VIOMUNDO

Diário da Resistência


Superministro Moro, que denunciou caixa dois como “crime contra a democracia”, atuaria no governo ao lado de Onyx, que admitiu caixa dois; Malafaia, indiciado, elogia escolha
Lula Marques/Agência PT e Valter Campanato/Agência Brasil
Denúncias

Superministro Moro, que denunciou caixa dois como “crime contra a democracia”, atuaria no governo ao lado de Onyx, que admitiu caixa dois; Malafaia, indiciado, elogia escolha


31/10/2018 - 20h54

O convite de Bolsonaro a Moro é manobra política perfeita: leva o juiz para o governo, congela a Lava Jato e “estanca a sangria” como desejava Romero Jucá. O mérito é de líderes do Centrão. É o novo Plano de Combate à Corrupção. Ricardo Noblat, no twitter

Da Redação

O assunto do momento é a indicação — e provável aceitação — do juiz Sergio Moro para um superministério do governo Bolsonaro.

“A pasta vai somar as estruturas da Justiça, Segurança Pública, Transparência e Controladoria-Geral da União e o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), este último hoje ligado ao ministério da Fazenda”, informou a Folha.

O juiz de primeira instância seria transformado em uma espécie de xerife de alcance nacional.

Para o jornalista Ricardo Noblat, foi uma “manobra política perfeita”, por congelar a Operação Lava Jato.

“Eu acho que vai ser um gol de placa se o Moro for ministro ou se for pro STF. É o cara, um símbolo da luta contra a corrupção, do anseio do brasileiro que quer ver justiça, quer ver as coisas certas. Eu acho que é um golaço”, reagiu o pastor Silas Malafaia, depois de uma visita ao presidente eleito esta tarde.

Malafaia já recebeu a visita de Bolsonaro na sede da Assembleia de Deus da Penha, no Rio de Janeiro, onde prega.

O pastor foi indiciado pela Polícia Federal por lavagem de dinheiro na Operação Timóteo. Foi alvo de busca e apreensão.

Quando seus advogados tentaram trancar a ação no STJ, a Procuradoria Geral da República recomendou que as investigações fossem aprofundadas, já que Malafaia “foi beneficiário de vultosos recursos oriundos de um dos principais investigados”.

Malafaia é suspeito de fazer parte do núcleo colaborador da quadrilha “que, conforme os policiais, era responsável por auxiliar na ocultação e dissimulação do dinheiro desviado. Entre os integrantes desse núcleo, diz a PF, está Malafaia, que recebeu dinheiro do principal escritório de advocacia responsável pelo esquema. A PF apura se ele emprestou contas bancárias da instituição que ele comanda para ocultar a origem supostamente ilícita do dinheiro”, informou o G1.

O pastor diz que recebeu um cheque de 100 mil reais “de um membro da igreja do meu amigo pastor Michael Abud”.

Ele deve exercer um papel importante nos bastidores do governo, pela sua capacidade de mobilizar evangélicos.

Duas indicações de Jair Bolsonaro para o ministério já suscitaram críticas de seus próprios apoiadores.

Em vídeo gravado antes de se eleger, o neofascista disse que pretendia indicar o deputado Alberto Fraga, do DEM, para coordenar sua bancada no Congresso.

Fraga é coronel da reserva da Polícia Militar e lidera a Frente Parlamentar da Segurança Pública.

A chamada “bancada da bala” foi essencial para eleger Bolsonaro e espera, como recompensa, liberar a posse e o porte de armas no Brasil.

Fraga foi condenado em primeira instância a 4 anos, 2 meses e 20 dias de prisão.

“De acordo com o Ministério Público, o crime foi cometido em 2008, quando Alberto Fraga era secretário de Transportes do governo de José Roberto Arruda (PR). A denúncia diz que o secretário pediu – e recebeu – R$ 350 mil para firmar um contrato entre o governo e a cooperativa de ônibus Coopertran”, disse o G1.

Fraga diz que a condenação foi “política” e está recorrendo.

Depois da reação de seus próprios eleitores, Bolsonaro usou o twitter para negar que Fraga será indicado ministro.

O nome do deputado Onyx Lorenzoni, do DEM, para a Casa Civil, no entanto, está confirmadíssimo.

Em 2014, Lorenzoni recebeu R$ 200 mil em doações eleitorais da Forjas Taurus e da CBC, a Companhia Brasileira de Cartuchos. À época, as contribuições de empresas a candidatos ainda eram legais.

Ele deve ajudar Bolsonaro a mutilar o Estatuto do Desarmamento.

Quando estourou o escândalo da JBS, Lorenzoni confirmou ter recebido R$ 100 mil “por fora” da empresa, ou seja, admitiu publicamente ter praticado “caixa dois”.

Se Moro aceitar o superministério de Bolsonaro, vai conviver com Lorenzoni.

Em abril de 2017, numa palestra em Cambridge, nos Estados Unidos, Moro afirmou, segundo O Globo:

— Temos que falar a verdade, a Caixa 2 nas eleições é trapaça, é um crime contra a democracia. Me causa espécie quando alguns sugerem fazer uma distinção entre a corrupção para fins de enriquecimento ilícito e a corrupção para fins de financiamento ilícito de campanha eleitoral. Para mim a corrupção para financiamento de campanha é pior que para o enriquecimento ilícito. Se eu peguei essa propina e coloquei em uma conta na Suíça, isso é um crime, mas esse dinheiro está lá, não está mais fazendo mal a ninguém naquele momento. Agora, se eu utilizo para ganhar uma eleição, para trapacear uma eleição, isso para mim é terrível. Eu não estou me referindo a nenhuma campanha eleitoral específica, estou falando em geral.

Por fim, a possível indicação de Moro para um superministério de Bolsonaro suscita críticas de que ele está recebendo “pagamento” por ter afastado o ex-presidente Lula das eleições de 2018.

Desde que teve início a Operação Lava Jato, o juiz responsável pelas ações contra o ex-presidente tomou decisões polêmicas, que prejudicaram eleitoralmente o PT — a mais recente delas, ao tornar públicos trechos da delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci, faltando seis dias para o primeiro turno.

“A conduta adotada hoje pelo juiz Sérgio Moro apenas reforça o caráter político dos processos e da condenação injusta imposta ao ex-presidente Lula”, denunciou à época a defesa de Lula.

“Moro divulga para imprensa parte da delação de Palocci. Não podia deixar de participar do processo eleitoral! A ação política é da sua natureza como juiz”, escreveu a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, no twitter.

Hoje, o candidato derrotado Ciro Gomes, do PDT, disse que “Moro é político, e não juiz, e deveria aceitar logo o convite de Bolsonaro”.

Para o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta, Moro “condenou sem provas e em tempo recorde o favorito para ser eleito [Lula]; a 6 dias do 1º turno soltou material sigiloso para prejudicar o PT; atuou pela prisão e inelegibilidade de Lula”.

Em ação que foi posteriormente condenada pelo ministro Teori Zavascki, do STF, Moro divulgou áudio de conversas telefônicas de Lula que tiveram papel importante para colocar a opinião pública contra a indicação do ex-presidente para um ministério de Dilma Rousseff.

Mais recentemente, interferiu na decisão de um desembargador do TRF-4, em tese seu superior hierárquico, para impedir que Lula fosse colocado em liberdade.

Para o experiente jornalista político Ricardo Noblat, o objetivo de Bolsonaro ao nomear Moro é congelar a Operação Lava Jato, que teria o potencial de atingir políticos de sua base no Congresso.

“É o novo Plano de Combate à Corrupção”, escreveu, usando palavras que remetem à sigla PCC. Teria sido urdido pelo Centrão, que tem muitos políticos enrolados na própria Lava Jato.

Mas o xerife Moro, com amplos poderes, pode simplesmente concentrar a Polícia Federal e outros órgãos do governo na perseguição a políticos do PT.

Bolsonaro, afinal, em discurso público recente, prometeu colocar os “vermelhos” na cadeia ou no exílio.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Fre

01 de novembro de 2018 às 01h35

O lulopetismo virou um caudilhismo corrupto e corruptor”

Ciro Gomes sempre insinuou que tiraria Lula da cadeia.

Só agora, depois de voltar de Paris, ele entendeu que fez o cálculo errado.

Ele disse para a Folha de S. Paulo:

“O lulopetismo virou um caudilhismo corrupto e corruptor que criou uma força antagônica que é a maior força política no Brasil hoje. E o Bolsonaro estava no lugar certo, na hora certa. Só o petismo fanático vai chamar os 60% do povo brasileiro de fascista. Eu não, de forma nenhuma.”

Responder

Éder

31 de outubro de 2018 às 22h13

Ele não vai aceitar. Mulher qdo diz vai pensar, esquece.
Essa ele copiou das mulheres.
Depois ele não quer ser um ministrinho de meia tigela.
Ele quer ser presidente. A ambição dele é bem maior que passar 30 anos no Supremo. Se for para o supremo ele sai para se candidatar, a presidente.
Mas o Bolsonaro e sua turma foram ligeiros. Quer fazer política ? Entra para política. Não quer se candidatar, vira ministro.
Xeque mate do Bolsonaro.
Acho que o Moro não tem nem ideia como funciona um governo.

Responder

Hudson

31 de outubro de 2018 às 21h14

Moro apenas disse que é crime, não disse que não aceita nem participa.

Responder

Deixe uma resposta