VIOMUNDO

Diário da Resistência


Bolsonaro coloca quarto investigado por corrupção para governar ao lado do justiceiro Moro
O coordenador do Grupo Técnico de Justiça, Segurança e Combate à Corrupção do Gabinete de Transição Governamental, Sergio Moro, anuncia sua equipe de trabalho. Foto José Cruz/Agência Brasil
Você escreve

Bolsonaro coloca quarto investigado por corrupção para governar ao lado do justiceiro Moro


20/11/2018 - 18h34

Bolsonaro diz que Mandetta não é réu e que só acusação ‘robusta’ tira ministro do governo

Anunciado para o Ministério da Saúde, deputado do DEM é investigado por suposta fraude em licitação e caixa 2. Presidente eleito afirmou que processo sobre Mandetta ‘não deu um passo’.

Por Elisa Clavery e Filipe Matoso, TV Globo e G1 — Brasília

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (20) que o deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) não é réu na Justiça e que só acusação “robusta” vai tirar algum ministro do governo.

Mais cedo, nesta terça, Bolsonaro anunciou pelo Twitter que Mandetta será o ministro da Saúde a partir de 2019.

Luiz Henrique Mandetta é investigado por suposta fraude em licitação, tráfico de influência e caixa 2 em um contrato para implementar um sistema de informatização na saúde em Campo Grande, no período em que foi secretário.

“Tem uma acusação contra ele [Mandetta] de 2009, se não me engano, e não deu um passo o processo ainda. Ele nem é réu ainda. O que está acertado entre nós? Qualquer denúncia ou acusação que seja robusta, [o ministro] não fará parte do governo”, afirmou Bolsonaro.

O presidente eleito deu a declaração em uma entrevista coletiva após deixar a sede do Tribunal de Contas da União (TCU), em Brasília.

Também nesta terça, Mandetta concedeu uma entrevista no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) em Brasília, onde funciona o gabinete de transição, e comentou as acusações contra ele, negando ter cometido irregularidades.

Além de Mandetta, a futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina, é investigada por supostamente beneficiar a JBS, o que ela nega; o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, é investigado por suposto recebimento de caixa 2, o que ele nega; o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, é investigado por supostas irregularidades em fundos de pensão, o que ele nega.

Entenda o caso de Mandetta

O sistema de Gerenciamento de Informações Integradas da Saúde (Gisa) custou quase R$ 10 milhões entre recursos federais e municipais.

Uma auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU) apontou um prejuízo de cerca de R$ 6 milhões em pagamentos indevidos por serviços não executados.

O futuro ministro relatou que explicou o caso ao presidente Jair Bolsonaro.

Ele afirmou que deixou o cargo de secretário de Saúde em 2010 e que um deputado de “oposição” fez as denúncias — Mandetta não citou o nome do parlamentar.

Conforme Mandetta, o projeto sofreu uma “ruptura” por parte da administração que assumiu a prefeitura de Campo Grande em 2013.

“Projeto sofreu uma ruptura por parte da prefeitura que entrou em 2013, foram demitidos todos os técnicos, projeto ficou sem condições de dar continuidade por interrupção administrativa, renovaram convenio e não renovaram o contrato”, disse.

Mandetta reconheceu que se sente “desconfortável” pela situação, porém destacou que não é réu no caso.

Segundo ele, Bolsonaro entendeu que é mais “importante” no momento contar com a sua experiência administrativa, trânsito político e capacidade de unir o setor da área da saúde.

Outros temas

Saiba abaixo outros temas abordados por Bolsonaro na entrevista desta terça-feira:

Mais médicos: Bolsonaro voltou a criticar a participação de médicos cubanos no Mais Médicos. Na semana passada, o governo de Cuba anunciou a saída do programa em razão de declarações “depreciativas e ameaçadoras” de Bolsonaro, que afirmou na campanha que iria expulsar os cubanos do Brasil. Segundo a Confederação Nacional dos Municípios, mais de 28 milhões de pessoas ficarão sem atendimento médico com a saída de Cuba do programa, e o Ministério da Saúde já lançou um edital para chamar novos profissionais.

Banco Central: Sobre a possibilidade de pedir ao presidente Michel Temer para indicar Roberto Campos Neto para a presidência do Banco Central ainda este ano, Bolsonaro disse que terá de conversar com o futuro ministro Paulo Guedes.

Leia também: 

Uma análise do discurso do Mito para os minions

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Wilma

22 de novembro de 2018 às 12h13

O Juiz Sérgio Moro não podia prender o a Aécio sem a devida denúncia, ele nao e delegado de polícia é um Emérito Juiz

Responder

Zé Maria

21 de novembro de 2018 às 10h55

O Slogan do Desgoverno Botsonauro será:

“Eu também sou réu no Supremo, e daí?”

https://twitter.com/folha/status/1064198054847369217

Responder

Zé Maria

21 de novembro de 2018 às 10h40

O PFL no Poder

Por Tereza Cruvinel, no Jornal do Brasil

O nome atual é Democratas, apelido DEM, mas o partido que se torna agora sócio majoritário de Bolsonaro no poder – noves fora o PSL, por enquanto um ajuntamento – foi o velho PFL, a dissidência do PDS, partido da ditadura, que caiu fora quando o regime perdeu os dentes, juntando-se ao PMDB para eleger Tancredo. Faz todo sentido o reencontro num governo que tem forte prevalência militar…

https://www.jb.com.br/colunistas/coisas_da_politica/2018/11/958535-o-pfl-no-poder.html

Responder

Fernando

21 de novembro de 2018 às 10h20

Esse juiz não sei não. Meretrizzimo juiz.
É um justiceiro mesmo, um capitão do mato, um jagunço.
Faz tudo por dinheiro e poder. Alguma dúvida que ele será nomeado para o supremo.
O Estado está sendo aparelhado.
Combate a corrupção foi o álibi para combater o PT.
Vejam que nunca aconteceu nada com o Aecio e nem vai acontecer.
Duvido tb que o Temer será preso.

Responder

Walter Pastori

21 de novembro de 2018 às 07h23

Gostaria de saber do deputado eleito o que e uma acusacao robusta nao se preocupe tem outros ministros indicados por voce que tem problemas com a justica e facil voce resolver pede a eles pra se arrepender e pedir desculpa pro seu super ministro

Responder

    joão ferreira bastos

    22 de novembro de 2018 às 10h01

    acusação robusta deve ser o triplex da OAS e o sitio do Bittar, que o amigo do traficante, esposo da ladra e vendedor de sentenças afirma ser do LULA

lulipe

21 de novembro de 2018 às 00h27

Vivemos em um Estado de Direito, investigado não é culpado. Segue o jogo. O choro é livre, lula não. Ah, lula foi investigado e agora tá preso. Eis a diferença.

Responder

Jardel

20 de novembro de 2018 às 20h45

Isso não vem ao caso… O meretríssimo não vai ser ministro da Justiça para acabar com a corrupção. Vai ser ministro da Justiça pra acabar com o PT.
Calar os adversários é a melhor estratégia da máfia.

Responder

Zé Maria

20 de novembro de 2018 às 20h41

Não era a corrupissâum…

De onde vem seu ódio a Lula?

por Gilson Caroni Filho, no GGN

Sabe, descobri que você gosta de ser chamado de fascista. Por pior que seja, é a primeira vez que sua visão simplória de mundo obtém reconhecimento político. E, convenhamos, no seu caso, é um upgrade e tanto.

Não, não vou falar em política ou luta de classes. Vou tentar entender seus recalques, aqueles que originaram seu ódio contra o ex-presidente.

Lula, filho de lavradores pobres, veio de Caetés, se tornou um metalúrgico qualificado, maior líder sindical da história do país, e, para seu desespero, fundou, junto com militantes de esquerda e setores progressistas da Igreja, o maior partido político da América Latina. Como se não bastasse, foi o presidente mais carismático do século XXI, aquele que implantou políticas de combate à miséria, investiu na educação como nenhum outro, além de políticas inclusivas, que levaram muitas famílias a verem um filho ingressar em universidade pela primeira vez.

A ascensão política de um operário era sentida como uma bofetada na sua concepção de que governantes eram os oligarcas investidos nos cargos por direito divino. Sim, veio FHC, aquele que sucateou o país, mas do qual você tinha orgulho. Que beleza ter um presidente poliglota! Quando ia aos States, fazia pronunciamentos em inglês. Na França, falava francês. E na América Latina, hablava espanhol. Talvez você não saiba, mas abrir mão da língua pátria em terras estrangeiras é coisa de colonizado. Mas qual o problema? Você também é.

E você?Seguiu na sua vidinha de classe média, se satisfazendo com gratificações vãs, bajulando superiores imediatos e agradecendo ao patrão que lhe pagava o sal. Sempre soube que vivia na merda, mas a visão dos mais pobres funcionava como mecanismo compensatório, um imaginário rastaquera que você abraçava como símbolo de status.

Como era boa a ilusão de que aeroportos, restaurantes e escolas eram propriedades exclusivas suas, dos amigos e dos parentes. Intelectualmente, talvez até não fosse, mas você se percebia como uma fraude aceitável. Puta que pariu, que vida triste a sua! Mas eu entendo sua alegria ao ver Lula condenado à prisão. Acabou seu inferno astral. Você já se sente redimido.

Em breve, voltará a ser um filho da puta cordial. Parabéns!

https://jornalggn.com.br/noticia/de-onde-vem-seu-odio-a-lula-por-gilson-caroni-filho

Responder

    Luiz Carlos P. Oliveira

    23 de novembro de 2018 às 20h32

    PQP. É exatamente o que eu penso sobre esses fdp.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!