VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Emir Sader: O dedo do Lula


03/06/2012 - 16h50

Blog do Emir Sader

A sociedade brasileira teve sempre a discriminação como um dos seus pilares. A escravidão, que desqualificava, ao mesmo tempo, os negros e o trabalho – atividade de uma raça considerada inferior – foi constitutiva do Brasil, como economia, como estratificação social e como ideologia.

Uma sociedade que nunca foi majoritariamente branca, teve sempre como ideologia dominante a da elite branca.  Sempre os brancos presidiram o país, ocuparam os cargos mais importantes nas FFAA, nos bancos, nos ministérios, na direção das grandes empresas, na mídia, na direção dos clubes – em todos os lugares em que se concentra o poder na sociedade.

A elite paulista representa melhor do que qualquer outro setor, esse ranço racista. Nunca assimilaram a Revoluçao de 30, menos ainda o governo do Getúlio. Foram derrotados sistematicamente pelo Getúlio e pelos candidatos que ele apoiou. Atribuíam essa derrota aos “marmiteiros”- expressão depreciativa que a direita tinha para os trabalhadores, uma forma explícita de preconceito de classe.

A ideologia separatista de 1932 – que considerava São Paulo “a locomotiva da nação”, o setor dinâmico e trabalhador, que arrastava os vagões preguiçosos e atrasados dos outros estados – nunca deixou de ser o sentimento dominante da elite paulista em relação ao resto do Brasil. Os trabalhadores imigrantes, que construíram a riqueza de Sao Paulo, eram todos “baianos” ou “cabeças chatas”, trabalhadores que sobreviviam morando nas construções – como o personagem que comia gilete, da música do Vinicius e do Carlos Lira, cantada pelo Ari Toledo, com o sugestivo nome de pau-de-arara, outra denominação para os imigrantes nordestinos em Sao Paulo.

A elite paulista foi protagonista essencial nas marchas das senhoras com a igreja e a mídia, que prepararam o clima para o golpe militar e o apoiaram, incluindo o mesmo tipo de campanha de 1932, com doações de joias e outros bens para a “salvação do Brasil”- de que os militares da ditadura eram os agentes salvadores.

Terminada a ditadura, tiveram que conviver com o Lula como líder popular e o Partido dos Trabalhadores, para o qual canalizaram seu ódio de classe e seu racismo. Lula é o personagem preferencial desses sentimentos, porque sintetiza os aspectos que a elite paulista mais detesta: nordestino, não branco, operário, esquerdista, líder popular.

Não bastasse sua imagem de nordestino, de trabalhador, sua linguagem, seu caráter, está sua mão: Lula perdeu um dedo não em um jet-sky, mas na máquina, como operário metalúrgico, em um dos tantos acidentes de trabalho cotidianos, produto da super exploração dos trabalhadores. O dedo de uma mão de operário, acostumado a produzir, a trabalhar na máquina, a viver do seu próprio trabalho, a lutar, a resistir, a organizar os trabalhadores, a batalhar por seus interesses. Está inscrito no corpo do Lula, nos seus gestos, nas suas mãos, sua origem de classe. É insuportável para o racismo da elite paulista.

Essa elite racista teve que conviver com o sucesso dos governos Lula, depois do fracasso do seu queridinho – FHC, que saiu enxotado da presidência – e da sua sucessora, a Dilma. Tem que conviver com a ascensão social dos trabalhadores, dos nordestinos, dos não brancos, da vitória da esquerda, do PT, do Lula, do povo.

O ódio a Lula é um ódio de classe, vem do profundo da burguesia paulista e de setores de classe média que assumem os valores dessa burguesia. O anti-petismo é expressão disso. Os tucanos são sua representação política.

Da discriminação, do racismo, do pânico diante das ascensão das classes populares, do seu desalojo da direção do Estado, que sempre tinham exercido sem contrapontos. Os Cansei, a mídia paulista, os moradores dos Jardins, os adeptos do FHC, do Serra, do Gilmar, dos otavinhos – derrotados, desesperados, racistas, decadentes.

Blog do Emir Sader, sociólogo e cientista, mestre em Filosofia Política e doutor em Ciência Política pela USP

Leia também:

Eric Nepomuceno: O que há por trás de um jornal chamado Clarín

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



150 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Apavorado por Vírus e Bactérias

17 de junho de 2012 às 15h09

Os antipetistas e favoráveis ao Pai Padim Irimão do Santo Aborto no Chile e ao Maluf existem aos borbotões, até nas classes menos favorecidas de aposentados que ganham benefício do INSS de um salário. As cabeças foram formatadas para acreditarem nesses picaretas brancos.
Os da classe média ficam incomodados de verem os pobres de carro novo, de geladeira nova. Nossa, como essa gente consegue. Estão entupindo São Paulo com seus carros, fazendo barbaridades no trânsito. E o que vão guardar nas geladeiras? O PIG e os boatos através dos patrões e dos formadores de opinião são os grandes veículos de penetração dos preconceitos. É que o pensamento crítico não é para qualquer um. A pessoa precisa aprender a pensar. Poucos têm esse dom no DNA.

Responder

Ubiratan

16 de junho de 2012 às 15h25

que bobagem querer desmerecer São Paulo no seculo XXI, São Paulo é o maior estado nordestino do Brasil acolheu milhões de migrantes, deu oportunidades para todos e vocês ficam querendo fazer uma guerra interna nessa altura do campeonato???
E só para registrar graças ao dedo perdido o Lula recebe aposentadoria e nunca trabalhou na vida

Responder

    Paulo

    17 de junho de 2012 às 12h20

    Taí a prova do quanto este artigo é pertinente.
    Olha o conentário acima deste troll paulista(?).
    Meu caro, acho que quem nunca trabalhou de verdade foi você.
    Quem trabalha constrói. Seu papo destrói.
    Seu papo é de uma ignorância proposital e patológica, pois rechaça qualquer razão factual.

José da Mota

14 de junho de 2012 às 16h45

Quem somos nós Emir Sader, uns agradecidos, por ouvi-lo dizer verdades óbvias da elite paulista que um dia à todos com seus valores ludibriou. De Chapéus panamás, leques de seda chinesa, tecidos finos, bengalas, cremas, penteados, Loja Gama e a Loja Marques. Relógios Cartier, Rolex, Channel, ternos feitos sob encomendas por alfaiates renomados; são exemplos desse áureo tempo que marca a historia de quem se iludiu com São Paulo, por vaidade.
Fingindo não ver, ou mesmo não se conscientizando para ver, o são Paulo de negros carregando malas nas portas dos hoteis, engraxates em suas bancas estrategicamente espalhadas pela cidade e nordestinos em canteiros de obras. São Paulo não de brasileiros, mas dessa elite de paulistas, paulistanos, que não do país Brasil, mas do país São Paulo. Por bengalas finas e importadas, Chapéus panamás, relógios Cartier e Rolex. VIrando um fantoche, um rico pobre com distinção de doutor que um dia sonhou que este mundo, da elite paulista, era o melhor e o futuro, de todos. Um letrado de verbos fáceis que conviveu por sobrevivência com pomposos jantares com essa elite, que agora, o acorda e você os repugna. Cursou e discursou em suas universidades em época que ainda acreditava em mudar o mundo, na utopia. E vem aqui depois de tantos sapos engolidos para ser alguém desta elite que ilusóriamente um dia achou que fosse o bem, dizer-nos que ela é o mal, que não façamos parte dele porque ela nunca vai mudar.
Aind que Lula viesse sem nordeste, com dedos, doutourados e phds, sempre seria Lula. Um sem pedigree, da Elite paulista.
Porque Elite paulista joga polo, tem mordomos, define os rumos da economia ou, a demissão ou não dos operários em seus bancos e fábricas caso a política do governo que mais de meia-dúzia come em suas mãos, não lhes agrade. Derrotar a elite paulista é o mesmo que derrotar o preconceito e vice-versa, quem vem primeiro?
Alguns de sua elite política opocicionista, PSDBista, chega ao cúmulo do absurdo de fazer chacota, desdenhar, de um dos estados mais importantes do Brasil, Minas Gerais, e de um de seus políticos de maior importância para qualquer partido nacional, Aécio Neves.
É… Emir Sader, perdoe-me a ousadia, esse simples brasileiro semi-analfabeto não se conteve e por pura emoção de seu texto mergulhou sem domínio em assunto tão sério, ousou ser por alguns breves minutos, ao menos na indignação, seu par, só não em saudosismo por que nao sou paulistano com seu avanço de tempo, mas senti sua decepção por ainda nao termos conseguido mudar quase nada no mundo, quiçá em grande parte da Elite Paulista.
José da Mota Leite Neto

Responder

ROQUE

14 de junho de 2012 às 16h01

REALMENTE TODAS AS ELITES CHEGARAM A TAL, PISANDO E DEIXANDO OS POVOS EM TOTAL DESGRAÇA, DESPROVIDOS DE EDUCAÇÃO, SAÚDE, DIGNIDADE, COMIDA, FORÇAS PARA ENFRENTA-LOS E POR AI VAI. SEMPRE HAVERÃO OS QUE FALARÃO UM MONTÃO DE ASNEIRA ( BOSTA ), PRA ESCONDEREM SUAS IRAS POR TEREM VISTO E TEREM QUE MORRER SABENDO QUE AQUELE A QUEM TANTO DESPREZAVAM, HOJE COLOCOU O PAÍS EM CONDIÇÕES DE DAR-LHES MAIS DO QUE SEMPRE TIVERAM E SEM JOGAR ISSO NAS SUAS CARAS DESLAMBIDAS E CORRUPTAS.
QUEM DE FATO É BURRO? OS QUE SEMPRE FIZERAM A MESMA COISA, ESPERANDO RESULTADOS DIFERENTES, OU O LULA QUE FEZ COISAS DIFERENTES?

Responder

Rogério Bezerra

10 de junho de 2012 às 23h19

Este texto fala o que penso.
Penso ainda, que o fracasso dos doutores do Brasil está estampado.
Precisamos que viesse um cabra do nordeste para refundar nossa República. Resgatando, ou melhor, criando, dignidade no Brasil.
Meus clientes adoravam dizer que tinham dupla cidadania. Escondiam o passaporte “verde” brasileiro em capas de couro escuras. Preferiam o “vinho” da comunidade européia.

Nossa doente elite criou filhos, em sua maioria, medíocres (esses Suplas…)
Onde estão os filhinhos dos ricos, dos doutores?
Trabalhando para bancos estrangeiros! Ajudando a perpetuar o saque do Brasil!
Estudam nas Federais e nunca agradecem pela universidade gratuita para eles, mas paga pelo povo.
Arrotam estrangeirismo, mas ganham sua grana aqui roubando governos e trabalhadores com minimíssimos salários.
Acabo de vir de Porto Alegre e nas rádios do meu estado 50% das músicas tocadas não são brasileiras! (E nem latinas) A gauchada capitulou! Uma vergonha!!!!!!!!

Rogério Neibert Bezerra

Responder

Fabio Passos

08 de junho de 2012 às 17h50

Um barato.

Luis Fernando Veríssimo dando um merecido semancol na classe média racista que lê revista veja…

“Verissimo trata do preconceito contra Lula”
http://www.conversaafiada.com.br/politica/2011/04/29/verissimo-trata-do-preconceito-contra-lula/

Será que vão se reconhecer como vassalos da casa grande… ou vão continuar dando uma de joão-sem-braço? rsrs

Responder

Mário SF Alves

08 de junho de 2012 às 17h08

Prezado Fábio,
Respeito muito sua ira. É doloroso ver ainda hoje – depois de tudo – e, tão frequentemente, este combate cerrado, desleal, absurdo e profundamente injustificável que a tal elite e seus serviçais movem contra o Lula.
Mas, vamos ser realistas. Coloquemo-nos – só por um breve instante, claro – no lugar desses guys:
1) Eles ficam doidos, perdem o sono e têm pesadelos horríveis só em pensar na hipótese de ficarem mais tempo apeados do Governo; alijados do poder de gerir a bel prazer os impostos arrecadados. Imagine. Deve ser mesmo terrível a perda – ainda que apenas parcial do “privilégio”, do “direito divino” de defender alguns (ou muitos) de seus interesses pra lá de escusos. E, além de tudo, o que deve ser igualmente dramático, a dúvida em relação ao que fazer com tanto conhecimento acumulado ao longo de séculos na “gestão” da coisa pública.
2) Imagine ter de ficar de “igual para igual” e ser representado por um retirante nordestino dotado de voz incomumente grave a explicar para o País inteiro e com total segurança e convicção a necessidade de mudar as regras do jogo da política neste País. E a dizer com sua gramática encharcada de povo e em rede nacional de televisão que para desenvolver um país é imprescindível conhecer a fundo a realidade econômica e política desse país.

3) Imagine ter como comandante supremo das forças armadas da Nação um cara barbudo, acenando aos quatro cantos do mundo com sua mão parcialmente mutilada, e plenamente capaz de ousar ser ele ao agir com total desenvoltura numa Assembleia Geral da ONU.

É, amigo Fábio, não deve ser fácil, mesmo. O insistente João (sem braço) aí em cima que o diga, não?

Responder

    Fabio Passos

    08 de junho de 2012 às 18h04

    Eles estão inconformados com a derrota da casa grande.

    Lula é o símbolo de que nosso povo é superior em capacidade e valores aos ricaços branquelos que construíram o Apartheid Social.

    É por isso que atacam Lula com tamanha virulência.
    Racismo e pre-conceito explícito contra um cidadão nordestino de origem pobre.

    O PIG é que ajudou a semear esta podridão na alma da classe média mal formada.

    De qualquer forma, temos muito o que comemorar. É cada vez mais insignificante a parcela de racistas dando uma de joão-sem-braço…

    Mário SF Alves

    09 de junho de 2012 às 00h09

    Considerações gerais sobre a índole da elite/PIG tupiniquim:

    1)Se o PT fizesse mais e conduzisse o Brasil à condição de maior potência do mundo, ainda assim a elite “privilégios divinos e seculares” estaria inconformada, tramando golpes e desviando a atenção com palhaços contratados para semanalmente mostrarem sua capacidade de fazer gracinhas;

    2) Se o Brasil fosse comparado ao Titanic e se o povo viajasse na popa, o sonho de consumo dessa elite casa-grande-Brasil-eterna-senzala seria um naufrágio em águas rasas onde apenas a proa ficasse emersa;

    3) Se um determinado dono do PIG fosse mulato ela imediatamente idealizaria um super salão de beleza só para cobrí-lo de pó-de-arroz. Ou, quem sabe, ficaria daltônica de vez.

    Fabio Passos

    09 de junho de 2012 às 11h38

    O que precisamos entrender é a parcela da classe média que foi adestrada pelo PIG e incorporou o ideário da “elite”.

    São os escravos da casa grande.
    Eles realmente pensam que são parte da “elite” branca e rica. rsrs

    João

    08 de junho de 2012 às 22h36

    kkkkkkkkkkkkkkkkk

    ops…

    desculpe aí, mas…

    kkkkkkkkkkkkkkkkk

    sabe o q é o mais engraçado?

    vcs se levam a sério!

    kkkkkkkkkkkkkkkk

    Fabio Passos

    09 de junho de 2012 às 01h05

    tsc tsc
    Além de racista… um bobo alegre.

    Um típico leitor de veja. rsrs

    Geysa Guimarães

    11 de junho de 2012 às 20h46

    Seriedade só é risível para quem está habituado a trololós.

Fabio Passos

08 de junho de 2012 às 13h57

O PIG é o grande semeador do ódio racista contra Lula.

“Revista Veja planta preconceito e ódio contra nordestinos, através de seu colunista”
http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2012/01/revista-veja-planta-preconceito-e-odio.html

Até quando estes racistas vagabundos vão criticar Lula por ser nordestino e ter origem pobre?

Responder

Fabio Passos

07 de junho de 2012 às 13h11

O preconceito e o racismo desta “elite” incompetente e corrupta são disseminados pelo PIG… que adestra a classe média mal instruída do Brasil.

A situação é clara.
Os racistas não se reconhecem… mas nós sabemos quem são.

Os exemplos são inúmeros.

Responder

Ricardo JC

07 de junho de 2012 às 08h06

Feio é ser a prova inequívoca de que o preconceito social está muito presente na sociedade brasileira, dando mais valor ainda ao texto do Prof. Emir Sader. Isto está muito bem expresso nas palavras do Sr. Nivaldo Ferrari (comentários via facebook), onde nada mais do que o ódio e o preconceito estão expressos. Chega ao absurdo (entre outros…) de dizer que Lula cortou o próprio dedo para se aposentar. Se isto não corrobora as palavras do Prof. Sader…não sei mais ler!!!

Responder

    João

    07 de junho de 2012 às 11h01

    concordo…

    vc não ssbe ler!

    Mário SF Alves

    07 de junho de 2012 às 11h45

    Bem lembrado, Ricardo. A coisa chega mesmo às raias do absurdo.

    Fabio Passos

    07 de junho de 2012 às 13h06

    É absurdo e tremendamente ridículo este lumpesinato da classe média – leitores de veja/militantes do PIG – destilando tanto ódio e rancor contra um nordestino pobre.
    Lula é um símbolo. Lula demonstrou a enorme capacidade e a superioridade de valores do povo brasileiro diante desta “elite” branca, incompetente e corrupta.

    Esta ralé de classe média não tem mesmo espelho em casa. rsrs

    João

    08 de junho de 2012 às 09h33

    Não há exemplo maior de preconceito de classe do q um discurso de Lula!

    Lula abusa do “nós contra eles”…

    ou então “a culpa é do louro de olho azul”

    ou “eles estudaram tanto e não conseguiram e eu fui la e fiz”

    Lula é profissional em “divisão de classes”

    Lula é exemplo típico de pessoa preconceituosa!

    e depois, alguém aqui acha mesmo q Lula é povão?

    Lula é elite por qualquer lado q se queira analisar: Lula é elite financeira, é elite social, é elite de poder!

    Lula, com seus ternos de R$ 10 mil, com suas champagnes de R$ 5 mil a garrafa, com seus 12 caminhões de mudança, com seu cachê de US$ 200 mil por palestra, com seu tratamento no Sírio e Libanês, só é “povão” nas peças de marketing petista!

    ps: me sinto orgulhoso de escrever um comentário q obriga o blog a assumir uma postura covarde de censura e silêncio! Devo ter acertado na mosca!

    Fabio Passos

    08 de junho de 2012 às 11h44

    O racismo e o preconceito, razão do ódio contra Lula, são características evidentes da minoria branca e rica… mas a “elite” pensa que ninguém percebe. rsrs

    “Vidas Paralelas: Rupert Murdoch e Roberto Marinho”
    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/?p=7327

    “Roberto Marinho não se orgulhava de sua estatura, ampliada por saltos, e de sua tez mulata, na qual passava pó de arroz…”

    João

    08 de junho de 2012 às 12h45

    O racismo e o preconceito, razão do ódio de Lula pelas “elites”, são características evidentes de recalque e arrogância… mas Lula pensa que ninguém percebe. rsrs

    e ó, não esquece: precisando de alguma coisa, liga pra mim!

    ps: publicar ou censurar, eis a questão!

    Fabio Passos

    08 de junho de 2012 às 14h35

    “racismo” de Lula contra as “elites”?
    kkkkkkkkk

    ligo sim, mas qual o telefone do hospício? rsrs
    Os racistas que leem veja perderam o pudor.

    Fabio Passos

    08 de junho de 2012 às 22h45

    foge não, joão-sem-braço.
    Desenvolve essa de “racismo” contra a ricaiada branquicela. rsrs
    Leu na veja, foi?
    A “elite” racista diz qquer tolice prá escapar das críticas… e você repete? rsrs
    Essa classe média mal formada é hilária…

Fabio Passos

06 de junho de 2012 às 18h21

O lixo branco racista que ataca Lula é cria adestrada do PIG.

Responder

Fabio Passos

06 de junho de 2012 às 17h44

Os militantes do PIG – puxa sacos da casa grande – vão ficar inconformados:

“Senado aprova cota para escola pública. O Kamel vai …”
http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2012/06/06/senado-aprova-cota-para-escola-publica-o-kamel-vai/

Responder

Fabio Passos

04 de junho de 2012 às 21h48

Responder

    abolicionista

    05 de junho de 2012 às 16h53

    O medo é que essa seja a capa da Revista Veja de amanhã. Fim à máfia da mídia!

    Fabio Passos

    05 de junho de 2012 às 18h18

    É a capa dos sonhos do lixo branco que lê veja…

Fabio Passos

04 de junho de 2012 às 19h51

PHA tbém tira uma com a cara dos racistas.
Eles merecem…

“Lamentavelmente,
Lula não morreu”
http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2012/06/04/lamentavelmente-lula-nao-morreu/


O Estadão fica horrorizado porque o Lula comeu rabada na casa do Ratinho.

Rabada ?

Onde já se viu ?

Se fosse “canard à l’orange”…

Pior: o Estadão ficou uma fera, porque o Nunca Dantes foi logo ao “programa de um dos animadores preferidos das classes pobres”.

Onde já se viu !

Responder

Fabio Passos

04 de junho de 2012 às 19h00

A carapuça serviu nos leitores de veja…

O PIG é o grande responsável por adestrar este lixo branco de classe média que ataca Lula com um ódio cego e incontrolável.
Evidente que ódio desta natureza é fruto de preconceito de classe e racismo explícito.
São incapazes de reconhecer em Lula, um nordestino-pau-de-arara-operário-sem-dedo, a genialidade e capacidade que nenhum representante da “elite” branca e rica tem. São de um ridículo atroz.
leitores de veja – tipos com baixo QI – atacando o maior Estadista brasileiro dos últimos 50 anos. Não tem espelho em casa. rsrs

Responder

    João

    04 de junho de 2012 às 20h00

    quanta revolta, hein!

    sua vida deve ser dificil… muito sofrida, né?

    boa sorte, cidadão!

    Fabio Passos

    04 de junho de 2012 às 21h26

    Pois é.
    Esta revolta incomoda muito o lixo branco.

    melhoras.

    João

    05 de junho de 2012 às 10h16

    seg, 04/06/2012 – 21:26 Fabio Passos

    existe lixo de todas as cores!

    lixo branco, preto, amarelo, verde, vermelho…

    aparentemente seu problema é só com o branco! q estranho…

    já eu, não gosto de lixo!

    qualquer lixo!

    ps: se alguem fizesse esse seu comentário se referindo à raça negra, seria apadrejado como racista! vc é racista?

    Fabio Passos

    05 de junho de 2012 às 13h16

    ter, 05/06/2012 – 10:16João

    você é leitor de veja?

    então você é racista… e lixo branco.

    João

    05 de junho de 2012 às 14h54

    ter, 05/06/2012 – 13:16Fabio Passos

    a minha resposta foi tão simples… mas o seu silêncio tb é uma resposta!

    mas afinal, vc é lixo de q cor?

    pensando bem, não me interessa saber… sua cor é irrelevante!

    espero q a sua vida melhore e q vc deixe de sofrer tanto, de se sentir tão humilhado pelo “lixo branco”…

    quem sabe assim, sua revolta passe!

    ps: o critério de censura do blog é “meio” estranho e bastante parcial!

    abolicionista

    05 de junho de 2012 às 16h54

    E você é o famoso joão-se-braço?rs

    Fabio Passos

    05 de junho de 2012 às 18h16

    er, 05/06/2012 – 14:54
    João

    A revolta contra o lixo branco racista que lê veja é de todo o brasileiro com vergonha na cara.

    Se o lixo branco está incomodado… problema dele.

    Acostume-se. rsrs

    Fabio Passos

    05 de junho de 2012 às 19h08

    É isso aí abolicionista,
    O lixo branco racista que le veja sempre tenta dar uma de joao-sem-braço… mas acaba se revelando. rsrs

    João

    05 de junho de 2012 às 23h37

    ter, 05/06/2012 – 19:08Fabio Passos

    como eu disse antes, espero q a sua vida melhore, q vc consiga um emprego decente e pare de se sentir tão humilhado pelo “lixo branco” q vc tanto odeia…

    tô torcendo, viu!?

    ps: há critério na moderação de comentários ou apenas favorecimento de uns em detrimento de outros?

    Fabio Passos

    06 de junho de 2012 às 12h29

    ter, 05/06/2012 – 19:08Fabio Passos

    joão-sem-braço,

    vou repetir mais uma vez: As pessoas que tem vergonha na cara estão revoltadas com o lixo branco racista que lê veja.

    Quem não tem vergonha na cara e é racista defende a veja com unhas e dentes.
    A situação é evidente.

    É um dever cívico das pessoas que combatem o racismo criticar o lixo branco que lê veja.

    A vida de todos os brasileiros vai continuar melhorando muito porque o lixo branco racista que lê veja é cada vez menos relevante no Brasil.

    É evidente que o lixo branco que lê veja fica incomodado com isso.
    Azar deles. rsrs

    João

    06 de junho de 2012 às 17h32

    qua, 06/06/2012 – 12:29Fabio Passos

    desculpe mas o único racista neste espaço é vc!

    mas imagino q vc deva ter uma vida sofrida e, de algum modo, traumas decorrentes disso… lamento!

    devo ser tudo aquilo q vc odeia, né?

    sou branco, nunca passei fome (graças a Deus), sou leitor (e assinante) da VEJA, estudei em escola particular, fiz faculdade, pós…

    quando a “revolução” vier, vai ter “paredon” aqui tb?

    como disse antes, tô torcendo pra sua vida melhorar, viu!?

    quem sabe sobrando uma graninha vc possa fazer terapia, sei lá…

    boa sorte pra vc… vc tá precisando!

    ps: continuo sem entender o critério de censura do blog…

    Fabio Passos

    06 de junho de 2012 às 18h08

    qua, 06/06/2012 – 17:32
    João

    joão-sem-braço,

    leitor de veja? Que surpresa…
    Para mim é sempre um enorme prazer deixar o lixo branco racista furibundo.
    toma um chazinho de camomila. rsrs

    Fabio Passos

    07 de junho de 2012 às 13h14

    foge.
    põe o rabinho entre as pernas e vai buscar afagos de teus donos racistas.

    Aqui será sempre ridicularizado… lixo branco.
    Acostuma-se.

    João

    07 de junho de 2012 às 17h44

    qui, 07/06/2012 – 13:14Fabio Passos

    Não fugi!

    mas acho q estou discutindo com vc e com o moderador do blog!

    já respondi 3 x seu comentário e fui censurado… e antes q vc diga q fui grosseiro na resposta, não fui!

    disse apenas q tinha pena de vc e dos seus recalques e lhe aconselhei a arrumar um emprego decente e fazer terapia!

    mas vc deve ter mais amigos aqui do q eu…

    e não há como eu “ganhar discussão” com o dono do blog, né?

    ter comentários censurados por OPINIÃO, cansa…

    Fabio Passos

    07 de junho de 2012 às 18h24

    hã… não há como lixo branco que lê revista veja “ganhar discussão” de um cidadão politizado. rsrs

    Lula continuará sendo um símbolo da inteligência e coragem do povo brasileiro.
    E a ralé que lê veja pode ganir a vontade.

    Acostume-se com a democracia.

    Fabio Passos

    08 de junho de 2012 às 22h55

    fugiu…
    Foi ler revista veja prá alimentar o ódio do nordestino pobre que ousou derrotar a “elite” branca e rica do olho azul…
    Le revista racista e depois acha ruim porque percebem o preconceito.
    Essa classe média mal instruída não toma jeito…

    Fabio Passos

    06 de junho de 2012 às 19h02

    Quem está bem informado acompanhando os blogs progressistas já sabe há muito tempo… mas tem branquelo azedo muito mal informado (leitor de veja…) que vai ficar todo nervosinho. rsrs

    “Racistas controlam a revista Veja”
    http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=340

    “o grupo de mídia sul-africano Naspers adquiriu 30% do capital acionário da Editora Abril, que detém 54% do mercado brasileiro de revistas e 58% das rendas de anúncios em revistas no país. Para tanto, pagou 422 milhões de dólares. A notícia é de maio e foi publicada nos principais órgãos da mídia grande do Brasil. Mas não foi dada a devida atenção ao fato de a Naspers ter sido um dos esteios do regime do apartheid na África do Sul e ter prosperado com a segregação racial”

João

04 de junho de 2012 às 14h29

Lula, num de seus discursos de improviso, disse q o problema da poluição é pq a Terra é redonda! (http://www.youtube.com/watch?v=4JoD3o-gj9g)

devemos fingir concordar com essa ignorância pra sermos “políticamente corretos”?

criticar um Presidente q fala uma asneira dessas é “preconceito”?

Lula é criticado pelas bobagens q ele fala e faz!

fizesse ele menos besteiras, seria muito menos criticado…

Responder

    Mário SF Alves

    05 de junho de 2012 às 22h57

    João,

    Até pude perceber vestígios de boa intenção na sua discussão com o Fábio. Mas, qual nada, ledo engano de minha parte. Pelo visto, depois dessa sua tentativa de ironizar o conhecimento de ecologia do Lula, ficou evidente sua presunção. E, afinal, você acha mesmo que sabe mais de ecologia do o Lula? Tá de brincadeira, não é? E quer saber, a raiz do problema ecológico está tão distante desse discursinho politica/ecologicamente correto que a resposta “terra redonda” comunica muito mais e é muito mais razoável.
    A propósito, quer uma dica? Se você estiver no Rio dá um pulinho lá no Aterro do Flamengo e assista algumas conferências, porque aquelas, sim, com certeza, são 100% comprometidas com ecologia e meio ambiente. E não cortina de fumaça para encobrir ideário neoliberal.
    Atenciosamente,
    Mário.

    João

    05 de junho de 2012 às 23h29

    desculpe mas onde o Sr viu ironia no meu comentário?

    fui claro e direto: Lula falou uma estupidez!

    e quem tentar justificar a burrice q um Presidente de um país q deveria estar preparado pra falar alguma coisa minimamente inteligente sobre o tema do discurso e fala uma bobagem dessas é tão tolo quanto o próprio!

    o esforço q fazem para tentar dar um manto de “çabedoria” pra qualquer bobagem q Lula fale chega a ser ridiculamente engraçado!

    criticar Lula no q ele faz de errado não é preconceito, é respeito ao bom senso!

    Mário SF Alves

    06 de junho de 2012 às 12h11

    João,
    Tá claro. Reconheço; não houve ironia. Mas, por favor, não altere o samba tanto assim. Já ouviu falar em método Paulo Freire? É… refiro-me àquele, cujo autor, o mesmo Paulo Freire, foi exilado do Brasil pela ditadura. Refiro-me a um método de alfabetização que considerava a realidade existencial/laboral do indivíduo como ponto de partida da alfabetização de adultos. Pois é. Entendo que o Lula sempre respeitou este método, amigo. Sorte a nossa, não? Quer coisa melhor do que em um País como o nosso termos um presidente que não se traveste de erudito (ainda que o seja em muitas áreas do conhecimento) e, de brinde, ainda seja capaz de falar a língua da maioria do povo?
    Sobre a resposta do Lula, que fez alusão a forma da terra, eu já tentei te explicar. Agora, quanto a este seu argumento afirmando que “criticar Lula no que ele faz de errado não é preconceito, é respeito ao bom senso!”, ora, cá pra nós, o homem não é nenhum ser perfeito, não, rapaz. E de mais a mais o que realmente deseduca, o que realmente polui a cabeça da maioria dos brasileiros é essa televisão desregrada que aí está. Entendeu? E só é assim porque direito do investidor foi posto acima, muitíssimo acima do direito do consumidor; ou não?

    João

    06 de junho de 2012 às 13h55

    qua, 06/06/2012 – 12:11Mário SF Alves

    deixa ver se eu entendi:

    Pela sua teoria, Lula (O Magnifico) foi didático e usou o metodo Paulo Freire pra alfabetizar adultos e ensinar uma bobagem num evento (q não tinha analfabeto) sobre meio ambiente?

    sem querer desrespeita-lo, mas… é pra ser levado a sério?

    o Sr viu o video? reparou na platéia do evento?

    Lula não estava num palanque falando com o povão! estava num evento com pessoas preparadas para ouvi-lo!

    e mesmo q ele quisesse usar o metodo de qualquer coisa, não se pode ensinar uma BOBAGEM dessas! o q ele falou é simplesmente uma BESTEIRA!

    o Sr abdica do seu bom senso ao tentar inutilmente transformar uma burrice em um “exemplo de comunicação com as massas”!

    é esse tipo de conduta q eu critico em Lula e na sua torcida organizada!

    pros “Emir” da vida, só critica Lula quem não entende as suas metáforas ou quem tem preconceito de classe!

    simplismente ridículo…

Samuel

04 de junho de 2012 às 13h43

A que ponto chegou a polarização da política brasileira a ponto de cegar muitos. Lula e PT, apesar de melhores que FHC e PSDB, estão longe de serem perfeitos. Nada de bom no setor tributário e no setor agrário.

Por que o PT abraça Collor? O PTB, do qual ele faz parte, pode ser tranquilamente oposição, é um partido minúsculo. Mas o PT o abraça. Governabilidade? PMDB realmente é aliança para governabilidade, mas PTB é totalmente desnecessário.

Lula e PT realmente sofrem preconceito. Mas nem todos que criticam o partido e seu guia, considerados por muitos entidades de Aruanda ou do céu, são racistas e preconceituosos.

O PT e os petistas precisam aprender a ouvir.

A polarização da política brasileira em PT versus PSDB é ridícula. PMDB, o partido-pêndulo câncer do Brasil, é quem realmente deveria ser o alvo dos dois partidos.

Responder

    Mário SF Alves

    05 de junho de 2012 às 23h06

    Samuel,
    Realmente não se trata de entronizar o PT e sim somar forças num projeto de País que só ele pode levar adiante. Ou você tem alguma ilusão em relação ao PSDB e alhures ainda que fosse só no fortalecimento do Estado Democrático de Direito?

O DOUTRINADOR

04 de junho de 2012 às 13h17

Essa Ana Paula, precisa conhecer um pouco mais de história e não estoria. Não existe nenhum ex-presidente nascido em MS, qdo Janio Quadros nasceu, não existia o Estado de Mato Grosso do Sul, existia somente o Estado de Mato Grosso, portanto J.Quadros nasceu em MT, em uma região que hj pertence a MS.

Responder

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 20h01

    Assim como Marx não é alemão porque nasceu no Reino da Prússia e o Petković é Iugoslavo e não Sérvio. Agora a preocupação da história será dar a todo personagem histórico sua devida nacionalidade, agora a preocupação da história será a divisão administrativa das regiões e estados… que piada!

    Ninguém ainda desmontou meu argumento principal da constante, da variável e da busca do diferencial. Os especialistas em teoria das elites ainda não explicaram o que diferencia a elite paulista da carioca, da paranaense e da gaúcha.

Haroldo Cantanhede

04 de junho de 2012 às 12h32

Excelente artigo do Professor Sader. Os que se acham ricos, no Brasil, só se sente bem se estiverem cercado de miseráveis. Por conta desta gente deseducada, fria e insensível, em sua maioria, somos subdesenvolvidos. Uma vez encontrei um assim, que arrotava, entre outras coisas que “o único aumento que daria a seus empregados era aumento de trabalho”… No final das contas, essa gente não é rica, mas sim paupérrima, árida como um deserto, repleto de urtigas e animais peçonhentos. Não compartilham, ignoram, deliberadamente, a possibilidade do exercício da generosidade. E destilam seu fel constante contra o Lula, o melhor presidente que este país já teve.

Responder

    Mário SF Alves

    05 de junho de 2012 às 23h20

    Não liga não, Haroldo. Chega a ser comovente ver integrantes dessa dita elite ter de dividir espaço nas ruas com catadores de material reciclável, pedestres, ciclistas e motociclistas. Chega a ser paradoxal ver carrões de luxo sendo “educadamente” conduzidos em meio ao destemor (e às vezes exessiva calma) daqueles que realmente produzem a riqueza deste País.

Emanoel C Neto

04 de junho de 2012 às 12h10

Vamos sair da politica e dar uma olhada no futebol o que os Comentaristas esportivos, principalmente da Rede Globor de Televisão, estão fazendo como o jogador HULK não é racismo? no jogo de ontem contra o Mexico, os comentarios foram de jogar a culpa do fracasso do Brasil neste jogador, e nem um cometario negativo para os jogadores do Sul, vamos voltar um pouco, e o jogador Rivaldo que foi um dos atletas mais injustiçados pela imprensa brasileira será que não foi porque ele é nordestino?
A elite brasileira deveria criar vergonha o que o PSDB e a rede globo de televisão vem fazendo com a democracia brasileira é coisa de cadeia e nao se escuta nem uma clitica.
Se o Sr. Presidente Lula precisar nós vamos a Rua, se preciso com foices e roçadeiras.

Responder

João

04 de junho de 2012 às 12h00

panfleto e nada mais!

dizer q Lula é criticado “pela elite” por preconceito de classe é a maior idiotice q se pode falar!

e evidentemente q essa idiotice só pode partir dos lulistas q tentam esconder o óbvio:

Lula é criticado pelo comportamento pra lá de “suspeito” q ele tem!

Lula é criticado pela sua arrogância, não por ser ignorante mas por se achar um “sábio”!

Lula é criticado, não por não ter estudado, mas por se orgulhar de não te-lo feito e de tentar, pelos recalques da sua vida, fazer pouco de quem estudou!

Lula é criticado por ser o maior incentivador de uma pseudo “luta de classes”!

Lula é criticado pelas inúmeras besteiras q ele faz e não por um preconceito q só existe como peça de propaganda pessoal dele!

Responder

    Leo PP

    04 de junho de 2012 às 17h22

    O seu discurso está carregado do ranço descrito pelo autor e impressionante como a carapuça serviu perfeitamente.

    Aliás, sou paulista (nascido no ABC Paulista) e descendente de espanhóis e italianos, e não concordo com a generalização que realizam da população paulista quando traçam nela todo o aspecto da sua elite.

    Quero só lembrar que o “Cerra” venceu a Dilma em 11 estados da federação na última eleição e que 11 milhões de paulistas votaram contra o candidato tucano para governador no mesmo ano.

    Aconselho nosso amigo João ai assistir a entrevista que o Ciro Gomes concedeu para a Record recentemente. Ele alerta para o fato do agronegócio estar segurando as contas brasileiras há anos…e neste contexto o estado de SP possui um fator tão importante como MS, MT e GO…nada de locomotiva…isto é uma das besteiras criadas pela elite paulista…retire o agronegócio das contas e veremos quanto é grande a pujança paulista…

    João

    04 de junho de 2012 às 18h32

    Ele alerta para o fato do agronegócio estar segurando as contas brasileiras há anos…e neste contexto o estado de SP possui um fator tão importante como MS, MT e GO…nada de locomotiva…isto é uma das besteiras criadas pela elite paulista…
    ———-

    é… “neste contexto” (do agronegócio), a importancia de SP fica mais diluida… e digo mais: se olharmos pra um contexto “população de alagoanos”, São Paulo ficará atrás de Alagoas!

    nos demais contextos, como demonstra a tabela do IBGE q postei em outro comentário, São Paulo representa 1/3 do PIB brasileiro (com agronegócio e tudo!)

    sobre o “ranço” no meu comentário, não há nenhum! apenas afirmo q, ao contrário do q diz o petista Emir Sader, Lula é criticado por “pós-conceito” e não por “pré-conceito”!

    o q os lulistas querem é transformar qualquer critica a Lula em uma demonstração de “intolerancia de classe”… há quem acredite!

    ps: só pra esclarecer… não sou paulista!

    Mário SF Alves

    07 de junho de 2012 às 00h11

    Voltando ao assunto, João. Vou lhe dizer uma coisa. Coisa de amigo, tenha certeza. Saiba, caro João, que se a aparência fosse a essência nenhum de nós precisaria de ciência. Você, não sei porque e nem como, ainda insiste em subestimar a inteligência do Lula. E, mais, analfabetismo político é muito pior que o analfabetismo formal. E quanto à referida resposta do Lula sobre a problemática ambiental, não tenho nada a acrescentar além daquilo que já manifestei. Creio mesmo que a resposta dada pelo Lula foi irônica e apenas isso.

    Em tempo: Exerci, durante muitos anos, atividade profissional objetivando a defesa e recucuperação de processos ecológicos. E posso te dizer com franqueza que hoje a questão ambiental está tão recheada de silogismos e falsas premissas que, em última análise, virou uma colcha de retalhos teóricos, cuja função mais relevante é culpabilizar o consumidor e servir de cortina de fumaça a encobrir/mascarar o ideário neoliberal.
    Em tempo: Me admiraria muito se em lugar de “terra redonda” o Lula dissesse que o problema é a “terra oca”. Aí, sim, haveria complicações, pois “terra oca” é coisa do Hitler em sua fase mais esotérica.

Mateus

04 de junho de 2012 às 11h30

Na elite, primeiro,o indivíduo nasce racista, depois é que se torna paulista.

Responder

EUNAOSABIA

04 de junho de 2012 às 10h55

O grande problema de Lula é que ele não quis estudar, teve todo o tempo do mundo para estudar e falar outras línguas e nunca quis, foi uma opção pessoal de Lula, ser o que é. Ninguém tem culpa disso.

Lula não estudou e se qualificou melhor por escolha própria, Lula critica quem estuda e fala várias línguas por não tido vontade para chegar lá, tornou-se o que é fruto de suas próprias escolhas.

Eu já sei, não me venham com aquele papo surrado de vocês de que Lula fez isso e aquilo, pra cima de mim não cola, Lula pegou uma obra pronta de Fernando Henrique e deu sequência, é exatamente a mesma macro economia de Fernando Henrique, os programas sociais também são os mesmos que já existiam, unificou tudo e mudou de nome, apenas isto.

Lula ficou oito anos no poder sem fazer uma única e mísera reforma, nem os bancos ele teve coragem de peitar como Dilma está fazendo, e olha que Lula está anos luz de Dilma em política e liderança, mesmo assim Dilma faz o que pode, diante da colossal herança maldita recebida.

O modelão baseado apenas em consumismo via crédito lastreado em bolha de moeda e poupança internacional se exauriu, acabou, essa foi a fórmula mágica encontrada por Lula para fazer o país “crescer”, ora, qualquer um que entenda só um pouco do assunto sabe que isso não se sustenta no longo prazo, é IMPOSSÍVEL manter um crescimento sustentável a logo prazo usando poupança externa, o limite são os déficits em conta corrente.

Sem reformas, só no gogó, com taxas de investimentos negativas e com o limite atingido de crescimento via consumo, eu afirmo: a situação econômica do Brasil hoje é mais grave do que nas 4 crises internacionais que se abateram sobre o Brasil no período de Fernando Henrique e sob Lula em 2008. As crises de FHC foram crises conjunturais, crises especulativas, uma vez cessado esse movimento o país voltaria a um clima de normalidade econômica, já que as condições estavam dadas, os instrumentos existiam, em 2008 o fato só se tornaria grave se tivesse ocorrido o mesmo que ocorreu sob FHC, ou seja, movimentos especulativos de capitais, como não ocorreu e a China continuou a consumir, foi relativamente fácil fazer o país voltar a crescer.

Hoje em dia a situação é mais grave, o problema é estrutural, o setor externo não responde e internamente o modelo já atingiu seu pico.

Fala-se em PIB de 1,5% para este ano.

Tenham todos uma boa semana.

Responder

    Mateus

    04 de junho de 2012 às 11h32

    Quanto preconceito!

    João

    05 de junho de 2012 às 11h21

    vc é o mesmo Mateus q escreveu esse comentário pra lá de preconceituoso?
    ——————
    seg, 04/06/2012 – 11:30 Mateus

    a elite, primeiro,o indivíduo nasce racista, depois é que se torna paulista.
    ——————

    é… pra q ser coerente, né?

    Raphael

    04 de junho de 2012 às 11h36

    Textos bonitos e rabuscados são uma ótima pedida para disfarçar um fraco conteúdo.
    Falando de forma um pouco mais direta, fica algumas dúvidas e comentários.

    _Qual foi a “herança” do governo FHC que Lula prosseguiu, no máximo, consigo lembrar apenas da política fiscal. Recomento a leitura de Luiz Carlos Bresser Pereira, ex-ministro do governo FHC, lá você encontra textos que explicam a diferença de uma economia que se pautava pelo câmbio e superavit da balança comercial, e altas taxas como as do governo FHC com as políticas de investimento, o aumento do consumo em virtude da distribuição de renda e aumento real dos salários.

    _Recomendo também o site do Ministério da Fazenda, nesse sítio estão os dados da Balança de Pagamentos, e já que o Senhor a entende muito bem, vai saber lidar com os dados a ponto de perceber o aumento no IED durante os ultimos 8 anos e o financiamentos desse deficit de transações correntes que o senhor citou. A economia brasileira de hoje depende menos da oscilações do mercado internacional e o capital que aqui pousa não é mais essencialmente expeculativo.

    _Achar que o setor externo deve ser a ancora de uma economia é esquecer somos 200 milhões de pessoas, um dos maiores mercados do mundo, e que o maior desafio não é crescer do ponto de vista quantitativo e sim integrar no mercado consumidor aquele antes não tinham nem a chance de se alimentar.

    É como diz a já famosa frase do Faoro.

    “Eles querem um país de 20 milhões de habitantes e uma democracia sem povo”

    Aline C Pavia

    04 de junho de 2012 às 12h50

    Se mude para a Espanha. Ou para a Grécia.
    Lá na Europa é que é bom.
    Alemanha, Grécia, Espanha e França estão elegendo socialistas.

    Pergunte em qualquer universidade de ciências sociais do mundo hoje quem é mais respeitado: Lula ou FHC. Talvez você se surpreenda com as respostas.

    Mas você nunca comeu de marmita, né filho? Nem tomou sol e chuva na globa indo trabalhar de busão, não é mesmo? Talvez seja essa a diferença mais nítida entre as viúvas de FHC, como você, e os 90% restantes do país, que aprovam Lula e Dilma.

    1,5% de PIB ainda está melhor que os EUA.

    Boa semana pra vc também.

    claudio rodrigues

    04 de junho de 2012 às 13h13

    olha um leitor com argumentos da veja da foia do jn e dos tucanos aí gente. cara: vai lá para o blog dos fascistas da veja q vc será ovacionado. tenha uma boa semana.

    adilson fernando

    04 de junho de 2012 às 14h23

    Também esqueceu de citar a abertura de Lula a novos mercados, fator crucial quando os EUA e Europa caíram de joelhos em 2008.

    João Paulo Ferreira de Assis

    19 de junho de 2012 às 02h17

    O Sr critica o Lula por se vangloriar de ter estudado menos. Mas ouça-me: vale a pena estudar? Vale a pena ficar quatro anos nos bancos de uma universidade, mais dois de pós-graduação latu-sensu, e mais seis de pós-graduação strictu-sensu? (essas últimas mestrado e doutorado). Saiba que o governo de Minas incentiva tanto os seus professores a estudar, que cancelou as licenças para cursar mestrado. E quem cursa mestrado, só vai receber a gratificação pelo curso, CINCO ANOS DEPOIS. Comecei a ter essa percepção desde que um aluno, que parou de estudar na 6ª série e foi plantar café. Com a safra de três anos adquiriu um caminhão. Ou seja, o boboca aqui estudou para receber uma miséria que é menos do que recebe ao mês um pedreiro bem conceituado.

Maria Joaquina Perez

04 de junho de 2012 às 10h22

A matrix paulistana

Os paulistas conseguiram o que eles sempre quiseram na vida… tornaram-se legítimos europeus, ou seja, um povo mitomaníaco:

Mito – 1: São Paulo é a locomotiva do país, que carrega 23 vagões vazios.

A Realidade:

A locomotiva virou Maria Fumaça. Na década de 70, a participação de São Paulo no PIB nacional era de 40%. Caiu para 36% na década de 80, e 33% em 2007. Confirmado-se as tendências e prognósticos, a perspectiva é de que a participação paulista esteja abaixo dos 30% já em 2014.

Mito – 2: A USP é uma das universidades mais importantes do mundo!

A realidade:

A USP já foi uma grande universidade, nos tempos de Lévy-Strauss e outros, mas esse DNA já se tornou “viciado” há muito tempo, porque professor da USP fez graduação na USP, mestrado na USP, doutorado na USP. A USP é a universidade mais endógena e de importância inflada que se conhece.

Nos últimos 40 anos, que estudo da USP revolucionou alguma área do conhecimento científico? Nenhum.

A USP não é vanguarda em nenhuma área científica importante, apenas acompanha o desenvolvimento científico e tecnológico do primeiro-mundo. Tanto as estaduais paulistas, quanto as federais, apenas procuram reproduzir estudos estrangeiros.

A ficha só cai quando a USP é comparada a instituições de outros países. Nesse caso o resultado é humilhante: “A USP, a universidade da 3ª maior cidade do mundo é apenas a 198ª universidade, se comparada com o resto do mundo”.

Mito – 3: Paulistas são ricos, têm dinheiro e o restante dos brasileiros são pobres e burros.

A Realidade:

Abaixo a lista dos maiores bilionários do país

1º Eike Batista – mineiro (vive no Rio desde os 4 anos de idade)

2º Jorge Paulo Lemann – carioca

3º Joseph Safra – libanês

4º Marcel Telles – carioca

5º Benjamin Steinbruch – carioca

6º Carlos Alberto Sicupira – carioca

7º Antônio Ermírio de Moraes – paulista (origem nordestina)

8º Aloysio Faria – mineiro

Onde estão os bilionários paulistas?
No programa “Mulheres Ricas” da Rede Bandeirantes?

Mito – 4: Todo paulista tem a CRENÇA de que italianos industrializaram São Paulo e que eles foram os responsáveis pelo o que o estado é hoje.

A realidade:

Construiu-se toda uma mitomania em torno do empreendedorismo italiano que não se sustenta. Procuram-se hoje os reflexos dessa herança e não se acha. Pior: descobre-se que são até inexistentes. Ao analisarmos as 300 maiores empresas com “sede” em São Paulo, listadas no volumoso encarte “Melhores e Maiores” da Revista Exame, verifica-se claramente que a esmagadora maioria trata-se de empresas de capital estrangeiro. Logo São Paulo não é “sede” de nada… “sede” é eufemismo.

São Paulo é apenas “filial”, porque as matrizes (sedes) dessas empresas estão no exterior. Suas ações são negociadas em seus países de origem. O faturamento e o lucro é todo remetido para fora. O empreendedorismo, portanto, não é paulista e sim estrangeiro.

Se pegarmos então outro ranking, mas nesse caso 100% nacional: “As ações mais negociadas da Bovespa de 2010″ e verificamos claramente a inexpressividade do empreendedorismo paulista: Os maiores conglomerados listados entre as dez ações mais negociadas não são empresas nacionais com sede em São Paulo e sim em sediadas em outros estados: Petrobras, OGX, Vale, CSN, Telemar, Usiminas, Gerdau etc. Entre as top 10 apenas uma única empresa representa o inflado empreendedorismo paulista: o Itaú/Unibanco. E é justamente a única blue chip que não é voltada para produção e sim para agiotagem financeira…

Mito – 5: São Paulo é a Nova York brasileira

A Realidade:

Todo povo de mentalidade colonizada gosta de nomear a sua cidade mais populosa como a “nova iorque” local. Assim Lagos é a “nova-iorque-nigeriana”, Mumbai é a “nova-iorque-indiana”, Jacarta é a “nova-iorque-indonésia”, Karachi é a “nova-iorque-paquistanesa” e São Paulo é a “nova-iorque-brasileira”.

Mas há também, há cidades de personalidade tão fortes que não precisam pedir empréstimo a outras para serem conhecidas. Dessa forma no mundo… Paris é “Paris”, Roma é “Roma”, Buenos Aires é “Buenos Aires” e etc…

Em resumo:

A julgar pela tradicional megalomania paulista, deduz-se que eles se pautam mais numa China superpopulosa e miserável, do que numa Suíça minúscula e rica.

Dentro deste contexto, José Chirico Serra sempre será o candidato predileto dos paulistanos, pois o paulistano não quer mudar, não quer pensar, não quer agir… ele quer apenas poder continuar vivendo em sua Matrix: a cidade de São Paulo.

Responder

    Alberto Nasiasene

    04 de junho de 2012 às 11h05

    Gostei de suas análises dos mitos e concordo com elas.
    Só não posso ter certeza de que o paulistano não quer mudar nem pensar. Será mesmo? Nem todo paulistano é tucano e conservador (se o fosse, a Luíza Erundina e a Marta nunca teriam sido eleitas).
    Esperar para ver a realidade se mostrar a si mesma.

    João

    04 de junho de 2012 às 12h56

    Fonte IBGE: (http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=2025&id_pagina=1)

    1º. São Paulo: 33,5% de participação no PIB Nacional (2009)
    2º. Rio de Janeiro: 10,9%
    3º. Minas Gerais: 8,9%
    4º. Rio Grande do Sul: 6,7%
    5º. Paraná: 5,9%
    6º. Bahia: 4,2%
    7º. Distrito Federal: 4,1%
    8º. Santa Catarina: 4,0%

    São Paulo é “apenas” 3 x o segundo colocado… Se isso é “maria fumaça”, o q dizer dos outros, né?

    as suas outras “verdades” são apenas opiniões q tem tanto valor quanto qualquer outra!

    Maria Joaquina Perez

    04 de junho de 2012 às 14h52

    Prezado Joao,

    Como os números provam: http://dilmanarede.com.br/paulosoares/mercadanteedilmaneles/diminui-a-participacao-de-sao-paulo-no-pib-nacional-gracas-ao-psdb-de-alckmin-e-serra o estado de São Paulo, sob o governo Tucano há duas décadas, estagnou a economia local.

    Enquanto os estados do norte / nordeste cresceram e aumentaram a participação no PIB brasileiro, o estado de São Paulo está parado…nas mãos dos Tucanos.

    A continuar esta tendência…em 2014/2015, São Paulo representará menos de 30% do PIB nacional. Isso é fato !!!

    As demais análises estão igualmente corretas.

    Caso você possua dados que as contradiga(o que eu acho improvável) favor mostrá-los. Eu citei as minhas fontes e você ?!?

    De onde foi que você tirou que as minhas informações estão erradas ?

    Você está parecendo o Gilmar Mendes…acusa e não mostra provas…rsrsrs

    João

    04 de junho de 2012 às 16h27

    seg, 04/06/2012 – 14:52Maria Joaquina Perez

    a fonta da informação q eu postei está no meu comentário (IBGE), assim como o link para pesquisa, se a Sra quiser…

    o fato é q o estado “decadente” de São Paulo representa 1/3 do PIB nacional e é , ainda, a locomotiva do Brasil!

    Dizer q isso é “maria fumaça” é risível, ainda mais se compararmos com os demais estados do Brasil: o 2ª estado “mais rico” (RJ) representa 1/3 do “pobre” estado de São Paulo!

    evidentemente (e graças a Deus), a tendencia é q os demais estados aumentem a sua particicipação no PIB… tomara! e dizer q isso é uma “derrota” paulista é apenas uma bobagem!

    as demais “verdades” postadas, não passam da sua opinião… não disse q estão erradas, disse apenas q valem tanto quanto qualquer outra e infelizmente pra Sra não tem força de lei!

    como discutir com a Sra sobre a tolice de São Paulo ser a NY brasileira?

    tem “fonte” pra essa bobagem?

    as multinacionais q se instalaram em SP, fizeram pq? foi decisão aleatória? política?

    foram pra SP pela infraestrutura e pelo mercado de lá… concorda?

    quem sabe, um dia, São Paulo deixe de ser o estado mais rico e importante do Brasil… mas acho q a Sra não estará viva pra “comemorar” esse fato!

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 13h14

    Maria Joaquina, assino embaixo! Muito lúcido seu comentário.

Alberto Nasiasene

04 de junho de 2012 às 09h45

Separatismo existe em todas as partes do país, desde o período colonial, é bom não esquecer (a história está cheia de casos e cados, desde a colônia e esta pecha não pode ser usada exclusivamente contra os paulistas; que, aliás, no período colonial foram os únicos a manter unido e alargar o território da América portuguesa, através do bandeirismo).

Além disso, 1932 não foi uma luta separatista, mas política (Minas e Rio Grande do Sul estavam juntos a São Paulo, depois, na última hora, desistiram e São Paulo ficou sozinho; portanto, é um mito dizer que 1932 foi um movimento separatista, porque não foi – e preciso estudar a Revolução de 1930 com maior profundidade).

O fato concreto é que o PSTU e o PSOL andam juntos com os demos-tucanos. Como podem dizer que são mais esquerda, se andam com a direita (especialmente o PSOL no Congresso Nacional, porque o PSTU não tem representação no Congresso e, quem sabe, o PSOL caminha, por causa do sectarismo intransigente, para o mesmo caminho).

O PC do B era extremista também, mas, com o passar do tempo, foi se abrindo a alianças programáticas com outros partidos de esquerda e centro-esquerda. Portanto, não é que não se deve aceitar críticas ao PT e ao Lula (nenhum partido, inclusive o PSOL, está acima do bem e do mal; muito menos o Lula, que é um ser humano, não um santo ou deus).

O próprio PT, ao nascer, no começo dos anos 1980, não aceitava fazer alianças com ninguém (talvez por causa da presença destes, dentro de si, que hoje são o PSTU e o PSOL). A tradição da esquerda no mundo é fazer alianças e compor frentes amplas, quando necessárias. O sectarismo não leva a nada. Não se trata de acomodação ao poder, mas de fazer algo de positivo, transformando, através da luta democrática, junto com as massas, a realidade opressiva do capitalismo truculento (para o povo comum, não adianta ficar esperando somente a Revolução final, porque questões básicas de sobrevivência estão em sua agenda mais imediata e é até revoltante que um militante de extrema-esquerda venha com sua lenga lenga retórica e ideológica que não ajuda em nada quem está por baixo e melhorar nem que seja um pouquinho de sua situação que já é crítica).

Bandeiras tais como casamento gay são inócuas para a transformação do capitalismo truculento (há muitos gays capitalistas, porque o capitalismo sabe conviver muito bem com os alternativos, já que não ameaçam o principal). Se não fosse o tal BBB, vejam só, da rede Globo, talvez o Chico Alencar carioca não estivesse na bancada do PSOL na Câmara (não daria coeficiente eleitoral). Se não fosse as trapalhadas do PSOL em São Paulo, o Alckmin não teria vencido em primeiro turno (haveria segundo turno, se os votos para governador do PSOL não tivessem sido anulados).

Ou seja, do mesmo modo que criticam intransigentemente o PT, o pessoal do PSOL deveria, humildemente, fazer suas autocríticas públicas também. Isto é outra tradição da esquerda. A causa maior está acima dos partidos e dos políticos que o compõem e nenhum deles está acima do bem e do mal.

Costumo votar em programas partidários e alternativas mais progressistas, sem sectarismo. Portanto, não idolatro o PT, nem o Lula (mas, muitas vezes, as alternativas são piores o que eles, portanto, voto neles; sem complexo de culpa e sem achar que tudo estará resolvido).

Responder

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 13h28

    Alberto, é verdade: qualquer um que tenha lido um pouco da história brasileira sabe que as lutas separatistas mais acirradas e efetivas se deram no nordeste do país, em diversos momentos históricos (com exceção da luta separatista no sul do país).

    Outra coisa que me vêm a mente é que as pessoas têm essa antipatia pelo estado de SP por causa da cidade de São Paulo. É uma grande injustiça fazer isso com o povo de um estado que tem 600 cidades, e tanta gente sofrida, pobre e vítima de maus políticos como nos outros estados. Tem inclusive um coronelismo no interior que não é tão diferente do conhecido coronelismo nordestino. Só posso concluir que estas pessoas conhecem São Paulo, a cidade. Conhecem a Vila Madalena, conhecem Perdizes, conhecem Higienópolis, conhecem a Augusta, a Paulista, o Itaim Bibi… de vez em quando enchem o peito num bar de rico lá em Perdizes pra dizer que já foi pra Paraisópolis… e alegam saber tudo de nordeste, por causa do porteiro do prédio, que “conta as histórias” e é “amigo dele” (na verdade só cumprimenta o porteiro quando abre o portão da garagem e é condescendente no fim de ano com a caixinha de Natal). Mas não conhecem Araçoiaba da Serra, Fernandópolis, Limeira, Mirassol, Ourinhos, Bragança Paulista, Jaú, Ipeúna! Não sabem nada de São Paulo, nada de Brasil, na verdade. Como é difícil ser da elite paulistana e se fingir de povão! Mas vá lá… basta contar umas histórias de Bauru e pronto: já conhece São Paulo, o estado, inteiro.

Fabio SP

04 de junho de 2012 às 08h36

O problema do PT com São Paulo é que ele nasceu aqui. E toda mãe sabe bem o filho que tem…

Responder

alex

04 de junho de 2012 às 08h30 Responder

Willian

04 de junho de 2012 às 08h26

Pode-se desgostar de qualquer pessoa, menos Lula.

Responder

Rodrigo Leme

04 de junho de 2012 às 08h20

Ou seja, não pode ser contra Lula pq senão vc será racista. E bobo. E feio.

O pensamento do Sader anda em conjunto com sua sintaxe: mal e porcamente.

Responder

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 13h34

    Ainda bem que ninguém aqui ainda desgostou do Chico Buarque… aí a coisa fica séria!

Ildefonso Murillo Seul

04 de junho de 2012 às 07h13

Fora de contexto mas, por falar em combate ao Lula, e a nova arma do PiG é o caboclo Gilmar Mendes, é curioso notar que se pesquisar no Google o nome “Gilmar Mendes”, na terceira linha a terceira palavra que aparece é “corrupto”! Então, podem achar outro combatente para o ataque, porque essa jah era, meu!!! kkkkkkk

Responder

Romanelli

04 de junho de 2012 às 06h52

ta com falta do que falar ? ..toma um miojo

Quer queiram ou não, AGORA sim, após a publicação das COTAS RACIAIS, agora sim é que somos um país institucionalmente racista (ahh que NOJO que dá!!)

Cotas alienígenas nos trazida pela elite TUCANA, quem diria ?!

francamente, que barbaridade ..entra ano e sai ano e percebo que estão rareando os que conhecem e sabem discutir com mais profundidade nossos dramas humanas

..e o que dirá equacioná-los com brevidade (não se esqueçam, já já fará 8 anos que a transposição não sai ..mas os aditivos, eita quanta diferença)

Agora é assim, tudo esta na cara, no espelho, questão de côr e descendência, tudo fazendo parte duma obviedade que nos deixa de queixo caído ..e como não haviam pensado nisso, penso?

