VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

A mineradora, a energia de Itaipu e o golpe de Estado no Paraguai


28/06/2012 - 23h44

Internacional| 27/06/2012 | Copyleft

A transnacional Rio Tinto Alcán e o golpe de Estado no Paraguai

Grandes produtores de grãos (soja em especial) e as respectivas empresas do setor expressaram, desde a primeira hora, apoio ao golpe contra o presidente Fernando Lugo. Mas há outras empresas interessadas na mudança de governo como a canadense Rio Tinto Alcán, uma das maiores produtoras de alumínio do mundo. O governo canadense foi um dos primeiros, aliás, a aprovar o afastamento do presidente Lugo.

Silvio Núñez (*), na Carta Maior

Parece ter passado despercebido na imprensa internacional que um dos primeiros países, depois do Vaticano e da Alemanha, que reconheceram o novo governo instalado no Paraguai mediante um golpe parlamentar, foi o Canadá. O governo do Canadá, através de sua embaixada de Buenos Aires, vem realizando desde 2009 um intenso lobby a favor da indústria extrativa Río Tinto Alcán que quer se instalar nesse país sul-americano.

Mas, o quê representa a Río Tinto Alcán ?

A Río Tinto Alcán (RTA) é a segunda maior produtora de alumínio no mundo, se dedica também a extração de diversos minerais e tem presença nos cinco continentes. As denúncias contra a RTA incluem acusações de genocídio e crimes de lesa humanidade.

Em Papua Nova Guiné, ilha de Bougainville, a empresa é acusada de ter instigado, em 1980, um levante armado que provocou o uso de forças militares e milhares de mortos. A seguir, depois que os trabalhadores começaram a sabotar a mina, em 1988, a Rio Tinto foi acusada de conspirar para impor um bloqueio que resultou na morte de cerca de 10 mil civis até 1997.

O caso se encontra atualmente na Corte dos EUA, no caso “Sarei et al v. Rio Tinto Plc et al”, 9ª Corte de Apelações, N° 02-56256.

O jornalista paraguaio Guido Rodríguez Alcalá faz uma breve mas contundente história da RTA no mundo: apoio ao regime racista da África do Sul; o governo da Noruega pôs a RTA na lista negra por atentar contra o meio ambiente e os direitos humanos; por razões similares, o movimento “Fora do Pódio” deseja eliminar a RTA como patrocinadora dos Jogos Olímpicos…

E a lista continua.

O investimento no Paraguai: um enorme consumo de energia


É importante esclarecer que o Paraguai é produtor de energia hidroelétrica, compartilhando centrais binacionais com seus vizinhos, Argentina e Brasil. Entretanto, 4/5 desta energia é exportada e só 1/5 utilizada no país.

A RTA deseja consumir, a baixos preços, uma quantidade equivalente (1/5). O investimento da RTA dividia o governo paraguaio.

Embora o Presidente da República houvesse se manifestado contrário a um subsidio ao preço da energia, o ministro de Indústria e Comércio, Francisco Rivas — confirmado como ministro pelo novo presidente Federico Franco — e o então vice-presidente Federico Franco haviam se manifestado favoráveis a cumprir as condições da RTA para sua vinda ao Paraguai.

O vice-ministério de Energia havia afirmado, entretanto, que os subsídios à energia para a RTA equivaliam a US$200 milhões/ano, crescentes. Igual opinião compartilhavam outros ministros não liberais.

Posição complacente e crítica do Governo


Depois de duas audiências públicas realizadas pelo mesmo governo, a batalha na opinião pública parecia dividida.

Por ser um assunto sumamente popular e com um apoio majoritário, o investimento da Río Tinto Alcán começou a gerar opiniões críticas dos mais diversos setores.

As opiniões mostram sua máxima polarização quando o então vice-presidente critica publicamente a vice-ministra de Minas e Energia, segundo publicação do jornal Ultima Hora, de 30 de maio passado: “Então, eu disse ao presidente da República (Lugo): para que me enviou ao Canadá e nos pôs a estudar isto, se no final uma vice-ministra (Mercedes Canese) vai se opor. Eu tenho o direito de pensar que o que se pretende é continuar favorecendo a economia brasileira, porque não cabe na minha cabeça que, podendo vender energia muito mais cara que a que cedemos ao Brasil, gerando emprego, impostos e divisas, tenha gente que se oponha a este projeto”.

Similares publicações podem ser vistas em outros meios.

A afirmação de Franco é um falso dilema, pois a venda de energia de Itaipu do Paraguai ao Brasil gera divisas para o desenvolvimento e o investimento e, além disso, o que a RTA se propõe é pagar preços inferiores — inicialmente 32 US$/Mwh e atualmente 42 US$/Mwh — aos que o Brasil paga e que, embora ao preço atual de 52,2 US$/Mwh, somente produzem um pequeno beneficio (8,4US$/Mwh) e cobrem ao mesmo tempo os custos de produção (43,8US$/Mwh).

A RTA pressiona o governo para iniciar negociações


Depois das declarações de Federico Franco, a empresa manifestou seu interesse em iniciar as negociações com o governo, pressionando sobre o cronograma de instalação da planta. Assim, no dia 13 de junho foi publicada nos meios de comunicação a visita dos representantes da RTA ao Chefe de Gabinete da Presidência da República. Na oportunidade, seu representante, o hispano-brasileiro Juan Pazos, afirmou: “Consideramos, depois de três anos e meio que estamos no Paraguai, que o governo já tem todas as informações que necessita”.

Evidentemente, um tema central é o preço da energia. Não se pode discutir o preço da energia, sem discutir o resto. Formam parte de um pacote. A multinacional não informou o valor que considera “ideal” pela energia paraguaia.

O golpe em gestação


Dois dias depois, em 15 de junho, aconteceu a tragédia de Curuguaty. Uma juíza determinou uma ordem de busca e apreensão a pedido do empresário colorado Blas M. Riquelme, para resguardar sua suposta propriedade privada. A ação é coordenada pela promotoria e termina com a morte de 18 campesinos e policiais.

No lugar, que depois a própria imprensa indicaria que eram terras públicas usurpadas por Blas M. Riquelme, havia menos de 50 pessoas no momento do massacre.

O resto é história. Nesse mesmo dia, Fernando Lugo substituiu Carlos Filizzola (da Frente Guasú) no Ministério do Interior pelo colorado, ex- Procurador Geral do Estado, Rubén Candia Amarilla, responsável por mais de 1000 denúncias de movimentos sociais e vinculado a Camilo Soares, ex- Secretário de Emergência Nacional, acusado por malversação e membro do primeiro círculo de Fernando Lugo.

Na segunda-feira, 18 de junho, a Frente Guasú expressou seu desacordo com dita designação, junto com o Partido Liberal Radical Autêntico (partido de Federico Franco e Francisco Rivas) e, para mais desconcerto, a própria Associação Nacional Republicana, Partido Colorado, criticou sua nomeação.

Na quinta-feira, 21 de junho, a Câmara de Deputados aprovou a abertura de um processo político contra Fernando Lugo.

No dia seguinte, 22 de junho, o Senado aprovou em tempo recorde o afastamento do presidente.



Golpe parlamentar


A notícia do jornal La Tercera, do Chile, reproduz a declaração do Secretário geral da OEA, José Miguel Insulza “…que, reconhecendo que o artigo 225 da Constituição do Paraguai confere faculdades à Câmara de Deputados para iniciar um juízo político e ao Senado para atuar como tribunal, ‘a comunidade internacional formulou dúvidas fundadas sobre o cumprimento das normas contidas nos artigos 17 e 18 da Constituição do Paraguai e nos tratados internacionais subscritos por esse país, que consagram os princípios universais do devido processo e do legítimo direito de todo processado de defender-se, usando todos os recursos processuais, contando para isso com prazos suficientes entre o inicio do juízo e sua conclusão’…”.

O presidente do Paraguai teve menos de 24 horas para preparar sua defesa e não foram apresentadas provas – exceto fotocópias e publicações da imprensa – para formalizar as acusações.



Transnacionais, entre elas a RTA, as primeiras beneficiadas com o golpe


Corretamente, analistas políticos atribuíram aos grandes oligopólios da produção de grãos como os principais beneficiados do golpe de Estado contra Fernando Lugo. Lugo foi submetido a um sumaríssimo juízo político pela matança de Curuguaty, que desnuda uma realidade que não pode ser ignorada: oito milhões de terras mal havidas que não foram recuperadas pela Justiça, e o Paraguai com a pior distribuição da terra na região.

Apesar de a ordem de despejo ter sido ditada por uma juíza e o operativo policial dirigido por uma promotora, o julgado foi Fernando Lugo.

Entretanto, se esqueceram de um ator chave: a RTA.

Em seu discurso de posse, Federico Franco se referiu longamente ao tema energético, “também impulsionará o setor energético para utilizar a energia gerada nas hidroelétricas de Itaipú e Yacyretá e ‘que ninguém tenha que ir ao exterior procurar trabalho'”.

O Canadá reconheceu imediatamente.

Logo em seguida, o nome de Francisco Rivas foi confirmado como Ministro de Indústria e Comércio e lobista da RTA.

Evidentemente, as razões são milhões.

(*) Jornalista e pesquisador.

PS do Viomundo1: A Rio Tinto é uma das proprietárias da Alumar, sediada em São Luís do Maranhão, que consome energia da usina de Tucuruí, no rio Tocantins, Pará. Aliás, aqui, o jornalista Lúcio Flávio Pinto denuncia como Tucuruí foi construída para atender interesses dos fabricantes de alumínio. É a atividade industrial mais eletrointensiva. Na época da construção de Tucuruí, um dos argumentos é de que a usina serviria para o desenvolvimento de uma indústria nacional de alumina e alumínio. Hoje, as três empresas do ramo — Albrás, Alunorte e Alumar — são controladas por multinacionais, depois que a Vale se desfez de suas operações.

PS do Viomundo2: Deixa eu ver, interesses da Monsanto + Rio Tinto + latifundiários + dono do jornal ABC Color, Aldo Zuccolillo, que é sócio da Cargill, dirigente da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) e ligado à UDR local. Dá um belo samba.

Leia também:

O que os Estados Unidos podem ganhar com o golpe 

Ricardo Canese: Lugo teve menos tempo para se defender que um motorista multado

Idilio Grimaldi: Um dedo transgênico no golpe do Paraguai

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Algodão transgênico é liberado com base em relatório da Monsanto « Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de agosto de 2012 às 15h26

[…] A mineradora, a energia de Itaipu e o golpe de Estado no Paraguai […]

Responder

Lugo a blogueiros: Quatro medidas explicam golpe no Paraguai « Viomundo – O que você não vê na mídia

03 de agosto de 2012 às 10h45

[…] A mineradora, a energia de Itaipu e o golpe […]

Responder

Lugo diz que narcopolítica e Rio Tinto foram motivos do golpe « Viomundo – O que você não vê na mídia

23 de julho de 2012 às 18h35

[…] A mineradora, a energia de Itaipu e o golpe […]

Responder

CNunes

30 de junho de 2012 às 12h47

cui bono??
sempre uma boa pergunta.

Responder

Ana Cruzzeli

30 de junho de 2012 às 12h47

Aí está Azenha o passado voltando e FHC e Gilmar mendes no meio.

A Vale do Rio Doce foi o maior entreguismo da historia, eu não consigo deixar de ter raiva do FHC e Serra não consigo.

Esses dois são CANALHAS. Pelo menos espero que os paulistanos deem essa derrota ao filhote do FHC esse ano e que o TRF/DF bote esse safado na cadeia, lugar ainda muito bom para o Serra. FHC? Esse não pode mais pegar cadeia mas pode ter sua verdadeira historia contada e seus desvios para Daniel Dantas revelados.

Não, o Brasil de Gilmar/FHC/SERRA se misturam a todos os latinos americanos e no caso do Paraguai muito mais ainda. A retomada do poder da esquerda paraguaia muito nos interessa.

A primeira derrota já sentiram, falta a derradeira em 2013

Responder

Julio Silveira

29 de junho de 2012 às 18h15

Nem vou dizer o que penso que o Brasil deveria fazer com Itaipu. Iriam me chamar de radical.

Responder

Alexandro Rodrigues

29 de junho de 2012 às 15h52

Certa vez, li um artigo dizendo que o governo dos vagabundos militares poderiam ter contruído Itaipu (com as mesmas dimensões e capacidade geradora) totalmente dentro do território brasileiro, entre o Mato Grosso do Sul e o Paraná.

A políticagem de boa vizinhas das ditaduras do Cone Sul falou mais alto, e metade da que por décadas foi a maior usina hidrelétrica do mundo foi dada aos paraguaios. Dada! Por que este paiseco não tem um tostão para constuí-la.

O Brasil tem que reagir! Ou o Paraguai paga toda sua dívida de Itaipu com o Brasil, ou o Brasil compra a parte paraguaia (com os devidos descontos), e assim ficamos livres dos reaças paraguaios, lambe saco de americanos e espanhóis…

Mas não, Dilma não fará isso! Ela é uma rainha soberana!

Responder

Mello

29 de junho de 2012 às 15h21

Condenar Lugo por Curuguaty seria o mesmo que condenar FHC por Eldorado dos Carajás.

Responder

    Mário SF Alves

    29 de junho de 2012 às 22h39

    Exatamente isso. A diferença entre uma realidade e outra não é apenas em razão do desproporcional peso atômico e densidade específica do Brasil, e, sim, unicamente pelo locus político ocupado pelo citado governante daqui. Enquanto o de lá – ainda que timidamente – lutava contra o status quo dominante, o daqui lutava pelo empoderamento desse mesmo stauts quo dominante.

Depois do Tocantins, do Madeira e do Xingu, chegou a vez do Tapajós « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de junho de 2012 às 01h30

[…] [A RioTintoAlcan é a mesma que pretende produzir alumínio no Paraguai comprando parte da energia de Itaipu. Mas, aparentemente, quer energia subsidiada] […]

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Últimas matérias
Presença de Greta em Nova York carimba em Bolsonaro o papel de vilão do clima; Vaticano dispara míssil contra fake news amazônica

 Da Redação, com vídeos e fotos das redes sociais Três milhões de pessoas em três mil cidades de 160 países, calculam os organizadores. A campanha da adolescente sueca Greta Thunberg, 16 anos de idade, floresceu. Foi a Terceira Greve do Clima, que atraiu manifestantes — especialmente adolescentes — às ruas para dizer que não existe […]

Ler matéria