VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Wagner Iglecias: Crise de identidade e de lideranças


11/02/2012 - 15h35

Alguns aspectos da crise tucana

por Wagner Iglecias

Sou de uma geração que acreditava que o PT era socialista e que o PSDB era social-democrata. Foi uma geração numerosa. Só posso falar por mim, mas cheguei mesmo a acreditar um dia que PT à esquerda, PSDB ao centro e PL, à direita, seriam os três grandes partidos de um moderno sistema político que viria a existir no Brasil a partir da década de 1990. Doce ilusão juvenil. Só me faltou levar em conta, naquela época, nosso patrimonialismo atávico e nossa velhíssima tradição política, que fazem com que partidos liberais se diluam na massa amorfa de siglas fisiológicas e que fazem vergar, em maior ou menor grau, os ideais fundantes de partidos originalmente progressistas. Fato é que o PL sumiu e, para vencer as eleições presidenciais, tanto tucanos quanto petistas fizeram alianças com partidos e setores conservadores. Mais que isso, no exercício do poder o PSDB aplicou o programa neoliberal, enquanto quem vem tentando construir nosso arremedo de Welfare State, nossa “social-democracimorena”, é o PT. Ou seja, a impressão que fica é que dos anos 1990 pra cá caminhamos todos para a direita do espectro político.

Nosso presidencialismo é de coalizão, mas há que se lembrar que quem ganha eleição para o Executivo em nosso país manda, impera, pode muito, ainda que esse “poder muito” tenha prazo de validade e seja renovável a cada quatro anos. O consórcio PSDB/PFL pôde muito enquanto esteve no poder, em especial surfando na boa onda da economia durante o primeiro mandato de FHC. Havia amplo apoio social ao governo em meados da década de 1990, dos bancos às classes populares, passando inclusive por importantes setores do empresariado nacional, ainda que este vivesse as agruras da exposição desenfreada, via câmbio e abertura comercial, à competição externa. Lembremos que FHC foi eleito e reeleito em primeiro turno, o que não é e nunca será pouca coisa.

É preciso reconhecer, no entanto, que o amplo apoio que FHC, PSDB e PFL tiveram naquela época não pode ser comparado ao que vimos nos últimos anos em relação ao governo Lula. Muita gente critica o lulismo, ressalta seu caráter despolitizador, aponta para o fato de que criaram-se nesses anos 30 milhões de novos consumidores, mas não 30 milhões de novos cidadãos, etc. Mas creio que nunca antes na História deste país, para usar a clássica expressão do ex-presidente, se viu um arco de forças sociais e políticas tão amplo quanto este formado nos anos petistas no poder. Talvez, e olhe lá, algo parecido tenha se dado apenas sob Vargas. Ou nem sob ele. É chover no molhado dizer isso, mas Lula teve apoio desde o sistema financeiro até as classes D e E, passando por quase toda a estrutura sindical e aliando-se amplos setores do que há de mais antigo no quadro partidário brasileiro. De fato, Lula só encontrou oposição no PSDB/PFL, nos extratos da velha classe média que estes partidos representam e nos formadores de opinião que a eles se dirigem.

Feito um lutador que prensa seu oponente nas cordas e vai lhe minando a resistência, o lulismo, pela estratégia acertada do PT e pela genialidade política de Lula, empurrou o PSDB para a direita do espectro político e social, e lá o tem confinado. Que o diga um José Serra, que teve, sim, uma militância intelectual mais à esquerda durante a ditadura militar, a fazer campanha em 2010 de braços dados com líderes religiosos ultra-conservadores e a apelar para a questão do aborto a fim de tentar tirar votos de sua então adversária.

A oposição hoje esvazia-se a passos largos, DEM e PPS são duas siglas em forte declínio e o futuro do PSDB é incerto. O que é uma temeridade para uma agremiação que desempenhou um papel bastante significativo na trajetória recente do Estado brasileiro. Goste-se ou não, o PSDB foi um partido de quadros que implementou algumas propostas relevantes para a gestão pública nacional quando foi governo. Não vou aqui fazer uma discussão de mérito, se foi bom ou se foi ruim e a que custo as coisas se deram, mas reconheça-se que foi com o PSDB no comando que se debelou  a inflação, deu-se o pontapé inicial para uma mudança cultural em relação à questão fiscal e promoveram-se reformas gerenciais que tiveram forte impacto na máquina pública. Hoje em dia, no entanto, o partido encontra dificuldade em dialogar com uma sociedade civil em rápida mutação, vive a reboque de denúncias publicadas na imprensa e suas gestões estaduais dão a impressão de não irem além de um gerencialismo monótono e burocrático. Para além disso, a legenda encontra-se às voltas com disputas internas entre suas principais lideranças, aparentemente mais focadas em suas próprias carreiras do que no partido, como noticia a imprensa cotidianamente.

A crise tucana, portanto, tem duas dimensões, se não outras: de identidade e de lideranças. De identidade porque o PSDB há muito perdeu sua aura progressista, permanece sem saber ao certo o que fazer com o legado do governo FHC e parece ter dificuldade de compreender as mudanças recentes que a sociedade brasileira vem passando. É provável que o projeto tucano de poder seja ainda aquele mesmo do início da década de 1990, ainda que o cenário mundial tenha passado por tantas transformações nestes vinte anos. O partido há tempos não formula novas ideias, algo fundamental para quem almeja retomar o comando da nação, e se vê embotado pela lógica de culpabilizar o adversário (PT) por quase tudo o que de ruim ocorre no país. Embotamento este que afeta os tucanos de cima a baixo, atingindo desde algumas de suas principais lideranças até o militante mais simples, passando ainda por alguns dos intelectuais simpáticos à sigla.

Além de ser uma crise de identidade, de falta de novas formulações, de dificuldade de dialogar com a sociedade, a crise tucana também é de lideranças. Afinal, o que cada vez mais se lê nos jornais são os desencontros entre seus principais nomes. Que se tome como exemplo a recente polêmica envolvendo FHC e Serra, já dois veteranos em termos de trajetória política. Aquele continua sendo a principal referência do partido, enquanto este parece ainda almejar a disputa da presidência da república em 2014, o que se choca com os planos de outros setores do tucanato. Aécio, tido agora como nome natural para tentar suceder Dilma, surge aos olhos do eleitor como um presidenciável que parece não saber muito bem o que quer, se vai ou se fica, se é pra agora ou pra mais tarde.

Outras lideranças, antigas ou nem tanto, parecem por sua vez não ter condições de alçar vôos nacionais. Cito Tasso, Azeredo e Dias, bem como Marconi e Richa. E aqueles que talvez tenham sido as duas lideranças mais progressistas que a legenda teve, Franco Montoro e Mário Covas, são hoje apenas História. Aliás, parecem fazer muita falta ao partido nos dias de hoje. Assim como no futebol, na política não existe o “se”, mas se ainda estivessem por aí talvez os rumos do PSDB tivessem sido outros, ou não? Diz a mitologia política brasileira que foi por causa da insistência de Covas que FHC não tornou-se ministro de Collor, o que fatalmente lhe teria custado a carreira política. Dizem os mais velhos que Montoro era um homem de diálogo, antes de mais nada.

Sem Covas e Montoro, com FHC e Serra falando idiomas diferentes, com Aécio numa postura para muitos dúbia e com as demais lideranças reduzidas a seus rincões locais, resta ao PSDB o nome de Alckmin. Que, a seu jeito, quase que um Montoro de sinal trocado, vai tentando, como diriam os marqueteiros, “reposicionar a marca” do partido. Reposicionamento à direita, mesmo. Via política do “pulso firme”, como tem sido visto nos últimos tempos e que cai tão ao gosto de uma parcela da sociedade brasileira, em especial a sociedade paulista. Quando eu ingenuamente ainda acreditava em três partidos que poderiam vir a dominar a cena política brasileira dizia-se que o PSDB era um partido em cima do muro. A experiência no poder e o lulismo que a sucedeu imprensaram o PSDB no canto direito do espectro político. Será que é lá que o partido vai permanecer daqui por diante?

Wagner Iglecias é doutor em Sociologia e professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da EACH-USP.

Leia também:

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mr. Smith

13 de fevereiro de 2012 às 22h34

Achei a análise bem interessante, serena e imparcial, mostrando pontos positivos e negativos da oposição. Mas não devemos esquecer que crise de identidade não é exclusividade do PSDB. O próprio PT vive uma nesse momento, e por que não falar também do PV, PSOL etc? Só não há crise no PMDB velho de guerra, eternamente governista, e no PSD do Senhor Kassab, que não é de direita, nem de esquerda e nem de centro, muito pelo contrário.

Responder

Pedrinho

13 de fevereiro de 2012 às 15h45

Muito bom artigo. Ponderado, busca destacar o legado do PSDB quando governo e as contradições do partido hoje como oposição. E de mais a mais ajuda a pensar o sistema politico e partidario brasileiro. Gostei.

Responder

El Gordo

13 de fevereiro de 2012 às 12h02

Com o esvaziamento ideológico do neoliberalismo e dos partidos e instituições que defendiam-no, abre-se uma janela de oportunidade raramente vista pelas alas progressistas, trabalhistas e demais pensamentos de esquerda na história política brasileira. Entretanto, a cisma entre os pequenos feudos ideológicos entre as diversas facções (dos trotskistas costeletudos aos moderados de centro-esquerda) transforma a chance de implantar um Projeto Nacional integrando desenvolvimento econômico & tecnológico com justiça social.
Mas continuamos perdendo tempo nas pequenas brigas. Lula conseguiu formar o arco de alianças porque passou 32 anos da vida dele jogando o jogo para conseguir. Quem virá depois dele para unir pensamentos tão dissonantes dentro da Esquerda? O relógio está correndo. Antes que um aventureiro lance mão….

Responder

Pedro

13 de fevereiro de 2012 às 09h24

Sem ofender a profissão do articulista, acredito que a sociologia já era.

Responder

Viscount der Goldes

13 de fevereiro de 2012 às 00h49

Partidos políticos? Onde? Não existem partidos políticos no Brasil. O que existe é um amontoado de agremiações, cada uma querendo parecer que é do lado do povo, e quando chegam ao poder, se reúnem e se amontoam aos que combatiam porque não têm maioria absoluta para aprovar os seus projetos. O que o Brasil precisa fazer urgentemente é uma reforma política, porque sem ela nenhuma reforma econômica se sustentará.

Responder

João-PR

13 de fevereiro de 2012 às 00h13

Análise muito boa, e coerente.

Eu adicionaria algo crucial sobre o PSDB:

– Não é um partido, mas sim um aglomerado de pessoas buscando interesses próprios;

– Nâo é social, pois não defende o social como bandeira e prática partidária (vide críticas ao bolsa-família como "bolsa-esmola").

– Nâo é democracia: lembram de um deputado do PSDB dizendo que ia bater no Lula? O que falar da atuação dos PMs de São Paulo, que são comandados pelo governador, ultimamente? O PSDB, ultimamente, está mais para o "fascio" de Mussolini.

– Não é brasileiro: desnacionalizou o país, e tem uma série de denúncias que pairam sobre os tucanos no livro do Amaury Ribeiro Júnior.

Responder

joão33

12 de fevereiro de 2012 às 12h41

o psdb , não é partido é quadrilha , seus seguidores são individualistas ao estremo , e se prestam a qualquer serviço , admiram os mal feitos , e tem como idolos os golpes que os graudos dão , acham que abrirão espaço dentro do partido garantindo a sua bocinha , mas não percebem que são usados e que tudo no partido é decidido previamente pela cupula e participam de um teatro , alguns estão com o partido para sentirem fazendo parte de uma elite ,vivendo de palavras vazias , pseudo -intelectuais ,inocentes uteis , com falsos valores , não são produtivos na sociedade , seus resultados são pífios e mediocres. fracassados que para sentirem bem , vivem uma farsa , enganado a si mesmo. boa parte dos membros atuantes no psdb , tem um histórico de maracutaias de toda ordem , vejam o empresário (ladrão de cargas e estelionatário )testemunha do casa da ministra da casa civil.o psdb tem muitos servidores assim é este tipo de gente que o partido precisa e atrae.

Responder

FrancoAtirador

12 de fevereiro de 2012 às 00h30

.
.
Lideranças ou chefes de quadrilhas ?
.
.

Responder

marcosomag

12 de fevereiro de 2012 às 00h18

O PSDB nunca me enganou. Sociais-democratas de verdade foram os partidos que vieram de Bernstein. Um marxismo diluído, mas marxismo. Não há nenhum traço de marxismo nos documentos inaugurais do PSDB. Mário Covas já falava em "choque de capitalismo" na campanha presidencial de 89! Sempre ví nos tucanos o velho cinismo da elite econômica do Brasil, que sempre negou ser de direita. O partido de sustentação da ditadura era o PDS: "democrático" e "social"! Teses acadêmicas já mostraram a proeminência de financistas nas executivas do PSDB desde o começo. Portanto, "torrarem" R$50 bilhões com bancos falidos sem punir nenhum banqueiro pelas falências suspeitíssimas era "caçapa cantada" em um possível governo tucano no Brasil. Sempre foi uma UDN metida a besta pois teve quadros acadêmicos importantes como figuras de proa. Sempre ví o PT como um legítimo partido social-democrata das antigas, preconizando uma espécie de "Welfare State" à brasileira. No começo, o PT negava Vargas, mas depois passou a valorizar os direitos trabalhistas do tempo do Varguismo. Os marxistas sempre foram importantes no PT, mas nunca tomaram o controle do partido. O PT ficou assim, como um PTB melhorado pois embebido no marxismo. Mas nunca um partido como os PCs europeus. Nem o italiano, e muito menos o português. Já o PL nunca teve futuro, na minha opinião. Prometia acabar com certos cartórios; e a burguesia no Brasil nunca viveu sem o Estado. O BNDES "torrando" dinheiro público em privatizações é um dos muitos exemplos que poderia dar corroborando minha tese.

Responder

Zé Carlos

11 de fevereiro de 2012 às 21h25

Agora seguem-se algumas centenas de analistas da crise tucana…sei , sei.

Este Blog já foi mais inteligente e menos óbvio.

Responder

Outro Antonio

11 de fevereiro de 2012 às 21h24

O que Wagner Iglecias esquece de falar é que o PSDB logo derrapou na pista e caiu num poço sem fundo do entreguismo e da corrupção e perdeu o rumo. Sem projeto, além da corrupção e o entreguismo, patina agora na extrema direita. Moribundo, tenta ganhar votos na porrada. Alckmin se esconde atrás de um governo infeliz que acaba com o Estado de São Paulo. A dupla Serra e Kassab idem, na Prefeitura de SP. Serra e Aécio sonham com a presidência, mas é só sonho. Fato é que estão todos nesse mesmo poço, desde Covas e mais fundo com FHC, que se entregou de vez à corrupção e ao entreguismo. É um poço sem fundo e sem volta, pois eles só querem o poder para se aproveitar do Estado e do povo brasileiro, nada mais.

Responder

Zé Carlos

11 de fevereiro de 2012 às 21h23

Apesar da tentativa,do esforço sincero, não entendi essas letras todas que formaram palavras que deveriam ter dito alguma coisa.

Analisar a "crise tucana" chega a ser cômico. Analise a crise de RG petista. Ah, sim… Não tem crise.É tudo invenção dos tucanos "enrustidos"….

Haja paciência hein!!!

Responder

Zé Carlos

11 de fevereiro de 2012 às 21h20

Será que é lá? Deve ser. Seguido religiosamente pelo PT. A diferença é que o PT é mais hipócrita. Certo?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!