De duas uma, ou os que vieram antes e que não conseguiram nos livrar do ciclo da pobreza ..da urbanização e favelização desenfreada ..das crises importadas e da dependência ..da ignorância e das carências ..ou eram todos uns bossais ..ou estes novos “estudiosos” que escrevem tais artigos são gênios e acabam de descobrir a nossa pedra filosofal

quer saber ..pra mim a coisa é muito mais complexa do que esta simplificação barata resumida a cor de pele

Desculpe esquerdopatas, mas NÓS AINDA não somos a Africa do Sul nem o Alabama ..embora reconheça, se deixarmos vocês mais soltos e com esta vocação terrível em IMITAR (e não em INOVAR) sinceramente, penso mesmo que um dia chegarmos lá

ps – alguém sabe de algum negro que tenha sido, nos últimos 50 anos, proibido de estudar e prestar concurso público ? ..eu não sei ..mas já de pobre, vixi, aqui eu perdi a conta

Responder

    augusto2

    04 de junho de 2012 às 08h36

    Ih romanonski, agora tomamos nota de que houve a publicaçao (sic) das cotas raciais e que ‘ainda’ nao somos a africa do sul. No teu raciocinio a partir de agora a sociedade passa a correr perigo de racismo.
    Registramos teu protesto.
    E sentimos dizer-te que irás estrebuchar muito mais.

    Romanelli

    04 de junho de 2012 às 10h25

    cidadão, eu só irei parar o dia em que o BRASIL aprender a falar em CIDADANIA plena, de forma indistinta, pra mim e pra vc ..o dia em que o quinto artigo deixar de ser teoria e arma na mão de TRAÍRAS corporativistas

    o dia em que nossas leis, DEVERES e direitos, abordarem tanto o homem como a mulher, a hétero como a GAY, a negro quanto a branco, o ignorante e o esclarecido, o evangélico como o judeu, a pobre como ao rico ..enfim

    ..senão não pode pros meus, tb não pode pros teus ..se pra um, pra todos

    e sobre estrebuchar, não esquenta, antes de mim existiram os abolicionistas tb, pessoas que acreditaram e pensaram 100 anos antes de vc que os nossos problemas iam muito além do que as APARÊNCIAS, a demagogia e o populismo FASCISTA tentavam traduzir

    abrá

    e repita comigo, salve éfe,aga,cê (FHC), grande sociológo e pensador que tb acreditou nas cotas como fenômeno redentor..

    Romanelli

    04 de junho de 2012 às 10h49

    e sobre o meu raciocínio

    Desculpe, mas do que sei, ao menos desde 1920, eu NUNCA tinha visto ninguém aqui no BRASIL ter sido prejudicado e/ou beneficiado sob a proteção da lei

    Agora, com as cotas, agora os POBRES BRANCOS ou de qq outro matiz, que tb sofrem com a péssima qualidade das escolas públicas e não dispõe de recursos pra se manter em cursos de boa qualidade, agora eles estão OFICIALMENTE esquecidos

    ..e mais ..ignorando estatísticas por ex que dizem que 14% dos nossos magistrados já são de negros e pardos (atestando que NINGUÉM aqui parava pelo racismo) ..agora os cotistas se pedem de benefício pra concursos em carreiras PÚBLICAS aonde o que se pede é de competência

    tá difícil, pra mim sim é que tá difícil acompanhar o vosso raciocínios

    As cotas racistas no BRASIL penalizam INOCENTES VIVOS por culpa de pecados de mortos

    Penso que JAMAIS poderíamos ter lançado mão dum CRIME pra tentar minimizar dum outro mal …e pensar que outras saídas, mais LIMPAS E JUSTAS, racionais e eticamente defensáveis existiam, como as Cotas Sociais ..eu hein

Ana Paula

04 de junho de 2012 às 01h39

Tudo bem que o Emir Sader alegue que há preconceito contra o Lula. Não discordo, em absoluto! Mas por ser nordestino é que não é. Isso não faz sentido. Dos 29 mandatos presidenciais que este país teve, 9 foram compostos por presidentes nascidos no nordeste! Ou seja, um terço! Isso sem contar os presidentes nascidos em estados como Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Minas Gerais (um monte de presidentes), que estão fora do eixo Rio-São Paulo. Quer dizer que só o Lula, dos 9 presidentes do Brasil originários do nordeste, sofreu preconceito por ser nordestino? Que sentido isso faz?

O Lula sofreu preconceito por ser operário e sindicalista, não por ser nordestino.

De cabeça, vou enumerar alguns que me lembro:

Deodoro da Fonseca, Alagoas
Floriano Peixoto, Alagoas
Epitácio Pessoa, Paraíba
Eurico Gaspar Dutra, Ceará
Café Filho, Rio Grande do Norte
José Sarney, Maranhão (antes que eu alguém reclame: sim, eu sei que MA é região norte, apenas coloquei aqui na lista por ser absolutamente fora do eixo RJ-SP/centro-sul)
Collor, Alagoas
Itamar Franco, Bahia
Lula, Pernambuco

Só pra lembrar: em termos de fenótipo, de todos estes, exceto talvez pelo Collor, podemos caracterizar todos os outros como “não brancos”, pois todos são parecidos com o Lula em termos de cor de pele, cabelo e traços.

Não sou da turma do “não somos racistas” do Ali Kamel, o Brasil é sim racista, mas não contra pessoas com o fenótipo do Lula e destes outros presidentes citados acima. O racismo no Brasil é um racismo de fenótipo, não de origem (neste sentido é bem diferente dos EUA e da Rússia, por exemplo).

Responder

    Emerson Sousa

    04 de junho de 2012 às 03h40

    Primeiro, o Maranhão é Nordeste! Segundo, por mais nascidos no Nordeste que fossem os retro citados, esses, de forma alguma, representavam a história do povo da região como o Presidente LULA o faz!

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 10h10

    É realmente difícil ser racional com um assunto que desperta paixões como este, mas o fato é que 1/3 dos mandatos presidenciais do Brasil foi ocupado por presidentes nascidos no nordeste. A conclusão é uma questão metodológica. Em termos proporcionais, podemos dizer que a maior parte dos presidentes do Brasil veio do nordeste. O Lula é um deles. O Lula sofreu/sofre preconceito. Mas para afirmar que o Lula sofreu (preconceito) por ser nordestino, temos de afirmar que os outros 8 ex-presidentes também o sofreram.

    O preconceito contra o Lula era preconceito de classe. É tudo o que podemos dizer pelos dados apresentados. A única diferença substancial dele para os outros ex-presidentes citados é o fato de ser operário e sindicalista. Não há diferença de região de nascimento ou fenótipo. Logo, posso concluir que o preconceito contra ele é preconceito de classe, só pode ser por este motivo.

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 03h55

    Errata no comentário:

    *Maranhão fica no Nordeste, confundi por ter me acostumado com a denominação Meio-Norte, que é uma subrregião do Nordeste.

    Miguel Matos

    04 de junho de 2012 às 10h47

    Meio-norte? Essa denominação eh antiquíssima. Desde quando eu fazia o primário, na década de 70, o Maranhão já ficava na Região Nordeste, que nao tem subregioes.

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 13h11

    Miguel, eu sou uma pessoa antiquíssima. Meio-norte é utilizado ainda, principalmente na Demografia das maiores universidades brasileiras, como no NEPPO. O Maranhão sempre foi tratado como “zona de transição” entre o Nordeste e o Norte.

    De qualquer forma, o comentário teve “errata” posterior, questionar somente um erro retificado indica que não existem argumentos para o cerne do comentário. Um abraço pra você que nunca errou na vida.

    Horridus Bendegó

    04 de junho de 2012 às 07h52

    Eurico Gaspar Dutra é tão cearense quanto Humberto de Alencar Castelo Branco é carioca…

    E Maranhão no Norte?

    Ana Paula você comete os mesmos erros típicos e frequentes dos paulistas, que costumam dizer que Macieó é a capital do Ceará;

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 13h39

    Não respondo questionamentos a erratas. A minha errata foi publicada às 3:40 da manhã, logo, antes de todos os outros comentários apontando o erro, e as pessoas ainda insistem em apontar um erro que foi RETIFICADO. Obrigado pela civilidade no debate. Reparo que ambos que todos que fizeram isso não questionaram meu argumento principal.

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 13h41

    Contudo, obrigado por apontar meu erro, que não consiste no apontamento do estado, mas na confusão do nome, onde se lê *Eurico Gaspar Dutra, entenda-se:

    *Castelo Branco, cearense.

    Satisfeito? Como disse, fiz a lista de cabeça, e minha cabeça já tem 50 anos. Um abraço pra você que nunca errou na vida.

    Vinícius

    04 de junho de 2012 às 17h58

    Eu acho que o preconceito racial contra o Lula é preconeceito contra “migrante” nordestino, que é uma das etnias de SP.

    Como no caso de outros preconceitos no Brasil, o preconceito contra o migrante é amenizado quando ele deixa de ser pobre. Como nunca parou de se identificar e falar como povão, e como é lutador social, o Lula não deixou de ser visto como pobre, apesar de a gente saber muito bem que ele não é.

Elias

04 de junho de 2012 às 00h26

Para provocar um pouco mais a elite branca e racista, é bom lembrá-la que a origem da espécie humana surgiu na África. Somos todos descendentes de africanos. Isso de ser mais claro ou mais escuro é resultado de infinitas migrações de nossos ancestrais que adquiriram características biofísicas ao se instalarem em lugares mais frios ou menos frios. Nossas aparentes diferenças advêm de efeitos geográficos e não biológicos. Na essência, somos todos iguais, somos 7 bilhões de seres mais ou menos humanos.

Responder

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 10h27

    Alhos com bugalhos, Elias.

    1) Dizer que todos viemos da África em algum passado remoto não soluciona o racismo, i.e., não retira do racismo sua motivação consciente e inconsciente.

    2) O racismo não deriva de imediato de uma cor específica de pele. Isso é uma concepção fenotípica de racismo, característica do Brasil.

    3) A escravidão, considerando-se os exemplos históricos, não tem cor de pele.

    Ninguém aqui quer negar os horrores da escravidão negra no Brasil, mas é importante pontuar que é ela é específica na história, e mesmo naquele período, a escravidão de outras etnias ocorria, e no transcorrer da história é comum que um povo escravizado num momento se tornasse escravizador no outro. Boa parte da história consiste em um povo escravizando o outro, o trabalho assalariado é um fenômeno muito recente na história da humanidade.

    Por exemplo, um fato pouco conhecido é a escravidão dos povos eslavos na Europa, na Ásia e no norte da África. Durou mais de 1.200 anos. Desde a Roma Antiga até o século XVIII na Turquia, embora tenha sido reduzida drasticamente já no século XV na Europa. Os povos eslavônicos foram escravizados por turcos, árabes, mongóis, hunos, godos, visigodos, vândalos, ingleses, romanos, gregos e hebreus.

    Os responsáveis pelo tráfico de escravos eslavos durante o período de ocupação da península ibérica pelos muçulmanos eram os judeus Radanitas, que traziam escravos da Crimea (hoje na Ucrânia) e vendiam na península ibérica e no norte da África. Até o termo ‘slave’ em inglês, que significa escravo, é devido à escravização eslava.

    Pontuo mais uma vez: não se trata de negar os horrores da escravidão negra no Brasil, mas sim de compreendê-la num contexto maior no qual escravizar era parte do princípio da geração de lucro (o tráfico).

    Elias

    04 de junho de 2012 às 13h46

    Mas, Ana, eu nunca pretendi (nem me vejo como) solucionar o problema do racismo ao dizer que todos “viemos da África em algum passado remoto”( frase sua). Quis apenas provocar os que se orgulham de ser “branquinhos”.

    lu

    04 de junho de 2012 às 13h47

    Ei, Ana Paula, não sei sua naturalidade mas seu discurso lembra paulistas cheios de verdade e de teorias enviesadas. Primeiro, leia o texto de novo e você vai ver que fala da elite paulista, e não do Brasil. Sabe, aquela elite paulista, que entope o Twitter de ódio contra os nordestinos, que acha que toda pessoa com sotaque nordestino é menos inteligente, é risível, é faxineira, é porteiro, que acha que nordestino que estuda na USP só entrou lá porque foi por programa de intercâmbio, sem processo seletivo, caso contrário não passaria nos testes (sim, muitos estudantes ali acham que a USP tem programa especial de acesso a nordestino, como tem pra estudantes africanos, acredite, eu sei), elite que é imitada por parcela da classe média paulista, que lê Veja, que macaqueia a elite paulista (mayara petruso, hello).
    Segundo, quem te garante que esses presidentes nordestinos que você citou não foram rejeitados pela elite paulista? você tem dados históricos? estava lá pra saber? Do jeito que você fala, parece que a elite paulista é que nomeava os presidentes do Brasil. Tipo; “como assim a elite paulista tem preconceito? tem nada, o Brasil teve tais e tais e tais presidentes nordestinos”. Oi?

    Agora, afirmar que o fato de Lula ser nordestino não tem peso no ódio que a elite paulista tem dele me parece cegueira fenomenal. Pesa sim, pesa muito, junto com outros preconceitos, claro, como o fato de ser operário, trabalhista, de origem pobre, sem olhos azuis etc.

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 19h50

    lu, sou natural de Santa Catarina.

    “Agora, afirmar que o fato de Lula ser nordestino não tem peso no ódio que a elite paulista tem dele me parece cegueira fenomenal.”

    Eu não afirmei isso, o que eu afirmei é que por uma questão metodológica, caso o Lula tenha sofrido preconceito ESPECIFICAMENTE por ser nordestino, os outros 8 presidentes nordestinos que o Brasil teve também deveriam ter sofrido. Se ser nordestino é a invariável, não determina o diferencial: buscamos a variável, e a variável é o que distingue o Lula dos outros, i.e., ter sido operário e sindicalista.

    “Segundo, quem te garante que esses presidentes nordestinos que você citou não foram rejeitados pela elite paulista? você tem dados históricos? estava lá pra saber?”

    Na verdade, eu não tenho preciso de “dados” históricos de algo que é senso comum, um truísmo. Se foram rejeitados ou não pela tal elite paulista, que ninguém soube explicar criteriosamente qual a diferença da elite carioca, por exemplo, tanto faz, pouco é relevante para solucionar a questão: sofreu preconceito por ser nordestino? A resposta é não. Se foram rejeitados, tanto faz, é preciso antes provar que tenham sido rejeitados por este motivo. Ser nordestino, paulista, carioca, sulista, etc, não isenta ninguém de crítica ou de rejeição, existem incompetentes, corruptos e obtusos oriundos de todas as regiões do país.

    E sim, eu estava “lá” pra saber. E por estava lá quero dizer em São Paulo, na USP, em meio à comunidade acadêmica.

LUIZA

04 de junho de 2012 às 00h24

Mais uma parte do circo de tentativa de blindagem de gilmar e veja (tambem coloca o PGR para nublar mais ainda). Este folhetim publica “que teve acesso” a um documento de guia para PT na CPi cachoeira. Ta mais que na cara que é outra montagem de um documento produzido por eles mesmos de tao ridiculo que esta feito. Fico pasma se alguem consegue acreditar nisso. Obviamente tudo isso é para tentar gerar uma vacina e alguma conturbaçao na cpi para ver se surge a pizza. Asim os envolvidos tentam alardear o mundo com falsidades e os coitados que acreditarem seguiriam o rebanho para tentar dar alguma opiniao publica. Realmente acho que estao com muito medo do que vem na cpi, tanto que no final dizem que os proprios petistas acham que o PT ate agora e o grande perdedor da cpi, numa tentativa clara e infantil de desestimular os deputados da base criando um burburinho …chega a ser hilario (se alguem de Brasilia acreditar nisso!), “e que assim sejamos sensatos e terminemos essa cpi”…kkkk. Porem acho que o PT tem de processar e pedir direito de resposta por calunia! Ou vao continuar de braços cruzados! PS Tambem nao perderam a oportunidade de atacar os blogs “financiados” pelo governo, numa clara coadunação das partes envolvidas nessa estrategia que deve ter sido montada ha 1 mes entre gilmar, veja, serra e demostenes et al….

Responder

Fabio Passos

03 de junho de 2012 às 23h22

O Lula perdeu um dedo em um acidente de trabalho.
Ralando prá ganhar a vida.
Não tem o que esconder nem motivo para se envergonhar.

Já esta “elite” branca, que nunca trabalhou na vida, é que deveria se envergonhar… mas há muito que amputaram a vergonha na cara da ricaiada vagabunda.

Responder

    Sergio Wolf

    06 de março de 2013 às 21h53

    Votei nesse cara no primeiro mandato, mas fui enganado pelo discurso dele. Agora gostaria de provas concretas e documentadas que ele LULA e o filho, não enriqueceram as custas da nação.

Moacir Moreira

03 de junho de 2012 às 23h06

Olá, Azenha e demais amigos leitores e comentaristas deste conceituado blog,

Nos duros anos da gerência militar (1964/85), o pessoal do PSDB, que ainda se aninhava no PMDB, era considerado de esquerda, enquanto a galerinha do PT era chamada de extrema-esquerda porque muitos deles supostamente eram ex-combatentes que participaram da heróica campanha de guerrilha travada contra o regime ditatorial alguns anos antes.

Havia ainda a “esquerda festiva”, composta basicamente de burgueses e pequenos burgueses, intelectualóides de boteco, porém de reconhecido talento, muitos dos quais fizeram bastante sucesso na música popular bossa-novista de protesto, bem como na chamada imprensa “alternativa” da época e hoje colaboram sem nenhum contrangimento com a rede veja-globo de manipulação.

Mas não havia divergências consideráveis entre eles.

Um episódio interessante do qual me lembro foi quando os deputados do PT chegaram a ser chamados de malufistas porque se recusaram a votar no Tancredo Neves na eleição indireta que disputava contra o candidato da ditabranda.

Na época eu não entendi bem o que a “oposição” queria dizer com isso.

Abraços

Responder

abolicionista

03 de junho de 2012 às 22h46

O Brasil é um país racista até o osso. Tire-se o racismo do Brasil, o que é que sobra? Não sei, mas eu pagaria para ver…

“nós não somos nada sobre a terra, se não somos, desde logo, cativos de uma causa, a dos povos, da justiça e da liberdade.”

Frantz Fanon

Responder

Luiz Carlos

03 de junho de 2012 às 22h45

Quantos são? Dez mil, 20 mil. O que importa são os milhões que poderão agora investir, criar uma marca de carro, de eletrônicos, de televisor, alguma coisa com as cores do Brasil, para quem a elite não dão bola. Eles nunca produziuram nada além de facilitações e beneses para os amigos e para sí.
É melhor não ter um dos dedos do quê ter um rabo enorme, preso até com bicheiros, entre outros.

Responder

Adilson

03 de junho de 2012 às 21h24

Azenha, onde é que tem uma cadeira, um banquinho, ou uma caixote que seja pra eu subir e aplaudir de pé?!

Bravo!

Responder

Paciente

03 de junho de 2012 às 21h14

Sinceramente, sendo afro-brasileiro, me preocupa muito a exclusão terrível de que estão sendo vitima os descendentes de portugueses.

Os principais paladinos do DEMO contra as cotas tinham sobrenome italiano e alemão. Não adiantou ganharmos a guerra mundial contra o Eixo e o racismo: eles vêm nos dizer o que devemos ou não fazer… Nos telejornais, não se vê sobrenome português, nas telenovelas (particularmente na “Malhação”, novela que tem a função não explicitada de mostrar gente “bonita”), ninguém tem sobrenome “Silva” ou “Santos”.

Dizem que o sobrenome “Lee” é o mais usado no mundo. Quanto tempo o governo chinês ficaria no poder se “Lee” não fosse também o sobrenome da maioria dos membros da “nomenclatura”?

Da esquerda à direita, Roussef, Lorenzoni, Suplicy, Schummann, Bonner, Kamel, Arns. Cadê os “Carvalho”, os “Pereira”, os “Santos”?

Reclamo por ser um “Silva”? Talvez. Mas os dois maiores sobrenomes brasileiros na lista telefônica não serem os mais encontradiços no noticiário artístico, cultural, politico, acadêmico, etc, etc, etc. é um indicador que poderia e deveria ser mais utilizado: o indicador “Silva-Santos de democracia”.

Sim, democracia – pois minha fala não tratou de outro assunto.

Responder

    Ana Paula

    04 de junho de 2012 às 03h45

    Lee é sobrenome inglês. Se é ou não o mais “usado” no mundo, não tenho dados.

    Quanto a isso de dizer que os sobrenomes portugueses estão sumidos das novelas e dos cargos políticos, como comentar um disparate desses?

Zé Brasil

03 de junho de 2012 às 21h03

Parabéns Professor Sader por mais um de seus excelentes artigos, sempre preciso e claro.

A destruição de Lula que é buscada diuturnamente por estas forças obscuras, felizmente sempre frustradas, é mais do que emblemática: ela pretende que com esta destruição seja dado um recado claro aos demais trabalhadores e cidadãos do Povo, por eles visto como seres inferiores, é a de que vocês nunca mais ousem a sentar no lugar de príncipes, de predestinados divinos e outras bobagens. Se tentarem de novo olha só o que lhes faremos. A gente te esmaga e te arrebenta, física e moralmente, e é de ladrão prá baixo que te chamaremos, seu bando de mendigos. Não ousem jamais, cambada!

A “pièce de resistance” deles será sempre dizer que eles são um bando de comunistas, ladrões e corruptos e outras besteiras que só aqueles que não tem um pingo de senso crítico, os infelizes leitores de manchetes dos jornais do pig, os indignados de poltrona que se desinformam no jornal das oito e os nazi-fascistas que varam madrugadas trafegando lixo pela internet na tentativa insana de derrubar o Governo.

Todos eles rezando pela cartilha dos santos de pau-ôco, as suas grandes referências, aqueles tão bem conhecidos no império para roubar o ouro do Brasil, com seus discursos moralistas de ética e anticorrupção, estes mesmos de quem estamos vendo a cada dia suas falcatruas sendo expostas a céu aberto e mostrando onde de fato moram a falta de ética e a corrupção.

Temos que ter coragem sempre e não esmorecer jamais, pois o rumo certo de nosso País é este e não deixaremos que nosso futuro seja de novo roubado pelos mesmos atores que ainda sobrevivem na mesma pocilga que propiciou o golpe de 1964, o que lhes permitiu continuar com o espoliamento de sempre de nosso País.

Vamos combatê-los sempre e a blogsfera, baluarte maior da Democracia com nossos blogs “sujos”, é a nossa maior trincheira. Devemos protegê-la sempre, a todo custo, contra qualquer tentativa de censura e cerceamento da liberdade de expressão, a irmã mais velha e mais ajuizada da liberdade de imprensa nos dias de hoje no Brasil, como as que nesta semana que passou tivemos oportunidade de presenciar nos diversos artigos na web.

Sim, pois na remota hipótese deles, as vestais de pés de barro, voltarem ao poder pergunto: – que tipo de fiscalização esta imprensa e mídias podres, que lhes dão suporte irrestrito, omitindo e distorcendo fatos a seu bel prazer, lhes fará? Respondo: – Nenhuma, pois, como na teoria de Serge Halimi, no seu livro “Os cães de guarda”, a imprensa e a mídia em geral, sentir-se-hão parte do governo que ajudaram a instalar e contra ele não se voltarão jamais, posto que, como todo cão bem amestrado e domesticado, elas jamais morderão a mão do dono que as alimenta com uma pelanca aqui e outra ali.

Não prego aqui uma imprensa adesista, chapa-branca, e sim uma imprensa equânime, justa, investigativa, questionadora e apartidária, aquela que me apresente fatos e não opinião de editorias que representem as oligarquias que desgraçam este Pais desde o império e me permita concluir como ser pensante que sou sobre aquilo que me é apresentado. Não preciso que ninguém pense por mim.

Sanduíche pronto, mídia do pig, vá comer nos “fast foods” da vida, tão a seu gosto.

Responder

Pedro

03 de junho de 2012 às 20h48

Um dia durante uma aula de história o professor fez uma pausa para responder à um colega que lhe fizera uma pergunta a respeito de elite, lembro-me que antes de responder ele disse: meu caro.. não há muito o que dizer, a elite representa o que há de mais retrogrado, estupido, medíocre e, doente dentro da nossa sociedade. A princípio, tanto para mim como para os outros alunos aquilo não fez muito sentido, mas iria fazer em muito breve, o ano era 1970 e cursávamos o então ginásio.

Responder

Jorge Santos

03 de junho de 2012 às 20h32

Caramba. Que desabafo.
Histórico.

Responder

Gerson Carneiro

03 de junho de 2012 às 20h24

Em uma esquina de São Paulo: O homem que virou suco.

Deraldo, poeta popular recém-chegado do Nordeste a São Paulo, sobrevivendo de suas poesias e folhetos é confundido com o operário de uma multinacional que mata o patrão na festa que recebe o título de operário símbolo. O filme aborda a resistência do poeta diante de uma sociedade opressora, esmagando o homem dia-a-dia, eliminando suas raízes.

Responder

Ninguém

03 de junho de 2012 às 20h12

Concordo com quase tudo no artigo. Uma das poucas coisas que me causou estranhamento é dar a entender que o Lula não é branco. Como não? O Lula não é pardo e está longe de ser negro. Que o preconceito existe na elite paulistana, não discordo. Agora, o ódio nutrido contra o Lula está mais pelo fato de ele ser nordestino e ser o principal responsável pelas enormes transformações sociais que estão, finalmente, acabando com o sistema semi-escravocrata* que vigia a todo o vapor até o governo FHC.

* A exploração amplamente difundida de empregradas domésticas pela classe média brasileira é uma aberração que era causada por dois fatores: a ausência de oportunidades melhores no mercado de trabalho e a mentalidade escravista predominante nesse extrato e nas classes mais abastadas (sim, porque a exploração a que eram – e, em alguns casos, ainda são – submetidas em pleno século XXI era coisa que só dava para ser comparada à escravidão).

Só aqui no Brasil classe média tem empregada doméstica. No tão idolatrado “primeiro mundo” só quem tem MUITO DINHEIRO é que consegue ter serviçais. Empregada doméstica, lá fora, é coisa de milionário.

Responder

oziel f. de albuquerque

03 de junho de 2012 às 20h07

A elite paulista são preconceituosas, mais duque outros estados do Brasil. todo o dia 12 de julho a elite paulistana comemora a revolução de 1932, ou seja comemora derrota.

Responder

Fabio SP

03 de junho de 2012 às 19h58

Será que temos mais de 50% da população de São Paulo como “elite”??? Então é a Suiça mesmo…

Responder

Henrique

03 de junho de 2012 às 19h54

Os Nordestinos também eram chamados de “paraíba” em SP e no Rio de Janeiro, expressão que tinha caráter depreciativo de sua origem humilde e mestiça. Tenho nojo e ódio dessa discriminação racial, a mais forte do país, contra os Nordestinos.

Responder

    Fabio SP

    04 de junho de 2012 às 08h34

    Aqui em São Paulo, nordestino é chamado de “baiano” e não “paraíba”. Assim como japoneses, chineses e coreanos são chamados de “japa”, italianos são chamados de “carcamanos”, alemães, holandeses e ingleses são chamados de “bichos d´agua”, etc…
    E não são as elites que chamam ninguém assim…

José Luiz Rossi Passos

03 de junho de 2012 às 19h46

Aquele moço(?) de cabelo engomadinho(postiço,suponho),idealizador do “Cansei”seria um lídimo representante dessa elite paulista?

Responder

    francisco pereira neto

    03 de junho de 2012 às 22h32

    Fala sério!!!
    João Doria Jr.?
    Sujeitinho intragável.

Alberto Nasiasene

03 de junho de 2012 às 19h36

Gostaria de ler uma análise do Sader sobre o ódio ao Lula e ao PT, não só da elite paulista (porque as elites estaduais Brasil afora também o tem, não só a de São Paulo; porque esta não é uma questão bairrista apenas), mas de políticos como Ivan Valente e Chico Alencar (além de Heloísa Helena e Plínio de Arruda Sampaio); do PSOL, enfim. Também gostaria que ele fizesse uma análise sobre o ódio ideológico do PSTU.
Por que será que, na questão do ódio intransigente a tudo o que vem do PT, o PSOL, por exemplo, fica sempre ao lado do PSDB.
O Emir Sader deve ter alguma explicação sociológica que eu ainda não sou capaz de entender plenamente.

Responder

Fabio Passos

03 de junho de 2012 às 19h20

What’s the ugliest part of your body?

http://www.youtube.com/watch?v=qXCvZ0cWM-w

What’s the ugliest part of your body?
Some say your nose
Some say your toes
But I think it’s your mind
I think it’s your mind
All your children are poor unfortunate victims of systems beyond their control
A plague upon your ignorance & the gray despair of your ugly life

Responder

Fabio Passos

03 de junho de 2012 às 19h04

A “elite” branca e rica sofre desta necessidade incontrolável de ofender e tentar diminuir o Lula. O PIG é o veículo que esta minoria inconformada com as mudanças sociais utiliza para divulgar seu ódio, racismo e preconceito. Lula é um símbolo. Lula é a cara do nosso povo. Os ataques preconceituosos contra o Lula deixam muito claro o desprezo que sentem pelo povo brasileiro.

Não dá prá continuar tolerando estas afetações preconceituosas da minoria branca e rica. Aliás, quem carrega uma inconfundível deficiência é a “elite” brasileira. A pior “elite” do mundo. São aleijados ético-intelectuais. E o PIG é a maquininha de disseminar mutilações. Doutrinados pelo ódio acabaram coxos da alma.

Responder

    Mário SF Alves

    08 de junho de 2012 às 09h03

    Prezado Fábio,
    Respeito muito sua ira. É doloroso ver ainda hoje e diuturnamente este combate cerrado, desleal, absurdo e profundamente injustificável que a tal elite e seus miquinhos amestrados movem contra o Lula.
    Mas, vamos ser realistas. Coloquemo-nos – só por um breve instante – no lugar desses caras:
    1) Eles ficam doidos, perdem o sono e têm pesadelos horríveis só em pensar na hipótese de ficarem mais tempo apeados do Governo. Imagine. Eles jamais admitiriam a perda do “privilégio” de defender seus interesses mesquinhos .

    que

sossegão

03 de junho de 2012 às 18h42

Tudo na vida passa, inclusive esta “elite” paulista.

Responder

pperez

03 de junho de 2012 às 18h19

A elite jamais admitirá a expressiva ascenção social em curso e ter que dividir qualquer espaço que seja com o povão.
Lula,depois Dilma derrubaram as cercas que limitavam o acesso desse enorme segmento social aos aeroportos, shoppings e supermercados, a ter direito a uma casa,carro e viagens!
Apesar de ser um pais onde a corrente de fraternidade entre os povos e as raças seja um exemplo no mundo, a elite reacionaria planta minas dia e noite para quebrar estes elos!

Responder

Laurenisio

03 de junho de 2012 às 18h10

Não vejo esse ódio na Dilma. Ela tem conseguido, por diversas razões, se manter num patamar de aceitação diferente do Lula.

Responder

    Fernando

    03 de junho de 2012 às 19h53

    Não se engane, até essa tolerância com a Dilma é fruto do preconceito com Lula, pois sabem que se derem o golpe em Dilma, Lula volta, e este é o verdadeiro pavor Instituto Millenium (criado pelo PIG para abrigar ex comunistas desempregados e criar “pesquisas” para o grupo Cansei), vide a alegria que foi tomada ao saber do câncer de Lula.

    Porque tanto ataque a um ex presidente?
    Querem tira-lo do combate, para depois ir para cima da Dilma.

    Liz Almeida

    03 de junho de 2012 às 20h49

    Pois é… mas ela pode fazer o governo mais perfeito de todos, e ainda boa parte dessa ‘elite’ continuará votando nos tucanos. Por que hein?

mfs

03 de junho de 2012 às 17h56

Embora sejam justas as acusações contra o caráter discriminatório da elite brasileira, penso que sem as devidas mediações a crítica possa ser interpretada também sob um viés preconceituoso.
Afinal, será mesmo que a tal elite paulista é mais preconceituosa do que as de outros estados?
Existira mesmo uma especificidade paulista do corte de classes brasileiro?
Sinceramente, duvido muito.
Bastaria a exigência de simples contra-exemplos: por favor, diga-nos quais são as elites que podem ser consideradas menos preconceituosas do que a paulista.

Responder

    PauloH

    03 de junho de 2012 às 20h23

    Concordo. Acho até preconceituosa essa mania contemporânea de parte da esquerda de associar sempre o racismo e o reacionarismo no Brasil a São Paulo. Sem ir muito longe, a Rede Globo e o JB, talvez os dois maiores pilares, os maiores apoios da Ditadura naqueles 21 anos, têm sede no Rio. Carlos Lacerda era carioca e “operava” no Rio, não em SP. Quem for ao Paraná e a Santa Catarina, garanto, vai ver comportamento igual ou pior por parte da elite e da classe média alta locais. Tudo que ocorre em São Paulo tem mais impacto porque é o estado mais populoso, porque concentra grande parte da mídia e porque os grandes partidos têm seu centro de gravidade em SP. Inclusive o PT. Não vejo as elites de outros estados menos carnívoras que a paulista. É uma questão de proporção, não de índole.

    Sergio Navas

    03 de junho de 2012 às 22h57

    Concordo plenamente.

    abçs

    mfs

    04 de junho de 2012 às 10h13

    Tive contato com o quotidiano de membros da elite local de grandes cidades do Nordeste e pude testemunhar o quanto podem ser preconceituosos em relação aos trabalhadores, negros e vindos do interior.
    Ou seja, elite é elite, classe dominante é classe dominante.
    Ninguém é melhor ou pior por ser paulista. Nem angolano,dinamarquês, corso, tamil,pernambucano, uzbeque ou basco.

    claudio

    04 de junho de 2012 às 15h32

    O JB foi bem mais atacado e censurado pela ditadura do que o Estadão e a Folha. No mais, está certo, o racismo e preconceito existem em todo o país, incluindo estados com grande maioria de população de origem africana e indígena (*ex. BA, MA).

    Mário SF Alves

    03 de junho de 2012 às 23h39

    Sua preocupação é de natureza acadêmica, porém nem por isso de somenos importância, claro. No entanto, o que de fato importa verificar aqui é o jogo político jogado por essa referida elite. Talvez nada muito distante do referencial ideológico da extinta UDN. Mas, isso tráz um outro problema, e, esse, sim, preocupante; ou seja: a total submissão desta elite ao neoliberalismo/projeto político antiBrasil e antipovo defendido pela associação PiG/PSDB.

    Mário SF Alves

    03 de junho de 2012 às 23h42

    Aliás, pra que não fique dúvidas, a Grécia é logo ali.

Julio Silveira

03 de junho de 2012 às 17h46

Me regozijo em perceber que começamos a olhar fundo para um dos males que considero dos mais tacanhos de nossa elite social. Criticar isso já, faz a hora. Temos que aprofundar a discussão dessa cultura nociva, que passa sendo transmitida em herança nos vasos comunicantes desses grupos vadios de conteúdo.
Esses desajustados com o Brasil e seu povo, devem ser desmascarados ou pelo menos reconhecidos para que não passem camuflados como “gente como a gente”. Faz-se necessário sofrerem o merecido repudio por parte daqueles contumazes no sofrimento da violência do pré-conceito.

Responder

José Eduardo

03 de junho de 2012 às 17h16

Seria bom que a turma do PSOL e certos esquerdistas que se querem “puros” lessem e refletissem sobre o artigo antes de saírem atacando os governos trabalhistas no poder. Pior, pois acabam fazendo o jogo da direita sem saber!? Eles precisam definitivamente ter em mente o que de fato está em jogo no país. Precisam aprender a serem humildes e descer das nuvens (revolucionárias?) onde insistem em viver!

Responder

    Werner [email protected]_2

    03 de junho de 2012 às 18h14

    Concordo. É muito importante a esquerda mais radical atentar para seu papel de linha auxiliar da ultra-direita – que, historicamente, é apenas ridículo…

    grilo

    03 de junho de 2012 às 20h35

    A esquerda mais radical só é radical porque não está no poder. Uma vez alcançado o poder ela modera o discurso, como, aliás, aconteceu com o PT. A arrogância da elite paulista supera a de outros estados brasileiros porque além de ser numéricamente maior o Estado de SP é privilegiadamente mais rico (ou pelo menos já foi). Agora, não se enganem, toda elite é arrogante, no Brasil ou fora dele.

    Lucas Gordon

    03 de junho de 2012 às 21h25

    essa tese bíblica aí é que demonstra as sombras estalinistas que se escondem por trás do PTismo acrítico: “quem não está comigo está contra mim”

    agora então o Lula e o PT encarnam o espírito santo da Esquerda, e qualquer outra pessoa que os criticarem serão direita.

    Me desculpe, mas nem o PT nem o Lula são perfeitos, merecem críticas sim. E as boas mesmo, pode ter certeza, virão da esquerda.

    Claudio

    13 de junho de 2012 às 11h35

    Não são tão ingênuos! Eles sabem que apoiam a direita!

    Roberto Locatelli

    04 de junho de 2012 às 09h06

    José Eduardo, não acho que o PSOL seja esquerda “radical”. Os militantes de esquerda radical que conheço estão no PT e não pensam em deixá-lo, embora sejam críticos em relação a algumas atitudes do partido, como por exemplo a falta de um Plano Nacional de Banda Larga mais efetivo, que dê força à Telebras, e não às famigeradas “Teles” de FHC.

    O PSOL não participa da luta contra a imprensa golpista. Aliás, muitos de seus militantes vão às reuniões com a Veja debaixo do braço, para repercutir as “denúncias”. A partir desse fato, a integração do PSOL à direita é bem natural.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.