VIOMUNDO

Diário da Resistência


Gilberto Maringoni: Chávez será mito que faz
Falatório Política

Gilberto Maringoni: Chávez será mito que faz


09/03/2013 - 12h29

Chávez, mito que faz!

Desaparecimento de Hugo Chávez, mesmo para os que o combatem, representa um acontecimento de primeira grandeza na política continental. No dia de sua morte, mesmo a grande imprensa venezuelana o tratou com respeito, coisa que alguns analistas midiáticos brasileiros não tiveram o equilíbrio de fazer. Por Gilberto Maringoni

Gilberto Maringoni, em Carta Maior

Hugo Chávez surgiu na cena política como um personagem atípico, num momento atípico.

Seu desaparecimento, mesmo para os que o combatem, representa um acontecimento de primeira grandeza na política continental. No dia de sua morte, mesmo a grande imprensa venezuelana o tratou com respeito, coisa que alguns analistas midiáticos brasileiros não tiveram o equilíbrio de fazer.

A vida política do ex-tenente-coronel nunca foi fácil.

Quando irrompe no cenário de forma abrupta, tentando derrubar um governo desacreditado, em 1992, a resolução última dos problemas políticos estava assegurada pelo livro O fim da história e o último homem, do sociólogo norte-americano Francis Fukuyama. Sua tese principal era a de que o capitalismo e a democracia liberal representam o ápice da passagem da humanidade pela Terra.

Não haveria espaço para qualquer alternativa ao receituário vigente, tanto no terreno da política, quanto no da economia. Possíveis mudanças sociais seriam, dali por diante, gradativas e sem sobressaltos de monta.

O livro ganhou manchetes e Fukuyama tornou-se celebridade instantânea.

A utopia desutopizada

Dois anos depois, quando Chávez era anistiado por sua ação, o mundo político latino-americano discutia o novo sucesso na praça. Era o recém lançado A utopia desarmada, do cientista político mexicano Jorge Castañeda, posteriormente Secretário de Relações Internacionais do governo conservador de Vicente Fox (2000-2006). Nela, o autor escreveu que

“A (…) idéia de revolução, durante décadas crucial para o pensamento radical latino-americano, perdeu seu significado. (…) A ideia de revolução murchou porque seu resultado tornou-se indesejável ou inimaginável”.

Publicados simultaneamente em vários países, os livros fizeram a festa dos setores conservadores e de parcela da esquerda que transitou para a direita. Ali estavam sistematizadas uma suposta teoria e uma justificativa racional para a implantação das doutrinas ultraliberais, que possibilitariam um transformismo sem culpas de setores outrora progressistas. Revolução tornara-se um conceito banido não apenas da pauta política, mas dos estudos acadêmicos.

Chávez teve vários méritos, entre eles, o da ousadia. Pode-se não gostar dele, de sua eloqüência abrasiva e de suas opções políticas. Mas não se pode desdenhar sua imensa capacidade de surpreender.

Quando chegou ao palácio de Miraflores, em janeiro de 1999, revolução era um conceito tido como obsoleto. A queda do muro de Berlim, em 1989, a derrota eleitoral dos sandinistas na Nicarágua, em 1990, o desmanche da União Soviética, em 1991, e a supremacia do modelo neoliberal em quase todo o mundo, acuaram as forças que pregavam mudanças na ordem social. A própria idéia de revolução, no sentido de uma transformação radical da realidade, foi colocada em xeque.

Desconheço o alcance das perorações de Fukuyama e Castañeda na Venezuela de duas décadas atrás. Mas a audácia presidencial foi exibida não apenas em seus atos iniciais, mas ao recolocar na agenda política a palavra maldita. Revolução foi um tema central na ofensiva desencadeada a partir de Miraflores, o palácio de governo. Trata-se de uma luta política e ideológica de envergadura, como se dizia em outros tempos.

Memória e esquecimento

Poucos se lembram hoje de quem eram esses arautos de um determinismo às avessas, que decretava não haver mais mudanças no rito pré-traçado pela economia de mercado.

E mais: ao ver as convulsões sociais e políticas que tomam conta de Portugal, Grécia, Itália, Espanha e outras partes da Europa, não há como não rir de sentenças como a do ex-presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso de que viveríamos nos anos 1990 um “novo Renascimento”.

Chávez não apenas recuperou conceitos – como revolução e socialismo – mas os transformou em ações concretas. Aos que reclamam de seu estilo muitas vezes exagerado, convém olhar para o outro lado, para os exageros do cataclismo social que as administrações “responsáveis” levaram a Venezuela nos anos 1980-90.

Chávez é fruto do descontentamento, da insatisfação, da raiva e do inconformismo popular. São sentimentos profundos, assim como é a legitimidade por ele adquirida ao longo dos anos.

A direita venezuelana não entendeu isso num primeiro momento e achou que o tiraria do poder com um golpe de mão, em 2002. Não apenas não o removeu, como fortaleceu sua presença na cena pública.

Avis rara

O Comandante foi de início um animal exótico. Não fazia parte de uma geração de líderes com talha semelhante. Não era como Fidel, que cresceu na cena internacional do pós-Guerra, na esteira dos movimentos de libertação nacional. Ali se criaram as condições para o aparecimento de dirigentes terceiro-mundistas como Gamal Abdel Nasser, Ahmad Ben Bella, Nelson Mandela, Patrice Lumumba, Samora Machel, Agostinho Neto e outros. Fidel, fruto da mesma ninhada histórica, é talvez o mais brilhante de todos, mas um entre os demais.

A ninhada de Chávez – uma vaga política antiliberal, para usarmos um termo mais douto – apareceu depois dele e muito por causa dele. Embora tenham personalidade própria, Lula, Evo Morales, Rafael Corea, Cristina Kirchner e Pepe Mujica mostram que a Venezuela deu a largada para uma nova quadra histórica continental.

Ao ganhar as eleições em 1998, o venezuelano foi tido como produto exótico de um país que se considerava uma excepcionalidade na América Latina, por força de sua economia solidamente ancorada na renda petroleira.

O que era exceção tornou-se uma tendência que tem mostrado notável fôlego político.

Chavismo do século 21

A pergunta que fica é se haverá um chavismo sem Chávez. Melhor dizendo: as transformações sociais e políticas na Venezuela continuarão sem a presença de seu líder em um país historicamente dependente de um único produto, o petróleo?

Seu primeiro teste será o desempenho de Nicolás Maduro nas eleições que devem ocorrer dentro de um mês. Sua vitória, para a continuidade do chavismo, precisará não apenas acontecer, mas a diferença de votos com seu opositor será o termômetro dos rumos futuros.

Em termos pessoais, Maduro demonstrou como parlamentar e ministro das Relações Exteriores ter capacidade de sobra para assumir o comando. Ele não é Chávez e não há ninguém na Venezuela que possa ombrear-se. Mas a vida seguirá e Maduro terá a tarefa imensa de se legitimar num ambiente pressionado por urgências de toda ordem.

Chávez está liberado para se tornar mito. Mas também será um mito excepcional, um mito concreto e palpável, muito diverso das criações da metafísica, por sua influência decisiva e possivelmente longa no futuro venezuelano.

Chávez, tudo indica, também será um mito exótico. Chávez será mito que faz.

Leia também:

Martín Granovsky: Nicolás Maduro, o preferido de Brasil e Argentina

Rodrigo Vianna: Chávez, multidão vermelha faz história

Lula: “Se a figura pública morre sem deixar ideais, legado chega ao fim”

Eric Nepomuceno: À Venezuela o que era de Chávez

Stedile: O povo da América Latina perde um construtor de ideais, nos fará falta

“O diabo esteve aqui ontem”

O impacto da perda de Chávez para a diplomacia brasileira

Antonio Lassance: A hora e a vez de Hugo Chávez





15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

O mundo perde Mandela, símbolo da luta pela liberdade e igualdade racial - Viomundo - O que você não vê na mídia

06 de dezembro de 2013 às 07h24

[…] Bono desafia Lula: Vamos fazer juntos um Bolsa Família planetário Gilberto Maringoni: Chávez será mito que faz […]

Responder

Martín Granovsky: Nicolás Maduro, o preferido de Brasil e Argentina « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de março de 2013 às 20h50

[…] Gilberto Maringoni: Chávez será mito que faz […]

Responder

FrancoAtirador

10 de março de 2013 às 19h26

.
.

“Hemos roto el maleficio de la traición de la pátria!

Y romperemos el maleficio de la derrota e de la regresion!”

(Nicolas Maduro, em discurso no funeral de Hugo Chávez)

Por Fred.KG, no Luis Nassif OnLine

Vale assisti-lo completamente,
más destaco o inspirado trecho
entre 6:35 e 16:00 minutos:

http://www.youtube.com/watch?v=Q7aZ7ooqHWw

Responder

Julio Silveira

10 de março de 2013 às 15h28

Falar mal sobre a imprensa brasileira, a corporativa, e chover no molhado.
Por que ela haveria de respeitar o Chaves? Ela não respeita lideres nacionais! que fizeram diferença em prol da cidadania! que atuaram ao lado do povão!. “Nossa” “imprensa” é medíocre e preconceituosa. Tem sim uma indulgente auto visão, completamente distorcida da realidade. Se vêm como porta vozes dos remanescentes da nobreza. De um grupo social destinado ao domínio e ao comando das massas, como por destinação divina. Vieram e fazem parte de um grupo social que sempre se viu diferente da maioria. Que atribuiu as mudanças mais as suas concessões, menos que foram retirada a forceps pelos movimentos sociais e por seus principais lideres, mais a atos de generosidade e menos ao reconhecendo do mérito dos fatos, da necessidade por trás das conquistas. Esse turma acha-se em um patamar superior. Por mais que utilizem discursos politicamente corretos, eles estarão impregnados de preconceito como facilmente constatamos nos atos falho, onde escapa a verdade que vagueia por seus pensamentos mais recônditos. Essa naturalidade, com que encaram as contradições, é o fruto de uma retrograda cultura ancestral, adquirida e que vem se transferindo, quer como parte em negar a igualdade, quer como parte de não aceitar de fato na conquista democratica transformadora. Mesmo aquele brasileiro mais simples, quando alcança o sucesso, tende a ser levado de roldão, e acreditar que teve mais sorte e fortuna que mérito próprio nas conquistas sociais. Essa visão, convenientemente conservada é estimulada. Ela serve para manter o povo na ignorância, aberto a perpetuação da funesta consequência de não reconhecer seus méritos e aceitar mais passivamente a perversidade intrínseca do método.

Responder

Bernardino

10 de março de 2013 às 11h15

FAÇO minhas suas palavras FABIO PASSOS,porem a nossas esquerdas estao se tornando pior que a direitona neste país.No intuito de agradar a dita burguesia fica fazendo politcas de concessao e desoneraçao de impostos que so beneficiam o capital.REformas pra valer ate agora NADA!!O que fez um engenheiro o sr METRI postar um comentario cujo titulo:PT administra a DEPENDENCIA.È bom ler!!

Voces notaram que o sr LULA e D Dilma nao foram aplaudidos,nem notados no Velorio do Comandante chavez,PASSARAM em branco suas presenças ate pq os venezuelanos foram politizados e sabem verdadeiramente que é de ESQUERDA.Na linha de frente da homenagens estavam:CUBA,Evo Morales,CRIStina e a estrela ARMADHINEJAD que veio de longe homenagear o GUERREIRO!Ate o CHILENO DIREITISTA sr PiNEDO foi e esperou ate o fim as homenagens o que faz crer que PSEUDOESQUERDISTAS e CALÇAS FROUXAS nao iriam se sair bem em volorio de um GUERREIRO o que se aplica ao PT e toda Esqierda Brasileira que alias morrem de medo da IMPRENSA BANDIDA que temos e dos EUA por isso ate agora nao fizeram a lei dos Medios nem farão!!MINO no seu artigo elogiando CHAVEZ disse: MAIS da metade dos meios de comunicaçao da VRNEZUELA sao PUBLIOS e isso se deve a CHAVEZ que peitou MIDIA Corrupta e manipuladora de LÁ logo apos o golpe fracassado e disse mais o PT é mulher de MALANDRO adora APANHAR!!
Haja saco pra aguentar essa CULTURA PORTUGUESA,COVARDE,CORRUPTA E ANTPATRIOTA!!!!

Responder

Vivianne

10 de março de 2013 às 00h06

Visão, ideal, coração, coragem. Este é Chavez. Maringoni, vc se expressa sempre com serenidade e compromisso com a verdade histórica. Por isso acompanho sempre seu pensamento.

Responder

m.a.p

09 de março de 2013 às 19h28

Prezado jornalista
A meu juizo alem de seus inumeros predicados o presidente Chaves teve uma enorme sorte, ou ajuda do Destino, ou seja pela primeira vez na Historia, por um capricho do destino os atos dos golpistas ficaram registrados para a posteridade no documentario ” a revolução não sera televisionada.
As digitais dos canalhas ficaram registradas para sempre!

Responder

beto

09 de março de 2013 às 17h46

che, chaves, fidel, morales, cristina, lula, dilma, mujica …
a américa latina é´pródiga
despertou realmente?
continuará no caminho que a levará a condição de plena soberania?
acho que sim
eles não consiguirão apagar um mito como apagaram carlos marighela, símbolo máximo da luta democrática brasileira,
sabe por que?
hoje tem a internet

Responder

renato

09 de março de 2013 às 15h22

Aguardem, e verão o que é revolução.
Os pobres não aguentam mais. E já
entenderam algo.

Responder

Willian

09 de março de 2013 às 12h53

Por que a esquerda precisa tanto de mitos, de líderes carismáticos???

Responder

    Joanna

    09 de março de 2013 às 20h47

    A ESQUERDA NÃO PRECISA DE MITOS. ELA OS TEM, POIS OS “MITOS” SÃO AQUELES QUE TIRAM O POVO DA ESCURIDÃO. E SÓ A ESQUERDA É CAPAZ DISSO.

    Caracol

    10 de março de 2013 às 16h13

    Ah, isso não, Joanna! A direita também tem mitos: tem a Mula-sem cabeça, o Saci, o Curupira, o Boitatá, o Tucano-bolinha, o Esqueçam-o-que-falei…

Fabio Passos

09 de março de 2013 às 12h43

Chavez e um exemplo positivo para todos os povos oprimidos por “elites” incompetentes, atrasadas e entreguistas.
Sem duvida temos muito o que aprender e muito o que seguir de seu legado aqui no Brasil.

Responder

    Hélio Pereira

    10 de março de 2013 às 14h26

    É isto ai Fábio!


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding