VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas

Conceição Lemes desmonta ‘câncer no pâncreas’ de Lula: “Mentira e desrespeito”, diz assessor

06 de janeiro de 2015 às 13h09

Lula

por Conceição Lemes*

Nesse domingo, 4 de janeiro de 2015,  o jornalista Leandro Mazzini publicou em sua Coluna Esplanada, no UOL: Lula fez tratamento sigiloso e controlou novo câncer.

Na reportagem, ele diz que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva:

“combateu de um ano para cá um novo câncer e o controlou”;

“foi acometido de um câncer no pâncreas, que teria sido descoberto no início de 2014”;

“passou a visitar esporadicamente o Hospital Sírio Libanês em São Paulo durante a madrugada, entrando de carro pela garagem privativa do corpo clínico para evitar boataria. E tomou um forte medicamento para evitar a quimioterapia”.

“estaria tomando diariamente um medicamento importado dos Estados Unidos, que custa cerca de R$ 30 mil por mês (ainda não comercializado no Brasil). Seria sob o princípio do Bevacizumab, com uma versão mais recente e potente do popular Avastin, que ameniza o quadro clínico e a dor, e evita a quimioterapia”.

“Isso é mentira e um desrespeito com o ex-presidente”, rebate, indignado, José Chrispiniano, assessor de imprensa do Instituto Lula, em conversa com o Viomundo.

“Lula sempre tratou dos seus problemas de saúde com total transparência”, reforça. “Quando ele teve diagnosticado o câncer na laringe, a imprensa soube no mesmo dia. O próprio ex-presidente fez questão de que tudo fosse divulgado.”

O diagnóstico foi tornado público em 29 de outubro de 2011. Durante cinco meses, Lula submeteu-se a quimioterapia e radioterapia. Em 28 de março de 2012, os exames revelaram que o tumor havia desaparecido por completo.

Desde então, como todo paciente que teve câncer, Lula faz avaliações oncológicas de rotina no Hospital Sírio-Libanês, onde ele se tratou.

A última foi em 15 de novembro de 2014. Portanto, há 50 dias. Na ocasião, o Sírio-Libanês divulgou uma nota. E republicou-a no último domingo, 4 de janeiro de 2015, quando a reportagem de Mazzini foi veiculada.

lula-sírio

Diante dessa nota que informa que não se detectou nada de errado com a saúde de Lula, eu pergunto:

1) Por que, apesar de há mais de um mês a assessoria de imprensa do Instituto Lula ter negado veementemente o novo câncer e de a nota do Sírio-Libanês dizer que estava tudo normal com Lula, Mazzini publicou a matéria? Lembrem-se de que ele disse que o “tumor de pâncreas teria sido descoberto no início de 2014”.

2) Ao observar que o “tumor de pâncreas teria sido descoberto no início de 2014” e que a nova doença não consta da nota do Sírio-Libanês, o jornalista deixa subentendido que a equipe médica que cuida do ex-presidente e a assessoria de imprensa do Instituto Lula estão mentindo. Não caberia aí um processo?

3) Por que as supostas “fontes” do jornalista (“um médico do Sírio, que não compõe a equipe que cuida de Lula; um diretor do PT; um assessor especial do Palácio do Planalto; e um parlamentar amigo de Lula”) “escolheram” justamente um dos tipos de câncer mais agressivos e letais? De antemão, aviso: no PT, não há a figura do diretor.

4) Quem merece mais crédito: os oito médicos envolvidos na avaliação oncológica de Lula, cujos nomes aparecem na nota do Sírio-Libanês, ou um suposto médico anônimo, que prefere não se identificar? Lembro ao doutor hipotético que ele, de cara, está infringindo o Código de Ética Médica.

5) Que mão ou mãos estão por trás dessa falsa, cruel e malévola notícia?

NÃO HÁ TRATAMENTO QUE EVITE A QUIMIOTERAPIA NO CÂNCER PANCREÁTICO

Do ponto de vista de informação médica, a reportagem de Mazzini tem imprecisões e erros. Ela desmorona, não fica em pé, se for lida com atenção por alguém que lida com a área de saúde.

Primeiro: a matéria não diz se o tumor de pâncreas é uma metástase do câncer na laringe ou se ele é originário do próprio pâncreas.

O câncer de laringe pode dar metástase localmente, mais precisamente nos gânglios cervicais. Mas suas células malignas podem se disseminar à distância para fígado, ossos, sistema nervoso central e, principalmente, pulmão.

Assim, considerando-se que tumor de laringe habitualmente não dá metástase em pâncreas, supõe-se que Mazzini quis dizer que o novo câncer seria um tumor primário do pâncreas.

Segundo: ao contrário do que diz Mazzini, não existe tratamento – nem aqui nem no exterior — para evitar a quimioterapia e a radioterapia no câncer do pâncreas.

Terceiro: tampouco é um tumor “bonzinho”, que pode ser tratado facilmente com uma “aspirina”, como faz parecer nas entrelinhas, permitindo que Lula exercesse normalmente as suas funções não apenas durante todo o ano de 2014 como em 2013.

O pâncreas, como todos sabem, é uma glândula localizada na parte superior do abdômen, atrás do estômago, colada ao duodeno. A sua principal função é a produção de insulina, hormônio responsável pela manutenção dos níveis adequados de glicose ( “açúcar”) no sangue. Mas ele também produz a enzima pancreática, fundamental no processo digestivo. É dividido em três partes: cabeça, corpo e cauda.

Pâncreas

Segundo o Instituto Nacional do Câncer  (Inca),  no Rio de Janeiro, 90% dos casos diagnosticados são do tipo adenocarcinoma, ou seja, se originam no tecido glandular do pâncreas. A maioria afeta a cabeça do órgão.

Os sintomas mais perceptíveis da doença são perda de apetite e de peso, fraqueza, diarreia e tontura.

Os tumores de cabeça do pâncreas provocam icterícia: pele e olhos ficam amarelados devido à obstrução do canal biliar.

Há casos em que a doença se “esconde” na forma de dor na região das costas, e o paciente é tratado como tivesse um problema muscular ou de coluna. Outro sinal de alerta é o aumento do nível de glicose (açúcar) no sangue.

Pelo fato de os seus sinais (aquilo que o médico vê) e sintomas (aquilo que você sente) se confundirem com os de outras doenças, o câncer de pâncreas é de difícil detecção na fase inicial. Em consequência, seu diagnóstico tende a ser tardio.

O câncer de pâncreas é considerado um dos mais letais e destrutivos. O seu comportamento agressivo e a baixa eficácia das terapias atuais fazem com que seja muito alta a sua taxa de mortalidade.

Normalmente, os seus portadores morrem entre o primeiro e o segundo ano devido a recidivas e metástases (disseminação de células malignas do pâncreas para outros órgãos) no fígado ou no peritônio.

A sobrevida após 5 anos é inferior a 5% (Hospital de Câncer de Barretos). Ou entre 5% a 20% (Inca). E depende do tipo de tumor do pâncreas. Por exemplo, se ele é responsivo ao tratamento.

BEVACIZUMABE E VERSÕES MAIS NOVAS NÃO AUMENTAM SOBREVIDA 

“Quando o tumor de pâncreas está no início, o tratamento é cirúrgico”, explica a médica oncologista Solange Moraes Sanches, do Hospital A. C. Camargo, em São Paulo. “São cirurgias grandes, que exigem prolongada recuperação.”

“Nos casos avançados, o tratamento baseia-se em quimioterapia e a radioterapia também pode ser necessária”, afirma a oncologista. “São esquemas pesados, que produzem muitos efeitos colaterais.”

Ainda não há uma droga específica para o câncer de pâncreas. Usam-se quimioterápicos utilizados para combater outros tumores.

Há três opções aceitáveis.

1. Apenas o quimioterápico gencitabina.

2. A combinação de gencitabina com oxaliplatina ou outra platina.

3. Ou, então, o esquema conhecido como folfironox. Consiste na associação das drogas fluorouracil, oxaliplatina e irinotecano.

A opção por um ou outro esquema, depende de cada caso.

“Consequentemente, uma pessoa submetida a um tratamento para neoplasia de pâncreas necessita de certos cuidados que impediriam uma jornada exaustiva de trabalho”, enfatiza a doutora Solange Sanches.

Ou seja, se o ex-presidente tivesse feito um desses tratamentos, ele não teria condições de participar da campanha eleitoral de 2014 como participou. Pelo que todos nós vimos na televisão, ele estava bem disposto, com bom peso, com cabelo.

— E no primeiro semestre quem garante que ele não se tratou do suposto câncer de pâncreas? – alguém deve estar achando que nos pegou na curva.

Quer melhor prova de que tudo estava bem com Lula do que a coletiva que ele concedeu aos blogueiros, em 8 de abril de 2014? Confiram aqui como ex-presidente estava todo lépido e faceiro.

Ex-PR-LULA-encontro-com-blogueiros-TROCA-CAPA

Depois, em 16 de maio de 2014, Lula participou do IV Encontro Nacional de  Blogueiros e Ativistas Digitais, em São Paulo. Querem mais? Acessem o site do Instituto Lula para acompanhar a maratona do ex-presidente.

— E o bevacizumabe, mencionado pelo jornalista?

O bevacizumabe é o princípio ativo do Avastin, medicamento fabricado pela Roche. Não se trata de um quimioterápico clássico, mas de um anticorpo monoclonal. Ele reduz a chegada de sangue ao tumor, fazendo com que diminua a proliferação de suas células por falta de nutrição.

Segundo a sua bula, é indicado no tratamento de câncer colorretal, pulmão, mama, rim, ovário, tuba uterina e peritônio.

O bevacizumabe é comercializado no Brasil. Habitualmente, é utilizado em doses 5mg/kg a cada duas semanas. Normalmente sua aplicação é hospitalar por se tratar de medicação que é injetada na veia junto com soro.

“Só que o bevacizumabe não é usado sozinho, mas sempre associado à quimioterapia”, cientifica o oncologista Munir Murad, coordenador do Programa de Residência Médica em Cancerologia Clínica do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Em 2009, o prestigiado Journal of Clinical Oncology publicou um estudo realizado com 607 pacientes portadores de câncer metastático, onde o bevacizumabe foi usado em combinação com os quimioterápicos gencitabina e erlotinibe.

Eles foram divididos em dois grupos: 301 tomaram os quimioterápicos mais placebo (remédio com aparência do verdadeiro, mas que não tem qualquer ação terapêutica);  e 306 usaram quimioterápicos mais bevacizumabe.

A associação de medicamentos não mudou a sobrevida dos pacientes. O grupo que tomou bevacizumabe teve uma sobrevida média de 7,1 meses. E o grupo que usou placebo teve sobrevida média de seis meses.

Portanto, é mais um equívoco da matéria de Mazzini, já que o bevacizumabe não é usado da maneira que a matéria indica.

O jornalista se refere ao medicamento “milagroso” de Lula desta forma: “Seria sob o princípio do Bevacizumab, com uma versão mais recente e potente do popular Avastin, que ameniza o quadro clínico e a dor, e evita a quimioterapia”.

Só que o bevacizumabe é o próprio Avastin. Talvez as drogas que se enquadrariam nesse perfil  impreciso descrito por ele sejam as versões mais novas do bevacizumabe: o axitinibe ou o aflibercept, que já foram testadas para câncer de pâncreas avançado.

“Só que elas não são consideradas tratamento padrão para o adenocarcinoma de pâncreas nem evitam a quimioterapia”, atenta Murad. “Além disso, os estudos publicados até agora mostram resultados negativos.”

A adição do axitinibe ou do aflibercept à gencitabina não melhorou a sobrevida dos pacientes com câncer avançado de pâncreas em comparação com aqueles que só receberam o quimioterápico mais placebo. Ou seja, a estratégia de acrescentar uma dessas medicações se revelou ineficaz até agora.

“Por que então alguém que, como o ex-presidente Lula, pode ter acesso aos melhores tratamentos abriria mão do tratamento padrão para câncer de pâncreas por um que não funcionou em ensaios clínicos criteriosos?” questiona o oncologista Munir Murad. “A versão contada pelo jornalista não fecha, não tem sentido.”

Eunice G. acompanhou o caso do seu pai, que sobreviveu sete anos depois do diagnóstico de adenocarcinoma na cabeça do pâncreas com uma peculiaridade raríssima: o tumor não se disseminou para outros órgãos, ficou restrito ao pâncreas.  Ou seja, um caso extraordinário não apenas no Brasil mas no mundo.

“Foram vários ciclos de quimioterapia durante um ano e meio na fase inicial do tratamento, mais 28 aplicações de radioterapia, seguido de cirurgia, sem contar o restritíssimo regime alimentar, que é uma loucura”, nos conta Eunice.

“Na metade do caminho, foram mais sessões de quimioterapia e mais cirurgia. Houve a retirada total do pâncreas e meu pai ficou diabético, dificultando ainda mais a sobrevida”, prossegue.

“A cada tratamento, ele ficava um bagaço. Quem conhece pessoas que tiveram câncer no pâncreas sabe que o tratamento é uma paulada. A maioria não aguenta sequer completá-lo. Logo, Lula não estaria inteiraço durante 2014, como o Brasil inteiro pode ver que ele estava.”

Seria desinformação?  Ou pura e simplesmente má-fé?

Uma coisa é certa. Não se deseja câncer para o pior inimigo. Muito menos o de pâncreas, cujo diagnóstico representa praticamente uma sentença de morte. As supostas fontes do jornalista sabiam disso. Não à toa “escolheram” a dedo o novo tumor.

O objetivo é político: deixar a dúvida no ar, visando minar Lula com vistas às eleições presidenciais de 2018.

O que as supostas fontes talvez desconheçam é que, pelo menos segundo os hindus, o que desejamos de mal para outros, volta para a gente. É a lei do retorno. Aliás, qualquer um de nós pode ter um câncer.

“O que foi feito com ex-presidente Lula nessa matéria é cruel e desumano. Uma canalhice sem tamanho”, arremata Eunice G. “Os responsáveis por isso deveriam ser presos ou tratados apenas com bevacizumabe. Talvez para eles isso desse certo. Um verdadeiro ‘milagre’.”

*Conceição Lemes é a mais premiada repórter de Saúde do Brasil.

PS do Viomundo: Já imaginaram se a “reportagem” tivesse sido publicada no Reino Unido? O que aconteceria com o repórter e com o UOL? Quer saber? Clique aqui.

Leia também:

Caso Tim Maia não é o primeiro em que a Globo reescreve a História em seu benefício ou no de parceiros

 

42 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Regis Santana

08/01/2015 - 16h02

Essas “fontes” parecem aquelas que, alimentadas por um vigarista chamado Sidarta Ribeiro e seus cupinchas, tentaram (e tentam) destruir a reputação e as realizações de Miguel Nicolelis no RN. Mesmo padrão: sempre “fontes anônimas” que inventam mentiras para espalhar coisas ruins. Se tem uma informação real, que mostre a cara. É no mínimo covardia acusar sem ter provas ou inventar histórias escondendo-se no anonimato.

Responder

Gerson Carneiro

08/01/2015 - 14h01

Fico impressionado com a riqueza trazida ao debate político por esse pessoal da imprensa. Mas nada é perfeito eis que falta o Galvão Bueno narrando e o Faustão comentando. Mas acredito que a imprensa ainda vai chegar lá pois o aperfeiçoamento é contínuo e incessante.

Responder

Gerson Carneiro

08/01/2015 - 13h57

Só pra constar: em 2014 o Serra esteve internado e a imprensa cuidou de ficar caladinha.

Responder

EduardoR

08/01/2015 - 13h56

O final resume tudo. É tudo (e praticamente a única coisa) que eu desejo a todo mundo: LEI DO RETORNO!

Responder

Cunha

08/01/2015 - 11h41

Em postagem no Google+ sobre tal “notícia”, onde expressa-se surpresa pelo uso de tal artifício para minar candidato com altíssimo potencial de vitória, sobram as declarações mais cavernosas, bizarras e odiosas ao ex-presidente, à Dilma,ao PT e aos demais socialistas. Declarações de abominação a tal conteúdo estão presentes,sendo respondidas com o mesmo ódio visceral ( estilo Arnaldo Jabor somado a Bolsonaro). Impressiona o uso de Deus nos desejos mais obscuros, mostrando que a direita tradicional mais se aproxima de um sistema feudal, uma Cruzada que mataria e destruiria por uma causa “divina, respeitosa e humanitária”.

Responder

Leo

08/01/2015 - 10h57

Pessoas, existem coisas mais importantes com o que se preocupar. O Lula é uma figura pública e esse tipo de reportagem, quer verdadeira ou não, ocorre em qualquer país. Vamos voltar nossas atenções, por exemplo, para os bilhões roubados da Petrobras, para a crise fiscal brasileira e para a imoralidade da classe política. Deixem essa historia do Lula de lado e apenas torçamos para que tudo seja uma estória. Vocês perdem muita energia discutindo reacionariamente aquilo que não deve ser discutido.

Responder

    [email protected]!r [email protected]+e5

    08/01/2015 - 12h24

    Errado! Querem convencer as pessoas a não votarem no Lula por estar “debilitado” e você trata isso como se fosse nada?

    Isso é golpe, meu amigo!

    A Petrobras está mais que bem discutida na mídia, Leo. Que tal falarmos de Trensalão, que a mídia não quer falar, ou da falta de investimentos da Sabesp para mandar os lucros para os acionistas, que o SPTV esconde todo dia?

    Mas pode ser que discutir corrupção dos tucanos não interessa pra você, não é? Discutir corrupção tucana é querer esconder a do PT, né?

    Leo

    08/01/2015 - 19h15

    Desculpe-me, mas parece paranoia.

rodrigo

08/01/2015 - 10h16

Coitados..no fundo é o que eles desejam..que o Lula adoeça e morra o mais breve possível, para deixar o caminho livre para 2018.

Responder

alirio cesar

08/01/2015 - 10h00

Conceição,
Trabalho na Justiça Federal. Existe uma grande quantidade de ações que obrigam o Estado a custear tratamento contra câncer (entre vários outros). São remédios caríssimos e se não existe no SUS, a União, o Estado e o Município são forçados a adquirirem os mesmos. Alguns, sem eficácia comprovada.
Esse matéria parece ter um caráter publicitário. Não tenho como comprovar, mas seria uma boa pauta para investigação, assim como no caso das próteses.

Responder

    Conceição Lemes

    08/01/2015 - 10h15

    Obrigada pela dica, Alirio. abs

Fulvio Costa

08/01/2015 - 09h39

Os comentários, meu Deus, os co-men-tá-ri-oooos feitos na tal Coluna Esplanada. São um pior que o outro, pouquíssimos se salvam. Nossa, quanta maldade, quanta ignorância, quanto ódio, quanta burrice…

http://colunaesplanada.blogosfera.uol.com.br/2015/01/04/lula-faz-novo-tratamento-sigiloso-contra-cancer/

Responder

Marat

07/01/2015 - 23h08

Eu creio que este cara esteja querendo competir com o boçal Cláudio Humberto, que “escreve” para um desses jornalecos distribuídos gratuitamente.

Responder

Marat

07/01/2015 - 22h42

No fundo, no fundo, eles estão com medo, muito medo (ou será pânico?) da próxima derrota, em 2018. Todo cuidado é pouco. Do jeito que são radicais, creio que possam tentar matar o sapo barbudo!

Responder

Marat

07/01/2015 - 22h04

Ley de Medios, URGENTE!!!

Responder

tim

07/01/2015 - 21h04

Você é independente??? então prove, publique o meu comentário anterior, se não publicar vc é como o vomito do cachorro, (texto bíblico).

Responder

tim

07/01/2015 - 20h52

não tenho paixões políticas partidárias, com a minha idade seria burrice acreditar em Pt Psdb…na minha opinião todos os homens ávidos pelo poder são muito parecidos e ponto.
com relação a doença do ex-presidente mesmo não tendo simpatia por este cidadão, desejo saúde, sei exatamente o que é esta doença, pois minha irmã foi acometida e faleceu deste mal.
sobre a notícia veiculada pelo jornalista, como sou do meio, acho que merece crédito, trata-se de um profissional competente e responsável, até me provarem o contrário fico com a informação do jornalista que não tem nem um motivo para inventar tal fato que só serviria para desmoraliza-lo inclusive perante a classe. e não me venha com esta conversa que este jornalista esta a serviço da oposição por favor.
oBS: também não venha com esta, que sou do psdb, quero que o psdb vá pro inferno. Já vendi botons, camisetas… para o lula viajar este País, hoje, quero distancia deste fanfarrão mentiroso.

Responder

    renato

    07/01/2015 - 22h20

    (como sou do meio, acho que merece crédito, trata-se de um profissional competente e responsável, até me provarem o contrário).
    Então existe a possibilidade de ser uma noticia falsa?
    Se existe a possibilidade de ser, o jornalista poderia ser um mentiroso?
    Mentira..desinformação, preguiça,má vontade, não faz parte desta elegante profissão?

    henrique de oliveira

    09/01/2015 - 14h30

    O fato de você ser do meio e achar que esse lixo de jornalista que se Deus existir vai ter a lei do retorno já descredencia sua opinião , ou sera sua vontade?

tiao

07/01/2015 - 19h39

Deixa eles matarem o Lula.Em 2018 a gente ressuscita o homem.Aí esta mídia canalha
morre de raiva.

Responder

Cláudio

07/01/2015 - 19h13

Ouvindo A Voz do Brasil e postando:

**** ♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
**** ♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥ ****
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥ ****

************* Abaixo o PIG brasileiro — Partido da Imprensa Golpista no Brasil, na feliz definição do deputado Fernando Ferro; pig que é a míRdia que se acredita dona de mandato divino para governar.

Lei de Mídias Já!!!! **** … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. **** … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

Responder

Niankin

07/01/2015 - 19h04

Até onde vai a o ódio. É difícil acreditar em algo tão doentio. Esse Leandro Mazzini não pode ser normal.

Responder

Maria Amélia Martins Branco

07/01/2015 - 18h28

É infâmia demais, quem está por trás dessa matéria, o que move esses pilantras disseminar mentiras na intenção de decretar a morte de Lula com vistas as eleições de 2018, esse jornaLIXO Tucano está sendo muito bem pago pra fazer o trabalho sujo pra quadrilha e mídia golpista Tucana.

Responder

roberto

07/01/2015 - 17h09

Eu já postei algumas vezes,comentário no jornal Correio do Brasil,onde o Mazzini apresenta algumas reportagens, dizendo que ele é um dos jornalistas mais desinformados do país.
De 10 informações dele, 9 são furadas. O cara é um brincalhão.

Responder

Marcos

07/01/2015 - 16h47

Se não me engano, a icterícia (no caso de tumor de cabeça) é causada pela obstrução do ducto biliar e não do pancreático (ou por metástase no fígado mesmo).

Responder

    Conceição Lemes

    07/01/2015 - 18h41

    Marcos, rechecarei. Obrigada. abs

Elias

07/01/2015 - 16h42

Conceição Lemes não desmontou apenas o “câncer do pâncreas” inventado por Leandro Mazzini, Conceição desmontou o próprio Mazzini. Deu uma aula sobre a doença e mostrou até onde um coxinha do UOL consegue chegar. Mentiroso!

Responder

Daniel

07/01/2015 - 16h22

Certamente, “câncer de pâncreas” não foi uma invenção aleatória. Uma rápida pesquisa no google faz qualquer leigo descobrir que câncer de pâncreas é o tumor mais grave que existe, com sobrevida em cinco anos inferior a 5%.

O jornalista em questão SABIA MUITO BEM O QUE ESTAVA FAZENDO quando resolveu diagnosticar o presidente Lula logo com esse tipo de câncer.

Felizmente o presidente Lula está bem. Trabalhando nos bastidores e lutando sim contra um tumor, mas não o tumor no pâncreas. O presidente Lula luta contra o tumor do anti-petismo, visando diminuir a rejeição ao partido nos grandes centros, principalmente em são paulo.

Responder

Mancini

07/01/2015 - 13h08

Jobs teve câncer de pâncreas e não sobreviveu. Dizem que atrasou o tratamento 6 meses acreditando em coisas da Índia, onde passou parte da juventude. Não sei se esse atraso seria o suficiente para levá-lo a óbito. Portanto, como a Conceição brilhantemente demonstrou, mentira tem perna curta. Pediria milhões por danos morais ao jornalista e ao seu veículo! http://refazenda2010.blogspot.com

Responder

    [email protected]!r [email protected]+e5

    08/01/2015 - 15h18

    “Pediria milhões por danos morais ao jornalista e ao seu veículo!”

    Isso se você estivesse em um país sério… Aqui, isso iria parar na mão do Gilmar Dantas que ia engavetar o processo pra sempre…

Guará

07/01/2015 - 12h52

Quem inventou essa doença que padeça da mesma para apreender na pele. É muita calhanice.

Responder

Morvan

07/01/2015 - 11h28

Bom dia.

Conceição Lemes, como é praxe, arrasou. Não deixou um “equívoco” do calunista (Sic!) de pé. Quando li o Leandro Mazzini, Caluna Esplanada (do Golpe?), percebi várias incongruências, sem a argúcia e o apuro de Conceição, claro, que é profissional abalizadíssima. O Instituto Lula, a exemplo de Conceição, foi bem condescendente para com o calunista: tratou tudo como ‘peça de ficção’. Antes fora; mais do que qualquer ficção, é um “wishful thinking” eterno da nossa elite e um vislumbre do jogo pesado em 2018 e ainda uma demonstração cabal de quanto o baronato teme e tenta defenestrar de vez a “ameaça Lula”, pois sabem eles que, a esta altura do campeonato, não tem adversário para jogar tête a tête com ele, o Nemesis da direita brasileira.
Acaba de ser reativado, com força total, o “Minha Metástase, Minha Vida”, Programa da elite mais escroque que se conhece no sistema solar. Sabedores de que, no jogo “jogado”, 2018 não conspira (sem trocadilhos).
Aliás, em se falando em câncer, volta-se a se frisar: quando teremos uma mídia nacional? Sem Lei dos Médios, nunca; reformas urgentes. Lei dos Meios, Judiciária e Financiamento Público não são prescindíveis. São, na verdade, inadiáveis.
É como cuidaremos dos verdadeiros cânceres da vida nacional. E sem radioterapia.

Saudações bolivarianas; {♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥}; “Dilma, Reforma do Judiciário Urgente; recompra a Petrobrás e cala os coscignas. Xeque Mate; o Velho“,
Morvan, Usuário GNU-Linux #433640 (Fedora 21_x64). Seja Legal; seja Livre. Use GNU-Linux.

Responder

ricardo silveira

07/01/2015 - 10h24

Jornalismo é uma coisa muito séria. Todo jornalista deve honrar a seriedade da profissão e, quando não o faz, usando o exercício do jornalismo para atender outros objetivos que não o de informar o público, deve ser responsabilizado criminalmente, não só porque enlameia a profissão com total desprezo ao público mas, também e, principalmente, porque causa um mal terrível a quem sofre com a canalhice do mau profissional.

Responder

CONHEÇA A SÉRIE "PENSANDO O BRASIL"

07/01/2015 - 09h25

PELO FIM DOS ATRAVESSADORES DA NOTÍCIA. INFORMAÇÃO INDEPENDENTE! O Governo precisa substituir os “atravessadores da informação”, ou seja, a mídia tradicional, como canal para informar o povo. Fortalecer a internet, investir nos jornais e boletins de classe, jornais de igrejas, associações, etc. Enfim, pulverizar os meios de se dirigir ao Brasil. O texto abaixo reflete sobre o tema. Recomendo a leitura!

http://reino-de-clio.com.br/Pensando%20BR2.html

Responder

FrancoAtirador

06/01/2015 - 19h58

.
.
O Câncer da Globo e as Metástases Midiáticas

é que estão levando o BraSil à Fase Terminal.

Quando a População acordar da Anestesia Geral,

pedirá a Deus um Milagre de Salvação da Pátria

ou só dirá aos filhos e netos, como Jim Jones:

-Adeus Mundo Cruel! E vamos todos juntos aos Céus,

como prenuncia o Astrólogo Mercenário da Virgínia?
.
.

Responder

Julio Silveira

06/01/2015 - 18h59

Fala sério minha gente, e sinda tem uma turma renitente que defende essa midia corporativa e pior ainda, nesses moldes.

Responder

antonio

06/01/2015 - 18h29

Será que o Gov.Federal é tão cego que não vê que não dá mais pra ficar sustentando essa midia maldita?
Eles não querem capitalismo?Então que vão arrumar anunciantes privados.
Folha, Estado, Veja, Època, etc, etc, não servem nem pra minha cachorra sentar.
50 milhões por mes pra Globo??!!
Enviem pros seus amigos o seguinte :Ninguem mais lê essa porcaria.Fiquem com a Internet.

Responder

    Eli Braz

    07/01/2015 - 09h13

    Antonio, acho que está na hora de uma petição ou alguma coisa do tipo, para obter milhões de assinaturas e entregar à Presidenta Dilma, exigindo o fim da destinação de milhões em publicidade para essa imprensa maldita, como você bem coloca.
    Sei lá, que o governo crie uma revista mensal com notícias de todas as estatais, dos ministérios, das ações de governo e que seja distribuido de graça para a população. Torne a NBR um canal arativo, a Rede Brasil também, crie plataformas interativas na internet.Chega de propaganda governamental naquele lixo que se chama Veja.
    Ah, vamos pegar no pé do Berzoini!

    Morvan

    07/01/2015 - 11h40

    Bom dia.

    Eli Braz (qua, 07/01/2015 – 9:13):

    … está na hora de uma petição ou alguma coisa do tipo, para obter milhões de assinaturas e entregar à Presidenta Dilma, exigindo o fim da destinação de milhões em publicidade para essa imprensa maldita, como você bem coloca… Ah, vamos pegar no pé do Berzoini!

    Eli Braz e demais, contem comigo. Tenho conta no Avaaz e no Change.org. Podemos iniciar uma Petição exigindo do Governo Dilma uma abordagem alternativa de mídia (jornal e televisão próprios, rádios comunitárias, blogues, grupos de discussão, etc.) e, claro, o fim do financiamento do tumor pigal.

    Saudações bolivarianas; {♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥}; “Dilma, Reforma do Judiciário Urgente; recompra a Petrobrás e cala os coscignas. Xeque Mate; o Velho“,
    Morvan, Usuário GNU-Linux #433640 (Fedora 21_x64). Seja Legal; seja Livre. Use GNU-Linux.

    alvaro

    07/01/2015 - 13h14

    Quando eu forrava a gaiola do meu curió com a tal folha, que eu catava no lixo do vizinho, ele parava de cantar na hora. Há mais de duas décadas que eu só forro com o papel de embrulho da padaria.

Caracol

06/01/2015 - 18h10

Esses cafajestes têm câncer na alma.

Responder

    Niankin

    07/01/2015 - 19h05

    Absolutamente de acordo.

Deixe uma resposta