VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Requião e os aeroportos: “Engodo” e “ação entre amigos”


26/11/2013 - 17h23

do blog do senador Roberto Requião (PMDB-PR)

“Quando o assunto é privatização, o governo, a mídia e a oposição, por maior que seja a barbaridade cometida, estão todos juntos. Por isso que eu tenho dito que nada mais me parece o Fernando Henrique (Cardoso) no poder do que a nossa presidenta Dilma (Rousseff)”, afirmou o senador Roberto Requião (PMDB/PR) nesta terça-feira (26).

Requião citou o leilão dos aeroportos de Confins (Minas Gerais) e Galeão (Rio de Janeiro). “Então eles dizem: entrarão no cofre da União R$ 20,8 bilhões. Minha gente, R$ 10,24 milhões vão sair dos cofres da Infraero, que é uma estatal, que terá 49% dos consórcios”, afirmou.

“Além disso, noticia-se que o BNDES deve financiar até 70% dos investimentos previstos no Galeão. E tudo isso durante 25 a 30 anos. E eles não contabilizam o fato de que hoje os aeroportos – que são da União – já estão recebendo taxas de embarque e alugueis de espaços. Portanto, estes R$ 20,8 bilhões que serão recebidos ao longo de 25 a 30 anos não têm esta magnitude toda”, garantiu.

Requião também ressaltou que as empresas privadas que receberão dinheiro do BNDES vão fazer as obras pelo preço que quiserem e terão lucros aumentados pelas taxas e alugueis pagos pelos passageiros e usuários. “Portanto isto não foi nem uma privatização, nem uma concessão. Isso tudo não passou de uma ‘ação entre amigos’, doação de aeroportos públicos brasileiros a grupos privados”, finalizou.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



49 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Sergio Silva

29 de novembro de 2013 às 09h51

Concordo com o senador, mas também sou obrigado a assumir que no Brasil, infelizmente, para um governo conseguir se manter no poder ele tem que agradar a Deus e principalmente ao diabo(mais conhecido como deus-mercado).
Todos são testemunhas das crises que são fabricadas todos os dias pela imprensa, que visam desestabilizar a economia e o governo. E podem notar que enquanto o governo não privatiza alguma coisa ou aumenta os juros a imprensa não dá trégua. E como sabemos, no Brasil a opinião do povo é facilmente manipulada pelo monopólio da imprensa.
Solução a curto prazo para esse tipo comportamento do governo, não há.
A longo prazo, quem sabe, consiga-se fazer as reformas: Política, Agrária, Tributária, talvez a regulação da imprensa.
Antes disso ocorrer só existem duas opções: o entreguismo descarado do PSDB e as concessões do PT, que são privatizações feitas com o objetivo de acalmar o mercado, não de beneficiar à população.

Responder

Jorge

28 de novembro de 2013 às 07h17

Quanta besteira dita aqui. Alguém leu o Edital? Se não, calem-se!!! Duvido que o idiota do Requião tenha lido também. NÃO li, MAS VOU LER. Trabalho no setor público: é a maior merda do mundo fazer uma obra, pois é TCU, TCE, Ministério Público, Câmara de Vereadores, e quem de direito, o povo, não nem ai! Trabalhei no Banco do Brasil, que, PARA FUGIR DO TCU, CGU, POLÍTICOS MAU CARÁTER E OUTROS, constituiu empresas da qual o Banco entra com 49% e os demais com 51%, assim foge dessas instituições que são uma DESGRAÇA para o Pais. Para outros, lembrem-se: CONCESSÃO NÃO É PRIVATIZAÇÃO. Se os que postam aqui entendem-se UM MÍNIMO de Orçamento e Execução Orçamentária, no lugar de fazer os comentários acima, inclusive o Senador, enfiariam suas línguas em suas cavidades anais e ficariam quietinhos. O povo merda, idiota e sem cultura ou conhecimento!

Responder

    Julio Silveira

    28 de novembro de 2013 às 14h48

    Disseste bem, quanta besteira dita aqui. Mas aqui nesta tuas poucas palavras. Talvez sem querer tenhas acertado em teu português.
    Reclamar da existência de órgãos fiscalizatórios é risível, e mostra o seu grau de brasilidade, e o qualifica mais como o retrato do aspecto pejorativo que condenas.
    Risível é você cobrar um cultura que tem, a de ler o diário oficial. Francamente meu caro, antes de fazer muxoxo de sua nacionalidade seja exemplar trazendo algo que possamos aproveitar. Afirmar ser verdade o que você acredita não é suficiente para ser firmar como verdade, para muitos seria ideal se fosse assim. Necessitamos de conteúdo prove que as mudanças que você diz existir não são apenas dialéticas, e que na pratica não funcionam da mesma forma. Prove que ao final das contas seremos beneficiados e que lá na frente não teremos entregue nossos patrimônios conquistados a duras penas da nacionalidade e ainda que mais ao final não seremos tutelados por meia dúzia de grandes grupos e as pessoas por trás deles, que ditarão suas normas de conduta e suas condições para cidadania.
    Eu hem até parece que você nasceu ontem, ou então pensa que todos nasceram ontem. Mais respeito cidadão se você não se respeita eu me respeito e respeito a todos os meus concidadãos .

    Julio Silveira

    28 de novembro de 2013 às 14h50

    Errata. Risível é cobrar uma cultura que ‘NÃO’ tem, a de ler do Diário Oficial.

mineiro

27 de novembro de 2013 às 18h38

eu tambem nao queria falar contra ela , porque eu sempre votei no pt e na dilma tambem. mas temos que dar a mao a palmatoria. essa pres.é a fhc de saias infelizmente. essa pres.governou junto com a elite e o pig golpista e nao fez reformas nenhuma para mudar o brasil. o que ela fez foi ajudar a elite e o pig golpista. é so olhar os ministerios dela gente. é so gente conservador , a turma dela é os poderosos, infelizmente. essa pres. é da burguesia e do pig golpista pelo menos ate as eleiçoes de 2114. depois para ela ja era. se ela nao mudar de postura e voltar as bases junto com os movimentos sociais , ela corre serio risco de perder as eleiçoes.

Responder

J Souza

27 de novembro de 2013 às 16h25

O importante é passar para o povo a ilusão que o país é atrativo para o “capital estrangeiro”… do BNDES…
É claro que é atrativo. É o melhor emprego do mundo: “gerente” de aeroporto com comissão de 51%…

Responder

Maicosuel Adriano

27 de novembro de 2013 às 14h23

ATÉ QUE ENFIM…APARECEU ALGUÉM PARA FALAR ALGO SOBRE ESSA “ENTREGA” DO PATRIMONIO PUBLICO. PARA QUEM É DESINFORMADO, A INFRAERO HÁ ALGUM TEMPO É SUPERAVITÁRIA, NÃO DEPENDIA DE ORÇAMENTO DO GOVERNO PARA SE MANTER. O ENGRAÇADO QUE O GOVERNO COM A DESCULPA DE TENTAR FORTALECER A EMPRESA, ENTREGA A INICIATIVA PRIVADA OS AEROPORTOS QUE DÃO LUCRO A EMPRESA, SINCERAMENTE ATÉ HOJE NÃO ENTENDI QUE FORTALECIMENTO É ESSE.
AH VEM AI A COPA E AS OLIMPIADAS…ACONTECEU A COPA DAS CONFEDERAÇÕES E POR IRONIA DO DESTINO DAS CIDADES SEDE, APENAS 1 AEROPORTO NÃO ERA DE ADMINISTRAÇÃO DA INFRAERO, E NÃO SE OUVIU NENHUMA RECLAMAÇÃO A RESPEITO DOS SERVIÇOS PRESTADOS NESTES TERMINAIS.
AOS QUE DEFENDEM, (COM CERTEZA ALIENADO COM OS DISCURSOS DA REDE GLOBO), IRÃO VER O QUE LHE AGUARDA.

Responder

francisco pereira neto

27 de novembro de 2013 às 12h56

Eu acho que no senado existe apenas um senador, Roberto Requião.
É muito interessante que dos oitenta e um senadores, apenas Requião ocupa aquela tribuna para falar de assuntos polêmicos.
Não vou entrar no mérito se ele tem ou não razão nos temas que aborda, mas fica a dúvida porque ninguém do governo – e ele é da base aliada – vai lá no senado explicar as suas “contradições”. Será?
O leilão de Libra, até agora, para mim, ficou sem uma explicação convincente. Também ninguém do governo foi lá justificar.
Será que Requião é mesmo um irresponsável que só sabe criticar?
Agora, a única diferença entre Dilma e FHC é o inglês do Príncipe da Privataria pior do que da presidenta, eu não concordo. Na verdade é simplesmente pavoroso, principalmente quando dá entrevista na BBC de Londres e é perguntado sobre o Engavetador Geral Brindeiro.
http://www.youtube.com/watch?v=cNhs2d_ScW4

Responder

    Mário SF Alves

    27 de novembro de 2013 às 16h38

    Se em função das concessões e do invisível [e vergonhoso] enfrentamento ao PiG, a presidenta Dilma pode ser comparada ao FHC, francamente, ¹qualquer um, com mínimo de integridade moral, deve se sentir envergonhado ao criticar o dono do inglês do link:

    http://www.youtube.com/watch?v=cNhs2d_ScW4

    ¹Melhor dizendo, qualquer um que tenha votado nela.

    francisco pereira neto

    27 de novembro de 2013 às 23h07

    ?????????????????????????????????

    Mário SF Alves

    28 de novembro de 2013 às 12h03

    Tá, Francisco, entendo seu não entendimento. Vou tentar esclarecer. Penso que seja simples. Ou seja: ao admitirmos similaridade ou plena identidade ideológica [e portanto, administrava] entre os referidos governos, afirmando que são iguais a partir da(s) denúncia(s) do senador Requião e do não enfrentamento aos desmandos, ilegalidades e arrogância do PiG, estaremos praticando crítica não apenas leviana, mas assumindo publicamente visão reducionista. Senão isso, o que não resulta muito diferente, dando provas de tendenciosidade ou de insensatez sem tamanho.

    Assim, é bom que se tenha claro que muito diferentemente do governo Dilma, o governo FHC ficou marcado/chancelado pela IMPOSIÇÃO do neoliberalismo no Brasil; processo este conduzido de forma radical, insensata e mesmo desumana, na medida em que pouco se importou com a realidade social brasileira. Ora, o que eu quis dizer é que na condição de eleitores da presidenta Dilma, se ignorarmos ou não nos convencermos disso, penso que aí, sim, faltaria-nos a necessária integridade moral ao criticarmos o citado FHC.

    Aceite um abraço,

    Respeitosamente,

    Mário.

Paulo Guedes

27 de novembro de 2013 às 11h51

Requião parte de uma falácia: a INFRAERO não é coparticipe do ágio ou do valor de assunção do aeroporto. Os R$20 bi são bancados pelos vencedores do leilão e correspondem aos 51% do aeroporto.
Outra coisa: com a concessão as obras devem avançar – sob a responsabilidade do administrador privado – à salvo de ingerências do TCU, da LF 8666 e de políticos amigos. Trocando em miúdos as obras serão executadas por preço conveniente,pois quem paga é o concessionário, com melhor qualidade e em menor prazo.

Responder

Julio Silveira

27 de novembro de 2013 às 10h46

Eu protesto contra mais essa sinceridade do Requião, protesto por que não quero concordar com ele. Requião cale-se.

Responder

    Nelson

    27 de novembro de 2013 às 13h53

    Eu também gostaria, imensamente, de discordar do Senador Requião, Silveira. Porém, a coisa é clara por demais para que eu não admita que Dilma está a fazer o mesmo que FHC fez.

    Paulo Guedes

    27 de novembro de 2013 às 18h56

    Tão claro que te ofusca. E ai não consegues ver a realidade.

Mardones

27 de novembro de 2013 às 08h43

Não se pode criticar a Dilma que já surgem acusação de todo lado.

O fato é que o governo e a imprensa insiste em falar apenas em números soltos.

Ágio de bilhões! Sucesso total!

No entanto, deixam de detalhar como esse sucesso será bancado.

As concessões seguem o rito das privatizações, com a diferença do retorno do bem concedido à nação depois da exploração total e o enriquecimento das companhias privadas. E quem paga a conta? A população.

Responder

    Péricles

    28 de novembro de 2013 às 17h45

    Todas as contas públicas ou privadas quem paga é a população, mano. Do superfaturamento de uma obra pública aos caprichos das amantes dos grandes empresários, quem paga é a população. Ora como contribuinte, ora como consumidor.

J.R.

27 de novembro de 2013 às 07h59

Para começar, o óbvio…concessão é diferente de privatização. Os aeroportos serão devolvidos com um plano de obras previsto. (sem a necessidade daqueles longos processos licitatórios onde o TCU encontra 1001 irregularidades)
Para continuar, “Minha gente, R$ 10,24 milhões vão sair dos cofres da Infraero, que é uma estatal, que terá 49% dos consórcios”…tolice. Requião malandramente “se esquece” de um detalhe: a infraero terá 49% dos lucros também.
O governo não pode soltar um peido que já aparecem os histéricos dizendo que estão dilapidando nossos recursos, entregando tudo de graça.
PQ ninguém questiona a dívida do estado e os recursos que saem todo ano para a sua rolagem. Dinheiro que desaparece sem trazer absolutamente nada para o país.

Responder

    Edcosta

    27 de novembro de 2013 às 09h24

    Concordo com o J.R. Tenho minhas dúvidas sobre o que o senador Requião afirma acerca da participação da Infraero no leilão. Eu entendo que esses 20 bi serão pagos pelas empresas privadas que participaram do leilão. A Infraero fica de fora desta parte. A Infraero vai participar da administração, dos investimentos e dos rendimentos na proporção de 49%. Achei estranho o argumento do senador ao afirmar que a Infraero vai desembolsar a partir do leilão. Não, eu acho que o desembolso da Infraero vai começar somente a partir da nova administração dos aeroportos (Infraero + consórcio).

    leandro

    27 de novembro de 2013 às 09h42

    Mas..a vale também foi concessão, as teles também

    Beronha

    27 de novembro de 2013 às 11h08

    Acontece amigo que hoje a Infraero lucra 100%, você sabe quanto lucra o aeroporto de viracopos por exemplo? E o que mudou desde que foi concedido?

    Fica claro de que é realmente uma ação entre amigos, como tudo relacionado a politica no Brasil.

    Marcio

    27 de novembro de 2013 às 13h18

    Deixa de besteiras, rapaz, as teles foram privatizadas operando em que regime? CONCESSÃO. É exatamente a mesma coisa. Isso que vocês estão usando é a novilíngua petista.

    J.R.

    27 de novembro de 2013 às 19h02

    Não se faça de bobo…concessão sem prazo para fim é a mesma coisa que vender. Ou alguém acha que vai surgir um corajoso mandatário do poder que vai chegar na vale e nas teles e dizer “chega, já lucraram o suficiente, agora devolvam as companhias para o país…”
    Outra coisa é assinar uma concessão com prazo para término. Passou o prazo, volta para o estado.
    Essa é a “pequena” diferença, sem novilíngua nenhuma.

    Neotupi

    27 de novembro de 2013 às 20h03

    Errado. As teles eram estatais e foram vendidas. A concessão é para explorar o serviço de telefonia, que poderia ser feito para novas empresas espelho, sem vender as teles estatais que já existiam.

Moacir Moreira

27 de novembro de 2013 às 05h09

Requião para presidente!

Responder

Ulisses

27 de novembro de 2013 às 00h06

Vocês tão merecendo mesmo é um belo retorno aos tempos FHC! Assim talvez vocês comam merda suficiente para voltar a razão! Isto, critiquem o PT, derrubem a Dilma, votem no Aécio cheirador, Serra trucidador ou Marina engana trouxas. Já estou é de saco cheio desta esquerda que toda direita adora.

Responder

    Fabio Passos

    27 de novembro de 2013 às 07h32

    A esquerda que a direita adora é a entreguista:
    – que privatiza e entrega nossas riquezas e soberania aos mega-especuladores internacionais.
    – que apanha do PiG e ainda assim distribui verbas milionárias para as oligarquias midiaticas.

    Há uma esquerda que não verga o lombo e não se ajoelha diante do poder econômico. Acostume-se.

    Geraldo Galvão

    27 de novembro de 2013 às 12h32

    A esquerda que você diz que não verga, é a esquerda irrelevante, sem representatividade, e/ou capacidade de interferir no processo político. PCO e PSTU,não tem sequer um deputado, ou senador; já o Psol, que se alia à direita para combater o PT, tem um senador(Randolfe),que recebia propina do Governador do Amapá (Capiberibe)quando era Deputado Estadual; tem também uma Deputada Estadual no Rio de Janeiro -que era presidente do Diretório Estadual, que está sendo processada por falta de decoro parlamentar, ao ser flagrada desviando verba da Assembleia Estadual, e do Sindicato do qual era dirigente para pagar despesas do partido.

    Mário SF Alves

    27 de novembro de 2013 às 13h45

    Quando?

    Em 64?

    Ora, na marra, nem o Jango conseguiu. Teve uma certa esquerda radical por lá, uma tal Frente Nacionalista Radical, que pressionou tanto o Jango que deu no que deu. Claro, não foi só ela, obviamente. Teve também a influência da CIA; teve o dedo da pior elite do mundo e sua caixa de ressonância, o PiG da época. Enfim, teve de tudo. Teve até um conhecido ex-presidente [fujão] da UNE que, de tão radical, seu discurso constrangeu o presidente Goulart na Central do Brasil.

    Vale destacar:

    “Pouco se comenta, hoje em dia, mas a inviabilização do governo Jango (1961-1964) se deu, em grande parte (e hoje muitos se esquecem disso), pela oposição histérica das Esquerdas Radicais (CGT, UNE, PTB Brizolista, Ligas Camponesas) ao seu governo na época.

    Elas ajudaram, e MUITO MAIS DO QUE SE PENSA, a derrubar Jango.

    Assim, por exemplo, enquanto o governo Jango pretendia promover as ‘Reformas de Base’ dentro dos marcos legais e constitucionais, as Esquerdas Radicias defendiam que elas fossem feitas ‘Na Lei ou na Marra’.

    Um caso concreto que demonstra isso é o da Reforma Agrária.”

    ______________________________________________________
    Isso daí, possivelmente, você vai encontrar na biografia dele. O nome do autor é um Jorge Ferreira, professor da UFF.

    Fonte: http://guerrilheirodoanoitecer.blogspot.com.br/2013/11/as-esquerdas-radicais-e-o-golpe-de-64.html

    _____________________________________________________

    Ah, tem mais isso:

    Por que há pouco dados sobre o empresariado em relação a Goulart e aos militares?

    — O golpe de 1964 não foi dado por empresários que usaram os militares. O golpe foi dado por militares com apoio empresarial. A Fiesp, em inícios de 1963, apoiou Goulart na efetivação do Plano Trienal. Ele teve apoio de setores conservadores, desde que estabilizasse a economia, controlasse a inflação e se distanciasse das esquerdas, sobretudo dos comunistas e dos grupos que apoiavam Brizola na Frente de Mobilização Popular.

    Os grandes empresários, os políticos conservadores e a imprensa se afastaram de Goulart e passaram a denunciar o “perigo comunista” no segundo semestre de 1963, quando a economia entrou em descontrole e Jango se aproximou das esquerdas.

    Com o comício de 13 de março de 1964, os golpistas crescem e se unificam. A revolta dos marinheiros foi a fagulha que faltava, desencadeando gravíssima crise militar. A crise do governo Goulart tem uma história. É preciso reconstituí-la, com documentos e provas, superando repetidos jargões.

    Fonte:http://www.pdt.org.br/noticias/historiador-jorge-ferreira-lanca-joao-goulart-uma-biografia
    ______________________________
    Está claro que os tempos são outros. A URSS se esfacelou. No entanto, é difícil saber onde o xadrez político é mais complexo. Se na guerra-fria da bipolaridade, ou agora, na guerra à quente decorrente da hegemonia imperialista norte-americana. E, ainda que fosse mais fácil para a presidenta Dilma. Vá lá. Imagine o governo dela como um governo de esquerda, ideologicamente puro. Sim. Imaginou? Agora tente governar. Tente fazer um governo puro, sem coalizões, sem alianças. Tente fazer as reformas estruturais que desde Jango o desenvolvimento socioeconômico do Brasil requer.

    Em 64 a esquerda ou facções dela acreditava poder tomar o poder. Não lhes bastava, não lhes bastou e não era suficiente o governo da República Federativa do Brasil. Era necessário quebrar a via institucional. Era necessário quebrar um golpe de esquerda. Será que é isso o que ainda se pretende hoje?

    E fica um aviso: Em 64, bastou a crise econômica se acirrar, ou artificialmente acirrarem-na, e a suposta base de sustentação popular saiu pelo ralo.

    __________________________________________
    Então, companheiro. É essa a melhor postura em relação ao governo que temos? Penso que isso, essa tal crítica, é nada mais nada menos que ingenuamente somar forças com a mídia fora-da-lei, a caixa de ressonância da pior elite do mundo. Caixa de ressonância do capitalismo subdesenvolvimentista naZional e de muletas.

    Fabio Passos

    27 de novembro de 2013 às 21h37

    Requião é relevante. E não está sozinho.

    Não sei se o PT planeja fazer reformas de base. Deveria.
    Espero que ao menos pare de abaixar as calças…

    manoel

    27 de novembro de 2013 às 08h11

    Muito bom Ulisses. A esquerda que a direita adora, foi de uma felicidade sem fim. Eu também estou de saco cheio.

    Cesar Weber

    27 de novembro de 2013 às 12h27

    Esta citação não foi do Ulisses, e sim do Brizola, se referindo ao Lula… Vinha e enxergava de longe, ele.

Irineu

26 de novembro de 2013 às 23h59

Sempre discordei da forma que foi efetivado as privatizações
Esse vídeo do Requião fala exatamente o que penso.
Uma vez fui visitar um “empresário” em seu escritório na Berrini e ele estava falando que era a favor das privatizações.
Ai perguntei: Porque o governo não privatiza o projeto? E a empresa que ganhar entra com o capital para a construção e administra durante os anos conforme contrato.
Mas acontece ao contrário. Esperam construir com dinheiro público (dinheiro de nossos impostos)
ai vai a leilão, do que já esta pronto e a empresa que vence o leilão ainda é subsidiada pelo BNDS.
Será que o BNDS recebe esse dinheiro? Ou fica no “calote”?
Ele respondeu: Mas a empresa(empresário) não tem dinheiro para construir.
Percebe-se a conveniência parasitaria com facilitação de nossos políticos que deveriam defender a nação.

Responder

tiago carneiro

26 de novembro de 2013 às 21h48

A única coisa que os esquerdistas rosa rosinhas, como o Denis De Paula Santos, falam é mal do Requião. Mas me digam uma coisa: vao me dizer que ele não está certo?

Ainda bem que temos o VIOMUNDO. Na minha humilde opinião, um dos únicos verdadeiramente de esquerda.

Responder

wanildo alves

26 de novembro de 2013 às 20h57

Lembrar ao nosso querido Requião, que a Vale foi vendida durante o Governo FHC, por quatro bilhões, hoje a mesma vale duzentos bilhões, com um agravante de que nunca mais retornará a União.

Responder

Lucas

26 de novembro de 2013 às 20h53

O Estado brasileiro ” nao tem dinheiro” para fazer as obras de infra-estrutura nem os investimentos que que o pais necessita, praticamente metade do orçamento vai para pagamento de dividas, o pais não consegue sair do atoleiro, mesmo tendo crescimento econômico ha mais de 10 anos por isso, é superavit atras de superavit, e se n fizer isso, o mercado financeiro ja ameaça.

Responder

    Leandro

    26 de novembro de 2013 às 22h38

    A dívida chegou ao patamar de 2 trilhões apenas uma vez, em dezembro de 2012, segundo a série do Tesouro. Mas ainda ficou abaixo dos 2,02 trilhões verificados em outubro. A série mostra ainda que a dívida pública dobrou entre 2004 e 2013.

    Mário SF Alves

    27 de novembro de 2013 às 16h20

    Esse é o garrote. E esse ninguém discute. Curioso é que sobre a dívida pública interna, sobre esses dois trilhões, a mídia fora-da-lei, bem como o The Econosmist, tão preocupados com os desacertos do governo, não dão um pio sequer.
    __________________________
    Guerra à quente. É a guerra de imposição guela abaixo do tudo pelo neoliberalismo.
    _______________________________________
    E só pra recordar, segue o link:
    http://www.slideshare.net/victormarcelino/breve-comparao-entre-lula-fhc-dilma-e-serra

    leonardo

    27 de novembro de 2013 às 19h55

    Essa é a raiz do problema, quem vai enfrentar esta dívida imoral e realizar uma auditoria séria e com resultados concretos? Aécio, Dilma, Campos, e derivados? Quando começam a falar em carta ao povo brasileiro significa que já estão de joelhos. Desta forma vamos sangrando lentamente e alimentando o ralo sem fim do mercado financeiro… O caminho é poupar e não entrar nessa onda de consumismo, sejamos os Japoneses que sempre estão prontos para uma tragédia, esta logo virá!

Jayme Vasconcellos Soares

26 de novembro de 2013 às 20h40

Parabéns Roberto Requião por mais uma denúncia de mais uma traição do governo Dilma contra o povo brasileiro! Estou decepcionado e indignado com a política privatista desta Presidenta da nossa República. Mas os eleitores execrarão a Dilma e seus asseclas, nas urnas em 2014!

Responder

tiago carneiro

26 de novembro de 2013 às 19h20

FHC de saias: a traidora.

Não sei se vocÊs já notaram, mas nossa FHC de saias godê não fez UMA REALIZAÇÃO sequer. 100% do que ela faz, do que ela diz que o governo dela fez, do que ela se orgulha, são realizações do Nunca Dantes.

E na campanha? O que ela vai fazer? ”Vendo ferrovia, portos, estradas e aeroportos, rifei o pré-sal, mesmo tendo capacidade em 2015 de explorar a bacia, acabei o plano nacional de banda larga, sufoquei os funcionários públicos, aumentei a pareticipação de estrangeiros no BB, estou querendo vender a EMBRAPA, meu governo trabalha a favor do agronegócio, sufoca indios e quilombabas, meus ministros nao tiram a tv da globo, sou uma neoliberal tal qual FHC. Votem em mim”.

PHA e Tijolaço irão dizer que foi tudo nota mil….

Essa FHC de saias…

Responder

Viktor

26 de novembro de 2013 às 18h50

Infelizmente, a Dilma tem vocação neoliberal. Quando ela assumiu o governo, o ex-presidente Lula deixou pronto o caminho traçado em busca do sucesso. Era só seguir em frente com um céu de brigadeiro. Mas, não. Além de virar à direita, ela está acabando com o legado do governo Lula, e agora realiza os sonhos neoliberais de FHC, com tanta privatização ou leilão ou doação, como disse o Senador Requião. Além disso, o governo Dilma fracassou em vários setores. Deixou de investir em infra-estrutura. Não consegue concluir nenhum projeto de peso, tais como, transposição do Rio São Francisco e a Ferrovia Transnordestina. No setor econômico gerou instabilidade na economia que impede o crescimento do Brasil. A DILMA SÓ PENSA EM FAZER LEILÃO DE NOSSAS RIQUEZAS.

Responder

    tiago carneiro

    26 de novembro de 2013 às 19h15

    Opa, fico feliz em ver um comentário sensato no viomundo. Ficava triste em ver os ”esquerdistas amestrados”, aqueles regados a tijolaço e conversa afiada, os mesmos que comemoram toda e qualquer pilhagem feita pela FHC de saias.

    Se a INFRAERO é a segunda melhor empresa de gestão de aeroportos do mundo, se 100% das reformas são bancadas pelo governo, PRA QUE VENDER??!?!?!?!

    (sim, não engulo a concessão).

    Essa FHC DE SAIAS.

Sergio Silva

26 de novembro de 2013 às 18h27

Parabéns ao brilhante senador pela coragem. Uma das poucas vozes sensatas da política brasileira.

Responder

Fabio Passos

26 de novembro de 2013 às 18h26

Requião está coberto de razão.

Dilma traiu seus eleitores.
Virou as costas para a população que não aceita mais o entreguismo e quer o Estado a frente da ampliação e gestão da nossa infra-estrutura e serviços.

A esquerda vai pagar caro por esta covardia de Dilma.

Responder

    MariaC

    27 de novembro de 2013 às 12h49

    Minha ressalva a Requião é quanto a seu partido e suas fugas em momentos estratégicos. No mais ele tem coragem.

João da Base Aliada

26 de novembro de 2013 às 18h25

Concordo plenamente com o SENADOR REQUIÃO, ação entre amigos, doação dos aeroportos, concessão=privatização. Empulhação.

Responder

    tiago carneiro

    26 de novembro de 2013 às 19h21

    Isso!!!!

    Vamos ver o que os ”esquerdistas rosados” irão dizer do Requião.

    Mário SF Alves

    26 de novembro de 2013 às 23h14

    Dizer de quem? Do super-homem Requião?
    _____________________
    Bom, já temos o Batman. Daqui a pouco, a continuar nesse ritmo, teremos a refundação de toda a Liga da Justiça. Mas, que pena. Dói informar, ela só existe no mundo da fantasia.

    _________________________________________
    É. Numa coisa você tem razão, sim. De fato, estamos muito rosados. Como é mesmo a síntese? Pragmatismo, governismo, realpolitik? São esses os males que padecemos? É essa a cegueira que nos atinge?
    ______________________________________________________
    Tá. E daria pra fazer diferente? Como?

    Não. Não vá me dizer que você é da Liga também?


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.