minas que custou o cargo de vários jornalistas, o grande elefante branco alijado – cheio de problemas estruturais e construído próximo a região carstica de Lagoa Santa -, estátua do avô Tancredo. E, finalmente, a sem vergonha LEI COMPLEMENTAR 100 de autoria do atual [des]governador Anastazista . Até constituição estão rasgando aqui em Minas ao promoverem um verdadeiro trem da alegria no serviço público. Vários servidores conseguiram efetividade através da Lei 100, sem passar pelo crivo de concurso público: funcionários da assembleia e professores com governador Anastazia. Legalidade e isonomia?

Cuidado brasileiros!

Responder

Maxwell

03/08/2011 - 09h12

Por falar em educação, saiu no IG, escola do Criança esperança obteve o pior resultado do Ideb:
http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/resultado

Isso a "Grobu" não vai noticiar. Tenho pena dos alunos.

Responder

    Antonio

    03/08/2011 - 10h03

    Notícias dda greve dos professores de MG,consultar também o Blog do Euller.

Neila Batista

03/08/2011 - 08h22

O governo mineiro, via Executivo e sua base no legislativo, já se superou em termos de desrespeito aos educadores e educadoras de MG. Falaram que lideranças agiam sob efeito de drogas, que são analfabetos e o próprio governador diz que não existem manifestações dos professores, mas homenagens ao Harry Potter. A propaganda paga na midia comercial é absolutamente enganosa. Essa á a cara do PSDB em Minas.

Responder

bentoxvi - o santo

03/08/2011 - 08h21

Azenha.

É a realização do sonho do "deus mercado"…exploração na veia…maximização do lucro…E QUANTO MAIS IGNORANTES…MELHOR…é o resultado da queda do "comunismo" Russo e Chines…que os trabalhadores do mundo inteiro seja igual aos pobres indianos…chineses…sem direitos trabalhistas…É A FESTA DO CAPITALISMO…

Responder

Guerreiro

03/08/2011 - 08h04

É fácil entender: escola pública no Brasil é feita para os pobres, logo para a tucanada (PSDB e DEM) tem que esfacelá-la para abrir espaço para o mercado (diga-se: uma perversa e violenta elite domindante).

Responder

Márcia Lopes

03/08/2011 - 07h54

O choque de gestão foi uma enrolação

Responder

FJP

03/08/2011 - 07h12

Amigos,
Esse é o jeito tucano de administrar.
No Ceará, na época do Sr. Tasso 'tenho jatinho porque posso' Jereissati, o salário do funcionalismo em geral deixou de ser corrigido. E quando havia aumento era sempre abaixo da inflação. Perguntem se tem algum funcionário, aposentado ou pensionista do Estado feliz com o que o Sr. Tasso fez com as suas remunerações..
1 abraço,

Responder

Gerson Carneiro

03/08/2011 - 02h16

Enquanto tivermos o esquemão que alimenta e mantém privilégios da classe política, do tipo criar e sustentar marmanjos como Aécio Neves sem nunca ter tido um emprego formal na vida, os servidores da Educação serão tratados com desprezo total. E infelizmente o PT também absorveu este hábito demo-tucano. A prova disso está na Bahia na pessoa do governador Jacques Wagner.

A classe política não quer mudar nada que possa representar ameaça a seus privilégios. Esperar boa vontade de políticos para melhorar a Educação é como esperar do Paulo Macarrão Bernardes política pública de banda larga realmente voltada para o povo. Ou seja, não rola.

A saída aí é desobedecer a Justiça, sócia do governo mineiro, e mobilizar uma paralização geral imediata a la Mahatma Ghandhi (paciência e perseverânça – fome já estão passando mesmo). Desobediência civil.

Responder

    Euler Conrado

    03/08/2011 - 12h03

    É isso mesmo, Gerson. É preciso enfrentar essas instituições corrompidas, que deveriam estar a serviço da comunidade, mas que servem caninamente aos interesses dos de cima, apenas. E de fato, há um pacto, uma cumplicidade de bandidos entre as três esferas de poder – Federal, Estaduais e Municipais – para dar o calote nos educadores e na população de baixa renda. Nem mesmo uma lei federal, como é o caso da Lei do Piso, é cumprida por estes governantes, pois isso representa tirar dinheiro dos de cima – empreiteiras, banqueiros, políticos corruptos – e transferir uma parte para educadores. Eles não aceitam isso. Proporcionar educação de qualidade para a população de baixa renda não está no plano desses políticos e suas quadrilhas. Por isso temos que resistir, até a nossa vitória!

    Wilma

    03/08/2011 - 13h33

    É verdade, Gerson. Precisamos ter coragem para enfrentar esta Gang de políticos corruptos, safados e que acham que o povo continua idiota, imbecilizado, dispostos a mantê-los na vida boa, no luxo… Nada disso, queremos ver os políticos trabalhando e muito, pelo povo, a quem eles devem total obediência. Afinal, foram eleitos pelo povo e não pelos milionários que financiaram suas campanhas em troca de "favores". A comunidade pobre tem que se unir, fiscalizar e cobrar melhorias nos setores de Saúde e Educação, pois esses são essenciais na vida de qualquer cidadão. Queremos que a justiça haja, principalmente, nas reivindicações dos EDUCADORES MINEIROS, pois como o colega citou acima, fome já estamos passando mesmo, afinal com o salário miserável que o governo mineiro nos paga!

marcio_cr

03/08/2011 - 00h11

Choque de Gestão é eufemismo para foder funcionário publico.

Responder

    MataTrolls

    03/08/2011 - 09h43

    Como diria Zé Simão: Tucanaram o arrocho e a incompetência administrativa: "Xoque de Jestão"

Luana

03/08/2011 - 00h08

Nenhum outro blog deu tanto espaço às greves dos professores em todo país como o Viomundo…

Fala-se o tempo todo na realização da Copa do Mundo de 2014 e a educação pública nessa situação.

Acorda, Brasil!

Responder

João PR

02/08/2011 - 23h55

A educação vira discurso em períodos eleitorais. Depois, vem a realidade.
O Governo Federal tem tentado melhorar esta situação. O problema é que a gestão da educação básica (ensinos fundamental e médio) ficam ao encargo das Prefeituras (Educação Infantil e séries iniciais do ensino fundamental) e Estados (5a. a 8a. série do ensino fundamental e ensino médio).
A discussão é longa, remonta ao tempo do Império, quando o Governo Federal ficou apenas com a responsabilidade de gerir o ensino superior (quem quiser entender isto, vá ler sobre o Ato Adicional de 1834).
A realidade é que a descentralização não deu certo. Prova disto é o contra-cheque dos Professores Mineiros.
O que o Governo Federal tem que fazer é federalizar a educação. Daí poderíamos pensar em ter uma educação de qualidade em todo o Brasil.
Em tempo: não me surpreende em nada, infelizmente, o salário pago aos Professores Mineiros. O que me surpreende é como o Anastasia ganhou lá, depois do desgoverno do Aécio.
No Paraná, onde o PSDB ganhou, Richa se apresentou como o "novo", e um pouco mais de 50% dos paranaenses acreditaram neste conto de fadas. Não sei o que será do Paraná.

Responder

    José Eduardo Camargo

    03/08/2011 - 01h12

    Também sou partidário da federalização da educação básica. Algo que venho defendendo há um bom tempo. Porque se as escolas técnicas federais funcionam, há que se pensar também nas escolas de ensino comum.

    MataTrolls

    03/08/2011 - 09h45

    O PR vai ser vendido para a Argentina. João. Ou colocado como comodato. O tucano das araucárias já está começando a por preço nas estatais de lá. Será tal e qual foi com o que fizeram com o Banestado: vai ser doado para a iniciativa (?) privada (com e sem trocadilho).,

Adilson

02/08/2011 - 23h44

Azenha, vc presta um excelente e vital serviço a sociedae.

Já estou divulgando essa barbararidade!

Responder

O_Brasileiro

02/08/2011 - 23h44

Competição acirrada!
SP: pior salário de delegados!
RJ: pior salário de bombeiros!
MG: pior salário de professores!
São as notícias que chegam da REGIÃO MAIS RICA DO PAÍS!!!

Responder

    MataTrolls

    03/08/2011 - 09h49

    Mas SP ainda ganha com os piores salários de PMs, PCs e professores. É o poderio da Chuíça, o ferrorama do Brasil….

    Pq locomotiva, só foi mesmo na propaganda Goebbels do PIG,

    Marcio H Silva

    03/08/2011 - 18h59

    Os Governadores dos 3 estados mais ricos do BR formam uma máfia. Parece tudo combinado. Em 2012 teremos eleições Municipais. Quero ver a população destes 3 estados mandar recado não votando em candidatos do PSDB, PMDB e coligados.

Professora

02/08/2011 - 23h43

Para os que tem dificuldade de entender: piso é vencimento básico sobre o qual devem incidir as vantagens.
Independente dos descontos, o vencimento básico não é de 1.186,00, aliás não é nem o valor que deveria ser se aplicada a proporcionalidade para as 24 horas. Lembro também que a lei do piso fala do valor de 1.186,00 para, no máximo, 40 horas. Fazem questão de tirar a palavra "no máximo" para mudar a interpretação. Na verdade nen devia haver valor proporcional, devia ser 1.186,00 para até 40 horas e mais as vantagens adquiridas.
Antes de falar, as pessoas deveriam ler a Lei. Piso não é teto. Subsídio é teto e, portanto não é piso. 
Finalmente, alguém faria greve para ganhar menos? É isso que o governo diz quando afirma que paga mais do que o piso. Se pagam mais do que o piso, deveriam aplicá-lo para economizar, rs.

Responder

roger_arruda

02/08/2011 - 23h40

Bom, eu acho certo tentar defender os direitos! Mas sinceramente, o povo mineiro (os que votaram e apoiaram o atual governo) é BURRO, desculpe a minha expressão xula, mas é a verdade, vi vários professores apoiando ele nas eleições, se pensasse por um pouco, lembrasse do ano de 2010 que passou, teve greve do mesmo jeito, e o que resolveu nada, e o governo era a mesma merda que está ai, trocou o Aécio pelo Anastasia é continuou a mesma merda, é logico que essa merda desse governador não vai aceitar, se aconteceu a mesma coisa ano passado e não teve fim nenhum, então esse ano com o governo não seria diferente. Então, já que colocou aquele individuo no poder, agora aguenta, se tivesse pensado nisso antes, talvez a situação seria melhor… Sinceramente, em geral o povo brasileiro ainda não sabe escolher os seus governantes, coloca cada figura no poder… Acho que ainda tem muito que aprender sobre votar, o que decide o futuro da nação somos nós, o povo tem o poder nas mãos, mas não sabe utilizar de forma correta e adequada! Professor tinha de ser a prodição mais bem paga do país, por que ele que forma um cidadão, ele educa a pessoa para viver em sociedade, e o que uma merda de um politico faz? O professor trabalha, tem de ficar aguentando aluno, por que eu imagino que não é fácil, professor que educa um futuro médico, futuro empresário, futuro politico.. E o que esse FDP's desses políticos fazem com os professores, pagam um salario mixuruca, pelo tanto que sofrem.. Eles deveriam pensar, eles estão lá, graças a um professor que educou eles… E isso, o povo devia reivindicar os direitos, a população em geram deveria estar consciente do que está fazendo, o povo sempre aceita o que os governantes fazem, sempre abaixam a cabeça, isso não pode temos de reivindicar, se não aceita, proteste.. Desse jeito o Brasil pode ir pra frente! Esses políticos é uma falta de vergonha, eu fico indignado com isso, eles roubam, roubam, roubam, milhões e milhões, e o que acontece quando descobrem, acobertam isso, e fica por isso mesmo, nem se quer um politico vai preso.. E quando um pobre coitado, rouba algo até mesmo por desespero pra dar o que comer a família, ele mofa na cadeia..

O povo tem reivindicar, tem de ser povo mais ativo, e não aceitar tudo que os governantes fazem…

Responder

leonardo

02/08/2011 - 23h38

PARABÉNS LUIZ….

A MIDIA MINEIRA INSISTE EM IGNORAR NOSSO MOVIMENTO!!
AMANHÃ CONTINUAREMOS NA LUTA, EM GREVE…ATÉ A VITÓRIA!!!

OBRIGADO POR MOSTRAR A VERDADE!

Responder

Klaus

02/08/2011 - 23h33

Ô, os professores das federais também estão em greve…

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    03/08/2011 - 00h16

    Calma, chegaremos neles. Tem muita gente na fila, abs

Ronaldo

02/08/2011 - 23h32

O governo, através do subsídio não paga mais que o piso, que é vencimento básico e ainda reduziu o salário.

Responder

Eduardo Raio X

02/08/2011 - 23h31

O fim da mentira do choque de gestão esta com seus dias contados! Essa arapuca feita para pegar otário e bobos deu seus poucos frutos e agora o governo do estado de Minas vai ter que abaixar a crista e pedir penico ao setor federal para tentar salvar alguma coisa. É correr porque os dias passa e o tempo urge!

Responder

LuisCPPrudente

02/08/2011 - 23h20

Boa parte dos paulistas votaram nos bandidos que estão governando São Paulo há mais de 16 anos, o mesmo deve ter acontecido com os mineiros.

Por que será que os olhos de paulistas e mineiros estão cegos e não vêem que as "jestões" tucanas são ruins para os trabalhadores?

Responder

@anabellbar

02/08/2011 - 23h20

Os governos estaduais estão insistindo em não aplicar as políticas educacionais federais: piso salarial, magistério formado e concursado, material didático, merenda escolar, transporte etc.
O que se vê é falta é de vergonha na cara desses governadores que acreditam que somente a deseducação alimenta o seu rebanho elitoreiro desses infelizes.
Esse bando profissional de governadores escroques está roubando o dinheiro do FUNDEB ao negar o mínimo da lei com a cumplicidade descarada dessa imprensa brasileira canalha.

Responder

Alan

02/08/2011 - 23h12

Mas se o povo for educado as elites vão ter dificuldade de se manter no poder.

E quem precisa de bons professores no Brasil quando se pode ir estudar fora?

Viva ao PSDB!!!

Responder

Luciano

02/08/2011 - 22h54

Nós só queremos que uma lei federal seja cumprida. o subsídio não é piso é teto salario.

Responder

Polengo

02/08/2011 - 22h45

Enquanto as pessoas acreditarem em alguém que escolheu ser político, em detrimento a alguém que escolheu ser professor, a coisa está muito feia. Tá tudo errado.

Responder

HHelena

02/08/2011 - 22h43

Herança maldita de Aécio Neves

Responder

Rodrigo Leme

02/08/2011 - 22h35

Quanto a considerar os subsídios como parte do piso, é direito dos professores não o aceitar como parte do piso, mas é assim que se faz em vários estados brasileiros, independente do partido que o governa.

Itens como subsídios à capacitação e outros são considerados parte do piso justamente porque a própria lei que o institui é falha nesse sentido, não definindo claramente o que é piso. os governos estaduais deitam e rolam com isso.

Acho que, apesar de algumas tentativas desonestas de argumentar, a greve é legítima. Mas se não quer ser tratado como aparelho partidário, o sindicato tem que lutar contra governos, não contra partidos. Esse tipo de panfletagem aqui no Blog do Azenha é normal e não espanta, mas um sindicato deveria se dedicar menos ao debate político e mais aos aspectos práticos de reinvindicar.

Responder

    peraledo

    03/08/2011 - 09h04

    É engraçado ver um sujeito vir aqui cobrar boa-fé apenas quando é cobrado dos desgovernos tucanos que respeitem os profissionais da educação. A luta dos professores brasileiros vai além dos espaços partidários, basta lembrar das greves de professores de Fortaleza e da Bahia, cidade e Estado governados pelo PT e que receberam aqui amplo debate. Não lembro do Sr. pedidndo isonomia nestes posts.

    Frederico Drummond

    03/08/2011 - 09h25

    Rodrigo,

    1 – O Supremo já deixou claro que subsídio não é parte do piso, mas do total da remuneração. A lei é clara neste sentido e nem precisa ser advogado para fazer esta leitura.
    2 – A luta por direitos econômicas é também uma luta política e no estado brasileiro as lutas políticas são também travadas por partidos políticos (a eliminação da representação partidária é populismo, na melhor versão e nazismo na pior).
    3 – O sindicato PRECISA se dedicar sim ao debate político, porque a ação do governo é uma ação política. Pleitos econômicos e políticos fazem parte da mesma seara.
    4 – O único argumento desonesto aqui é o do governo de MG.
    Frederico Drummond – professor de filosofia – pós graduado em economia e meio ambiente

    Julio Silveira

    03/08/2011 - 09h26

    Engano seu amigo Rodrigo, se voce me permite o amigo. A luta deve sim ser politico partidária tambem, por que os partidos vem com suas doutrinas ou programas, que nada mais são que a indicação de atuação aqueles que fazem parte de suas fileiras, portando indicação ideologica. Acho engano pensar que essa pratica em governos tucanos e mera coincidência, não é. Assim como não foi quando estiveram no governo federal e entendiam que o servidor era uma mal a ser combatido, responsabilizado pelas mazelas do Brasil, alias visão completamente incompativel com a realidade de um país com a nossa realidade, onde a economia passava muitas vezes pela força economica dessas categorias. Quem conhece o Brasil, com alguma perspicácia, sabe que nossos empresarios sempre foram os piores patrões, que somos um país com uma cultura de exploração forte e fruto da complacência das classes que permitiram a perpetuação de grupos politicos e economicos conservadores que hipocritamente falam em qualidade de vida para a população mas agem negando benefícios que tornassem equilibrada essa relação. Passa pelos professores, que duplamente são importantes para a população, tanto no aspecto economico quanto cultural, um pouco desse esclarecimento aos cidadãos, talvez para evitar esses esclarecimento os professores sejam hoje uma força a ser combaida e mantida fraca pelos nossos políticos conservadores, mas principalmente os hipócritas.

    M. S. Romares

    03/08/2011 - 11h42

    Continua o mesmo rodrigo de sempre. Tentando defender o indefensavel por argumentos poucos honestos.
    "O sindicato deveria se dedicar MENOS ao debate politico e mais aos aspectos práticos de reinvindicar". Uma verdadeira obra de arte, digna dos mais reacionários que por aqui aparecem.

    Sílvia

    06/08/2011 - 19h24

    Sr. Rodrigo,
    penso que não deveria argumentar sobre o que não entende e nem procurou entender. Leia a lei 11738 que dispõe sobre o PISO salarial dos professores que talvez assim não falará tantas asneiras. Isto é, se realmente souber ler e interpretar, pois parece que não sabe. Respeito muito os professores. Devo a eles o que sou. Sou advogada e entendi que o senhor, ou é tucano, ou não sabe ler.

Tatiana

02/08/2011 - 22h28

Da mídia golpista, dos desprezíveis demotucanada a gente até entende, mas o que me enfurece é o boicote dos próprios professores, sou professora da rede estadual há 5 anos e infelizmente muitos colegas, pensando apenas egoístas, em si próprios, repudiam a greve e o pior que estes são o que mais reclamam de sálários e condições de seviço, etc. a direção, pressionada pelas superintencias, ou não, ameaçam professores…. é um verdadeiro inferno. Minha indignação é que as vantagens deveriam ser apenas para quem lutassem por elas, já que os prejuízos são, mas infelizmente não é assim, enquanto isso vamos nos sacrificando para benefícios de todos!

Responder

Rodrigo Leme

02/08/2011 - 22h27

Em respeito à verdade, deviam apontar a lupa para onde diz no contracheque: FALTAS – GREVE. Se somarmos este valor ao vendcimento básico, chegamos ao piso de R$ 1.187,00 em pelo menos um dos contracheques publicados pelo sindicato:
http://www.sindutemg.org.br/novosite/conteudo.php

R$ 550,00 do que é chamado pelo sindicato de "vencimento básico".
R$ 636,00 a título de FALTA – GREVE
Total = R$1.186,00

No contracheque publicado nesta reportagem, o campo FALTA – GREVE aparece 2x, sem nenhum destaque. Qual será a soma deste valor com o que se diz que é o "vencimento básico"?

A não ser que haja uma decisão da justiça de não descontar faltas por greve, há um erro de má fé nessa campanha do contracheque. Quanto ao resto das reinvindicações e das afirmações da matéria, eu não tenho condição nem de confirmar nem de contrapor (nem é minha obrigação), mas se o argumento principal é tão grosseiro assim, imagino o resto….

Responder

    Gilson

    02/08/2011 - 23h46

    Meu caro, o valor de 550,00 já é uma afronta, mas a sua maneira de fazer conta é chocante. Este valor de 1187,00 é para quem tem ensino médio, enquanto que o valor de 550,00 é para quem possui curso superior, logo 1187 é uma merreca para quem tem curso superior.

    Maria Quiné

    03/08/2011 - 02h04

    A gerente da minha loja ganha 3 (tres) salários mínimos. Ela não tem a responsabilidade pela educação dos brasileiros que cuidarão do país e dos nossos filhos.
    Ela lida com funcionários adultos e se não forem responsáveis, demite.
    Os professores tem como maior inimigo o tal do ECA. E vivas a este estatuto que está criando bandidos e malandros, acobertados pelos pais que não querem assumir a educação dos filhos.
    Que saudade da professorinha…
    Que me ensinou o be-a-bá…

    Rafael Toledo

    03/08/2011 - 01h00

    SUGESTÃO; Leia a lei federal 11738/08. Procure as notícias do STF sobre a ADIN 4167, procure conhecer o Plano de Carreiras e Salários dos Profissionais do Magistério de Minas Gerais. Tenho certeza que munido dessas informações e conhecedor de que mais de 250 mil funcionários do Estado deveriam receber, segundo a Lei, o tal Vencimento Básico (Piso Salarial) no lugar dessa vergonha que aparece na primeira linha, para quem tem curso de ensino médio (e é o caso), sendo 22% devem ser acrescentados para cada nível de escolaridade superior (Licenciatura Curta, Licenciatura Plena, Especialização, Mestrado e Doutorado). A partir desse valor a servidora recebe Gratificação de Incentivo a Docência (pó de giz – compensação por estar em sala de aula – doente, por exemplo, não recebe ) que corresponde a 20% da remuneração básica. Nesse caso, o vencimento básico proporcional, são aulas trabalhadas além do cargo padrão (24 horas), Auxílio-Transporte (34,50 paga suas passagens?) e mais uma das nefastas formas de corroer o valor do salário que são os abonos (nesse caso, a parcela complementar remuneratória do magistério – PCRM). Isso vem desde o Azeredo (aquele do AI-5 da Comunicação) limitando e impondo tetos aviltantes aos salários da REE-MG. Os dois descontos de faltas-greve são porque, além do cargo-padrão, a professora trabalha com aulas de exigência curricular (que devem ser cumpridas conforme o currículo escolar por determinado professor). Será que o senhor se disporia a receber essa “quantia fantástica” para lecionar, por exemplo, Ensino Religioso, com uma aula por semana em cada turma, correspondendo a 18 diários, cerca de 720 alunos. Imagina corrigir uma produção de texto por semana para 720 alunos (é fácil?). Essa é uma tradução básica deste contracheque que prova, irrefutavelmente, que o Governo descumpre a Lei do Piso. Já existem outras dezenas em outros blogs. Se o Senhor se julga um Expert em interpretação de argumentos, faça uma visita ao Blog do Euler e veja as postagens de maio para cá, elas o ajudarão a elucidar mais dúvidas. Faça mais perguntas, temos centenas de milhares de assessores querendo gente interessada em saber mais sobre nossa greve.

    Rafael Toledo

    03/08/2011 - 11h49

    Para esclarecer mais um pouquinho: fiz o comentário sobre o salário básico pago ao professor da REE-MG para o professor com formação de Ensino Médio de Magistério, que é de incríveis R$369,89, conforme o exemplo da professora Alzira, postado aqui no Blog Vi o mundo. Na ânsia de comentar, não vi o post com título idêntico no sítio do Sindute-MG. Lá consta o piso remuneratório pago pelo Estado para um professor formado com Curso Superior, na modalidade de Licenciatura Plena, exemplificado pelo contracheque da professora Darci. Se ela resolvesse fazer agora uma Especialização, não conseguiria receber vencimentos básicos por essa Capacitação em virtude da covardia implantada por um cínico sistema de avaliação que protela promoções e também porque ela está no grupo dos professores "efetivados" pelo Estado, em 2007, por uma lei complementar (LC100), questionada judicialmente e já com pareceres de Inconstitucionalidade declarados inclusive pela Justiça Mineira. Não entendo de juridiquês e em que pé está esta situação, mas entendo que para resolver problemas financeiros ligados a questões previdenciárias de pessoas que se dedicaram ao magistério durante uma vida inteira, o Governo criou uma nova parcela Categoria, que causa muita polêmica, pois existem inclusive profissionais sem habilitação que têm o direito de ocupar cargos de habilitados em virtude das últimas resoluções do Estado. Ele joga com pressão para suprimir movimentos legítimos, para encobrir sua incompetência e desprezo pelas leis, ao invés de simplesmente compor uma mesa e dizer de que maneira obedecerá ao tal pacto federativo, tão "defendido" por nosso ilustre faraó do Leblon. Por trás de propagandas e políticas "inovadoras" como o último programa lançado aqui na mídia mineira o "professor da família" encontra-se um alto grau demagógico e provavelmente os gastos com publicidade vão ultrapassar os investimentos nas atividades dos contratados. Aliás, estão sendo contratados professores de nível médio para trabalhar com nível médio, em 9 dos 853 municípios mineiros. Não seria uma propaganda muito menos desastrosa dizer que em Minas Educador não precisa fazer GREVE, se o Estado cumprisse pelo menos a miséria imposta pela Lei? Óbvio que queremos mais, merecemos mais, precisamos de mais, reivindicamos apenas o que, na interpretação linear da lei, sem subterfúgios ou pareceres contestáveis, seria o mais adequado. Se alguém aí tem uma profissão para a qual se dedicou durante dezoito estudos, com nível superior, especialização, que tenha disponibilidade de trabalhar durante todos os dias, em três turnos e todos os finais de semana (sábados -reuniões – e domingos – correções) para receber menos de cinco salários mínimos (terá que trabalhar em dois cargos, que oficialmente são 48 horas de trabalho, mas garanto que não ficam em menos de 60), pode se candidatar em ser meu colega. Só não pode reclamar da falta de estrutura nas Escolas: passando pela organização dos turnos, pelo estado de conservação dos prédios, de manutenção de profissionais que auxiliem na assistência aos educandos nos aspectos social e psicológico, pelo abandono das salas de informática, com computadores que nunca foram utilizados pela ausência de profissionais capacitados que organizem essa atividade… Tudo não cabe em um post, mas se há alguém disponível, tenha licenciatura plena e inscreva-se no concurso que vem aí: você receberá R$1320,00 (que quantia exorbitante!) . Analise com carinho! Minas não é uma Terra dos Sonhos? Já ia esquecendo: você tem Especialização. Nesse caso, como entrará no Estado em 2012, somente em 2018, passará receber por isso. Se fosse hoje, seriam exatos R$1452,00, mas sabe como é, você tem que demonstrar competência, paciência, subordinação…, cumprir as metas, e se estiver vivo, receberá esse prêmio. É o Estado das "maravilhas" (onde está a Alice?)

    Helena

    03/08/2011 - 05h32

    Sr Rodrigo o valor de 550,00 ( 1º valor do contra cheque) é o piso salarial pago pelo governo. Segundo a lei federal do piso, ele não pode ser inferior a R$ 1 186,00 para uma jornada de até 40 horas para um professor com ensino médio. Esse valor aumenta de acordo com o grau de instrução de cada profissional. Os contra cheques apresentados estão destacando o valor do piso. Valor total não é piso, é teto. Entendeu? Se não tiver entendido, sinto muito, mas seu problema é o mesmo do governo e de suas secretárias.

    reis

    03/08/2011 - 08h05

    Caro Senhor,
    de acordo com a lei do piso e decisão do supremo federal, o vencimento básico não pode englobar as gratificações e vantagens. ao vencimento básico não se pode somar nada… e o valor do venc basico definido pelo MEC é 1.187,00. não existe erro, nem má fé. só queremos o cumprimento da lei. até parece que vc não foi alfabetizado por um professor, não desmereça assim a classe, vc tb passou pelas mãos de um professor. uma dica. estudo primeiro a legislação pra depois emitir sua opinião

    peraledo

    03/08/2011 - 09h13

    R$1187,00. Um belo salário, de acordo com o Sr. Rodrigo Leme. No meu holerite de Professor do Estado de São Paulo vieram impressos magníficos R$ 1.840,00 Por uma jornada extenuante de 60 horas semanais. (afinal, a despeito do que se afirma sobre o profissionalismo dos professores, eu preparo cada aula que ministro para as minhas 18 turmas, elaborando estratégias para cada aluno, em salas com mais de 45 alunos). ah, e sem contar as cinco horas diárias que perco balançando no busão transitando entre as escolas que leciono!

