VIOMUNDO

Diário da Resistência


Rillo é quase agredido por Barros Munhoz por defender animais e menor jornada de trabalho para enfermeiros; veja vídeo
Reprodução de vídeo
Política Repolitizando 19/07/2018 - 16h03

Rillo é quase agredido por Barros Munhoz por defender animais e menor jornada de trabalho para enfermeiros; veja vídeo


Por João Paulo Rillo

DEPUTADO RILLO QUASE É AGREDIDO AO DEFENDER PLs QUE DEFENDE ANIMAIS E DIMINUI JORNADA DE TRABALHADORES

por João Paulo Rillo*

Projetos importantes estão praticamente parados na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) por conta de interesses eleitorais e pessoais.

Nessa quarta-feira (18/07), fui quase agredido pelo deputado Barros Munhoz (PSB) por defender dois projetos.

Um deles diminui para 30 horas a jornada de trabalho de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, uma luta antiga da categoria.

O outro –projeto de lei 31/2018 –proíbe a exportação de gado vivo para fins de abate no estado de São Paulo, para acabar com maus tratos.

Esse projeto envolve aspectos para além da crueldade inadmissível com os animais e do impacto econômico para os pequenos produtores.

É um reflexo da precarização de nossas exportações, nos remetendo a um estágio próximo ao do período colonial.

A nossa indústria desmantelada, atingida frontalmente por uma política de favorecimento aos interesses internacionais e pela atuação militante de setores do judiciário nas investigações de corrupção, cerra as portas, fecha postos de trabalhos mais qualificados, cancela pesquisas, restando, como opção, a exportação de matéria prima, com pouco valor agregado, pouco tributo recolhido, empregando uma mão de obra barata e para a qual se requer pouca qualificação.

É o cenário perfeito para a parte da elite ignorante que apoia Michel Temer, odeia cultura, educação e ciência e tem ódio de quem gosta.

A exportação de gado vivo é apenas mais uma das evidências desta inversão do processo de desenvolvimento. O mesmo movimento de desestruturação da indústria nacional está no vértice da greve dos caminhoneiros, sequer superada.

Em 2017, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), já tínhamos aumentado em 25% o volume de compras externas de derivados de petróleo, comparando-se ao ano anterior. Esta ampliação foi resultado de um recuo nas atividades da Petrobras, que tem quase 100% da capacidade de refino do Brasil e funciona com 68% de sua capacidade.

Pela lógica torta da política de preços adotada para agradar com maior rentabilidade os grandes acionistas, abrimos espaço para a concorrência, adotando uma política de preços atrelada aos do mercado internacional. O resultado são os reajustes constantes nas bombas, no gás de cozinha, o impacto no transporte rodoviário de carga e os consequentes aume tos de preços dos alimentos, materiais de construção etc.

Na comercialização de outro produto brasileiro, no qual figuramos como o maior exportador, também seguimos a mesma receita, apesar do nosso protagonismo no setor.

Entre abril de 2017 e março de 2018, a exportação do café brasileiro atingiu 30,58 milhões de sacas. Porém, segundo o Relatório Mensal de março 2018, do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil – Cecafé, do total exportado, 27,14 milhões de sacas eram de café verde e 3,44 milhões, de café industrializado (3,42 milhões de café solúvel e 21,33 mil de café torrado e moído).

Comparado com dez anos atrás, o país retrocedeu e as exportações representam menos riquezas. Em 2007, as vendas de manufaturados alcançaram US$ 83,9 bilhões e representaram 52% das exportações do país.

Em 2017, foram US$ 3,7 bilhões menores (US$ 80,2 bilhões), 37% do total. Representando ainda uma parcela pequena da atividade no porto, apenas 3% de todo operacional que passa por ali, segundo o último balanço contábil da Companhia das Docas de São Sebastião, a venda de gado vivo só é bom negócio para os pecuaristas e para os importadores e indústrias frigoríficas que adquirem nosso rebanho.

Para o país, no entanto, é um péssimo negócio. Dono do segundo maior rebanho bovino do mundo — atrás apenas da Índia, onde o animal é sagrado —, o Brasil exporta carne a US$ 4,2 mil a tonelada. Pelo boi vivo, os países pagam a metade — US$ 2,1 mil a tonelada.

Sobram argumentos contra a exportação de animais vivos, especificamente, e, numa avaliação mais ampla, a toda a política econômica de Temer, de subserviência a interesses restritos e, muitas vezes, estrangeiros. Países como Israel, Austrália proibiram exportações semelhantes e o Reino Unido, com a saída de União Europeia, retoma as discussões.

A nós, deputados, cabe o aprofundamento do debate e, com responsabilidade, adotar um posicionamento contrário ao sofrimento e maus-tratos dos animais e a favor de um país capaz de recuperar a dignidade e orgulho que o caminho do desenvolvimento com justiça social pode oferecer. É isto ou, como diria Chico Buarque, “essa terra ainda vai cumprir seu ideal. Vai se tornar um império colonial”.

 

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.