VIOMUNDO

Diário da Resistência


ABGLT solicita retirada do ar de comercial de cerveja
Falatório

ABGLT solicita retirada do ar de comercial de cerveja


27/05/2012 - 13h45

da ABGLT, via e-mail

Ofício PR 075/2012 (TR/dh)

Curitiba, 28 de maio de 2012

Ao: Sr. Gilberto C. Leifert

Presidente

Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária – Conar

Assunto: Solicitação de retirada do ar de comercial 

Prezados Senhores,

A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) – é uma entidade de abrangência nacional, fundada em 1995, que atualmente congrega 257 organizações congêneres e tem como objetivo a defesa e promoção da cidadania desses segmentos da população. A ABGLT também é atuante internacionalmente e tem status consultivo junto ao Conselho Econômico e Social da Organização das Nações Unidas. A missão da ABGLT é Promover ações que garantam a cidadania e os direitos humanos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, contribuindo para a construção de uma sociedade democrática, na qual nenhuma pessoa seja submetida a quaisquer formas de discriminação, coerção e violência, em razão de suas orientações sexuais e identidades de gênero.

Tendo isto em vista, a ABGLT gostaria de expressar sua indignação com o comercial “Festa de São João”, da empresa Nova Schin, em que um homem travestido de mulher é objeto de escárnio, piada e deboche, “de noite era Maria e de dia era João”.

Nossa consternação se dá pelo fato de que a população de travestis é entre as mais discriminadas no Brasil e que o comercial contribui para referendar e banalizar essa discriminação, ridicularizando a personagem travestida. Para ilustrar, em pesquisa feita na Parada LGBT de São Paulo em 2005, 77,% das pessoas travestis e transexuais afirmaram já ter sofrido agressão verbal/ameaça de agressão em virtude de sua sexualidade (www.clam.org.br).

Para entender nosso posicionamento, bastaria ridicularizar a personagem do comercial por causa da cor de sua pele ou por causa de sua raça, para perceber que o conteúdo é discriminatório.

Ao mesmo tempo em que entendemos que é preciso ter bom humor, não se deve utilizar-se da fragilidade de uma população para vender um produto. Isto não é condizente com o preceito constitucional da dignidade humana.

Tem havido muito debate no Congresso Nacional e na sociedade brasileira sobre a discriminação por homofobia. Neste sentido, a fim de elucidar porque o comercial nos ofende, oferecemos uma definição bastante abrangente do conceito de homofobia que também demonstra a forma como o comercial está contribuindo para reforçar preconceitos baseados em estereótipos negativos:

[A homofobia é] um conjunto de emoções negativas (tais como aversão, desprezo, ódio, desconfiança, desconforto ou medo), que costumam produzir ou vincular-se a preconceitos e mecanismos de discriminação e violência contra pessoas homossexuais, bissexuais e transgêneros (em especial, travestis e transexuais) e, mais genericamente, contra pessoas cuja expressão de gênero não se enquadra nos modelos hegemônicos de masculinidade e feminilidade. A homofobia, portanto, transcende a hostilidade e a violência contra LGBT e associa-se a pensamentos e estruturas hierarquizantes relativas a padrões relacionais e identitários de gênero, a um só tempo sexistas e heteronormativos (JUNQUEIRA, 2007).

Assim sendo, vimos por meio deste solicitar a imediata retirada do ar do comercial “Festa de São João”, da empresa Nova Schin.

Na expectativa de sermos atendidos, estamos à disposição.

Atenciosamente,

Toni Reis

Presidente

Leia também:

Dr. Rosinha: Não teve graça





12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Maria do Rosário: Campanha promove ódio contra a comunidade LGBT « Viomundo – O que você não vê na mídia

05 de setembro de 2012 às 21h36

[…] ABGLT solicita retirada do ar de comercial de cerveja […]

Responder

Wildner Arcanjo de Morais

31 de maio de 2012 às 19h17

A analogia a esse fato posso fazer da seguinte forma:

A peça publicitária é tal qual um martelo.

Um carpinteiro o usa para construir casa.

Um homicida o usa para matar o seu desafeto.

Você quer ser o quê? Carpinteiro ou homicida? A decisão é sua!

Não é por isso, o direito de decidir o que a ABGLT tanto luta?

Tem tantas outras coisas que acontecem, que denigrem a condição homossexual, e nem por isso se vê manifestos de tais entidades.

Deixem a produção publicitária em paz… briguem por seus direitos que são justos, não há quem fale o contrário (pode existir até quem pense). Os brasileiros, que não são burros, mas têm suas posições, entenderam o comercial. Custa pensar um pouco diferente do diferente?

Responder

Fabio

31 de maio de 2012 às 14h37

Ja apareceu sambista vestido de macaco e encherão o saco e agora o João que não pode nem tomar cerveja agora se o Marcão desse um beijão ai podia.

Responder

Willian

30 de maio de 2012 às 08h27

Saudades do Costinha…

Responder

    Luís

    30 de maio de 2012 às 10h39

    Muita.

Caio Ferraz

29 de maio de 2012 às 10h34

Se o humor ultrapassa a barreira do aceitável e parte para reforço a discriminação e preconceitos arraigados em nossa cultura – colocando qualquer que seja a pessoa como motivo de escárnio justamente num momento em que se luta pra calar esse tipo de pensamento – esse humor deve ser banido, advertido e devidamente punido – caso seja previsto por lei.

Da mesma forma que essa associação GLS se põe contra ofensas aos que ela agrega, imagino que advogados devam se chatear com piadas relacionadas à sua honestidade – chegando ao ponto de, da mesma forma que a AGBLT, a OAB entrar com ações no Ministério Público pra coibir esse tipo de dano à imagem dos que almeja defender.

É fácil desmoralizar, zombar e desfazer da índole dos outros – e não querer ser achincalhado.

Responder

Gil Rocha

28 de maio de 2012 às 15h15

Isso é que dá esse pensamento
do politicamente correto.
É preciso saber separar o humor
da ofensa.

Responder

Mardones Ferreira

28 de maio de 2012 às 14h39

Não se trata de fazer policiamento da propaganda, trata-se, de outro modo, de não colaborar com o riso fácil e preconceituoso. A manifestação da ABGLT vem no sentido de reafirmar que usar a discriminação e o preconceito – ainda que comum e aceito no Brasil – como forma de promoção de um produto é um desrespeito à dignidade de um grupo de pessoas. E isso é inaceitável.

Com tanta gente criativa no mercado publicitário, poderiam inventiar piada com outros temas sem ferir a dignidade de outros. Portanto, longe de querer acabar com o riso alheio, o que pretende a ABGLT é acabar com essa mania de querer eternizar o preconceito nas piadas.

Já está na hora de fazer rir sem lançar mão de preconceitos. Ou isso é impossível? Acho que não.

Responder

matheus

28 de maio de 2012 às 14h06

Putz! Essa foi demais. Cada uma que aparece. Agora tudo é preconceito, racismo é uma discriminação desenfreada?

Responder

Luís

28 de maio de 2012 às 08h05

Que BOBAGEM SUPREMA essa petição da ABGLT

Responder

sonia

27 de maio de 2012 às 18h17

PS:Cantei e dancei muito :”MARIA SAPATÃO” no carnaval na decada de 80…E NINGUEM RECLAMAVA!

Responder

sonia

27 de maio de 2012 às 18h10

não sou “bolsonarista”mas este povo tá se achando a ultima bolacha do pacote!EITA que saco!quem vai aguentar a partir de agora gays e fanaticos cristãos recriminando e policiando TUDO!CADA UM A SEU MODO! ESTÃO DEIXANDO O PAIS TRISTE E SEM GRAÇA!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding