VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Serra e as vacinas


19/04/2010 - 03h09

Serra assume como dele vacina comprada por Ministério

08/01/2010

por Conceição Lemes, no Viomundo antigo

Terça-feira, 5 de janeiro, 14h23. Um release com esta manchete foi enviado a toda mídia.

Serra_vacina__manchete_.jpg

O evento começou às 12 horas, no Instituto Butantan, órgão vinculado ao governo do Estado de São Paulo.  Às 13, o governador José Serra (PSDB) chegou. Após entrevista coletiva à imprensa, ele visitou o local onde estão armazenados os tonéis com as vacinas contra a influenza A, ou gripe A, mais conhecida como gripe suína.

A íntegra do comunicado distribuído pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo está aqui.

Atente ao primeiro parágrafo do comunicado.
Serra - vacina - primeiro parágrafo_1.jpg

Observe também as legendas que acompanham as fotos da notícia no Portal do Governo do Estado de São Paulo.

serra_vacina_imagem_dele__legenda.jpg

Serra___vacina__tonel.jpg

Lendo todo o material, distribuído oficialmente, parece que o Estado de São Paulo, com o governador José Serra à frente:

1. arcará com os custos vacinas contra a gripe suína no Brasil;

2. distribuirá as vacinas via Ministério da Saúde (MS);

3. São Paulo será o primeiro a dispor da vacina no país;

4. São Paulo saiu na frente do restante do Brasil, inclusive do próprio Ministério da Saúde.

Na realidade, José Serra montou o palanque político para aparecer, agora, no noticiário, e, depois, na campanha presidencial, como “o pai das vacinas contra a gripe suína no Brasil”.

Mas o “ teste de DNA” desmente o governador José Serra e Luiz Roberto Barradas Barata, o secretário estadual de Saúde. O verdadeiro pai das vacinas contra a nova gripe no Brasil é o governo federal por meio do Ministério da Saúde.

De novo, José Serra tenta se apropriar de “filhos” bonitos, famosos, dos outros.  Fez isso, por exemplo, com o Programa Nacional de DST/Aids, do Ministério da Saúde, considerado um exemplo no mundo, e que ele assume como sua criação. Só que os verdadeiros criadores são a doutora Lair Guerra de Macedo Rodrigues e o professor Adib Jatene, como você pode ver aqui.

Outro exemplo famoso é dos remédios genéricos.

“Serra, pai dos genéricos? PSDB, criador dos genéricos? Assumir como deles é um embuste!”, disse em junho de 2009 ao Viomundo, o médico Jamil Haddad, falecido no final de dezembro, aos 83 anos. Ex- deputado federal, ex-prefeito do Rio Janeiro e ministro da Saúde de outubro de 1992 a agosto de1993, Jamil Haddad é o verdadeiro pai dos genéricos do Brasil.

Sobre as vacinas contra a gripe suína a verdade é esta:

1. O Ministério da Saúde custeará todas as vacinas contra a gripe suína no Brasil, inclusive as seringas e agulhas para aplicá-las. Representa um investimento de R$ 1,006 bilhão.

2. O Ministério da Saúde adquiriu 83 milhões de doses de três fornecedores distintos: Glaxo Smith Kline (GSK), Sanofi-Pasteur (via Instituto Butantan) e Fundo Rotatório de Vacinas da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS).

3. Da Glaxo Smith Kline (GSK), foram adquiridas 40 milhões de doses. Foi o primeiro lote. A compra foi fechada em novembro 2009, a partir do menor preço apresentado pelos concorrentes em um processo de compra emergencial. O custo unitário da dose foi de US$ 6,43 – representando investimento global de US$ 257,2 milhões (R$ 444,7 milhões).

4. Do Laboratório Sanofi-Pasteur (via Butantan), foram adquiridas 33 milhões de doses. O acordo prevê: 1 milhão de doses prontas (600 mil chegaram no dia 30 de dezembro de 2009, 400 mil estão a caminho); e 32 milhões de doses para serem envasadas (colocadas em frasquinhos e rotuladas) pelo Butantan.  Cinco milhões já estão em tonéis no Instituto.

“Como o acordo fechado com o Ministério da Saúde prevê a transferência de tecnologia do Sanofi-Pasteur para o Butantan, o custo unitário da vacina será um pouco mais caro do que o pago aos dois outros fornecedores: US$ 7,6 – representando investimento de US$ 250,8 milhões (R$ 438,9 milhões).Todo esse custo será coberto pelo governo federal”, afirmou ao Viomundo a assessoria de imprensa do MS.

Declarou ainda:  “Como há notícias de que a certificação da fábrica do Butantan estaria atrasada, o Ministério da Saúde acredita que, na impossibilidade de as 32 milhões de doses serem envasadas no Brasil, elas serão fornecidas já prontas pela Sanofi ao Instituto”.

Hoje à tarde a própria assessoria de imprensa do Butantan informou a esta repórter que o Instituto deverá receber do Sanofi-Pasteur mais 23 milhões de doses prontas.

“O Ministério da Saúde, porém, ainda não foi informado oficialmente sobre isso pelo Butantan. O ministério tem um calendário de entregas acertado com o Instituto e está seguro de que, se houver alguma possibilidade de alteração neste cronograma, será imediatamente informado pelo órgão”, acrescentou a assessoria de imprensa do MS.

O acordo firmado pelo Ministério da Saúde com o Sanofi-Pasteur (via Butantan) prevê 33 milhões de doses e não 41 millhões de doses, como vem sendo anunciado desde o dia 5 de janeiro, terça-feira, pelo governo do Estado de São Paulo.

Nesta quinta-feira, porém, a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo informou oficialmente por e-mail ao Ministério da Saúde que o Sanofi-Pasteur tem condições de vender mais 8 milhões de doses da vacina ao Brasil. Afinal, na Europa está sobrando vacina contra a gripe suína. O Ministério da Saúde analisa a proposta, já que quem paga a conta é o governo federal.

Detalhe: As vacinas foram pagas antecipadamente aos fornecedores.

5. O acordo mais recente foi firmado com o Fundo Rotatório de Vacinas da OPAS. Prevê aquisição de 10 milhões de doses em 2010 – investimento de US$ 70 milhões de dólares (US$ 7 por dose), o equivalente a R$ 122,5 milhões.

6. Os laboratórios enviarão as doses ao Ministério da Saúde de maneira escalonada, entre janeiro e março; a vacinação será realizada entre março e abril de 2010.

7. Os grupos prioritários para a vacinação serão estabelecidos com base em critérios  epidemiológicos e recomendações de sociedades médicas do Brasil e no exterior.  Entre eles, estão grávidas, trabalhadores de saúde envolvidos no atendimento aos pacientes, crianças entre 6 meses e 2 anos, indígenas e pessoas com doenças crônicas preexistentes, como cardíacas, pulmonares, renais, diabetes.

8. O Ministério da Saúde e não o Instituto Butantan distribuirá a vacina contra a gripe suína para todos os estados brasileiros, inclusive São Paulo.

Entre o final de janeiro e início de fevereiro, o MS anunciará, em detalhes, a estratégia nacional de vacinação contra a gripe suína para o país.

“Não há, neste momento, distribuição de vacina à população em nenhum estado brasileiro”, salienta o médico Gerson Penna,  secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde. “As doses serão distribuídas nacionalmente quando houver estoque suficiente para viabilizar a estratégia de vacinação simultanamente em todo o país.”





12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

luis

02 de maio de 2010 às 07h58

SERRA MENTIROSO

Responder

João Luiz cardoso

28 de abril de 2010 às 18h43

E a vacina da gripe comum – dita sazonal-? Iniciado o programa de vacinação dos velhinhos no final da década de 1990, o mercado ficou intere$$ante/intere44ado. Um laboratório frances garantiu o suprimento da vacina, importada, com o compromisso de repassar a tecnologia em 5 anos.
NAÕ REPASSOU TECNOLOGIA NEHNUMA!
Passados 10 anos nosso páis contrinua a importara vacina de fora , que o Butantan somente envasa/ampola.
E a tucanalha, com acobertamento da mídia, continua dizendo que a vacina da gripe comum é produzida no Brasil.
Onde anda o MInístério Público? Onde anda o MInistério da Saúde? Gente, veja, o que acontece aqui no bairro das cobras, além de desvios faraônicos de dinheiro da pobre Fundação Butantan.

Responder

Natália

26 de abril de 2010 às 03h56

Eu diria que melhor mesmo era não vacinar, independente de quem diz que teve a idéia. O negócio é que todo mundo vai tomar a vacina sem precisar. Quantas pessoas realmente morreram no ano passado? Mais do que se morre anualmente com a gripe comum? Não! Quantas pessoas foram infectadas pela temida gripe? Mais do que a gripe comum? Não! O que a mídia, mesmo que um veículo como esse, divulga, nem sempre é real. O grande problema é tomar notícia como fato. Temos que começar a pensar por nós mesmos, sem que alguém diga o que devemos temer ou pensar.

Responder

Rich Nei Moreira

25 de abril de 2010 às 17h11

E gente alem de traidores, entreguistas, tambem surruoiam tudo de bom que outra pessoa cria. Se apoderam, de todos os bons programas e ate do sucesso dos outros. São cinicos alem da conta.

Responder

Débora

21 de abril de 2010 às 23h39

É prática comum aos oportunistas tornar suas ideias e iniciativas de outrem para ganhar a atenção e popularidade não conquistados naturalmente. Haja vista a forma como o governo paulista tem tratado as principais questões de interesse público: habitação popular, segurança pública, transporte público eficiente, educação paulista decadente e tudo que envolve sa gestão socioambiental.
São Paulo está há anos sefrendo uma decadência pela falta de planejameno e de interesse na gestão da cidade e do Estado.

Responder

A DITADURA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÕES « Martins Andrade e você…

20 de abril de 2010 às 07h26

[…] Leia como nada disso era verdade, clicando aqui. […]

Responder

Ubaldo

19 de abril de 2010 às 22h29

O Estado de São Paulo tem uma estrutura de rede de saúde que permitiu rapidamente armazenar, distribuir e aplicar nos paulistas a vacina.
Não há como negar o trabalho importante do Serra na implantação do combate à AIDS e à fabricação de genéricos.

Responder

francisco.latorre

19 de abril de 2010 às 21h10

faz falta mesmo é uma vacina anti-golpe.

tipo papelzinho na urna.

..

Responder

Urbano

19 de abril de 2010 às 15h33

A apropriação indébita, seja de bens tangíveis ou intangíveis, é a marca principal dos integrantes da facção nazi-fascista demo/tucanalha/pig/villenium.

Responder

O Cyborg de 2010 | Viomundo - O que você não vê na mídia

19 de abril de 2010 às 03h46

[…] Leia como nada disso era verdade, clicando aqui. […]

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura