VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

Dr. Rosinha: Bebês “viciados” em ópio e derivados


23/05/2012 - 13h55

Dr. Rosinha, para o Viomundo

Relativamente poucos, felizmente, tiveram contato com o ópio ou seus derivados. Digo felizmente porque alguns entram em contato para usar como droga e outros, como medicamentos. Em ambos os casos, não é nada bom.

Como droga, a pessoa adquire um vício que, como todos, faz mal à saúde. Como paciente, quando a dor é intensa, faz-se uso do ópio, que também pode levar ao vício. Tanto eu como meu falecido pai já usamos como medicamento.

Acometido de muita dor devido a um câncer de bexiga, meu pai usou um derivado do ópio como analgésico. O médico resistiu ao máximo para prescrevê-lo. Só o fez quando, pela intensa dor, meu pai não conseguia dormir.

Na primeira vez que usou, fui eu que injetei no seu músculo. Cerca de 15 minutos depois, na cadeira-poltrona em que estava sentado, dormiu profundamente. Acordou cerca de seis horas depois, com melhor humor e pedindo para comer, coisa que não pedia fazia vários dias.

Encontrei-o no dia seguinte. Perguntou-me o que tinha aplicado, pois além do sono profundo teve bons sonhos. Relatou-me ter sonhado com a sua infância, coisa que, segundo ele, nunca tinha acontecido.

Disse-me também que tinha sonhado com a mudança de São Paulo para o Paraná, e o período de derrubada da mata para plantar café. Em seguida, pediu-me que aplicasse outra injeção naquele dia. Assim iniciamos o seu “tratamento” para a dor, com o uso de derivado do ópio. Foi num crescente: de pequenas doses, em longos intervalos, para doses maiores em intervalos curtos.

Por prescrição médica, também já fiz uso de analgésico derivado do ópio e afirmo: a dor sai como se fosse tirada com a mão e, em seguida, o sono toma conta –não raro com bons sonhos. Como o meu uso foi pontual, para um momento específico, e retirado em seguida, não se estabeleceu o vício.

A BBC Brasil informou no começo do mês que a revista científica da American Medical Association publicou um estudo que comprova que nasce um bebê por hora, nos Estados Unidos, “viciado”.

“Entre 1999 e 2009, triplicou o número de recém-nascidos com síndrome de abstinência no país, devido a um grande aumento na incidência de grávidas viciadas em substâncias legais e ilegais derivadas do ópio”, diz a reportagem. O estudo foi baseado em dados de mais de quatro mil hospitais e o problema constatado é o vício por analgésicos, entre eles oxicodona e codeína. “Só em 2009, 13,5 mil bebês teriam nascido no país com síndrome de abstinência neonatal.”

O ópio, usado como droga –pode ser mascado ou fumado– provoca euforia e, na sequência, um sono confortante que pode conduzir a uma dependência física e/ou psicológica. Como medicamento é sonífero e potente analgésico. De acordo com o estudo publicado, é na condição de medicamento que o ópio tem causado o principal problema de dependência das mães e a consequente síndrome de abstinência dos bebês.

Marie Hayes, da Universidade do Maine, uma das autoras do estudo, diz que em 85% dos casos de bebês com síndrome de dependência as mães é que eram as viciadas em remédios que são vendidos com receita médica.

O editorial da revista, ainda segundo a BBC, diz que os opiáceos “oferecem um controle de dor superior”, mas que têm sido “receitados de forma exagerada, desviados e vendidos ilegalmente, o que cria um novo caminho para o vício e um problema de saúde pública materna e infantil”.

Diz o estudo que “não se sabe ao certo quais são os impactos de longo prazo para a saúde de bebês que nascem com sintomas de dependência”, mas algumas pesquisas “apontam um risco mais alto de problemas de desenvolvimento”. O que está comprovado é que os  “custos médicos são muito mais altos com esses bebês”.

Relatório da ONU divulgado em 23/6/2011 estimava que de 0,3% a 0,4% (de 850 mil e 940 mil pessoas) da população adulta (15 a 64 anos) da América do Sul fazia uso sem prescrição médica de opióides. No Brasil, o percentual está acima da média, chega a 0,5%.

O testemunho acima (uso do opiáceo por mim e pelo meu pai) é para confirmar o potente efeito analgésico desta droga e, também, para reafirmar que deve ser limitada e controlada a sua prescrição.

Mas, em nosso país, qual seria o índice de bebês “viciados”?

Dr. Rosinha, médico pediatra, é deputado federal (PT-PR) e ex-presidente do Parlamento do Mercosul. No twitter: @DrRosinha. 

Leia também:

TJ-SP decide que mulher vai a júri popular devido a aborto

Mulheres indígenas reivindicam saúde e políticas públicas diferenciadas

Do que morreu dr. Marcelo, o jovem médico que trabalhava na Cracolândia?





2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Ricardo Oliveira

23 de maio de 2012 às 14h47

No governo dos talibãs, no Afeganistão,o cultivo da papoula foi banido. Com a invasão dos EUA, e queda do regime talibã, o cultivo foi imediatamente restabelecido. O Afeganistão está na lista dos maiores produtores mundiais de ópio, sendo os EUA o principal destino da droga. Vale ainda lembrar que o secretário de defesa , ou ataque ? dos EUA, na época da invasão, tinha , e ainda tem, intensas ligações com a indústria farmacêutica.

Responder

Pedro Macambira

23 de maio de 2012 às 14h19

Ópio é vendido no Brasil, em farmácias, sem receita, através do medicamento Elixir Paregórico. Em Fortaleza, jovens se utilizam de tal remédio como droga injetavel. Primeiro queimavam o álcool, depois faziam evaporar a água, para que de 30ml restasse apenas 1ml. É droga de alto poder viciante, que mata deixando vivo. Literalmente tira as forças de quem faz uso continuado, pois o corpo seca.

O pior. Para se livrar do vício, não há um sistema público de desintoxicação. A metadona, que alivia a abstinência, é comprada na ilegalidade, com receita falsa. Irônico que a droga seja legal e o tratamento não.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding