VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

As promessas de Doria de que seria prefeito até 2020

13 de março de 2018 às 16h35

Relembre as promessas de Doria de que cumpriria quatro anos de mandato

do RicMais

Após um ano e três meses à frente da Prefeitura de São Paulo, João Doria (PSDB) anunciou, na segunda-feira (12), que deixará o cargo para concorrer ao governo do estado.

Nesse período, as afirmações do tucano sobre suas intenções eleitorais foram se alterando.

Confira algumas declarações do agora futuro ex-prefeito da maior cidade do país.

16. set. 2016 — “Eu, João Doria, comprometo-me a cumprir integralmente meu mandato nos anos de 2017, 2018, 2019 e 2020 caso seja eleito prefeito da cidade de São Paulo em 2016”. Em carta assinada ao Catraca Livre

21.set. 2016 — “Serei prefeito por quatro anos e sem reeleição. Não há necessidade. Deixar oportunidade para outras pessoas, oxigenar o partido.” Afirmação à TV Globo

3. out. 2016 — “Não quero reeleição. Vou cumprir meu mandato de quatro anos sem reeleição, eu acho muito ruim ser eleito pensando em se reeleger.” Ao jornal Estado de S. Paulo

4. out. 2016 — “Fico [quatro anos]. Vou prefeitar. E não vou disputar reeleição. Espero que na próxima reforma política, talvez, ela acabe. A reeleição se mostrou nociva à política brasileira. Declaração à Folha de S.Paulo

7. out. 2016 — “Eu fui eleito para ser prefeito da cidade de São Paulo e vou ser prefeito quatro anos e sem reeleição, porque eu sou contra a reeleição”. Afirmação à Rede TV

16. dez. 2016 — “Não estou preocupado com a próxima eleição, estou preocupado com a administração, com a gestão da prefeitura de São Paulo. São quatro anos de desafio e eu não sou candidato a reeleição”. Fala à IstoÉ

6.mar. 2017 — “Sou prefeito, fui eleito para ser prefeito e vou prefeitar. Tenho ouvido muito essas perguntas, mas fui eleito para ser prefeito de São Paulo e tenho que ser aquilo pelo qual fui designado. Essa é minha responsabilidade”. “Meu candidato à presidência da república é Geraldo Alckmin [governador de São Paulo pelo PSDB]”. À rádio Jovem Pan

10.mar. 2017 – “Fui eleito para ser prefeito e vou prefeitar pelos quatro anos. Trabalhando em dobro como estamos fazendo, quatro anos vão significar oito, está muito bom”. Em palestra para associações de bairros nobres da cidade, no auditório do Mube (Museu Brasileiro da Escultura), no Jardim Europa

6 de abril de 2017 — “Fui eleito para cumprir quatro anos em São Paulo, esse é o meu desafio. A melhor contribuição que posso dar à democracia é ser um bom prefeito”. À Rádio Gaúcha

9.set.2017 — “Não é hora disso ainda. É hora da gente cuidar da administração. Ele (Geraldo Alckmin) da gestão no governo do Estado de São Paulo e eu na gestão recém-iniciada na prefeitura de São Paulo.” Entrevista concedida no programa Raul Gil, do SBT

28. dez. 2017 – “Não há razão para incerteza. Eu fui eleito prefeito para cumprir o meu mandato por quatro anos. Até dezembro de 2020 serei o prefeito da cidade de São Paulo”.  À Folha de S.Paulo

1º. jan. 2018 – “Volto a dizer o que tinha afirmado, minha decisão é ser prefeito, cumprir meu mandato, agir com eficiência. Estamos focados, o time é bom, tenho orgulho, nosso vice-prefeito também cumprindo sua função. Esse é nosso foco. Não tenho nenhuma perspectiva de candidatura. O foco é a cidade de São Paulo”. À rádio Jovem Pan

23.jan.2018 – “Sou filho das prévias, mas fico na prefeitura”. Em Davos, na Suíça, durante Fórum Econômico Mundial. À Folha

26.fev.2018 – “Aqui não há nenhum problema se o prefeito adoecer ou não estiver presente. A cidade anda, as funções públicas também. As responsabilidades estão preservadas por um time unido e comprometido.” À Folha de S.Paulo

12.mar.2018‪ – “Pessoal, não posso negar essa importante convocação. A maioria absoluta dos representantes e lideranças do meu partido fez esse chamado.” Em página pessoal no Facebook.

Fonte: Folhapress

Leia também:

Carone: Como estão roubando o nióbio brasileiro

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

Um comentário escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

FrancoAtirador

14/03/2018 - 13h55

.
.
Sem Problemas.
Quem votou no Candidato a Prefeito
também Votou no Vice.
Não é?
.
.

Responder

Deixe uma resposta