VIOMUNDO

Diário da Resistência


André Singer: Bolsonaro aquece os aviões para o bombardeio das cidadelas democráticas
Política

André Singer: Bolsonaro aquece os aviões para o bombardeio das cidadelas democráticas


03/11/2018 - 16h24

A hora mais escura

Ao alcançar o governo com respaldo popular, projeto autoritário parece prenunciar um golpe contra a liberdade

André Singer, na Folha

Domingo, 28 de outubro. Vou à janela e não enxergo tanques. Ligo a televisão e ouço o presidente eleito jurar que o seu “governo será um defensor da Constituição, da democracia e da liberdade”.

No dia seguinte, abro o jornal e leio que a Folha se declara “confiante na Constituição de 1988, na força da democracia brasileira e na construção de um país para todos”.

Por que, então, a vitória de Jair Bolsonaro, com 58 milhões de votos sobre 47 milhões de Fernando Haddad, me parece prenunciar um golpe contra a liberdade?

Porque um projeto autoritário alcançou o governo com respaldo popular. E, do ponto de vista da hegemonia, a maioria nas urnas dá mais poder aos antidemocratas do que os tanques de 1964.

Mas veja”, me dizem colegas, “aí estão as instituições democráticas, funcionando a pleno vapor para preservar o Estado de Direito”.

Por exemplo: ao entrevistar o novo presidente na segunda (29), William Bonner, editor-chefe do Jornal Nacional, defendeu a Folha, criticada pelo mandatário. Exercício pleno da liberdade de opinião.

Depois, na quarta (31), o Supremo Tribunal Federal (STF) referendou por unanimidade uma liminar provocada pela Procuradoria-Geral da República, segundo a qual, invadir universidades lesa “os direitos fundamentais de liberdade de manifestação do pensamento, de expressão da atividade intelectual, artística, científica, de comunicação e de reunião, previstos no artigo 5º da Constituição”.

Ocorre que no jogo que se começará a jogar em 1º de janeiro de 2019, a força promete falar mais alto do que a retórica.

Durante a referida entrevista à Rede Globo, Bolsonaro anunciou uma guerra contra a Folha.

Não apenas a chamou de mentirosa, como deu a entender que, em sua gestão, o jornal teria cortada a “propaganda oficial”.

Quer, assim, sufocar economicamente a imprensa incômoda, que, aliás, ele proibiu de entrar na sua coletiva da quinta (1º/11).

Para completar, o capitão reformado entregou um superministério da Justiça para Sergio Moro, que teve a falta de juízo (passe o trocadilho) de aceitar.

Em um mesmo passo, derrubou a aparência técnica da Operação Lava Jato e deu ao magistrado de Curitiba o comando dos instrumentos policiais da União.

Com o gesto, Bolsonaro e Moro deixaram simultaneamente claro de que lado estava o Partido da Justiça e o que se deve esperar em matéria de perseguição político-judicial daqui a pouco.

Bolsonaro aquece os aviões para o bombardeio das cidadelas democráticas.

Depois da derrota de domingo, de onde virá a energia para erguer um dique e deter a onda autoritária?

Seremos agora capazes de construir a frente democrática que brilhou pela ausência durante a eleição?

*Professor de ciência política da USP, ex-secretário de Imprensa da Presidência (2003-2007). É autor de “O Lulismo em Crise”.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Ricardo

05 de novembro de 2018 às 13h27

O povo sabia o que queria quando elegeu Lula. Agora o povo sabe o que quer ao eleger Bolsonaro.
Antidemocrático é questionar a capacidade de julgamento da população. Se por um lado Bolsonaro vai prejudicar a democracia, por outro o governo do PT a mataria por completo.

Responder

Marise

04 de novembro de 2018 às 10h21

A lenda de Batman e Robin se concretiza no Brasil.
Aqui não tem essa de Quixote e Sancho. Medieval demais!

Responder

a.ali

03 de novembro de 2018 às 22h14

já estão ensaiando num tom bem “profissional”

Responder

Bel

03 de novembro de 2018 às 22h12

Eu ouvi bem o pres. eleito dizer numa entrevista: ¨Assim como muda o comportamento agressivo de um garoto, dando uma palmada nele, …¨
Faltou palmada?

Responder

Bel

03 de novembro de 2018 às 16h46

E só se comunica pelas redes sociais. Fazem grupos e nem sabem que para os hackers parece ser mais fácil invadir informações de grupos. Vendem para não sei quem. Tudo se copia.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.