VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Sergius Gandolfi: Código Florestal beneficia o capitalismo selvagem


27/07/2013 - 18h51

do Jornal da Ciência, sugestão de Débora Calheiros

Do Recife (PE) – Mesmo com a aprovação do Código Florestal (Lei 12.651 de maio de 2012, alterada pela lei 12.727 de outubro de 2012), ainda há pontos polêmicos.

Foi esse o tema central da mesa redonda “Código Florestal Brasileiro: avanços e retrocessos”, realizada nesta terça-feira, dia 23, na 65ª Reunião Anual da SBPC, no Recife. O professor José Antonio Aleixo da Silva, da UFPE, coordenou o debate que teve a participação do biólogo Sergius Gandolfi, da USP, e do advogado Rodrigo Lima, da Agroicone.

De acordo com Gandolfi, a proteção ambiental não atrapalha o agronegócio, mas é preciso investir em ciência para que haja mais eficiência. “É preciso fazer uma adequação das áreas por vocação. Com investimento em C&T, a reserva legal, por exemplo, pode ser um novo ponto de produção na propriedade rural”, afirmou.

Para o biólogo, o debate deve continuar, a sociedade deve cobrar do Judiciário que declare a inconstitucionalidade da lei ou de pontos específicos. “É preciso resistir e insistir. No momento, existem quatro ações no Supremo Tribunal Federal questionando essa lei”, disse Gandolfi. Ainda, segundo ele, é preciso insistir em educar e informar as pessoas quanto ao código.

As ações diretas de inconstitucionalidade (ADI) a que Sergius se refere foram ajuizadas pela Procuradoria-Geral da República (ADIs 4901, 4902 e 4903) e pelo PSOL (ADI 4937) que questionam dispositivos do novo código. Foram mencionadas regras relacionadas às áreas de preservação permanente, à redução da reserva legal e também à anistia para quem promove degradação ambiental.

Uma das críticas é a definição das áreas de preservação permanente (APP) das matas ciliares. A lei em vigor prevê que essa definição seja estabelecida a partir da calha do leito regular. Isso, no entanto, não garantiria o nível máximo de proteção ambiental.

Outro ponto polêmico é a permissão do uso agrícola de várzeas na agricultura familiar em áreas com até quatro módulos fiscais. A extensão do módulo fiscal – que serve de parâmetro para classificação fundiária – varia de cinco a 110 hectares, dependendo do município.

Os maiores módulos fiscais concentram-se nos estados do Acre, Amazonas, Mato Grosso, Roraima e Mato Grosso do Sul. Nessas áreas, quatro módulos fiscais equivalem a uma grande extensão territorial, o que não corresponderia a uma propriedade destinada à agricultura familiar.

O advogado Rodrigo Lima alerta para a insegurança jurídica do código.

Segundo ele, as mudanças de regras ao longo do tempo criaram um cenário de insegurança para quem desmatou seguindo a lei da época. “Em 1965 foi criada uma regra para as Áreas de Preservação Permanente. Em 1986, uma nova lei aumentou os limites mínimos dessas áreas. Quem já tinha desmatado precisa recuperar?”, questiona.

Ele falou de outras normas como a exclusão da proteção das nascentes e dos olhos d´água intermitentes e a permissão para novos desmatamentos sem que haja recuperação dos já realizados irregularmente.

Rodrigo Lima ressaltou atuação da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência na discussão. “A SBPC fez muitas críticas, inclusive quanto à diferenciação entre urbano e rural. Logo, as APPs urbanas exigirão atenção especial”, avalia.

Rodrigo considera que serão necessários dez anos para que se promovam as mudanças necessárias para os avanços na lei. “O código é o meio do caminho, que avançará com uma negociação que não é trivial. A agenda é extensa e exigirá a participação de todos”, afirmou.

O biólogo Sergius Gandolfi propõe uma análise sobre a degradação ambiental. “Primeiro, precisamos entender que, no Brasil, ela não é obra do acaso, é um processo bem conhecido e extremamente documentado pela ciência por décadas de trabalho. Em geral, os estudos mostram que as propriedades agrícolas no Brasil são mal utilizadas”, disse.

Para Gandolfi, o enfoque da lei de 1965 era a proteção. “As restrições eram para o bem da sociedade. A substituição pelo atual código beneficia o capitalismo selvagem”, disse, apontando o agronegócio como responsável pela destruição do meio ambiente. “O que estamos assistindo é um processo bancado pelo agronegócio, que quer voltar a uma situação de neoliberalismo, onde o Estado não fale nada a respeito, apenas atenda a demanda dos proprietários”, avaliou.

Segundo o biólogo, a falta de fiscalização e de punição beneficiam os grandes proprietários. “Eles vão lucrar com as terras que antes tinham que preservar. Os cientistas e outros atores sociais não tiveram o mesmo acesso à imprensa que o setor do agronegócio”, criticou.

 Leia também:

Filme que denuncia violações na Embrapa é proibido; empresa nega

Stedile: O Massacre de Carajás e o pacto do latifúndio com o Judiciário

Wanderlei Pignati: Até 13 metais pesados, 13 solventes, 22 agrotóxicos e 6 desinfetantes na água que você bebe

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Urbano

29 de julho de 2013 às 18h34

Ainda bem que não foi cognominado de código de ética florestal…

Responder

Bernardino

29 de julho de 2013 às 11h44

PARABENS,RRODRIGO pela brilhante oportunidade que nos foi dada atraves deste blog de identificar a bandidage do agronegocio em açao!!Assim tambem ocorre com a saude e sua bancada e outras bancadas o que concluimos que a DEMORACIA representativa está FALIDA no mundo inteiro.

Os politicos sao financiados pelas CORPORAÇOES e votam de acordo com os interesses destas e jogam areia na cara do povo que os elegem apoiados pela MIDIA BANDIDA eos tribunais nomeados pelos politicos!!

TUDO de acordo com o Pensamento de GEORGE ORWEL:
A MASSA mantem a MARCA,a Marca mantem a MIDIA e a MIDIA controla a MASSA”

Responder

Mardones

29 de julho de 2013 às 09h30

O código florestal do Aldo foi encomendado pela Friboi, empresa com uma das maiores bancadas no Congresso Nacional.

Responder

Mário

29 de julho de 2013 às 09h20

A lei anterior era uma colcha de retalhos e ninguém sabia o que fazer. Os desbravadores do interior do Brasil eram incentivados a derrubar a mata, até o leito do rio. Depois veio a lei de 1965, que previa alguma proteção, mas que nunca foi efetivamente cumprida. Daí pra frente, o discurso sempre evoluiu no sentido da preservação ambiental, a ponto de, antes da aprovação do novo Código Florestal, não haver agricultor (pequeno, médio e grande) que não fosse um criminoso ambiental. O código representa um avanço nesse ponto, pois deixa de tratar o produtor rural como inimigo natural do meio ambiente e permite a exploração racional da terra, tanto pelos pequenos e médios como grandes agricultores.

Responder

João

28 de julho de 2013 às 21h13

Com as bençãos de Dilma e do PT!

Responder

marco

28 de julho de 2013 às 14h35

Ora senhor!Não existe Capitalismo Selvagem!Existe sim,capitalismo!Aqueles que defendem tal idéia,imaginam e lançam aos ingênuos,que existe outro tipo de capitalismo.Uma pergunta?Onde existe capita
lismo não salvagem?Quanto gtempo este sistema existe e em qualquer lugar do mundo,resolveu algum problema da humanidade que não seja,enrique
cer pequena parcela dela,sem se ppreocupar com a maioria?Onde senhor?O que o senhor sustenta,embora ache que tem boa intenção,somente robustece as teses da canalha,que diz ter o mundo sido criado assim e que os desafortunados irão para o céu!Puro sofisma senhor.Mentiras,no linguajar mais popular!O senhor,ao invés de ajudar,está confundindo os incautos!

Responder

    Rodrigo

    28 de julho de 2013 às 20h20

    Compare o capilatismo da Noruega com o do Brasil e voltemos a falar.

    André Dantas

    29 de julho de 2013 às 12h59

    Para haver o capitalismo da Noruega precisa existir o capitalismo do Brasil, assim como para existir o capitalismo de São Paulo precisa haver o capitalismo do Piauí, assim como para existir o capitalismo de Ipanema é necessário haver o capitalismo do Complexo do Alemão.
    Não existem “capitalismos”, ele é um só no mundo inteiro. As desigualdades no capitalismo não se reproduzem apenas entre indivíduos, mas da mesma forma entre regiões, países, blocos econômicos e até hemisférios.
    Ainda que isolemos a Noruega do restante do sistema capitalista veremos que o fator determinante da economia norueguesa é a exportação de petróleo e derivados, setor que é em grande escala controlado pelo Estado. O Estado capitalista da Noruega tem educação pública, universal e gratuita – o mesmo vale para a saúde. Há um combate genuíno às desigualdades sociais, com o Estado intervindo diretamente na economia, por exemplo, taxando fortemente os que obtem maiores ingressos financeiros.
    Por fim, deixo duas perguntas:
    a) o que há de invejável na Noruega é o que a aproxima ou a distancia do capitalismo?
    b) se o capitalismo da Noruega é o parâmetro para o resto do mundo, seria possível reproduzir um modelo que atende a 4,5 mihões de pessoas (menos que a população da cidade do Rio de Janeiro) para atender a 7 bilhões de pessoas? Admitindo a possibilidade, isso ainda seria capitalismo?

Rodrigo

28 de julho de 2013 às 08h59

Autores do PLP 227 são financiados por empresas beneficiadas pelo teor do projeto

Dados do TSE indicam que nove dos 17 deputados federais que assinaram o projeto receberam investimentos de ao menos seis dos maiores grupos empresariais

26/07/2013

Renato Santana,

de Brasília (DF)

Ao menos seis dos maiores grupos empresariais nacionais e estrangeiros da rede do agronegócio, mineração e da indústria de armamentos investiram R$ 1 milhão 395 mil nas campanhas eleitorais – 2010 – de nove dos 17 deputados federais que assinaram o PLP 227. Os dados são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – confira abaixo a lista completa de doadores das campanhas dos 17 parlamentares autores do PLP 227.

Outras dezenas de empresas e multinacionais de grãos, agrotóxicos, frigoríficos, mineradoras e construtoras estão também figuradas entre as principais doadoras dos parlamentares que assinaram o PLP 227. Em tempos onde integrantes da Frente Parlamentar da Agropecuária denunciam supostos interesses escusos de organizações indigenistas e ONG’s ambientais, sem nunca denominar quais, as cifras demonstram na prática quem tem que se explicar em matéria de interesses.

O PLP 227, em tramitação e gestado no ano passado, pretende criar lei complementar ao artigo 231 da Constituição Federal – “Dos Índios” – apontando exceções ao direito de uso exclusivo dos indígenas das terras tradicionais, em caso de relevante interesse público da União. Dentre as tais exceções, conforme o PLP 227, está a exploração dos territórios indígenas pela rede do agronegócio, empresas de mineração, além da construção de empreendimentos ligados aos interesses das esferas de governo – federal, estadual e municipal.

Sendo assim, a aprovação do PLP 227 interessa diretamente setores empresariais nacionais e internacionais, que vêem nas terras indígenas campo fértil e promissor para a exploração de suas áreas produtivas, atreladas massivamente às commodities. Esses grupos comerciais financiaram parte ou o total das campanhas políticas dos parlamentares que propuseram o PLP 227. Como diz o ditado, quem paga a orquestra diz qual é a música a ser tocada. A prática não prova o contrário, a observar que os 17 deputados federais são conhecidos opositores dos direitos indígenas em suas atividades parlamentares e profissionais.

A multinacional estadunidense Cosan, produtora de biocombustíveis e que mantinha usinas de cana em terras indígenas no Mato Grosso do Sul, investiu R$ 150.000,00 nas campanhas eleitorais de Luiz Carlos Heinze (PP/RS), franco opositor das demarcações de terras indígenas, Giovanni Queiroz (PDT/PA), latifundiário paraense, Roberto Balestra (PP/GO), grande proprietário de terras no centro-oeste, e Moreira Mendes (PSD/RO), relator do PLP 227 e também latifundiário com interesses econômicos voltados ao agronegócio.

Porém, essa é apenas a ponta do iceberg. A multinacional JBS, maior frigorífico do mundo notificado em 2011 pelo Ministério Público Federal (MPF) por comercializar animais criados na Terra Indígena Marãiwatsédé, do povo Xavante, despejou nos cofres das campanhas eleitorais R$ 420.000,00. A Gerdau, cujo proprietário, Jorge Gerdau, ganhou em 2011 um gabinete bem ao lado da sala da presidente Dilma Rousseff para aconselhar o governo, investiu R$ 160.000,00.

Já a Seara, do grupo internacional Marfrig, dos mais destacados na rede do agronegócio, R$ 75.000,00. A Associação Nacional da Indústria de Armas e Munições doou 230.000,00. A holandesa Bunge, gigante mundial do agronegócio fundada no século XIX e que chegou ao Brasil na segunda década do século XX, depositou nos deputados do setor R$ 360.000,00.

Os reais interessados

Tornou-se comum, no Congresso Nacional, parlamentares ruralistas, ligados às redes do agronegócio e latifúndio, tomarem uso da palavra nas tribunas da Câmara e Senado federais para atacar organizações indigenistas e ONGs ambientais. As acusações são homogêneas e se concentram em supostos interesses escusos, por vezes ligados a grupos internacionais, que ameaçam a soberania nacional e o desenvolvimento do país.

O último a vociferar tais acusações foi o deputado federal Moreira Mendes (PSD/RO), beneficiado com recursos da indústria de armas, Cosan e JBS. O parlamentar se indignou com um dia de combate ao PLP 227 nas redes sociais, afirmando que recebeu mais de 200 mensagens acusando-o de querer o fim do artigo 231 da Constituição. Chamou os manifestantes de “agourentos” e se referiu a organizações indigenistas e ONG’s como detentoras de interesses escusos. Não apontou quais interesses seriam. A senadora Kátia Abreu (PSD/TO) também já adotou tal recurso de oratória, inúmeras vezes, relacionando organizações indigenistas, Funai e Ministério Público Federal (MPF) como símbolos dos batidos interesses ocultos.

Para os mais exaltados, é até mesmo o caso de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o que, ou quem, está por trás das demarcações de terras indígenas. Vale tudo no jogo de interesses, muito longe de ser apenas das empresas financiadoras das campanhas. Paulo César Quartiero (DEM/RR) era um dos rizicultores, os chamados arrozeiros, que detinha área dentro da Terra Indígena Raposa Serra do Sol. O parlamentar chegou a ser preso pela Polícia Federal acusado de comandar um ataque a tiros contra comunidade indígena.

Responder

    Rodrigo

    28 de julho de 2013 às 09h00

    Quem financia os autores do PLP 227/2012?

    Homero Pereira

    Produtor Rural e Técnico em Agropecuária

    PSD/MT

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 2.934.764,68

    Alguns doares de sua campanha: Bedin Agropecuária, Blairo Borges Maggi, Bunge Fertilizantes, Carolina Armazens Gerais Ltda, Agrofrango Ind. e Com de Alimentos Ltda, Construções e Comércio Camargo Correa S/A, Cooperativa Agrícola de Produtos de Cana de Rio Branco Ltda, Coopersucar, Dagranja Agrindustrial Ltda, Fazenda Paiaguás S/A, Fazenda Planorte S/A, Frigorífico Mabella Ltda, MFB Marfrig Frigoríficos Brasil S/A, Nogueira Ind. Com Implementos Agrícolas S/A, O Telhar Agropecuária Ltda, Usina Barralcool S/A, Usina Itamarati S/A.

    Reinaldo Azambuja

    Agropecuarista

    PSDB/MS

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 3.072.342,95

    Alguns doadores de sua campanha: Agrícola Panorama Comércio e Representações Ltda, Agrodinamica Comercio e Representações Ltda, Boa Vista Comércio de Produtos Agropecuários Ltda, CNEC – Engenharia S.A, Coopsema Cooperativa Agrícola Mista Serra de Maracaju, Dinâmica Produtos Agrícolas Ltda, E.M.P. Construtora Ltda, Engevix Engenharia S/A, Fazenda Recreio Agro Pastoril Ltda, Klabin S.A., Sape Agropastoril Ltda.

    Carlos Magno

    Técnico em Agropecuária

    PP/RO

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 878.603,72

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: Central Agrícola Ltda – EPP, Rical – Rack Indústria e Comercio de Arroz Ltda.

    João Carlos Bacelar

    Engenheiro Civil

    PR/BA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 356.684,00

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: Itaú Unibanco S/A, Liderança Capitalização S/A.

    Luis Carlos Heinze

    Engenheiro Agrônomo e Produtor Rural

    PP/RS

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 1.557.728,41

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: AB Comercio de Insumos Ltda, Agrofel Agro Comercial Ltda, Agrogen S/A – Agroindustrial, Agropecuária Pepa Ltda, Agros Assessoria Agronômica Ltda, Associação Nacional ind. Armas e Munições, Bocchi Ind. Com. Transp. Benef. Cereais Ltda, Bsbios Ind. Com. Biodiesel Sul Brasil S/A, Bunge Fertilizantes S/A, Câmera Agroalimentos S/A, Camil Alimentos S/A, Ceolin Agropecuária Ltda, Cmpe Celulose Riograndense Ltda, Coarroz Coop. Agroindustrial Rosariense Ltda, Coop. Crédito Rural dos Plantadores de Cana, Cosan S/A – Ind. Com., Coxilha Ind. Fertilizantes e Corretivos Ltda, Fertilizantes Piratini Ltda, FMW Comércio e Representações de Insumos, Gerdau Comercial de Aços S/A, Grandespe Semente e Agronegócios Ltda, JBS S/A, Klabin S/A, Maquinas Agrícolas Jacto S/A, Marasca Com. Cereais Ltda, Moinho Iguaçu Agroindustrial Ltda, Seara Alimentos S/A, SLC Agrícola S/A, Três Tentos Agroindustrial Ltda, Urbano Agroindustrial Ltda.

    Giovanni Queiroz

    Médico e Agropecuarista

    PDT/PA

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 487.750,00

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: Agropastoril do Araguaia Ltda, Cosan S/A Açúcar e Álcool, Frigorífico Rio Maria Ltda, Mineração Buritirama S/A.

    Nilson Leitão

    Técnico Contabilidade, Estatística, Economia Doméstica e Administração

    PSDB/MT

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 1.368.090,68

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: Agrimat Engenharia e Empreendimentos Ltda, Galvão Engenharia S/A.

    Marcos Montes

    Médico, Professor de Medicina, Médico do Trabalho

    PSD/MG

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 2.243.153,97

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: Agroexporte Ltda, Agronelli Ind. e Com. de Insumos Agropecuários Ltda, Agropecuária Uberaba S/A, Associação Nacional de Armas e Munições, Bombril S/A, Bunge Fertilizantes S/A, Celulose Nipo Brasileira S/A, Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração, Coop. Central de Prod. Rurais de Minas Gerais Ltda, Coop. de Credito Rural dos Prod. de Cana de Açúcar da Zona de Guariba, Cooperativa Agropecuária do Alto Paranaíba, Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha – MG, Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupe Ltda, Cosan Indústria e Comércio S/A, Duratex S/A, Gerdau Comercial de Aços S/A, J . F . Citrus Agropecuária Ltda, JBS S/A, Ourofino Saúde Animal Ltda, S/A Usina Coruripe Açúcar e Álcool, Ultrafertil S/A, U.S.A Usina Santo Angelo Ltda, Usiminas Mecânica S/A, Usina Caeté S/A Unidade Delta, Usina Cerradão Ltda, Usina de Laticínios Jussara S/A.

    Roberto Balestra

    Agropecuarista, Técnico em Laticínios, Comerciante, Industrial e Advogado

    PP/GO

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 2.398.288,50

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: Bom Sucesso Agroindustrial Ltda, Caçu Comércio e Industria de Açúcar e Álcool Ltda, Centroalcool S/A, Coopersucar – Cooperativa de Produtores de Cana de Açúcar e Álcool Est. São Paulo, Cosan Centro Oeste S/A Indústria e Comércio, Gerdau Comercial de Aços S/A, Usina Boa Vista S/A, Usina Goianésia S/A, USJ Açúcar e Álcool S/A, Vale do Verdão S/A Açúcar e Álcool.

    Valdir Colatto

    Engenheiro Agrônomo

    PMDB/SC

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 559.238,22

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: As. Nacional de Ind. de Armas e Munições, Bunge Fertilizantes S/A, Celulose Nipo Brasileira S/A, Coopersucar de Produtores de Cana de Açúcar Ltda, Fibria Celulose S/A, Implementos Agrícolas Jan S/A, Klabin S/A, Madecal Agro Indl. Ltda, Seara Alimentos S/A, Suzano Papel e Celulose S/A.

    Domingos Sávio

    Médico Veterinário

    PSDB/MG

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 1.673.293,26

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: Coop. Agropecuária de Divinópolis Ltda, Coop. Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais, Coop. dos Produtores Rurais do Serro Ltda, Gerdau Comercial de Aços S/A, Industria e Comercio Laticínios Maria Madalena de Souza Ltda, JF Citrus Agropecuária Ltda, Laticínio SVR Ltda, Laticínios Porto Alegre Ind. Comercio Ltda, Laticínios Tirolez Ltda, Usiminas Mecânica S/A, Usina Caeté S/A.

    Paulo Cesar Quartiero

    Engenheiro Agrônomo

    DEM/RR

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 154.850,00

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: Norteagro – Norte Aeroagrícola Ltda, Camil Alimentos S/A.

    Prefeito de Pacaraima é preso por ataque a índios: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDR83563-6009,00.html

    Campeão de processos responde por seqüestro:

    http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/campeao-de-processos-responde-por-sequestro/

    Josué Bengtson

    Pastor Evangélico

    PTB/PA

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 629.011,50

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: JBS S/A

    Oziel Oliveira

    Administrador, Agricultor

    PDT/BA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 186.584,96

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: Indústrias Reunidas Coringa Ltda.

    Francisco Araújo

    Não está em exercício

    PSD/RR

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 34.576,50

    Jerônimo Goergen

    Advogado

    PP/RS

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 793.945,40

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: A N da Ind de Armas e Munições e Seus Comp., Associação das Revendas de Agrotóxicos de Ijuí, Bocchi Ind. Com Transp. e Beneficiamento de Cereais Ltda, Bsbios Ind. e Com de Biodiesel Sul Brasil S/A, Câmera Agroalimentos S/A, CMPC Celulose do Brasil Ltda, Comercio de Cereais JRB Ltda, Comercio de Cereais Ferlin Ltda, Coxilha Ind. de Fertilizantes e Corretivos Ltda, Frigorífico Silva Ind. e Com Ltda, Gerdau Comercial de Aços S/A, Grandespe Sementes e Agronegócios Ltda, JBS s/a, Laticínios Bom Gosto S/A, Oleoplan S/A – Óleos Vegetais Planalto, Sementes Estrela Com Import. e Expot. Ltda, Três Tento Agroindustrial Ltda, Viera Afrocereais Ltda.

    Moreira Mendes

    Advogado, Agropecuarista

    PSD/RO

    Relator do PLP 227/2012 na Comissão de Agricultura

    Membro da Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA

    Total de receitas nas eleições de 2010: R$ 1.136.062,95

    Alguns doadores de sua campanha em 2010: Agropecuária Itauna Ltda, Assoc. Nacional da Ind. de Armas e Munições, Big Sal Ind. e Comd. e Suprim. Animal, Bunge Fertilizantes S/A, Cosan S/A Ind. e Com, JBS S/A, Marchesan Impl. Maq. Agric. Tatu S/A, Rical Rack Ind. e Com. de Arroz Ltda.

    Foto: Zeca Ribeiro/Agência Câmara

Heitor

27 de julho de 2013 às 19h48

Onde estão os manifestantes agora?
Cadê a massa de manobra da direita?
Cadê o apoio incondicional da mídia?

Responder

    renato

    28 de julho de 2013 às 00h03

    Estão desmatando, Heitor. Desmatando.
    Ou seja, matando mesmo….


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!