VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Paulo Nogueira: Times e Post recusaram o material que o Wikileaks publicou


02/03/2013 - 16h38

O primeiro dia do julgamento de Bradley Manning é devastador para a imagem da mídia americana

por Paulo Nogueira, no Diário do Centro do Mundo 

“Comprovado: Bradley Manning é heroi”.

Foi essa a reação imediata do cineasta Michael Moore quando foi revelado no primeiro dia de seu julgamento em corte marcial o recruta Manning admitiu oficialmente ter feito os aqueles célebres vazamentos para o Wikileaks. Entre os vazamentos o destaque foi o vídeo do helicópteto Apache a partir do qual, por engano, soldados americanos mataram civis iraquianos.

Manning aceitou dez das 22 acusações, mas negou a principal delas: ter ajudado o inimigo. É um crime passível de prisão perpétua. As acusações que ele admitiu podem lhe dar 20 anos de cadeia. Mas ainda haverá muitos movimentos. A promotoria deve insistir na tese de que o inimigo foi ajudado.

Com os vazamentos, afirmou, seu objetivo foi “estimular o debate público” entre os americanos sobre a política externa de seu país.

O objetivo foi amplamente alcançado, como se pode ver. E ultrapassado, uma vez que o debate rompeu as fronteiras americanas e ganhou o mundo.

O depoimento de Manning no primeiro dia do tardio julgamento – iniciado depois de mil dias de prisão – trouxe revelações sensacionais sobre o jornalismo que se faz hoje nas grandes corporações de mídia.

Antes de entregar o material ao Wikileaks, Manning fez o percurso clássico.

Tentou o New York Times. Ninguém o ouviu. Tentou o Washington Post. Nada. Tentou o Wikileaks. E foi feita história.

A mídia americana já começa a debater este fiasco extraordinário.

Manning é um heroi, como disse Michael Moore. Ajudou a ver um dos horrores do mundo contemporâneo, a Guerra do Iraque.

E Assange também é, por ter publicado os documentos valiosíssimos que o Times e o Post desprezaram.

Leia também:

John Pilger: A perseguição a Assange é um insulto ao jornalismo

Assange: EUA precisam parar de perseguir aqueles que revelam os seus crimes secretos

Daniel Ellsberg: A vergonhosa violência contra Bradley Manning

A caça a Julian Assange, via redes sociais

Chris Hedges: Orwell estava certo. Huxley, também

Pepe Escobar: O imperador afia os instrumentos de tortura

Assange: Fascina ver os tentáculos da elite americana corrupta

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



39 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mauro Santayana: Espionagem e o cinismo de Barack Obama - Viomundo - O que você não vê na mídia

15 de junho de 2013 às 16h09

[…] Paulo Nogueira: Times e Post recusaram o material que o Wikileaks publicou […]

Responder

Apavorado por Vírus e Bactérias

04 de março de 2013 às 16h34

Manning, vou rezar por você, uma alma boa entre loucos sedentos por sangue e assassinos covardes.

Responder

Apavorado por Vírus e Bactérias

04 de março de 2013 às 16h33

Os ianques continuam assassinos sem lei. Massacram os mais fracos e vulneráveis. Queria ver esses idiotas enfrentarem outras potências. Se borrariam. Manning está sendo julgado por não concordar com assassinatos e torturas dos covardes e malucos norteamericanos. Viva Manning. Que apareçam outros milhares como ele.

Responder

Berenice

04 de março de 2013 às 15h24

O judiciário amerikkkano só pode acusar o Manning de “ajudar o inimigo” porque a transparência sobre as ações dos EUA revela o teor sociopata da sua guerra suja. O Manning tá lutando contra a distorção judiciária.

E tem gente que ainda diz que o NYTimes é o jornal mais livre do mundo! hahaha hahaha só quem fez jornalismo na PUC mesmo.

Responder

adao silva

04 de março de 2013 às 14h51

Os donos da liberdade de expressão no mundo não podem ouvir falar de si mesmos, pensa se fosse mulsumano esse eis soldado americado…já estava GUANTANAMO……..

Responder

anac

04 de março de 2013 às 11h27

Sem guardar proporção nenhuma, é como se um militar da tropa de elite SS de Hitler de posse de material comprobatório do extermínio dos judeus, ciganos, homossexuais na câmaras de gás dos campos de concentração ao tentar divulgar a barbárie ao mundo fosse punido com a tortura acusado de traidor dos interesses da Alemanha nazista. E o mundo aplaude a punição.

Responder

anac

04 de março de 2013 às 11h17

Agora é com a internet e seus blogs sujos.
Otário quem acredita no PiG daqui e de alhures.
E ainda se arvoram em defensores da liberdade de expressão.
Entretanto ainda acho justificável a atitude deles que não querem prejudicar a imagem imaculada do império no mundo. Não entendo é a impostura do PiG que conspira diuturnamente contra o Brasil. Aliás, entendo, são traidores que se vendem por 30 moedas. A historia esta cheia dessa corja e vcs sabem como ela acaba…

Responder

Zequinha

04 de março de 2013 às 09h07

O que os senhores Willian e lulipe acham da liberdade de imprensa em Saturno? otários!

Responder

    anac

    04 de março de 2013 às 11h30

    Rola bosta não acha, enfim, não pensa. É mandado e segue script.

Mardones

04 de março de 2013 às 08h45

E o Oscar vai para…?

The New York Times.

Responder

Roberto Locatelli

04 de março de 2013 às 06h31

A bloQueira cubana passeia pelo mundo, lépida e faceira, com seu notebook debaixo do braço, metendo o pau em Cuba. Depois, volta para Cuba e pega seu filho que ela deixou na creche do governo.

Bradley Manning denunciou assassinatos cometidos por seu país, COM PROVAS. E está preso, tendo ficado em isolamento um ano, o que é proibido pelas convenções internacionais. A acusação é de “atividades antiamericanas”.

O jornalista Julian Assange denunciou – e continua denunciando – os crimes cometidos pelos EUA, COM PROVAS. Está cercado pela polícia há quase um ano, na embaixada do Equador em Londres. Só para lembrar: o governo da Inglaterra é aliado dos EUA e o governo do Equador é aliado de Cuba.

E os eua querem dar lição de moral em Cuba?

Responder

Luís Carlos

03 de março de 2013 às 23h13

E depois falam em imprensa livre? Esta grande mídia está “presa” eocnomica e ideologicamente. Ela está presa aos interesses dela. Manning para Nobel da Paz!

Responder

    Roberto Locatelli

    04 de março de 2013 às 06h34

    Eu apoio! Nobel da Paz para um VERDADEIRO heroi estadunidense.

lulipe

03 de março de 2013 às 17h52

O que você acha da liberdade de imprensa em Cuba, Locatelli???

Responder

    Abel

    03 de março de 2013 às 23h34

    Não sabia que tinham prendido a Yoani (ah, mas se prenderem a tchurma do Instituto Millenium manda soltar ;)…

    Elvys

    04 de março de 2013 às 17h06

    A tal “blogueira” de Cuba? Ou a primeira banguela cubana em pelo menos 40 anos?

    Nelson

    04 de março de 2013 às 14h21

    Não seria apenas escapismo da sua parte, Sr Lulipe, citar Cuba no meio do imbroglio Governo dos EUA x Bradley Manning?

    Afinal, não são os governos dos EUA e da Europa Ocidental, ditos civilizados, que vivem a cobrar democracia, respeito aos direitos humanos e liberdade de expressão do Iran, Venezuela, Cuba…?

    Não é o governo dos EUA que deve explicações sobre a prisão, se julgamento, de Manning?
    Não é a “livre imprensa” dos EUA que deve explicações por ter sonegado informações a seu povo?

    Ajude-nos, Sr Lulipe, com respostas a estas perguntas. Talvez, nós venhamos a ter um pouquinho de fé na tal de democracia “made in USA”.

Fernando Garcia

03 de março de 2013 às 10h54

A história de Manning é impressionante e informar-se sobre o assunto nos dá subsídios para entendermos uma séries de coisas sobre as estruturas de poder que nos cercam. No entanto, me parece sintomático que ao mesmo tempo que somos rápidos e afiados em apontar a barbárie perpetrada pelo império, não o somos para criticar a nossa contribuição para a barbárie.

No famoso vídeo, vemos soldados no Apache fuzilando suas vítimas… no “próximo vídeo” veremos inocentes, no Afeganistão, fuzilados pelos Super Tucanos que neste momento vendemos ao império por uns 800 milhões de reais. E não poderemos nem disfarçar, uma vez que as aeronaves foram compradas exatamente para esta finalidade.

Percebo ainda a hipocrisia que cerca a questão um vez que em relação a Manning pouco podemos fazer. No máximo podemos apoiar os americanos, e são muitos, que lutam a favor do soldado. Mas em relação aos Super Tucanos poderíamos ter nos organizado dede o início para evitar sua venda. Somos agora colaboradores do terror de Estado perpetrado pelos americanos (os Estadunidenses, como parece ser o mais correto).

Responder

clodoaldo

03 de março de 2013 às 00h40

E a nossa mídia (PIG) ainda fala em censura na Venezuela; que ordinários.

Responder

    Roberto Locatelli

    04 de março de 2013 às 06h40

    Pois é clodoaldo. Na Venezuela, os jornais chamam o Presidente Chávez de “mono” – macaco – pois não o perdoam por ele não ser branco. O governo venezuelano não os pune, mas o povo da Venezuela, ao ver essa barbaridade, percebe claramente a que interesses esses jornais servem.

Francisco

02 de março de 2013 às 21h18

Hollywood terá “autorização” para refilmar “Todos os homens do presidente”?

Como será o fim do filme se os heróis da pátria da imprensa livre estiverem na cadeia por praticar “liberadde de expressão”?

Responder

    Roberto Locatelli

    04 de março de 2013 às 11h34

    Vixe, sensacional esse comentário!!

Roberto Locatelli

02 de março de 2013 às 20h23

Bradley Manning, preso, é mais livre do que um estadunidense típico, cuja consciência está presa aos parâmetros impostos pelo imperialismo.

Responder

    Willian

    03 de março de 2013 às 11h12

    Frase de efeito, dita para impressionar a claque. O que dizer da consiciência de um cubano então, Locatelli??rs

    Americano bom é americano anti-americano…rs

    Católico bom é aquele que contra o catolicismo…rs

    Conservador bom é aquele da base do governo…rs

    Jotage

    03 de março de 2013 às 18h41

    Willian.
    Você acredita que o mesmo tratamento tem que ser dado à Yoani?

    Abel

    03 de março de 2013 às 23h35

    E capacho bom é aquele que tira os sapatos quando chega num aeroporto dos Estados Unidos, né william?

Fabio Passos

02 de março de 2013 às 20h09

E ainda ha quem acredite na “democracia ocidental”
O nome do regime e: ditadura capitalista. Tiranetes corporativos destruindo a humanidade e o planeta.
A midia-lixo-corporativa e a maquina de propaganda do regime.
E Manning e um heroi

Responder

    Roberto Locatelli

    04 de março de 2013 às 11h36

    Pois é, Fabio. PIG lá, PIG aqui.

    Longa vida ao Wikileaks!

    Liberdade para Bradley Manning!

Marat

02 de março de 2013 às 19h39

As palavrinhas “ética”, “cidadania”, “respeito”, “solidariedade”, “democracia” etc., nas bocas das autoridades estadunidenses não passam de retórica, eufemismo ou mesmo embuste. Eles são pilantras, assassinos, ladrões, manipuladores etc., etc., etc., e adoram se passar por bonzinhos e democráticos. Lógico que seus filmes, suas religiões, seu idioma, suas músicas etc., disseminados loucamente pelo mundo faz a cabeça de muita gente, mas, quem pensa um pouquinho mais, quem é um tiquinho de nada mais crítico, percebe a hipocrisia e a vilania daque sombrio país!

Responder

Urbano

02 de março de 2013 às 18h43

Nos dias atuais, a mídia se nivelou por baixo. Já foi bem melhor na época do, também herói, Daniel Ellsberg que passou as degradantes mentiras e tergiversações contidas em milhares de documentos sobre a guerra do Vietnã. Já o modus operandi das guerras continua tal qual.

Responder

Valcir Barsanulfo

02 de março de 2013 às 18h36

É sempre assim, os donos da liberade, xerifes do mundo, usam e abusam de sua prepotência.
Só é legal o que os Yankes acham que é legal.

Responder

renato

02 de março de 2013 às 18h29

Os soldados americanos mataram por engano?
D`onde?
Acham que soldados, montdo num helicoptero com armas até
os dentes, não iam querem, num país dominado, dar uns tirinhos
só para ver o tombo, e fazer parte das conversas de bar quando
voltassem. Está de brincadeira.
Este rapaz, é o supra sumo da Verdade. Algo que anda por aí como
o vento.

Responder

Jair de Souza

02 de março de 2013 às 18h14

Só recordando aos que ainda não viram, que no documentário que ainda está sendo anunciado aqui em Viomundo, aparece a cena do monstruoso massacre de civis iraquianos pelos mariners estadunidenses. Não concordo com a menção de que tenha sido por engano; assim como não concordo com o uso do adjetivo “americano” para referir-se aos gringos. O apropriado é “estadunidense”. Em “A guerra que você não vê”, de John Pilger, também se encontra parte da entrevista reveladora que o autor fez a Julian Assange. Quem ainda não viu não sabe o que está perdendo.

Responder

    Roberto Locatelli

    02 de março de 2013 às 20h39

    Exatamente, Jair, estadunidense!

    Quando os estadunidenses dizem “I’m American”, poderíamos responder: eu também sou, pois nasci na América do Sul.
    Se ele responder “Ok, I’m North American”, a resposta é: México, Canadá e EUA ficam na América do Norte. Os nascidos nesses países são norte-americanos.
    Então ele talvez diga: “Ok, I give up. I was born in USA”. Então explique a ele que, em bom português, ele é ESTADUNIDENSE. Em inglês, uma sugestão é “US man” ou “US woman”.

    Berenice

    04 de março de 2013 às 15h39

    Acho apropriado para dizer que foi “por engano”. Acho difícil aceitar um ataque daquela magnitude sendo um “engano”. É claro que então um engano deles não precisa ser investigado.

Julio Silveira

02 de março de 2013 às 18h12

A midia corporativa mundial reza pela mesma biblia e com o mesmo terço da midia corporativa nacional. Agem por interesses meramente economicos. Iludem-se os que pensam existir altruismo por trás dos detentores de poder, dentro desses grupos. Interesse publico fica longe. O interesse principal é a mesquinha e particular precepção distorcida das lideranças destes impérios de que são porta vozes de seus interesses e dos associados neles. Que é seu o direito de escolha sobre o pensamento e as opiniões alheias. E fazem tudo isso com o firme propósito de se manterem dominadores e poderosos sobre mentes que, para eles, valem sómente para chegar a seus propósitos.

Responder

Isidoro Guedes

02 de março de 2013 às 17h54

Esse rapaz fez um bem enorme para a humanidade, revelando as sujeiras que o seu país promove mundo afora sob o manto da “defesa da liberdade” (a liberdade deles, claro, de continuar dominando e tutelando povos e Nações). Que esse império mequetrefe continue a ruir e que a verdadeira liberdade possa avançar na consciência dos povos…

Responder

PT aprova resolução: “Democratização da mída é urgente e inadiável” « Viomundo – O que você não vê na mídia

02 de março de 2013 às 17h47

[…] Paulo Nogueira: Times e Post recusaram o material que o Wikileaks publicou […]

Responder

Nelson

02 de março de 2013 às 16h49

Está provado: imprensa livre é outra coisa.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.