VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Álvaro Santos: Governar é administrar chantagens


22/03/2012 - 17h58

por Álvaro Rodrigues dos Santos

Houve o tempo em que governar significou abrir estradas ou eleger prioridades. Hoje é outro o desafio: “governar é administrar chantagens”.

Dentro da onipresente cultura da chantagem, chantageadores não faltam: partidos da base, partidos de oposição, governadores, prefeitos, vereadores, deputados, senadores, minorias várias, órgãos rais sindicais de trabalhadores, associações empresariais e patronais, bancada ruralista, bancada ambientalista, bancada das empreiteiras, bancada dos banqueiros, mídias de todos os quilates, legislativos vários, Judiciário, Forças Armadas das Três Armas, bancada nordestina, bancada do centro-oeste, bancada do sul, bancada do sudeste, bancada do norte, Esquerda, Direita, Centro, igrejas, pessoal do álcool, pessoal dos grãos, pessoal da pecuária, pessoal da mineração, dos sem isso e sem aquilo, professores e estudantes, aliados eleitorais eventuais, Universidades e mundo acadêmico, mundo das artes, aposentados, etc., etc.

As exigências sobre os poderes executivos envolvem vantagens de todos os tipos: cobiçados postos de governo, cargos e funções remuneradas, regalias corporativas, regalias legais, regalias fiscais, desobrigações e desonerações camaradas, empregos para correligionários, liberação de verbas, liberação de emendas ao orçamento, aumentos de dotações orçamentárias para isso ou aquilo, atendimento de reivindicações de lobbies setoriais, suporte eleitoral, direcionamento de verbas públicas de investimento ou publicidade, sancionar ou reprovar projetos, e por aí vamos.

As ameaças em caso de não atendimento dos pleitos somente não são passadas em cartório, mas são escancaradas, e pesadas: retirada de apoio eleitoral e/ou de apoio político parlamentar por parte de partidos, igrejas ou categorias, detratação da imagem pública, não aprovação de projetos de interesse do executivo, desestabilização de administradores, imposição de derrotas jurídicas, insatisfação nos quartéis, desestabilização política, rompimento de alianças políticas locais, regionais ou nacionais, etc., etc., etc.

E os poderes executivos, ao menos aqueles que gostariam de resistir, não encontram saída. Em nome de uma buscada governabilidade obrigam-se a ceder anéis e dedos, além de sua diuturna atenção aos chantageadores. Que energia, que tempo, que recursos e que humor sobram para serem dedicados ao plano de governo, às estratégias de desenvolvimento, àquela velha intenção de revolucionar a educação e a saúde, à decisão de profissionalizar a gestão pública, ao enfrentamento de nossas carências crônicas?

Haverá alguma possibilidade de se resistir à ditadura das chantagens dentro das regras democráticas? Haverá alguma possibilidade do interesse coletivo impor-se aos interesses particulares de indivíduos e grupos? Que caminhos para tanto podem ser apontados para a sociedade brasileira?

Álvaro Rodrigues dos Santos ([email protected]) é geólogo. Foi diretor de Planejamento e Gestão do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), em São Paulo.

Leia também:





25 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

E S Fernandes

25 de março de 2012 às 14h01

A melhor definição para o nosso regime político e social não é democracia (poder do povo).
Penso que o conceito político mais apropriado ao momento seja oligarquia (poder de poucos).
Chantagens a parte, os imensos conglomerados internacionais dão as cartas no jogo graudo.
Os problemas de chantagens são coisas pequenas, relevantes apenas dentro dos Estados (prisão de classes). Matemáticos já mapearam estes conglomerados e chagaram a incrível conclusão: o núcleo duro do sistema do capital; o cerne do sistema não passa de uma rede de 147 gigantescas organizações. Estas mega empresas podem até competir entre si no mercado, mas agem em conjunto no interesse comum: resistir a mudanças na própria rede.

Ver: http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMos…

Responder

Álvaro R. Santos

23 de março de 2012 às 13h41

Parece até ser paradoxal, em que pese o bom momento econômico por que passa o país, o maior acesso da população ao emprego e a bens de consumo, ainda fica composto um clima favorável a uma quebra democrática que se auto-intitule “moralizadora”.__Um dos fenômenos mais perversos do profundo grau de despolitização da sociedade está hoje na maneira despudoradamente pragmática, poderia dizer “kassabiana”, com que se relacionam os mais diversos agrupamentos políticos locais e nacionais. Vejam que o próprio PT, que deveria agora estar esclarecendo e mobilizando a população em apoio à Dilma, está mais é fingindo-se de morto. Não há como, será a própria sociedade que deverá encontrar novos meios de se infoirmar, organizar e expressar.

Responder

Álvaro R. Santos

23 de março de 2012 às 13h38

Se há uma característica marcante da sociedade brasileira nos tempos atuais essa característica é a despolitização. Pode-se até dizer que a sociedade brasileira está perigosamente despolitizada. No vácuo da Política prevalecem o individualismo e os oportunismos de toda sorte. Algo como a prevalência máxima do binômio vantagens/chantagens. No que toca à mídia e à opinião pública, saiu a Política, ou seja exercício da ação política pela defesa de princípios e teses, e entrou o simplório “direito” a se indignar. Indignar-se contra a promiscuidade que prevalece nos jogos de poder. A indignação é moeda corrente em todos os cantos, e vendida aos cântaros por todas as mídias, oposições da vida e redes sociais. O diabo é que só a indignação é muito pouco, além de temerária. Todas as propostas de quebra das regras democráticas ao longo da história beberam fartamente dessas águas simplórias e pretensamente justiceiras.

Responder

Geysa Guimarães

23 de março de 2012 às 11h01

O autor é geólogo competente, manja até de subsolo político.
Irretocável a definição de que "governar é administrar chantagens".
Extorsão é crime na vida real, mas não atinge o "País das Maravilhas" em que se localiza o Congresso.

Responder

Bernardino

23 de março de 2012 às 10h49

O ALVARO definiu muito bem a situaçao melhor que muitos cientistas politicos que frequentaam esse blog em que pese ser GEOLOGO,porem o artigo é espetacular e inteligente,digno de reproduçao em todos so sites!!O artigo vem reforçar minha modesta opiniao : A Democraci a é regime Falido no mumdo inteiro,quem manda sao as corporaçoes funanciando a bandidagem politica e a Midia corrupta.E os eleitores? que eleitores?Verdadeiros Vira-latas do processo politico ficam comendo poeira e aceitam o JOGO e se assim agem é porque nao prestam.A maioria analfabeta e despolitizada e o restante cumplice da bandigagem politica, O que nao tem remedio,remediado Está!!!!!

Responder

    Julio Silveira

    23 de março de 2012 às 15h23

    Aí é que voce se engana meu caro, a democracia é teoricamente o melhor sistema já inventado pelo ser humano. O que acontece com o nosso sistema, e pode-se dizer até com os sistemas "democraticos" vigentes é que de democracia tem pouco. O povo na verdade é utilizado como cartório, talvez até por inspiração num sistema burocratico como o nosso, já que só servimos para autorgar, dar procuração, e podes perceber esses que recebem a autorga, a procuração lutam com todas a forças para manter tudo assim como esta, não querem fazer o povo gostar de decidir suas vidas através dos instrumentos democraticos que existem. Por isso ficamos travados, sem escolha quando fazemos uma má escolha, não temos poder para reparar o erro, fica tudo nas mãos dos "eleitos" como se fosse Deuses. Não fale contra a democracia, muitos pensam que sabem o que é democracia, nem procuram entender o principio, que aprendemos já deturpado.

    Alvaro Tadeu Silva

    24 de março de 2012 às 10h34

    Não confundir, como faz nossa perversa imprensa, capitalismo com democracia. uma coisa não tem nada com a outra e um pode viver sem o outro perfeitamente.

Delano

23 de março de 2012 às 10h42

No minimo esses deputados e senadores safados e essa mídia golpista esqueceram que a maioria da população brasileira está com a Dilma, e muitos até da oposição apoiam que ela resista a esses chantagistas safados. É hora da presidente DILMA entrar no horário nobre e convocar a população a apoia-la cobrando esses parlamentares interesseiros e safados que tem tentando destruiur o Brasil e paralizando o governo. E é hora do PT e da presidente Dilma criar o marco regulatório democrático da comunicação , e nesta lei decretar o fim da prorpriedade cruzada nos meios de comunicação. Só assim a ditadura perfeita desta velha mídia golpista corrupta tera fim ! Presidente Dilma coloque o Ministro das Comunicações, o PT e o seu governo para trabalhar por esta lei , pois se o cavalo do golpe passar selado a direita monta . Não vamos nos esquecer do papel que a mídia golista e a direita tiveram no golpe de 1964 e no terror da ditadura. Não vamos ser ingênuos de pensar que isso não pode se repetir , pois enquanto tivermos no Brasil uma mídia pseudodemocrática que só mostra um lado e esconde o outro , o processo democrático por qual tantos morreram e lutaram e falo aqui do povo brasileiro está ameaçado. Com a mídia corrupta que temos hoje no Brasil , ( sem um marco regulatório democrático das comunicações ) a democracia e a nação está sim ameaçada !

Responder

Delano

23 de março de 2012 às 09h55

Pior é o MERVAL falar que a Dilma não tem força para resistir as chantagens e que está sozinha , no minimoele esqueceu que a maioria da população brasileira está com a Dilma e muitos até da oposição apoiam que ela resista a esses chantagistas safados.
O pior também pe o governo dar ouvidos a esse PIG e não cria o marco regulatório democrático da comunicação . Agora essa mídia golpista reclama pela presidente estar resistindo a chantagens e a esse fisiologismo na política , mas é só a presidente ceder que essa midica golpista vai diszer que o governo perdeu e é fraco.
Acorda PT , acorda Dilma , coloca esse ministro das comunicações para trabalhar já passou da hora do Brasil cria o marco regulatório das comunicaçãos , para acabar com a propriedade cruzada no meio e acabar com a ditadura golpista perfeita desta velha mídia !

Responder

Ana Cruzzeli

23 de março de 2012 às 08h36

Ou seja tem que ser , malabarista, comedor de espadas, mãe-de-santo, pai-de-santo e por vezes engenheiro de fusão e fissão

E como diria Lula ao falecido Enéias em debate, que queria que ele soubesse o nome de uma ponte de sei lá onde…
-Estou concorrendo para presidencia e não para Deus.

Enfim, eu as vezes tenho muita pena de quem ocupa cargo de poder. Do Fernandito não, ele usou e abusou do poder.

Responder

Abel

22 de março de 2012 às 23h42

Talvez seja melhor fazer logo como nos Estados Unidos e legalizar a chantag…, ops, o lobby ;)

Responder

Fabio_Passos

22 de março de 2012 às 22h29

Acho que é ainda pior.

Governar é administrar chantagens para garantir vantagens aos financiadores de campanha.

Nas "democracias ocidentais" o povo vota mas não leva nunca…

Tem de rolar uma pusta Revolução que coloque o poder na mão do povo.

Responder

    pperez

    23 de março de 2012 às 21h42

    Se na atual conjuntura até o comun ismo conservador Chinês está se enfeitiçando pelo canto da sereia do capitalismo ocidental, não vejo como fazer uma revolução do proletariado.

    Fabio_Passos

    24 de março de 2012 às 22h25

    Discordo.
    Há um imenso potencial revolucionário em função da crise.
    Pode ser aproveitado pela esquerda se esta reconhecer seu papel histórico.
    Caso contrário, sofremos o risco do avanço fascista.

Aryane Viana(ENSA)

22 de março de 2012 às 22h27

Chantagem é uma coisa muito séria pois denigre a imagem de quem está chantageando e rebaixa quem está sendo chantageado e eu acho que independentemente do que somos, todos nós temos que ter opinião própria e não deixar que ninguém nos suborne, como é o caso da reportagem acima, que cita diversos situações de chantagem entre os políticos.

Responder

Pafúncio Brasileiro

22 de março de 2012 às 22h22

Azenha,

Todos sabemos que o Estado (toda a nação) está, em todos os níveis, controlado por quadrilhas de todas as espécies. Como o "nosso" judiciário não funciona, e não atende aos anseios da sociedade todas estas quadrilhas "nadam de braçadas" em cima de todos nós. É porisso que acho que o pior poder da república hoje é o judiciário. Deveria ser o orgão regulador e de melhoria da sociedade. Quanto a chantagem, o govêrno deveria enfrentar isso, mesmo sofrendo derrotas, os chantagistas sairiam dos esconderijos e os Pafúncios nacionais saberiam identificá-los, para na próxima eleição dar um pé na b….da deles. Estas derrotas atuais iram se transformar adiante em grandes vitórias sociais.

Responder

Gustavo Pamplona

22 de março de 2012 às 22h12

Desde que o mundo é mundo as pessoas chantageiam umas as outras… Isto é algo tão inerente a história da humanidade que não nos damos conta disto.

Se não houvessem chantagens provavelmente o mundo não teria sido esta 'maravilha" que vivemos hoje.. onde pessoas simplesmente obedecem umas as outras porque estas outras simplesmente sabem como manipular as "subordinadas".

Afinal… em maior ou menor grau amealhamos o poder, alguns menos… outros mais… e para nós conhecermos de fato uma pessoa dê a ela algum poder… nem que seja a sindicância de algum condomínio

—-
Desde Jun/2007 chantageando no "Vi o Mundo"! ;-)

Responder

Willian

22 de março de 2012 às 22h05

Dilma se elegeu graças a este tom lá da cá. Eles só querem o que Lula lhes prometeu, não é chantagem. Valia tudo para derrotar o Serra, inclusive vender o país a estes que aí estão. Não reclamem, valeu a pena, os tucanos foram derrotados.

Responder

    Davi Sensu

    23 de março de 2012 às 10h24

    Vale-tudo por vale-tudo, se fosse só jogo de chantagens acho que o Serra tava oferecendo mais… Pelo nível da campanha dele parece que ele venderia até a mãe pra ser presidente. Se foi isso que fez a Dilma ganhar (claro que não foi) os jogares foram burros, com o Serra teriam ganho muito mais.

Regina Braga

22 de março de 2012 às 20h40

Chantagem é crime…Lugar de chantagista é na cadeia.Firme e forte Presidenta.O Brasil é muito maior que os trezentos.E com o seu apoio popular, que venham os toma lá dá cá…pra ficarem lá.

Responder

Sagarana

22 de março de 2012 às 20h32

Vai Dilma, pisa no pescoço desses chantagistas…

Responder

jaime

22 de março de 2012 às 20h18

"Restaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos". A maioria optou pela segunda parte da frase e elegeu seus representantes.

Responder

Regina Bueno

22 de março de 2012 às 19h57

Nossa Alvaro! Não sobrou nadinha de nada. Nem esperança. Arre!

Responder

Indiginado

22 de março de 2012 às 18h55

Você está certissimo meu caro Álvaro, Aja saco pra aturar todas essas mendigancia , pelo que vemos esses políticos só pensam em si mesmos, é por isso que o povo tem que ficar atento e dar o troco pra essa raça de salafrários nas urnas das próximas eleições. temos que saber os nomes dos que estão sabotando a nossa precidenta DILMA e o povo brasileiro.

Responder

zcarlos

22 de março de 2012 às 18h23

O mais impressionante é esse pessoal nem procuram mais disfarçar,a cara de pau é tanta que a chantagem é feita abertamente.Temos culpa por eleger gente incompetente e indecente,agora p/ mudar isso só com milagre

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura