VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Filme que denuncia violações na Embrapa é proibido; empresa nega


27/05/2013 - 18h27

Maria da Graça Lopes, assistente da Embrapa em Manaus, no documentário A vida não é um experimento: "Eu fui varrer o chão, subiu um pó. Pensei que era cal, era veneno"

por Conceição Lemes

Sempre que se pensa em Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) quase automaticamente vêm à cabeça suas pesquisas e seus pesquisadores.

Pudera. Dos seus 9.783 empregados, 2.389 são investigadores.  Os demais 6.394, analistas ou assistentes.

Os analistas têm nível superior. Incluem-se aí desde biólogos, agrônomos, veterinários (também podem fazer pesquisa) a advogados, jornalistas.

Os assistentes, apesar do nome pomposo, constituem a “peãozada”. Em geral, são os que  realmente põem a mão na massa nos laboratórios, nas plantações, enfim  em todo tipo de experimento necessário às pesquisas que desenvolve. Sem esses trabalhadores não há pesquisa.

Na região de Manaus (AM), a empresa tem dois campos experimentais: o Distrito Industrial Suframa, mais conhecido como DAS Manaus (a 54 km da capital); e o Rio Urubu ( a 140 km de Manaus),ambos ligados à Embrapa Amazônia Ocidental.

Em dezembro de 2011, já fora do expediente, na hora do jantar, dois trabalhadores (um concursado e outro terceirizado) se envolveram numa briga no DAS Manaus, logo apartada pelos colegas.

A Embrapa puniu-os direto. Deu cinco dias de suspensão para cada um. Contrariou a 11ª cláusula do acordo coletivo de trabalho que diz que para haver punição é preciso  antes fazer sindicância  para apurar o caso. Não houve.

Em função dessa ocorrência, Simone Alves, presidente da Seção Sindical Amazonas do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário (Sinpaf) foi até o DAS Manus averiguar o que havia acontecido.

Ao chegar lá, encontrou uma porção de irregularidades, entre as quais estas:

* Trabalhadores sem sair do local de trabalho por uma semana, 15 dias, até um mês.

* Sementes guardadas em locais com mofo, animais e goteiras.

* Funcionários aplicando agrotóxicos sem equipamento de proteção.

* Falta de água potável e banheiro na área das plantações.

* Nenhuma estrutura para socorrer rapidamente os trabalhadores que se machucam ou passam mal. O caminhão que os transporta para o campo só volta na hora do almoço; muitas vezes nem isso acontece.

* Falta de alojamento adequado.

“Nós encontramos trabalhadores em condição de cárcere privado”, expõe Vicente Almeida, presidente do Sinpaf. “Ou seja, eles  não tinham o direito de ir e vir diariamente para as suas casas, como o supervisor, pois a empresa não lhes dava condição.  Eram mantidos lá dentro contra a vontade e numa condição desumana. Não tinham roupa de cama, havia alimentação vencida, água alterada. Em janeiro de 2012, nós os resgatamos.”

Em agosto de 2012, o Sinpaf denunciou à Organização Internacional do Trabalho (OIT) a existência de trabalho degradante e análogo à escravidão nas dependências da Embrapa, em Manaus. A reclamação baseia-se na Convenção nº 29 da OIT, segundo a qual, trabalho forçado ou obrigatório é “todo trabalho ou serviço exigido de um indivíduo sob a ameaça de qualquer penalidade e para o qual ele não se ofereceu de espontânea vontade”.

“Além de o Brasil ser signatário da OIT, a Embrapa é uma empresa pública vinculada ao Ministério da Agricultura”, observa Almeida. “Isto torna a denúncia do Sinpaf à OIT mais grave.”

DOCUMENTÁRIO MOSTRA SITUAÇÃO EM CAMPOS EXPERIMENTAIS

O Sinpaf expõe esse quadro no documentário A Vida não é Experimento, onde trabalhadores e dirigentes dão seus depoimentos.

O filme completo tem 33 minutos (pode ser visto aqui); a parte referente à Embrapa, 21. As gravações foram feitas no final de 2012 e início de 2013. A empresa não autorizou a filmagem dos seus ambientes de trabalho.

O documentário foi lançado no dia 26 de abril.

Em 17 de abril, portanto nove dias antes, a direção nacional do Sinpaf reuniu-se com o novo presidente da Embrapa, Maurício Lopes, e entregou-lhe uma cópia. O objetivo era alertá-lo sobre graves violações trabalhistas que estavam ocorrendo em alguns campos experimentais. O presidente do Sindicato fez questão de salientar que esperava que a realidade retratada no documentário fosse um episódio do passado.

Porém, na data do lançamento, ele recebeu notificação, visando impedir a divulgação do filme.

Em papel timbrado da Embrapa, ela está assinada por Gerson Soares Alves Barreto, chefe de gabinete do presidente.

Entre as alegações, a de que os testemunhos no vídeo “não parecem condizer com verdade e que sua divulgação pode trazer sérios prejuízos à imagem e ao conceito que a Embrapa alcançou durante esses 40 anos”.

“Esperávamos uma postura de parceria para  corrigir essas distorções e não retaliação. Em pleno século 21, recorrer a um instrumento de coação [a notificação] é  descabida, um erro histórico”, diz Vicente Almeida.

“A Embrapa está agindo contra dois direitos básicos: liberdade sindical e acesso à informação. Não recuaremos quanto à exibição do vídeo, pois essas histórias precisam ser vistas para que episódios como esses fiquem no passado.”

Vicente está na Embrapa desde 1999, quando entrou como estagiário. É engenheiro agrônomo com mestrado em planejamento e gestão ambiental. Em 2005, por meio de concurso, tornou-se pesquisador na área de impacto ambiental.

Esta repórter consultou a Embrapa para saber por que havia mesmo proibido o documentário A Vida não é Experimento. Por meio de sua Secretaria de Comunicação, respondeu ao Viomundo:

A Embrapa não proibiu a veiculação do vídeo e nem teria esta capacidade. O objetivo da citada carta é alertar sobre os riscos jurídicos de disseminação de informações equivocadas sobre as condições de trabalho dos empregados da Empresa e garantir a verificação dos fatos apontados antes da sua veiculação pública. A Embrapa possui procedimentos internos para verificação de irregularidades, e as denúncias não foram registradas em nenhum deles. Mesmo assim, o conteúdo do vídeo está sendo avaliado pela Empresa para providências que eventualmente se façam necessárias.

A Embrapa é uma empresa pública federal regida pela CLT tendo uma gestão voltada para o cumprimento dos princípios gerais da Administração Pública, zelando pelas condições de saúde e de trabalho de seus empregados com programas de qualidade de vida, apoio a luta contra dependência, dentre outras. Quanto à segurança no trabalho, cumprimos rigorosamente a legislação, inclusive com a atuação efetiva da CIPA em todas as Unidades, rede de técnicos e engenheiros do trabalho e fornecimento de equipamentos de proteção individual.

A notificação ao Sinpaf contradiz a resposta da Embrapa ao Viomundo.

TÉCNICOS DO CEREST E VIGILÂNCIA SANITÁRIA CONFIRMAM DENÚNCIA 

Se esses problemas denunciados no vídeo foram sanados?

“Não dá para saber”, afirma Almeida. “No final de 2012 e início de 2013, tentamos entrar nos campos experimentais da Amazônia para fazer averiguações e gravar o documentário. A empresa nos impediu.”

Em março de 2012, por solicitação do sindicato, técnicos do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador do Amazonas (Cerest Estadual),  Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Manaus(Cerest Regional), Vigilância Sanitária Municipal, INSS, Sinpaf e Embrapa fizeram uma visita técnica ao Campo Experimental do Distrito Industrial Suframa, o DAS Manaus.

Quase na mesma época, auditores do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) estiveram no DAS Manaus e na sede da Embrapa no Amazonas.

Os relatórios do Cerest Estadual, Cerest Regional e da Vigilância Sanitária Municipal apontam uma série de riscos aos trabalhadores.

Desde  alimentos fora da validade sendo servidos aos trabalhadores, água (inclusive) e solo contaminados por lixão a céu aberto, fezes e urina de morcego em depósitos e dormitórios, até “na aplicação de agrotóxicos, profissionais utilizando EPI’s [Equipamento de proteção individual] como bota, máscara com filtro, avental  e luvas que estavam completamente danificados”. (íntegra no final desta reportagem)

Conclusão do relatório dos Cerests Estadual e Municipal:

Relatório da Vigilância Sanitária de Manaus aponta, entre outras irregularidades, alimentos com prazo de validade vencido:

O relatório dos auditores fiscais do Ministério do Trabalho (íntegra no final da reportagem) diz respeito principalmente ao DAS Manaus, onde o Sinpaf identificou trabalhadores em cárcere privado. Mas é bem diferente do elaborado pelos Cerests e da Vigilância Sanitária, embora a inspeção tenha sido quase na mesma época – mais precisamente de 24 de janeiro a 29 de fevereiro de 2012.

Primeiro, em negrito, dizem que não encontraram condições de trabalho análogas à escravidão. Porém, no parágrafo seguinte, na mesma página, afirmam que a Embrapa se comprometeu a estudar uma solução para o transporte dos trabalhadores para que os mesmos tivessem como retornar às suas casas.

“Eles mesmos se contradizem”, atenta Almeida. “Confirmam que a empresa deixa os trabalhadores em condições de cárcere privado. Depois, ao observar que a empresa ‘já consertou’ alguns itens, os auditores ratificam as péssimas condições denunciadas pelo Sinpaf.”

