José Augusto Valente: Um gol de placa

Tempo de leitura: 3 min

Governo faz gol de placa em licitação de aeroportos

José Augusto  Valente (*), via e-mail, publicado originalmente no blog do Zé Dirceu

O governo federal, contrariando todas as expectativas, inclusive a minha, conseguiu realizar com sucesso a licitação de concessão da gestão dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília. Os valores de outorga superaram em muito os pisos estabelecidos. Foi um verdadeiro gol de placa, como diz a música de Jorge Ben.

A partir da assinatura dos contratos, os consórcios vencedores iniciarão a gestão desse aeroportos, cuidando de toda a infraestrutura de carga e de passageiros, atendendo aos padrões de qualidade requeridos.

Redução significativa de filas e de tempo de espera das bagagens e ambientes limpos e confortáveis, entre outros itens, terão que ser garantidos pelos concessionários, além de um fluxo permanente de recursos em manutenção.

A Infraero tem 49% de participação em cada um desses consórcios, o que garantirá a agregação da experiência de seus funcionários, especialmente na movimentação de cargas.

Ainda assim, algumas críticas foram e continuam sendo feitas, no movimento social e na blogosfera, que penso não procederem, conforme fundamentação abaixo:

1. Privatização versus concessão

A principal crítica é de que o governo Dilma realizou a privatização dos três aeroportos.

Não é fato, já que, entre outras coisas, o patrimônio continuará sendo da União, embora sob os cuidados dos concessionários. Ao final do contrato de concessão todos os investimentos realizados reverterão para a União.

O que o governo fez foi contratar a gestão, serviços e obras desses aeroportos, na modalidade de concessão com outorga, por um período de “x” anos. Esses contratos serão remunerados não com recursos orçamentários, mas com receitas auferidas pelos concessionários.

2. As concessionárias poderão fazer o que quiserem

Não é verdade. Insisto que as empresas apenas farão a gestão e os investimentos, conforme definido no Edital. As decisões estratégicas continuarão sendo da União. Aliás, hoje já é assim.

Afinal, não temos aeroportos isolados, mas um sistema aeroportuário, que funciona de forma integrada e que continuará sob a gestão da Infraero e da Secretaria Nacional de Aviação Civil e regulado pela ANAC.

3. As concessionárias ficarão com o “filé” e a Infraero com o “osso”

Essa fala quer dizer: as concessionárias ficarão com os aeroportos lucrativos do sul-sudeste maravilha e mais Brasília enquanto que os demais aeroportos de regiões mais pobres ficarão com a Infraero.

Serão arrecadados aos cofres públicos, ao longo dos anos, cerca de R$ 24,5 bilhões. Parte desses recursos serão reinvestidos no “osso”. Outra parte terá destinações diversas.

Ainda assim, temos que pensar que esses três aeroportos são os mais demandantes de recursos orçamentários para as obras de ampliação de capacidade e modernização. Assim como os demais, que farão parte da segunda etapa de concessão. Como estes não demandarão mais recursos orçamentários, sobrará mais para o “osso”.

4. É absurdo o BNDES investir recursos públicos nesses contratos

Na minha opinião, é melhor o BNDES investir – e ter retorno financeiro, ainda que com juro menor que o mercado – nesses contratos do que todos os contribuintes o fazerem a fundo perdido.

O BNDES, ao financiar os investimentos nos aeroportos, está financiando a ampliação e melhoria de patrimônio da União, já que, em momento algum, os ativos serão propriedade das concessionárias. Além disso, continuará financiando metrô, trem urbano e outros itens de infraestrutura de elevado interesse social. Portanto, investimentos nessas concessões não impedirá ou reduzirá os investimentos sociais.

Aqueles que defendem que somente sejam utilizados recursos orçamentários para a ampliação de capacidade e modernização dos aeroportos, sem que haja retorno financeiro desses investimentos, precisam dizer com todas as letras que preferem que todos paguem – mesmo aqueles que nunca utilizarão avião em suas vidas – do que apenas os usuários do sistema.

Eu defendo que apenas os usuários do sistema aeroportuário paguem, para que sobre mais recursos orçamentários para destinação social.

O governo federal está de parabéns pela competência demonstrada nessa licitação.

(*) José Augusto Valente é engenheiro e Diretor Executivo do Portal T1 e da TV T1.

Leia também:

Francisco Xavier de Lemos, sindicalista da CUT,  sobre o mesmo assunto: “Tá cheirando mal”

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Sagarana

E a concessão da OGX, quando será que o patrimônio concedido volta para o povo? Eu nao sou neoliberal, eu nao sou neoliberal…

sebinho

A concessão dos serviços públicos em si nem é tão grave assim. O problema é que junto com a outorga vem o execrável monopólio. Os serviços públicos funcionam mal por conta do monopólio, do cartorialismo, que acaba gerando má vontade por parte do agente que presta o serviço. O usuário do serviço sempre estará diante do dilema: "é este ou nenhum". Mesmo os serviços prestados pelo Estado de forma cartorial funcionam a toque de caixa e favorecem a corrupção. É isso que tem de mudar.

Rodrigo Arriagada

O post devia estar na seção de humor do Viomundo…

    mad hatter

    huahuahuahua tmb acho, vamos aos pontos:
    1. Privatização versus concessão
    Se foi construído com dinheiro de impostos e dado para gerar lucro nos bolsos de quem pode comprar a mina de ouro faz diferença ? Ou alguem acha que a margem de lucro vai ser pequena ?
    2. As concessionárias poderão fazer o que quiserem
    Caso elas façam o que quizerem o governo vai fazer o que ? Tomar de volta ? É só olhar a qualidade das operadoras de celular, o que a agencia reguladora faz ?
    3. As concessionárias ficarão com o “filé” e a Infraero com o “osso”
    Porque não foi vendido o osso e o estado ficou com o filé ?
    4. É absurdo o BNDES investir recursos públicos nesses contratos
    Realmente é esperar demais que o capitalista empregue seu próprio capital. É por isso que a infraero ficou com 49% do negócio. Em um eventual prejuízo o governo entrará com 90% do gasto para cobrí-lo, como de praxe.

    Rodrigo

    Pra te falar a verdade, se é para acabar de uma vez por todas com a ilusão desse sistema sócio-político tô começando a me acostumar com a idéia de que tudo fique pior do que já está. O que me mata é a tentativa de certas pessoas ficarem insistindo em dizer que focinho de porco não é tomada…

marcosomag

Concordo apenas com a definição do que ocorreu. Foi concessão, e não privatização. Prédios e instalações existentes continuam do Estado. No mais, discordo em tudo. Todos conhecemos o que ocorreu nas privatizações e concessões tucanas. As concessionárias vão escantear o pessoal da Infraero, terceirizar tudo o que puderem em firmazinhas conhecidas na praça como "bocas-de-porco". As "bocas-de-porco" vão contratar uma molecada sem nenhuma experiência que vai trabalhar na base da "gambiarra", já que o que importa para as concessionárias é aumentar o faturamento a qualquer preço. As taxas de embarque vão explodir, a imprensa vai esconder as reclamações dos consumidores e a ANAC vai fazer cara de paisagem.

Pedro Cruz

Grande. Foi um verdadeiro gol de placa. Querer comparar essa concessão com as privatizações tucanas é seguir o padrão veja de jornalismo. Quem quizer continuar trabalhando na construção do nôvo Brasil tem muito trabalho. Agora, quem quizer seguir outro caminho, tem vários: Heloisa Helena (PSOL), Marina Silva e tantos outros. É a democracia. Assumam o novo caminho, vão com Deus e parem de enxer o saco.

Clavier

Onde há concessão ou privatização exite estelionato eleitoral. E para não ficar pedra sobre pedra que o diga o orçamento de 2012.
http://www.sindppd-rs.org.br/noticias/geral/2218-

e a demagogia e estelionato eleitoral
http://notaveisinotaveis.blogspot.com/2012/02/pec

João do Rio

Bom, nada se falou dos 10% sobre o faturamento de Guarulhos, 5% de Viracopos e 2% de Brasília, para aplicação nos aeroportos deficitários. Lembrando que não são só esses três privatizados que mantém os aeroportos deficitários. Outra coisa a concessão está ligada diretamente na administração interna do aeroporto e da parte comercial, a parte de controle de voos continua nas mão da Infraero e no de Brasília com a Aeronaútica, portanto a segurança de voo está preservada. Falou mas não disse tudo, omitiu muita coisa.

Gilson Raslan

Aqueles que são contra a concessão dos aeroportos são portadores de bola de cristal. Afirmam eles que os preços dos serviços vão aumentar, com reflexo, não só nos usuários dos serviços aeroportuários, mas em toda a população.
Fico pensando cá com meus botões: de onde esses profetas retiram suas previsões?

    Lucas

    Da concessão das estradas, principalmente, mas também dos trens e dos ônibus.

    Qual é a porcentagem de concessões que dão certo? Empresa privada prima o lucro, e a população paga o preço. É sempre assim, por que agora seria diferente?

Alexandro

Acho que deveríamos estar lutando para que 'todos' pudessem viajar de avião e utilizar uma tecnologia criada pelo ser humano e não para que somente os ricos continuassem a se utilizar deste serviço, mesmo que pagando 'sozinhos' por isso. É como defender que tudo bem se pobre comer ovo todo dia e rico comer picanha, desde que o rico compre a sua picanha sozinho. Kassab na festa do PT, privatação (privatização+/- concessão), tirar ministro porque a mídia mandou, prender grevista, etc. O PT morreu. Acabou. A esquerda precisa encontrar um novo partido. Eu acabo de deixar o barco, e não tenho nem bote, mas dentro deste barco eu não vou afundar. Prefiro tentar nadar (pior que eu não sei nadar!! KKK) até encontar algo pra me apoiar. O PT morreu.

    betinho2

    Você está é desembarcando do Tutanic e embarcando no PSolnic, a mesma rota, o mesmo destino, direto ao fundo…vão morrer abraçados….kkkk

    Fabio_Passos

    Exato.
    Privatizar é outra forma de tornar um serviço exclusivo…apenas para a casta que consegue pagar.

    O pt segue o caminho do psdb.

ZePovinho

Para mim,o dinheiro arrecadado não vai para "o osso".Vai para fazer superávit primário.Só acredito vendo.

Bernardino

Quero cumprimentar O BRASILEIRO,internauta,pela s colocaçoes pertinentes e acrescentar esse sr só tem VALENTE no nome é um tremendo CARA DE PAU iqual a TUCANHALA e demais PETISTAS com um linguajar EUFEMISTA.Ate as Pedras sabem que uma vez CONCEDIDO ou PRIVATIZADO nunca mais retornara ao controle Publico,haja vista A PROpaganda da MIDIA e a COOPTAÇAO dessa AGENCIAS Vagabundas todas a serviço da RAPOSA em detrimento dos pintinhos consumidores .
NADA MAIS TRAIRA E COVARDE que Esquerdista no PODER brasileiro,Aí incluidos PSDB,PT e demais PCs.
Às vezes um centrista ou mesmo de outro partido tem mais patriotismo e carater que a Bandidagem Esquerdista!!!!!!!!!!!!!É so CONFERIR!!!!!!!!

Francisco Nogueira

Vamos ser práticos, o governo tem 49%, logo minoria, logo é privatição. Que seja só dos serviços, vá lá. Querem se distanciar desta palavra como se fosse um palavrão. Vejo com bons olhos o leilão.
Temos um exemplo no Rio que foi a privatização da operação dos trens urbanos: está uma porcaria. Mas transporte de massa ferroviário é deficitário. No caso dos aeroportos, contrariamente, tem grandes chances de dar certo.

Celso Junqueira

Concessão é privatização por um determinado período de tempo. Mas não há dúvida que o que foi feito nos anos FHC foi muito mais danoso ao país do que o que foi feito agora.

Rasec

O Nassif fez três considerações positivas e diferenciadoras: o ágio, o financiamento do BNDES que será feito para investimento e não para compra como foi quando da privataria tucana e a questão de que o dinheiro arrecadado será utilizado em aeroportos menores. Hoje ele traz uma crítica pertinente: as agências reguladoras que são tomadas por pessoas do setor que elas deveriam fiscalizar. E alerta a presidenta Dilma sobre a cobrança que deve ser feita junto às concessionárias, e diretamente por ela, presidenta. Caso isso não ocorra, uma fiscalização e cobrança dessas concessões pela presidenta, corre-se o risco de termos mais do mesmo e aí caberiam todas as críticas!
Isso é que é jornalismo!

    Patrick

    Muito pertinente seu comentário Rasec, visto que realmente e muito mais importante fazer críticas construtivas, como a do Nassif, de que a Presidenta Dilma tem que fiscalizar e cobrar das concessionárias resultados de melhoria no setor para o povo, do que apenas ficar se limitando a criticar a medida da Presidenta com viés ideológico, como vem fazendo alguns sectários ultimamente.
    Abraço

Apolônio

Cuba tem um processo semelhante há algum tempo com os hoteis e resorts, das cadeias espanholas e francesas. O governo disponibiliza o terreno, que é do estado, a empresa estrangeira constroi o hotel ou resort, explora para dar o devido lucro, e, estes são divididos 50% para a rede hotelera e 50% para o Estado Cubano.

    Carlos Malaquias

    Sim, mas Cuba é um Estado privado de recursos por razões que todos conhecemos; e, diferente do Brasil, não destina 40% do orçamento para pagamento de juros.

Eudes H. Travassos

Então todos os debates que fizemos sobre a privatização tucana, passa, simplesmente, pela questão comercial, nada tem mais a ver com uma concepção ideológica?
O que está lá no fundinho deste poço é o fato de o Estado ter que reconhecer como novo e peomeiro princípio a mercantilização deste que outrora era um serviço público. A classe média que andava antes de avião macaqueando as classes superiores, começaram a torcer o nariz quando a nova classe média e a classe C começaram a abndar tambem, com a mercatilização deste serviço, será que os custos vão continuar o mesmo?
Ou, será que em nome do lucro, vão reformar tambem os novos preços, tarifas…etc?
Bem, foi isso que aconteceu com o setore energético, com as teles e outros serviços estratégicos, ou não foi?

Carlos Cruz

Pois é, o (des)governo petista entrega os aeroportos (quanto se gastaria para construir, urbanizar, instalar, etc?) o patrimonio público e ainda, com nosso dinheiro, empresta, a juros módicos, o dinheiro para "modernizar" sua instalações…Dinheiro que não existe para outras coisas, como saúde, educação, segurança, modernização do Estado (cada dia mais defasado…), etc. Alguns vão escrever que o dinheiro do BNDES não é do estado, que é um banco de "desenvolvimento", etc, esquecendo-se que é um banco oficial, seus recursos vem do estado, nem que seja com o aumento da dívida pública, etc. Dinheiro para a iniciativa privada tem, mas para o povão, ah o povão(!), … Saudade do Brizola!

wille

"Redução significativa de filas e de tempo de espera das bagagens e ambientes limpos e confortáveis, entre outros itens, terão que ser garantidos pelos concessionários, além de um fluxo permanente de recursos em manutenção."

Pago pra ver! Acho que já vi essa história antes…

O_Brasileiro

Uma coisa é certa com essas privatizações, ou "concessões", dos aeroportos: o PT vai perder de qualquer jeito!
Se os aeroportos funcionarem melhor privatizados, o PSDB e a mídia terão vencido uma batalha ideológica que lhes renderá muitos ganhos políticos, e o PT ainda será criticado por não ter privatizado os demais aeroportos!
Se os aeroportos privatizados forem mal geridos, o PT será acusado pela esquerda de ter "embarcado numa canoa furada" que sabidamente não funciona, que é a privatização, que visa só os lucros, e não a melhoria dos serviços.
Só os ingênuos petistas ainda caem no conto da eficiência das privatizações!
As estradas paulistas, por exemplo, já eram boas quando eram geridas pelo Estado, ou seja, antes de serem privatizadas. As concessionárias só fizeram lucrar com o que já era bom!
O exemplo da Supervia, no RJ, mostrado em outro post, é mais um exemplo de que as privatizações são baseadas em falácias!
As concessionárias não farão nada nos aeroportos além do que faria a Infraero, exceto dar um jeito de ter mais lucro!

    Douglas

    Disseste tudo e mais um pouco. Agora , quer queira ou não , a oposição vai tripudiar.

    helio filho

    A oposicao vai eh se esborrachar se falar muito no tema das Privatizacoes.
    Vao tem que por toneladas de concreto em cima do telhado de vidro deles.
    Vai ser engracado.

    Carlos Cruz

    Amanha!
    Esta toda a esperança
    Por menor que pareça
    Existe e é pra vicejar
    Amanhã
    Apesar de hoje…

    A luminosidade
    Alheia a qualque vontade
    Há de imperar!
    Há de imperar!

    Mesmo que uns não queiram
    Será de outros que esperam
    Ver o dia raiar
    Amanhã!

    (Guilherme Arantes)

    JOSE DANTAS

    O governo não poderá se pautar em suas realizações apenas pela possibilidade de obter ganhos políticos, como se o País fosse propriedade sua e devesse estar a serviço de seus interesses.
    Essa é uma visão aparentemente influenciada pelo fanatismo político que, como os demais, acaba distorcendo a realidade ao redor de qualquer coisa.
    Se o governo acertar, como tudo indica que vai acontecer, ganhará seus dividendos políticos e se errar pagará pelo seu pecado, porém é muito provável que os serviços aeroportuários fiquem pior que estão, poderão ficar mais caros.

JOSE DANTAS

Foi a matéria mais realista que vi nesse tró-ló-ló aeroportuário. O autor dá um banho de coerência e lucidez a respeito do assunto como um todo, de maneira até supérflua, digamos assim, pois a defesa que fez da concessão, poderia ser resumida apenas nos dois parágrafos abaixo:

"Aqueles que defendem que somente sejam utilizados recursos orçamentários para a ampliação de capacidade e modernização dos aeroportos, sem que haja retorno financeiro desses investimentos, precisam dizer com todas as letras que preferem que todos paguem – mesmo aqueles que nunca utilizarão avião em suas vidas – do que apenas os usuários do sistema.

Eu defendo que apenas os usuários do sistema aeroportuário paguem, para que sobre mais recursos orçamentários para destinação social."

Agora, se vai dar certo ou não, só quem tem bola de cristal pode saber. Como ninguém tem, existe apenas uma certeza: como está, mesmo sem copa, não é uma boa.

Celso

Como estava ficando mais barato viajar de avião do que de carro (pedágio, gasolina), esses grupos aproveitaram a ocasião e vão deixar tudo muito caro. São empresas interligadas que tem interesses na concesssão de pedágios, serviços de transportes e assim por diante. É o mesmo caso do aumento do IPI para os carros importados, que estavam corrigindo os abusos dos preços internos. A falácia do governo foi de que essas importações estavam exportando empregos. Na verdade, a redução de preços em qualquer setor acaba reduzindo também a arrecadação fiscal . O estado é sócio nos preços altos e ineficiência.

EUNAOSABIA

Esse senhor é do PSDB ou do DEM?

francisco.latorre

os picaretas do tucanismo querem comparar vender a vale por três bi. a vale. ourobrás. três bi.

e alugar os aeroportos. por vinte quatro bi.

pra ficar no detalhe.

..

os trouxas. de sempre.

vão nessa. alegremente.

que dúvida?..

..

    Patrick

    De fato, Francisco, não tem nem comparação a privatização(venda) da Vale do Rio Doce por apenas R$3,3 bilhões(sendo que a mesma estava estimada em R$ 90 bilhões!), pelo (des)governo FHC, com a concessão(que NÃO É privatização, pois o patrimonio não esta sendo vendido) de R$ 24 bilhões dos aeroportos por parte do governo Dilma.

Fabio_Passos

Puxa!

José Augusto Valente e Luiz Carlos Mendonça de Barros comemoram o golaço:
Gooooooooolll
É do Bra-zil-zil-zil!

É uma goleada.
Privatas 10 x 0 Brasil

"
O mais importante desse leilão é que ele marca a volta da privatização como instrumento legítimo e eficiente para aumentar os investimentos na infraestrutura
(…)
A lógica intrínseca dos contratos de concessão é a mesma [do governo FHC]: um grupo privado, explorando os serviços comercialmente segundo seus objetivos de eficiência e lucratividade…
"
Luiz Carlos Mendonça de Barros – pau-mandado do "mercado" – privateiro de fhc

Samuel Velasco

"Eu defendo que apenas os usuários do sistema aeroportuário paguem, para que sobre mais recursos orçamentários para destinação social."

E só quem viaja de avião vai sentir os custos? Por acaso ninguém usa Sedex ou outro tipo de transporte de encomendas rápido? E o escritório que utilizar estes serviços que são mediados pelos aeroportos não repassará os custos adicionais aos clientes? Uma série de serviços utilizados pela grande maioria da população brasileira passa pela mediação dos aeroportos. Aumento de custo resultará em aumento de preço do produto/serviço final, que será sentido no bolso inclusive de quem nunca pôs os pés num avião. Ou será que o José Augusto acha que só paga pedágio quem tem carro também? O transporte de cargas entre os municípios não têm seu custo aumentado?

Ou o José Augusto é de uma cegueira econômica singular ou é mal intencionado.

    Fabio_Passos

    Impressionante.
    São argumentos similares ao que repetiam mendonça de barros, gustavo franco, persio arida, andré lara rezende, elena landau e pedro malan entre outros durante o desgoverno fhc.

    JOSE DANTAS

    Amigo,
    Apesar de não possuir essa estatística, SEDEX não combina com maioria. Basta você observar quantos veículos existem fazendo esse serviço e compará-los com a quantidade de ônibus urbanos existentes em cada cidade.
    Os serviços precisam andar pelas mãos de quem é remunerado e cobrado para executá-los e não por quem só pensa em bater o ponto e botar cara feia pra cima do usuário.
    Além do mais, continuamos donos enquanto concessão, diferentemente da venda de papel passado, como no caso das privatizações tucanas.

    Samuel Velasco

    José Dantas,
    O SEDEX foi apenas um dos múltiplos exemplos possíveis. O PAC (Encomenda Normal), dependendo do destino também faz uso do sistema aeroportuário, como por exemplo, de Manaus pra São Paulo e vice-versa.
    O sistema de encomendas rápidas é utilizado pelos brasileiros também de forma indireta, por exemplo, na solicitação de alguns documentos federais (que só são emitidos em determinadas cidades, e remetidos posteriormente para a cidade origem do pedido) este tipo de serviço é indispensável, e provavelmente, será encarecido.
    Por que afirmo que estes serviços serão encarecidos? Por causa não só do provável aumento das tarifas efetuadas nos aeroportos, mas também devido ao encarecimento do seguro.
    O histórico das privatizações têm demonstrado que ocorrem várias vicissitudes:

    1) Aumento das tarifas.
    2) Queda da qualidade dos serviços oferecidos.
    3) Precarização do trabalho, terceirização, quarteirização, pentarização, etc.

    O que realmente preocupa na privatização de um aeroporto é a queda na qualidade dos serviços oferecidos, que acaba por encarecer o seguro. Por conseguinte, encarece tudo. Quando encarece o seguro, todos os serviços que não podem prescindir do mesmo, como o transporte de encomendas/cargas, é afetado visceralmente. O custo será repassado ao consumidor final, que pode ser alguém que nunca andou de avião. Simples assim.

    Agora, reparei na sua última frase. Noto que alguns defensores da privatização dos aeroportos já falam em "privatizações tucanas" e "privatizações petistas", estabelecendo uma distinção entre ambas. Este é um fenômeno muito novo, e surpreendente. Quem imaginaria algo assim? Quer dizer que os partidários do PT já admitem que há um tipo de privatização característica do partido? Quer dizer que agora privatização é bandeira? As implicações deste novo discurso são, de fato, curiosas.

    JOSE DANTAS

    Samuel,
    Eu até concordo com você que haja um aumento nas tarifas praticadas pelos serviços aeroportuários, agora, você a princípio me parece bastante esclarecido para não entender a enorme diferença entre as concessões praticadas no governo Dilma e as privatizações do governo tucano.
    Eu não sou político, muito menos petista e nem tucano. Sou um cidadão comum, como milhões de outros e é nessa condição que concordo inteiramente com o autor do texto, porque me parece a opinião mais lúcida já emitida neste espaço.
    Grande abraço,

    Samuel Velasco

    José Dantas,
    No comentário anterior falei de Manaus e me esqueci de um ponto central: os produtos eletrônicos produzidos ou montados na Zona Franca de Manaus necessariamente são transportados utilizando o sistema aeroportuário. Um eventual encarecimento no transporte destes produtos (seja por aumento de tarifas ou de seguro) prejudicará quem não faz uso direto dos aeroportos.

    Alfredo

    Boa parte dos produtos produzidos em Manaus utiliza a cabotagem

Rasec

Que milagre foi esse o jornalista esquerdista (psol?) pôr uma opinião favorável à concessão?
Tá gostei!

    Luiz Carlos Azenha

    Que bom…

    Carlos Cruz

    Que terrível…

    Fabio_Passos

    Aqui no Vi o Mundo também tem o post em que o fhc faz uma defesa muito contundente da privataria dos aeroportos:

    "FHC: Dilma desmistifica as privatizações" http://www.viomundo.com.br/politica/fhc-dilma-des

    É muito interessante.
    Não deixe de assitir.

    Lucas

    Interessante usar o termo "esquerdista" para se referir ao PSOL. Pelo menos reconhece que o PT não é mais de esquerda.

Sindicalista compara concessão de aeroportos ao sistema elétrico: “Tá cheirando mal” | Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] José Augusto Valente, sobre o mesmo assunto: Foi um gol de placa   […]

Deixe seu comentário

Leia também