    Tô reclamando de barriga cheia! A educação está ótima e sou um profissional muito bem pago, membro de uma categoria que goza grande prestígio social!

    … no mundo de bizarro.

    Frederico Drummond

    03/08/2011 - 09h32

    Rodrigo,
    1 – Não existe nenhuma má fé. A remuneração dos professores é composta por um Piso (no caso 550,00) e outras verbas como a idenização "pó de giz" (você sabe que é isto?), promoções por tempo de magistério, etc.

    2 – Você que no seu demonstrativo fez uma bela salada, isto sim é má fé.

    Frederico Drummond

    Silvano

    12/10/2014 - 20h41

    Este Rodrigues deve ser mais um coxinha que deve ganhar muito com a presidência de aercimdopo. No mínimo tem muitas ações ou é um beneficiário da carja que domina Minas. Qual o poder que ele serve? Será que é o judiciário ? Será que é a mídia ? Ou será que ele é do time?

    Edineuza

    03/08/2011 - 20h58

    Sr. Rodrigo,
    Talvez o sr. nunca tenha precisado receber um contra cheque no serviço público(e falo do público porque é onde conheço), mas o que é chamado de salário base é o valor que se recebe pela jornada de trabalho, se você tem alguma falta, vem como desconto no contra cheque, portanto se o sr. fizer um esforço vai vê que não pode somar o salário base e o valor que se refere a falta e sim diminuir. Deu pra entender?

    @sergiobio

    04/08/2011 - 23h53

    Rodrigo, não sei se te entendi direito. Mas esses 2 números não se somam, eles se subtraem. Leia melhor o contra-cheque. 550,00 realmente é o vencimento básico, com ou sem greve (cada pedaço das vantagens é discriminado)… 636,00 é o desconto pela greve sobre o total de vantagens. Ou seja, esse valor de 550 não é o vencimento decrescido do percentual de faltas, mas o valor total mesmo. Na verdade, considerando só esses dois números, seria mais correto se sua conta tivesse sido: 550 – 636 = -86.
    Esse desconto pela greve não tem a menor relevância para demonstrar o vencimento básico. Não há nenhum erro, muito menos má-fé na edição desses contra-cheques. Faltou foi só um pouco de boa vontade sua para compreender a real situação.

    Só um toque…

V. Albuquerque Jr.

02/08/2011 - 22h22

‎[…se a história é escrita pelos vencedores, como será contada, no futuro (o que implica em por quem será contada) a atual situação da educação em Minas? farão um choque de gestão na moralidade pública? Que nada, não existe moralidade pública… o tucano já bicou o que 'devia'…

PS.: Lá vem jornalismo marrom, principalmente em Minas. Aécio como possível candidato à presidência pelos 'bicadores de erário'… Será que a imprensa vai se manter em cima do muro? Não advogo nenhuma esperança em relação a um (im)provável posicionamento decente de nenhum veículo de comunicação; 'E assim CAMINHA a humanidade', quer dizer, "assim MANCAMOS".]

Responder

V. Albuquerque Jr.

02/08/2011 - 22h20

[Tal qual comentei, agora há pouco, no facebook de um grande intelectual das ciências sociais, professor da UFJF…

se a história é escrita pelos vencedores, como será contada, no futuro (o que implica em por quem será contada) a atual situação da educação em Minas? farão um choque de gestão na moralidade pública? Que nada, não existe moralidade pública… o tucano já bicou o que 'devia'…

PS.: Lá vem jornalismo marrom, principalmente em Minas. Aécio como possível candidato à presidência pelos 'bicadores de erário'… Será que a imprensa vai se manter em cima do muro? Não advogo nenhuma esperança em relação a um (im)provável posicionamento decente de nenhum veículo de comunicação; 'E assim CAMINHA a humanidade', quer dizer, "assim MANCAMOS".]

Responder

Denise Romano

02/08/2011 - 22h17

O JUIZ QUE DECIDIU EM FAVOR DO GOVERNO EM RELAÇÃO AO CORTE DO PONTO ´SE CHAMA OTAVIO DE ALMEIDA NEVES.

Responder

    elisangela

    03/08/2011 - 12h12

    Mais um NEVES para ferrar com os mineiros. Essa corja há muito nos sacaneia. Vamos ver se mudamos em 2012 ou se faremos sociedade com os paulistas no salto ao precipício de novo.

Denise Romano

02/08/2011 - 22h14

TRADUÇÃO PERFEITA DA REALIDADE EM MINAS GERAIS.

Responder

Beatriz Lugão: Professores do Rio denunciam a ilha de fantasia de Sérgio Cabral | Viomundo - O que você não vê na mídia

02/08/2011 - 22h10

[…] Para ler sobre greve dos professores de Minas Gerais, clique aqui. […]

Responder

Fabio_Passos

02/08/2011 - 21h36

E o governador anastasia ainda usa a TV para atacar os professores?
A direita não tem vergonha na cara.

O choque de gestão deste incompetente é pagar salário de fome para professor?

R$ 1.597,00 para um professor é pleito justo.
O aécio neves seguramente cheira mais do que isso em uma balada…

Responder

    Aline C Pavia

    03/08/2011 - 00h36

    Irretocável, comentário 6 estrelas.

    tiago tobias

    03/08/2011 - 17h30

    O Aécio só tomava leite em pó quando era criança. Dizem que ele é capaz de apagar um quadro negro só com uma cheirada.

Alberto

02/08/2011 - 21h32

Azenha, esse é o choque de INDIgestão, meu caro… INDIgestão…

Responder

jamilton

02/08/2011 - 21h30

Muito bom Azenha, parabéns por essa aula de civismo. Um jornalista sério como você realmente faz jus a profissão, não fica se prostituindo como muitos outros colegas de profissão. O Brasil carece de profissionais deste nível.
Eu sou professor de Educação Básica, dou aulas de Geografia, ainda não me formei, continuo fazendo a Licenciatura, portando trabalho na condição de contratado do Estado. Acho muito injusto o que o senhor governador do Estado mais Rico do Brasil pague pouco aos seus Educadores. Isso acontece aqui, acontece no governo de São Paulo também, é a maneira de fazer política do PSDB. Choque de Gestão que entrega nossas maiores riquezas aos empresários que lucram com cursinho pré-vestibulares e escolas particulares também. Isso tudo é uma complexa relação de interesses, faltou falar aí do FMI, Banco Mundial e suas exigências com a Educação, que fique no nível baixo, porque se não…

Responder

FABIO

02/08/2011 - 21h28

Aqui em Vitoria Es e Serra ES, durante a greve da rede municipal a postura foi a mesma, ataque sistematico aos professores pela midia local,CBN, TV GAZETA E TRIBUNA.
No mais esta é a herança do rapaz que não soprou o bafometro, o rapaz do choque de gestao.PROFESSORES DO BRASIL, UNIVOS!!

Responder

Aline C Pavia

02/08/2011 - 21h26

Recebido e compartilhado via Facebook. Tenho cerca de 600 contatos. Se apenas 1% lerem, são 6 pessoas. Estou colando o link nas páginas de amigos mineiros. Mas a maioria que eu conheço é de anti-tucanos até a medula e votaram Dilma nas últimas eleições.

Responder

    elisangela

    03/08/2011 - 12h17

    NÃO se iluda, Minas pela TERCEIRA VEZ alcou os tucanos ao poder, nao se pode confiar que os amigos sao anti tucanos, temos que alastrar as informacoes sobre esses ditadores Aético/Anestesia em todos os lugares com todas as pessoas com quem nos encontrarms, já que não contamos com a isencao e honestidade da MIRDIA MINEIRA temos que fazer o boca a boca para salvar nosso estado,nosso povo e a nós mesmos do inferno neoliberal.

    Augusto

    11/08/2011 - 15h33

    votei na Dilma no segundo turno. Fico me perguntando por que é que, na área da educação, o governo federal permite tanto desmandos. Esses governadores do P$DB e do DEM estão acabando com tudo isso. Claro que alguns de vocês vão me responder que está estabelecido em lei que o governo federal cuidará do ensino superior; os estados ficarão com o ensino médio e fundamental… e blablablá. Gostaria é de ver o governo federal comprometido com a educação de verdade! A Dilma é que se cuide nas próximas eleições, cansei dessa psdeu-esquerda praticada pelo PT.

Professora

02/08/2011 - 21h21

Azenha, antes de qualquer coisa, quero agradecer a você. Parabéns pela sua coragem, por dizer a verdade, por não se curvar aos que amordaçam a mídia. Se existissem mais jornalistas como você, as sujeiras não seriam tão facilmente varridas pra debaixo do tapete. As mentiras não se propagariam. O povo votaria melhor…
Quanto ao post, é isso: a prova de que o governo de Minas está fora da lei e tentando enganar a população.
Aproveito para pedir que você, com sua coragem, investigue sobre a LC100/2007. Com esta lei o governo de Minas efetivou muitos funcionários sem concurso e até sem formação específica. Há ações diretas de inconstitucionalidade contra a tal lei, mas nada aconteceu até agora.
É um absurdo este (des)governo fora da lei que rasga a constituição e segue impune!
Os professores contam com a sua ajuda!
Obrigada.

Responder

    professor

    03/08/2011 - 12h07

    isso professora, esta lei 100/2007 tem que acabar……

josaphat

02/08/2011 - 21h03

"Duas grandes dificuldades enfrentadas neste momento pelos grevistas: boicote ativo ou desprezo da mídia local e a postura do Poder Judiciário de Minas Gerais que, segundo a Bia, nunca decide em favor dos educadores."

É triste, gente, e ainda pior. Mais que boicote e desprezo, a linha editorial dos principais midia, demoniza a greve.
O cudiciário, então, nem se fala.

Responder

Deixe uma resposta