VIOMUNDO

Diário da Resistência


Temer quer vender distribuidora de energia de Rondônia por 50 mil reais, denuncia engenheiro
Política

Temer quer vender distribuidora de energia de Rondônia por 50 mil reais, denuncia engenheiro


26/02/2018 - 20h57

Governo pretende privatizar distribuidora de energia elétrica por R$50 mil

por Camila Marins, da Fisenge, a Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros

“A Ceron é um patrimônio do povo de Rondônia e do Brasil”, afirmou o engenheiro e diretor do Sindicato dos Engenheiros no Estado de Rondônia (Senge-RO), José Ezequiel Ramos, durante audiência pública, realizada no dia 22/2, em Porto Velho (RO).

O evento faz parte do processo de desestatização das empresas distribuidoras da Eletrobras.

Na ocasião, estiveram presentes representantes da empresa, do Ministério de Minas e Energia (MME) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A Ceron é uma das empresas no pacote de privatizações, entre outras distribuidoras, como Cepisa, Ceal, Eletroacre, Boa Vista Energia e Amazonas Distribuidora.

A Ceron atende a 52 municípios e, de acordo com Ezequiel, é responsável também por levar energia elétrica a comunidades ribeirinhas e quilombolas.

“A Ceron desempenha uma função social importantíssima para o estado e para o país. Além de levar energia a comunidades mais pobres, também garante programas sociais como o Luz para Todos, atendendo, inclusive, a algumas regiões do Mato Grosso, cuja concessionária estadual é a Energisa, uma empresa privada, que não tem tido a disposição de levar energia para locais não rentáveis de Mato Grosso, sendo essa responsabilidade, em alguns casos, transferida para a Ceron”, afirmou.

Em 1º de novembro de 2016 foi emitido pelo Governo Federal o Decreto nº 8.893, definindo como prioridade nacional, no âmbito do PPI, a Desestatização das 6 (seis) Empresas de Distribuição da Eletrobras, designando o BNDES como responsável pelo processo de desestatização.

Durante a audiência pública, representantes do BNDES e da empresa afirmaram que a Ceron acumula uma dívida de milhões de reais e, como justificativa de cobertura desse déficit, seria preciso privatizar.

“Nas exposições afirmaram que a empresa é deficitária e seu valor de venda seria de R$50 mil reais. Precisamos lembrar que essa dívida é fruto de gestões passadas e também do atraso no repasse de fundos setoriais, como por exemplo atraso no repasse do CCC (Conta de Compensação de Combustível)”, contou o engenheiro.

A Ceron conta com cerca de 750 trabalhadores e, de acordo com Ezequiel, há um faturamento mensal de aproximadamente R$ 120 milhões.

Francisco Kelvin Nobre, integrante da coordenação estadual do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), afirmou que existe uma decisão política do governo de privatizar a empresa, independentemente dos argumentos.

“Não é justo que vendam a empresa por R$50 mil. É patrimônio brasileiro construído por trabalhadores. Haverá aumento na tarifa e o povo vai pagar a conta”, pontuou.

Segundo Ezequiel, a modelagem econômica apresentada parte de um equívoco, ao considerar que uma empresa pública tem de ser medida por seu balanço contábil.

“Nos relatórios não está compatibilizada a contribuição da Ceron em colocar energia e infraestrutura nesse estado. É uma vergonha ter uma empresa desse quilate oferecida a R$50 mil. Nesse tipo de conta, nós vamos pagar. Não é essa conta que se faz com uma empresa pública, e sim quanto ela devolve para a sociedade. A Ceron devolve energia, insumo fundamental para fixar as famílias nessa parte da Amazônia”, ratificou.

Tensão

A audiência pública foi marcada por tensão desde o início. Isso porque na entrada havia um forte esquema de segurança para dificultar a entrada de manifestantes.

A audiência, marcada para 13h, demorou mais de uma hora para iniciar.

De acordo com Ezequiel, só era permitida a entrada de um grupo de 5 pessoas por vez.

“Mesmo com o atraso de uma hora, ainda havia uma fila de trabalhadores para entrar. Quando os representantes do governo decidiram iniciar com o plenário esvaziado, nós ocupamos a mesa para garantir a entrada de todas as pessoas”, contou.

Nesse momento, as pessoas que conseguiram entrar no plenário gritaram “audiência pública sem povo é farsa”.

Após o início da audiência e das apresentações dos representantes do governo, os participantes entenderam que aquele espaço não era uma audiência pública para consultar o povo, mas para legitimar a venda da Ceron por R$50 mil.

“Ouvimos muitos argumentos e todas as audiências são para legitimar esse projeto e acelerar a privatização. Nós, do MAB, vamos nos retirar dessa audiência. Quem for a favor da privatização, fica. Quem for contrário, sai. Água e energia não são mercadoria”, bradou Francisco Kelvin.

Nesse momento, os presentes se retiraram da audiência, esvaziando o plenário da audiência, em uma clara demonstração de que são contra a privatização da Ceron.

Resistência

Apesar das insistentes tentativas de validação da proposta de privatização da empresa, os sindicatos, os movimentos sociais e o conjunto de trabalhadores estão empenhados em uma agenda de resistência à privatização das distribuidoras.

Dentre as iniciativas estão campanhas de combate à privatização, manifestações, paralisações e atuação em frentes parlamentares junto ao Congresso Nacional.

“A Ceron é um instrumento de política pública para distribuição de energia elétrica para a população. A privatização, além de aumentar a conta de luz, poderá provocar apagões e demissões. A engenharia tem papel central na formulação e execução de políticas públicas para a sociedade”, finalizou Ezequiel.

Leia também:

Dilma: Temer entrega à Boeing mais um pedaço da soberania nacional

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Arthur

27 de fevereiro de 2018 às 17h27

Porra, 50 mil até eu consigo comprar! Apesar que, conhecendo o desgoverno Temer, vai sair ainda mais barato que isso!

Responder

Julio Silveira

27 de fevereiro de 2018 às 10h34

É que Rondonia é um estado com pouco peso na federação, principalmente midiatico. Por isso essa indecencia de doar um patrimonio publico camuflado de venda. A sabe-se lá quem e sabe-se lá quais serão os beneficios ocultos que trarão para o fortalecimento dessas máfias que tomaram de assalto o Brasil para torná-lo Brazil. Essas que estão fazendo do povo do país um povo amansado, dócil, para todas as falcatruas que apresentam. Deve ser devido a alcançada por eles perspectiva de que esse país não tem jeito. Rsrsrs.

Responder

Nelson

26 de fevereiro de 2018 às 23h23

Collor iniciou a introdução definitiva do Brasil no neoliberalismo. Porém, ficou no meio do caminho e não terminou sua tarefa.

Então, Fernando Henrique Cardoso foi chamado para continuar o serviço sujo. Como não poderia ser diferente, o neoliberalismo foi aplicado por FHC com doses cavalares de corrupção, corrupção generalizada, desde os parlamentos, passando pela mídia empresarial, até chegar ao Judiciário. Ainda assim, o “Farol de Alexandria” não conseguiu entregar a encomenda toda ao FMI/Banco Mundial, leia-se países ricos, Estados Unidos à frente.

Veio, então, a turma do PT que, se reduziu em muito o ritmo de privatizações, ainda assim não deixou de faze-las, para alegria dos neoliberais. Boa parte das privatizações petistas passaram a ser chamadas de concessões.

E, então, veio o golpe de Estado, aplicado, entre outras razões, por causa da exagerada parcimônia da turma do PT em entregar o patrimônio público. Assim, a banda podre de Temer e do Congresso Nacional tem agora o compromisso de terminar, em definitivo, o serviço sujo: deixar o povo brasileiro, a nação, sem patrimônio e sem riquezas. Para gáudio do FMI/Banco Mundial [países ricos e mega capital privado].

Responder

Nelson

26 de fevereiro de 2018 às 23h05

Bem amigo. Nenhuma novidade, pois este é o projeto; foi para isso que se deu o golpe. Todo o patrimônio e todas as riquezas pertencentes ao povo brasileiro têm que ser repassadas para as mãos dos endinheirados, para o controle de grandes corporações privadas. Alguma coisa vai acabar parando nas mãos de empresas estatais chinesas ou de outro país qualquer, mas a maior parte será endereçada ao mega capital privado.

Esta é, creio, a principal tarefa atribuída à banda podre, de corruptos, do Temer e do Congresso Nacional.

Lembrando que eles estão com a faca no bucho. Ou entregam tudo à turma do topo da pirâmide ou serão chamados na Justiça pelos corruptos Sérgio Moro e seus procuradores – que teriam sido enviados pelo Criador para nos redimir da corrupção [sic].

Responder

Deixe uma resposta