Em função dessas acusações, no final do ano passado, a Embrapa denunciou por calúnia à Polícia Federal o presidente nacional do Sinpaf, Vicente Almeida, e a presidente da Seção Sindical Amazonas do sindicato, Simone Alves. A empresa usa o relatório do Ministério do Trabalho como prova de que as denúncias do Sindicato são mentirosas.

[Gostou deste conteúdo? Ajude a Conceição Lemes a investigar os planos de saúde vagabundos que agem no Brasil]

Na resposta ao Viomundo, relembramos, a Embrapa diz que:

… possui procedimentos internos para verificação de irregularidades, e as denúncias [feitas pelo Sinpaf] não foram registradas em nenhum deles.

… zelando pelas condições de saúde e de trabalho de seus empregados com programas de qualidade de vida, apoio a luta contra dependência, dentre outras. Quanto à segurança no trabalho, cumprimos rigorosamente a legislação, inclusive com a atuação efetiva da CIPA em todas as Unidades, rede de técnicos e engenheiros do trabalho e fornecimento de equipamentos de proteção individual.

 “A Embrapa continua impedindo a nossa entrada nos campos experimentais. Além disso, nunca procurou o Sindicato formalmente para solução dos passivos com esses trabalhadores”, arremata Vicente Almeida. “Se ela não tem o que esconder, por que age assim? De forma que reafirmo todas as denúncias contidas no vídeo A vida não é um experimento.”

Relatório da visita técnica ao DAS Manaus da Embrapa feita pelos centros de Referência em Saúde do Trabalhador Estadual e Municipal by Conceição Lemes

RELATORIO_INSPEÇÃO_Dept. de Vigilancia Sanitaria da PMM by Conceição Lemes

Relatorio Do Ministerio Do Trabalho by Conceição Lemes

Leia também: 

Cientista denuncia omissão da Embrapa na discussão do Código Florestal e censura a pesquisadores





22 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Nota da ABRASCO de apoio ao SINPAF e contra a criminalização dos movimentos sociais – ABRASCO

12 de março de 2017 às 22h12

[…] disponibilizou no seu site um documentário que relata o ocorrido, podem ser encontrados na reportagem do site Viomundo do jornalista Luiz Carlos […]

Responder

Sergius Gandolfi: Atual Código Florestal beneficia o capitalismo selvagem - Viomundo - O que você não vê na mídia

27 de julho de 2013 às 18h56

[…] Filme que denuncia violações na Embrapa é proibido; empresa nega […]

Responder

Sindicato rebate acusações de nota da Embrapa - Viomundo - O que você não vê na mídia

03 de junho de 2013 às 16h33

[…] Filme que denuncia violações na Embrapa é proibido; empresa nega […]

Responder

Requião: Dilma entrega setores estratégicos da economia - Viomundo - O que você não vê na mídia

29 de maio de 2013 às 13h18

[…] Filme que denuncia violações na Embrapa é proibido; empresa nega […]

Responder

Luiza

29 de maio de 2013 às 12h12

Prática comum na Embrapa. Vá tentar denunciar algum erro, injustiça ou qualquer problema que contrarie seus interesse e você se torna o perseguido…….

Responder

Embrapa diz que denúncias do Sindicato são infundadas - Viomundo - O que você não vê na mídia

28 de maio de 2013 às 22h30

[…] aos campos experimentais da Amazônia para verificar se os problemas foram realmente sanados, o Sinpaf reafirma as denúncias feitas no vídeo lançado na Plenária Nacional da categoria, que ocorreu nos dias 25 e 26 de […]

Responder

Wolf

28 de maio de 2013 às 14h52

Antes da sair atirando pedras no patrimônio público deveriam, os verdadeiro brasileiros, procurarem, no mínimo, os órgãos internos da empresa para a solução das questões postas. O modo de atuação, a realização de um filme para avacalhar a reputação da empresa, indica o financiamento espúrio da iniciativa. Quantas multinacionais pagariam pela milhões pela destruição da Embrapa?

Responder

    Débora Calheiros

    28 de maio de 2013 às 17h12

    Você acha que a denúncia não foi feita nas instâncias internas da empresa?? Claro que foi… mas a omissão é maior… e quando se denuncia descalabros como este e outros se é perseguido ferozmente… Práticas ditatoriais numa empresa pública! E mais: Quem tem realizado campanha contra a privatização da empresa, patrimônio do povo brasileiro, é o Sindicato!!!!

leprechaun

28 de maio de 2013 às 13h39

esse sindicato deve ser da oposição e está inventando coisas más para desestabilizar o governo do PT e para privatizar a Embrapa (diria Emir Sader)

Responder

    waleiska

    28 de maio de 2013 às 20h15

    Pra você ver a gravidade da denúncia, o presidente do Sindicato é petista militante e liderança nacional. Ainda achas que é coisa da oposição? Apoiar o governo não é se calar diante dos erros que ele comete, colega.

Dialética

28 de maio de 2013 às 12h20

Aposto que é diretor técnico apadrinhado. Tá tudo dominado pelos pseudos.

Responder

Eunice

28 de maio de 2013 às 12h19

Quem é o presidente da instituição?
Apadinhado de quem?

Responder

Edgar Rocha

28 de maio de 2013 às 03h57

Que vergonha! Quando você espera que em alguns setores o Brasil tenha atingido um nível de excelência, como no caso da EMBRAPA, surge um escândalo deste! Aqui é assim: faz a fama, deita na cama e fecha porta pra ninguém ver. Depois é só evocar o passado, a necessidade de se preservar a imagem da instituição, alegar que estão tentando destruir ou denegrir… triste e desanimador. A EMBRAPA, quem diria…

Responder

Luis

27 de maio de 2013 às 23h29

A Embrapa, adepta equivocadamente aos interesses do Agronegócio, é, hoje, uma empresa absolutamente decadente. Fica claro no vídeo e no texto o autoritarismo.

Responder

Julio Silveira

27 de maio de 2013 às 21h24

É o impensavel, Brasil copiando praticas yankes. Pior aqui, que nem querem pedir desculpas, preferem dar desculpas.

Responder

renato

27 de maio de 2013 às 20h13

CONCEIÇÃO LEMES, você está de parabéns.De novo.
Grande alerta para quem ama a justiça, Sem ela não há
liberdade, não há nem como brigar com a direita.
Porque aqui é aqui!

Responder

renato

27 de maio de 2013 às 20h11

Tem pessoas que não podem ter cargos de chefia!
São pessoas problemáticas, não são conciliadoras
e muito menos aceitam controvérsias. Principalmente
no Campo da Pesquisa.Onde acham-se os donos da verdade.
EMPBRAPA, é um nome respeitado no Brasil e lá fora, nem
por isto está livre de pessoas mesquinhas. Que peguem seus
carros e vão ter com suas famílias.
Parabéns para as Mulheres da CUT. Peçam dinheiro, e façam
o que tem que fazer, foram treinados para situações como
esta. Não sirvam aos seus senhores, beijando -lhe as mãos
enquanto um trabalhador esta lá na mata esquecido!
Lula esta investindo tempo para lembar a Embrapa a produzir
bons frutos na Venezuela, Bolivia e Africa, não gostaria de
saber disto.Nem um pouco!
Os Sindicatos estão deixando a desejar em todos os sentidos,
Não estão cuidando do salario dos funcionários, está tudo se
transformando em vale transporte, vale bolsa familia, vale mercado,
vale farmácia, vale café da manha, vale refeição, vale saude, vale
dentista, vale salão de beleza, vale um vale, vale caderno e lápis.
SALÀRIO, sindicalistas do cacete!
Salário vocês compram o que querem!Eles estão enrolando vocês.

Responder

Sagarana

27 de maio de 2013 às 19h52

Vamos fazer um manifesto pela “peãozada” no comando da Embrapa!

Responder

    Athos

    28 de maio de 2013 às 12h44

    rsrsrsrsrs

francisco pereira neto

27 de maio de 2013 às 19h40

Eu fiquei deveras intrigado com o terceiro parágrafo da matéria, como segue.
“Os analistas têm nível superior. Incluem-se aí desde biólogos, agrônomos, veterinários (também podem fazer pesquisa) a advogados, jornalistas”.
Porque o parênteses que vem a frente de veterinários – também PODEM fazer pesquisas? Aliás, pesquisa deveria vir no plural.
Na Embrapa trabalham profissionais de NIVEL SUPERIOR da carreira de ciências agrárias e com formações diversas. Não foram citadas e até entendo. Mas tem os profissionais, zootecnistas, engenheiros florestais, engenheiros ambientais e outros profissionais.
Veterinários só podem fazer pesquisas na Embrapa?
O que quer dizer Embrapa? Não é Empresa brasileira de pesquisas agro-Pecuária?
Ou entendi mal o texto?

Responder

    renato

    27 de maio de 2013 às 22h23

    Não entendeu mal o texto, o texto tem que se explicar!
    Ou melhor quem deu as informações.
    Mas afinal quem fica lá por duas semanas, são os formados
    os advogados, os biozoologolosgistas, eles ficam lá passando
    veneninho…
    Não eles vão para frente, naqueles jantares para recolher investidores
    que acreditam nas suas descobertas….ops….isto é nos USA.

J Souza

27 de maio de 2013 às 19h22

E os transgênicos da Embrapa? São melhores do que os da Monsanto?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura